Alberto Luís Araújo Silva Filho

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2182586596852829
  • Última atualização do currículo em 01/12/2018


Bacharel em Ciência Política pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Pesquisador do Grupo de Estudos em Teoria Política Contemporânea (DOXA), vinculado ao Grupo de Pesquisas sobre Instituições e Políticas Públicas (CNPq) e associado ao Núcleo de Pesquisas sobre Hannah Arendt (NUPHA) do PPGFIL/UFPI. Foi membro do Grupo de Pesquisas sobre Democracia e Marcadores Sociais da Diferença (CNPq) e do Núcleo de Estudos sobre Desenvolvimento e Pobreza (NUDEP/UFPI). Tem interesse e/ou experiência nas seguintes linhas de pesquisa em Ciências Sociais: teorias da democracia, movimentos sociais, desigualdades sociais e teorias feministas e de gênero. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Alberto Luís Araújo Silva Filho
Nome em citações bibliográficas
SILVA FILHO, A.L.A;ARAÚJO, ALBERTO LUIS;ARAÚJO, ALBERTO LUÍS

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências Humanas e Letras.
Avenida Universitária - lado ímpar
Ininga
64049550 - Teresina, PI - Brasil
Telefone: (86) 32244614
URL da Homepage: albertosilvaterra@hotmail.com


Formação acadêmica/titulação


2014 - 2018
Graduação em Ciência Política.
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Título: Estado democrático de direito, desobediência civil e direito de resistência: uma interrelação crítica na modernidade.
Orientador: Bárbara Cristina Mota Johas.
2011 - 2013
Ensino Médio (2º grau).
Sociedade Educacional Irmãos Rodrigues S/S LTDA, PRO CAMPUS, Brasil.
2008 - 2010
Ensino Fundamental (1º grau).
Sociedade Educacional Irmãos Rodrigues S/S LTDA, PRO CAMPUS, Brasil.




Formação Complementar


2018 - 2018
Equidade de Gênero e Justiça Social no Serviço Social. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2018 - 2018
Cinema Palestino: Ruínas e Horizontes da Política. (Carga horária: 12h).
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
2018 - 2018
Publicação de Dados em Formato Aberto. (Carga horária: 30h).
Escola Aberta do Terceiro Setor, EAD, Brasil.
2018 - 2018
Introdução à Nova Metodologia Qualitativa das Ciências Sociais. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2017 - 2017
Memórias políticas e políticas de memória: o que são e como se estuda?. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2017 - 2017
As consequências do debate Nancy Fraser vs. Axel Honneth. (Carga horária: 2h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2017 - 2017
Altruísmo. (Carga horária: 2h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2017 - 2017
Análise qualitativa de dados mistos com NVIVO. (Carga horária: 3h).
Sociedade Brasileira de Sociologia, SBS, Brasil.
2017 - 2017
Doutrina Política: Novas Esquerdas. (Carga horária: 20h).
Instituto Legislativo Brasileiro, ILB, Brasil.
2017 - 2017
Treinamento do Portal Periódicos CAPES. (Carga horária: 2h).
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
2017 - 2017
Treinamento do Portal Periódicos CAPES - Ciências Sociais Aplicadas. (Carga horária: 3h).
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
2017 - 2017
Análise crítica de discursos audiovisuais - uma proposta analítica. (Carga horária: 2h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2016 - 2016
Política externa e cooperação internacional para o desenvolvimento. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil.
2016 - 2016
Do contrato social ao contrato social internacional. (Carga horária: 16h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2015 - 2016
Curso de Inglês Regular Flex.
Minds English School, MINDS, Brasil.
2015 - 2015
Curso de Produção Científica IV. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2015 - 2015
Estatística Básica no Excel e Uso da Calculadora Científica. (Carga horária: 10h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2014 - 2014
Participação política, deliberação e o que mais? Qual o papel das instituiç. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2014 - 2014
A Representação do Social na História do Ocidente. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
2014 - 2014
Cooperação Sul-Sul Brasileira: Uma história e os dilemas contemporâneos. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Assistente de pesquisa
Outras informações
Membro do Grupo de Pesquisas sobre Instituições e Políticas Públicas (CNPq), coordenado pela professora Monique Menezes, doutora em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IUPERJ), no âmbito da linha de pesquisas sobre Teoria Política Contemporânea, coordenada pela professora Bárbara Cristina Mota Johas, mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Vínculo institucional

2017 - 2017
Vínculo: Monitor, Enquadramento Funcional: Monitor não remunerado, Carga horária: 4
Outras informações
Monitor da disciplina de Teoria Política III (Contemporânea). Dentre as atribuições do monitor estão: acompanhar as atividades da disciplina, auxiliar o professor nas atividades de campo bem como nas atividades realizadas em sala de aula. O aluno monitor também deverá realizar grupos de estudo com os alunos com a finalidade de retirar dúvidas sobre trabalhos e sobre o conteúdo. Supervisionado pela professora Ms. Bárbara Cristina Mota Johas. Nota final: 9,6.

Vínculo institucional

2016 - 2017
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Assistente de pesquisa
Outras informações
Membro do Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Marcadores Sociais da Diferença (CNPq) coordenado pela professora adjunta do Curso de Ciência Política da Universidade Federal do Piauí e Doutora em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, Olívia Cristina Perez e pelo Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Bruno Mello Souza.

Vínculo institucional

2016 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Assistente de pesquisa, Carga horária: 30
Outras informações
Bolsista PIBIC/UFPI pelo projeto "Teorias da ação coletiva e novas formas de mobilização da sociedade civil: gênese dos coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí". Trabalhou no desenvolvimento dos procedimentos metodológicos da pesquisa, mais particularmente na realização de entrevistas com membros e lideranças de coletivos na cidade de Teresina, e no processamento das mesmas através da análise de conteúdo e de discurso das informações disponibilizadas pelos agentes.

Vínculo institucional

2015 - 2016
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisador
Outras informações
Pesquisador do Núcleo de Pesquisas sobre Desenvolvimento e Pobreza da Universidade Federal do Piauí, liderado pelos professores Raimundo Batista dos Santos Júnior, doutor em Ciência Política pela UNICAMP, Ana Beatriz Seraine, doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP, e Vítor Sandes, doutor em Ciência Política pela UNICAMP.

Atividades

08/2015 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Centro de Ciências Humanas e Letras, .


Secretaria do Trabalho, Cidadania e Assistência Social - Prefeitura de THE, SEMTCAS, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - 2017
Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 25
Outras informações
A Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social - SEMTCAS possui o compromisso de promover o caráter público da assistência social estabelecido na Constituição Federal de 1988, regulamentado na Lei Orgânica da Assistência Social LOAS/1993 e pela Política Nacional de Assistência Social PNAS/2004. Nessa perspectiva, a missão da SEMTCAS é implementar o Sistema Único da Assistência Social (SUAS) como sistema articulador e provedor de ações de proteção social, tendo como papel central o atendimento a população em situação de vulnerabilidade social.


Núcleo de Pesquisas sobre Instituições e Políticas Públicas, NIPP, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Estudante, Enquadramento Funcional: Assistente de pesquisa


Centro Acadêmico de Ciência Política Olavo Brasil, CACP, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2017
Vínculo: Membro, Enquadramento Funcional: Coordenador Geral



Linhas de pesquisa


1.
Sociedade civil

Objetivo: Investigar os distintos modos de atuação da sociedade civil e dos movimentos sociais, bem como o seu impacto sobre a construção e o aprofundamento democrático no Brasil e na América Latina, levando em conta a pluralidade de enfoques das literaturas nacional e estrangeira acerca do tema, que tem dado conta da adoção de perspectivas que vão desde a "nova sociedade civil" até a abordagem relacional..
Palavras-chave: Sociedade civil; Movimentos Sociais; Ação coletiva.
2.
Teoria Política

Objetivo: As teorias democráticas contemporâneas tem buscado discutir quais são os parâmetros da justificação política do exercício do poder em sociedades plurais. O desenvolvimento das sociedades contemporâneas marcadas pelo fato do pluralismo, como este processo ficou conhecido na literatura especializada, colocam para as Ciências Humanas em geral e para a teoria política em particular novas e intrigantes questões..
Palavras-chave: Democracia; Representação; Justiça.


Projetos de pesquisa


2017 - Atual
Grupo de Pesquisa CNPq - Instituições e Políticas Públicas
Descrição: O grupo de Instituições e Políticas Públicas tem por objetivo contribuir para o avanço de estudos deste tema por meio da constituição de um grupo voltado à análise crítica sobre instituições e políticas públicas. Nosso objetivo é elaborar pesquisas que abordem desde análises institucionais amplas como a mudança regulatória da década de 1990, a atuação do Tribunal de Contas da União sobre as instituições do Poder Executivo, o papel do Supremo Tribunal Federal sobre a elaboração das políticas públicas, bem como apreciações mais específicas sobre a política pública do Estado do Piauí. Além da coordenação de pesquisa, também se constitui como escopo do grupo a promoção de seminários na UFPI de forma a debater os temas pesquisados. Será realizado também o apoio constante ao desenvolvimento de pesquisas dos alunos do Programa de Mestrado em Ciência Política e da Graduação de Ciência Política da UFPI que venham a se interessar pelos temas do grupo..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Mestrado acadêmico: (8) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Olívia Cristina Perez - Integrante / Monique Menezes - Coordenador / Bárbara Cristina Mota Johas - Integrante / Carolina Carreiro Alencar - Integrante / Mário Sérgio Dias - Integrante / João Henrique Sousa Gomes Filho - Integrante / Raianny Silva - Integrante / Karla Emilly Alves Luz - Integrante / Bruno de Castro Rubiatti - Integrante / Diego Pablos Florian - Integrante / Priscila Erminia Riscado - Integrante / Ricardo Agum Ribeiro - Integrante / Wescley Fernandes Araujo Freire - Integrante / Teresa Rachel Dias Pires - Integrante / Meire Ellen Moreno - Integrante / Aline de Sousa Costa - Integrante / Annyelly de Sousa Carvalho Silva - Integrante / Gabriel de Almeida Oliveira - Integrante / Hilquias Joran Sousa - Integrante / Izabelle Carvalho Lima - Integrante / Rafaella Santiago Sousa - Integrante.
2016 - 2017
Teorias da ação coletiva e novas formas de mobilização da sociedade civil: gênese dos Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí
Descrição: Os Coletivos são novas formas de mobilização da sociedade civil que surgem a partir da massificação do acesso à internet e uso das redes sociais. Tais formas de mobilização ainda não foram estudadas, embora seja possível constatar a sua importância nos debates sobre a questão de gênero e seu crescimento nos últimos anos. O fenômeno é novo, embora a mobilização da sociedade civil em prol da concretização e ampliação de direitos de grupos que necessitam de proteção estatal no Brasil seja antiga. Os estudos apontam que há variações nos formatos das organizações civis e no projeto político envolvido na atuação das mesmas, bem como na forma como as organizações se relacionam com o Estado, assim como vem apontando a literatura (GURZA LAVALLE e SZWAKO, 2015). Enquanto os movimentos sociais se relacionam com o Estado mais no sentido de cobrança de programas, projetos e direitos; as ONGs executam políticas públicas em parceria com o Estado. Por isso interessa investigar a variação nas formas de mobilização da sociedade civil bem como seus projetos políticos e interlocução com o Estado. Essa premissa guia a presente pesquisa sobre Coletivos que atuam coma questão de gênero incialmente no estado do Piauí, no sentido de tentar captar suas particularidades e a relação com o Estado, sem generalizar suas práticas por fazerem parte da sociedade civil. Trata-se de uma nova forma de mobilização com impactos ainda não mensurados que precisam ser investigados. O objetivo geral da pesquisa proposta nesse plano de trabalho é compreender como se formam os coletivos que atuam com a questão de gênero no estado do Piauí - Nordeste do Brasil. Seus objetivos específicos incluem: promover uma sistematização da literatura sobre ação coletiva com foco nas teorias que destacam as oportunidades políticas como chave de explicação para as mobilizações sociais e estabelecer uma compreensão sobre o surgimento dos coletivos que atuam com a questão de gênero a partir das explicações teóricas acerca da ação coletiva..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Olívia Cristina Perez - Coordenador / Iara Cavalcante Melo - Integrante.Financiador(es): Universidade Federal do Piauí - Bolsa.
2016 - 2017
Grupo de Pesquisa CNPq - Democracia e Marcadores Sociais da Diferença
Descrição: Os estudos sobre desigualdade têm apontado que além da questão de classe, outras clivagens sociais tais como gênero, orientação sexual/sexualidade, raça/cor/etnia, geração, religião, nacionalidade, deficiência e escolaridade - chamados de Marcadores Sociais da Diferença (MSD) - estão relacionadas com violência, dificuldade de acesso a direitos e outras formas de opressão. Considerando a importância do estudo sobre os MSD, esta linha de pesquisa tem como objetivo central analisar teoricamente e empiricamente as ações do Estado e da Sociedade Civil com grupos marcados socialmente por diferenças e como tais ações contribuem com as instituições democráticas...
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (4) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Olívia Cristina Perez - Coordenador / Indira Pimentel Freitas - Integrante / Monique Menezes - Integrante / Márcia Camila Araújo Batista - Integrante / Bruno Mello Souza - Integrante / Geovana Azevedo - Integrante / Jaqueline Souza - Integrante / Édypo Rocha - Integrante.
2015 - 2016
O impacto de uma politica social focalizada sobre a pobreza rural no Piauí
Descrição: O Programa de Combate a Pobreza Rural do Nordeste (PCPR) financiado pelo Banco Mundial visa contribuir para o alívio da pobreza rural no Nordeste do Brasil, numa ampla parceria entre sociedade civil e poder público. Nesses termos, transfere recursos para associações beneficiárias através de convênio. Subjaz a essa ideia dois conceitos fundamentais, o de governança e o de empoderamento. Para o Banco Mundial governança significa o controle da autoridade no governo, ou seja, administrar conforme os interesses sociais e sobre o controle da sociedade. Por empoderamento (empowerment) entende-se a ação coletiva na tomada de decisões sociais que vão além de práticas individuais ou isoladas. O PCPR é parte integrante dos Fundos a Pequenos Projetos Governamentais que o Banco Mundial vem financiando desde a década de 1980. Esse tipo de fundo transfere recursos diretamente para organismos da sociedade civil, como associações de moradores, associações de produção, cooperativas etc. O objetivo desse tipo de fundo é que a própria comunidade se responsabilize pelo gerenciamento dos recursos, visando principalmente evitar práticas clientelísticas na aquisição e na administração de recursos públicos, ou seja, com esse tipo de projeto o Banco Mundial tenta evitar um tipo de uma prática recorrente na política brasileira, a de cooptação das lideranças populares a partir da distribuição de presentes, sinecuras, id est, práticas da rent-seeking. Mas, os objetivos do Banco Mundial de evitar práticas clientelísticas a partir da transferência de recursos diretamente para organismos da sociedade civil têm evitado, de fato, comportamento rent-seeking? Nesses termos, esse projeto de pesquisa procura analisar o financiamento e a liberalização de recurso do PCPR, procurando investigar se esse Programa ao fortalecer as associações comunitárias rurais tem corroborado para o empoderamento da sociedade ou tem ratificado práticas comuns da cultura política brasileira como o clientelismo, o personalismo que ao invés de fortalecer a cidadania, gera a dependência política e a cooptação das lideranças populares..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Raimundo Batista dos Santos Júnior - Coordenador / Mailson Rodrigues Oliveira - Integrante / Isadora Lemos - Integrante / Gabriel Almeida - Integrante / Mariana Carvalho - Integrante.
2015 - Atual
Teorias democráticas, participação política e institucionalidade: o conturbado caminho das teorias da justificação política.
Descrição: As teorias democráticas contemporâneas tem buscado discutir quais são os parâmetros da justificação política do exercício do poder em sociedades plurais, entre estas teorias, o deliberacionismo constitui-se como uma teoria da legitimidade democrática que busca articular participação política de caráter substantivo e forma institucional, procurando superar os limites representativos da democracia liberal clássica e seus princípios de justificação da legitimidade. Os deliberativistas propõem ampliar o espectro de participação dos cidadãos para além do ato de votar, incorporando a participação da sociedade civil na regulação da vida pública. Portanto, o modelo deliberativo funda-se nas noções de comunicação e de deliberação pública. Daí decorre que a estrutura deste modelo de legitimação democrática tem como umas de suas questões centrais, e também mais problemáticas, a definição de sua estrutura institucional que viabiliza (ou não) uma participação pública e plural. Isto posto, estudar a relação entre os arranjos institucionais, a esfera pública e a opinião pública, a fim de compreender a lógica interna dos conceitos que fundamentam a legitimidade democrática dentro destas teorias bem como entender a dinâmica das novas formas de participação política, constituirá a tarefa central desta pesquisa....
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Especialização: (2) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Indira Pimentel Freitas - Integrante / Bárbara Cristina Mota Johas - Coordenador / Carolina Carreiro Alencar - Integrante / Mário Sérgio Dias - Integrante / Raianny Silva - Integrante / Denise Almeida Pacífico - Integrante.


Projetos de extensão


2017 - 2017
DEMOCRACIA E DESIGUALDADE
Descrição: Projeto certificado pelo(a) coordenador(a) Barbara Cristina Mota Johas em 11/07/2017 A atividade que será realizada na Oficina de Democracia e Desigualdade será participativa, coletiva e crítico-reflexiva, proporcionando aos participantes um espaço de ação/ reflexão/ação, no qual se consiga articular os temas discutidos em sala ao cotidiano das pessoas, com sua história concreta e diária. Por meio do debate dos textos fílmicos o participante deve contextualizar sua realidade de cidadão com os conceitos debatidos em sala, problematizando-os, e nela se inserindo de forma consciente e livre. Nesse sentido, a proposta da atividade é conhecer o universo simbólico da realidade na qual os participantes da oficina estão inseridos, suas relações de classe, de raça, de gênero, culturais, sociais e políticas. Para tanto, a atividade acontecerá da seguinte forma: inicialmente, tem-se uma dinâmica de acolhida e entrosamento, para facilitar o conhecimento mútuo e a interação entre os participantes; depois, tem-se a reflexão de um tema específico, que busca mostrar uma realidade, e sua relação com nossa vida individual e coletiva. Utilizam-se músicas, poesias, relatos de vida, desenhos, dramatizações, gravuras, contos, cartazes, fotografias, etc., que falem da vida cotidiana de cada um. (pode ser individual ou em grupo); no decorrer da Oficina, os participantes compartilham a própria história de vida, sendo este cotidiano inserido em debates sobre Democracia, Desigualdade, Direitos Humanos, Igualdade de Gênero, Feminismo, Violência, entre outros..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Especialização: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Bárbara Cristina Mota Johas - Coordenador / Carolina Carreiro Alencar - Integrante / Mário Sérgio Dias - Integrante / João Henrique Sousa Gomes Filho - Integrante / Raianny Silva - Integrante / Karla Emilly Alves Luz - Integrante.
2017 - 2017
DEMOCRACIA E ANTIRRACISMO
Descrição: É possível afirmar que a teoria política contemporânea tem se debruçado primordialmente em analises centradas nas relações entre Justiça, Democracia, Reconhecimento e Igualdade. A definição de quais os parâmetros que definem o Estado Democrático de Direito, quais os desenhos institucionais mais adequados ao aprofundamento da democracia e/ou expansão da participação política são termos recorrentes no debate democrático, bem como fazem parte destas analises as discussões acerca dos parâmetros de justiça que devem guiar a formulação e positivação dos direitos, em especial para grupos historicamente oprimidos e/ou vítimas de formas estruturais de desigualdade como é o caso da população negra no Brasil. Visando problematizar estas questões a presente oficina tem como intuito problematizar a questão do racismo na sociedade brasileira a partir de duas dimensões especifica da desigualdade social, a saber, a desigualdade de classe e a desigualdade de raça. Tem-se como bibliografia de referência os estudos que tem trabalhado sob a relação entre democracia e desigualdades, particularmente aqueles que investigam a intersecção entre classe, central para compreender a estratificação social brasileira, e demais clivagens sociais (Biroli, Miguel, 2015)..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Alberto Luís Araújo Silva Filho - Integrante / Bárbara Cristina Mota Johas - Coordenador / Raianny Silva - Integrante.


Revisor de periódico


2017 - Atual
Periódico: REVISTA CAFÉ COM SOCIOLOGIA


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Sociedade civil.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Teoria Política.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Democracia e Participação.
5.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Democracia e Representação.


Idiomas


Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Pouco.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Pouco.
Francês
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Prêmios e títulos


2017
Premiação do V Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política, Melhor Painel, ABCP.
2012
Primeiro lugar no Concurso de Redação da AJULE, Academia Juvenil de Letras.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
SILVA FILHO, A.L.A;ARAÚJO, ALBERTO LUIS;ARAÚJO, ALBERTO LUÍS2017SILVA FILHO, A.L.A. Resenha do livro 'Sobre o político'. CONEXÃO POLÍTICA - REVISTAS ELETRÔNICAS DA UFPI, v. 5, p. 119-121, 2017.

2.
ARAÚJO, ALBERTO LUÍS2017ARAÚJO, ALBERTO LUÍS. A diversidade das desigualdades em questão: a problematização dos abismos sociais no âmbito da teoria política. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 53, p. 393-396, 2017.

3.
SILVA FILHO, A.L.A2017SILVA FILHO, A.L.A; CAMPOS, I. L. V. . A construção da imagem eleitoral do candidato João Dória em 2016: uma análise qualitativa a partir da Folha Online. Revista Textos Graduados, v. 3, p. 63-80, 2017.

4.
PEREZ, O. C.2017PEREZ, O. C. ; SILVA FILHO, A.L.A . Coletivos: um balanço da literatura sobre novas formas de mobilização da sociedade civil. LATITUDE (UFAL), v. 11, p. 255-294, 2017.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
SILVA FILHO, A.L.A. O declínio da representação política. Atente! Indicador de rumos através da informação, Teresina, 01 out. 2017.

2.
SILVA FILHO, A.L.A. Estado mau versus mercado bom: os problemas no conceito de patrimonialismo. Revista Democracia e Mundo do Trabalho Em Debate, São Paulo, 21 jun. 2017.

3.
SILVA FILHO, A.L.A. Terceirização: um retrato do que seremos. Revista Democracia e Mundo do Trabalho Em Debate, São Paulo, 26 abr. 2017.

4.
SILVA FILHO, A.L.A. O fantasma que nos assombra. Atente! Indicador de rumos através da informação, Teresina, 01 abr. 2017.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Democracia e Conflito A resistência política frente aos limites da legitimidade da ação estatal. In: X Encontro da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação, 2018, Teresina. Anais dos Encontros ANDHEP. São Paulo: Associação Nacional de Direitos Humanos - Pesquisa e Pós-Graduação, 2018. v. 1. p. 53-73.

2.
SILVA FILHO, A.L.A; PEREZ, O. C. . A representação dos coletivos na imprensa piauiense. In: II Encontro Nacional de Discursos, Identidades e Subjetividades, 2017, Teresina. Anais ENDIS 2017 - Mídia e Democracia. Teresina: Editora Universidade Federal do Piauí, 2017. v. 03. p. 30-38.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
SILVA FILHO, A.L.A. A mobilização social no contexto dos regimes políticos: a 'geopolítica da indignação global' após a crise do capitalismo. In: II Encontro Internacional e V Encontro Regional Trabalho, Educação e Formação Humana, 2018, Teresina. Anais ENITEFH - Trabalho e Educação: As reverberações históricas a partir da luta de classes. Teresina: Editora Universidade Federal do Piauí. p. 188-191.

2.
SILVA FILHO, A.L.A; JOHAS, B. C. M. ; SILVA, R. . Democracia e Antirracismo. In: IV Congresso sobre Gênero, Educação e Afrodescendência: Desconialidades e Cosmovisões, 2017, Teresina. Anais IV Congeafro, 2017. p. 1504-1508.

3.
SILVA FILHO, A.L.A; PEREZ, O. C. . Coletivos e marcadores sociais da diferença: a discussão de identidades como práticas de novas formas de mobilização social. In: III Encontro Interdisciplinar de Direitos Humanos da Universidade Federal do Piauí, 2017, Teresina. Anais do III Encontro Interdisciplinar de Direitos Humanos. Teresina: Editora Universidade Federal do Piauí, 2017. p. 136-142.

4.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. In: I Semana Acadêmica de Ciência Política da UFPI, 2016, Teresina. Anais do evento. Teresina: Editora Universidade Federal do Piauí, 2016.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos: um balanço da literatura sobre novas formas de mobilização da sociedade civil. In: III Encontro Internacional Participação, Democracia e Políticas Públicas, 2017, Vitória. Anais do II e do III Encontros PDPP, 2017.

2.
SILVA FILHO, A.L.A. O que são os coletivos? Uma revisão sistemática dos artigos científicos que abordam o tema. In: XVIII Congresso Brasileiro de Sociologia Que Sociologias Fazemos? Interfaces entre os contextos locais, nacionais e globais, 2017, Brasil. Anais, 2017.

3.
SILVA FILHO, A.L.A. Os coletivos na cidade de Teresina-PI: pautas e formas de atuação. In: V Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política: Os caminhos da democracia no Brasil, 2017, Teresina. Anais 2017, 2017. v. 05.

4.
JOHAS, B. C. M. ; SILVA FILHO, A.L.A ; SILVA, R. . Democracia e Antirracismo. In: IV Congresso sobre Gênero, Educação e Afrodescendência: descolonialidades e cosmovisões, 2017, Teresina. Livro de Programação e Resumos do IV Congeafro. Teresina: Editora Universidade Federal do Piauí, 2017. p. 58-59.

Artigos aceitos para publicação
1.
SILVA FILHO, A.L.A. A legitimidade do direito de resistência como um debate na teoria política. Revista de Ciências Humanas, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Democracia e Conflito A resistência política frente aos limites da legitimidade da ação estatal. 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
SILVA FILHO, A.L.A; SILVA, R. . Gestão Democrática da Educação: O que o Plano Nacional de Educação e as Instituições Participativas tem a nos dizer. 2018. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.
SILVA FILHO, A.L.A; SILVA, R. . Democracia e Participação: O papel da Gestão Democrática na Educação. 2018. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

4.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos e marcadores sociais da diferença - a discussão de identidades como práticas de novas formas de mobilização social. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

5.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos: um balanço da literatura sobre novas formas de mobilização da sociedade civil. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

6.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos na cidade de Teresina-PI: pautas e formas de atuação. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

7.
SILVA FILHO, A.L.A. O que são os coletivos? Revisão sistemática de artigos científicos que abordam o tema. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

8.
JOHAS, B. C. M. ; SILVA FILHO, A.L.A ; ALENCAR, C. C. ; GOMES FILHO, J. H. S. ; LUZ, K. E. A. ; DIAS, M. S. ; SILVA, R. . Democracia e Desigualdade. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

9.
JOHAS, B. C. M. ; SILVA FILHO, A.L.A ; SILVA, R. . Democracia e Antirracismo. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

10.
SILVA FILHO, A.L.A. A mobilização social no contexto dos regimes políticos: a 'geopolítica da indignação global' após a crise do capitalismo. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

11.
SILVA FILHO, A.L.A; CAMPOS, I. L. V. . A democracia segundo as classes sociais no Brasil (2005-2014) Narrativas sobre a construção democrática. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

12.
SILVA FILHO, A.L.A. Universidades públicas e educação brasileira: Democracia representativa. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

13.
SILVA FILHO, A.L.A. A Representação dos Coletivos na Imprensa Piauiense. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

14.
SILVA FILHO, A.L.A. O Programa Bolsa Família como instrumento de inclusão e permanência na escola da população de baixa renda. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

15.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

16.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

17.
SILVA FILHO, A.L.A. O Programa Bolsa Família como instrumento de inclusão de renda e permanência da escola da família de baixa renda. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Parecer para a Revista Café com Sociologia. 2017.

Redes sociais, websites e blogs
1.
JOHAS, B. C. M. ; SILVA FILHO, A.L.A ; ALENCAR, C. C. ; DIAS, M. S. ; LUZ, K. E. A. ; SILVA, R. . Site institucional do Grupo de Estudos em Teoria Política Contemporânea (DOXA). 2017; Tema: Teoria Politica Contemporânea. (Site).


Demais tipos de produção técnica
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Novas formas de mobilização da sociedade civil: gênese dos coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2017. (Relatório de pesquisa).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Sociologia 2018.1: A escrita de si na produção narrativa de mundos. 2018. (Exposição).

2.
Confronto de Paradigmas: debate sobre as escolas do pensamento econômico. 2018. (Exposição).

3.
Democracia em Debate: Para onde foram nossos direitos?. 2018. (Exposição).

4.
Direitos Humanos - O Universalismo e o Islã. 2018. (Exposição).

5.
Economia Solidária: alternativas para um Brasil em crise. 2018. (Exposição).

6.
II Semana Acadêmica de Ciência Política - Os impasses da democracia brasileira pós-impeachment.Democracia e Participação: O papel da Gestão Democrática na Educação. 2018. (Seminário).

7.
II Seminário sobre Brasilidade Debate sobre obras clássicas da Ciência Política Brasileeira. 2018. (Seminário).

8.
II Simpósio Internacional Estado, Sociedade e Políticas Públicas.Gestão Democrática da Educação: O que o Plano Nacional de Educação e as Instituições Participativas tem a nos dizer. 2018. (Simpósio).

9.
Movimentos Sociais e Participação: as interações entre Estado e Sociedade Civil. 2018. (Exposição).

10.
Um Panorama dos Estudos de Corrrupção: dos Primórdios aos estudos empíricos. 2018. (Exposição).

11.
X Encontro da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação.Democracia e Conflito A resistência política frente aos limites da legitimidade da ação estatal. 2018. (Encontro).

12.
XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política - Democracia e Representação: Impasses Contemporâneos. 2018. (Encontro).

13.
A Política de Combate a Seca no Nordeste Brasileiro. 2017. (Exposição).

14.
Direitos humanos, proteção do meio ambiente e novos direitos sociais. 2017. (Exposição).

15.
II Encontro Internacional de Trabalho, Educação e Formação Humana.A mobilização social no contexto dos regimes políticos: a "geopolítica da indignação global" após a crise do capitalismo. 2017. (Encontro).

16.
II Encontro Nacional de Discursos, Identidades e Subjetividades.A Representação dos Coletivos na Imprensa Piauiense. 2017. (Encontro).

17.
III Encontro Interdisciplinar de Direitos Humanos da Universidade Federal do Piauí.Democracia e desigualdade. 2017. (Oficina).

18.
III Encontro Interdisciplinar de Direitos Humanos da Universidade Federal do Piauí.Coletivos e marcadores sociais da diferença - a discussão de identidades como práticas de novas formas de mobilização social. 2017. (Encontro).

19.
III Encontro Internacional de Participação, Democracia e Políticas Públicas.Coletivos: um balanço da literatura sobre novas formas de mobilização da sociedade civil. 2017. (Encontro).

20.
II Seminário de Introdução ao Curso. 2017. (Seminário).

21.
I Simpósio Justiça, Republicanismo e Democracia. 2017. (Simpósio).

22.
Mesa de debates: Constitucionalismo e Estado Democrático de Direito. 2017. (Exposição).

23.
Opinião Pública e Eleições Presidenciais no Brasil (1994 - 2014). 2017. (Exposição).

24.
Políticas de segurança pública no Estado do Piauí. 2017. (Exposição).

25.
Semana Acadêmica de Ciências Sociais - Ciências Sociais e os desafios da contemporaneidade: direito à cidade, política e diversidade.A democracia segundo as classes sociais no Brasil (2005-2014) Narrativas sobre a construção democrática. 2017. (Outra).

26.
Um acerto de contas com o passado: perspectivas sobre memória, verdade e justiça no Brasil e na Argentina. 2017. (Exposição).

27.
União Europeia e Brasil: Os desafios de uma parceria estratégica. 2017. (Exposição).

28.
V Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política: Os caminhos da democracia no Brasil.Coletivos na cidade de Teresina-PI: pautas e formas de atuação. 2017. (Outra).

29.
XI Conferência Municipal de Assistência Social de Teresina: Garantia de direitos para o fortalecimento do SUAS. 2017. (Outra).

30.
XVIII Congresso Brasileiro de Sociologia: Que sociologias fazemos? Interfaces entre os contextos local, nacional e global. O que são os coletivos? Revisão sistemática de artigos científicos que abordam o tema. 2017. (Congresso).

31.
A conjuntura econômica brasileira e a interpretação marxista da crise. 2016. (Exposição).

32.
Enfrentamentos e tensões: uma análise de discursos de charges sobre o atentado ao Charlie Hebdo. 2016. (Exposição).

33.
III Mostra de Profissões do Programa Universidade ao Alcance de Todos. A Graduação em Ciência Política na Universidade Federal do Piauí. 2016. (Feira).

34.
I Jornada de Gênero e Geração.Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2016. (Seminário).

35.
I Semana Acadêmica de Ciência Política da UFPI.Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2016. (Seminário).

36.
I Seminário de Introdução ao Curso. 2016. (Seminário).

37.
I Seminário Interdisciplinar do PARFOR/UFPI.O Programa Bolsa Família como instrumento de inclusão de renda e permanência da escola da família de baixa renda. 2016. (Seminário).

38.
O Senado brasileiro como câmara revisora. 2016. (Exposição).

39.
Seminário Educação e Cidadania: desafios contemporâneos da educação.O Programa Bolsa Família como instrumento de inclusão e permanência na escola da população de baixa renda. 2016. (Seminário).

40.
Vamos conversar sobre gênero?. 2016. (Exposição).

41.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política - Ciência Política e a Política: Memória e Futuro. 2016. (Encontro).

42.
Enfrentamentos e tensões: uma análise de discurso de charges sobre o atentado ao Charlie Hebdo. 2015. (Exposição).

43.
Federalismo e Políticas Sociais. 2015. (Exposição).

44.
IX Seminário de Ciência Política da UFPI. 2015. (Seminário).

45.
Mesa de debate: Políticas Públicas. 2015. (Exposição).

46.
Mesa de debate: Visão sobre a crise política. 2015. (Exposição).

47.
Metodologia como agenda de pesquisa e a importância da replicabilidade na ciência politica. 2015. (Exposição).

48.
V Congresso de Ciência Política e Direito Eleitoral do Piauí. 2015. (Congresso).

49.
Semana Acadêmica de Ciências Sociais. 2014. (Seminário).

50.
VIII Seminário de Ciência Política da UFPI. 2014. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
SILVA FILHO, A.L.A. II Semana Acadêmica de Ciência Política Os desafios da democracia brasileira pós-impeachment. 2018. (Outro).

2.
SILVA FILHO, A.L.A. XI Conferência Municipal de Assistência Social de Teresina: Garantia de direitos para o fortalecimento do SUAS. 2017. (Outro).

3.
SILVA FILHO, A.L.A. V Fórum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política: Os Caminhos da Democracia no Brasil. 2017. (Outro).

4.
SILVA FILHO, A.L.A. III Mostra de Profissões do Programa Universidade ao Alcance de Todos. 2016. (Exposição).

5.
SILVA FILHO, A.L.A. I Semana Acadêmica de Ciência Política da UFPI. 2016. (Outro).



Educação e Popularização de C & T



Apresentações de Trabalho
1.
SILVA FILHO, A.L.A. Coletivos que atuam com a temática de gênero no Estado do Piauí. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).


Redes sociais, websites e blogs
1.
JOHAS, B. C. M. ; SILVA FILHO, A.L.A ; ALENCAR, C. C. ; DIAS, M. S. ; LUZ, K. E. A. ; SILVA, R. . Site institucional do Grupo de Estudos em Teoria Política Contemporânea (DOXA). 2017; Tema: Teoria Politica Contemporânea. (Site).



Outras informações relevantes


Nota no Trabalho de Conclusão de Curso: 10,0. Índice de Rendimento Acadêmico: 8,98. Aprovado em quinto lugar no Sistema Único de Seleção Unificada para o Bacharelado em Ciência Política da Universidade Federal do Piauí. Foi Coordenador-Geral do Centro Acadêmico de Ciência Política Olavo Brasil, cargo de representação máxima entre os discentes do curso de Ciência Política da UFPI, entre 07 julho de 2016 e 05 de abril de 2017 e Coordenador-Geral Interino dessa mesma entidade de base entre 05 abril e 09 maio de 2017, período em que presidiu também a Comissão Eleitoral e de Transição do CA. Eleito para a gestão 2017/2018 do Diretório Central dos Estudantes da UFPI, compondo o setor de formação política da chapa vencedora. Trabalho aprovado no III Encontro Nacional de Políticas Públicas realizado em abril de 2018 na USP e no XVI Encontro Nacional de Pesquisadoras do Serviço Social a ser realizado em dezembro de 2018 na UFES. Aprovado no Mestrado em Sociologia da Universidade de Brasília para a turma de 2019.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 24:13:14