Tainá Monique Schaffer

Bolsista de Iniciação Científica do CNPq

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2681565248903283
  • Última atualização do currículo em 07/12/2018


Graduanda em Letras Português na Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do Núcleo de Estudos Gramaticais. Desenvolve pesquisa na área de Teoria e Análise Linguística com ênfase no componente sintático, abordagem gerativa. Bolsista de Iniciação Científica do projeto 'A marcação de modo realis/irrealis no Lung'le', sob orientação da Profª Drª Núbia Ferreira Rech. Integrante do Grupo de Pesquisa 'Teoria da Gramática e o Português Brasileiro' (UFSC). Bolsista de Iniciação Científica do projeto 'Modais, um estudo sobre a interface sintaxe-semântica. O Português Brasileiro e o Wapichana'. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Tainá Monique Schaffer
Nome em citações bibliográficas
SCHAFFER, T. M.


Formação acadêmica/titulação


2015
Graduação em andamento em Letras - Língua Portuguesa.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2002 - 2014
Ensino Médio (2º grau).
Escola de Educação Básica Nereu Ramos, EEBNR, Brasil.




Formação Complementar


2013 - 2014
Técnico em Administração.
Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SC, SENAC/SC, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
A marcação de modo realis/irrealis no Lung'le. A pesquisa proposta para a estudante envolve mapear o Lung'le, língua crioula de base portuguesa - falada em São Tomé e Príncipe - em relação à marcação de modo realis/irrealis. Pelo que sabemos, não há estudos sobre essa marcação na língua. De acordo com Mithun (1999), construções no passado e no presente são, prototipicamente, contextos de modo realis, já construções hipotéticas e contra-factuais são marcadas com irrealis em todas as línguas naturais. Outros contextos, como interrogativas, imperativas, negativas, futuro, desejo, obrigação..., podem ser marcadas como irrealis em algumas línguas e realis em outras. Há, ainda, línguas que marcam um mesmo contexto como realis ou irrealis a depender de uma distinção de natureza pragmática, por exemplo. Este é o caso do contexto das interrogativas em uma língua como Central Pomo (MITHUN, 1995, 1999). Há interrogativas realis e interrogativas irrealis. A marcação de modo é pautada pela seguinte distinção: uma interrogativa recebe a marcação de realis quando se faz uma interrogação sobre algum evento no passado. Já a marcação de irrealis figura em interrogativas sobre eventos futuros. Os principais objetivos desta pesquisa são (i) depreender qual a marcação de modo realis/irrealis no Lung'le; e (ii) investigar se os contextos descritos na literatura como realis/irrealis são, de fato, marcados com um morfema específico no Lung'le. Já se sabe que as línguas marcam diferentemente os contextos em relação ao modo; descobrir como o Lung'le faz a marcação de modo possibilitará a depreensão de um padrão que rege essa língua, permitindo compará-la com outras que igualmente exibem marca de realis e/ou irrealis. Palavras-chave: Modo realis e irrealis, Lung'le, Morfossintaxe.

Vínculo institucional

2018 - 2018
Vínculo: Corretora, Enquadramento Funcional: Corretora
Outras informações
Corretora de redações da plataforma LETRUS, que é uma plataforma online com o intuito de auxiliar e preparar os alunos para a redação do ENEM.

Vínculo institucional

2017 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
Título do projeto de IC: Estudos comparativos dos auxiliares modais: Lung'le e português brasileiro RESUMO: Este projeto de pesquisa investiga os núcleos auxiliares modais no lung´Ie, língua crioula de base portuguesa falada em São Tomé e Príncipe, em comparação com o português brasileiro (PB). Nosso principal objetivo é contribuir para a descrição dessa língua, que se encontra em ameaça de extinção: tem atualmente cerca de 200 falantes (AGOSTINHO 2014). O nosso foco de investigação é também depreender possíveis influências do componente sintático na interpretação dos auxiliares modais. Temos por hipótese que modais de raiz ? em que a orientação do modal recai sobre o sujeito da sentença ? têm sua leitura determinada em parte pelas propriedades do predicado sob o escopo do modal: sabe-se que no PB modais deônticos orientados para o sujeito formam sequência apenas com predicados de natureza agentiva (cf. PIRES DE OLIVEIRA & RECH, 2016; RECH & VARASCHIN, 2017); já um modal epistêmico, que é orientado apenas para o falante, não sofreria restrições do predicado no domínio encaixado. Estudos do PB apontam uma influência das propriedades do predicado encaixado na interpretação de um deôntico; com base nesse dado, objetivamos, com esta pesquisa, verificar se essas restrições se estendem a outras línguas, através da comparação do PB com crioulos e com as variedades de português de São Tomé e Príncipe. Nossa pesquisa é de caráter experimental, uma vez que visamos coletar dados dessas línguas a partir de entrevistas livres e de contação de histórias com auxílio de imagens cronologicamente ordenadas. Este estudo consiste, primeiramente, em identificar nesse corpora núcleos auxiliares modais. Na sequência, objetivamos analisar o contexto sintático de emprego desses núcleos com o fim de depreender possíveis restrições impostas pelo predicado encaixado na interpretação do modal. Por fim, intentamos comparar nossos resultados com os estudos de modais no PB com abordagem sintáti

Vínculo institucional

2017 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Resumo: Este projeto visa a contribuir para uma melhor compreensão sobre a interface sintaxe e semântica dos modais nas línguas naturais. Há evidências de que a estrutura sintática desempenha um papel na interpretação do modal ? ver Cinque (1999, 2006), entre outros ?; do ponto de vista semântico, assume-se, desde Kratzer (1981), que os modais são monossêmicos, contrariamente ao que propõe Cinque. Nosso objetivo é, na esteira da proposta de Hacquard (2006, 2010), unificar a sintaxe e a semântica, tendo em vista a contribuição do predicado da sentença prejacente/encaixada, da base modal e da fonte de ordenação. Fundamental para esse projeto é compreender o papel do tempo e do aspecto, tanto do modal quanto da sentença prejacente, para a definição da modalidade. Esse estudo tem como objeto de pesquisa duas línguas sem parentesco: o Wapichana (Aruak) e o Português Brasileiro (PB). Dentre os resultados, está prevista uma descrição mais detalhada dessas línguas. Já há alguma literatura sobre os modais no PB, mas nada sobre o Wapichana. Ao longo do projeto iremos coletar, de maneira controlada, dados sobre os modais e realizar experimentos que possam dar suporte para as hipóteses que serão aventadas. A hipótese central é que a definição da modalidade está atrelada ao predicado da encaixada, ao tempo/aspecto e à base modal. Palavras-chave: Modais; Sintaxe; Semântica; Português brasileiro; Wapichana; Experimentos.



Áreas de atuação


1.
Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras.


Idiomas


Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.
Inglês
Compreende Bem, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica


Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
12th Workshop on Formal Linguistics..The irrealis mode in Lung'le: ka.. 2018. (Outra).

2.
3rd EISSI. Modality in Wapishana. 2018. (Exposição).

3.
Anotações de dados linguísticos e o programa FLEx.Anotações de dados linguísticos e o programa FLEx. 2018. (Simpósio).

4.
Semana acadêmica de letras.Estudo analítico da marcação de modalidade deôntica em Wapichana. 2018. (Simpósio).

5.
X ABECS.A marcação do modo irrealis no Lung'ie: ka. 2018. (Outra).

6.
GELIC - Grupo de Estudos de Línguas de Contato. O emprego do Ka em Lung'Ie: marcação de tempo e modalidade. 2017. (Exposição).

7.
SEG - Seminário de Estudos Gramaticais. 2017. (Seminário).

8.
Semana acadêmica de letras. 2016. (Outra).

9.
Semana acadêmica de letras. 2016. (Outra).

10.
SEPEX. 2016. (Outra).

11.
SEPEX. 2015. (Outra).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 20:57:01