Marcos Severino Nobre

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1B - CA FI - Filosofia

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5494800835674977
  • Última atualização do currículo em 16/07/2018


possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1986), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1991) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1997). Atualmente é pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, coordenador de projeto temático da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, pesquisador 1B do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, professor livre-docente da Universidade Estadual de Campinas e co-speaker do Maria Sibylla Merian International Centre for Advanced Studies in the Humanities and Social Sciences Latin America and the Caribbean. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Marcos Severino Nobre
Nome em citações bibliográficas
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Filosofia.
Cidade Universitária
Cidade Universitária
13083-970 - Campinas, SP - Brasil - Caixa-postal: 6110
Telefone: (19) 37881574


Formação acadêmica/titulação


1992 - 1997
Doutorado em Filosofia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: A ontologia do estado falso. A dialética negativa de Theodor W. Adorno, Ano de obtenção: 1997.
Orientador: Ricardo Ribeiro Terra.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Theodor Adorno; Dialética negativa; Filosofia alemã; Teoria crítica da sociedade; Capitalismo tardio.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia.
1987 - 1991
Mestrado em Filosofia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: Limites da reificação. Um estudo sobre História e Consciência de Classe, de Georg Lukács,Ano de Obtenção: 1991.
Orientador: Ricardo Ribeiro Terra.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Marxismo; Lukács; Reificação; Filosofia alemã.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia.
1983 - 1986
Graduação em Ciências Sociais.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.


Pós-doutorado e Livre-docência


2012
Livre-docência.
Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Título: Experiência e modernidade. Um comentário da "Introdução" à Fenomenologia do espírito de Hegel, Ano de obtenção: 2012.
Palavras-chave: Hegel; Fenomenologia do espírito; Experiência; Modernidade.
Grande área: Ciências Humanas
2001 - 2001
Pós-Doutorado.
Goethe Universität Frankfurt am Main, UNI-FRANKFURT, Alemanha.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil.


Atuação Profissional



Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2011
Vínculo: Pesquisador, Enquadramento Funcional: Pesquisasor


Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Vínculo institucional

1990 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Assistente Doutor, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

11/2004 - 10/2006
Direção e administração, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, .

Cargo ou função
Coordenador Geral de Pós-Graduação do IFCH.
09/2001 - 10/2004
Direção e administração, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, .

Cargo ou função
Coordenador de Curso - Programa de Pós-Graduação em Filosofia.

Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, CEBRAP, Brasil.
Vínculo institucional

1990 - Atual
Vínculo: Pesquisador, Enquadramento Funcional: Pesquisador

Vínculo institucional

2009 - 2011
Vínculo: Diretoria, Enquadramento Funcional: Diretor Administrativo - Financeiro, Carga horária: 20
Outras informações
Diretor Administrativo-Financeiro, junho 2009-maio 2011

Atividades

05/2009 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , CEBRAP, .

07/2005 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, CEBRAP, .

Cargo ou função
Membro do Conselho Editorial da revista Novos Estudos CEBRAP.
05/2005 - Atual
Direção e administração, CEBRAP, .

Cargo ou função
Membro do Conselho Executivo.
07/1999 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , CEBRAP, .

04/1996 - Atual
Direção e administração, CEBRAP, .

Cargo ou função
Membro da Câmara de Pesquisadores.
03/1990 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , CEBRAP, .

06/2009 - 05/2011
Direção e administração, CEBRAP, .

Cargo ou função
Diretor Administrativo-Financeiro.
05/2004 - 03/2007
Direção e administração, CEBRAP, .

Cargo ou função
Coordenador de Seminários.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - Atual
Vínculo: Pesquisador, Enquadramento Funcional: Pesquisador 1C


Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - Atual
Vínculo: Coordenador de Projeto, Enquadramento Funcional: Coordenador de Projeto Temático


Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP, FAPESP, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2013
Vínculo: Coordenador de Projeto Temátic, Enquadramento Funcional: Coordenador de Projeto
Outras informações
Coordenador de Projeto Temático Fapesp (processo no. 08/53030-6): ?Moral, Política e Direito: Autonomia e Teoria Crítica?, setembro de 2009 a agosto de 2013. Dotação: R$ 321.939,60


Maria Sybilla Merian Centre Latin America and the Caribbean, MECILA, Alemanha.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Co-Diretor
Outras informações
Co-Speaker of MeciLA



Linhas de pesquisa


1.
Membro da Área Filosofia e Política
2.
Coordenador do Núcleo Direito e Democracia
3.
Membro da Área Direito e Democracia


Projetos de pesquisa


2015 - Atual
Esfera Pública e Reconstrução: sobre a constituição do paradigma reconstrutivo no campo da Teoria Crítica
Descrição: O presente projeto pretende investigar a constituição ampla do que se entende por ?paradigma crítico reconstrutivo?. Tal paradigma será avaliado aqui tendo em vista suas formulações nos debates pós-habermasianos, isto é, partindo do fato de que Habermas inaugura um paradigma que passou a ser disputado pelos novos modelos de Teoria Crítica, os quais lançam mão, de forma mais ou menos explícita, de recursos reconstrutivos com o intuito de dar continuidade e superar o deslocamento iniciado por ele em termos tanto teóricos quanto práticos. O primeiro dos dois subprojetos que compõem este Projeto Temático é dedicado tanto às origens desse paradigma ? da Fenomenologia do espírito de Hegel à própria obra de Habermas ? quanto à plausibilidade mesma de um paradigma reconstrutivo, ou seja, procura compreender autores e obras mais significativos que poderiam ser classificados nesse paradigma, ressaltando um certo retorno da psicanálise como modelo reconstrutivo. Procuramos no segundo subprojeto também examinar suas características prático-políticas mais importantes tendo em vista compreender qual é o papel que a esfera pública desempenha em um tal paradigma. Trata-se de conceber com o conceito de esfera pública uma composição equilibrada entre categorias teóricas e diagnóstico de tempo, uma preocupação com o caráter reconstrutivo dos referenciais crítico-normativos e os contextos sociais e políticos em disputa..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2010 - 2014
Modelos Reconstrutivos de Teoria Crítica
Descrição: O projeto pretende examinar a situação atual do campo crítico por meio do exame e da comparação de modelos que chamarei de ?reconstrutivos?. O objeto primeiro da investigação será o dos escritos de Jürgen Habermas. Esse primeiro passo deverá permitir o exame de propostas críticas pós-habermasianas, contexto em que irá se destacar o trabalho de Axel Honneth. O horizonte mais amplo da proposta é o de alcançar uma exposição das propostas críticas mais significativas da atualidade e, a partir daí, em confronto com outros modelos da tradição da Teoria Crítica, refletir sobre seus principais pressupostos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2009 - 2013
Moral, Política e Direito:Autonomia e Teoria Crítica
Descrição: A presente proposta ancora-se em um trabalho anterior de oito anos, financiado por dois Projetos Temáticos FAPESP sucessivos (processos 99/09544-4 e 03/11860-9). Com base nessa experiência de pesquisa, o que se busca aqui não é apenas uma investigação sobre a tradição da Teoria Crítica e seus problemas, mas também uma investigação a partir dos desenvolvimentos dessa vertente intelectual. O fio condutor escolhido foi o conceito de autonomia, uma noção cujo exame crítico permite não só articular os diferentes domínios da Moral, da Política e do Direito na atualidade, mas igualmente operar com diferentes propostas críticas em investigações aplicadas. O projeto em uma caracterização geral compõe-se dos seguintes momentos: (1) posição do conceito de autonomia na tradição filosófica e na teoria social; (2) posição da noção de autonomia em diferentes concepções de teoria social e em diferentes modelos de Teoria Crítica da atualidade; (3) investigações aplicadas nos campos do Direito, da Política e da Moral tendo como pressuposto um escrutínio crítico da noção de autonomia..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (7) / Doutorado: (19) .
Integrantes: Marcos Severino Nobre - Coordenador.
2009 - 2011
Esfera Pública e Estado de Direito na América Latina
Descrição: A presente pesquisa busca analisar os nexos entre a dinâmica dos debates e conflitos na esfera pública (informal e formal) e os processos de formação racional da opinião e da vontade, fontes básicas de legitimação das decisões políticas e da legislação vigente. Em especial, busca-se compreender como tais nexos apresentam-se nos processos de consolidação democrática na América Latina, tanto nas dinâmicas de criação quanto de aplicação da lei. Postulamos que a tematização e as controvérsias públicas em torno de questões reguladas abstratamente pelas leis podem levar a uma reconfiguração do sistema de direitos existente, impondo-se a vigência da legislação e diminuindo-se o hiato existente entre normas jurídicas e práticas sociais. De acordo com nossa hipótese, os nexos entre a tematização pública das questões reguladas por determinada legislação e a aplicação da lei podem ser descritos em dois níveis inter-relacionados, quais sejam, o plano da auto-compreensão política dos cidadãos e o plano institucional..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2007 - 2010
Teoria Tradicional e Teoria Crítica Hoje
Descrição: A hipótese mais geral deste projeto é a de que, em sua formulação original, a distinção inaugural entre Teoria Tradicional e Teoria Crítica não é mais capaz de dar conta do campo crítico tal como se configura na atualidade. E isso tanto quando se consideram as contribuições que poderiam ser chamadas de tradicionais como da parte da relação que com elas estabelecem as contribuições consideradas como críticas. Da parte dos autores tradicionais posteriores a Marx houve movimentos reflexivos de grande relevância. Da parte dos autores críticos, esse movimento da Teoria Tradicional no sentido de incorporar cada vez mais objeções oriundas do campo crítico também não ficou sem ressonância. Os diferentes modelos críticos propostos a partir de Habermas tanto aceitam muitas vezes a pauta e a agenda das investigações tradicionais como não mais estabelecem em relação a elas a relação de superação da parcialidade em um nível mais alto proposta originalmente por Horkheimer..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2004 - 2008
Moral, política e direito: Modelos de Teoria Crítica
Descrição: Pretende-se examinar o passado e o presente da Teoria Crítica a partir da idéia motriz de sua compreensão e organização segundo a noção de "modelos críticos". Com isso, pretende-se alcançar tanto modelos teóricos com aplicados, envolvendo pelo menos duas orientações disciplinares diferentes..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (8) Doutorado: (18) .
Integrantes: Marcos Severino Nobre - Coordenador.Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro.
2003 - 2007
Modelos de Teoria Crítica
Descrição: Foi-me possível, no período anterior (2001-2003), no contexto da investigação de longo prazo sobre a idéia mesma de Teoria Crítica, completar em suas grandes linhas o percurso que vai de Lukács a Habermas, e, no contexto da investigação de médio prazo sobre a obra de Habermas e sua específica inserção na tradição da Teoria Crítica, foi completada a primeira etapa, que consistia em reconstituir a unidade da proposta teórica habermasiana tendo em vista a nova posição ocupada pelo direito a partir da publicação de Direito e democracia, em 1992. Sendo assim, cabe-me agora apresentar a próxima etapa do projeto, que consiste em buscar organizar o conjunto da tradição intelectual da Teoria Crítica segundo ?modelos de crítica?, buscando aqui, mais uma vez a especificidade da inserção dos escritos de Jürgen Habermas nessa tradição..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2000 - 2004
Moral, política e direito: uma investigação a partir da obra de Jürgen Habermas
Descrição: O projeto aqui apresentado pretende, a partir da reflexão habermasiana, articular ordens de problemas da moral, da política e do direito, não obstante a preeminência da perspectiva filosófica. A investigação aqui proposta se põe não apenas como uma investigação sobre a obra de Jürgen Habermas, mas também como uma investigação a partir da reflexão habermasiana, o que equivale a dizer que os escritos de Habermas são tomados como um estoque de problemas que, acreditamos, são dignos não apenas de uma reconstrução, mas também de desenvolvimento e avaliação. O Projeto Temático se subdivide claramente em dois sub-projetos, mas a estruturação da investigação é única para ambos: 1) relação do pensamento habermasiano com a tradição filosófica; 2) reconstrução interna da obra de Habermas, pondo em relevo a importância de sua inserção no desenvolvimento da ?teoria crítica da sociedade?; 3) desdobramentos da reflexão habermasiana nos campos do direito, da política e da moral..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
1996 - 1999
Desenvolvimento Sustentável: A Institucionalização de um Conceito
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Membro de corpo editorial


2013 - Atual
Periódico: Ethica ? Revista Internacional de Filosofia da Moral
2012 - Atual
Periódico: MÚSICA POPULAR EM REVISTA
2011 - Atual
Periódico: Theoria (Pietermaritzburg)
2011 - Atual
Periódico: Theoria. A Journal of Social and Political Theory
2005 - Atual
Periódico: Novos Estudos. CEBRAP
2005 - Atual
Periódico: Revista Direito GV


Membro de comitê de assessoramento


2013 - 2016
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
2013 - 2016
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética.


Idiomas


Alemão
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.
Italiano
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.


Prêmios e títulos


2012
Prêmio ANPOF de Melhor Tese em Filosofia - orientador; orientando: Felipe Gonçalves Silva - título da Tese: Liberdades em disputa. A Reconstrução da Autonomia Privada na Teoria Crítica de Jürgen Habe, ANPOF.
2011
Prêmio CAPES de Melhor Tese em Filosofia, Menção Honrosa - orientador; orientando: Felipe Gonçalves Silva - título da tese: Liberdades em disputa. A Reconstrução da Autonomia Privada na Teoria Crítica, CAPES.
2007
Prêmio CAPES de Melhor Tese em Filosofia - orientador; orientando: Angelo Vitório Cenci , título da tese: A controvérsia entre Habermas e Apel acerca da relação entre moral e razão, CAPES.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
NOBRE, MARCOS2017NOBRE, MARCOS. NOTA SOBRE MARIA ERBIA CÁSSIA CARNAÚBA. KÍNESIS (MARÍLIA), v. 9, p. 5, 2017.

2.
NOBRE, M.2016NOBRE, M.. 1988 + 30. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 105, p. 3-17, 2016.

3.
NOBRE, M.2016NOBRE, M.; MARIN, I. L. . Une nouvelle anthropologie. Vers une lecture psychanalytique de l?unité critique de La Dialectique de la Raison. Illusio, v. 14/15, p. 259-273, 2016.

4.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2014NOBRE, M.. La Redémocratisation Est Terminée, La Redémocratisation Commence (junho). Les Temps Modernes (Paris. 1945), v. 678, p. 129-147, 2014.

5.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2014NOBRE, M.. O que significa ?pensar o país?? Um debate a propósito de Por que o Brasil cresce pouco?, de Marcos Mendes. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 100, p. 97-113, 2014.

6.
ADORNO, THEODOR W.2014ADORNO, THEODOR W. ; NOBRE, MARCOS ; JANUÁRIO, ADRIANO . Anotações ao pensar filosófico. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 19, p. 199-209, 2014.

7.
NOBRE, MARCOS2014NOBRE, MARCOS; JANUÁRIO, ADRIANO . Exercício de leitura de Â-Anotações ao pensar filosóficoÂ-, de Theodor W. Adorno. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 19, p. 39-65, 2014.

8.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2013NOBRE, M.. Brésil, juin 2013: mouvement social et refus du 'blindage' de la démocratie. Mouvements, v. 76, p. 130-135, 2013.

9.
NOBRE, MARCOS2013NOBRE, MARCOS; JANUARIO, A. M. ; YAMAWAKE, P. ; CONCLI, R. . Os Modelos Críticos de Marx Horkheimer. Novos Estudos. CEBRAP, v. 1, p. 153-163, 2013.

10.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2012NOBRE, M.. Du paradigme de la ?formation? aux ?réseaux contre-hégémoniques? ? la philosophie au Brésil. Rue Descartes, v. 4, p. 121-142, 2012.

11.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2012NOBRE, M.. Teoria Crítica: Uma nova geração - Apresentação de dossiê. Novos Estudos. CEBRAP, v. 93, p. 23-27, 2012.

12.
NOBRE, MARCOS2012NOBRE, MARCOS; MARIN, I. L. . Uma nova antropologia. Unidade crítica e arranjo interdisciplinar na Dialética do esclarecimento. CADERNOS DE FILOSOFIA ALEMÃ, v. 1, p. 101-122, 2012.

13.
NOBRE, MARCOS2012NOBRE, MARCOS. Da Formação às redes. Filosofia e cultura depois da modernização. CADERNOS DE FILOSOFIA ALEMÃ, v. 1, p. 13-36, 2012.

14.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2011NOBRE, M.. O filósofo municipal, a Setzung e uma nova coalizão lógico-ontológica. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 90, p. 35-55, 2011.

15.
NOBRE, MARCOS2011NOBRE, MARCOS; RODRIGUEZ, José Rodrigo . 'Judicialização da política': déficits explicativos e bloqueios normativistas. Novos Estudos. CEBRAP, v. 30, p. 05-20, 2011.

16.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2010NOBRE, M.; GIESEN, K. . Introduction. Peace Review (Palo Alto, Calif.), v. 22, p. 339-348, 2010.

17.
GIESEN, KLAUS-GERD2010GIESEN, KLAUS-GERD ; NOBRE, MARCOS . World-System Inequalities Before and After the Crisis. Peace Review, v. 22, p. 339-348, 2010.

18.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2009NOBRE, M.; Werle, D. L. . Apresentação. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 84, p. 5-12, 2009.

19.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2008NOBRE, M.. Indeterminação e estabilidade: os 20 anos da Constituição Federal e as tarefas da pesquisa em direito. Novos Estudos. CEBRAP, v. 82, p. 97-106, 2008.

20.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2007NOBRE, M.. Novas Polarizações ? Ainda Sobre Esquerda e Direita. Econômica (Niterói), v. 9, p. 341-351, 2007.

21.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2007NOBRE, M.. Réplica. Econômica (Niterói), v. 9, p. 368-371, 2007.

22.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2004NOBRE, M.. Subjectivité et objectivité selon Kant et Hegel: un modèle adornien de critique et de métacritique. Les Études Philosophiques, Paris, v. 2004, n.3, p. 311-329, 2004.

23.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2004NOBRE, M.. Crítica e emancipação: em busca dos príncipios fundamentais da Teoria Crítica.. Espacios en Blanco. Serie Indagaciones, Buenos Aires, Argentina, v. 1, n.14, 2004.

24.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2003NOBRE, M.. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. Novos Estudos. CEBRAP, São Paulo, v. 66, p. 145-154, 2003.

25.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2003NOBRE, M.. Staatskapitalismus gestern und heute. Zeitschrift für Kritische Theorie, Lüneburg, Alemanha, v. 9, n.17, p. 89-106, 2003.

26.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2002NOBRE, M.. As ciências humanas na encruzilhada do social-desenvolvimentismo. Revista Adunicamp, Campinas, v. 4, n.1, p. 29-34, 2002.

27.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2000NOBRE, M.. Limites da reificação: notas sobre o sujeito revolucionário em História e consciência de classe. Critica Marxista (Roma), São Paulo, v. 10, p. 30-47, 2000.

28.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS2000NOBRE, M.. Permanecemos contemporâneos dos jovens hegelianos: Jürgen Habermas e a situação de consciência atual. Olhar - Revista de Artes e Humanidades do CECH/UFScar, São Carlos, v. 4, p. 93-102, 2000.

29.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1999NOBRE, M.. A filosofia da USP sob a ditadura militar. Novos Estudos. CEBRAP, São Paulo, p. 137-150, 1999.

30.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1999NOBRE, M.. Desenvolvimento sustentado e problemática ambiental. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, São Paulo, v. 47, p. 137-156, 1999.

31.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1999NOBRE, M.. História e consciência de classe e a ciência histórica burguesa. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, v. 9, n.1-2, p. 73-100, 1999.

32.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1998NOBRE, M.. Política difícil, estabilização imperfeita: os anos FHC. Novos Estudos. CEBRAP, São Paulo, v. 51, p. 123-147, 1998.

33.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1998NOBRE, M.. Hochschulphilosophie in Brasilien unter der Militärdiktatur. Comparativ, Leipzig, v. 8, n.6, p. 50-72, 1998.

34.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1998NOBRE, M.; GIESEN, K. ; TERRA, R. R. . Einführung in die politische Soziologie der brasilianischen Humanwissenschaften. Comparativ, Leipzig, v. 8, n.6, p. 7-13, 1998.

35.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1997NOBRE, M.. Objeções marxistas? Adorno e Benjamin na 'encruzilhada de magia e positivismo'dos anos 30. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, v. 3, p. 45-59, 1997.

36.
NOBRE, M.;NOBRE, MARCOS1992NOBRE, M.. Da Dialética do esclarecimento à Teoria Estética: algumas questões. Kriterion, Belo Horizonte, v. 85, p. 71-87, 1992.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
NOBRE, M.. Como nasce o novo. Experiência e diagnóstico de tempo na Fenomenologia do espírito de Hegel. 1a. ed. São Paulo: Todavia, 2018. v. 1. 344p .

2.
NOBRE, MARCOS. La redémocratisation est terminée, la démocratisation commence. 1. ed. Paris: Gallimard, 2014. v. 1. 304p .

3.
NOBRE, M.. Imobilismo em movimento - Da abertura democrática ao governo Dilma. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. v. 1. 208p .

4.
NOBRE, M.. Choque de Democracia - Razões da revolta (E-book). 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. v. 1. 33p .

5.
NOBRE, M.; REPA, L. (Org.) . Habermas e a reconstrução: Sobre a categoria central da Teoria Crítica habermasiana. 1. ed. Campinas: Papirus, 2012. v. 1. 208p .

6.
NOBRE, M.; REPA, L. (Org.) ; PERES, D. T. (Org.) ; MATTOS, F. C. (Org.) ; LOPES, M. (Org.) ; KEINERT, M. C. (Org.) ; MELO, R. S. (Org.) . Tensões e Passagens : Crítica e Modernidade - Uma homenagem a Ricardo Terra. 1. ed. São Paulo: Singular, 2008. v. 1. 289p .

7.
NOBRE, M.. Curso Livre de Teoria Crítica. 1. ed. Campinas: Papirus, 2008. v. 1. 304p .

8.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. (Org.) . Direito e Democracia. Um guia de leitura de Habermas. 1. ed. São Paulo: Malheiros, 2008. v. 1. 282p .

9.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. . Ensinar Filosofia: Uma conversa sobre aprender a aprender. 1. ed. Campinas: Papirus, 2007. v. 1. 105p .

10.
NOBRE, M.. A Teoria Crítica. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004. v. 1. 80p .

11.
NOBRE, M.; COELHO, V. S. P. (Org.) . Participação e Deliberação: Teoria Democrática e Experiências Institucionais no Brasil Contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2004. v. 1. 368p .

12.
NOBRE, M.; AMAZONAS, M. C. (Org.) . Desenvolvimento Sustentável: A Institucionalização de um Conceito. 1. ed. Brasília e São Paulo: Edições IBAMA/CEBRAP, 2002. v. 1. 367p .

13.
NOBRE, M.. Lukács e os limites da reificação. Um estudo sobre História e consciência de classe. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2001. 136p .

14.
NOBRE, M.; REGO, J. M. . Conversas com Filósofos Brasileiros. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2000. v. 1. 432p .

15.
NOBRE, M.. A dialética negativa de Theodor W. Adorno. A ontologia do estado falso. São Paulo: Iluminuras/FAPESP, 1998. v. 1. 190p .

Capítulos de livros publicados
1.
NOBRE, M.. La controverse sur le langage commun de la collaboration interdisciplinaire : le modèle durable de la Dialectique de la Raison. In: Katia Genel. (Org.). La Dialectique de la Raison : sous bénéfice d?inventaire. 1ed.Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l?Homme, 2017, v. 1, p. 249-267.

2.
NOBRE, MARCOS; DUARTE, P. ; CHAVES, E. ; GATTI, L. . ?Da Formação às redes. Filosofia e cultura depois da modernização?. In: Pedro Duarte; Ernani Chaves; Luciano Gatti. (Org.). ?Coleção Ensaios Brasileiros Contemporâneos?. 1aed.Rio de Janeiro: FUNARTE, 2017, v. 1, p. 285-306.

3.
NOBRE, M.; MARIN, I. L. . Une nouvelle anthropologie. Vers une lecture psychanalytique de l?unité critique de La Dialectique de la Raison. In: Revue Illusio. (Org.). Théorie Critique de la Crise. 1ed.Paris: Le Bord de l'Eau, 2016, v. 14/15, p. 259-273.

4.
NOBRE, M.. Conservadorismo em chave democrática. A redemocratização brasileira, 1979-2013. In: Angela Alonso; Miriam Dolhnikoff. (Org.). 1964: do golpe à democracia. 1ed.São Paulo: Hedra, 2015, v. 1, p. 247-266.

5.
NOBRE, M.. How Practical Can Critical Theory Be?. In: Stefano Giacchetti Ludovisi. (Org.). Critical Theory and the Challenge of Praxis: Beyond Reification. 1ed.Farnham e Burlington: Ashgate, 2015, v. 1, p. 159-172.

6.
NOBRE, M.; PINTO, R. F. ; SPENCER, D. ; TELLES, T. . Da Formação às redes. Filosofia e cultura depois da modernização. In: Renan Freitas Pinto; Davyd Spencer; Tenório Telles. (Org.). Teoria Crítica e Adorno: ideias em constelação. 1ed.Manaus: Valer Editora, 2015, v. 1, p. 45-73.

7.
NOBRE, M.. O que, afinal, aconteceu em Junho de 2013. In: CESIT; UGT. (Org.). Sindicalismo contemporâneo: uma nova visão para o movimento sindical brasileiro. 1ed.São Paulo: Editora Salinas, 2015, v. 1, p. 173-182.

8.
NOBRE, M.. Apresentação à edição brasileira. In: Jürgen Habermas. (Org.). Técnica e ciência como ?ideologia?. 1ed.São Paulo: Editora UNESP, 2014, v. 1, p. 11-31.

9.
NOBRE, MARCOS. Prefácio. In: Rúrion Melo. (Org.). Marx e Habermas: Teoria Crítica e os sentidos da emancipaçao. 1ed.São Paulo: Saraiva, 2013, v. 1, p. 13-21.

10.
NOBRE, MARCOS. Reconstrução em dois níveis. Um aspecto do modelo crítico de Axel Honneth. In: Rúrion Melo. (Org.). A Teoria Crítica de Axel Honneth. Reconhecimento, liberdade e justiça. 1ed.São Paulo: Saraiva, 2013, v. 1, p. 11-54.

11.
NOBRE, M.; REPA, L. . Introdução. Reconstruindo Habermas ? etapas e sentido de um percurso. In: NOBRE, M.; REPA, L.. (Org.). Habermas e a reconstrução: Sobre a categoria central da Teoria Crítica habermasiana. 1ed.Campinas: Papirus, 2012, v. 1, p. 9-38.

12.
NOBRE, M.; REPA, L. . Breve Apresentação. In: NOBRE, M.; REPA, L.. (Org.). Habermas e a reconstrução: Sobre a categoria central da Teoria Crítica habermasiana. 1ed.Campinas: Papirus, 2012, v. 1, p. 4-8.

13.
NOBRE, M.. O filósofo municipal, a Setzung e uma nova coalizão lógico-ontológica. In: Penteado, A.; Figueiredo, Vinicius. (Org.). O filósofo municipal, a Setzung e uma nova coalizão lógico-ontológica. 1ed.Curitiba: Estante, 2012, v. 1, p. 14-51.

14.
NOBRE, MARCOS. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. In: Emerson Ribeiro Fabiani. (Org.). Impasses e aporias do direito contemporâneo: estudos em homenagem a José Eduardo Faria. 1ed.São Paulo: Saraiva, 2011, v. 1, p. 79-89.

15.
NOBRE, MARCOS. Apresentação. In: Angelo Vitório Cenci. (Org.). Apel versus Habermas: a controvérsia acertca da relação entre moral e razão prática na ética do discurso. 1ed.Passo Fundo: UPF, 2011, v. 1, p. 13-22.

16.
NOBRE, M.; REPA, L. . Das soziologische Defizit der Kritischen Theorie. In: Mauro Basaure; Jan Philipp Reemtsma; Rasmus Willig. (Org.). Erneuerung der Kritik. Axel Honneth im Gespräch. 1ed.Frankfurt & N. York: Campus, 2009, v. 1, p. 83-89.

17.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. ; MOURA, F. ; GERVAISEAU, H. . José Arthur Giannotti. In: Flávio Moura; Paula Montero. (Org.). Retrato de Grupo ? 40 anos do Cebrap. 1ed.São Paulo: Cossac Naify, 2009, v. 1, p. 50-71.

18.
NOBRE, M.. Filosofia no Brasil hoje: tarefas e desafios. In: Angelo V. Cenci; Altair A. Fávero; Gerson L. Trombetta. (Org.). Universidade, Filosofia e Cultura: Festschrift em homenagem aos 50 anos do curso de Filosofia da Universidade de Passo Fundo. 1ed.Passo Fundo: UPF Editora, 2009, v. 1, p. 155-178.

19.
NOBRE, M.. Teoria Crítica Hoje. In: Daniel Tourinho Peres et alli. (Org.). Tensões e Passagens : Crítica e Modernidade ? Uma homenagem a Ricardo Terra. 1ed.São Paulo: Singular, 2008, v. 1, p. 265-283.

20.
NOBRE, M.. Apresentação. In: Marcos Nobre. (Org.). Livre Crítica de Teoria. 1ed.Campinas: Papirus, 2008, v. 1, p. 7-8.

21.
NOBRE, M.. Introdução ? Modelos de Teoria Crítica. In: Marcos Nobre. (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. 1ed.Campinas: Papirus, 2008, v. 1, p. 9-20.

22.
NOBRE, M.. Max Horkheimer ? A Teoria Crítica entre o Nazismo e o Capitalismo Tardio?,. In: Marcos Nobre. (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. 1ed.Campina: Papirus, 2008, v. 1, p. 35-52.

23.
NOBRE, M.. Marx ? Teoria do Valor-Trabalho e Fetichismo. In: Marcos Nobre. (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. 1ed.Campinas: Papirus, 2008, v. 1, p. 280-285.

24.
NOBRE, M.. Weber ? Racionalização e Desencantamento do Mundo. In: Marcos Nobre. (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. 1ed.Campinas: Papirus, 2008, v. 1, p. 286-290.

25.
NOBRE, M.. Introdução. In: Marcos Nobre; Ricardo Terra. (Org.). Direito e Democracia. Um guia de leitura de Habermas. 1ed.São Paulo: Malheiros, 2008, v. 1, p. 15-35.

26.
NOBRE, M.. Teoría Crítica de la Sociedad: Derecho y Democracia. In: Margarita Sgrò. (Org.). Teoría Crítica de la Sociedad, Educación, Democracia y Ciudadanía. 1ed.Tandi: Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, 2008, v. 1, p. 73-96.

27.
NOBRE, M.. Kant et Hegel selon le modèle adornien de critique et de métacritique. In: Valerio Rohden; Ricardo R. Terra; et al.. (Org.). Recht und Frieden in der Philosophie Kants. Akten des X. Internationalen Kant-Kongresses. 1ed.Berlin & N. York: Walter de Gruyter, 2008, v. 5, p. 721-731.

28.
NOBRE, M.. Elementos de um conceito crítico de tolerância. In: Altair Alberto Fávero; Claudio Almir Dalbosco; Telmo Marcon. (Org.). Sobre filosofia e educação: racionalidade e tolerância. 1ed.Passo Fundo: UPF Editora/DAAD, 2006, v. 1, p. 39-54.

29.
NOBRE, M.. O que é pesquisa em Direito?. In: Marcos Nobre et al.. (Org.). O que é Pesquisa em Direito. 1ed.São Paulo: Quartier Latin, 2005, v. , p. 23-38.

30.
NOBRE, M.. Participação e deliberação na teoria democrática: uma introdução. In: Vera Schattan P. Coelho; Marcos Nobre. (Org.). Participação e Deliberação: Teoria Democrática e Experiências Institucionais no Brasil Contemporâneo. 1ed.São Paulo: Editora 34, 2004, v. 1, p. 21-40.

31.
NOBRE, M.. A Idéia de Teoria Crítica. In: Maria Cristina Müller; Elve Miguel Cenci. (Org.). Ética, Política e Linguagem: confluências. 1ed.Londrina: Edições CEFIL, 2004, v. 1, p. 13-25.

32.
NOBRE, M.. Habermas e a Teoria Crítica da Sociedade: sobre o sentido da introdução da categoria do direito no quadro da Teoria da Ação Comunicativa. In: Nythamar Fernandes de Oliveira; Draiton Gonzaga de Souza. (Org.). Justiça e Política: homenagem a Otfried Höffe. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003, v. , p. 373-392.

33.
NOBRE, M.. Parte I - Desenvolvimento Sustentável: origens e significado atual. In: Marcos Nobre; Maurício de Carvalho Amazonas. (Org.). Desenvolvimento Sustentável: A Institucionalização de um Conceito. 1ed.Brasília e São Paulo: Edições IBAMA/CEBRAP, 2002, v. 1, p. 21-106.

34.
NOBRE, M.; JAHN, R. ; AMAZONAS, M. C. . O Desenvolvimento Sustentável institucionalizado: uma incursão pelo Global Environment Facility (GEF). In: Marcos Nobre; Maurício de Carvalho Amazonas. (Org.). Desenvolvimento Sustentável: A Institucionalização de um Conceito. 1ed.Brasília e São Paulo: Edições IBAMA/CEBRAP, 2002, v. 1, p. 287-314.

35.
NOBRE, M.. Theodor W. Adorno Trinta Anos depois de sua Morte. In: Eduardo Chagas Oliveira. (Org.). Filosofia Política e Teoria Social. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2001, v. , p. 179-184.

36.
NOBRE, M.. Lukács e o materialismo interdisciplinar. Uma leitura de Teoria tradicional e teoria crítica, de Max Horkheimer. In: Ricardo Antunes; Walquiria Leão Rego. (Org.). Lukács: um Galileu no século XX. São Paulo: Boitempo, 1996, v. 1, p. 74-83.

37.
NOBRE, M.. Lenin e Rosa Luxemburg em História e consciência de classe. In: Isabel Maria Loureiro; Tullo Vigevani. (Org.). Rosa Luxemburg: A recusa da alienação. São Paulo: Editora da UNESP/FAPESP, 1991, v. 1, p. 119-122.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
NOBRE, M.; ZAN, J. R. ; MELO, R. S. ; BURNETT, H. . A morte e a morte da canção. Trópico, Trópico, 03 dez. 2205.

2.
NOBRE, MARCOS. As eleições, o sistema político e a negação da realidade. Revistsa Piaui, São Paulo, 01 jun. 2018.

3.
NOBRE, MARCOS. Como nasce o velho. Época, São Paulo, p. 82, 19 mar. 2018.

4.
NOBRE, MARCOS. As trocas de março. Época, São Paulo, p. 90 - 90, 05 mar. 2018.

5.
NOBRE, MARCOS. A cavalaria tucana. E uma despedida. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 19 dez. 2016.

6.
NOBRE, MARCOS. Vai dar para esperar até 2018?. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 12 dez. 2016.

7.
NOBRE, MARCOS. O futuro dos partidos políticos. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 05 dez. 2016.

8.
NOBRE, MARCOS. Feios, sujos e malvados. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 28 nov. 2016.

9.
NOBRE, MARCOS. O atraso no comando. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 21 nov. 2016.

10.
NOBRE, MARCOS. Democracia exposta. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 14 nov. 2016.

11.
NOBRE, MARCOS. Samuel L. Jackson encontra John Wayne. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 07 nov. 2016.

12.
NOBRE, MARCOS. A nova geração da política. Valor Econômico, São Paulo, p. A2, 31 out. 2016.

13.
NOBRE, MARCOS. A centro-direita não tem pressa. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 24 out. 2016.

14.
NOBRE, MARCOS. O destino do governo Temer depende do PSDB. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 17 out. 2016.

15.
NOBRE, MARCOS. O preço da PEC. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 10 out. 2016.

16.
NOBRE, MARCOS. A velhice do novo e a novidade do velho. Valor Econômico, São Paulo, p. A2, 03 out. 2016.

17.
NOBRE, MARCOS. A cadeira de Temer. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 26 set. 2016.

18.
NOBRE, MARCOS. Aos perdedores, a Lava-Jato. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 19 set. 2016.

19.
NOBRE, MARCOS. Rumo a 1989. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 05 set. 2016.

20.
NOBRE, MARCOS. O próximo alvo. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 05 set. 2016.

21.
NOBRE, MARCOS. O preço do impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 29 ago. 2016.

22.
NOBRE, MARCOS. As divisões de Temer. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 22 ago. 2016.

23.
NOBRE, MARCOS. O medo da guilhotina. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 15 ago. 2016.

24.
NOBRE, MARCOS. O fim das narrativas. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 08 ago. 2016.

25.
NOBRE, MARCOS. Arena para a disputa entre Serra e Meirelles. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 01 ago. 2016.

26.
NOBRE, MARCOS. São Paulo. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 25 jul. 2016.

27.
NOBRE, MARCOS. A Câmara de Maia, Cunha e Costa Neto. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 18 jul. 2016.

28.
NOBRE, MARCOS. A hesitação de Temer. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 11 jul. 2016.

29.
NOBRE, MARCOS. O sistema contra-ataca. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 04 jul. 2016.

30.
NOBRE, MARCOS. A normalização do caos e a estranha sensação de volta aos anos 1980. UNISINOS - ADITAL, São Leopoldo - RS, 28 jun. 2016.

31.
NOBRE, MARCOS. A burrice da inteligência. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 27 jun. 2016.

32.
NOBRE, MARCOS. A normalização do caos. A estranha sensação de volta aos anos 1980. Folha de São Paulo - Caderno Ilustríssima, São Paulo, p. 4 - 5, 26 jun. 2016.

33.
NOBRE, MARCOS. A soma de todas as espertezas. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 20 jun. 2016.

34.
NOBRE, MARCOS. Caiu a ficha: Lava-Jato não vai parar. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 13 jun. 2016.

35.
NOBRE, MARCOS. O dia em que Temer sonhou com Thatcher. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 06 jun. 2016.

36.
NOBRE, MARCOS. Os dois gumes do impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 06 jun. 2016.

37.
NOBRE, MARCOS. Entre os sempre-governo e os neo-governo. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 23 maio 2016.

38.
NOBRE, MARCOS. Os testes da Presidência. Valor Econômico, São Paulo, p. A9, 16 maio 2016.

39.
NOBRE, MARCOS. De pontos e de curvas. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 09 maio 2016.

40.
NOBRE, MARCOS. A volta dos governadores. Valor Econômico, São Paulo, 02 maio 2016.

41.
NOBRE, MARCOS. O governo Temer em foto de corpo inteiro. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 25 abr. 2016.

42.
NOBRE, MARCOS. Depois do tudo ou nada do impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A14, 18 abr. 2016.

43.
NOBRE, MARCOS. Possíveis lições de um fracasso coletivo. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 11 abr. 2016.

44.
NOBRE, MARCOS. O PMDB, sempre o PMDB. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 04 abr. 2016.

45.
NOBRE, MARCOS. A miragem do impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 28 mar. 2016.

46.
NOBRE, MARCOS. A Lava-Jato chegou a Brasília para o impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 21 mar. 2016.

47.
NOBRE, MARCOS. Berlusconi e o impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A5, 14 mar. 2016.

48.
NOBRE, MARCOS. A Lava-Jato e o novo centrão. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 07 mar. 2016.

49.
NOBRE, MARCOS. O novo centrão. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 29 fev. 2016.

50.
NOBRE, MARCOS. O que muda com Lula como alvo. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 01 fev. 2016.

51.
NOBRE, MARCOS. Por novas autópsias de Dilma I. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 25 jan. 2016.

52.
NOBRE, MARCOS. Laboratório Espanha. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 18 jan. 2016.

53.
NOBRE, MARCOS. A política como vontade e representação. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 11 jan. 2016.

54.
NOBRE, MARCOS. A loucura política tem método. Valor Econômico, http://www.valor.com.br/politi, p. A6, 04 jan. 2016.

55.
NOBRE, MARCOS. O PMDB e o futuro de Barbosa. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 21 dez. 2015.

56.
NOBRE, MARCOS. 2015 e o século 21?, 28 de dezembro de 2015. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 21 dez. 2015.

57.
NOBRE, MARCOS. Impeachment contaminado. Valor Econômico, São Paulo, p. A9, 14 dez. 2015.

58.
NOBRE, MARCOS. Mal-estar, alívio, expectativa. Valor Econômico, São Paulo, 07 dez. 2015.

59.
NOBRE, MARCOS. O STF foi tragado pela crise. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 30 nov. 2015.

60.
NOBRE, MARCOS. A culatra do impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A9, 23 nov. 2015.

61.
NOBRE, MARCOS. Terror e política. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 16 nov. 2015.

62.
NOBRE, MARCOS. Resumo de Dilma e os idos de março. Valor Econômico, 09 nov. 2015.

63.
NOBRE, MARCOS. Os combustíveis do governo. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 26 out. 2015.

64.
NOBRE, MARCOS. O novo pacto lulista. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 19 out. 2015.

65.
NOBRE, MARCOS. Depois da abdicação. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 05 out. 2015.

66.
NOBRE, MARCOS. A economia ficou para depois. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 28 set. 2015.

67.
NOBRE, MARCOS. Dilma Rousseff está acuada e só. Valor Econômico, São Paulo, p. A8, 21 set. 2015.

68.
NOBRE, MARCOS. Política carcará. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 14 set. 2015.

69.
NOBRE, MARCOS. Colapso à vista. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 31 ago. 2015.

70.
NOBRE, MARCOS. O PMDB e o impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 30 ago. 2015.

71.
NOBRE, MARCOS. Balas, gatilhos e o impeachment. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 24 ago. 2015.

72.
NOBRE, MARCOS. A disputa agora é dentro do palácio. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 17 ago. 2015.

73.
NOBRE, MARCOS. O essencial e o acessório. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 10 ago. 2015.

74.
NOBRE, MARCOS. A política em rota suicida. Valor Econômico, São Paulo, 27 jul. 2015.

75.
NOBRE, MARCOS. Conservadorismo com sutilezas. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 20 jul. 2015.

76.
NOBRE, MARCOS. A estabilidade, versão Dilma. Valor Econômico, São Paulo, p. A5, 13 jul. 2015.

77.
NOBRE, MARCOS. A ameaça grega. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 06 jul. 2015.

78.
NOBRE, MARCOS. Maioridade. Valor Econômico, São Paulo, p. A9, 29 jun. 2015.

79.
NOBRE, MARCOS. O leitor atento. Valor Econômico, São Paulo, p. A10, 22 jun. 2015.

80.
NOBRE, MARCOS. Junho à espreita. Valor Econômico, São Paulo, p. A9, 15 jun. 2015.

81.
NOBRE, MARCOS. Tempo de guerra. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 08 jun. 2015.

82.
NOBRE, MARCOS. Dilma toma posse. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 01 jun. 2015.

83.
NOBRE, MARCOS. Distritão e revolução. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 25 maio 2015.

84.
NOBRE, MARCOS. A gravidade da crise. Artigo de Marcos Nobre. UNISINOS - ADITAL, São Leopoldo - RS, 24 mar. 2015.

85.
NOBRE, MARCOS. Ventania. Valor Econômico, São Paulo, p. A6, 18 mar. 2015.

86.
NOBRE, MARCOS. A gravidade da crise. O Estado de Sã Paulo - Cadern Aliás, São Paulo, p. E2, 15 mar. 2015.

87.
NOBRE, MARCOS. ?A polarização voltou?. Revistsa Piaui, São Paulo, p. 18 - 21, 10 nov. 2014.

88.
NOBRE, M.. Depois da tragédia. Jornal Valor Econômico S.A, São Paulo, p. A6 - A6, 15 ago. 2014.

89.
NOBRE, M.. A volta da polarização?. piauí, p. 18 - 21, 01 nov. 2013.

90.
NOBRE, M.. Depois da ?formação?. Cultura e política da nova modernização. piauí, São Paulo, p. 74 - 77, 01 nov. 2012.

91.
NOBRE, M.. A nova direita. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. J-3 - J-3, 03 dez. 2011.

92.
NOBRE, M.; RODRIGUEZ, José Rodrigo . A política por todos os lados. Jornalistas da Web, Caderno Eu & Fim de Semana, p. 22 - 25, 25 nov. 2011.

93.
NOBRE, M.. A jovem guarda vem aí. Folha de São Paulo, Ilustríssima, p. 3, 25 set. 2011.

94.
NOBRE, M.. A política da queda de braço. Estado de São Paulo, Caderno Aliás, p. J3, 24 jul. 2011.

95.
NOBRE, M.. O condomínio peemedebista. As polarizações artificiais que travam o debate público. Folha de São Paulo, Ilustríssima, p. 4 - 5, 15 maio 2011.

96.
NOBRE, M.. Governo com pouca margem de manobra e ?excesso de adesão?. Jornalistas da Web, Caderno "Rumos da Economia", p. F-2, 02 maio 2011.

97.
NOBRE, MARCOS. O peemedebismo, por Marcos Nobre. GGN - O Jornal de todos os Brasis, São Paulo, 27 dez. 2010.

98.
ZAN, J. R. ; NOBRE, M. . A canção e a vaia. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 8 - 8, 05 dez. 2010.

99.
NOBRE, M.. O fim da polarização. Nem petistas nem tucanos: o pemedebismo no poder. piauí, São Paulo, p. 70 - 74, 01 dez. 2010.

100.
NOBRE, M.; ZAN, J. R. . A vida após a morte da canção. Serrote, São Paulo, p. 81 - 94, 01 nov. 2010.

101.
NOBRE, MARCOS. 'Sim' ou 'não'. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 ago. 2010.

102.
NOBRE, MARCOS. O voto do voto. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 ago. 2010.

103.
NOBRE, MARCOS. Serra vai queimar FHC. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 jul. 2010.

104.
NOBRE, MARCOS. Medos públicos. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 jul. 2010.

105.
NOBRE, MARCOS. O lugar dos conservadores. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 jul. 2010.

106.
NOBRE, MARCOS. O esportista é um fingidor. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 jul. 2010.

107.
NOBRE, MARCOS. Tiro ao Alvaro. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 jun. 2010.

108.
NOBRE, MARCOS. A década que não acabou. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 jun. 2010.

109.
NOBRE, MARCOS. Aparelhamento. Folha de São Paulo, 15 jun. 2010.

110.
NOBRE, MARCOS. De cientistas e descolados. Folha de São Paulo, São Paulo, 08 jun. 2010.

111.
NOBRE, MARCOS. Evitar a guerra. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 jun. 2010.

112.
NOBRE, MARCOS. Errar é do jogo. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 maio 2010.

113.
NOBRE, MARCOS. Paradoxos eleitorais. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 maio 2010.

114.
NOBRE, MARCOS. Quanto custa um capitalismo. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 maio 2010.

115.
NOBRE, MARCOS. Suicídio institucional. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 maio 2010.

116.
NOBRE, MARCOS. Marina. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 abr. 2010.

117.
NOBRE, MARCOS. Quanto vale uma cadeira. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 abr. 2010.

118.
NOBRE, MARCOS. Nem bandido nem mocinho. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 abr. 2010.

119.
NOBRE, MARCOS. Momento de não decisão. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 abr. 2010.

120.
NOBRE, MARCOS. Cuba. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 mar. 2010.

121.
NOBRE, MARCOS. A cota do DEM. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 mar. 2010.

122.
NOBRE, MARCOS. Intervenção é retrocesso. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 mar. 2010.

123.
NOBRE, MARCOS. Laranja diplomático. Folha de São Paulo, São Paulo, 23 fev. 2010.

124.
NOBRE, MARCOS. Holmes e House. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 fev. 2010.

125.
NOBRE, MARCOS. Dilma virou candidata. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 fev. 2010.

126.
NOBRE, MARCOS. A hora do STJ. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 fev. 2010.

127.
NOBRE, MARCOS. Muito além de Hollywood. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 jan. 2010.

128.
NOBRE, MARCOS. Do Chile ao Brasil. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 jan. 2010.

129.
NOBRE, MARCOS. Crise em 3D. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 jan. 2010.

130.
NOBRE, MARCOS. O piso e o Suriname. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 jan. 2010.

131.
NOBRE, MARCOS. Resposta. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 dez. 2009.

132.
NOBRE, MARCOS. Meu caro amigo. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 dez. 2009.

133.
NOBRE, MARCOS. Suprema incoerência. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 dez. 2009.

134.
NOBRE, MARCOS. Peemedebização. Folha de São Paulo, 01 dez. 2009.

135.
NOBRE, MARCOS. Chávez e as Casas Bahia. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 dez. 2009.

136.
NOBRE, MARCOS. Tudo ou nada. Folha de São Paulo, 27 out. 2009.

137.
NOBRE, MARCOS. Pós-jabuticaba. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 out. 2009.

138.
NOBRE, MARCOS. Balzac e o Nobel. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 out. 2009.

139.
NOBRE, MARCOS. Lula vai de Ciro. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 out. 2009.

140.
NOBRE, MARCOS. Partidos de massa. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 set. 2009.

141.
NOBRE, MARCOS. Alemanha no centro. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 set. 2009.

142.
NOBRE, MARCOS. A política das palavras. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 set. 2009.

143.
NOBRE, MARCOS. A cultura das armas. Folha de São Paulo, São Paulo, 08 set. 2009.

144.
NOBRE, MARCOS. Evitar o desastre. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 set. 2009.

145.
NOBRE, MARCOS. A volta do militarismo. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 ago. 2009.

146.
NOBRE, MARCOS. Quiproquó. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 ago. 2009.

147.
NOBRE, MARCOS. Dedos, anéis e Marina. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 ago. 2009.

148.
NOBRE, MARCOS. Fé na mídia. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 ago. 2009.

149.
NOBRE, MARCOS. Renúncia coletiva. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 jul. 2009.

150.
NOBRE, MARCOS. Satélite reencantado. Folha de São Paulo, São Paulo, 21 jul. 2009.

151.
NOBRE, MARCOS. Preço alto. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 jul. 2009.

152.
NOBRE, MARCOS. Obama lavou as mãos. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 jul. 2009.

153.
NOBRE, MARCOS. Sarney e o Real. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 jun. 2009.

154.
NOBRE, MARCOS. Choques no Irã. Folha de São Paulo, São Paulo, 23 jun. 2009.

155.
NOBRE, MARCOS. Violência na USP. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 jun. 2009.

156.
NOBRE, MARCOS. Estranha calmaria. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 jun. 2009.

157.
NOBRE, MARCOS. É culpa da democracia. Folha de São Paulo, 02 jun. 2009.

158.
NOBRE, MARCOS. Muggles. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 maio 2009.

159.
NOBRE, MARCOS. Nota de corte. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 maio 2009.

160.
NOBRE, MARCOS. Tempos interessantes. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 maio 2009.

161.
NOBRE, MARCOS. Informação é poder. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 maio 2009.

162.
NOBRE, MARCOS. Briga de torcidas. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 abr. 2009.

163.
NOBRE, MARCOS. O fim do anticomunismo. Folha de São Paulo, São Paulo, 21 abr. 2009.

164.
NOBRE, MARCOS. Dilma, dilemas e Ciro. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 abr. 2009.

165.
NOBRE, MARCOS. O clube e a fotografia. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 abr. 2009.

166.
NOBRE, MARCOS. O PAC e a Daslu. Folha de São Paulo, São Paulo, 31 mar. 2009.

167.
NOBRE, MARCOS. O papa vai à guerra. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 mar. 2009.

168.
NOBRE, MARCOS. Política da chantagem. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 mar. 2009.

169.
NOBRE, MARCOS. Momento de decisão. Folha de São Paulo, 10 mar. 2009.

170.
NOBRE, MARCOS. A nova direita. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 mar. 2009.

171.
NOBRE, MARCOS. Ditadura, por favor. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 fev. 2009.

172.
NOBRE, MARCOS. Filosofia na escola. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 fev. 2009.

173.
NOBRE, MARCOS. Duas ideias ruins. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 jan. 2009.

174.
NOBRE, MARCOS. O que esperar de Obama. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 jan. 2009.

175.
NOBRE, MARCOS. Novas formalidades. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 jan. 2009.

176.
NOBRE, MARCOS. Por um pacifismo radical. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 jan. 2009.

177.
NOBRE, MARCOS. Medo de fantasmas. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 dez. 2008.

178.
NOBRE, MARCOS. Notícia em crise. Folha de São Paulo, 23 dez. 2008.

179.
NOBRE, MARCOS. Indústria Cultural. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 dez. 2008.

180.
NOBRE, MARCOS. 15 minutos de fama. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 dez. 2008.

181.
NOBRE, MARCOS. Padrão Osesp. Folha de São Paulo, 02 dez. 2008.

182.
NOBRE, MARCOS. Janelas e portas. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 nov. 2008.

183.
NOBRE, MARCOS. Reformas e embrulhos. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 nov. 2008.

184.
NOBRE, MARCOS. O cidadão e o magistrado. Folha de São Paulo, 11 nov. 2008.

185.
NOBRE, MARCOS. Obama e as circunstâncias. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 nov. 2008.

186.
NOBRE, MARCOS. Um Geraldo no caminho. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 out. 2008.

187.
NOBRE, MARCOS. São Paulo no cinema. Folha de São Paulo, São Paulo, 21 out. 2008.

188.
NOBRE, MARCOS. De olho no STF. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 out. 2008.

189.
NOBRE, MARCOS. Mitos constitucionais. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 out. 2008.

190.
NOBRE, MARCOS. E agora, liberais?. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 set. 2008.

191.
NOBRE, MARCOS. A crise e a regulação. Folha de São Paulo, 23 set. 2008.

192.
NOBRE, MARCOS. Deixem a Bolívia em paz. Folha de São Paulo, 16 set. 2008.

193.
NOBRE, MARCOS. Como se faz uma crise?. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 set. 2008.

194.
NOBRE, MARCOS. Pré-sal e pós-Lula. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 set. 2008.

195.
NOBRE, MARCOS. O efeito Lula. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 ago. 2008.

196.
NOBRE, MARCOS. Declaração de tortura. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 ago. 2008.

197.
NOBRE, MARCOS. Homenagens e ideologias. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 ago. 2008.

198.
NOBRE, MARCOS. Para não perder o bonde. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 ago. 2008.

199.
NOBRE, MARCOS. Obama. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 jul. 2008.

200.
NOBRE, MARCOS. Direito e poder. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 jul. 2008.

201.
NOBRE, MARCOS. Última instância. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 jul. 2008.

202.
NOBRE, MARCOS. Discutindo a relação. Folha de São Paulo, São Paulo, 08 jul. 2008.

203.
NOBRE, MARCOS. Liberalismo à brasileira. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 jul. 2008.

204.
NOBRE, MARCOS. Balão mágico. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 jun. 2008.

205.
NOBRE, MARCOS. Dois votos. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 jun. 2008.

206.
NOBRE, MARCOS. Obama sem clichês. Folha de São Paulo, 10 jun. 2008.

207.
NOBRE, MARCOS. De híbridos e mutantes. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 jun. 2008.

208.
NOBRE, MARCOS. Brasil, 1968. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 maio 2008.

209.
NOBRE, MARCOS. Road movie 1968. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 maio 2008.

210.
NOBRE, MARCOS. Da pílula ao Viagra. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 maio 2008.

211.
NOBRE, MARCOS. O que ficou de 1968. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 maio 2008.

212.
NOBRE, MARCOS. Gincana de arraial. Folha de São Paulo, 29 abr. 2008.

213.
NOBRE, MARCOS. Juros: teoria e prática. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 abr. 2008.

214.
NOBRE, MARCOS. América Latina. Folha de São Paulo, 15 abr. 2008.

215.
NOBRE, MARCOS. Delirantes e interessados. Folha de São Paulo, São Paulo, 08 abr. 2008.

216.
NOBRE, MARCOS. Depois do boicote. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 abr. 2008.

217.
NOBRE, MARCOS. Réquiem para a MP. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 mar. 2008.

218.
NOBRE, MARCOS. Uma guerra natural. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 mar. 2008.

219.
NOBRE, MARCOS. Vinte anos de poder. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 mar. 2008.

220.
NOBRE, MARCOS. O bacharel e o grosseirão. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 mar. 2008.

221.
NOBRE, M.. A confusão entre direita e esquerda. Valor Econômico - caderno Eu&Fim de Semana, São Paulo, p. 16 - 18, 29 fev. 2008.

222.
NOBRE, MARCOS. Cara ou coroa no Oscar. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 fev. 2008.

223.
NOBRE, MARCOS. Política de WO. Folha de São Paulo, 19 fev. 2008.

224.
NOBRE, MARCOS. Fechar Guantánamo. Folha de São Paulo, São Paulo, 12 fev. 2008.

225.
NOBRE, MARCOS. Decisão de Ano Novo. Folha de São Paulo, São Paulo, 01 jan. 2008.

226.
NOBRE, MARCOS. Mapas e caminhos. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 dez. 2007.

227.
NOBRE, MARCOS. Bali e a usina de Gaddafi. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 dez. 2007.

228.
NOBRE, MARCOS. Chance perdida. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 dez. 2007.

229.
NOBRE, MARCOS. A chave do tamanho. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 dez. 2007.

230.
NOBRE, MARCOS. Fantasmas. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 nov. 2007.

231.
NOBRE, MARCOS. A cor da consciência. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 nov. 2007.

232.
NOBRE, MARCOS. Tão longe, tão perto. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 nov. 2007.

233.
NOBRE, MARCOS. Lembretes. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 nov. 2007.

234.
NOBRE, MARCOS. Um país normal. Folha de São Paulo, São Paulo, 30 out. 2007.

235.
NOBRE, MARCOS. Experiência segregada. Folha de São Paulo, São Paulo, 23 out. 2007.

236.
NOBRE, MARCOS. Cansei. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 out. 2007.

237.
NOBRE, MARCOS. Popularidade inútil. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 out. 2007.

238.
NOBRE, MARCOS. Venezuela, Brasil. Valor Econômico, São Paulo, 02 out. 2007.

239.
NOBRE, MARCOS. O estranho caminho de Santiago. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 set. 2007.

240.
NOBRE, MARCOS. Escárnio por abstenção. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 set. 2007.

241.
NOBRE, MARCOS. O inimigo. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 set. 2007.

242.
NOBRE, MARCOS. Forças Armadas. Folha de São Paulo, São Paulo, 04 set. 2007.

243.
NOBRE, MARCOS. Photoshop na política. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 ago. 2007.

244.
NOBRE, MARCOS. Homofobia e responsabilização. Folha de São Paulo, São Paulo, 21 ago. 2007.

245.
NOBRE, MARCOS. Giannetti na Terra Prometida. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 ago. 2007.

246.
NOBRE, MARCOS. Prisões. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 ago. 2007.

247.
NOBRE, MARCOS. Caos. Folha de São Paulo, São Paulo, 31 jul. 2007.

248.
NOBRE, MARCOS. Justiça e política. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 jul. 2007.

249.
NOBRE, MARCOS. Downloads e uploadds. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 jul. 2007.

250.
NOBRE, MARCOS. Neocons. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 jul. 2007.

251.
NOBRE, MARCOS. A explicação de tudo. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 jul. 2007.

252.
NOBRE, MARCOS. Para que universidade. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 jun. 2007.

253.
NOBRE, MARCOS. Modernidade. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 jun. 2007.

254.
NOBRE, M.. Depois do voto. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 01 nov. 2006.

255.
NOBRE, M.. Dura de matar. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 25 out. 2006.

256.
NOBRE, M.. O dinheiro não vota. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 18 out. 2006.

257.
NOBRE, M.. Além do telecatch. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 11 out. 2006.

258.
NOBRE, M.. A imagem do dinheiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 04 out. 2006.

259.
NOBRE, M.. Realismo social. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 set. 2006.

260.
NOBRE, M.. Acabou a era FHC. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 20 set. 2006.

261.
NOBRE, M.. O TSE e o avestruz. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 13 set. 2006.

262.
NOBRE, M.. Política travada. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 06 set. 2006.

263.
NOBRE, M.. O mensalão libertou Lula. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 30 ago. 2006.

264.
NOBRE, M.. 300 palavras. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 23 ago. 2006.

265.
NOBRE, M.. As caras dos conservadores. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. A-6 - A-6, 16 ago. 2006.

266.
NOBRE, M.. Mais Futebol, Menos Prozac. Folha de S. Paulo, Caderno Especial Futebologia 1, p. 10 - 10, 28 maio 2006.

267.
NOBRE, M.; ZAN, J. R. ; BURNETT, H. ; MELO, R. S. . Chega de saudade. Trópico, 11 mar. 2006.

268.
NOBRE, M.; FREIRE, V. T. . Juros, Mentiras e Videoteipe. Trópico, 14 fev. 2006.

269.
NOBRE, M.. Que projeto de país?. Trópico, Trópico, 26 out. 2005.

270.
NOBRE, M.. Lula assume a presidência. Trópico, Trópico, 20 jul. 2005.

271.
NOBRE, M.. Como assim, "não"?. Trópico, Trópico, 09 jun. 2005.

272.
NOBRE, M.. Todos os peões do presidente. Trópico, Trópico, 09 abr. 2005.

273.
NOBRE, M.. A última ficha caiu. Trópico, Trópico, 23 fev. 2005.

274.
NOBRE, M.. O Incrível George W. Bush. Trópico, Trópico, 18 jan. 2005.

275.
NOBRE, M.. Engolindo o próprio veneno. Trópico, Trópico, 10 dez. 2004.

276.
NOBRE, M.. Onde estão os ideólogos. Trópico, Trópico, 26 out. 2004.

277.
NOBRE, M.. O veneno para o antídoto. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 14 - 14, 31 ago. 2003.

278.
NOBRE, M.. Giannotti passa a escrever na Folha. Folha de S. Paulo - caderno Mais!, São Paulo, p. 14 - 14, 17 dez. 2000.

279.
NOBRE, M.. Desordem do Mundo. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 5-7 - 5-7, 08 ago. 1999.

280.
NOBRE, MARCOS. Desordem do mundo. Folha de São Paulo - Caderno Mais!, São Paulo, 08 ago. 1999.

281.
NOBRE, M.. Escola de Frankfurt virou um slogan disputado nas editoras e universidades. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. F-4 - F-5, 24 abr. 1990.

Apresentações de Trabalho
1.
NOBRE, M.. La critique immanente de l?état ?faux?. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
NOBRE, M.; SALLUM JUNIOR, B. . Mesa 5: O processo de redemocratização. 2014. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

3.
NOBRE, M.. (Re) Democratizando? Das Diretas Já às Revoltas de Junho. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
NOBRE, M.. The Primacy of Theory. The long-Lasting Model of the Dialectic of Enlightenment. 2014. (Apresentação de Trabalho/Outra).

5.
NOBRE, M.; FENGLER, S. ; VILLAS BOAS, L. ; ALMEIDA, M. H. T. de . Painel 2 - Diagnóstico e perspectivas: a relevância das ciências sociais e humanas (Expositor). 2014. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

6.
NOBRE, M.; ZAN, J. R. ; MELO, R. S. . A morte da canção e os novos protestos. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

7.
NOBRE, M.; AZEDO, L. C. ; CARDOSO, A. M. ; CASTRO, H. C. O. . O que, afinal, aconteceu em Junho de 2013? (Mesa 3 ? Movimentos Sociais). 2014. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

8.
NOBRE, M.. O que, afinal, aconteceu em Junho de 2013 - Café Filosófico. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
NOBRE, M.. 'Judicialization of Politics' and Democracy in Brasil. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

10.
NOBRE, M.. After the 'formation'. Culture and politics of the new brazilian modernization (10/02). 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

11.
NOBRE, M.. Soziale Bewegungen und demokratische Entwicklung in Brasilien (10/02). 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

12.
NOBRE, M.. Worshop Soziale Bewegungen und demokratische Entwicklung in Brasilien (11/02). 2014. (Apresentação de Trabalho/Outra).

13.
NOBRE, M.. Giulio Carlo Argan (17/09). 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

14.
NOBRE, M.. Depois da formação. Filosofia e cultura da modernização brasileira. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

15.
NOBRE, M.. A Teoría Social de Max Weber. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

16.
NOBRE, M.. Manifestaciones y revueltas recientes e la democracia Brasileña. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

17.
NOBRE, M.. Conversa sobre a atual conjuntura de manifestações e protestos pelo Brasil. 2013. (Apresentação de Trabalho/Outra).

18.
NOBRE, M.; GIANNOTTI, J. A. . Crise de legitimidade: sistema político e representação. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

19.
NOBRE, M.. Diagnósticos em disputa. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
NOBRE, M.. Max Horkheimer. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

21.
NOBRE, M.; MARQUES FILHO, L. C. . Novas polarizações - ainda sobre esquerda e direita (Mesa de Debate: Distopias no espaço). 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

22.
NOBRE, M.. Critical Unity and Interdisciplinary Arrangement in the Dialectic of Enlightenment (6-8/05). 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

23.
NOBRE, M.. Reconstrução em dois níveis (05/11). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

24.
NOBRE, M.. Modelos reconstrutivos da teoria crítica (04/09). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

25.
NOBRE, M.. Teoria tradicional e teoria crítica hoje (03/09). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

26.
NOBRE, M.. Introdução Geral à Teoria Crítica (03/09). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

27.
NOBRE, M.. Jürgen Habermas e o Paradigma Reconstrutivo e Direito e Democracia. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

28.
NOBRE, M.. A Escola de Frankfurt - uma Introdução (10/09). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

29.
NOBRE, M.. Relação entre o público e o privado no contexto das eleições municipais (25/09). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

30.
NOBRE, M.. A reconstrução normativa de Axel Honneth (22-26/10). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

31.
NOBRE, M.. A Crise do Capital como Objeto de Estudo (Mesa Temática 2). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

32.
NOBRE, M.. Mesa de Debate: A Linguagem da Mídia (13-17/08). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

33.
NOBRE, M.. Perspectivas e Desafios do Direito Contemporâneo (16/08). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
NOBRE, MARCOS; JANUARIO, A. M. . ?Anotações ao pensar filosófico?, de Theodor W. Adorno, 2014. (Tradução/Artigo).

2.
NOBRE, M.; KANG, J. ; VOIROL, O. ; CELIKATES, R. ; KERNER, I. . Teoria Crítica: Uma nova geração. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, 2012 (Organização de Dossiê).

3.
NOBRE, M.. A explosão da metafísica. São Paulo: Valor Econômico, 2011 (Entrevista).

4.
NOBRE, M.. PSD não passa de um ?PMDB repaginado?, avaliam cientistas políticos. São Paulo: UOL Notícias, 2011 (Entrevista).

5.
NOBRE, M.. Temer, hoje, é o líder da oposição. São Paulo: Revista Época, 2011 (Entrevista).

6.
NOBRE, M.. Queda de braço de Dilma faz PMDB organizar centrão. São Paulo: Estado de São Paulo, 2011 (Entrevista).

7.
NOBRE, M.. Dilma perdeu seu grande projeto político. São Paulo: Valor Econômico, 2011 (Entrevista).

8.
NOBRE, M.. ?Excesso de adesão? é problema para Dilma, diz analista. São Paulo: Folha de São Paulo, 2011 (Entrevista).

9.
NOBRE, M.. O cortejo do atraso. São Paulo: Estado de São Paulo, 2011 (Entrevista).

10.
NOBRE, M.. Esquerda, direita e outras vias. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2011 (Debate em vídeo).

11.
NOBRE, M.. Apresentação. Passo Fundo, 2011. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

12.
NOBRE, M.; Werle, D. L. . Dossiê "Tolerância". São Paulo: CEBRAP, 2009 (Organização de Dossiê).

13.
NOBRE, M.. Eleição marcada pelo silêncio. Rio de Janeiro: DAAD - Serviço de Intercâmbio Acadêmico Alemão, 2009 (Newsletter DAAD/Rio de Janeiro).

14.
MELO, R. S. ; NOBRE, M. . A dimensão moral. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2009 (Entrevista).

15.
NOBRE, M.. Prefácio. São Paulo, 2009. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

16.
KEINERT, M. C. ; LOPES, M. ; MATTOS, F. C. ; MELO, R. S. ; NOBRE, M. ; PERES, D. T. ; REPA, L. . Apresentação. São Paulo, 2008. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

17.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. . Apresentação. São Paulo, 2008. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

18.
NOBRE, M.. Apontamentos sobre a Pesquisa em Direito no Brasil. São Paulo: Publicações EDESP/FGV, 2004 (Cadernos de Pesquisa).

19.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. . Breve Apresentação. São Paulo, 2004. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

20.
NOBRE, M.; COELHO, V. S. P. . Apresentação. São Paulo, 2004. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

21.
NOBRE, M.; REPA, L. . Honneth esquadrinha "déficit sociológico". São Paulo: Folha de S. Paulo, 2003 (Entrevista).

22.
NOBRE, M.. Luta por reconhecimento: Axel Honneth e a Teoria Crítica. São Paulo, 2003. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

23.
NOBRE, M.. Democracia por Subtração. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2002 (Entrevista).

24.
NOBRE, M.. Una scommessa al lavoro. Roma: Il Manifesto, 2002 (Entrevista).

25.
NOBRE, M.. Mulheres revêem direitos da humanidade. São Paulo: Folha de S. Paulo, 1998 (Entrevista).

26.
NOBRE, M.. Adorno e o expressionismo abstrato. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, 1998 (Revisão de tradução).

27.
NOBRE, M.; COSTA, S. . Uma conversa sobre questões da teoria política. Entrevista de Jürgen Habermas a M. Carlehedem e R. Gabriels. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, 1997. (Tradução/Outra).

28.
NOBRE, M.; VÁRIOS . Primeira introdução à Crítica do Juízo. São Paulo: Iluminuras/FAPESP, 1995. (Tradução/Outra).

29.
NOBRE, M.. Seduções da psicanálise. Campinas: Papirus, 1990. (Tradução/Livro).

30.
NOBRE, M.; ANDRADE, F. . Experiência artística em Arnold Schoenberg. Sobre a dialética do material musical. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, 1990. (Tradução/Artigo).

31.
NOBRE, M.. Feminismo e pós-modernismo. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, 1990. (Tradução/Artigo).

32.
NOBRE, M.. Os clássicos da política - Kant. São Paulo: Ática, 1989 (Revisão de tradução).

33.
NOBRE, M.. A reconstrução dialética de Ruy Fausto. São Paulo: Folha de S. Paulo, 1987 (Entrevista).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
NOBRE, M.. Projeto de Pesquisa de Taísa Helena Pascale Palhares para contratação em RDIDP. 2015.

2.
NOBRE, M.. Membro do Conselho Editorial da Revista Direito GV (FGV). 2005.

3.
NOBRE, M.. Membro do Conselho Editorial da revista Novos Estudos CEBRAP. 2005.

4.
NOBRE, M.. Sócio do Goethe-Institut São Paulo ? Centro Cultural Brasil-Alemanha. 2005.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
NOBRE, MARCOS; FARIA, J. E. ; GIANETTI, E. ; LOPRETE, R. . Os recentes episódios de violência na política. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

2.
NOBRE, MARCOS. Marcos Nobre: ?Com o campo progressista fragmentado, a centro-direita leva de lavada durante anos?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

3.
NOBRE, M.. 'Sociedade aceitou o próprio sufocamento para demonstrar revolta contra o sistema político', diz filósofo. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

4.
NOBRE, MARCOS. ?Temer não vai ter influência na sua própria sucessão?, diz cientista político. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

5.
NOBRE, MARCOS. ?Temer não vai ter influência na sua própria sucessão?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

6.
NOBRE, MARCOS. 'Sociedade aceitou o próprio sufocamento para demonstrar revolta contra o sistema político', diz filósofo. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

7.
NOBRE, MARCOS. 'Esta não é uma eleição redentora'. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

8.
NOBRE, MARCOS. programa de TV ?Diálogos?, Globo News. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

9.
NOBRE, MARCOS. ?Conversa com Bial?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

10.
NOBRE, MARCOS; MACHAO, U. . Mundo pré-globalização terminou em 2013, afirma Marcos Nobre. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

11.
NOBRE, MARCOS. Marcos Nobre sobre COMO NASCE O NOVO. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

12.
NOBRE, MARCOS; JAFFE, N. . Como nasce o novo: Por que ler Hegel hoje?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

13.
NOBRE, MARCOS; CONTI, M. S. . Diálogos: Marcos Nobre, professor de Filosofia Política, lança livro sobre Hegel. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

14.
NOBRE, MARCOS; SANCHES, M. . ?Temer acha que é Itamar, mas é Sarney, diz cientista político?. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

15.
NOBRE, MARCOS; DOMENICI, T. . ?PMDB só virou governo por causa da Lava Jato, diz filósofo Marcos Nobre?. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

16.
NOBRE, MARCOS. Para filósofo da Unicamp, Temer se preparou para guerra e PSDB lavou as mãos. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

17.
NOBRE, MARCOS; MIRAGLIA, P. . Como governistas e opositores trabalham o pós-Temer. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

18.
NOBRE, MARCOS. ?Há um acordo de autodefesa do sistema político contra o Judiciário?, diz cientista político. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

19.
NOBRE, MARCOS. PMDB só virou governo por causa da Lava Jato, diz filósofo Marcos Nobre. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

20.
NOBRE, MARCOS. 'Temer acha que é Itamar, mas é Sarney', diz cientista político. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

21.
NOBRE, MARCOS. ?Há um acordo de autodefesa do sistema político contra o Judiciário?, diz cientista político. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

22.
NOBRE, MARCOS. 'É impossível fazer uma retrospectiva de 2016 a não ser em tempo real'. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

23.
NOBRE, MARCOS. ?Em 2017, sentimento de insatisfação pode virar contra o STF?. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

24.
NOBRE, MARCOS; DANTAS, H. . Convidados comentam o primeiro turno das eleições municipais. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

25.
NOBRE, MARCOS. Marcos Nobre interpreta o contexto político atual 1/1. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

26.
NOBRE, MARCOS. Marcos Nobre: ?Temer, como presidente do Brasil, será o presidente do PMDB?. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

27.
NOBRE, MARCOS. ?PMDB só consegue unidade na economia?. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

28.
NOBRE, MARCOS. O Brasil pós-crise: Cenário político. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

29.
NOBRE, MARCOS. ?O impeachment é estratégia de defesa contra a Lava Jato?. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

30.
NOBRE, MARCOS. Pemedebismo dá sinais de colapso, diz Nobre Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/cultura/4071692/pemedebismo-da-sinais-de-colapso-diz-nobre ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer me. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

31.
NOBRE, MARCOS. ?O PT não lidera mais o governo'. Entrevista com Marcos Nobre. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

32.
NOBRE, MARCOS. Trinta anos após fim da ditadura, Brasil tem 'democracia imperfeita'. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

33.
NOBRE, MARCOS. 'Em batalha de esfarrapados, Dilma tem ligeiro favoritismo'. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

34.
NOBRE, M.; AFFONSO, A. M. A. ; EUGENIO, M. F. N. . 1964: Outras Perspectivas. 2014. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

35.
NOBRE, M.. Haverá pressão insuportável para o PSB lançar Marina. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

36.
NOBRE, MARCOS. ?As ruas e a democracia?. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

37.
NOBRE, MARCOS. 'Seja quem ganhe, haverá oposição pela 1ª vez em muito tempo' Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/eleicoes2014/3723262/seja-quem-ganhe-havera-oposicao-pela-1#ixzz3FNfKUXsb ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

38.
NOBRE, MARCOS. A receita do filósofo Marcos Nobre para uma reforma política que enterre o ?pemedebismo?. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

39.
NOBRE, MARCOS. ?Marina pode romper acordo de cavalheiros entre PT e PSDB?. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

40.
NOBRE, MARCOS. Professor de Filosofia da Unicamp, Marcos Nobre, comenta consequências da morte de Eduardo Campos para a política regional. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

41.
NOBRE, MARCOS. Exercícios da Democracia. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

42.
NOBRE, M.. Filósofo analisa 30 anos de história política. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

43.
NOBRE, M.. Revoltas decretam o fim do ciclo de redemocratização. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

44.
NOBRE, M.. Protesto é reposta à tecnocracia. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

45.
NOBRE, M.. Livro atribui 'revoltas de junho' a vácuo da oposição. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

46.
NOBRE, M.. Livro atribui 'revoltas de junho' a vácuo da oposição. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

47.
NOBRE, M.; RESENDE, A. L. ; WAACK, W. . Mesa 'O Povo e o Poder no Brasil'. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

48.
NOBRE, M.. Dois ismos que não rimam. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

49.
NOBRE, M.. Bem-estar e mal-estar no Brasil pós-manifestações. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

50.
NOBRE, M.; SINGER, A. V. . Debate: Lulismo e Pemedebismo (12/03). 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

51.
NOBRE, M.. O significado das manifestações populares pelo Brasil. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

52.
NOBRE, MARCOS. Protesto é resposta à tecnocracia, diz Nobre. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

53.
NOBRE, MARCOS. Filósofo político analisa o período de manifestações no Brasil. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

54.
NOBRE, MARCOS; CASTRO, E. M. R. ; DANTAS, S. D. . Especial SBPC reflete sobre significado das manifestações no Brasil. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

55.
NOBRE, MARCOS; FRANCO, A. . As inquietações de junho. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

56.
NOBRE, MARCOS; GIARDELLI, G. . Redes sociais fortalecem a mobilização de jovens no Brasil. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

57.
NOBRE, MARCOS. A crise de um sistema político fechado em si. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

58.
NOBRE, MARCOS. Junho de 2013 não acabou. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

59.
NOBRE, MARCOS. REVOLTAS DE JUNHO Livro faz retrato de protestos de rua. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

60.
NOBRE, MARCOS; RESENDE, A. L. . Na Flip, discussão sobre o povo e poder tem disputa de vaias e palmas. 2013. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

61.
NOBRE, MARCOS. 'Do ponto de vista político, o mensalão acabou', diz o filósofo Marcos Nobre. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

62.
NOBRE, MARCOS. Analysis: Brazil's mass protests peak, ball in politicians' court. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

63.
NOBRE, MARCOS. Brazil's Leftist Ruling Party, Born of Protests, Is Perplexed by Revolt. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

64.
NOBRE, MARCOS. 'Politik statt Fußball und Samba'. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

65.
NOBRE, MARCOS. A decomposição do instituído é nossa oportunidade. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

66.
NOBRE, MARCOS. PSB x PT: vitória do 'peemedebismo'. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

67.
NOBRE, MARCOS. Protestos foram uma resposta ao 'peemedebismo' da política. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

68.
NOBRE, MARCOS. comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura, outubro a dezembro de 2010. 2013. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

69.
NOBRE, M.. Debate entre candidatos a prefeito de Campinas, TVB. 2012. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

70.
NOBRE, M.. ?Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero?, entrevista concedida, Folha de S. Paulo. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

71.
NOBRE, M.; RESEK, F. ; GRANDIS, R. . ?A Mensagem do Tribunal?, debate com Francisco Resek e Rodrigo de Grandis sobre o julgamento da ação penal 470, Valor Econômico, caderno Eu&Fim de Semana. 2012. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

72.
NOBRE, M.. Mesa Temática 2 - A crise do capital como objeto de estudo (01-04/10). 2012. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

73.
NOBRE, MARCOS. Internautas do UOL apontam corrupção como principal problema das prefeituras do país?, entrevista concedida. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

74.
NOBRE, MARCOS. Sem identidade, desafio de Russomano será permanecer na política. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

75.
NOBRE, M.. Teoria Crítica une o pensamento da chamada Escola de Frankfurt. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

76.
NOBRE, M.. Programa Entre Aspas. 2011. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

77.
NOBRE, M.. Programa Globo News Painel. 2011. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

78.
NOBRE, MARCOS. Debate ?Esquerda, direita e outras vias?. 2011. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

79.
NOBRE, MARCOS; GIANETTI, E. . Cem dias de Dilma Rousseff no poder. 2011. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

80.
NOBRE, MARCOS. ??Excesso de adesão? é problema para Dilma, diz analista?. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

81.
NOBRE, MARCOS; GIANNOTTI, J. A. . ?A explosão da metafísica?, entrevista com José Arthur Giannotti. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

82.
NOBRE, MARCOS. Dilma perdeu seu grande projeto político. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

83.
NOBRE, MARCOS. O cortejo do atraso. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

84.
NOBRE, MARCOS. Queda de braço de Dilma faz PMDB organizar centrão. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

85.
NOBRE, MARCOS. Temer, hoje, é o líder da oposição. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

86.
NOBRE, MARCOS. PSD não passa de um ?PMDB repaginado?, avaliam cientistas políticos. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

87.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

88.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

89.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

90.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

91.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

92.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

93.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

94.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

95.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

96.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

97.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

98.
NOBRE, MARCOS. Comentarista convidado do Jornal da Cultura, TV Cultura. 2010. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

99.
NOBRE, M.. PMDB é ?zona de indistinção? de PSDB e PT. 2009. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

100.
NOBRE, M.. Es wird noch einmal Polarisierung geben. 2009. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
NOBRE, MARCOS; JANUARIO, A. M. . Curso Livre de Teoria Crítica. 2013. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
NOBRE, M.. Teoria Crítica Hoje. 2012. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.
NOBRE, M.; SILVA, F. G. . Prêmio ANPOF 2012 - Liberdade em disputa: a reconstrução da autonomia privada na teoria crítica de de Jürgen Habermas (UNICAMP). 2012. (Prêmio ANPOF 2012 de Melhor Tese de Doutorado).

4.
NOBRE, M.; SILVA, F. G. . Prêmio Capes de Tese Edição 2011 de teses de doutorado defendidas em 2010. Menção Honrosa ao Orientador e ao Orientado: Felipe Gonçalves Silva - título da tese: Liberdades em disputa. A Reconstrução da Autonomia Privada na teoria critica de Jurgen Habermas. 2011. (Menção Honrosa).

5.
NOBRE, M.. Observador Eleitoral das eleições de 27 de novembro de 2009 na Alemanha. 2009. (Observador Eleitoral).

6.
NOBRE, M.. Prêmio Folha de Jornalismo. 2009. (Júri).

7.
NOBRE, M.. Politics and Society in Brazil. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

8.
NOBRE, M.. Teoría Crítica de la Sociedad a partir de la Teoría de la acción comunicativa de Habermas. 2006. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

Demais trabalhos
1.
NOBRE, M.. Invenção do Contemporâneo: Razão e Revolução. 2007 (Programa de Televisão) .

2.
NOBRE, M.. O Marxismo da Teoria Crítica série (TV Cultura - Série "Paradigmas do Século XXI: Fundadores do Pensamento no Século XX"). 2004 (Programa de Televisão) .

3.
NOBRE, M.. A Alienação (TV Canal "S" - Série "Diálogos Impertinentes"). 2004 (Programa de Televisão) .



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
NOBRE, MARCOS; CHAVES, E.; PALHARES, T. H. P.. Participação em banca de Fernando Augusto Bee Magalhães. Crítica da cultura e fantasmagoria : Benjamin na década de 30. 2016. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

2.
NOBRE, MARCOS; FRATESCHI, Y. A.; PINZANI, A.. Participação em banca de Leonardo J. da Hora Pereira. A noção de capitalismo tardio na obra de Jürgen Habermas: em torno da tensão entre capitalismo e democracia. 2012. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

3.
NOBRE, M.. Participação em banca de Antonio Ianni Segatto. Racionalidade do entendimento: um estudo sobre a pragmática kantiana de Jürgen Habermas. 2006. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

4.
NOBRE, M.. Participação em banca de Paulo Denisar Vasconcelos Fraga. A teoria das necessidades em Marx: da dialética do reconhecimento à analítica do ser social. 2006. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

5.
NOBRE, M.; TERRA, R. R.. Participação em banca de Rúrion Soares Melo. O uso público da razão como procedimento: pluralismo, discurso e democracia em Habernas. 2005. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

6.
NOBRE, M.. Participação em banca de Raphael da Silva Neves. Reconhecimento, multiculturalismo e direitos ? contribuições do debate feminista a uma teoria crítica da sociedade. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

7.
NOBRE, M.. Participação em banca de Erika Cristina Ribeiro. O lugar sistemático do ideal de um reino dos fins e do sentimento de respeito na Fundamentação da Metafísica dos Costumes. 2005. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Teses de doutorado
1.
NOBRE, MARCOS; GONCALVES, M. C. F.; MADUREIRA, M. M. S.; LIMA, E. C.; PIMENTA, P. P. G.. Participação em banca de RICARDO CRISSIUMA. A formação do jovem Hegel (1770-1800) : do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

2.
NOBRE, MARCOS; MARIN, I. L.; KLEIN, S. F.; RODRIGUEZ, José Rodrigo; MELO, R. S.. Participação em banca de MARIA ERBIA CASSIA CARNAÚBA. Teoria Crítica e utopia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

3.
NOBRE, MARCOS; PALHARES, T. H. P.; TERRA, R. R.; REPA, L.; SILVA, E. N.. Participação em banca de Adriano Márcio Januário. Modelo crítico e diagnóstico de tempo presente em Th. W. Adorno. 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

4.
NOBRE, MARCOS; HULSHOF, M.; MELO, R. S.; SILVA, F. G.; Werle, D. L.. Participação em banca de Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira. PATOLOGIAS SOCIAIS, SOFRIMENTO E RESISTÊNCIA - Reconstrução da negatividade latente na teoria crítica de Axel Honneth. 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

5.
NOBRE, MARCOS; FRATESCHI, Y. A.; TERRA, R. R.; RODRIGUEZ, José Rodrigo; VIEIRA, O. V.. Participação em banca de Felipe Gonçalves Silva. Liberdades em Disputa A Reconstrução da Autonomia Privada na Teoria Crítica de Jürgen Habermas. 2010. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

6.
NOBRE, M.. Participação em banca de Cristiano Santiago de Sousa. O Desenvolvimento Humano Sustentado Como Fundamento Da Cidadania Pós-Nacional. 2006. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

7.
NOBRE, M.; TERRA, R. R.. Participação em banca de Luiz Sérgio Repa. A transformação da filosofia em Jürgen Habermas: os papéis de reconstrução, interpretação e crítica.. 2005. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

8.
NOBRE, M.. Participação em banca de Márcio Gimense de Paula. A crítica de Kierkegaard à cristandade: o indivíduo e a comunidade. 2005. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

9.
NOBRE, M.. Participação em banca de Denílson Luis Werle. Lutas por reconhecimento e justificação da normatividade (Rawls, Taylor e Habermas). 2004. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

10.
NOBRE, M.. Participação em banca de Paulo Todescan Lessa Mattos. O Novo Estado Regulador no Brasil: Direito e Democracia. 2004. Tese (Doutorado em Filosofia Teoria Geral Direito) - Universidade de São Paulo.

11.
NOBRE, M.. Participação em banca de Marcos César Seneda. O problema da evidência e da validade nas ciências empíricas da ação. 2004. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

12.
NOBRE, M.. Participação em banca de Karl-Heinz Efken. O Estado Democrático de Direito na perspectiva da teoria do discurso de Jürgen Habermas. 2003. Tese (Doutorado em Curso de Doutorado em Filosofia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Qualificações de Doutorado
1.
NOBRE, M.. Participação em banca de Maria Érbia Cássia Carnaúba. A gênese da utopia da Teoria Crítica (28/05). 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

2.
NOBRE, M.. Participação em banca de Ricardo Crissiuma. A formação do jovem Hegel: dos carecimentos da sociedade moderna ao carecimento da filosofia (28/05). 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

3.
NOBRE, M.. Participação em banca de Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira. Democracia e Emancipação na Teoria Crítica (13/05). 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

4.
NOBRE, M.. Participação em banca de Leonardo Jorge da Hora Pereira. A noção de capitalismo tardio na obra de Jürgen Habermas em torno da tensão entre capitalismo e democracia (10/08). 2011. Exame de qualificação (Doutorando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Concurso público
1.
NOBRE, M.. Membro e Presidente da Comissão Julgadora do concurso público de provas e títulos para provimento de cargo de Professor Doutor, nível MS-3.1, na área de História da Filosofia, na disciplina HG-403 Estética I, do Departamento de Filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas. 2015. Universidade Estadual de Campinas.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
?Brasil 2018: Crise, eleições e opções da esquerda?.?Brasil 2018: Crise, eleições e opções da esquerda?. 2018. (Seminário).

2.
III. Mecila International Workshop.?Convivial [Hi]Stories?. 2018. (Seminário).

3.
São Paulo School of Advanced Studies in Social Science - USP.?The Tasks of a Critical Theory of Society?. 2018. (Outra).

4.
XXI Encontro de pesquisa na graduação em filosofia da USP.?Presente contextualizado, Filosofia em Movimento?. 2018. (Seminário).

5.
?10th International Critical Theory Conference in Rome?.?Immanence in Late Capitalism. Adorno?s Negative Dialectics?. 2017. (Seminário).

6.
?2 São Paulo Critical Theory Conference? - CEBRAP.Debatedor do texto de Emmanuel Renault, ?Social critique and knowledge?. 2017. (Encontro).

7.
?Conviviality in Unequal Societies?.Debatedor da mesa ?Konvivenz, Convivialisme, Conviviality: Competing or Complementary Approaches??. 2017. (Seminário).

8.
?I Encontro da Pós-Graduação em Filosofia da Unicamp?.?Crise e democracia?. 2017. (Encontro).

9.
?II Encontro de Teoria Crítica?.Teoria Crítica. 2017. (Encontro).

10.
?II Seminário de Teoria Crítica e Sociologia?.?Teoria Tradicional e Teoria Crítica 80 anos depois?. 2017. (Seminário).

11.
?Política macroeconômica, crescimento e desigualdade: balanço da economia brasileira (2003-2016)?.Estrutura produtiva, conflito distributivo e sistema político. 2017. (Seminário).

12.
?Researching Conviviality in Unequal Societies: Theories and Methods?.?Conviviality and Domination?. 2017. (Simpósio).

13.
?The Structure of the Present Brazilian Political Crisis?. ?Inequalities and Power Struggles in Contemporary Brazil: Divides, Narratives, Scenarios?. 2017. (Exposição).

14.
?XVI Semana de Pós-Graduação em Ciências Sociais?.Mesa de Abertura: ?Democracia e as Ciências Sociais?. 2017. (Simpósio).

15.
2 São Paulo Critical Theory Conference.debatedor do texto de Emmanuel Renault ?Social critique and knowledge?. 2017. (Simpósio).

16.
Conviviality in Unequal Societies, Inaugural Conference of the Maria Sybilla Merian Centre.Debatedor da mesa ?Konvivenz, Convivialisme, Conviviality: Competing or Complementary Approaches??. 2017. (Outra).

17.
Researching Conviviality in Unequal Societies: Theories and Methods.Conviviality and Domination. 2017. (Seminário).

18.
Colóquio internacional: Max Horkheimer e a Teoria Crítica.Max Horkheimer e a Teoria Crítica Versão para impressão. 2016. (Outra).

19.
Mesa Cebrap 25/11/16.?Três décadas de democracia no Brasil: a crise em perspectiva?. 2016. (Seminário).

20.
X CONGRESSO INTERNACIONAL DE TEORIA CRÍTICA: TECNOLOGIA, VIOLÊNCIA, MEMÓRIA. Filosofia, Tecnologia e Violência. 2016. (Congresso).

21.
?Em que tempo estamos? ? A conjuntura política do Brasil hoje?.?Eduardo Cunha e as Novas Feições do Pemedebismo?. 2015. (Encontro).

22.
?Quartas Sociológicas? - UFSCAR.?Por uma atualização da ?Formação?: Conservadorismo em um país modernizado?. 2015. (Encontro).

23.
?Rumos da Esquerda Pós-Eleições?.Debate ?Rumos da Esquerda Pós-Eleições?, com Rosana Pinheiro Machado e Pablo Ortelado. 2015. (Encontro).

24.
"Conjuntura política: o que está em jogo?" - Debate com André Singer, Fernando Limongi e Marcos Nobre."Conjuntura política: o que está em jogo?". 2015. (Outra).

25.
8th International Critical Theory Conference in Rome.?What about ?determinate negation?? Critical Theory and the changing figure of emancipation?. 2015. (Simpósio).

26.
Brazil under Pressure: Current Challenges and Alternatives.Politics and Rights: Negotiations and Perspectives. 2015. (Seminário).

27.
X ENCONTRO DE PESQUISA NA GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA DA UNESP.?Filosofia e universidade na mudança de modelo de sociedade no Brasil?. 2015. (Encontro).

28.
?1964: Outras Perspectivas?.Debate ?1964: Outras Perspectivas?, com Marcos Napolitano e Ladislau Dowbor, Bienal do Livro, São Paulo. 2014. (Encontro).

29.
?The Grammar of Justice?, International Conference of "Transnational Justice".?Judicialization of Politics? and Democracy in Brasil. 2014. (Simpósio).

30.
« The Primacy of Theory. The Long-Lasting Model of the Dialectic of Enlightenment ».?La Dialectique de la Raison, 70 ans après Critique sociale, Politique et Esthétique?. 2014. (Simpósio).

31.
Ciclo de Palestras: "50 anos do Golpe de Estado".(Re) Democratizando? Das Diretas-Já às Revoltas de junho. 2014. (Seminário).

32.
Ciências Humanas e Sociais: Dentro ou Fora do Jogo (30/05).Painel 2 - Diagnóstico e perspectivas: a relevância das ciências sociais e humanas. 2014. (Seminário).

33.
Debate sobre Lulismo, Pemebedismo e os Rumos da Democracia Brasileira.Debate sobre Lulismo, Pemebedismo e os Rumos da Democracia Brasileira. 2014. (Encontro).

34.
Escrita Sonora (4 a 27 de fevereiro) (Palestra 20/02).A morte da canção e os novos protestos. 2014. (Outra).

35.
I Colóquio de Filosofia Alemã da UFABC.?Da negação determinada à reconstrução?. 2014. (Seminário).

36.
International Conference "Transnational Justice" (10-12/09).'Judicialization of Politics' and Democracy in Brazil. 2014. (Encontro).

37.
Invenção do contemporâneo especial: ruas em movimento | marcos nobre.Invenção do contemporâneo especial: ruas em movimento | marcos nobre. 2014. (Outra).

38.
La Dialectique de la Raison, 70 ans après: Critique sociale Politique et Esthétique (12-13/05).The Primacy of Theory. The long-Lasting Model of the Dialectic of Enlightenment. 2014. (Encontro).

39.
Programa de Educação Tutorial ? PET Sociologia Jurídica, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. ?Reflexões sobre o papel do direito em tempos de transformação social?. 2014. (Exposição).

40.
Projeto ?Escrita Sonora?.Projeto ?Escrita Sonora?. 2014. (Encontro).

41.
Seminário 1964: 50 anos depois (11-12-15-25 de março).Mesa 5: O processo de redemocratização (12/03). 2014. (Seminário).

42.
Seminário 1964 ? 50 anos depois.O processo de Redemocratização. 2014. (Seminário).

43.
Seminário Internacional Sindicalismo Contemporâneo - 1o. maio - Umas Nova Visão para o Movimento Sindical Brasileiro (28-29/04)A.O que, afinal, aconteceu em Junho de 2013? (Mesa 3 - Movimentos Sociais). 2014. (Seminário).

44.
Workshop de lançamento do livro Por que o Brasil cresce pouco? Desigualdade, democracia e baixo crescimento no país do futuro, de Marcos Mendes.Workshop de lançamento do livro Por que o Brasil cresce pouco? Desigualdade, democracia e baixo crescimento no país do futuro, de Marcos Mendes. 2014. (Encontro).

45.
Worshop Soziale Bewegungen und demokratische Entwicklung in Brasilien.Thema: Soziale Bewegungen und demokratische Entwicklung in Brasilien. 2014. (Outra).

46.
XVI Encontro Nacional da ANPOF.DEBATE ?O Brasil pós-eleições?, com Daniel Peres, Luiz Paulo Rouanet e João Carlos Brum Torres. 2014. (Encontro).

47.
23a. Bienal Internacional do Livro em São Paulo. 1964: Outras Perspectivas (Mesa redonda). 2013. (Feira).

48.
65a. Reunião Anual da SBPC (21-26/07).O significado das manifestações populares pelo Brasil. 2013. (Outra).

49.
6th International Critical Theory Conference of Rome (6-8/05). A New Anthropology. Critical Unity and Interdisciplinary Arrangement in the Dialectic of Enlightenment (6-8/05). 2013. (Congresso).

50.
As manifestações e a redução da tarifa: tentativa de balanço.As manifestações e a redução da tarifa: tentativa de balanço. 2013. (Encontro).

51.
Bate papo com boa música (06/08).Conversa sobre a atual conjuntura de manifestações e protestos pelo Brasil. 2013. (Encontro).

52.
Ciclo de 11 Conferências sobre Estética, no segundo semestre de 2013.Giulio Carlo Argan (17/09). 2013. (Encontro).

53.
Crise de legitimidade: sistema político e representação - CEBRAP.Crise de legitimidade: sistema político e representação. 2013. (Simpósio).

54.
Curso Livre de Teoria Crítica - Ciclo com 14 conferências. 1o semestre de 2013-.Apresentação e abertura. 2013. (Outra).

55.
IX Encontro de História da Arte (EHA): Circulação e trânsito de imagens e ideias na História da Arte.Novas polarizações - ainda sobre esquerda e direita (Mesa de Debate: Distopias no espaço). 2013. (Encontro).

56.
Minicurso: A atualidade da teoria crítica.Diagnósticos em disputa. 2013. (Outra).

57.
Seminário Cebrap: Protesto, reforma política e políticas públicas. 2o. semestre de 2013.Crise de legitimidade: sistema político e representação. 2013. (Seminário).

58.
XI Festa Literária Internacional de Paraty. O Povo e o poder no Brasil. 2013. (Feira).

59.
XVI Bienal do Livro Rio (29/08 a 08/09/2013).Bem-estar e mal-estar no Brasil pós-manifestações. 2013. (Encontro).

60.
XVII Congresso da Sociedade Interamericana de Filosofia - Ciência e Cultura. Depois da formação. Filosofia e cultura da modernização brasileira. 2013. (Congresso).

61.
?The Justification of Human Rights?, conferência de Rainer Forst, CEBRAP, Sã.organizador e debatedor de ?The Justification of Human Rights?, conferência de Rainer Forst, CEBRAP. 2012. (Outra).

62.
?Two Pictures of Justice?, conferência de Rainer Forst, USP, Departamento de Ciência Política, ica.Debatedor de ?Two Pictures of Justice?, conferência de Rainer Forst, USP, Departamento de Ciência Política. 2012. (Outra).

63.
1o. Encontro de Ideias: Caminhos da Teoria Crítica.Teoria Tradicional e Teoria Crítica Hoje. 2012. (Seminário).

64.
1o. Encontro de Ideias: Caminhos da Teoria Crítica.Jürgen Habermas e o Paradigma Reconstrutivo e Direito e Democracia (04/09). 2012. (Encontro).

65.
1o. Encontro de Ideias: Caminhos da Teoria Crítica.Teoria tradicional e teoria crítica hoje (03/09). 2012. (Encontro).

66.
1o. Encontro de Ideias Caminhos da Teoria Crítica.Introdução Geral à Teoria Crítica (03/09). 2012. (Encontro).

67.
5o. Encontro do Projeto de Extensão "Da convergência à Divergência: Perspectivas em Diálogo".Relação entre o público e privado no contesto das eleições municipais (25/09). 2012. (Encontro).

68.
5th. International Critical Theory Conference of Rome. Reconstruction: Yesterday and Today?. 2012. (Congresso).

69.
A Teoria Crítica de Axel Honneth.Reconstrução em dois níveis. Um aspecto do modelo crítico de Axel Honneth. 2012. (Seminário).

70.
Aula Inaugural e lançamento do livro "Habermas e a Reconstrução" (16/08).?Perspectivas e desafios do direito contemporâneo?. 2012. (Outra).

71.
Jahrestagung 2012 der ADLAF ? Arbeitsgruppe Brasilien: ?Brasilien ? Land der Gegenwart?.Judicialização da política: Déficits explicativos e bloqueios normativistas. 2012. (Seminário).

72.
Journée d?études franco-brésilienne ?Rationalités pratiques. En Hommage à Balthazar Barbosa Filho (1942-2007)?.Lecture de la Phénoménologie de l?Esprit à partir de ses condition intellectuelles de production. 2012. (Simpósio).

73.
Perspectivas e desafios do direito contemporâneo.Perspectivas e desafios do direito contemporâneo. 2012. (Outra).

74.
Semana das Ciências Sociais Ifch - Semancs 2012 - E agora?! (01-04/10).A crise do capital como objeto de estudo (Mesa Temática 2). 2012. (Encontro).

75.
Seminário - A teoria crítica de Axel Honneth.Reconstrução em dois níveis. Um aspecto do modelo crítico de Axel Honneth. 2012. (Simpósio).

76.
The Justification of Human Rights - CEBRAP.The Justification of Human Rights - Conferênia de Rainer Forst. 2012. (Seminário).

77.
Two Pictures of Justice.Two Pictures of Justice - Conferência de Rainer Forst. 2012. (Simpósio).

78.
XV Encontro Nacional da ANPOF (22-26/10).A reconstrução normativa de Axel Honneth (22-26/10). 2012. (Encontro).

79.
XV Semana de Filosofia da UNICAMP.A Linguagem da Mídia. 2012. (Seminário).

80.
14º Encontro de Pesquisas na Graduação em Filosofia da UNICAMP.A morte da canção. 2011. (Encontro).

81.
35ª AMPOCS. Judicialização da política: déficits explicativos e bloqueios normativistas. 2011. (Congresso).

82.
35º Encontro Anual da ANPOCS.Dilemas da Modernidade Periférica. 2011. (Encontro).

83.
Critical Theory and Social Justice. Does the Distinction Between Traditional and Critical Theory Still Hold?. 2011. (Congresso).

84.
III Colóquio ?Justiça, Virtude e Democracia? (UFPR).Justiça, Virtude e Democracia. 2011. (Outra).

85.
Justiça, Virtude e Democracia.O filósofo municipal, a ?Setzung? e uma nova coalizão lógico-ontológica. 2011. (Seminário).

86.
Simpósio Internacional ?São Paulo Critical Theory Conference 2011?.Systematic Misrecognition and the Practice of Critique: Bourdieu, Boltanski and the Role of Critical Theory. 2011. (Simpósio).

87.
Simpósio Internacional ?São Paulo Critical Theory Conference 2011?.Does the Relation to Traditional Theory Still Establish the Field for Critical Theory Today?. 2011. (Simpósio).

88.
A política hoje: teoria, ação e instituições.Teoria Tradicional e Teoria Crítica hoje. 2010. (Simpósio).

89.
Aula Magna do lançamento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática da Educação Superior.Aula Magna do lançamento do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática da Educação Superior. 2010. (Outra).

90.
Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática da Educação Superior do SENAC-SC.Aula Magna: Teoria e Prática. 2010. (Outra).

91.
Curso Livre de Teoria Crítica.Max Horkheimer. 2010. (Outra).

92.
Democracia, Movimientos Sociales y Derecho en América Latina: Nuevas Agendas de Investigación.Democracia y Estado de derecho en América Latina: El rol de los movimientos sociales. 2010. (Seminário).

93.
Democracia no Limite. 4 maneiras de ir além do óbvio em política.Tolerância e Reconhecimento: limites da democracia liberal. 2010. (Outra).

94.
II Reunión Científica ?Teoría crítica de la sociedad, Educación, Democracia y Ciudadanía?.Teoría Crítica Hoy. 2010. (Seminário).

95.
Max Horkheimer.Max Horkheimer e a Teoria Crítica. 2010. (Outra).

96.
Seminario Internacional Interdisciplinar/Seminario de ex-alunas e ex-alunos da Freie Universität de Berlim, ?Democracia, Movimientos Sociales y Derecho en América Latina: Nuevas Agendas de Investigación?.Mesa: ?Democracia y Estado de derecho en América Latina: El rol de los movimientos sociales?. Mediador e debatedor.. 2010. (Seminário).

97.
XIV Encontro Nacional da ANPOF.Habermas e o Direito. 2010. (Encontro).

98.
Critical Theory and Social Justice. Does the Distinction Between Traditional and Critical Theory Still Hold?. 2009. (Congresso).

99.
II Colóquio Justiça, Virtude e Democracia: da amizade ao reconhecimento ? a fortuna história da philia.Simpatia, sociabilidade e moral no pensamento de Hume. 2009. (Simpósio).

100.
Responsabilidade e Pena no Estado Democrático de Direito. Responsabilização individual na sociedade do risco. 2009. (Congresso).

101.
Democracia, Estado Laico e Direitos Humanos.Laicidade nos Poderes Legislativo e Executivo e a Cultura Midiática. 2008. (Seminário).

102.
Deslocamentos: Política, Cidade, Etnicidade.Por que deslocamentos??. 2008. (Seminário).

103.
Direita e Esquerda Hoje: Teoria Crítica e Pena.Teoria Crítica e as polarizações atuais entre direita e esquerda. 2008. (Outra).

104.
III Semana Acadêmica do curso de Filosofia.Filosofia no Brasil: desafios de seu retorno no ensino médio. 2008. (Encontro).

105.
Politics and Society in Brazil since 1994.Politics and Society in Brazil since 1994. 2008. (Outra).

106.
Semana da Literatura de Língua Alemã.1968 ? A magia de um ano. 2008. (Outra).

107.
Teoría crítica de la sociedad, Educación, Democracia y Ciudadanía.Teoría crítica de la Sociedad: Derecho y Democracia. 2008. (Seminário).

108.
Teoria Crítica Hoje.Teoria Crítica Hoje. 2008. (Outra).

109.
VI Festa Literária Internacional de Paraty.Retrato em Branco e Preto. 2008. (Outra).

110.
XIII Encontro Nacional de Filosofia da Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia.Mini-curso ?Teoria Crítica em Perspectiva: Horkheimer, Adorno, Marcuse, Habermas, Honneth?. 2008. (Encontro).

111.
XV Colóquio Nacional Lógica e Ontologia.Teoria Crítica Hoje. 2008. (Seminário).

112.
Dialética do Esclarecimento 60 Anos.Uma Nova Antropologia. 2007. (Simpósio).

113.
Pensamento alemão no século XX.A Teoria Social de Jürgen Habermas. 2007. (Outra).

114.
Research on Crime, Criminal Law and Criminology.The Brazilian Centre for Analysis and Planning (CEBRAP) and its Research Agenda. 2007. (Simpósio).

115.
A Politização do Teatro e a Teatralização da Política.Seminário Usando Nosso Nome em Vão. 2006. (Seminário).

116.
Colóquio Dialética do Esclarecimento.A unidade crítica da Dialética do Esclarecimento. 2006. (Simpósio).

117.
Curso Direito e Democracia.Aula Introdutória. 2006. (Outra).

118.
III Curso Livre de Humanidades.Filosofia se ensina?. 2006. (Outra).

119.
Refundação da República: Direitos e Cidadania.Refundação da República: Direitos e Cidadania. 2006. (Outra).

120.
10th. International Kant Congress. Kant in the context of contemporary philosophy VI. 2005. (Congresso).

121.
10th. International Kant Congress. Kant et Hegel selon le modèle adornien de critique et de métacritique. 2005. (Congresso).

122.
29º. Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais.A atualidade da teoria social alemã no contexto brasileiro. 2005. (Encontro).

123.
Cidadania e Direitos na Democracia Contemporânea..Cidadania e direitos na Democracia Contemporânea.. 2005. (Outra).

124.
Colóquio ?Justiça, Virtude e Democracia?.Teoria Crítica e adjudicação de conflitos. 2005. (Seminário).

125.
II Seminário Internacional sobre Filosofia e Educação.Racionalidade e Tolerância na Teoria Crítica. 2005. (Seminário).

126.
Philosophy and the Social Sciences.Traditional and Critical Theory Revisited. 2005. (Simpósio).

127.
Projeto Cultural - Novas Identidades: A Vida em Transformação: conhecimento, sabedoria e Felicidade - Dentro do Módulo Conceitual: A Crise da razão no mundo contemporâneo..Razão e Revolução.. 2005. (Outra).

128.
Seminar From World Modernity to Multiple Modernities: Social Theory in the Context of Global Transformation.Does the Distinction between Traditional and Critical Theory Still Hold?. 2005. (Seminário).

129.
Seminário de Ex-Bolsistas do Deutscher Akademischer Austausch Dienst, ?Conflitos entre Ordens Jurídicas no Contexto da Transnacionalidade do Direito?.Hemos creado Europa, ahora hay que crear Europeos. 2005. (Seminário).

130.
Economic and Social Regulation, Accountability and Democracy. Regulatory State and Deliberative Democracy. 2004. (Congresso).

131.
Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF.Dois modelos analíticos no pensamento de Habermas. 2004. (Encontro).

132.
From the World Modernity to Multiple Modernities: Social Theory in the Context of Global Transformations.State-Society Configurations in the Tradition of Critical Theory. 2004. (Seminário).

133.
Inequality, Participation, and Democracy.Interdisciplinary Challenges: Including Law in the Social Sciences Consortium in Brazil. 2004. (Oficina).

134.
I Simpósio Nacional de Filosofia sobre Ética, Política e Linguagem.Ética e Direito. 2004. (Simpósio).

135.
I Simpósio Nacional de Filosofia sobre Ética, Política e Linguagem.A Idéia de Teoria Crítica. 2004. (Simpósio).

136.
Adorno Hoje - Ciclo de Debates.Mesa Redonda "Filosofia". 2003. (Outra).

137.
Adorno Hoje - Ciclo de Debates.Teoria Social como análise do capitalismo. 2003. (Outra).

138.
Fundadores do Pensamento no Século XX.O Marxismo da Teoria Crítica de Adorno e Horkheimer. 2003. (Outra).

139.
Invisibility: on the epistemology of recognition.Invisibility: on the epistemology of recognition. 2003. (Outra).

140.
Luta por reconhecimento - debate com Axel Honneth.Luta por reconhecimento - debate com Axel Honneth. 2003. (Outra).

141.
Programa Avançado em Teoria Social - Teoria Sociológica.Racionalização e Reificação. 2003. (Outra).

142.
XI Congresso Brasileiro de Sociologia. Sociologia e Direito no Brasil. 2003. (Congresso).

143.
Conferência.As ciências humanas na encruzilhada do social-desenvolvimentismo. 2002. (Outra).

144.
Curso Elementos de Cidadania.Elementos de Cidadania. 2002. (Outra).

145.
Mini-Curso.Sistema e mundo da vida em J. Habermas. 2002. (Outra).

146.
Workshop O que é pesquisa em direito?.O que é pesquisa em Direito?. 2002. (Seminário).

147.
X Encontro Nacional de Filosofia.A idéia de Teoria Crítica. 2002. (Encontro).

148.
Colóquio Direito e Democracia.Transformações da Teoria Crítica. 2001. (Simpósio).

149.
Conferência.Intelectuais e cultura no Brasil. 2001. (Outra).

150.
Conferência:.Theodor W. Adorno und der Staatskapitalismus. 2001. (Outra).

151.
Kolloquium Prof. Dr. Axel Honneth.Theodor W. Adorno und die Ontologie des falschen Zustandes. 2001. (Oficina).

152.
Seminário Internacional Reconhecimento e Democracia Internacional: Um Debate Norte-Sul.Reconhecimento e Democracia Global. 2001. (Seminário).

153.
Curso Introdução aos dilemas da Filosofia.Introdução aos dilemas da Filosofia. 2000. (Outra).

154.
Dez anos de reunificação alemã.Dez anos de reunificação alemã. 2000. (Oficina).

155.
II Simpósio sobre a Justiça - Politische Gerechtigkeit, in Honor of Otfried Höffe.Habermas e a Teoria Crítica da Sociedade: sobre o sentido da introdução da categoria do direito no quadro da Teoria da ação comunicativa. 2000. (Simpósio).

156.
Internation Workshop Civil Societies in Democratization Processes.From "Democratic Peace" to "Cosmopolitan Democracy": The Altered Mission of Civil Society. 2000. (Oficina).

157.
IX Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF."Permanecemos contemporâneos dos jovens hegelianos": Jürgen Habermas e a situação de consciência atual. 2000. (Encontro).

158.
Humanwissenschaften unter Diktatur und Demokratisierung in Brasilien.Hochschulphilosophie in Brasilien unter der Militärdiktatur. 1999. (Oficina).

159.
VIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia.Theodor W. Adorno e o modelo hegeliano do "Übergreifen". 1998. (Encontro).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
NOBRE, MARCOS. ?2 São Paulo Critical Theory Conference?. 2017. (Congresso).

2.
NOBRE, M.. Conferência: O Hegel de John MacDowell: Having the World in View. Expositor: Erick Calheiros (UnB). 2015. (Outro).

3.
NOBRE, M.. Axel Honneth e o Direito da Liberdade 1". Expositor: Felipe Gonçalves Silva (Ufrgs). 2015. (Outro).

4.
NOBRE, M.. Axel Honneth e o Direito da Liberdade 2". Expositor: José Pertille (Ufrgs). 2015. (Outro).

5.
NOBRE, M.. Ciclo de Conferências de Estética 2014 - O modernismo artístico em questão. 2014. (Outro).

6.
NOBRE, M.; SACCHETTIN, P. . Cézanne e o modernismo artístico (25/11). 2014. (Outro).

7.
NOBRE, M.; MESQUITA, T. . Manet segundo Michael Fried (21/10). 2014. (Outro).

8.
NOBRE, M.; PITTA, F. . Manet segundo T. J. Clark (07/10). 2014. (Outro).

9.
NOBRE, M.; TOLEDO JUNIOR, J. E. C. . Modernismo artístico segundo Arthur Danto (11/11). 2014. (Outro).

10.
NOBRE, M.; SALZSTEIN. S. . Modernismo artístico segundo Michael Fried e T. J. Clark (18/11). 2014. (Outro).

11.
NOBRE, M.. Ciclo de 11 Conferências sobre Estética, no segundo semestre de 2013. 2013. (Outro).

12.
NOBRE, M.; PITTA, F. M. . Clement Greenberg (24/09). 2013. (Outro).

13.
NOBRE, M.; GATTI, L. . Adorno, Benjamin e a noção de "autonomia da arte" (10/09). 2013. (Outro).

14.
NOBRE, M.; GIANNOTTI, J. A. . O jogo do belo e do feio (29/10). 2013. (Outro).

15.
NOBRE, M.; TOLEDO JUNIOR, J. E. C. . Arthur Danto (15/10). 2013. (Outro).

16.
NOBRE, M.; TOLEDO JUNIOR, J. E. C. . Hans Belting (01/10). 2013. (Outro).

17.
NOBRE, M.; SALLES, J. M. . "Tropa de estética" (19/11). 2013. (Outro).

18.
NOBRE, M.; NAVES, R. . A forma difícil (13/11). 2013. (Outro).

19.
NOBRE, M.; MARQUES FILHO, L. C. . Hegel e "a morte da arte" (12/11). 2013. (Outro).

20.
NOBRE, M.; MAMMI, L. . O que resta? (5/11). 2013. (Outro).

21.
NOBRE, M.. Curso Livre de Teoria Crítica, ministrado em 14 conferências, no primeiro semestre de 2013. 2013. (Outro).

22.
NOBRE, M.; RUGITSKY, F. M. . Friedrich Pollock (20/03). 2013. (Outro).

23.
NOBRE, M.; PALHARES, T. H. P. . Walter Benjamin (03/04). 2013. (Outro).

24.
NOBRE, M.; GATTI, L. . Theodor W. Adorno (10/04). 2013. (Outro).

25.
NOBRE, M.; RODRIGUEZ, José Rodrigo . Franz Neumann (17/04). 2013. (Outro).

26.
NOBRE, M.; MACHADO, M. R. . Otto Kirchheimer (24/04). 2013. (Outro).

27.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. . Herbert Marcuse (08/05). 2013. (Outro).

28.
NOBRE, M.; Werle, D. L. . Jürgen Habermas (15/05). 2013. (Outro).

29.
NOBRE, M.; MELO, R. S. . Axel Honneth (22/05). 2013. (Outro).

30.
NOBRE, M.; SILVA, F. G. . Iris Young, Nancy Fraser, Seyla Benhabib (29/05). 2013. (Outro).

31.
NOBRE, M.; MARIN, I. L. . Psicanálise e Emancipação na Teoria Crítica (05/06). 2013. (Outro).

32.
NOBRE, M.; MACHADO, M. R. A. ; PUNSCHEL, F. . Klaus Günther (12/06). 2013. (Outro).

33.
NOBRE, M.; BRESSIANI, N. A. . Ideologia e Teoria Crítica Contemporânea (19/06). 2013. (Outro).

34.
NOBRE, M.; SATTIN, M. . O jogo do belo e do feio, uma introdução (22/10). 2013. (Outro).

35.
NOBRE, M.. Seminário - A Teoria Crítica de Axel Honneth. 2012. (Outro).

36.
NOBRE, MARCOS. The Justification of Human Rights - Conferênia de Rainer Forst. 2012. (Exposição).

37.
NOBRE, MARCOS; MELO, R. S. . A Teoria Crítica de Axel Honneth. 2012. (Outro).

38.
NOBRE, M.. Simpósio Internacional ?São Paulo Critical Theory Conference 2011?. 2011. (Congresso).

39.
NOBRE, M.. Democracia no Limite. 4 maneiras de ir além do óbvio em política. 2010. (Outro).

40.
NOBRE, MARCOS. Democracia no Limite. 4 maneiras de ir além do óbvio em política. 2010. (Outro).

41.
NOBRE, M.; GIESEN, K. . Inequalities in the World System: Political Science, Philosophy, Law. 2009. (Congresso).

42.
NOBRE, M.; COSTA, S. . Deslocamentos: Política, Cidade, Etnicidade. 2008. (Outro).

43.
NOBRE, M.; TERRA, R. R. ; VÁRIOS . Curso Direito e Democracia. 2006. (Outro).

44.
NOBRE, M.. Curso Livre de Teoria Crítica. 2006. (Outro).

45.
NOBRE, M.. II Encontro Anual de Pós-Graduação do IFCH. 2006. (Congresso).

46.
NOBRE, M.. I Encontro Anual de Pós-Graduação do IFCH. 2005. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Bárbara Thaís Abreu dos Santos. Apropriação da psicanálise pela Teoria Crítica contemporânea: o problema da Alteridade. Início: 2018. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

Tese de doutorado
1.
Ricardo Ribeiro Lira da Silva. Modelos críticos na filosofia da música de Theodor W. Adorno: a categoria de material musical. Início: 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

2.
Olavo Ximenes. Duas variações sobre modo de produção em Karl Marx: A Ideologia Alemã (1845-6) e os Grunrisse (1857-1858). Início: 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

3.
Fernando Augusto Bee Magalhães. Mito e crítica: uma interpretação da teoria crítica de Walter Benjamin. Início: 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

4.
Paulo Henrique Yamawake. A recepção da psicanálise na formação da Teoria Crítica: do materialismo interdisciplinar à crítica da razão instrumental (1929-1947). Início: 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

5.
Raquel Patriota da Silva. Theodor Adorno e a construção do modernismo artístico. Início: 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

6.
Paulo Henrique Yamawake. A recepção da psicanálise na formação da Teoria Crítica: do materialismo interdisciplinar à crítica da razão instrumental (1929-1947). Início: 2015. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).

Supervisão de pós-doutorado
1.
Adriano Márcio Januário. Início: 2017. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Iniciação científica
1.
Rafael Palazi. Filosofia. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas. (Orientador).

2.
Bruna Franco Diaz Batalhão. O fim da arte em Hegel. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

3.
Ricardo Ribeiro Lira da Silva. Não-identidade e experiência em Adorno. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas. (Orientador).

4.
Rafael Palazi. Diferenciação estrutural do mundo da vida na Teoria da ação comunicativa. Início: 2017. Iniciação científica (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Olavo Ximenes. Aproximação à categoria modo de produção nos Grundrisse (1857-8) de Karl Marx. 2017. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

2.
Fernando Augusto Bee Magalhães. Crítica da cultura e fantasmagoria : Benjamin na década de 30. 2016. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

3.
Raphael Eduardo Alves Concli. Integração social e adaptação no diagnóstico do mundo administrado de Max Horkheimer e Theodor Adorno. 2016. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

4.
Paulo Yamawake. Do Mundo Administrado à Crítica da Razão Instrumental. Um estudo sobre a trajetória teórica de Max Horkheimer entre 1930 e 1947. 2015. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

5.
Adriano Márcio Januário. Th. W. Adorno e os Potenciais de Resistência no Capitalismo Tardio Industrial. 2013. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

6.
Maria Érbia Cássia Carnaúba. Marcuse e a psicanálise: mais-repressão e princípio de desempenho. 2012. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

7.
FABIO FLORENCE DE BARROS. O dilema entre estado e democracia : um estudo sobre a crítica da política na obra do jovem Marx. 2012. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

8.
Fabio Florence de Barros. O político e o estatal na obra do jovem Marx. 2010. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

9.
Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira. Razão e Reificação: um estudo sobre Max Weber em História e consciência de classe, de Georg Lukács. 2010. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

10.
Érika Cristina Ribeiro. O lugar sistemático do ideal de um reino dos fins e do sentimento de respeito na Fundamentação da Metafísica dos Costumes. 2005. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

11.
Luciana Rodrigues Alves. A Elaboração da Teoria Crítica da Sociedade segundo Lukács e Horkheimer. 2004. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

12.
Clodomiro José Bannwart Júnior. Moral Pós-Convencional em Habermas. 2002. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Severino Nobre.

Tese de doutorado
1.
Maria Érbia Cássia Carnaúba. Teoria Crítica e utopia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

2.
Ricardo Crissiuma. A formação do jovem Hegel (1770-1800): do esclarecimento do homem comum ao carecimento da filosofia. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

3.
Ricardo Crissiuma. A formação do jovem Hegel: dos carecimentos da sociedade moderna ao carecimento da filosofia. 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

4.
Adriano Márcio Januário. Modelo crítico e diagnóstico de tempo presente em Th. W. Adorno. 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

5.
Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira. Patologias sociais, sofrimento e resistência: reconstrução da negatividade latente na teoria crítica de Axel Honneth. 2016. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

6.
Joaquim Elói Cirne de Toledo Junior. Rorty e a emergência da filosofia pós-analítica: transformações institucionais e mudança intelectual na filosofia profissional norte-americana contemporânea. 2015. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

7.
Felipe Gonçalves Silva. Liberdades em disputa. A Reconstrução da Autonomia Privada na Teoria Crítica de Jürgen Habermas. 2010. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

8.
Jorge Adriano Lubenow. A categoria de esfera pública em Habermas. 2007. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Severino Nobre.

9.
Angelo Vitório Cenci. A controvérsia entre Habermas e Apel acerca da relação entre moral e razão prática na ética do discurso. 2006. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, . Orientador: Marcos Severino Nobre.

10.
José Rodrigo Rodriguez. O Direito Liberal para além de si mesmo. Franz Neumann, o Direito e a Teoria Crítica. 2006. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, . Orientador: Marcos Severino Nobre.

11.
Clodomiro José Bannwart Júnior. Estruturas Normativas da Teoria da Evolução Social de Habermas. 2002. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, . Orientador: Marcos Severino Nobre.

Supervisão de pós-doutorado
1.
Clodomiro José Bannwart Júnior. 2015. Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Marcos Severino Nobre.

2.
Cláudio Dalbosco. 2014. Universidade Estadual de Campinas, . Marcos Severino Nobre.

3.
Angelo Vitório Cenci. Individuação e formação na teoria do reconhecimento de Axel Honneth. 2012. Universidade Estadual de Campinas, . Marcos Severino Nobre.

4.
Geraldo Miniuci F. Jr.. 2009. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Marcos Severino Nobre.

5.
Luiz Sergio Repa. Os sentidos da reconstrução: aspectos metodológicos da teoria da racionalidade de Jürgen Habermas. 2007. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Marcos Severino Nobre.

6.
Geraldo Miniuci F. Jr. 2007. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Marcos Severino Nobre.

Iniciação científica
1.
Bruna Franco Diaz Batalhão. O fim da arte em Hegel. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

2.
Paulo Henrique Yamawake. Capitalismo de Estado e Mundo Administrado. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

3.
Paulo Henrique Yamawake. Capitalismo de Estado e Mundo Administrado: um estudo sobre a influência de Friedrich Pollock no diagnóstico de tempo de max Horkheimer e Theodor W. Adorno na Dialética do Esclarecimento. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

4.
Adriano Márcio Januário. O conceito de experiência em T. W. Adorno. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.

5.
Fabio Florence de Barros. O Conceito de Vida nos Manuscritos Econômico-Filosóficos de Karl Marx. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marcos Severino Nobre.

6.
Mariana Oliveira do Nascimento Teixeira. Reificação, Alienação e Fetichismo: Georg Lukács e Karl Marx. 2007. Iniciação Científica - Universidade Estadual de Campinas, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Orientador: Marcos Severino Nobre.




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 12:55:27