Pâmela Cristina Richetti

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2213836480250996
  • Última atualização do currículo em 03/12/2018


Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014) e mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017). Atualmente é doutoranda em Geologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como pesquisadora no projeto "Revisão do Mapa Geológico do Gondwana" (UFRJ-CENPES) e "Tectonic Evolution of Gondwana - the Geological Map" IGCP-628 (UNESCO), responsável pelas pesquisas relacionadas à Península Arábica, Nova Zelândia, reconstrução pré-rift entre América do Sul e África e reconstrução do mapa geológico do Gondwana no Jurássico. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Pâmela Cristina Richetti
Nome em citações bibliográficas
RICHETTI, P. C.;RICHETTI, P.C.


Formação acadêmica/titulação


2018
Doutorado em andamento em Doutorado em Geologia.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Título: Tectônica formadora da Bacia do Araripe,
Orientador: Renata da Silva Schmitt.
2015 - 2017
Mestrado em Geologia.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Título: Subdivisão da porção continental da placa Sul-Americana: um modelo com base em geologia,Ano de Obtenção: 2017.
Orientador: Renata da Silva Schmitt.
Coorientador: Colin Reeves.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra
2010 - 2014
Graduação em Geologia.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: Caracterização Geológica do Granito Morro do Parapente.
Orientador: Roberto Sacks de Campos.




Formação Complementar


2014 - 2014
Introdução à Geoestatística utilizando o SGeMS. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2013 - 2013
Zircão vs Tectônica. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2010 - 2010
Analise de áreas de risco: uma abordagem geológica. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2010 - 2010
Mapeamento geotécnico e ambiental de grandes áreas. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.


Atuação Profissional



Fundação Coordenação de Projetos, Pesquisas e Estudos Tecnológicos, COPPETEC, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Doutoranda, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.


Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2018
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Pesquisadora, Carga horária: 20
Outras informações
Desenvolvimento de pesquisa na área de geologia, desempenhando tarefas como: reconstrução de placas tectônicas, mapeamento geológico digital. Com enfoque na geologia da Nova Zelândia e Península Arábica e reconstrução do Supercontinente Gondwana. Durante os 3 primeiros meses foi exercido trabalho voluntário como pesquisadora. A partir do dia 19 de maio de 2015 houve celebração de contrato de celetista.

Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitoria voluntária, Carga horária: 4
Outras informações
Monitoria voluntária nas aulas práticas de microscopia da disciplina de Petrologia das Rochas Metamórfica (IGL-307)


Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2014
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista PFRH, Carga horária: 20
Outras informações
Bolsista de Graduação do Programa de Formação de Recursos Humanos da PETROBRAS (PFRH-240) na área de Geologia Estrutural.

Vínculo institucional

2012 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista graduação, Carga horária: 20
Outras informações
Atividades laboratoriais em sedimentologia



Projetos de pesquisa


2015 - Atual
IGCP 628 - The Gondwana Map Project - the geological and tectonic evolution of Gondwana
Descrição: Gondwana was the first recognised supercontinent and as such has played a pivotal role in our understanding of supercontinent cycles. It was one of the largest and long lasting supercontinents on Earth´s history, comprising five large continents (Africa, Australia, Antarctica, South America and India) and many other smaller masses scattered today around the globe (e.g. Madagascar, Sri Lanka, Papua New Guinea, New Zealand, Falklands, and others now embedded in Asia, Europe and USA). Amalgamation of Gondwana complete at ca. 500 million years ago, during the Cambrian period, when marine life was flourishing evolving fast to visible organisms. For more than 350 million years, this supercontinent as an entity moved between the South Pole and the low latitudes of the southern hemisphere. Large intracontinental basins developed and registered the evolution of life on Earth as plants and vertebrates migrated from water to terrestrial environments, culminating with the biggest reptiles in the Mesozoic Era. The continental margins of Gondwana were very heterogeneous. From the present day location of the Andes to the Papua New Guinea, active tectonics predominated, with subduction zones, collisions and accretion of new terranes along the Gondwanides. The northern margin of Gondwana - facing the Tethys ocean - was entirely different, with stable, wide continental shelves and shallow seas from Northern Africa to Papua New Guinea. This extensional tectonic setting allowed small continental blocks to separate from Gondwana, drifting away to be deformed and welded onto Laurasia. Finally for about 100 million years, starting ca. 200 million years ago (Jurassic period), Gondwana started to break up into several land fragments evolving steadily into the present-day picture of the continents and oceans on Earth. Gondwana research involves the understanding of the evolution of our planet, its climatic, thermal and tectonic processes and the evolution of life itself. Since 1872, when the geologist Medlicott identified the Gondwana flora in India, through the definition of the Gondwana Land by Suess in 1885 and the first maps by Wegener and Du Toit in the dawn of the twentieth century, this major subject has been investigated by many scientists worldwide. A new geological map of Gondwana was published in 1988 by the AAPG, conceived by Prof. Maarten de Wit and his colleagues in South Africa. Much new data, particularly based on modern geochronology has been generated since, and our proposal The Gondwana Map Project aims to update the Gondwana Map of de Wit with an approach of the 21st century. Since 1988, the geological data for the regions concerned have improved incredibly in the wake of new geochronological laboratories and investigative methodologies. Thorough airborne geophysical reconnaissance has been extended across most parts of the constituent continents. A new GIS data-base is planned, with a dynamic digital process that will allow the construction not just an improved Gondwana Map but also a wide variety of maps showing the evolution of this supercontinent. Geophysical advances at continental margins and oceanic floors, the modelling of the restoration with new software and the analysis of satellite imagery permits scientifically rigorous reconstruction of Gondwana. The main products will be: (a) a new Gondwana Map and sets of thematic maps showing its evolution through time; (b) a website providing to all the geological data taken into the project at the Gondwana Digital Center of Geoprocessing (GDCG); (c) three complete book volumes about Gondwana; (d) new detailed geology of key areas for correlation; (e) an interactive 4-D GIS of Gondwana (f) creation of a permanent exposition at the Gondwana Memory Center (GMC), in South America, with specimens representative of all parts of Gondwana. This project includes vast international collab.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2014 - 2014
Análise Estratigráfica, Paleoambientes, Petrologia e Petrofísica de Sequências Sedimentares das Bacias do Paraná e do Itajaí, Centro-Leste de Santa Catarina
Descrição: A Bacia do Paraná (Paleozóico) é a maior província sedimentar do sudeste do Continente Sulamericano. Sua origem está ligada à convergência o Megacontinente Gondwana e a listofera oceânica do Panthalassa. Cerca de 70% desta bacia encontra-se em território brasileiro e seu limite leste encontra-se esculpido pela erosão em função do soerguimento crustal associado à evolução do Atlântico Sul, enquanto que a borda oeste é delimitada pelo Arco de Asunción. Esta bacia está em uma região desenvolvida do Brasil e inserida no maior polo consumidor da América do Sul, sendo considerada uma fronteira exploratória, com forte potencial exploratório energético. Mas, sua dimensão continental é proporcional à carência de estudos de detalhe sobre os padrões de preenchimento. A Bacia do Itajaí (Neoproterozóico) é a segunda maior bacia do sistema de riftes da porção sul da Província Mantiqueira.Esta bacia tem forma alongada na direção NE-ENE e encontra-se limitada por falhas de alto ângulo, representadas por lineamentos brasilianos. Apresenta registro sedimentar muito bem preservado que inclui conglomerados, arenitos e pelitos de ambientes de leques aluviais e deltaicos, além da mais bem exposta sequência de lobos turbidíticos de águas profundas do Brasil. Sua evolução tectônica e subdivisão estratigráfica não é consensual. Os objetivos deste projeto são: 1) reconstituir os sistemas deposicionais das sequências sedimentares; 2) estabelecer a evolução estratigráfica aplicando os princípios da Estratigráfica de Sequência no estudo de megafloramentos; 3) investigar a proveniência sedimentar e discutir a área-fonte dos sedimentos; 4) caracterizar mudanças nas tendências deposicionais aplicando análise faciológica; 5) definir superfícies estratigráficas genéticas e tratos de sistemas; 6) caracterizar estruturas tectônicas sin e pós-deposicionais; 7) realizar levantamento gamaespectrométrico em afloramentos ; 8) reproduzir modelos digitais de afloramentos (fácies e arquitetura) com scanner a laser terrestre; e caracterizar os aspectos petrofísicos de rochas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (11) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Pâmela Cristina Richetti - Integrante / Roberto Sacks de Campos - Integrante / Marivaldo dos Santos Nascimento - Coordenador.
2013 - 2014
Programa de Formação de Recursos Humanos em Geologia-PFRH PB 240
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Geociências / Subárea: Geologia.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
RICHETTI, P.C.2018 RICHETTI, P.C.; SCHMITT, R.S. ; REEVES, C. . Dividing the South American continent to fit a Gondwana reconstruction: A model based on continental geology. TECTONOPHYSICS, v. 747-748, p. 79-98, 2018.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
RICHETTI, P. C.; BATTISTI, M.A. ; MOREIRA, A. C. ; MANTOVANI, I. F. ; CAMPOS, R. S. . Avaliação da influência dos mecanismos de deformação na geração de porosidade e permeabilidade em granitos milonitizados: o caso do granito Morro do Parapente, Gaspar, Santa Catarina. In: XV SIMPÓSIO NACIONAL DE ESTUDOS TECTÔNICOS / IX INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON TECTONICS, 2015, Vitória. XV SIMPÓSIO NACIONAL DE ESTUDOS TECTÔNICOS / IX INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON TECTONICS, 2015.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
RICHETTI, P. C.; SCHMITT, R. S. ; REEVES, C.V. . Dividing the South American continental plate to fit Gondwana reconstruction: A model based on continental geology. In: 5th Conjugate Margins conference, 2017, Porto de Galinhas. Abstract book, 2017.

2.
SCHMITT, R. S. ; FRAGOSO, R. A. ; BENEDEK, M. R. ; RICHETTI, P. C. ; MILLER, W. ; FERNANDES, G. L. F. ; GOMES, I. V. ; PEREIRA, M. M. ; COSTA, R. L. ; COLLINS, A. S. ; REEVES, C.V. . The new geological map of Gondwana scale 1:5M and its tectonic evolution. In: The 16th Gondwana International Conference, 2017, Bangkok. Program and Abstract, 2017.

3.
PEREIRA, M. M. ; SCHMITT, R. S. ; SILVA, E. A. ; RICHETTI, P. C. ; MILLER, W. ; SILVA, D. . Dealing with lithospheric structures and reconstruction in the Gondwana geological map. In: The 16th Gondwana International Conference, 2017, Bangkok. Program and Abstract, 2017.

4.
FRAGOSO, R. A. ; SCHMITT, R. S. ; SILVA, E. A. ; PEREIRA, M. M. ; RICHETTI, P. C. . Antarctica continent on the new Gondwana Geological Map (1:5M). In: The 16th Gondwana International Conference, 2017, Bangkok. Program and Abstract, 2017.

5.
RICHETTI, P. C.; SCHMITT, R. S. ; REEVES, C.V. . Dividing South America into continental blocks and applying it to West Gondwana re-assemble.. In: 35th International Geological Congress, 2016, Cape Town. 35th International Geological Congress Abstracts, 2016.

6.
SCHMITT, R. S. ; SILVA, E. A. ; COLLINS, A. S. ; REEVES, C.V. ; FRAGOSO, R. A. ; RICHETTI, P. C. ; FERNANDES, G. L. F. ; BENEDEK, M. R. ; COSTA, R. L. ; ASSIS, A. P. . Gondwana tectonic evolution recounted through the Gondwana map ? IGCP628. In: 35th International Geological Congress, 2016, Cape Town. 35th International Geological Congress Abstracts, 2016.

7.
RICHETTI, P. C.; SCHMITT, R. S. ; REEVES, C.V. . A new proposal for South American subplates based on geology of the continent: its application to West Gondwana re-assembly. In: 48 Congresso Brasileiro de Geologia, 2016, Porto Alegre. Anais do 48o Congresso Brasileiro de Geologia, 2016.

Apresentações de Trabalho
1.
RICHETTI, P. C.; SCHMITT, R. S. ; REEVES, C.V. . A new proposal for South American subplates based on geology of the continent: its application to West Gondwana re-assembly. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).


Demais tipos de produção técnica
1.
RICHETTI, P. C.. Geologia da Ilha de Santa Catarina. 2011. (Cartas, mapas ou similares/Outra).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
35th International Geological Congress. Dividing South America into continental blocks and applying it to West Gondwana re-assemble. 2016. (Congresso).

2.
48º Congresso Brasileiro de Geologia. A new proposal for South American subplates based on geology of the continent: its application to West Gondwana re-assembly. 2016. (Congresso).

3.
47º Congresso Brasileiro de Geologia. 2014. (Congresso).

4.
II Semana de Estudos Geológicos de Santa Catarina. 2013. (Outra).

5.
46 Congresso Brasileiro de Geologia. 2012. (Congresso).

6.
III Encontro Internacional de Meteoritos e Vulcões. 2012. (Encontro).

7.
XIII Congresso Brasileiro de Geoquímica. 2011. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
WAICHEL, B. L. ; RICHETTI, P. C. ; ZIELINSKI, J. P. T. ; CONTE, T. ; REBELO, T. B. ; BRISKE, D. R. ; BACHA, R. R. B. ; VILLELA, E. C. . I Semana de Estudos Geológicos de Santa Catarina. 2012. (Outro).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 14/12/2018 às 4:27:45