Stela Marcia Moreira Rosa

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7227919984958525
  • Última atualização do currículo em 14/12/2018


Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestrado em Educação (UFSC). Graduação em Comunicação Social (PUC/RS). Graduação em Pedagogia ( Universidade Anhembi Morumbi). Pesquisa os seguintes temas: gênero, educação de jovens e adultos, educação profissional e tecnológica, com foco em: política curricular, educação de jovens e adultos, formação de professores, gênero e educação e ações afirmativas. Participa do Grupo de Pesquisa ALTERITAS Grupo de Estudos sobre Diferença, Arte e Educação (UFSC). Atuou em consultoria para o desenvolvimento de políticas públicas junto às Secretarias Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República e de Educação Profissional e Tecnológica ( MEC). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em reportagem e editoração de portal e livros, e na área da educação, ministrando oficinas e cursos. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Stela Marcia Moreira Rosa
Nome em citações bibliográficas
ROSA, Stela;ROSA, STELA

Endereço


Endereço Profissional
Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência.
Quadra SCS Quadra 9
Asa Sul
70308200 - Brasília, DF - Brasil
Telefone: (61) 20253684


Formação acadêmica/titulação


2017
Doutorado em andamento em Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFSC.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: Os Sentidos da Experiência na EJA,
Orientador: Joana Célia dos Passos.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Educação, EJa, Subjetividades.
Grande área: Ciências Humanas
2014 - 2016
Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFSC.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: O RECONHECIMENTO DE SABERES NO PROGRAMA MULHERES MIL: ENTRE A COLONIALIDADE DO PODER E DE GÊNERO,Ano de Obtenção: 2016.
Orientador: Joana Célia do Passos.
Coorientador: Juares da Silva Thiesen.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: Educação Profissional e Tecnológica; Educação de Jovens e Adultos; Programa Mulheres Mil; Reconhecimento de Saberes; Colonialidade do Poder e de Gênero.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Gênero.
2016 - 2018
Graduação em Pedagogia.
Universidade Anhembi Morumbi, UAM, Brasil.
2013 - 2013
Graduação em Programa Especial de Formação de Docente.
Universidade Católica de Brasília, UCB/DF, Brasil.
1996 - 2000
Graduação em Comunicação Social.
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, Brasil.
Título: A America Latina não se vê nos seus jornais.
Orientador: Celso Augusto Schröder.




Formação Complementar


2018 - 2018
Michel Foucault e as Insurreições (Diogo Sardinha). (Carga horária: 12h).
SESC - Administração Regional de Santa Catarina, SESC/SC, Brasil.
2017 - 2017
Extensão universitária em Memória, patrimônio e ensino de história: decolonizando práticas e saberes. (Carga horária: 16h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2017 - 2017
Mundo e Desmundanização em Hannah Arendt. (Carga horária: 5h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2016 - 2016
Extensão universitária em Simpósio (Trans)Gênero e Religião. (Carga horária: 30h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2016 - 2016
Extensão universitária em Seminário Direito e Exceção. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2016 - 2016
Curso de Introdução ao Pensamento de Frantz Fanon. (Carga horária: 8h).
Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Brasil.
2016 - 2016
Como Debater Gênero e Sexualidade na Escola. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2013 - 2013
Extensão universitária em Cuidando do Cuidador. (Carga horária: 80h).
Movimento Integrado de Saúde Mental Comunitária, MISMEC, Brasil.
2013 - 2013
Completo de Língua Portuguesa. (Carga horária: 120h).
Curso Professor Filemon, CPF, Brasil.
2012 - 2012
Extensão universitária em Terapia Comunitária. (Carga horária: 80h).
Movimento Integrado de Saúde Mental Comunitária, MISMEC, Brasil.
2012 - 2012
Painel De Barreiras a Oportunidades de Emprego. (Carga horária: 8h).
Ministerio de Desarrollo e Inclusión Social, MDIS, Peru.
2012 - 2012
III Workshop de Escrita de Ficção. (Carga horária: 24h).
Escrita Criativa.Net, EC.N, Brasil.
2007 - 2007
Extensão universitária em II Congresso de Jornalismo Investigativo. (Carga horária: 40h).
Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, ABJI, Brasil.
2004 - 2004
Atualização em Língua Portuguesa. (Carga horária: 40h).
Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, SJRS, Brasil.
2003 - 2003
Extensão universitária em Introdução ao Jornalismo Econômico. (Carga horária: 40h).
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, Brasil.
2003 - 2003
Extensão universitária em Introdução ao Jornalismo On Line. (Carga horária: 40h).
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, Brasil.
2000 - 2000
Extensão universitária em Jornalismo Ambiental. (Carga horária: 40h).
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, SETEC, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Consultora, Carga horária: 20
Outras informações
Consultora da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República no âmbito do Plano Viver sem Limite. O trabalho tem como objetivo elaborar e implementar estratégias para estimular a inclusão de pessoas com deficiência nos cursos ofertados pelo Governo Federal, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)

Vínculo institucional

2011 - 2014
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Coordenadora de Relações Institucionais, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
O trabalho integra a coordenação nacional de Programa Mulheres Mil, que está em fase de expansão, é responsabilidade da Coordenação capacitar os servidores dos Institutos Federais de Ensino [IF´s] na metodologia do Programa, orientar, aprovar e orientar as descentralização dos recursos, acompanhar a execução, realizar o monitoramento e articular com os Ministérios (MDS, SPM, SDH, SENAES/MTE) . A coordenação é responsável também pelo monitoramento do Programa de Expansão da Educação Profissional (PROEP), implantação do FIES Técnico Empresa, acompanhamento do Acordo do Sistema S e organização da I Edição do Sistema Unificado de Seleção de Educação Profissional e Tecnológica (SISUTEC - 2013).


Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, UNESCO, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2010
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Coordenação de comunicação do Mulheres Mil, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Implantado pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec/MEC), em parceria com o governo do Canadá, o trabalho de comunicação incluiu elaboração de projeto e planejamento, gestão de comunicação. Formação de rede de comunicadores com a assessoria de imprensa dos Institutos Federais (IFs), antigos Cefets, gerenciamento e produção de conteúdo do Portal, edição de vídeos e organização da memória. No que diz respeito à gestão, foi realizado acompanhamento dos projetos, com visitas aos 13 estados onde a ação pública foi implantada, suporte de informação nas reuniões do Comitê Organizador Brasil/Canadá e produção de relatórios. (Empregador Unesco e Associação Comunitária dos Colleges Canadeneses - Canadá).


Ministério da Educação, MEC, Brasil.
Vínculo institucional

2007 - 2008
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Assessoria de Imprensa, Carga horária: 40
Outras informações
Assessoria de imprensa e redação de reportagens para os Cadernos Temáticos da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica [SETEC]. Assessoria de imprensa na comunicação do Ministério da Educação [MEC].


E.labore Assessoria Estratégica em Meio Ambiente, E.LABORE, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2010
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Assessoria de Imprensa, Carga horária: 20
Outras informações
Assessoria de imprensa, acompanhamento das reuniões de conselhos estaduais e municipais de meio ambiente, mapeamento e acompanhamento dos projetos de lei do legislativo, relatórios de tendências e produção de matérias.


Fórum Social Mundial, FSM, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Assessoria de Imprensa, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Assessoria de imprensa na IV edição do Fórum Social Mundial (2005).


Fórum Mundial de Educação, FME, Brasil.
Vínculo institucional

2001 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Coordenação de Comunicação, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Coordenação de comunicação e assessoria de imprensa das edições do Fórum Mundial de Educação (2002, 2003, 2004).


Associação dos Trabalhadores em Educação do Município de Porto Alegre, ATEMPA, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2006
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Editora e Redatora, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Edição e Redação dos Jornais da Associação dos Trabalhadores em Educação do Município de Porto Alegre [RS - ATEMPA].


Câmara Municipal de Gravataí, CMG, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Coordenação de Comunicação, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Coordenação de comunicação da Câmara Municipal de Gravataí [RS].


Folha de São Paulo, FSP, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Repórter, Carga horária: 20
Outras informações
Folha de São Paulo - Caderno Sinapse. Do muro para a ponte - (Edição - Nº 34 - Data - 26/04/2005). Entrevista com educador israelense sobre projeto de educação para a paz em Israel. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/sinapse/sa2604200501.htm


Fórum Mundial de Educação Temático, FMET, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2006
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Planejamento de Comunicação, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Planejamento de Comunicação, redação de matérias, entrevistas, edição de jornais e gerenciamento do site. Na Baixada Fluminense [Rio de Janeiro], marcada pelo estigma da violência, foi desenvolvido o projeto Imagem Fluminense ? Baixada em Alta. A iniciativa reuniu oito fotógrafos internacionais que captaram imagens positivas dos 13 municípios da Baixada Fluminense. Os 50 trabalhos foram transformados em uma exposição fotográfica.


Jornal Extra Classe, JETC, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Repórter, Carga horária: 30, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Reportagens para o jornal Extra Classe. Extra Classe é uma publicação mensal do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul [SINPRO/RS].


Prefeitura Municipal de Gravataí, PMG, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2004
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Coordenação de Comunicação, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Coordenação de Comunicação da Prefeitura de Gravataí [RS].


Prefeitura Municipal de Porto Alegre, P/PORTO ALEGRE, Brasil.
Vínculo institucional

2001 - 2002
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Repórter e Produtora, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Repórter e Produtora do programa Cidade Viva [Prefeitura Municipal de Porto Alegre/RS].


Secretaria Municipal de Educação de Alvorada, SMEA, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - 2004
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Editora e Redatora, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Redação e Edição de Textos do Jornal Escola Viva - Informativo da Secretaria Municipal de Educação de Alvorada [RS].


Sindicato dos Professores de Gravataí, SPG, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2006
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Editora e Redatora, Carga horária: 20
Outras informações
Edição e Redação dos jornais dos Sindicatos dos Professores de Gravataí [RS].


Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, SDH, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Consultora, Enquadramento Funcional: Consultora, Carga horária: 20
Outras informações
Consultoria para o Plano Viver Sem Limite, no Eixo Educação. O trabalho tem o objetivo de promover a inserção de pessoas com deficiência nos cursos técnicos e de formação inicial e continuada, ofertados pelo Governo Federal, no âmbito do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).



Projetos de pesquisa


2017 - Atual
PESQUISA DE DOUTORADO - OS SENTIDOS DA EXPERIÊNCIA NA EJA
Descrição: O presente estudo de caso tem como objetivo investigar como se configura o processo de reconhecimento de saberes prévios, advindos da experiência no âmbito da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para tanto, serão realizadas entrevistas com os/as alunos/as, para apreender suas representações e significados acerca dos seus saberes constituídos pela experiência vivida; e grupo focal com os professores, cujo foco é compreender os significados que atribuem às experiências de vida dos alunos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador.
2014 - 2016
Avaliação de Impacto do Programa Mulheres Mil /MEC/SETEC - Brasil
Descrição: O Projeto tem como objetivo principal investigar o impacto sócio, profissional e educacional do Programa Nacional Mulheres Mil no Brasil. Contextualizado na proposta pedagógica dos Institutos Federais, que promovem a cultura da inovação e inclusão no âmbito da Educação Profissional e Tecnológica, o Programa Mulheres Mil visa à formação educacional, profissional e cidadã de mulheres desfavorecidas e a criação de pontes necessárias para que essas incrementem seu potencial produtivo, promovam a melhoria das condições de vida e da economia de suas famílias e de suas comunidades. O Programa inicia com a cooperação do governo canadense e, para a experiência brasileira, desenvolveu processos, metodologias, técnicas e currículo para o acesso, a permanência e o êxito das mulheres, passando a ter status de política pública. Nesse sentido, a pesquisa enquadra-se como estudo de caso avaliativo, de caráter qualitativo e quantitativo, propondo-se a estudar em profundidade os impactos do Programa Mulheres Mil de forma a fornecer aos gestores públicos informações que contribuam para o julgamento do mérito do referido Programa como política pública. A análise dos dados primários e secundários será organizada através do Método do Quadro Lógico que se configura como uma ferramenta analítica de apresentação e gestão que envolve a análise do problema, análise dos stakeholders, o desenvolvimento da hierarquia dos objetivos e a seleção da estratégia de implementação. Orientam a investigação a seguintes questões de pesquisa: Quais os impactos sócio, profissional e educacional do Programa Nacional Mulheres Mil no Brasil? Quais os processos e indicadores centrais de avaliação, internos e externos, que podem contribuir para a construção de um instrumento de avaliação para análise do impacto do Programa Mulheres Mil? Quais os impactos institucionais produzidos nos IFs pelo Programa Mulheres Mil? Em que medida o Programa Mulheres Mil vem contribuindo para a inserção das mulheres no mundo do trabalho? Em que medida o Programa Mulheres Mil vem contribuindo para a elevação da escolaridade dessas mulheres e das suas famílias? A metodologia de acesso, permanência e êxito do Programa Mulheres Mil vem contribuindo para a construção de novas práticas pedagógicas que atendam as necessidades do o percurso formativo dessas mulheres? Quais as influências do Programa Mulheres Mil para a melhoria do acesso das mulheres aos serviços públicos de saúde, segurança, dentre outros?..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador / Jussara Maysa da Silva Campos - Integrante / Maria Jose de Resende Ferreira - Integrante / Ania Tamilis da Silva - Integrante / Marilise Doege Esteves - Integrante / Nara Vieira de Souza - Integrante / Violeta Maria de Siqueira Holanda - Integrante / Clarice Monteiro Escott - Integrante / Adriana Rivoire Menelli de Oliveira - Integrante.
2014 - 2016
PESQUISA DE MESTRADO - O RECONHECIMENTO DE SABERES NO PROGRAMA MULHERES MIL: ENTRE A COLONIALIDADE DO PODER E DE GÊNERO
Descrição: O presente estudo teve como objetivo analisar o processo de identificação e reconhecimento de saberes no IFSC-Campus Tubarão, das mulheres-trabalhadoras em situação de vulnerabilidade social, considerado eixo central do Programa Mulheres Mil. A temática dessa pesquisa inscreve-se no contexto em que, mesmo que as estatísticas apontem para maior inserção das mulheres na educação, tal realidade não é hegemônica. Daí a necessidade do recorte de classe e raça para desvelar a exclusão de mulheres pobres e, especialmente, das negras, dos processos educacionais. A escolha do lócus da pesquisa decorreu, especialmente, da participação de negras e brancas nos cursos, representativa da multietnicidade brasileira. No percurso metodológico, foram realizadas análises dos documentos oficiais e dos planos pedagógicos dos cursos, da interação entre os 13 participantes do grupo focal, do questionário semi-estruturado e da entrevista com representante do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS). Consubstanciada nos Estudos Decoloniais, partimos do pressuposto de que a sociedade brasileira é tributária do processo social de racialização imposto pela empreitada colonial eurocêntrica, que inferiorizou negros e índigenas e continua operando no cotidiano. Para contribuir com a análise da referida temática, estabeleceu-se diálogo com diferentes campos: Sociologia: Quijano (2000, 2005,2010), Grosfoguel (2010, 2016), Mignolo (2003, 2008, 2010), Santos (2008, 2010), Souza, (2009, 2010), Bourdieu (2002, 2004, 2008,); Estudos de Gênero: Lugones (2014, 2013), Scott (1995), Louro (1997); Estudos sobre Relações Raciais: Fanon (1968, 2008), Guimarães (1999), Hasenbalg (1979, 2006), Passos (2009, 2012 ) e Gomes (2005,2012,). E interlocução com estudiosos da EJA e da perspectiva decolonial na educação: Arroyo (2007, 2011), Freire (1987, 1992, 1996), Walsh (2009, 2013), Candau (2013), Oliveira (2005, 2007), Charlot (2000). Para a sistematização e análise dos dados, tomou-se como referência a análise de conteúdo temática e categorial (BARDIN, 2010), que permite focalizar a importância das palavras, do contexto e das circunstâncias nas quais a mensagem é vinculada, considerando também a importância de indicadores não frequenciais. Também incorporamos aspectos da sistematização das experiências (JARA, 2013) para realizar, durante a coleta de dados, uma reflexão coletiva, visando localizar as tensões, contradições e consensos. Este estudo aponta que, na relação que os/as docentes e servidores/as do IFSC estabelecem com os saberes das mulheres-trabalhadoras, há influência da concepção de gênero, com a tendência de identificar com mais prevalência aqueles historicamente associados às mulheres, ao trabalho doméstico, às relações de cuidar de ? pessoas, espaços, meio ambiente, etc. Pode-se identificar que os saberes das trajetórias de vida se fazem presentes na sala de aula, colocando-se em diálogo com os conteúdos ministrados e promovendo mudanças na prática pedagógica. Trata-se assim de um processo dual e conflituoso, permeado por preconceitos e discriminação racial, que diferenciam as classes sociais e os conhecimentos considerados válidos daqueles originários da experiência. Este estudo pretende mostrar os limites da perspectiva eurocêntrica, que inferioriza povos pela cor da pele, subjuga as mulheres e impõe um caminho único para viver, ser e estar. E defende a adoção de Epistemologias do Sul para que se possa instituir processos educacionais balizados na interculturalidade crítica e assim constituir pedagogias decoloniais..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador.
2014 - Atual
Ações Afirmativas: Ensino, Pesquisa e Extensão na perspectiva da educação das relações étnico-raciais
Descrição: O objetivo da pesquisa é identificar os crimes ou violações a Direitos Humanos cometidos em face da escravidão no Estado de Santa Catarina, ou como consequência da continuidade de práticas sociais de origem escravista, identificando as populações vitimadas. O elemento básico da pesquisa a ser desenvolvida é a compilação de documentos históricos sobre a escravidão negra em Santa Catarina, a partir das pesquisas e da bibliografia já existente produzida pelas diversas equipes, tanto locais, como nacionais ou internacionais, e por meio de pesquisas a serem realizadas em diversos arquivos públicos ou particulares que possam trazer novos elementos acerca dos crimes e violações a direitos humanos que as populações negras do Estado tenham sofrido. Integram a pesquisa diversas instituições: UFSC, NEN, Universidade Estácio de Sá, entre outras..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (3) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador / Joana Célia dos Passos - Integrante / Tatiane Cosentino Rodrigues - Integrante.
2013 - 2015
Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN): a participação das pesquisadoras negras na produção do conhecimento científico em geral e em relações raciais e de gênero.
Descrição: O projeto tem como objetivos: Geral: Examinar a participação das pesquisadoras negras na Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), na produção do conhecimento científico em geral e em relações raciais e de gênero. Específicos: - Construir e analisar o perfil das pesquisadoras que integram a ABPN como filiadas considerando os aspectos de raça/cor, faixa etária, formação, área de atuação, áreas de pesquisa, produção bibliográfica e participação em movimentos sociais. - Construir a trajetória de pesquisadoras negras para compreender sua inserção acadêmica. - Examinar a intersecção raça-gênero nos interesses gerais da ABPN, nas temáticas dos congressos realizados e nos objetos de pesquisa dos/as filiados/as. - Fortalecer as ações de pesquisa no campo das relações de gênero e raça na Universidade do Sul de Santa Catarina com o intuito de a médio prazo constituir um grupo de pesquisa com esse foco. - Socializar os resultados da pesquisa em eventos nacionais como: Seminário Internacional Fazendo Gênero; Congresso Nacional de Pesquisadores/as Negros/as; Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e ANPED Sul. - Divulgar e dialogar com os interlocutores dentro e fora do universo acadêmico, a partir dos conhecimentos produzidos na pesquisa..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Integrante / Joana Célia dos Passos - Coordenador.


Projetos de extensão


2018 - Atual
PATRIMÔNIO CULTURAL E PRESENÇA NEGRA EM SANTA CATARINA
Descrição: De acordo com o Censo 2010 Santa Catarina possui 16% de população negra, o que o torna o estado mais branco da nação brasileira. Contudo, a participação de homens e mulheres negros se faz presente em todos os municípios deste estado, o que significa que sua participação econômica é ativa no desenvolvimento catarinense, desde sempre. Desse modo, o presente projeto apresenta a proposta de realização de um conjunto de atividades inter campi (Trindade, Araranguá e Blumenau), cujo objetivo é visibilizar narrativas da história e cultura afro-catarinense, brasileira e africana, com o intuito de potencializar a composição das memórias da população negra do estado de Santa Catarina. Pretende também afirmar a resistência da população negra presente no mundo urbano e rural, onde as religiões de matrizes africanas, os clubes negros, as irmandades, os festejos, as escolas de samba e a diversidade de manifestações culturais de origem africana, sustentam e legitimam as negras e negros no sul do Brasil como sujeitos ativos da história e memória presente. Serão realizadas: mesas redondas, palestra, oficinas, lançamentos de livros nos campi envolvidos. Pretende-se alcançar estudantes, professores/as, pesquisadores/as, ativistas antirracismo e comunidade em geral..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (9) / Doutorado: (5) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador / Joana Célia dos Passos - Integrante.
2017 - Atual
NEGRAS VOZES: resistências culturais em SC
Descrição: De acordo com o Censo 2010 Santa Catarina possui 12% de população negra, o que o torna o estado mais branco da nação brasileira. Contudo, a participação de homens e mulheres negros se faz presente em todos os municípios deste estado, o que significa que sua participação econômica é ativa no desenvolvimento catarinense, desde sempre. Neste sentido, o presente tem como objetivo contribuir com a difusão da história e cultura afro-catarinense, brasileira e africana, por meio de um acervo digital sobre a resistência afro-catarinense, promovida por organizações e movimentos negros a partir do século XX. Além disso, se propõe a contribuir com o fortalecimento da universidade como espaço intelectual, científico, educativo e político para a modificação do padrão desigual e discriminatório das relações étnico-raciais que ainda reverberam em seu interior.. Situação: Em andamento; Natureza: Extensão..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
2016 - 2017
III CONGRESSO DE PESQUISADORES/AS NEGROS/AS NEGRAS E NEGROS NO SUL DO BRASIL: desenvolvimento, patrimônio e cultura afro-brasileira
Descrição: O presente projeto apresenta a proposta de realização do III Congresso de Pesquisadores/as Negros/as da Região Sul (COPENE Sul), com o tema ?NEGRAS E NEGROS NO SUL DO BRASIL: desenvolvimento, patrimônio e cultura afro-brasileira? que acontecerá de 10 a 13 de julho do corrente ano na Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Trindade. O evento que está sendo organizado pela UFSC, UDESC e pela Associação Brasileira de Pesquisadores Negros/as (ABPN) tem como objetivo promover a divulgação da produção científica, tecnológica e cultural sobre desenvolvimento, patrimônio e cultura afro-brasileira, incentivando a inovação e a geração de conhecimentos e a troca entre pesquisadores e estudantes de ensino médio, graduação, e pós-graduação e movimentos antirracistas do Brasil e do Cone Sul. O diferencial desse Copene é articulação com escolas de educação básica (Ensino Médio e EJA) para participação de professores/as e estudantes. Serão realizadas: mesas redondas, conferências, apresentação de comunicações e pôsteres, oficinas, minicursos, lançamentos de livros e atividades culturais. A expectativa é alcançar o público de 700 pessoas.
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (10) / Mestrado acadêmico: (8) / Doutorado: (6) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador / Joana Célia dos Passos - Integrante.
2016 - 2017
NEGRAS VOZES: ARTE, PRESENÇA E MEMÓRIA
Descrição: O presente projeto tem como objetivo contribuir com a difusão da cultura afro-brasileira e africana no universo da UFSC e em escolas públicas, com o intuito de potencializar a implementação da Lei 10639/03 nos currículos. A referida Lei estabelece a obrigatoriedade da história e cultura negra nos currículos escolares, inclusive nas universidades. Além disso, o projeto se propõem a contribuir com o fortalecimento da universidade como espaço intelectual, científico, educativo e político para a modificação do padrão desigual e discriminatório das relações étnico-raciais que ainda reverberam em seu interior. A difusão da história e cultura negra será realizada por meio de mostras documentais e oficinas temáticas e sarau musical.
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (3) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Integrante / Joana Célia dos Passos - Coordenador.
2015 - 2016
ACOLHER 2015: acolhimento e inserção de estudantes cotistas negros e indígenas ao universo acadêmico da UFSC
Descrição: O presente projeto tem como intenção contribuir com a promoção da igualdade racial no ensino superior e colaborar com o fortalecimento do Programa de Ações Afirmativas da UFSC. Para o alcance dos objetivos aqui propostos foram estabelecidas 3 ações, sendo: 1) Acolhimento e inserção dos estudantes cotistas na cultura acadêmico-administrativa da universidade; 2) Formação de professores e estudantes na Escola de Educação Básica Aderbal Ramos; e 3) Elaboração de materiais para divulgação do projeto e sobre ações afirmativas. O mesmo se vincula ao Núcleo Vida e Cuidado NUVIC do Centro de Educação, no qual participo como integrante.
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Mestrado acadêmico: (3) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Stela Marcia Moreira Rosa - Coordenador / Joana Célia dos Passos - Integrante / Patrícia de Moraes Lima - Integrante.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação / Subárea: Pesquisa em Educação - Educação de Jovens e Adultos, Currículo, Formação Docente.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação / Subárea: Gestão de programas e projetos na área da educação profissional e tecnológica.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação / Subárea: Reportagem e editoração de portal e livros.


Idiomas


Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

SciELO
Total de trabalhos:1
Total de citações:1
Stela Rosa  Data: 05/03/2018

Artigos completos publicados em periódicos

1.
ROSA, STELA2018ROSA, STELA; CERNY, ROSELI ZEN ; ESPÍNDOLA, MARINA BAZZO DE . Inclusão digital para mulheres em situação de vulnerabilidade social: a percepção dos formadores. REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONA, v. 18, p. 798-817, 2018.

2.
1ROSA, Stela;ROSA, STELA2015ROSA, Stela; PASSOS, J. C. . A categoria ?gênero? no Programa Nacional Mulheres Mil. PRAIA VERMELHA (UFRJ), v. 25, p. 235-258, 2015.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
ROSA, Stela. Mulheres Mil: Do Sonho à Realidade. 1. ed. Brasília/DF: Ministério da Educação [MEC], 2011. v. 1. 420p .

2.
ROSA, Stela. Memória do Fórum Mundial de Educação: Alternativas para construir um Outro Mundo Possível. 1. ed. Brasília/DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais [INEP], 2007. v. 1. 289p .

3.
ROSA, Stela. Anais e deliberações da I Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. 1. ed. Brasília: Ministério da Educação, 2006. v. 1. 380p .

4.
ROSA, Stela. A saga dos alemães - do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo. 1. ed. Porto Alegre [RS]: E.G.Engelmann, 2004. v. 3. 5129p .

Capítulos de livros publicados
1.
ROSA, Stela. O Dever da Memória na Educação de Jovens e Adultos. In: Elison Antonio Paim; Nilton Mullet Pereira. (Org.). O Dever da Memória na Educação de Jovens e Adultos. 1ed.Florianópolis: Copiart, 2018, v. 1, p. 181-195.

2.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . Violências de Gênero e Racismo. In: Ana Maria Veiga, Teresa Kleba Lisboa e Cristina Scheibe Wolff. (Org.). Gênero e Violências: Diálogos Interdisciplinares. 1ed.Florianópolis: Edições do Bosque/CFH/UFSC, 2016, v. 1, p. 49-64.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . EaD cresce com pouco controle de qualidade. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 2 - 3, 10 dez. 2007.

2.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . Doenças ocupacionais começam a sair da invisibilidade. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 1 - 2, 03 dez. 2007.

3.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . ONGs na mira da Justiça. Jorna, Porto Alegre, RS, p. 3 - 5, 07 maio 2007.

4.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . O jabá dos remédios. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 2 - 4, 05 mar. 2007.

5.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . Saúde do professor e ambiente escolar. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 3 - 5, 09 out. 2006.

6.
ROSA, Stela. Educação à venda. Entrevista - Educação à venda - Bernard Charlot, Rio Grande do Sul, p. Editoria - Entrevista, 01 jul. 2006.

7.
ROSA, Stela. O Preço da expansão desordenada. Jornal Extra Classe, p. Especial - Educação, 01 jul. 2006.

8.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . O Patrão fantasma. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 3 - 6, 05 jun. 2006.

9.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . Dinheiro fácil de pegar, dificil de pagar. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 3 - 5, 05 dez. 2005.

10.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . Professores trabalham doentes para garantir o emprego. Jorna, Porto Alegre, RS, 06 jun. 2005.

11.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . A dança da liberdade. Jornal Extra Classe, Rio Grande do Sul, 01 mar. 2005.

12.
ROSA, Stela. O dia-a-dia dos professores viajantes. Jornal Extra Classe, Rio Grande do Sul, p. Matéria Capa, 01 nov. 2004.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
ROSA, Stela. A abordagem de gênero no processo educacional do Programa Mulheres Mil na perspectiva da Colonialidade do Poder e de Gênero. In: 13 Mundo de Mulheres e Fazendo Gênero 11, 2017, Florianópolis. Anais XI Seminário Internacional Fazendo Gênero [recurso eletrônico] : 13th. Women?s Worlds. Florianópolis: UFSC, 2017. v. 1. p. 1-13.

2.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . Violêcia de Gênero e Racismo. In: Colóquio Interdisciplinar Gênero e Violências, 2016, Florianópolis. COLÓQUIO INTERDISCIPLINAR GÊNERO E VIOLÊNCIAS. Florianópolis: Edições do Bosque, 2016. v. 1. p. Publicação Out-Publicação Out.

3.
ROSA, Stela. Anais e deliberações da I Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. In: I Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, 2007, Brasília/DF. Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica (1. : 2006 : Brasília). Anais e deliberações da I Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília/DF: Ministério da Educação [MEC], 2007. v. I.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
ROSA, Stela. CRUZADA CIVILIZATÓRIA DOS ILETRADOS: ESTRATÉGIAS BIOPOLÍTICAS NA CAMPANHA DE EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES E ADULTOS (CEAA). In: XI COLÓQUIO INTERNACIONAL MICHEL FOUCAULT FOUCAULT E AS PRÁTICAS DE LIBERDADE, 2018, Florianópolis. CADERNO DE RESUMOS SIMPÓSIOS TEMÁTICOS XI COLÓQUIO INTERNACIONAL MICHEL FOUCAULT FOUCAULT E AS PRÁTICAS DE LIBERDADE, 2018. v. 1. p. 55.

Apresentações de Trabalho
1.
ROSA, Stela. CRUZADA CIVILIZATÓRIA DOS ILETRADOS: ESTRATÉGIAS BIOPOLÍTICAS NA CAMPANHA DE EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES E ADULTOS (CEAA). 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

2.
ROSA, Stela; Pamela Cristina . Branquitude e Racismo: contribuições da ERER na subjetividade. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
ROSA, Stela. A abordagem de gênero no processo educacional do Programa Mulheres Mil na perspectiva da Colonialidade do Poder e de Gênero. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

Outras produções bibliográficas
1.
ROSA, Stela. GUIA METODOLÓGICO DO SISTEMA DE ACESSO,PERMANÊNCIA E ÊXITO. Brasília [DF]: Ministério da Educação [MEC], 2011 (Caderno).

2.
ROSA, Stela. Cadernos Temáticos. Brasília [DF]: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 2006 (Caderno).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
ROSA, Stela; Ligia Maciel ; Elenice Reis ; Elaine Alves . PRONATEC MULHERES MIL - 2016 a 2018. 2015.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
ROSA, Stela. Programa Mulheres Mil - 2012. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
ROSA, Stela. Formação Metodológica do Sistema de Acesso, Permanência e Êxito do Programa Mulheres Mil para Educadores Extensionistas. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
Miriam Pilar Grossi ; ROSA, Stela . Violência contra as mulheres. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.
ROSA, Stela. 13 Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

4.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . Estágio - Diferença, Estigma e Educação - EED7-102-1308. 2015. (Estágio Docência).

5.
Miriam Pilar Grossi ; ROSA, Stela . Homo-Lesbo-Transfobia. 2014. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

6.
Miriam Pilar Grossi ; ROSA, Stela . Violência Contra as Mulheres. 2014. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

7.
ROSA, Stela; CAMPOS, J. M. S. ; Nara Vieira de Souza ; Livia Simões ; HOLANDA, V. M. S. ; Ania Tamilis da Silva . Oficina de Fomação de Gestores do Programa Nacional Mulheres Mil. 2013. .

8.
ROSA, Stela; Nara Vieira de Souza ; Livia Simões ; Marcia Moreschi ; FABRO, M. T.Maria Tereza Fabro . Oficina de Fomação de Gestores do Programa Nacional Mulheres Mil. 2012. .

9.
ROSA, Stela; Marcia Moreschi ; Nara Vieira de Souza ; Livia Simões ; FABRO, M. T.Maria Tereza Fabro . Oficina de Fomação de Gestores do Programa Nacional Mulheres Mil. 2011. .



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Monografias de cursos de aperfeiçoamento/especialização
1.
Odinino, J. D. P. Q; CIGALES, M. P.; ROSA, Stela. Participação em banca de Marinete Maria Sodré Pereira. Gênero na Educação Infantil. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

2.
Odinino, J. D. P. Q; CIGALES, M. P.; ROSA, Stela. Participação em banca de Delma Nadir Martins. O brincar na Educação Infantil. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

3.
Odinino, J. D. P. Q; CIGALES, M. P.; ROSA, Stela. Participação em banca de Shyrlene Bezerra dos Santos. Relações Étnico-raciais e educação. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

4.
DALLMAN, J. M. A.; AVILA, A.B.; ROSA, Stela. Participação em banca de Douglas Henrique Pereria. Aprimorando as relações intrapessoais com foco na educação para a convivência em busca da superação das desigualdades sociais. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação, Pobreza e Desigualdade Social) - Universidade Federal de Santa Catarina.

5.
AVILA, A.B.; DALLMAN, J. M. A.; ROSA, Stela. Participação em banca de João Carlos Marcolla. Os conceitos de Pobreza, Desigualdade e Direitos Humanos na Proposta Curricular de Santa Catarina. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação, Pobreza e Desigualdade Social) - Universidade Federal de Santa Catarina.

6.
AVILA, A.B.; DALLMAN, J. M. A.; ROSA, Stela. Participação em banca de Andrea Cristina Rota Scurato. A Importância das Políticas Públicas para o Acesso, Permanência e Conclusão da Educação Básica. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação, Pobreza e Desigualdade Social) - Universidade Federal de Santa Catarina.

7.
AVILA, A.B.; DALLMAN, J. M. A.; ROSA, Stela. Participação em banca de Luiza Daiane dos Santos Uhlmann Benwiah. A Discriminação no Ambiente Escolar: Pomodore, Cultura, Preconceito. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Educação, Pobreza e Desigualdade Social) - Universidade Federal de Santa Catarina.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
ROSA, Stela; Jilvania Bazzo. Participação em banca de Kelly Borba.GÊNERO E SEXUALIDADE DA LITERATURA INFANTIL: POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal de Santa Catarina.

2.
ROSA, Stela; Lima, Patrícia. Participação em banca de Michele Dias da Luz.TUDO O QUE UMA CRIANÇA QUER FAZER, MAS NÃO PODE, ELE FAZ: PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE UM CANAL DO YOU TUBE NA PERSPECTIVA DAS PEDAGOGIAS CULTURAIS. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal de Santa Catarina.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
ROSA, Stela. I Aquenda Seminário Nacional de Comunicação, Gêneros e Sexualidades. 2018. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

2.
ROSA, Stela. 13º Congresso Mundos de Mulheres e Seminário Internacional Fazendo Gênero 11. 2017. Universidade Federal de Santa Catarina.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Colóquio Internacional - O ofício de sociólogo e o trabalho sociológico de Pierre Bourdieu. 2018. (Outra).

2.
Conferência Nacional Popular de Educação Etapa Estadual. 2018. (Congresso).

3.
Intercongresso Fazendo Gênero ? 6ª Edição do Seminário Gênero e Feminismo. 2018. (Seminário).

4.
I Seminário de utopias em ação no Sul - Sultopias. 2018. (Seminário).

5.
Mulheres Negras, feminismos e violência..Mulheres Negras e Quilombolas: entre feminismos e resistências.. 2018. (Outra).

6.
XI Colóquio Internacional Michel Foucault - Foucault e as Práticas de Liberdade. 2018. (Outra).

7.
13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11. 2017. (Seminário).

8.
III Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negros/as da Região Sul do Brasil (III COPENE SUL),. Branquitude e racismo: contribuições da ERER na subjetividade dos/as estudantes da graduação do curso de pedagogia da UFSC. 2017. (Congresso).

9.
III Congresso de Pesquisadores Negros e Negras (Copene Siul). 2017. (Congresso).

10.
I Reunião Regional Sul dos Encontros Internacionais de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (ALFAEEJA). 2017. (Encontro).

11.
Seminário: Sujeito Plural e Cosmopolita em Nietzsche. 2017. (Seminário).

12.
Seminário Estadual Educação, Pobreza e Desigualdade Social. 2017. (Seminário).

13.
Colóquio Itinerante Educação e Interculturalidade. 2016. (Outra).

14.
Fórum Social de Educação Popular - 17 a 23 de janeiro. 2016. (Outra).

15.
III Encontro Internacional de Alfabetização e Educação de Jovens es e Adultos. 2016. (Encontro).

16.
Seminário da Educação, Relações Raciais e Multiculturlismo - Diversidade, Igualdade e Democracia.Vulnerabilidade Social na Educação e o apagamento dos Marcadores Identitários. 2016. (Seminário).

17.
14ª SEPEX - Semana de Ensino pesquisa e Extensão - Minicurso: A EDUCAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA NO BRASIL: DA CONSTRUÇÃO DAS DESIGUALDADES ÀS AÇÕES AFIRMATIVAS. 2015. (Outra).

18.
5 Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo. 2015. (Outra).

19.
Colóquio Interdisciplinar Gênero e Violências. 2015. (Outra).

20.
Mesa Redeonda - Consciência Negra: o eurocentrismo e a branquitude de no currículo. 2015. (Outra).

21.
Oficinas de Etnografia. 2015. (Oficina).

22.
Ciclo de Mesas Redondas sobre Violências, Gênero e Diversidade. 2014. (Outra).

23.
I Encontro Mulheres Mil no Pronatec - Desafios e Possibilidades.Educação, Gênero e Trabalho. 2014. (Encontro).

24.
Encontro de Extensão do Instituto Federal da Paraíba.Programa Nacional Mulheres Mil - Perspectivas e Desafios. 2013. (Encontro).

25.
La Mulher Como Motor de Crecimiento e Inclusión Social.De Barreras a Oportunidades de Empleo para Las Mujeres. 2012. (Simpósio).

26.
Reunião Ordinária do Fórum de Extensão da Rede de Educação Profissional e Tecnológica, P Pr.Programas Especiais da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. 2012. (Outra).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . III COPENE SUL Negras e negros no sul do Brasil: desenvolvimento, patrimônio e cultura afro-brasileira.. 2017. (Congresso).

2.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . Mesa Redonda: Consciência Negra: o eurocentrismo e a branquitude no currículo. 2015. (Outro).

3.
PASSOS, J. C. ; ROSA, Stela . III Encontro Estadual de Relações Étiico-Raciais: Desafio para a implementação do Plano Nacional de Educação nos temas: raça, gênero e povos indígenas. 2015. (Outro).

4.
Joana Célia dos Passos ; ROSA, Stela . Negras Vozes: Arte, presença e memória na UFSC. 2015. (Outro).

5.
Ligia Maciel ; Fátima Duarte ; ROSA, Stela ; Elisane Pinto ; Maria Aparecida ; Elenice Reis ; Sandra Alves . I Encontro Mulheres Mil no Pronatec: Desafios e Possibilidades. 2014. (Outro).

6.
ROSA, Stela. 13 Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC - Grupo de Pesquisa - Estudos e Pesquisas em Educação de Jovens e Adultos. 2014. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Jessica Veras da Silva. A importância da Semana da Consciencia Negra na Escola Publica. Início: 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal de Santa Catarina. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Kelly Cristina José de Matos. Um estado do conhecimento sobre a EJA e as tecnologias. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Stela Marcia Moreira Rosa.



Educação e Popularização de C & T



Artigos
Artigos completos publicados em periódicos
1.
1ROSA, Stela;ROSA, STELA2015ROSA, Stela; PASSOS, J. C. . A categoria ?gênero? no Programa Nacional Mulheres Mil. PRAIA VERMELHA (UFRJ), v. 25, p. 235-258, 2015.


Textos em jornais de notícias/revistas
1.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . A dança da liberdade. Jornal Extra Classe, Rio Grande do Sul, 01 mar. 2005.

2.
ROSA, Stela ; ROSA, Stela . Doenças ocupacionais começam a sair da invisibilidade. Jornal Extra Classe, Porto Alegre, RS, p. 1 - 2, 03 dez. 2007.


Cursos de curta duração ministrados
1.
ROSA, Stela. 13 Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).



Outras informações relevantes


Aprovada no processo de seleção simplificado para a contração de docentes na Universidade Federal de Santa Catarina - Centro de Ciências da Educação - Departamento de Estudos Especializados em Educação. Edital n 32/DDP/PROGESP/2016 DE 18 DE AGOSTO DE 2016).

ORCID ID 0000-0001-6050-6175 - https://orcid.org/0000-0001-6050-6175



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 19/12/2018 às 12:44:33