Mônica Pereira Franca

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9061751556109801
  • Última atualização do currículo em 13/11/2018


Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia (1998);Especialização em Radiologia e Imaginologia (2011) pela UFBA; Curso em Tomografia Computadorizada (2011) UFBA, Mestrado (2003) e Doutorado (2017) em Imunologia pela UFBA. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal da Bahia no Instituto de Ciências da Saúde , Professor Titular da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), coordenadora do curso de Tecnologia em Radiologia FTC e professor assistente da Escola bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP). Tem experiência na metodologia PBL. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Mônica Pereira Franca
Nome em citações bibliográficas
FRANCA, M. P.;RIBEIRO,M.F.;FRANCA,Mônica


Formação acadêmica/titulação


2013 - 2017
Doutorado em Imunologia.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: ESTUDO DE FATORES ASSOCIADOS À FALHA TERAPÊUTICA E PAPEL DA SINALIZAÇÃO NOTCH NA RESPOSTA INFLAMATÓRIA EM INDIVÍDUOS COM LEISHMANIOSE CUTÂNEA, Ano de obtenção: 2017.
Orientador: Lucas Carvalho.
2001 - 2003
Mestrado em Imunologia.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: Resposta Imune Humoral de indivíduos com Periodontite Crônica a antígenos de P.gingivalis ATCC 33277,Ano de Obtenção: 2003.
Orientador: Profa. Dra. Songelí Menezes Freire.
Palavras-chave: Periodontite crônica; Porphyromonas gingivalis; ELISA; Western blotting.
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Microbiologia.
Grande Área: Ciências da Saúde / Área: Odontologia / Subárea: Periodontia.
Setores de atividade: Outro.
2010 - 2011
Especialização em Radiologia Odontológica e Imaginologia.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: Prevalência de supranumerarios em radiográfias panorâmicas.
Orientador: Nilson Pena Neto Segundo.
1993 - 1998
Graduação em Odontologia.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.




Formação Complementar


2018 - 2018
?A Relação Professor X Aluno na contemporaneidade: desafios e caminhos?. (Carga horária: 4h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2018 - 2018
Educação em saúde baseada em evidências?,. (Carga horária: 4h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2018 - 2018
Educação em saúde baseada em evidências?,. (Carga horária: 4h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2015 - 2015
Extensão universitária em Curriculo por Competencias. (Carga horária: 3h).
Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC, Brasil.
2011 - 2011
Tomografia Cone Beam. (Carga horária: 40h).
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
2011 - 2011
Currículo Integrado e por Competências - Introdução da Metodologia PBL. (Carga horária: 5h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2011 - 2011
Currículo Integrado: Construindo Mapas Conceituais. (Carga horária: 4h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2008 - 2008
Curriculos Integrativos ( 116 horas). (Carga horária: 116h).
Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, IMES, Brasil.
2008 - 2008
Capacitação Pedagógica Docente. (Carga horária: 21h).
Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, IMES, Brasil.
2007 - 2007
Capacitação na metodologia PBL. (Carga horária: 4h).
Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, IMES, Brasil.
2006 - 2006
Práticas Avaliativas Nos cursos de graduação EBMSP. (Carga horária: 2h).
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
2003 - 2003
Oficina De Planejamento do curso de odontologia. (Carga horária: 7h).
União Metropolitana de Educação e Cultura, UNIME, Brasil.
2001 - 2001
Extensão universitária em Tópicos de Imunologia em Doenças Periodontais.
Programa de Pós-graduação em Imunologia, PPGIM, Brasil.
2000 - 2000
Biossegurança. (Carga horária: 4h).
XI Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, XI CIOBA, Brasil.
1998 - 1998
Curso de Endodontia. (Carga horária: 8h).
X Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, X CIOBA, Brasil.
1998 - 1998
Restaurações Estéticas em dentes Anteriores. (Carga horária: 4h).
X Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, X CIOBA, Brasil.
1997 - 1997
Bases para uma Nova Ciência. (Carga horária: 8h).
I Congresso Bahiano de Odontopediatria, CBO, Brasil.
1996 - 1996
Radiologia para clínicos. (Carga horária: 4h).
Associação Brasileira de Radiologia, ABRO, Brasil.
1996 - 1996
Ortodontia Preventiva e Interceptativa. (Carga horária: 20h).
Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil.
1996 - 1996
Atualização Clínica. (Carga horária: 22h).
XXVIII Congresso Brasileiro de Odontologia, XXVIII CBO, Brasil.


Atuação Profissional



Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, IMES, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - Atual
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor titular, Carga horária: 40

Atividades

2/2018 - Atual
Ensino, Tecnologia em Radiologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introducão à Radiologia
Radiologia Odontolõgica
2/2018 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Faculdade de Tecnologia e Ciências de Salvador, .

Cargo ou função
Membro do NDE e Colegiado do curso de Tecnologia em Radiologia.
02/2010 - Atual
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Diagnóstico por Imagem I
Diagnóstico por Imagem II
02/2004 - Atual
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia Bucal
02/2004 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Faculdade de Tecnologia e Ciências de Salvador, .

Cargo ou função
Membro do Colegiado do curso de odontologia.
07/2007 - 12/2010
Ensino, Medicina, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Bioagressão-Microbiologia
Introdução a Imunologia
Sessão Tutorial
08/2006 - 12/2008
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Trabalho Interdisciplinar Dirigido IV
02/2007 - 07/2008
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Cariologia
08/2006 - 07/2008
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Trabalho Interdisciplinar Dirigido III
02/2007 - 07/2007
Ensino, Biomedicina, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia clinica
08/2006 - 07/2007
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Trabalho Interdisciplinar Dirigido II
02/2006 - 07/2006
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de Integração III
02/2005 - 07/2006
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Bioética
02/2005 - 07/2005
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Periodontia
02/2004 - 07/2004
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia e Imunoligia

União Metropolitana de Educação e Cultura, UNIME, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - 2007
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor horista, Carga horária: 18
Outras informações
Ciências Patologica II Biologia e genética em odontologia

Atividades

02/2003 - 07/2007
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Ciências Patologicas II ( Microbiologia Bucal e patologia Geral)
06/2005 - 06/2007
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Ciências Patologicas II ( MIcrobiologia Bucal e Patologuia Geral)
Biologia e Genética em Odontologia
Periodontia
2007 - 2007
Ensino, Especialização de Periodontia, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Microbiologia
07/2005 - 12/2005
Outras atividades técnico-científicas , Faculdade de Odontologia, Faculdade de Odontologia.

Atividade realizada
Coordenadora do projeto interdisciplinar turma 404051.

Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública, EBMSP, Brasil.
Vínculo institucional

2002 - Atual
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor assistente, Carga horária: 8

Atividades

8/2008 - Atual
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
PSD I ( Microbiologia Básica, Imunologia e Parasitologia)
PSDII ( Microbiologia Bucal, Imunologia e Patologia Geral)
02/2009 - 7/2018
Outras atividades técnico-científicas , Campus III, Campus III.

Atividade realizada
Coordenação da Disciplina PSD I( Microbiologia / Imunologia/ Parasitologia).
05/2007 - 06/2009
Ensino, ESpecializaçao de Prótese dentária, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Microbiologia Bucal
2/2002 - 7/2008
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia Básica e Parasitologia
Microbiologia Bucal
02/2004 - 01/2006
Conselhos, Comissões e Consultoria, Campus III, .

Cargo ou função
Membro Suplente do Núcleo de Pesquisa e pós-graduação.
02/2003 - 07/2004
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Metodologia Cientifica

Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor adjunto, Carga horária: 40

Vínculo institucional

2006 - Atual
Vínculo: Professor vistante, Enquadramento Funcional: Professor Especialização de MIcrobiologia

Vínculo institucional

1999 - 2002
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor substituto, Carga horária: 40

Atividades

11/2006 - Atual
Ensino, Microbiologia, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Microbiologia Bucal
2008 - 2008
Ensino, Especialização em Periodontia, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Biossegurança
Microbiologia Bucal
11/2007 - 11/2007
Ensino, Microbiologia, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Morfologia, Fisiologia e Bioquímica de Microrganismos
02/2006 - 06/2006
Estágios , FOUFBA, .

Estágio realizado
Monitoria Voluntária da Disciplina de Dentistica II.
08/2001 - 06/2002
Ensino, Medicina, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia Clínica
3/1999 - 6/2002
Ensino, Odontologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Microbiologia Bucal
Microbiologia Geral
01/1997 - 03/1997
Estágios , FOUFBA, .

Estágio realizado
Estágio no Serviço Médico Universitário Rubens Brasil.
09/1996 - 09/1996
Outras atividades técnico-científicas , FOUFBA, FOUFBA.

Atividade realizada
Oficina Educação e Saúde para Escolas de 1 grau.
03/1995 - 06/1996
Estágios , FOUFBA, .

Estágio realizado
Monitoria Voluntária da disciplina de Escultura Dentária.


Projetos de pesquisa


2016 - 2018
PERFIL DE SUSCETIBILIDADE ANTIMICROBIANA DE ESCHERICHIA COLI ISOLADAS EM PACIENTES COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO
Descrição: As infecções do trato urinário (ITUs) estão entre as infecções bacterianas de maior freqüência nos seres hu¬manos, acometendo principalmente o sexo feminino. Com o aumento das bactérias multidroga resistentes, o referido trabalho teve como objetivo avaliar a freqüência e perfil de suscetibilidade antimicrobiana para a Escherichia coli em uroculturas positivas analisadas no setor de microbiologia de um hospital da cidade de Salvador ?Bahia nos anos de 2015 e 2016. Foram incluídos pacientes de ambos os sexos, sem restrições de idade e com ITU definida por urocultura positiva. No ano de 2015 avaliamos 4430 uroculturas, sendo 1175 positivas e no ano de 2016 foram 4664 uroculturas sendo 1121 positivas. O agente etiológico prevalente foi Escherichia coli, identificado em uroculturas (66,5%) em 2015 e (67,5%) em 2016. Quanto a resistência microbiana observamos maiores índices de resistência da E. coli para Sulfametoxazol/ trimetoprim (38,4%) e (37,7%), seguido por Cefalotina (33,1%) e (19,8%), Ciprofloxacina (23,1%) e (18,7%) nos anos de 2015 e 2016 respectivamente. Entretanto, verificamos in vitro alta sensibilidade das cepas de E. coli aos quimioterápicos do grupo aminoglicosídeos, sendo 98,8% no ano de 2015 e 99,5% em 2016 para a Amicaia e quando avaliamos Getamiciana a sensibilidade foi de 91,6% em 2015 e 95,3% no ano de 2016. Estes resultados reforçam a importância do conhecimento do perfil de suscetibilidade dos agentes etiológicos das ITUs, tornando o controle da infecção mais eficaz evitando o surgimento de cepas multirresistentes..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2015 - 2017
Opções farmacológicas para ceratite por micobactérias não-tuberculosas: uma revisão integrativa
Descrição: Introdução: As ceratites são infecções da córnea, que acontecem pós-trauma, cirúrgico ou não, ou em indivíduos imunossuprimidos e que podem ter como agente etiológico micobactérias não-tuberculosas (MNTs). O diagnóstico das ceratites por MNTs é feito pelos aspectos clínicos em associação à identificação do patógeno. Não existe um consenso na literatura com relação ao tratamento farmacológico. Objetivos: O objetivo primário é identificar as opções terapêuticas farmacológicas para ceratites por MNTs e, o secundário, descrever os aspectos clínicos dessa infecção. Metodologia: Um total de 214 artigos foram encontrados através da pesquisa nas fontes CAPES, LILACS, PUBMED e Biblioteca Cochrane, utilizando-se as combinações de palavras chave: "ceratite? e ?micobactérias não-tuberculosas, destes, após o uso dos critérios de exclusão, 4 artigos foram selecionados. Resultados: Partindo-se das 4 publicações selecionadas foram reunidos 5 casos clínicos, todos com história de trauma corneano, cirúrgico ou não. Os 5 pacientes foram submetidos à técnica diagnóstica não-invasiva e em todos foi identificada MNT. Os tratamentos farmacológicos foram feitos com antimicrobianos das classes das quinolonas, aminoglicosídeos e macrolídeos. Em um dos casos foi usado um corticoide e em dois foi feita associação com anti-inflamatório não-esteroide. Conclusão: O tratamento farmacológico da ceratite por MNTs é de longo prazo, e, neste estudo, variou de 3 semanas a 6 meses. Os quimioterápicos usados são os aminoglicosídeos, macrolídeos e quinolonas e, em alguns casos, a combinação destes. O uso de anti-inflamatórios não-esteroidais e esteroidais não é consensual. Quanto aos aspectos clínicos, observam-se características comuns a outras ceratites infecciosas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Coordenador / Lilia Moura Costa - Integrante / Marina Moura Costa Spínola - Integrante / Halley José Spínola - Integrante.
2014 - 2017
ESTUDO DE FATORES ASSOCIADOS À FALHA TERAPÊUTICA E PAPEL DA SINALIZAÇÃO NOTCH NA RESPOSTA INFLAMATÓRIA EM INDIVÍDUOS COM LEISHMANIOSE CUTÂNEA
Descrição: Introdução: A Leishmaniose cutânea (LC) é uma doença infecciosa, causada por protozoários do gênero Leishmania, transmitida ao homem pela picada de flebótomos infectados. A doença manifesta-se de diferentes formas clínicas, caracterizada pelo aparecimento de lesões ulcerativas na pele. Apesar de aumentar a capacidade de destruição da Leishmania, altos níveis de citocinas levam à agressão tecidual e agravamento da doença. Ativação de Notch foi observada em várias condições inflamatórias. Nossa hipótese foi que células de indivíduos com LC apresentam uma produção exacerbada de TNF, IL1-β e IL-6 e isto seria decorrente da sinalização Notch. Objetivo: determinar fatores associados à falha terapêutica e avaliar o papel da sinalização Notch na resposta inflamatória de pacientes com LC. Desenho do estudo: estudo transversal, com 22 pacientes com LC. Material e Métodos: células mononucleares do sangue periférico dos participantes foram cultivadas sob estimulo de SLA, na presença dos bloqueadores de Notch1 e Notch3 e dos inibidores de gama-secretase (Dapt e JLK6) por 72 horas. Os níveis das citocinas IL-6, IL-1β, TNF, IFN-γ e IL-10 foram quantificados nos sobrenadantes através do ELISA. Resultado: correlação positiva entre tempo de doença e os níveis de TNF e IL-1 beta foi observada. Nós não encontramos associação entre os níveis de citocinas e resposta ao tratamento. Encontramos aumento na produção IL-1 β, IL-6, TNF, IL-10 na presença do anticorpo especifico para Notch1,3 e redução de IFN-γ. Na presença de DAPT e JLK6 observamos uma redução na produção de todas as citocinas. Conclusão: nossos dados mostram que a atividade de γ-secretase independente da ativação de Notch está associada aos altos níveis de citocinas pró-inflamatórias nos pacientes com LC, sugerindo que a ligação Notch-ligante tenha um papel regulatório, pois bloqueio de Notch1 e Notch3 aumentou consideravelmente a produção das citocinas inflamatórias..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2013 - Atual
Avaliação fenotípica e funcional de células da resposta inflamatória a antígenos de diferentes cepas de P. gingivalis em indivíduos com periodontite crônica.
Descrição: A doença periodontal pode ser descrita como uma série de alterações patológicas que ocorrem nos tecidos periodontais resultantes de uma resposta inflamatória à agressão de periodontopatógenos. A resposta imune pode exibir uma característica Th1, que consiste principalmente de uma resposta imune celular pró-inflamatória, uma característica Th2, com aspecto antiinflamatório e de resposta imune humoral, ou ainda polarização Th17, com ação efetora da imunidade inata. Têm-se sugerido que a destruição dos tecidos na periodontite pode ser resultante de um desequilíbrio na regulação da resposta imune sob o controle dos linfócitos T auxiliares. Permanece incerto se há uma polarização na resposta dos linfócitos T auxiliares na periodontite crônica. O objetivo deste estudo é avaliar a participação do perfil Th17 na resposta efetora de células T CD4+ e sua ação imunomoduladora na atividade osteoclástica sobre osso alveolar em pacientes com periodontite crônica. A amostra deste estudo consiste em 33 indivíduos portadores de periodontites crônica (PC) compondo o grupo teste e no grupo controle 33 indivíduos sem periodontite (SP) . O perfil de secreção das citocinas Il-1β, Il-17; Il-23, Il-6 e TGF- in vitro sob estímulo de antígenos de P. gingivalis será avaliado através do teste ELISA, também através do ELISA serão quantificados os níveis séricos de RANKL e OPG. A modulação da expressão de RANK e OPG serão realizadas através de PCR real-time. Através da citometria de fluxo será avaliada a expressão do receptor de Il-17 e Il-12 sob Ag de Pg e o RANKL sob Il-6/ Il-17 e Ag de Pg . Espera-se encontrar uma relação entre o perfil regulatório imunomodulador da resposta do hospedeiro e a cronicidade da doença periodontal, papel da resposta pró-inflamatória Th17 na reabsorção osteoclástica do osso alveolar e que o desequilíbrio entre a resposta regulatória e inflamatória se faz presente na periodontite crônica..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Soraya C. Trindade - Integrante / Lucas Carvalho - Coordenador.
2012 - 2012
Efeito antimicrobiano do hidróxido de cálcio associado a diferentes veículos?
Descrição: Neste estudo serão testadas seis soluções (possíveis veículos na utilização do hidróxido de cálcio intracanal: digluconato de clorexidina a 2%, malvatricin, solução fisiológica, solução anestésica, paramono e própolis) quanto ao potencial antimicrobiano e ação sinérgica com o hidróxido de cálcio sobre cepas padrão de S. aureus, E. coli , P. aeruginosas, E. faecalis e C. albicans . A Atividade antibacteriana das soluções veículos será avaliada pelo método de difusão em ágar através da técnica do poço. Enquanto o efeito sinérgico das diferentes substâncias com hidróxido de cálcio após manipulação em forma de pasta será avaliado pelo método de difusão em ágar através da técnica do poço. Após 48 horas de incubação será realizada inspeção da presença ou ausência de halos de inibição do crescimento bacteriano, assim como, mensuração dos diâmetros dos halos com uma régua milimétrica, agrupados em uma tabela de medidas em milímetros. Em seguida obtenção da média dos halos de inibição e submeter à análise qualitativa..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2009 - 2010
Avaliaçãoda infiltração coronária em dentes submetidos ao preparo para pino sem isolamento absoluto.
Descrição: Este estudo avaliou in vitro a infiltração coronária do remanescente obturador de dentes tratados endodonticamente, que foram submetidos a preparo mecânico e cimentação de pinos de fibra de vidro sem isolamento absoluto. 30 dentes humanos ântero-superiores instrumentados, 20 foram obturados, receberam preparo mecânico para pino e passaram por procedimentos de cimentação resinosa (grupo experimental). Dez dentes compuseram os grupos controle positivo e negativo. Através de um modelo de infiltração bacteriológica, a porção coronária das unidades foi exposta a uma cultura pura de Enterococcus faecalis por 30 minutos, com posterior cimentação de pinos de fibra de vidro para vedamento das amostras experimentais. A porção apical esteve em contato com um meio de cultura, que turvaria em caso de infiltração. Após o período de observação, foi verificado que 02 amostras, correspondente a 10% do grupo experimental, contaminaram em um intervalo de 09 dias. Existe infiltração bacteriana quando o preparo para pino é realizado em condições de não manutenção de uma cadeia asséptica..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2009 - 2009
Ação Inibitória de Cimentos de Ionômero de Vidro Avaliados in vitro Frente a Microrganismos Específicos
Descrição: Este trabalho avaliou da atividade antibacteriana dos CIVS após manipulação pelo método de difusão em ágar através da técnica do poço. Foram semeadas individualmente em seis placas de Petri com BHI ágar (90 mm/ 15mm) diferentes suspensões bacterianas (S. mutans, S. sobrinus, S. aureus, E.coli e P.aeruginosas , padronizadas 1x 108 UCF/ mL, em até no máximo 15 minutos após obtenção da densidade ideal e outra com swab saturado em saliva pura. Em cada placa foram confeccionados cinco poços, sendo um poço central e quatro periféricos com 5 mm de diâmetro e 5 mm de espessura cada. Os quatro poços periféricos de foram preenchidos com Vidrion (SSWHITE), Vitremer (3M ESPE), Bioglass (Biodinâmica), Maxxion (FGM), manipulados deacordo com cada fabricante. O Vitremer (3M ESPE), após sua inserção foi fotopolimerizado por 40 ??. O poço central foi preenchido com Solução de Hidróxido de Cálcio Pró-análise na proporção de 1:1, utilizado como controle. As placas foram incubadas na estufa a 37º C por 48 horas. Análise das médias dos diâmetros dos halos de inibição (mm) mostram que as cepas de S. aureus, P. aeruginosas e E. coli não apresentaram halo de inibição, portanto resistência à solução controle de cimento hidróxido de cálcio pró ? análise (Biocal®). Contudo foi verificado formação de halo de inibição frente as cepas de S. mutans (19 mm) e S. sobrinus (20,5 mm) e saliva pura (10 mm) . S. aureus e E. coli também mostraram resistência ao Vidrion® . O vitremer produziu halo frente a todas as cepas testadas com o menor sendo contra S. aureus ( 10mm). O maxxion também foi capaz de produzir halo de inibição sobre todas as cepas testadas, sendo o menor halo sobre E.coli ( 8 mm)..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Leila de Queiros Ribeiro - Integrante / Francisco Xavier Paranhos Coelho Simoes - Coordenador / Sídia Cássia Santos de Almeida - Integrante.
2008 - 2008
Ação antimicrobiana in vitro da Eugenia cariophyllata sobre Estreptococos do grupo mutans.
Descrição: Neste estudo estreptococos do grupo mutans isolados a partir de amostra de saliva semeada em ágar mitis-salivarius e identificados através de provas bioquímicas e teste da bacitracina, foram avaliados quanto a sensibilidade a concentrações diferentes de Eugenia caryophyllata de acordo com a ANVISA . Esses microrganismos mantidos como cultura pura em BHI foram repicados para caldo TSB e incubados até atingir a turbidez equivalente à solução sulfato de bário, como forma de padronizar a quantidade do inóculo. A leitura foi feita em espectrofotômetro a um comprimento de onda de 625nm. A turbidez da solução de sulfato de bário é equivalente a 0,5 na escala McFarland, que representa uma quantidade de 1 x 108 UFC/mL. Até 15 minutos após atingir a turvação de 0,5 da escala McFarland os microrganismos foram disseminados em quatro placas contendo TSA. Em cada placa de Petri foram colocados quatro discos de papel filtro de 5mm embebidos : dois embebidos com 10 mL de mesma concentração dos óleos de Eugenia caryophyllata, um disco embebido com 10 mL de digluconato de clorhexidina a 0,12% como controle positivo e disco com salina esterilizada como controle negativo. De acordo com os resultados dos testes pelo método de difusão em Agar pela técnica do disco de papel o óleo de Eugenia caryophyllata promoveu um halo de inibição maior que o digluconato de clorhexidina 0,12% ..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Leila de Queiros Ribeiro - Coordenador / Ferraz,Lucas - Integrante / Vivian Torres - Integrante.
2007 - 2008
Biossegurança e Gerenciamento de Resíduos Sólidos em Consultórios Odontológicos da cidade de Salvador: estudo transversal
Descrição: O cirurgião-dentista e sua equipe estão expostos a uma grande variedade de microrganismos, especialmente aqueles transmitidos por saliva e/ou sangue, os quais podem causar diversas doenças infecciosas. A Biossegurança e o Gerenciamento de Resíduos representam estratégias importantes para manter a proteção da equipe odontológica, paciente, meio ambiente e sociedade. Os resíduos de serviços de saúde (RSS) constituem os produtos não utilizáveis, resultantes de atividades exercidas por estabelecimento prestador de serviço de saúde, centros de pesquisas e laboratórios. Incluem também, os resíduos originados de fontes menores, como aquelas produzidas durante cuidados domiciliares com a saúde. Neste trabalho foram avaliados, através de um questionário objetivo, métodos e condutas de Biossegurança e Gerenciamento de Resíduos adotados pelo cirurgião-dentista em consultórios odontológicos da cidade de Salvador considerando, especialmente, o uso de EPI, métodos de esterilização, formas de armazenamento dos materiais e descarte dos materiais odontológicos, tratamento e destino final dos resíduos odontológicos.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Coordenador / Wellington de Freitas Santos Júnior - Integrante / Rosane Borges Dias - Integrante / Clarissa Araujo Silva Gurgel - Integrante.Financiador(es): Fundação Bahiana para o desenvolvimento das Ciências - Bolsa.Número de orientações: 1
2006 - 2007
Avaliação de restaurações provisórias em dentes preparados para retentor intra-radicular frente ao Staphylococcus aureus
Descrição: A infiltração coronal em canais obturados é considerada como um dos fatores importantes para o insucesso do tratamento endodôntico. Numerosos estudos já investigaram materiais obturadores assim como técnicas de obturação, mas ainda se questiona qual seria a melhor maneira de evitar a recontaminação do canal radicular entre as sessões endodônticas e após o termino do tratamento, antes da restauração permanente. O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia do selamento de materiais restauradores temporários, em dentes tratados endodonticamente, preparados para retentores intra-radiculares, frente ao Staphylococcus aureus. Para o experimento 50 dentes humanos recém extraídos foram instrumentados, obturados e preparados para posterior colocação de retentor intra-radicular. Os grupos positivo e negativo foram compostos por 4 dentes cada. Os grupos experimentais (n=10) foram divididos de acordo com o material restaurador: I-Coltosol® ; II-Bioplic® ; III-Vidrion® ; IV- IRM® . Através de um aparato, a porção coronária das unidades foi exposta a uma cultura pura de Staphylococcus aureus, e a porção apical ficou imersa no meio de cultura BHI, objetivando detectar a contaminação e o tempo de infiltração do microorganismo. Após 30 dias, foi observada contaminação do S. aureus em todos os grupos, com índices de infiltração sem diferença estatisticamente significante..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2001 - 2003
RESPOSTA IMUNE HUMORAL DE PACIENTES COM PERIODONTITE CRÔNICA A ANTÍGENOS DE Porphyromonas gingivalis ATCC 33277
Descrição: A doença periodontal incide de forma relevante nas populações, sendo, por isso, considerada pela Organização Mundial de Saúde uma das duas principais enfermidades de risco para a saúde bucal, contra a qual a odontologia busca meios que possibilitem o controle efetivo. A proposta deste estudo foi avaliar a resposta imune humoral específica contra P. gingivalis em pacientes portadores de doença periodontal crônica. Níveis séricos de IgG em pacientes com periodontite crônica (PC), pacientes com gengivite (G) e indivíduos com saúde periodontal (SP) contra extrato solúvel de P. gingivalis ATCC 33277 foram estimados através de um teste ELISA indireto padronizado. A imunoreatividade sérica realizada através do ?Western blotting? determinou o perfil de reconhecimento antigênico, das populações avaliadas. Níveis séricos de IgG em pacientes com periodontite foram significantemente mais elevados quando comparados aos níveis dos pacientes com gengivite ou indivíduos com saúde periodontal. Anticorpos de PC freqüentemente reagiram com frações protéicas de alto peso molecular (com aproximadamente 103 kDa, 86 kDa, 72 kDa, 60 kDa, 58 kDa, 52 kDa) enquanto anticorpos da população controle reagiram com maior freqüência com frações protéicas de baixo peso molecular (com aproximadamente 39 KDa, 31 kDa, 26 kDa). As duas técnicas de diagnóstico sorológico padronizadas neste estudo mostraram que existem diferenças nos resultados de pacientes com periodontite crônica quando comparados ao grupo controle (indivíduos com saúde periodontal e gengivite). Este trabalho somar-se-á a outros estudos numa linha de pesquisa pioneira na Bahia, na área imunologia das doenças periodontais, com o intuito de melhor compreender os mecanismos e interações entre microrganismos e hospedeiros que levam ao estabelecimento e progressão da doença em nosso meio..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: / Mestrado profissional: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Urbino da Rocha Tunes - Integrante / Lilia Moura Costa - Integrante / Roberto J. Meyer - Integrante / Soraya C. Trindade - Integrante / SONGELÍ MENEZES FREIRE - Coordenador.
2001 - 2002
Presença de Streptococcus mutans e associação de Streptococcus mutans/Streptococcus sobrinus em portadores de Síndrome de Down e em indivíduos normais relacionando com a microbiota cariogênica
Descrição: Descrição: O objetivo deste estudo era avaliar a correlação entre a experiência de cárie e os achados microbiológicos de teste de risco desta doença. O projeto pretendia melhor compreender através do estudo da microbiota oral, a contrastante associação, relatada na literatura, entre a deficiente higiene oral do portadores de Síndrome de Down e a baixa prevalência de cárie. Vinte e um sindrômicos, na faixa etária de 17 a 24 anos, foram comparados com um grupo controle de indivíduos normais de idades similares. A experiência de cárie foi analisada através do CPO-D. A saliva foi coletada, cultivada em Àgar Snyder, para avaliar a velocidade de produção de ácidos, e após diluições sucessivas, semeada em Àgar Sacarose-bacitracina, para contagem de colônias e identificação de S. mutans e S. sobrinus. Os achados do teste de verificação da velocidade de produção de ácidos e a contagem das espécies de S. mutans e S. sobrinus não apresentaram diferenças significantes entre o grupo teste e o grupo controle que pudesse explicar a prevalência de cárie entre os portadores de Síndrome de Down..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Paulo Fernando Almeida - Integrante / Urbino da Rocha Tunes - Coordenador / Marina Dorea de Almeida - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
2000 - 2001
Estudo de bactérias probióticas produtoras de substâncias antimicrobianas como possíveis responsáveis pela baixa prevalência de cárie em portadores de Síndrome de Down
Descrição: Os portadores da Síndrome de Down possuem baixa prevalência de cárie, apesar de apresentarem uma higiene oral deficiente. O objetivo deste estudo foi detectar cepas produtoras de bacteriocinas, com o intuito de avaliar a possível ação destas como moduladoras da microbiota cariogênica dos sindrômicos. Streptococcus mutans e Streptococcus sobrinus são os principais produtores de ácidos na cavidade oral. Assim esses estreptococos foram testados antagonicamente com cepas isoladas dos indivíduos com Síndrome de Down, para avaliar se havia inibição das bactérias cariogênicas pelas cepas dos sindrômicos. Streptococcus mutans e Streptococcus sobrinus foram isolados utilizando o meio ágar sacarose bacitracina e identificados através de provas bioquímicas. Uma amostra de placa supragengival dos sindrômicos foi coletada e semeada por disseminação em ágar Mitis-salivarius. Dez culturas dos sindrômicos foram semeadas no meio Muller Hinton. Após o crescimento, as placas foram tratadas com clorofôrmio. Sucessivamente, uma porção das culturas de bactérias cariogênicas foram transferidas para soft BHI e vertidas nas placas com as culturas testes. Das dez cepas testadas apenas duas apresentaram halo de inibição. Uma melhor avaliação dessas cepas contribuirá para um melhor entendimento da microbiota oral e dos fenômenos patológicos associados à cárie dental..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Paulo Fernando Almeida - Integrante / Urbino da Rocha Tunes - Coordenador / Marina Dorea de Almeida - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
1994 - 1995
Isolamento de Streptococcus iniciadores da formação da placa dental
Descrição: A identificação e quantificação dos estreptococcus que iniciam a colonização das superfícies dentárias no complexo biofilme, assim como a compreensão das relações funcionais entre eles e outros membros são fundamentais para avaliar e, possivelmente, controlar os processos que essa comunidade inicial desempenha. O objetivo deste estudo foi elaborar um método simples para estudo e identificação da microbiota bacteriana iniciadora da formação do biofilme dental. Este projeto de iniciação cientifica foi desenvolvido no laboratório de Biotecnologia e Ecologia de microrganismos no ICS-UFBa.Neste estudo placas bacterianas foram assepticamente removidas de dentes em indivíduos sadios e experimentalmente inoculadas em unidades dentárias extraídas e esterilizadas (UD) cobertas com fluido bucal esterilizado e incubadas em câmara úmida a 37C. Após formação de placa as UD foram submetidas a solução desagregadora de placa e sucessivas e progressivas agitações. Após cada agitação alíquotas do material eram diluídas e semeadas em meios apropriados sob anaerobiose para contagem total e diferenciação das colônias. Experimento em vivo foram também realizados, unidades dentárias recentemente extraídas, usando a mesma técnica. Cada tipo de colônia era subcultivada em caldo BHI para posterior identificação bioquímicas segundo Manual de Bergey. Análises das culturas isoladas da última velocidade de agitação mostraram que, nos experimentos in vitro, somente S. oralis (66,7%) e S. sanguis ( 33,3%) estavam presentes..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Mônica Pereira Franca - Integrante / Paulo Fernando Almeida - Coordenador / Simone Peixoto Santos - Integrante / Ricardo Soeiro Moreira - Integrante / Urbino da Rocha Tunes - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Odontologia / Subárea: Radiologia Odontológica.
2.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Odontologia / Subárea: Imunologia.
3.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Microbiologia.
4.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Odontologia / Subárea: Microbiologia Oral.
5.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Microbiologia / Subárea: Microbiologia Aplicada/Especialidade: Microbiologia Médica.
6.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Odontologia / Subárea: Periodontia.


Idiomas


Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Bem.


Prêmios e títulos


2013
Primeiro lugar na seleção pública para Doutorado em Imunologia -ICS PPGim, PPGIm - ICS- UFBA.
2011
Aprovada em 1 lugar no concurso para professor assistente de Microbiologia Bucal e Geral da UFBa, UFBa.
2003
Aprovação no Mestrado em Imunologia com Distinção e Louvor, ICS-UFBA.
2002
Primeiro lugar na seleção pública para Mestrado em Imunologia -ICS PPGim, PPGim -UFBa.
2001
Terceiro lugar no Fórum Científico Acadêmico do I Congresso Internacional de Odontologia, Associação Brasileira de Odontologia Nacional.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
Fonseca,L.A.2012Fonseca,L.A. ; Ribeiro, L. Q ; RIBEIRO,M.F. ; MALVAR, M. F. ; SERRAVALE, L. L. ; COSTA, S. C. B. ; SILVA, S. J. A. . Coronal Leakage in Teeth Submitted to Post space prepation without rubber. ENDO (New Malden. Online), v. 6, p. 251-255, 2012.

2.
FRANCA, M. P.;RIBEIRO,M.F.;FRANCA,Mônica2007 FRANCA, M. P.; COSTA, L. M. ; F ; TRINDADE, S. C. ; TUNES, U. R. ; MEYER, R. J. . Humoral Immune Response to antigens of Porphyromonas gingivalis ATCC 33277 in Chronic periodontitis. Journal of Applied Oral Science, v. 15, p. 213-219, 2007.

3.
Ribeiro,Fabio2007Ribeiro,Fabio ; BOMFIM, R. T. ; FRANCA, M. P. ; SARMENTO, V. A. ; PROVEDEL, L. F. ; MOTTA, AAS ; Bastos ,L.C ; Villas-Boas,R . Profilaxia antimicrobiana pré-operatória: avaliação dos critérios empregados por cirurgiões-dentistas na cidade de Salvador-BA. Revista da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia, v. 35, p. 23-28, 2007.

4.
ALMEIDA, M. D.2005ALMEIDA, M. D. ; ALMEIDA, P. F. ; FRANCA, M. P. ; COSTA, L. M. ; MOURA,B.L.A ; TUNES, U. R. . Ação Moduladora da Microbiota de Portadores de Síndrome de Down sobre Bactérias Cariogênicas.. Revista Ciências Médicas e Biológicas, v. 4, p. 214-220, 2005.

5.
FRANCA, R. C.2004FRANCA, R. C. ; SILVA, L. ; MELO,Maria Clotildes Nunes ; Cavalcante,Suzy Santana ; CARVALHO, B. G. ; Rocha, Anita ; Gomes, Cristina ; FRANCA, M. P. . Pediatric knowledge about acute viral hepatitides. The Brazilian Journal of Infectious Diseases. The Brazilian Journal of Infectious Diseases (Impresso), v. 8, p. 227-235, 2004.

6.
FRANCA, M. P.;RIBEIRO,M.F.;FRANCA,Mônica2002 FRANCA, M. P.; ALMEIDA, P. F. ; SANTOS, S. P. ; MOREIRA, R. S. ; TUNES, U. R. . Microbiota estreptocócica associada com a formação inicial da placa dental. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v. 1, p. 33-41, 2002.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
BEZERRA, D. ; FRANCA, M. P. ; Ribeiro, L. Q ; ARAUJO, F. ; SMIDTH, E. ; NASCIMENTO, R. A. . Avaliação do Conhecimento de Cirurgiões Dentistas Sobre Efeitos Colaterais da Radioterapia em Pacientes com Câncer Bucal. In: Congresso Acadêmico de Odontologia, 2007, Lauro de Freitas. Congresso Acadêmico de Odontologia, 2007.

2.
FRANCA, M. P.; SEGUNDO, J. E. . Endocardite Infecciosa: uma realidade no Consultorio Odontologico. In: I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005, Lauro de Freitas. I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005.

3.
FRANCA, M. P.; MACEDO,E ; LOPES,J ; CERQUEIRA,L ; GOMES,C.R.C. ; MENDES,I.C. . Testes Microbiológicos de Atividade de Cárie. In: I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005, Lauro de Freitas. In: I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005.

4.
FRANCA, M. P.; AZEVEDO,C.G. ; TEXEIRA,A.P ; ROCHA,C.M.T. ; BASTOS,D. ; BRITO,R.L.F. ; LOPPES,A.A.C.S. ; MAGALHÃES,F.R.T. . Síndromes Genéticas com Manifestações Orais. In: I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005, Lauro de Freitas. In: I Congresso Acadêmico de Odontologia, 2005.

5.
FRANCA, M. P.; Barreto,M.M. ; Campos, E.F. ; Lima, D.C.S . Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) e Manifestações Orais. In: XIV congresso Nordestino de Odontologia, 2003, Fortaleza. XIV congresso Nordestino de Odontologia, 2003.

6.
MOURA,B.L.A ; FRANCA, M. P. ; ALMEIDA, P. F. . Estudo Comparativo da Velocidade Ureásica e Espécies de Streptococcus Cariogênicos na Modulação da Cárie em Portadores de Síndrome de Down e em Indivíduos Nornmais. In: XXI Seminário Estudantil de Pesquisa, 2002, Salvador. XXI Seminário Estudantil de Pesquisa, 2002.

7.
FRANCA, M. P.; ALMEIDA, M. D. ; ALMEIDA, P. F. ; COSTA, L. M. ; PINAZO, J. D. C. ; TUNES, U. R. . Ação Moduladora da Microbiota de Portadores de Síndrome de Down sobre bacterias cariogênicas. In: 1º Congresso Internacional de Odontologia ABO- Nacional, 2001, Salvador. 1º Congresso Internacional de Odontologia ABO-Nacional, 2001.

8.
FRANCA, R. C. ; SILVA, L. ; CARVALHO, B. G. ; FRANCA, M. P. . Conhecimento Dos Pediatras Sobre as Hepatites Agudas Virais. In: 1ª Conferência Internacional de Gastroenterologia,Hepatologia e Nutrição em Pediatria, 1999, São Paulo. 1ª Conferência Internacional de Gastroenterologia,Hepatologia, 1999.

9.
FRANCA, M. P.; FRANCA, R. C. ; CARVALHO, B. G. ; SILVA, L. . Conhecimento de Pediatras Sobre Hepatites Virais. In: XVII Seminário Estudantil de Pesquisa na UFBA, 1998, Salvador. Livro de Resumos do XVII Seminário Estudantil de Pesquisa - UFBA, 1998. p. 93-95.

10.
FRANCA, M. P.; ALMEIDA, P. F. ; SANTOS, S. P. ; MOREIRA, R. S. ; TUNES, U. R. . Um método Simples para Estudo da Microbiota Bacteriana Iniciadora da Formação de Placa Dental. In: Congresso Brasileiro de Microbiologia, 1995, São Paulo. Congresso Brasileiro de Microbiologia, 1995. p. 23.

11.
FRANCA, M. P.; ALMEIDA, P. F. ; SANTOS, S. P. ; MOREIRA, R. S. ; TUNES, U. R. . Um método Simples para Estudo da Microbiota Iniciadora da Forma ção de Placa dental. In: XIV Seminário Estudantil de Pesquisa na UFBa, 1995, Salvador. XIV Seminário Estudantil de Pesquisa na UFBA, 1995. p. 213.

Resumos publicados em anais de congressos (artigos)
1.
FRANCA, M. P.;RIBEIRO,M.F.;FRANCA,Mônica2003 FRANCA, M. P.; PEIXOTO, I. ; COSTA, L. M. ; Paule,B. ; Vilas-Boas,M.O. ; Freire,S.M. ; TUNES, U. R. . Nível de IgG sérica contra antígenos de P. gingivalis ATCC33277 em pacientes com periodontite crônica. 20ª Reunião Anual SBPqO, Águas de Lindóia, 2003.

Artigos aceitos para publicação
1.
Fonseca,L.A. ; SERRAVALE, L. L. ; Ribeiro, L. Q ; RIBEIRO,M.F. ; COSTA, S. C. B. ; Bueno,C.E.S ; SILVA, S. J. A. . CORONAL LEAKAGE IN TEETH SUBMITTED TO POST SPACE PREPARATION WITHOUT RUBBER DAM. ENDO (New Malden. Online), 2012.


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
FRANCA, M. P.. Coordenadora do Projeto Interdisciplinar da turma 404051. 2005.

2.
FRANCA, M. P.. Membro suplente do NPPG- Núcleo de Pesquisa e Pós-graduação - EBMSP. 2004.

3.
FRANCA, M. P.. Coordenadora das atividades dos temas livres da I Jornada UNIME de Odontologia. 2003.

4.
FRANCA, M. P.. Coordenadora do curso de Biocompatibilidade dos Materiais Odontológicos Forradores de Cavidades e Capeadores Diretos do Tecido Pulpar. 2001.

5.
FRANCA, M. P.. Coordenadora de temas livres no 1º Congresso Internacional de Odontologia , promovido pela ABO Nacional Centro de Convenções da Bahia. 2001.


Demais tipos de produção técnica
1.
FRANCA, M. P.; Ribeiro, L. Q ; FRANCA, R. C. . Manual de Aprendizgem Baseado em Problemas. 2012. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Manual).

2.
FRANCA, M. P.; MARCHIONNI, A. M. ; SETUBAL, M. ; Lima Max ; TUNES, U. R. . Ciclo de trabalho com um problema no PBL- na 1ªOficina Interna dos professores de Odontologia para treinamento da metodologia PBL. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

3.
FRANCA, M. P.; Lima Max ; TUNES, U. R. . Formatos e Elementos Básicos do PBL - na 3ªOficina Interna dos professores de Odontologia para treinamento da metodologia PBL. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

4.
FRANCA, M. P.. Microbiologia Bucal Aplicada a especialização de Prótese. 2009. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

5.
FRANCA, M. P.. Microbiologia aplicada a periodontia. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

6.
FRANCA, M. P.; F . A importância da Disciplina Básica na Clínica Odontológica. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

7.
FRANCA, M. P.. Biossegurança em Periodontia. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

8.
FRANCA, M. P.. MICROBIOLOGIA BUCAL APLICADA A ESPECIALIZAÇÃO DE PRÓTESE. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

9.
FRANCA, M. P.. Microbiologia aplicada a Periodontia. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

10.
FRANCA, M. P.. Citomorfologia, Fisiologia e Crescimento bacteriano. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

11.
Ribeiro, L. Q ; FRANCA, M. P. . Manual de Biossegurança FTC. 2007. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Manual).

12.
FRANCA, M. P.. Microbiologia Oral. 2006. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

13.
Ribeiro, L. Q ; RIBEIRO,M.F. . Manual de Práticas Laboratoriais em Microbiologia Bucal. 2005. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Manual).

14.
FRANCA, M. P.. Estágio oficial no Centro de atividades do SESI , desenvolvendo ações educativa, preventivas e Curativas. 1997. (Estágios).

15.
FRANCA, M. P.. Estágio no Serviço Médico Universitario Rubens Brasil -. 1997. (Estágios).

16.
FRANCA, M. P.. Monitoria voluntária da disciplina Dentística II. 1996. (Monitoria).

17.
FRANCA, M. P.. Monitoria voluntaria da disciplina de Escultura Odontológica. 1995. (Monitoria).

18.
FRANCA, M. P.. Bolsista do programa de Iniciaçào cientifica do CNPq/Ba - Estudo da Microbiota iniciadora da Placa dental e Controle. 1994. (Iniciação Cientifica).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Qualificações de Doutorado
1.
REBELLO, I. M. C. R.; NEVES, F. S.; BARBOSA, M. C. E.; OLIVEIRA, T. F. L.; FRANCA, M. P.. Participação em banca de MILENA BARRETO DE ARRUDA CABRAL. ACURÁCIA NA AVALIAÇÃO DA COBERTURA ÓSSEA EM DIFERENTES PROTOCOLOS DA AQUISIÇÃO DO ACCUITOMO. 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas) - Universidade Federal da Bahia.

Monografias de cursos de aperfeiçoamento/especialização
1.
Ribeiro, L. Q; SILVA FILHO, H. P.; FRANCA, M. P.. Participação em banca de Ellen Karla Nobre dos Santos Lima. Human IgG reactivity to synthetic peptides from neuraminidase of Porphyromonas gingivalis,. 2018. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Microbiologia) - Universidade Federal da Bahia.

2.
LIMA, J.; Ribeiro, L. Q; FRANCA, M. P.. Participação em banca de Danilo Souza Argolo. PERFIL DE SUSCETIBILIDADE ANTIMICROBIANA DE ESCHERICHIA COLI ISOLADAS EM PACIENTES COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. 2018. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Microbiologia) - Universidade Federal da Bahia.

3.
FRANCA, M. P.; Barros,T.F.; VELOSO, E. S.. Participação em banca de Paulo José Lima Juiz. Uso de Produtos Naturais como coadjuvantes no tratamento da Doença Periodontal. 2007. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Especialização em Microbiologia) - Universidade Federal da Bahia.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
SA., J. O.; FRANCA, M. P.; Ribeiro, L. Q. Participação em banca de Kamila Aparecida Peixe Campos.?O HPV e a relação com o desenvolvimento do carcinoma escamocelular oral?. 2016.

2.
Ribeiro, L. Q; FRANCA, M. P.; BOMFIM, M.. Participação em banca de Rafaella Tosto Sousa.Influência da resposta imunológica na etiopatogenia da doença periodontal: uma atualização. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Odontologia) - Faculdade de Tecnologia e Ciências da Bahia.

3.
DOURADO, D.; FRANCA, M. P.; Ribeiro, L. Q. Participação em banca de Emanuelle Magalhaes Freaza Moreis,.?Acidentes com materiais perfurocortantes e sua posterior quimioprofilaxia?. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Odontologia) - Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

4.
FRANCA, M. P.; DOURADO, D.; Ribeiro, L. Q. Participação em banca de Juliana de Reis Lacerda Gomes.Efeito Antimicrobiano do Extrato do Alho (Allivium sativum e da Própolis sobre Streptococcus mutans. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia.

5.
FRANCA, M. P.. Participação em banca de Ludmila de Noronha Costa.Avliação do fluxo salivar nâo estimulado e presença de cárie em adolescentes asmáticos que utilizam o esteróide inalado. 2007 - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
FRANCA, M. P.; Ribeiro, L. Q. Processo seletivo para Bolsas de Iniciação Cientifica do curso de biomedicina da EBMSP. 2008. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica.

2.
FRANCA, M. P.. Mesas demonstrativas no II CONGRESSO ACADÊMICO DE ODONTOLOGIA - CONAO. 2007. União Metropolitana de Educação e Cultura.

3.
FRANCA, M. P.. Pôsteres do I Congresso Acadêmico de Odontologia. 2005. União Metropolitana de Educação e Cultura.

4.
FRANCA, M. P.. V projeto Interdisciplinar do Curso de Odontologia da FTC. 2005. Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia.

5.
FRANCA, M. P.; PUGLIESE, L.. Avaliação do Trabalhos Orais . Mostra Científica e Cultural da FBDC. 2004. Fundação Bahiana para o Desenvolvimento das Ciências- Curso de Odontologia.. 2004. Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
XIV Fórum Pedagógico da Bahiana: Novas ideias para um mundo melhor. 2018. (Oficina).

2.
XVII Congrsso Internacional de Odontologia da Bahia. Avaliadora de Fórum Cientifico Profissional. 2014. (Congresso).

3.
XVII Jornada da Associação Brasileira de Radiologia Odontológica. 2011. (Congresso).

4.
III Oficina Interna dos professores de odontologia para treinamento na metodologia PBL.Formatos e elementos básicos do PBL. 2010. (Oficina).

5.
I Oficina Interna dos professores de odontologia para treinamento na metodologia PBL.Ciclo de trabalho com um problema no PBL. 2010. (Oficina).

6.
Reunião Pedagócica Intercursos da Bahiana.A experiência do grupo de professores do curso de Odontologia na metodologia PBL. 2010. (Encontro).

7.
VIII CONABRO- Congresso Brasileiro de Radiologia e do VIII Encuentro Latino Americano de Radiologia Deto-Maxilo-facial. 2010. (Congresso).

8.
VIII Congresso Brasileiro de radiologia Dento-Maxilo-Facial (CONABRO - 35 horas). 2010. (Congresso).

9.
7a. Jornada Odontologica da Bahiana.A importância da Disciplina Básica na Clínica odontológica. 2008. (Simpósio).

10.
Mobilização Pedagógica.Capacitação Pedagógica Docente. 2008. (Oficina).

11.
Mobilização Pedagógica 2008. 2008. (Oficina).

12.
Congresso Acadêmico de Odontologia. 2007. (Congresso).

13.
Encontro Preparatorio para o III Fórum Pedagógico. 2006. (Encontro).

14.
I Congresso Acadêmico de Odontologia. Testes Microbiológicos de Atividade de cárie. 2005. (Congresso).

15.
I Oficina Pedagógica - Projetos Interdisciplinares. 2004. (Oficina).

16.
I Jornada UNIME de Odontologia. 2003. (Outra).

17.
Semana de Planejamento Didático/PedagógicoOficina de Planejamento do Curso de Odontologia. 2003. (Oficina).

18.
1º Congresso Internacional de Odontologia. 2001. (Congresso).

19.
XI Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, XXXI Congresso Brasileiro de Odontologia, I Congresso de Intercâmbio profissional Bahia-Portugal. 2000. (Congresso).

20.
XVIII Congresso Brasileiro de Periodontologia, XXIV Reunião de Professores de Periodontia. 1999. (Congresso).

21.
X Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, VIII Seminário Brasileiro de Promoção de Saúde Bucal, II Seminário de Fonaudiologia da Bahia. 1998. (Congresso).

22.
I Congresso Baiano de Odontopediatria, IV Jornada Baiana de Odontopediatria. 1997. (Congresso).

23.
VI Seminário de Odontologia do SESI. 1997. (Seminário).

24.
I Encontro Latino Americano da International Association of Dento Maxillo Facial Radiology, IX Jornada Brasileira de Radiologia Odontologica. 1996. (Encontro).

25.
XXVIII Congresso Brasileiro de Odontologia, IX Congresso Baiano de Odontologia, VII Seminário Brasileiro de Promoção de Saúde bucal. 1996. (Congresso).

26.
XI Congresso Cearense de Odontologia, X Congresso Nordestino de Odontologia, I fórum Norte/Nordeste de Acadêmicos de odontologia ?. 1995. (Congresso).

27.
XIV Seminário Estudantil de Pesquisa na UFBa.Um Método Simples para Estudo da Microbiota Bacteriana Iniciadora da Formação da Placa Dental. 1995. (Seminário).

28.
XVIII Congresso Brasileiro de Microbiologia. Um metodo Simples para Estudo da Microbiota Bacteriana Iniciadora da Formação da Placa Dental. 1995. (Congresso).

29.
XV Congresso Latino-Americano de Odontologia, VII Congresso Baiano de Odontologia, VI Seminário de Odontologia Preventiva e Social. Participação em Congressos. 1994. (Congresso).

30.
XV Congresso Latino-Americano de Odontologia, VIII Congresso Baiano de Odontologia, VI Seminário de Odontologia Preventiva e Social. 1994. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
FRANCA, M. P.; SANDES, K. . Cerimonia de Entrega de Jaleco aos alunos ingressantes. 2008. (Outro).

2.
FRANCA, M. P.; SANDES, K. . I simposio de Integração do Conhecimento da Saúde: Emergências Medicas em Odontologia. 2007. (Outro).

3.
FRANCA, M. P.. X Congresso Internacional de Odontologia da Bahia - Membro da comissão acadêmica. 1998. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Monografias de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Danilo Souza Argolo. PERFIL DE SUSCETIBILIDADE ANTIMICROBIANA DE ESCHERICHIA COLI ISOLADAS EM PACIENTES COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Início: 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Microbiologia) - Universidade Federal da Bahia. (Orientador).

2.
Ellen Karla Nobre dos Santos Lima. Human IgG reactivity to synthetic peptides from neuraminidase of Porphyromonas gingivalis,. Início: 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Microbiologia) - Universidade Federal da Bahia. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Tatiana Dantas. Efeito antimicrobiano do hidróxido de cálcio associado a diferentes veículos. 2012. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em Endodontia) - Universidade Federal da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

2.
Igor Oliveira Vilasboas. Avaliação de restaurações provisórias em dentes preparados para retentor intra-radicular frente ao Staphylococcus aureus( co-orientação). 2007. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em Endodontia) - Universidade Federal da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Marina Moura Costa Spínola. Opções farmacológicas para ceratite por micobactérias não-tuberculosas: uma revisão integrativa. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina) - Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Orientador: Mônica Pereira Franca.

2.
Laila Cristina Costa Donato de Souza. ?Ameloblastoma aspecto clínico, radiográfico e tratamento?. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Odontologia) - Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Orientador: Mônica Pereira Franca.

3.
Fagner dos Santos Matias. Radiografias Digitais e certificação digital (Orientação). 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

4.
Sídia Cássia Ribeiro Santos de Almeida. Ação Inibitória de Cimentos de Ionômero de Vidro Avaliados in vitro Frente a Microrganismos Específicos( co-orientação). 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Odontologia) - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

5.
Lucas Ferraz. Ação antimicrobiana in vitro da Eugenia cariophyllata sobre Estreptococos do grupo mutans ( co-orientação). 2008. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

Iniciação científica
1.
Wellington de Freitas Santos Júnior. Biossegurança e Gerenciamento de residuos solidos em consultórios odontológicos da cidade de Salvador: estudo transversal ( orientação). 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Odontologia) - Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica, Escola Bahiana De Medicina e Saúde Pública. Orientador: Mônica Pereira Franca.

Orientações de outra natureza
1.
Elizabete Carneiro Nobre. Monitoria de Microbiologia aplicada a Enfermagem. 2014. Orientação de outra natureza. (Enfermagem) - Instituto de Ciências da saúde. Orientador: Mônica Pereira Franca.

2.
Thayz Mota de Souza Cunha. Monitoria de Microbiologia Aplicada ao curso de Enfermagem. 2013. Orientação de outra natureza. (Enfermagem) - Instituto de Ciências da saúde. Orientador: Mônica Pereira Franca.

3.
Elizabete Nobre Carneiro. Monitoria de Microbiologia Aplicada ao curso de Enfermagem. 2012. Orientação de outra natureza. (Enfermagem) - Instituto de Ciências da saúde. Orientador: Mônica Pereira Franca.

4.
Italo Israel Almeida Queiroz. Orientação de Monitoria Oficial da Disciplina de Microbiologia Bucal. 2008. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, ABAMES-FTC. Orientador: Mônica Pereira Franca.

5.
Denis Bezerra Silva. Orientação de Monitoria Oficial da Disciplina de Microbiologia Bucal. 2007. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia, ABAMES-FTC. Orientador: Mônica Pereira Franca.

6.
Renata Aranha. Avaliação do conhecimento de cirurgiões -dentistas no diagnóstico precoce da infecção pelo HIV. 2006. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

7.
Denis Bezerra Silva. Avaliação do conhecimento de Cirurgiões-dentistas sobre eventos adversos locais e sistemicos da radioterapia em pacientes portadores de câncer de cabeça e pescoço. 2006. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

8.
Renato Lino. Orientação do auto-exame e fatores de risco do câncer bucal. 2006. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

9.
Evaldo Segundo. Enocardite Infecciosa: uma Realidade no consultório Odontológico. 2005. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia. Orientador: Mônica Pereira Franca.

10.
Vivian Torres. Aspectos Imunomicrobiologicos da Infecção pelo vírus HIV. 2004. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Faculdade de Tecnologia e Ciências. Orientador: Mônica Pereira Franca.

11.
Milla Macedo Barreto. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida( AIDS) e Manifestações Orais. 2003. Orientação de outra natureza. (Odontologia) - Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública. Orientador: Mônica Pereira Franca.




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 19/01/2019 às 9:21:32