Caroline Ferrari

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7524984880144327
  • Última atualização do currículo em 25/07/2018


Graduanda em Letras - Português na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e membro do Núcleo de Estudos Gramaticais (NEG). Desenvolve pesquisa em Sintaxe, relacionada aos itens indicadores de modalidade na língua indígena Wapichana, sob orientação da Profa. Dra. Núbia Rech. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Caroline Ferrari
Nome em citações bibliográficas
FERRARI, C.


Formação acadêmica/titulação


2015
Graduação em andamento em Letras - Português.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2011 - 2013
Ensino Médio (2º grau).
Colégio Sinodal Ruy Barbosa, CSRB, Brasil.




Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista CNPq, Carga horária: 20
Outras informações
Modais, um estudo sobre a interface sintaxe-semântica. O Português Brasileiro e o Wapichana. No Brasil, as comunidades Wapichana estão localizadas no estado de Roraima, constituindo uma população de treze mil indivíduos. De acordo com a classificação genética, a língua Wapichana é considerada como pertencente à família Aruak (Arawak). Este estudo pretende investigar das marcas de modalidade deôntica em Wapichana, descrevendo-as. A tarefa experimental teve suporte metodológico em Matthewson (2004), que consiste na elicitação a partir de contextos de uso. Estes contextos favorecem o uso de sentenças com auxiliares modais. Os consultantes também apresentaram outras formas de expressar o conteúdo da sentença a ser traduzida. Os dados coletados foram lançados no Programa Flex (versão 8.3), que compõe o banco de dados desta pesquisa. Em nossa análise, na língua Wapichana, a força modal não é marcada no léxico, diferentemente do Português Brasileiro (PB). Com esta pesquisa, objetivamos detalhar o fato de que possibilidade e necessidade deôntica são marcadas por um mesmo item lexical ?tyyryy?; que os contextos de modalidade deôntica favorecem a topicalização de constituintes; que ?tyyryy? ocupa posição alta na estrutura da sentença, localizado abaixo de Tópico e acima do sujeito.

Vínculo institucional

2017 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista voluntária de Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
Análise de 'puta' e 'baita': a sintaxe por detrás das principais características desses intensificadores do Português Brasileiro. Esta pesquisa tem como principal foco analisar as propriedades, a distribuição e os reflexos na língua de adjetivos intensificadores no português brasileiro (PB). Em nossa análise, puta é classificado como um intensificador denominal, ou seja, que apresenta um correspondente nominal. De acordo com Foltran e Nóbrega (2016), a natureza categorial desse modificador ainda é difusa, já que modifica nomes, mas também pode modificar adjetivos. Para este projeto, nossa proposta é realizar uma descrição mais detalhada do termo puta. Nossa análise está centrada no componente sintático, mas considera também aspectos morfológicos e semânticos. Nossa principal hipótese é que,ao anteceder um nome, puta corresponde a um avaliador positivo, incorporando também a função de intensificador. Ao acompanhar um adjetivo, por sua vez, a sua função é unicamente a de intensificar a propriedade descrita pelo adjetivo. Supomos que a expressão puta no português brasileiro se comporta tanto como adjetivo quanto como advérbio, uma vez que exerce tanto a função de avaliar quanto de intensificar o termo ao qual se refere.Com esta pesquisa, objetivamos detalhar a descrição do termo 'puta' e, na sequência, compará-lo com o comportamento de 'baita', mapeando os contextos sintáticos em que ambos são empregados, assim como investigar os reflexos morfológicos de cada um de seus usos. Palavras-chave: Puta, Baita, Sintaxe, Intensificador, Adjetivo, Advérbio.



Áreas de atuação


1.
Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Lingüística / Subárea: Teoria e Análise Lingüística.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica


Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
3rd EISSI - Encontro Internacional de Sintaxe e Semântica & Interfaces. 2018. (Encontro).

2.
Minicurso - Anotações de dados linguísticos e o programa FLEx. 2018. (Outra).

3.
Minicurso - Emergência da Linguagem e o Programa Minimalista. 2018. (Outra).

4.
Minicurso - Linguistas, Linguística e Educação Escolar Indígena: algumas considerações. 2018. (Outra).

5.
Simpósio de Fonética e Fonologia. 2018. (Simpósio).

6.
XII Semana Acadêmica de Letras da UFSC. 2018. (Outra).

7.
XI Semana Acadêmica de Letras da UFSC. 2017. (Outra).

8.
Clivagem e prosódia como recursos de focalização. 2016. (Outra).

9.
I Encontro dos Seminários de Estudos Gramaticais (SEG). 2016. (Encontro).

10.
II Encontro de Linguística Formal - a trajetória do Núcleo de Estudos Gramaticais. 2016. (Encontro).

11.
II Encontro dos Seminários de Estudos Gramaticais (SEG). 2016. (Encontro).

12.
Minicurso - Da besta ao escravo: exploração, animalização e desumanização na ficção. 2016. (Outra).

13.
Minicurso - Foco no português brasileiro: Um estudo de interface. 2016. (Outra).

14.
Minicurso - Gênero, sexo e sexualidades: diálogos poéticos e políticos em devir. 2016. (Outra).

15.
Minicurso - Por que ensinar gramática na escola. 2016. (Outra).

16.
Minicurso - Rebeldes com causa: a contracultura da década de 1960 nos Estados Unidos. 2016. (Outra).

17.
Minicurso - Riso e subversão: o Cristianismo pela porta dos fundos. 2016. (Outra).

18.
X Semana Acadêmica de Letras - UFSC. 2016. (Encontro).

19.
Ciclo de conferências sobre o centenário da Revista Orpheu. 2015. (Encontro).

20.
I Colóquio de Tradução - Tradução literária: Veredas e desafios. 2015. (Outra).

21.
IX Semana Acadêmica de Letras - UFSC. 2015. (Outra).

22.
Mesa redonda - Mulheres em espaço de conflito. 2015. (Outra).

23.
Minicurso: Entre imagens e ficções: paisagens literárias da/na literatura brasileira contemporânea. 2015. (Outra).

24.
Minicurso - Critérios para a classificação verbal. 2015. (Outra).

25.
Minicurso - Os desafios na tradução da literatura pós-colonial africana. 2015. (Outra).

26.
Minicurso - O Vampiro na Literatura. 2015. (Outra).

27.
Minicurso - REDES: Literatual em debates. 2015. (Outra).

28.
Oficina: Fanzine e bricolagem - do papel à web. 2015. (Oficina).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
FERRARI, C.; RECH, N. S. F. . Seminários de Estudos Gramaticais. 2016. (Outro).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 20:57:20