Tiago Matos dos Santos

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3442002210230393
  • Última atualização do currículo em 10/10/2018


Mestre em Relações Internacionais. Bacharel Interdisciplinar em Humanidades com ênfase em Relações Internacionais. Membro pesquisador do Globalização da Política (GLOPOLI) e do Laboratório de Análise Política Mundial (LABMUNDO). Desenvolve pesquisas relacionadas à governança global, à dinâmica de apropriação transnacional de terras, aos movimentos sociais rurais, à segurança e soberania alimentar e à influência corporativa na agenda de Direitos Humanos e Desenvolvimento das Nações Unidas (ONU), com foco no direito humano à alimentação e nas políticas agroalimentares globais. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Tiago Matos dos Santos
Nome em citações bibliográficas
SANTOS, T. M.


Formação acadêmica/titulação


2016 - 2018
Mestrado em Relações Internacionais.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: Estratégias de Despolitização e Processos de Legitimação do Capital Transnacional na Governança Global das Apropriações de Terras,Ano de Obtenção: 2018.
Orientador: Daniel Maurício Cavalcanti de Aragão.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia, FAPESB, Brasil.
Palavras-chave: Governança Global; Neoliberalismo; Land Grabbing; Agricultura; Organizações Internacionais; Nações Unidas.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Política Internacional.
Grande Área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Economia / Subárea: Economia Política Internacional.
2013 - 2016
Graduação em Humanidades.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
2010 - 2012
Ensino Médio (2º grau).
CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS, CENSC, Brasil.




Formação Complementar


2018 - 2018
Assistente Administrativo. (Carga horária: 270h).
Instituto Tecnológico Brasileiro, ITB, Brasil.
2018 - 2018
General English. (Carga horária: 67h).
Language Studies International, LSI, Canadá.


Atuação Profissional



Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Innovo Engenharia, INNOVO, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - 2016
Vínculo: Voluntário, Enquadramento Funcional: Colunista, Carga horária: 4



Projetos de pesquisa


2015 - 2016
Estudos Críticos da Globalização: processos de privatização em organizações internacionais
Descrição: Estudos críticos da globalização com foco nos processos de articulação entre corporações transnacionais e organizações internacionais vêm sendo produzidos sobretudo no Norte global, sendo incipiente a produção em países emergentes sobre o tema. A análise do tema de responsabilidade das corporações como mecanismos de legitimação na esfera global, ou seja, não apenas na estatal, é ainda um tema recente. Encontram-se apenas alguns estudos, sobretudo artigos isolados que buscam estabelecer críticas a instrumentos específicos, discutindo a mudança no caráter das organizações internacionais e a tendência de absorção de modelos neoliberais em tais organizações. A pesquisa se baseia em estudos de base neogramsciana em Relações Internacionais, sobretudo nos estudos desenvolvidos por Craig Murphy e Stephen Gill, e se centra nas principais organizações (agências especializadas da Organização das Nações Unidas - ONU) e fundos à ONU vinculados. Na atual etapa, a pesquisa se desdobra em três frentes (cada uma correspondendo a um plano de trabalho de iniciação científica): A) O estudo das parcerias das organizações que tratam de direitos econômicos e sociais com as corporações transnacionais, com destaque para as organizações que lidam com educação, trabalho e saúde: a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), a OIT (a Organização Internacional do Trabalho) e a OMS (Organização Mundial de Saúde). B) O aprofundamento (ver PIBIC 2014-2015) dos estudos sobre a FAO (Organização de Alimentação e Agricultura), ampliando para as outras agências da ONU que tratam de agricultura e alimentação: o IFAD (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola) e o WFP (Programa Mundial de Alimentação). Desde 2011, a FAO tem o brasileiro José Graziano da Silva como diretor-geral. Discute-se aqui particularmente a influência das principais corporações alimentícias nas organizações internacionais e a ênfase dada pelas organizações ao agro-negócio. C) O estudo das parcerias constituídas (financiamento, ações conjuntas) de fundos estratégicos da ONU que lidam com grupos específicos e situações especiais de conflito - o UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher), a UNICEF (o Fundo das Nações Unidas para a Infância) e o PBF (Fundo das Nações Unidas para a Construção da Paz) ? com corporações transnacionais. Através do estudo dessas organizações e a articulação desenvolvida nas últimas três décadas com as empresas, pretende-se aprofundar a análise sobre as contradições da relação entre empresas e direitos humanas no âmbito da globalização capitalista..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .
Integrantes: Tiago Matos dos Santos - Integrante / Daniel Mauricio Cavalcanti de Aragao - Coordenador / Dóris Dias dos Santos - Integrante / Matheus Pinheiro de Carvalho - Integrante.Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - Bolsa.
2014 - 2015
Estudos Críticos da Globalização: Desafios na Organização das Nações Unidas
Descrição: A pesquisa tem como objetivo expor as contradições dos processos de globalização e de governança global, evidenciando-os como estratégias do capitalismo, sobretudo a partir da década de 70, mas com continuidade e aprimoramento no Século XXI, através de novas articulações e iniciativas políticas observáveis em organizações internacionais e regionais, assim como no âmbito não-governamental. Ao analisar como a globalização da política se articula com a globalização econômica (parte do processo de formação de uma classe capitalista transnacional) e evidenciar a constante necessidade de legitimação da globalização do capital, objetiva potencializar a resistência e as lutas por transformação social. Mais especificamente, a pesquisa tem buscado discutir como as empresas transnacionais têm cooptado a agenda social, de desenvolvimento e de direitos humanos, observando as implicações de tal influência na concepção jurídico-normativa do mundo (governança global)..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .
Integrantes: Tiago Matos dos Santos - Integrante / Daniel Mauricio Cavalcanti de Aragao - Coordenador / Dóris Dias dos Santos - Integrante / Mario Joaquim dos Santos Neto - Integrante.Financiador(es): Universidade Federal da Bahia - Bolsa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Relações Internacionais.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Política Internacional.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Francês
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
SANTOS, T. M.2018 SANTOS, T. M.. Tendências e Contradições da Influência Corporativa na Agenda de Governança Agroalimentar das Nações Unidas. MONÇÕES: REVISTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA UFGD, v. 7, p. 284-313, 2018.

2.
SANTOS, T. M.2017 SANTOS, T. M.; ARAGAO, D. M. C. . A Governança Global do Desenvolvimento e a Despolitização do Land Grabbing: 'there is no alternative?'. ESTUDOS INTERNACIONAIS, v. 5, p. 57-73, 2017.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
SANTOS, T. M.. Influência corporativa na agenda agroalimentar das Nações Unidas: tendências e contradições. In: 6º Encontro da Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI), 2017, Belo Horizonte. Anais Eletrônicos, 2017.

2.
SANTOS, T. M.. Atores não estatais na governança global da estrangeirização de terras: a experiência dos movimentos campesinos transnacionais. In: XVI Congresso Internacional FOMERCO, 2017, Salvador. Anais do Fórum Universitário Mercosul - FoMerco, 2017.

Outras produções bibliográficas
1.
SANTOS, T. M.. Sobre Elas - Mulheres da Vida. São Paulo, 2018. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

2.
SANTOS, T. M.. Soberania Alimentar, C&T e as contradições que permeiam o dilema da fome no mundo 2015 (Artigo).

3.
SANTOS, T. M.. A Cooperação Internacional em Ciência e Tecnologia: o que é, a participação do Brasil e seus desafios 2015 (Artigo).


Produção técnica
Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
SANTOS, T. M.. Tensões na Segurança Internacional: Síria, Península Coreana, Balcãs e Mar do Sul da China. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica


Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
6º Encontro da Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI).Influência corporativa na agenda agroalimentar das Nações Unidas: tendências e contradições. 2017. (Encontro).

2.
XVI Congresso Internacional do FoMerco. Atores não estatais na governança global da estrangeirização de terras: a experiência dos movimentos campesinos transnacionais. 2017. (Congresso).

3.
Semana Baiana de Relações Internacionais (SEBARI). 2016. (Congresso).

4.
Seminário Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão.Estudos Críticos da Globalização: a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e as Corporações Transnacionais. 2015. (Seminário).

5.
Semana Baiana de Relações Internacionais (SEBARI). 2013. (Congresso).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 17/11/2018 às 13:51:30