Maria Fernanda Baptista Bicalho

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1D

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/4167630729257014
  • Última atualização do currículo em 29/08/2018


Licenciada em História pela PUC-RJ (1981), mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional-UFRJ (1988), doutora em História Social pela FFLCH-USP (1997), fez pós-doutorado no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (em 2007 e, novamente, em 2013/2014). Professora Associada no Departamento de História da Universidade Federal Fluminense, foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em História entre 2010 e 2013. Desde 2009 atua como Professora Visitante na Université de Provence (Aix-en-Provence). Em 2014 foi Professora Visitante na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris. Atua igualmente como Professora associada ao Programa de Doutoramento em Patrimônios de Influência Portuguesa, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É bolsista de Produtividade do CNPq desde 2001, e possui bolsa Cientista do Nosso Estado-FAPERJ (2012-2014 e 2015-2017). Participa de inúmeras redes de pesquisa, nacionais e internacionais. Orientou e orienta teses de doutorado e dissertações de mestrado sobre temas relacionados à História do Brasil Colonial, História Moderna e História Ibérica. Atua principalmente na área da História política, desenvolvendo trabalhos e ministrando cursos sobre redes de poder e administração no império português; poderes, instituições e elites na monarquia portuguesa e em seus domínios ultramarinos. Tem experiência na área de História urbana e do urbanismo, sobretudo no que se refere ao Rio de Janeiro entre os séculos XVI e XIX. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Maria Fernanda Baptista Bicalho
Nome em citações bibliográficas
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal Fluminense, Departamento e Programa do Pós-Graduação em Historia/ICHF.
Campus do Gragoatá, s/n, Bloco O, 5.o andar
Gragoatá
24210350 - Niterói, RJ - Brasil
Telefone: (21) 26292919
Fax: (21) 26292829
URL da Homepage: www.historia.uff.br


Formação acadêmica/titulação


1992 - 1997
Doutorado em História Social.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: A Cidade e o Império ; O Rio de Janeiro na Dinâmica Colonial Portuguesa. Séculos XVII e XVIII, Ano de obtenção: 1997.
Orientador: Profª Drª Laura de Mello e Souza.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Cidade; Rio de Janeiro; Império Português; Colônia.
Grande área: Ciências Humanas
1983 - 1988
Mestrado em Antropologia Social.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Título: O Bello Sexo : Imprensa e Identidade Feminina no Rio de Janeiro em fins do século XIX e início do século XX,Ano de Obtenção: 1988.
Orientador: Prof Dr. Gilberto Velho.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: Imprensa; Feminina; Rio de Janeiro; Identidade.
Grande área: Ciências Humanas
1978 - 1981
Graduação em História.
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.


Pós-doutorado


2013 - 2014
Pós-Doutorado.
Instituto de Ciências Sociais Univ.Lisboa, ICS/UL-Pt, Portugal.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Moderna.
2006 - 2007
Pós-Doutorado.
Instituto de Ciências Sociais Univ.Lisboa, ICS/UL-Pt, Portugal.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Moderna e Contemporânea / Especialidade: História Moderna.


Atuação Profissional



Aix Marseille Université, AMU, França.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Universidad Autónoma de Madrid, UAM, Espanha.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisadora Associada, Carga horária: 8
Outras informações
Failure is almost everywhere, and unsuccess is deeply embedded into stereotypes about regions, nations, business, gender and race. Failure to embrace crucial philosophical ideas and scientific breakthroughs is often considered a key factor to explain differential paths of development. And historical, long-term narratives add an additional layer to notions of failure. Built in into accounts of the past, ideas on failure are naturalized and projected into the future. But while failure is conspicuously referred to in public debate, and in local and global politics, it nevertheless remains an obscure and elusive notion. How is it possible that a concept often used to relegate and marginalize individuals and whole communities is so ill defined? This project not only aims to solve this question but also to offer innovative perspectives to enhance individuals and groups to redress and rebate the material consequences and the intellectual constructions on failure. The dynamics between inclusiveness and the failure to integrate is a key social problem of our present, one with deep historical and philosophical roots. Discourses on failure are also present in many other aspects of contemporary societies, from the individual entrepreneur, to programs to minimize the failure of regional economies at the expense of bigger and more populated areas, and ideas on international leadership. But quantitative approaches to development and integration need to be supplemented with critical awareness of the consequences of attributing failure to groups, individuals or even nations (sometimes as a covered synonym in racist and eurocentric discourse). Inclusiveness, and integration in all social institutions are challenges that demand reassessing the criteria used to identify failure. At the same time, it is necessary to promote a clear understanding of the temporary nature of failure and the possibilities of reversing and challenging failures. These reversals are both a matter of fact an


Universidad Autónoma de Chile, UAC, Chile.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisadora Associada, Carga horária: 8
Outras informações
La Red Internacional de Estudios sobre Geopolítica Americana de los siglos XVI-XVII (GEOPAM) propone el establecimiento de una red organizada para la investigación académica de excelencia entre instituciones e investigadores nacionales e internacionales de primer nivel, cuyo objetivo es investigar el primer estadio del mundo global desde las transformaciones geopolíticas que experimentó el continente americano durante los siglos XVI y XVII. Liderada desde Chile, esta red propone a la comunidad académica internacional revisar la importancia histórica del proceso de conformación político-territorial americano en la configuración del nuevo orden global-moderno, considerando, en un mismo horizonte analítico, disposiciones de carácter políticaseconómicas (estatales y privadas), representaciones geográficas e imaginarias-especulativas, con tensiones sociales locales supeditadas a problemáticas mundiales. En este sentido, la geopolítica nos servirá como un concepto para encauzar lo anterior, puesto que permite dinamizar y, a la vez, sintetizar operativamente las variantes que reconocemos en este horizonte analítico. El interés central de la red es profundizar en la comprensión del modo en que el continente americano en su totalidad ?incluido Brasil y América del norte- influyó decisivamente en la instauración de la globalización que hasta el día de hoy prevalece, pero cuya etapa inicial ocurre entre los siglos XVI y XVII. A partir del llamado ?descubrimiento? de América y de la exploración posterior de otros lugares del continente, tan lejanos como el estrecho de Magallanes, se estableció una nueva forma de percibir y transitar por el globo. Las dimensiones geográficas, cosmográficas y científicas del planeta se redefinieron en distintos ámbitos y escalas gracias a estas nuevas referencias, y se pudo conectar por primera vez, no solo a la totalidad de las personas, sino también al capital, el poder, los imaginarios religiosos y seculares de lo ?incógnito? en una nueva diná


Doutorado em Patrimônios de Influência Portuguesa - Universidade de Coimbra, DPIP-CES-UC, Portugal.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Professora Associada Visitante, Carga horária: 8

Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Professora Associada Visitante, Carga horária: 8


Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professora Associada, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

1997 - 2009
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professora Adjunta, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

1992 - 1997
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professora Assistente, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

1990 - 1991
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professora Substituta, Carga horária: 20

Atividades

03/1998 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Pós-Graduação em História - UFF, .

Linhas de pesquisa
Poder e Idéias Políticas
03/1998 - Atual
Ensino, História, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
As Monarquias Ibéricas e o Atlântico: Poder, Cultura e Práticas Políticas
Atividades Programada - Mestrado / Atividades de Pesquisa - Doutorado
Centro e Periferia : Pacto e Negociação Política na Administração do Império Português
Dinâmicas e Práticas Imperiais nos Tempos Modernos: Conceitos, Métodos e Historiograifa
Monarquias Compósitas e Autoridades Negociadas: uma interpretação dos Impérios Coloniais na Época Moderna
O Antigo Regime nos Dois Lados do Atlântico: Estado, Conquista e Poder Político no Império Português
Pacto e Soberania no Império Português
3/1990 - Atual
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História da Cultura, das Mentalidades e das Ideologias nas Sociedades Coloniais
História da Relação entre Estado e Sociedade nos Tempo Modernos
História do Brasil I
História do Brasil II
História do Poder e das Idéias Políticas no Brasil Colonial
História do Poder e das Idéias Políticas no Mundo Ibérico
História do Poder e das Idéias Políticas no Rio de Janeiro
História do Poder e das Idéias Políticas nos Tempos Modernos
Monografia I e Monografia II
Seminário em História do Poder e das Idéias Políticas
08/2010 - 05/2013
Direção e administração, Programa de Pós-Graduação em História - UFF, .

Cargo ou função
Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em História.
03/1997 - 12/2011
Ensino, Especialização Em História do Brasil, Nível: Especialização

Disciplinas ministradas
Formação Política do Mundo Colonial
O Conselho Ultramarino: História e Fundos Documentais
Hierarquias e Fluidez Sociedade Colonial
Poderes Locais e Poder Central na Administração do Império Português
Economia, Sociedade e Poder na Ordem Escravista
03/2004 - 11/2006
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Estudos Gerais / Departamento de História, .

Cargo ou função
Membro da Comissão Editorial da Revista Tempo.
03/2003 - 02/2005
Outras atividades técnico-científicas , Departamento e Programa do Pós-Graduação em Historia/ICHF, Departamento e Programa do Pós-Graduação em Historia/ICHF.

Atividade realizada
Coordenação do Núcleo de Pesquisas em História Cultural (NUPEHC).
03/1998 - 03/2004
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Estudos Gerais / Departamento de História, .

Cargo ou função
Membro do Colegiado do Curso de História.
3/1998 - 3/2000
Direção e administração, Departamento de História - UFF, .

Cargo ou função
Vice-Coordenadora do Curso de Graduação em História - Licenciatura e Bacharelado.

Programa de Pós-Graduação em História - UFF, PPGH-UFF, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2013
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Coordenadora do PPGH-UFF, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.


Instituto de Ciências Sociais Univ.Lisboa, ICS/UL-Pt, Portugal.
Vínculo institucional

2013 - 2014
Vínculo: Pesquisador Visitante, Enquadramento Funcional: Pesquisador Sênior, Carga horária: 40
Outras informações
Estágio pós-doutoral, com financiamento CAPES, e vinculação de Pesquisador Sênior no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Vínculo institucional

2006 - 2007
Vínculo: Pesquisador visitante, Enquadramento Funcional: Pesquisador Sênior, Carga horária: 40
Outras informações
Estágio pós-doutoral, com financiamento CNPq, e vinculação de Pesquisador Sênior no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.


Instituto de Ciências Sociais da Universidade de L, ICS, Portugal.
Vínculo institucional

2008 - 2009
Vínculo: Pesquisador Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador Visitante, Carga horária: 40
Outras informações
Contemplada com Bolsa Luso-Afro-Brasileira do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, permaneceu durante três meses como Pesquisadora Bolsista Sênior do ICS.


Université de Provence Aix Marseille I, Aix-Marceille I, França.
Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Enseignant-Chercheur Étranger, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2013 - 2013
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Enseignant-Chercheur Étranger, Carga horária: 20

Vínculo institucional

2011 - 2011
Vínculo: Professor vistante, Enquadramento Funcional: Enseignant-Chercheur Étranger, Carga horária: 12

Vínculo institucional

2010 - 2010
Vínculo: Professor vistante, Enquadramento Funcional: Enseignant-Chercheur Étranger, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2009 - 2009
Vínculo: Professor vistante, Enquadramento Funcional: Enseignant-Chercheur Étranger, Carga horária: 10


Biblioteca Nacional de Lisboa, BNL, Portugal.
Vínculo institucional

1998 - 1998
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisadora Visitante, Carga horária: 40


Jonhs Hopkins University, JHU, Estados Unidos.
Vínculo institucional

1998 - 1998
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador Visitante, Carga horária: 40


Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Vínculo institucional

1983 - 1991
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professora Auxiliar, Carga horária: 40

Atividades

01/1989 - 12/1991
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Ciências Sociais / Departamento de História, .

Cargo ou função
Membro da Comissão Geral.
8/1983 - 12/1991
Ensino, Comunicação, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Brasil
8/1983 - 12/1991
Ensino, Artes, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Brasil
08/1983 - 12/1991
Ensino, Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Mundo Contemporâneo
História do Brasil
08/1983 - 12/1991
Ensino, Administração, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Brasil
08/1983 - 12/1991
Ensino, Economia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Brasil
8/1983 - 12/1991
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Organização Social e Política do Brasil
Seminário Especial (Optativa)
História do Brasil II (Império)
História do Brasil I (Colônia)

Faculdade da Cidade, FC*, Brasil.
Vínculo institucional

1982 - 1991
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professora Auxiliar, Carga horária: 20
Outras informações
Professora no Departamento de Filosofia e Ciências Humanas.

Atividades

3/1982 - 12/1991
Ensino, Letras, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Cultura Brasileira
História da Cultura
História do Brasil
3/1982 - 12/1991
Ensino, Turismo, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Cultura Brasileira
História da Cultura
História do Brasil
3/1982 - 12/1991
Ensino, Comunicação, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Cultura Brasileira
História da Cultura
História do Brasil
01/1988 - 12/1989
Conselhos, Comissões e Consultoria, Departamento de Filosofia e Ciências Humanas, .

Cargo ou função
Membro da Comissão Geral.

Fundação Casa de Rui Barbosa, FCRB, Brasil.
Vínculo institucional

1979 - 1981
Vínculo: Outro, Enquadramento Funcional: Estagiária, Carga horária: 20

Atividades

1/1979 - 12/1981
Estágios , Centro de História, .

Estágio realizado
Estagiária na pesquisa "O Governo Presidencial do Brasil, 1889-1930", sob a coordenação do Prof. Dr. Francisco de Assis Barbosa.

Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.
Vínculo institucional

2014 - 2014
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Professora Associada Visitante, Carga horária: 8



Linhas de pesquisa


1.
Poder e Idéias Políticas


Projetos de pesquisa


2018 - Atual
O Conselho Ultramarino, as Secretarias de Estado e a política imperial: conselheiros e secretários entre a experiência no ultramar e o aconselhamento régio (1642-1777)
Descrição: A pesquisa, financiada pelo CNPq, na categoria Produtividade em Pesquisa, nível 1D, tem como objeto a discussão do processo decisório, assim como de seus personagens na tessitura da política ultramarina entre 1642 (data de criação do Conselho Ultramarino) e 1777 (final do reinado de D. José I). Visa a analisar os trâmites burocráticos e as decisões no âmbito da Coroa portuguesa ? sobretudo no interior do Conselho Ultramarino e das Secretaria de Estado, constituídas a partir de 1736 ? que disputaram a proeminência no aconselhamento régio, na comunicação entre reino e conquistas e na elaboração da política imperial. Propõe-se a investigar as experiências e as trajetórias de oficiais régios, magistrados e conselheiros com anterior passagem nas conquistas. A análise da atuação destes homens e das instituições às quais se achavam vinculados, quer no centro da monarquia, quer em suas periferias imperiais, será tratada como chave privilegiada para a discussão da dinâmica política e institucional do Conselho Ultramarino e das Secretarias de Estado, assim como da atuação de magistrados, desembargadores, embaixadores, ministros plenipotenciários, secretários e conselheiros na construção e na manutenção do império português entre meados do século XVII e finais do XVIII. A partir do estudo das principais instituições e personagens que elaboraram em conjunto, de forma conciliar, ou individualmente, de modo ministerial, a política ultramarina neste período ? respeitando as diferentes conjunturas por que passaram a monarquia portuguesa e o seu império de ultramar ?, a pesquisa tem como objetivo maior perceber a dinâmica política e o funcionamento, quer do Conselho Ultramarino, quer das Secretarias de Estado, além de analisar as redes de comunicação e os espaços de decisão com base nas relações e nas conexões entre os oficiais régios, tanto no reino, quanto no ultramar, sem descurar em nenhum momento dos interesses e das demandas das elites e grupos coloniais..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (2) Doutorado: (5) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador.
2018 - Atual
CIDADE, URBANISMO E PATRIMÔNIO: Cartografia e reformas no Rio de Janeiro do século XIX (1808-1889)
Descrição: A pesquisa, financiada pela FAPERJ na categoria Cientista do Nosso Estado, visa a investigar o processo de mudança sofrido pela cidade do Rio de Janeiro entre 1875 e 1889, período de grandes transformações urbanísticas que precederão as tão estudadas reformas urbanas do período republicano. A década de 1870 inaugurou um novo olhar das autoridades imperiais e municipais sobre a cidade, que culminou numa extraordinária produção de plantas e cadastros, como a Planta da Cidade do Rio de Janeiro, de 1870, primeiro registro cartográfico de todo o território urbano, num total de 281 pranchas. Ao mesmo tempo, várias obras foram encetadas, redefinindo os usos da cidade e a sociabilidade de seus habitantes. Como continuidade da anterior pesquisa financiada com Bolsa Cientista do Nosso Estado, uma das propostas do atual projeto é produzir instrumentos didáticos para a formação de pesquisadores, formadores, lideranças comunitárias, professores, alunos universitários e do ensino fundamental e médio, assim como subsídios para ações de intervenção e preservação de sítios urbanos do Rio de Janeiro. O conceito de sítio urbano é aqui entendido como resultado de um processo histórico de apropriação do território, que define a consolidação de um espaço, integrando fenômenos que o relacionam a um contexto social, econômico, cultural e geográfico mais amplo. Respaldar a ação de preservação do patrimônio carioca representará uma contribuição neste sentido, na medida em que a pesquisa se propõe a reunir e sistematizar dados e informações coletadas por meio de levantamento de fontes documentais, cartográficas iconográficas sobre a experiência social, cultural e urbanística no Rio de Janeiro no século XIX. Tais informações serão processadas e representadas em base cartográfica por meio de um mapa interativo a ser disponibilizado em site na internet. Sua principal meta é produzir informações relacionadas aos bens arquitetônicos, sociais e culturais do Rio de Janeiro, permitindo amplo acesso e a multiplicação de conhecimento sobre os mesmos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (2) Doutorado: (5) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / José Pessôa - Integrante / Renata K. Malcher de Araújo - Integrante / Walter Rossa - Integrante.
2018 - Atual
Failure. Reversing the Genealogies of Unsuccess, 16th-19th Centuries
Descrição: Failure is almost everywhere, and unsuccess is deeply embedded into stereotypes about regions, nations, business, gender and race. Failure to embrace crucial philosophical ideas and scientific breakthroughs is often considered a key factor to explain differential paths of development. And historical, long-term narratives add an additional layer to notions of failure. Built in into accounts of the past, ideas on failure are naturalized and projected into the future. But while failure is conspicuously referred to in public debate, and in local and global politics, it nevertheless remains an obscure and elusive notion. How is it possible that a concept often used to relegate and marginalize individuals and whole communities is so ill defined? This project not only aims to solve this question but also to offer innovative perspectives to enhance individuals and groups to redress and rebate the material consequences and the intellectual constructions on failure. The dynamics between inclusiveness and the failure to integrate is a key social problem of our present, one with deep historical and philosophical roots. Discourses on failure are also present in many other aspects of contemporary societies, from the individual entrepreneur, to programs to minimize the failure of regional economies at the expense of bigger and more populated areas, and ideas on international leadership. But quantitative approaches to development and integration need to be supplemented with critical awareness of the consequences of attributing failure to groups, individuals or even nations (sometimes as a covered synonym in racist and eurocentric discourse). Inclusiveness, and integration in all social institutions are challenges that demand reassessing the criteria used to identify failure. At the same time, it is necessary to promote a clear understanding of the temporary nature of failure and the possibilities of reversing and challenging failures. These reversals are both a matter of fact and the result of changes in social conceptions of success, taste and well-being. While failure is a heavy and paralyzing category, a concept crafted to perpetuate colonial dominion and legitimize inequalities, positive psychology, engineering and philosophy among other disciplines have pointed to several positive aspects of failure and recovery. This project aims to foster widespread reflection on the topic and to provide critical tools for schools, associations and community structures to analyse and revert (auto)imposed and external narratives of failure. The FAILURE network is formed by 12 participants in 11 different countries of the Iberian American world and the US, and is designed to gain new insights on failure on an interdisciplinary, transnational perspective..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (5) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / Pedro Cardim - Integrante / Antonio Alvarez Osorio - Integrante / Saúl Martinez - Integrante.
2017 - Atual
RED INTERNACIONAL DE ESTUDIOS SOBRE LA GEOPOLÍTICA AMERICANA DE LOS SIGLOS XVI-XVII (GEOPAM).
Descrição: La Red Internacional de Estudios sobre Geopolítica Americana de los siglos XVI-XVII (GEOPAM) propone el establecimiento de una red organizada para la investigación académica de excelencia entre instituciones e investigadores nacionales e internacionales de primer nivel, cuyo objetivo es investigar el primer estadio del mundo global desde las transformaciones geopolíticas que experimentó el continente americano durante los siglos XVI y XVII. Liderada desde Chile, esta red propone a la comunidad académica internacional revisar la importancia histórica del proceso de conformación político-territorial americano en la configuración del nuevo orden global-moderno, considerando, en un mismo horizonte analítico, disposiciones de carácter políticaseconómicas (estatales y privadas), representaciones geográficas e imaginarias-especulativas, con tensiones sociales locales supeditadas a problemáticas mundiales. En este sentido, la geopolítica nos servirá como un concepto para encauzar lo anterior, puesto que permite dinamizar y, a la vez, sintetizar operativamente las variantes que reconocemos en este horizonte analítico. El interés central de la red es profundizar en la comprensión del modo en que el continente americano en su totalidad ?incluido Brasil y América del norte- influyó decisivamente en la instauración de la globalización que hasta el día de hoy prevalece, pero cuya etapa inicial ocurre entre los siglos XVI y XVII. A partir del llamado ?descubrimiento? de América y de la exploración posterior de otros lugares del continente, tan lejanos como el estrecho de Magallanes, se estableció una nueva forma de percibir y transitar por el globo. Las dimensiones geográficas, cosmográficas y científicas del planeta se redefinieron en distintos ámbitos y escalas gracias a estas nuevas referencias, y se pudo conectar por primera vez, no solo a la totalidad de las personas, sino también al capital, el poder, los imaginarios religiosos y seculares de lo ?incógnito? en una nueva dinámica, en una verdadera red planetaria. Este cambio quedó reflejado en diferentes ámbitos: desde la astronomía a la geopolítica, como también en una modificación en el régimen de historicidad otrora existente y la implantación de una nueva Era, dígase Modernidad. La propia concepción de ?humanidad?, de lo humano, sufrió alteraciones. Las concepciones sobre los límites de la vida humana que se tenían hasta ese entonces, heredadas desde la Antigüedad, se consideraron erróneas y se impusieron nuevas concepciones surgidas desde esta nueva experiencia de tránsito. Se trató de una verdadera revolución impulsada desde el Nuevo Mundo, consolidada a lo largo de los siglos XVIXVII..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2015 - 2017
Sociabilidade, Urbanismo e Patrimônio: A cidade do Rio de Janeiro, Corte e Capital do Império do Brasil (1822-1875)
Descrição: O objeto da pesquisa, financiada pela FAPERJ com bolsa Cientista do Nosso Estado, é investigar o processo de mudança sofrido pela cidade do Rio de Janeiro, assim como as produções discursivas relacionadas à construção de uma dimensão de capitalidade, entre 1822 e 1875, período em que ela se tornou sede da Corte e capital do Império do Brasil. Como continuidade do projeto anterior também financiado com Bolsa Cientista do Nosso Estado da FAPERJ, uma de suas propostas é produzir instrumentos didáticos para a formação de pesquisadores, formadores, lideranças comunitárias, professores, alunos universitários e do ensino fundamental e médio, assim como subsídios para ações de intervenção e preservação de sítios urbanos do Rio. O conceito de sítio urbano é aqui entendido como resultado de um processo histórico de apropriação do território, que define a consolidação de um espaço, integrando fenômenos que o relacionam a um contexto social, econômico, cultural e geográfico mais amplo. Respaldar a ação de preservação do patrimônio carioca representará uma contribuição neste sentido, na medida em que a pesquisa se propõe a reunir e sistematizar dados e informações coletadas por meio de levantamento de fontes documentais e iconográficas sobre a experiência social, cultural e urbanística no Rio de Janeiro no século XIX. Tais informações serão processadas e representadas em base cartográfica por meio da construção de um mapa interativo a ser disponibilizado em site na internet. Sua principal meta é produzir informações relacionadas aos bens arquitetônicos e culturais do Rio de Janeiro, permitindo amplo acesso e a multiplicação de conhecimento sobre os mesmos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / José Pessôa - Integrante / Renata K. Malcher de Araújo - Integrante / Walter Rossa - Integrante / Cláudia Damasceno Fonseca - Integrante / José Inaldo Chaves Junior - Integrante / Elisa Dourado - Integrante.
Número de produções C, T & A: 3 / Número de orientações: 5
2014 - 2017
Conhecer e demarcar o território e fundar vilas: Conselheiros e magistrados na gestão política e territorial da América portuguesa no reinado de D. João V
Descrição: A pesquisa, financiada pelo CNPq, com bolsa de Produtividade, tem como objeto a discussão do processo decisório, assim como de seus personagens, na tessitura da política ultramarina ao longo do reinado de D. João V, mais precisamente entre as décadas de 1720 e 1750. Visa a analisar os trâmites burocráticos e as decisões no ultramar e no reino e, sobretudo, no interior do Conselho Ultramarino, que culminaram no redesenho e na redefinição político-administrativa do território da América portuguesa naquela conjuntura específica, assim como numa sistemática de fundação de vilas. Centra-se, quer nas cartas régias que determinavam e prescreviam um método e um modelo a seguir nestas fundações, quer nas experiências e nas trajetórias de oficiais régios, magistrados e conselheiros com anterior passagem nas conquistas. A análise da atuação destes homens e das instituições às quais se achavam vinculados, quer no centro da monarquia, quer em suas periferias imperiais, será tratada como uma chave privilegiada para a discussão da dinâmica política e institucional do Conselho Ultramarino e da atuação de magistrados, ouvidores, governadores, secretários, conselheiros e engenheiros militares na elaboração de uma ?política do território? e da criação de vilas na América portuguesa no período abordado.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador.
Número de produções C, T & A: 5 / Número de orientações: 1
2012 - 2014
Capitalidade, Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: A cidade do Rio de Janeiro entre 1808 e 1821
Descrição: O objeto da pesquisa é investigar o processo de mudança sofrido pela cidade do Rio de Janeiro entre 1808 e 1821, período da permanência da corte e da família real portuguesa no Brasil, assim como as produções discursivas relacionadas à construção de uma dimensão de capitalidade. Seu objetivo é produzir instrumentos didáticos para a formação de pesquisadores, formadores, lideranças comunitárias, professores, alunos universitários e do ensino fundamental e médio, assim como subsídios para ações de intervenção e preservação de sítios urbanos do Rio. O conceito de sítio urbano é aqui entendido como resultado de um processo histórico de apropriação do território, que define a consolidação de um espaço, integrando fenômenos que o relacionam a um contexto social, econômico, cultural e geográfico mais amplo. Respaldar a ação de preservação do patrimônio carioca representará uma contribuição neste sentido, na medida em que a pesquisa se propõe a reunir e sistematizar dados e informações coletadas por meio de levantamento de fontes documentais e iconográficas sobre a experiência social, cultural e urbanística no Rio de Janeiro de inícios do século XIX. Tais informações serão processadas e representadas em base cartográfica por meio da construção de um mapa interativo a ser, posteriormente, disponibilizado em site na internet. Sua principal meta é produzir informações relacionadas aos bens arquitetônicos e culturais do Rio de Janeiro, permitindo amplo acesso e a multiplicação de conhecimento sobre os mesmos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / José Pessôa - Integrante / Renata K. Malcher de Araújo - Integrante / Walter Rossa - Integrante / Denise Vieira Demétrio - Integrante / Victor Hugo Abril - Integrante / Karoline Marques Machado - Integrante / Isabele Mello - Integrante / Juliana Meato - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 2 / Número de orientações: 4
2011 - 2014
Labirinto dos Negócios: A dinâmica política e administrativa do Conselho Ultramarino entre comunicação, consultas e papéis de secretaria.
Descrição: Financiado por Bolsa de Produtividade em Pesquisa (CNPq), o projeto tem como objeto de fundo a discussão dos canais de comunicação e de decisão da política ultramarina entre fins do século XVII e finais da centúria seguinte. Visa a analisar os circuitos e os trâmites políticos e burocráticos no interior do Conselho Ultramarino e entre este as periferias imperiais, por meio da atuação de seus conselheiros e secretários. Estes últimos destacam-se como fios condutores ou chaves para acessar a memória administrativa e burocrática do Conselho. A família Lopes de Lavre deteve, por mais de um século, o ofício de secretário do Conselho Ultramarino. A análise da atuação destes homens na secretaria desse órgão colegiado será tratada como uma chave privilegiada para a discussão da dinâmica política e institucional do Conselho e de seus conselheiros na elaboração da política no Atlântico-Sul e no Brasil em particular. Respeitando as diferentes conjunturas por que passaram a monarquia portuguesa e o seu império ao longo da temporalidade aqui proposta, a pesquisa centra-se na análise das redes de comunicação e dos espaços de decisão da política ultramarina, tendo como fio condutor a discussão das relações e das conexões políticas e sociais entre oficiais régios, tanto no Conselho quanto no ultramar, e elites coloniais..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (3) / Doutorado: (3) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / Denise Vieira Demétrio - Integrante / Isabele Mello - Integrante / José Inaldo - Integrante / Ariadne Ketini Costa - Integrante / Marcos Marinho - Integrante / Luciana Velez - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 9 / Número de orientações: 5
2010 - 2014
La (re)construction des États Impériaux Ibériques (1820-1930): Une Globalization Originale?
Descrição: Recentemente, a historiografia espanhola adoptou uma perspectiva "Atlântica", que revê a natureza das relações e interações entre o continente e os territórios ultramarinos. Em Portugal, esta corrente foi representada mais enfaticamente no domínio da história moderna. As monarquias espanhola e portuguesa são hoje entendidas como espaços políticos e administrativos compostos, em que as partes se inter-relacionam e interagem constantemente. Essa perspectiva rompeu com as tradições historiográficas nacionalistas. As circunstâncias das guerras de Independências levaram a uma explosão do ?Imperial? e ao estabelecimento de soberanias múltiplas. No entanto, seria ingênuo pensar que as independências romperam com as redes que conectaram Europa e Américas e com os múltiplos relacionamentos em uma escala global, ou quebraram as correntes sociais que durante três séculos se constituíram em termos econômicos, políticos, demográficos e culturais. Estas são algumas das questões privilegiadas no desenvolvimento deste projeto. Pesquisa coordenada pelo Prof. Dr. Sthéphane Michonneau (Casa Velasquez - Madri -Espanha), e financiada pela Agence Nationale de Recherche, França, no Programa Les Suds Aujourd'hui II..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / Stephane Michonneaux - Coordenador / Ernestine Carreira - Integrante.Financiador(es): Agence National de France - Cooperação.
Número de produções C, T & A: 2
2010 - 2014
O Governo dos Outros: Imaginários Políticos no Império Português (1496-19610
Descrição: O projecto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de Portugal, e envolvendo uma equipe de historiadores de vários países e instituições, propõe-se discutir de que forma é que, entre 1496 (decreto que ordenou a expulsão dos judeus do reino de Portugal) e 1961 (a abolição do Estatuto político, civil e penal dos indígenas), o governo das diferentes populações do império português foi pensado e debatido, juridicamente enquadrado, e narrativamente materializado, quer em narrativas históricas, quer em momentos cerimoniais. Por outras palavras, este projecto visa analisar a construção política e jurídica do governo da diferença e a produção e disseminação de memórias escritas e rituais sobre estas experiências..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / Pedro Cardim - Integrante / Iris Kantor - Integrante / ângela Barreto Xavier (coordenadora) - Coordenador / Ana Cristina Nogueira da Silva - Integrante / Rui Ramos - Integrante / Luís P. L. Cabral de Oliveira - Integrante.Financiador(es): Fundação para a Ciência e a Tecnologia - Cooperação.
Número de produções C, T & A: 1
2010 - 2014
A comunicação política na monarquia pluricontinental portuguesa (1580-1808): Reino, Atlântico e Brasil
Descrição: O termo «comunicação política» tem sido utilizado pelos cientistas políticos para qualificar as novas modalidades de circulação da informação política nas sociedades recentes que já não se confinam apenas à recepção passiva e massiva da televisão, mas se alargam também a outros meios e agentes, incluindo a internet, alterando os conteúdos e as formas de intervenção. Retomamo-lo aqui de empréstimo para chamar a atenção para a relevância de se conhecerem e estudarem os agentes produtores, os ritmos de produção, os canais de circulação, a tipologia dos assuntos, e, por fim, o destino final das solicitações feitas das periferias para o centro e deste para as periferias na monarquia portuguesa do Antigo Regime, na dimensão pluricontinental que teve nos séculos XVI, XVII e XVIII. O rei, que era a cabeça da monarquia, estava por definição ausente nas conquistas. Mesmo no território do reino foi circulando num espaço cada vez mais confinado. É certo que os governadores e capitães generais do ultramar eram até certo ponto seus agentes, tal como o eram, num outro plano, os corregedores ou ouvidores e os provedores. Mas havia outras formas de comunicar com o centro, por vezes contra os governadores ou contra os ouvidores. Uma das marcas distintivas da monarquia portuguesa, que partilhava com a espanhola, era o ter desenvolvido uma administração imperial plenamente articulada, pelo facto de todos os súditos poderem apelar aos distintos tribunais reais. Nos diversos conselhos e tribunais da administração central dos Bragança (com destaque para o Conselho Ultramarino, no que se reportava aos territórios insulares e ultramarinos), abundam as petições e os requerimentos, individuais, colectivos ou de instituições. As petições concorriam com outras formas de comunicação política, como as correspondências, como os panfletos ou, no contexto do século XVIII e da emergência daquilo que, com uma marca de modernidade, se vem chamando o espaço público, com a imprensa. O que se pretende su.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / João Fragoso - Integrante / Antônio Carlos Jucá de Sampaio - Integrante / Ronald Raminelli - Integrante / Pedro Cardim - Integrante / Mafalda Soares da Cunha - Integrante / Nuno Gonçalo Monteiro - Coordenador.Financiador(es): Fundação para a Ciência e a Tecnologia - Cooperação.
Número de produções C, T & A: 4 / Número de orientações: 2
2010 - 2013
Identidades do Rio de Janeiro: desafios de um patrimônio compartilhado
Descrição: Pesquisa financiada pela Faperj no âmbito do Programa Pensa Rio. Apoio ao Estudo de Temas Relevantes e Estratégicos para o Estado do Rio de Janeiro, e coordenada pela Profª Drª Hebe Mattos. A proposta do projeto é empreender um amplo estudo sobre a constituição identitária do Estado do Rio de Janeiro a partir de uma abordagem multidisciplinar voltada para intervenções no campo da produção e divulgação de conhecimento, da educação patrimonial e da formação de recursos humanos, em termos do ensino e da pesquisa. Propõe-se a refletir sobre a memória social e cultural do Estado do Rio de Janeiro, considerando sua pluralidade, tomando a circulação e as trocas culturais, nas diferentes cidades e regiões, como questões-chave para pensar em novas bases a identidade estadual e para propor intervenções na área de preservação e educação patrimonial. Sua equipe é formada por historiadores, antropólogos e educadores, reunindo cinco programas de pós-graduação, o Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, o Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro e o Museu de História e Artes do mesmo Estado..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / Hebe Mattos - Coordenador / Ismênia Martins - Integrante / Samantha Quadrat - Integrante / Paulo Knauss de Mendonça - Integrante / Rebeca Gontijo - Integrante / Marcelo de Souza Magalhães - Integrante / Keila Grimberg - Integrante / Martha Abreu - Integrante / Angela Maria de Castro Gomes - Integrante / Ana Maria Mauad Essus - Integrante / Beatriz Kushnir - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 4 / Número de orientações: 1
2008 - 2011
Governo e Administração do Império Português: Conselheiros, Secretários, Juntas e Validos na tessitura da política ultramarina (1643-1750)
Descrição: Pesquisa financiada por Bolsa de Produtividade em Pesquisa / CNPq. As tramas institucionais e jurisdicionais que teceram a política monárquica e imperial portuguesa no Antigo Regime basearam-se em distintos modos de resolver e despachar os negócios. Nos séculos XVI e XVII prevaleceu o regime conciliar ou governo dos conselhos e tribunais. Na primeira metade do século XVIII, embora a consulta aos conselhos não desaparecesse, houve uma mudança nos centros de decisão política, destacando-se, no arbítrio de negócios mais importantes, as Juntas e as Secretarias de Estado, apontando para um governo de caráter mais ministerial. O reinado de D. João V implicou numa nova configuração do poder central, num novo padrão de relacionamento entre este e os poderes periféricos, num novo estilo de governação, na emergência de uma nova cultura política baseada na razão de Estado, que provocou uma maior concentração da capacidade decisória e uma restrição do grupo dirigente. O presente projeto indaga-se sobre os trâmites, os circuitos e os canais de decisão da política ultramarina portuguesa entre 1643, data de criação do Conselho Ultramarino, e 1750, fim do reinado joanino. Propõe-se a discutir não apenas a mudança nos trâmites burocráticos causada pela criação, em 1736, da Secretaria de Estado da Marinha e dos Negócios Ultramarinos, mas vai além, ao incorporar estudos e fundos documentais que apontam para uma maior complexidade ? e multiplicidade ? das personagens, dos órgãos e canais de consulta do rei e de decisão dos assuntos mais importantes da monarquia. Seu principal objetivo é relacionar os espaços e as redes de decisões políticas no reino com as démarches e mudanças ocorridas no além-mar, num período em que se deslocou para o Atlântico sul e para o Estado do Brasil, a pauta de prioridades dos negócios e da política colonial portuguesa..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 11 / Número de orientações: 4
2007 - 2009
Cidade, Política e Território: A Capitalidade do Rio de Janeiro no Século XVIII e Início do XIX
Descrição: Pesquisa financiada com Bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado / Faperj. Com a passagem dos duzentos anos da transferência da família real portuguesa para o Rio de Janeiro ? episódio único, que transformou a cidade colonial em Corte e sede de uma monarquia pluricontinental ? o processo de construção de uma capital nos trópicos, e o conceito de capitalidade associado a esta dinâmica, emergem como objeto de investigação.O desenvolvimento dessa pesquisa visa a contribuir para essa discussão, ao refletir sobre a trajetória específica da cidade do Rio de Janeiro ao longo do século XVIII, e analisar o que teria determinado sua escolha como novo centro e sede da monarquia lusa. Um dos seus propósitos do projeto é a análise da emergência de novos espaços de sociabilidade cortesã na cidade do Rio de Janeiro a partir de 1808, levando em consideração que o termo corte, para além de sede das principais instituições políticas, econômicas, culturais e simbólicas da monarquia, abarcava tanto o local de residência do rei e de sua família, quanto os novos espaços de moradia dos que os serviam, apoiavam e, sobretudo, financiavam a política monárquica e cortesã. Para tanto, a pesquisa retrocederá ao período anterior à chegada de D. João, quando a cidade tornou-se sede do vice-reinado (1763), uma vez que muitos dos novos cortesãos incorporados à Corte joanina eram egressos não apenas do conjunto dos homens bons do Rio de Janeiro setecentista, mas, sobretudo, do segmento dos negociantes de grosso trato que há muito atuavam na capital do Estado do Brasil..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 7 / Número de orientações: 4
2007 - 2009
A Monarquia e seus idiomas: Corte, governos ultramarinos, negociante, régulos e escravos no mundo português (séculos XVI-XIX)
Descrição: Pesquisa financiada pelo Programa CAPES-GRICES, envolvendo pesquisadores no Brasil, sob a coordenação do Prof. Dr. João Fragoso (UFRJ), e em Portugal, sob a coordenação da Profª Drª Isabel dos Guimarães Sá, da Universidade do Minho. A pesquisa se propõe a discutir a monarquia e do império português sob o ponto de vista dos idiomas e das formas de comunicação que deram moldura e movimento às redes imperiais. O estudo destes idiomas é fundamental para a compreensão do império com os seus diferentes loci, povos e segmentos sociais, congregando interesses múltiplos, cambiantes no tempo e no espaço, de natureza política, cultural, econômica ou social. Serão analisados conflitos entre forças locais (conquistas/colônias) e centrais (coroa/reino), disputas entre facções no poder (bandos), demandas entre grupos sociais (comerciantes e fidalgos, senhores e escravos). Parte-se do princípio de que tensões internas a cada dimensão aludida, poderiam tornar inelásticas as bases de funcionamento do império e de uma sociedade estamental, caso seus idiomas e formas de comunicação não propiciassem a atenuação de conflitos e embasassem a governabilidade portuguesa como um todo. Oque se ressalta aqui é que os idiomas e a comunicação política entre centro e localidades foram fundamentais para a formação e a manutenção da estabilidade do império..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / João Fragoso - Coordenador / Antônio Carlos Jucá de Sampaio - Integrante / Carla Almeida - Integrante / Leonor Freire Costa - Integrante / Nuno Gonçalo Monteiro - Integrante / Roberto Guedes Ferreira - Integrante / COSENTINO, Francisco - Integrante / Isabel dos Guimarães Sá - Integrante.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 3 / Número de orientações: 1
2006 - 2009
Culturas Políticas e Usos do Passado: Memória, Historiografia e Ensino de História
Descrição: Projeto desenvolvido no âmbito do PRONEX, financiado pela FAPERJ/CNPq, e coordenado pelo Prof. Dr. Daniel Aarão Reis, com a participação de professores e pesquisadores da UFF, UFRJ (IFCS e Museu Nacional), UERJ, UFRRJ e IUPERJ. O projeto tem como cerne as relações entre cultura política e usos do passado, considerando que o conhecimento histórico construído sobre o passado tem na produção de memórias uma de suas fontes e também um de seus objetos privilegiados..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / Rachel Soihet - Coordenador / Maria regina Celestino de Almeida - Integrante / Hebe Mattos - Integrante / Cecília Azevedo - Integrante / Daniel Aarão Reis - Integrante / Jorge Ferreira - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 4 / Número de orientações: 3
2005 - 2008
Governo e Administração do Império Português: o Conselho Ultramarino, as Câmaras Coloniais e a Tessitura da Política Imperial (1643-1736)
Descrição: Pesquisa financiada com Bolsa de Produtividade em Pesquisa / CNPq. A pesquisa visa a discutir o governo e a administração do Império português - tendo como foco a América - entre 1643 e 1736, sobretudo a atuação do Conselho Ultramarino, órgão de intermediação entre a Coroa, os vassalos e os poderes locais nas conquistas do ultramar. As consultas do Conselho Ultramarino constituíram-se na caixa de ressonância dos problemas e inquietações que assolaram o império, dos conflitos e negociações entre os agentes e as instâncias da administração colonial. Seus marcos cronológicos se justificam em função da criação, em 1736, da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / BELCHIOR, Bruna Coutinho - Integrante / SOUZA, Ana Luiza - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 15 / Número de orientações: 13
2005 - 2008
Nas Franjas dos Impérios: Dinâmicas e expansão e ocupação territorial na região paltina, 1580-1808
Descrição: Esta pesquisa, financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal) e pelo Instituto Camões, por meio do Programa Lusitânia, realizada sob a coordenação do Prof. Dr. Nuno Gonçalo Monteiro, é desenvolvida por um grupo de professores e pesquisadores de universidades portuguesas (Lisboa e Évora) e brasileiras (UFF, UFRJ e UFRGS), e visa a analisar a expansão, delimitação e fluidez das fronteiras - espaciais, sociais, econômicas e culturais - entre os impérios português e espanhol no sul do continente americano, entre os séculos XVII e XIX..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / João Fragoso - Integrante / Maria de Fátima Silva Gouvêa - Integrante / Antônio Carlos Jucá de Sampaio - Integrante / Pedro Cardim - Integrante / BELCHIOR, Bruna Coutinho - Integrante / Mafalda Soares da Cunha - Integrante / Leonor Freire Costa - Integrante / Nuno Gonçalo Monteiro - Coordenador / Carlos Gabriel Guimarães - Integrante / Helen Osório - Integrante.Financiador(es): Instituto Camões - Auxílio financeiro / Fundação para a Ciência e a Tecnologia - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 2
2003 - 2005
Elites Locais e Conjunturas Políticas do Império Português: Rio de Janeiro e Salvador (1640-1703)
Descrição: Pesquisa financiada com Bolsa de Produtividade em pesquisa / CNPq. Este projeto tem por objetivo a análise da atuação e negociação das elites locais das duas principais cidades da América, Rio de Janeiro e Salvador, com a Coroa portuguesa, no período que se inicia com a Restauração e aclamação de D. João IV, e termina com a Guerra de Sucessão da Espanha. Pretende analisar as estratégias e negocições entre as elites baiana e fluminense - veiculadas, sobretudo, pelas sessões de vereança de suas câmaras municipais - no governo e na negociação travada com os funcionários e tribunais metropolitanos, acerca da tributação, defesa e organização das economias regionais na América portuguesa..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / Carlos Eduardo Lohse Resende - Integrante / Gabriela Rodrigues Lanceloti - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 17 / Número de orientações: 9
2001 - 2003
Poder Local e Negociação no Império Português: Rio de Janeiro e Salvador, Séculos XVII - XVIII
Descrição: Pesquisa financiada com Bolsa de Produtividade em Pesquisa / CNPq. Elementos de unidade e continuidade entre o Reino e seus domínios ultramarinos, as Câmaras municipais da América portuguesa foram detentoras de uma alargada autonomia política e econômica na segunda metade do século XVII. Na centúria seguinte, o lento, mas vigoroso processo de centralização do poder régio, incidiu sobre a política colonial por meio do reforço dos órgãos da administração central. O projeto pretende investigar este processo, centrando-se na documentação das câmaras de Salvador e do Rio de Janeiro..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador / Fernanda Regina do Carmo Lomenso - Integrante / Francisco Josué Medeiros de Freitas - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 26 / Número de orientações: 6
1999 - 2001
Poderes Locais no Império Português: As câmaras municipais na América no século XVIII
Descrição: Pesquisa desenvolvida no Departamento de História da UFF, com o apoio de dois bolsistas PIBIC/CNPq/UFF. Elementos de unidade e continuidade entre o Reino e seus domínios ultramarinos, pilares da sociedade colonial portuguesa nos quatro cantos do mundo, as Câmaras municipais na América foram detentoras de uma alargada autonomia política e econômica na segunda metade do século XVII, possuindo canais privilegiados de comunicação e de negociação com a Coroa. Não obstante, o lento mas vigoroso processo de centralização do poder régio, que teve seu ponto máximo durante o ministério pombalino, incidiu sobre a política colonial através do reforço dos órgãos de administração central. Em contrapartida, a capacidade de intervenção das Câmaras, de representação dos interesses dos colonos e de negociação com o poder metropolitano perdeu muito do vigor que anteriormente detivera. Para entender este processo torna-se fundamental buscar nas instituições do Antigo Regime em Portugal, e no exercício comparativo do poder concelhio no Reino e no ultramar, a especificidade da dinâmica das câmaras coloniais..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Outra.
Número de produções C, T & A: 9 / Número de orientações: 3
1998 - 1998
Centro e Periferia: As câmaras municipais no mundo português. Séculos XVII-XVIII
Descrição: Esta pesquisa foi desenvolvida no âmbito do "Programa de Bolsas de Investigação para 1998", na Biblioteca Nacional de Lisboa. Seu objetivo era buscar nas instituições do Antigo Regime em Portugal, e sobretudo na regulamentação e na dinâmica dos poderes concelhios no Reino, as raízes da administração municipal ultramarina. Pareceu-nos fundamental enveredar pelo estudo destas instituições reinóis na medida em que uma série de mecanismos políticos, jurídicos e administrativos que as distinguiram foram amplamente trasladados para o ultramar. Isso não quer dizer, no entanto, que tenha havido uma simples transposição da legislação ou das instituições peninsulares para as diferentes áreas do Império. As municipalidades existentes nas mais remotas regiões ultramarinas, por apresentarem problemas específicos, próprios de sua situação colonial, foram objeto de uma política muitas vezes diferenciada e de uma legislação incessante por parte da Metrópole. A comparação e a delimitação das especificidades das atribuições das Câmaras no Reino e na América portuguesa, e de suas negociações com os representantes do Poder central e régio, constituiu-se no principal objeto desta investigação..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
1989 - 1990
A Arte da Sedução: A representação da mulher no cinema mudo brasileiro
Descrição: O projeto de pesquisa foi aprovado no V Concurso de Dotações para Pesquisas sobre Mulher, realizado pela Fundação Carlos Chagas (São Paulo). Seu objetivo era analisar a representação da mulher no cinema mudo no Brasil, confrontando-a com os ideais de eugenia, modernidade e cosmopolitismo, que, em voga nos primeiros anos do século XX, foram utilizados para a construção de um discurso e de uma imagem de um Brasil "civilizado", que negava o "atraso" e o passado colonial e escravista..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
1988 - 1989
A Mulher no Cinema Mudo no Brasil
Descrição: Pesquisa realizada no CIEC (Centro Interdisciplinar de Estudos Contemporâneos) do Departamento de Comunicação da UFRJ, coordenada pela Profª Drª Heloisa Buarque de Holanda, e financiada pela Fundação Ford, com vistas a procução de um catálogo biobibliográfico das principais atrizes do cinema mudo brasileiro..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
1986 - 1987
O Bello Sexo: A Construção da Identidade Feminina no Rio de Janeiro em fins do Século XIX e início do XX
Descrição: Projeto de Pesquisa aprovado no IV Concurso de Dotações para Pesquisas sobre Mulher, realizado pela Fundação Carlos Chagas (São Paulo). O projeto tinha por objeto a análise da imprensa feminina - jornais escritos e editados por mulheres e dirigidos ao público feminino - no Rio de Janeiro, na segunda metade do século XIX e inícios do século XX. Partia da hipóstese de que a imprensa feminina constituía-se num canal privilegiado de construção de uma identidade de gênero e era uma bandeira na luta das mulheres por educação, pelo sufrágio e pela conquista de um lugar no espaço público..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
1984 - 1985
O período Pré e Pós-Natal: Estudo de uma Política Assistencial sob uma Ótica Interativa
Descrição: Pesquisadora assistente na pesquisa sob a coordenação geral do Prof. Dr. Isaac Kerstenetzky e desenvolvida pela Profª Drª Tânia Salém, realizada no âmbito do Programa de Políticas Públicas do Centro de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e financiada pela Fundação Ford..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Maria Fernanda Baptista Bicalho - Integrante / Isaac Kerstenetzky - Coordenador.Financiador(es): Fundação Ford - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 1


Membro de corpo editorial


2016 - Atual
Periódico: REVISTA COMPLUTENSE DE HISTORIA DE AMÉRICA
2015 - Atual
Periódico: MNEME (CAICÓ. ONLINE)
2013 - Atual
Periódico: Cadernos do Arquivo Municipal (Lisboa)
2006 - 2009
Periódico: Tempo. Revista do Departamento de História da UFF


Membro de comitê de assessoramento


2017 - 2017
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
2017 - 2017
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
2017 - 2017
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior


Revisor de projeto de fomento


2001 - Atual
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
1998 - Atual
Agência de fomento: Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ
1998 - Atual
Agência de fomento: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
1996 - Atual
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil/Especialidade: História do Brasil Colônia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil/Especialidade: História do Brasil Império.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Moderna e Contemporânea/Especialidade: História Ibérica.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Moderna e Contemporânea/Especialidade: História Moderna.


Idiomas


Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.


Prêmios e títulos


2015
Bolsa Cientista do Nosso Estado, FAPERJ.
2012
Bolsa Cientista do Nosso Estado, FAPERJ.
2008
Bolsa Luso-Afro-Brasileira, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.
2007
Bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado', FAPERJ.
1998
Bolsa Fundação Luso-Brasileira para o Desenvolvimento do Mundo de Língua Portuguesa, Concurso Programa de Bolsas de Investigação / Biblioteca Nacional de Lisboa.
1998
Andrew W. Mellon Foundation / National Cultures and the Construction of the Modern World, Andrew W. Mellon Foundation / Department of History / Johns Hopkins University.
1989
V Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulher da Fundação Carlos Chagas, Fundação Ford.
1986
IV Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulher da Fundação Carlos Chagas, Fundação Ford.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

SCOPUS

Artigos completos publicados em periódicos

1.
BICALHO, M. F. B.2017BICALHO, M. F. B.. 'Possuidores despóticos': Historiografia, denúncia e fontes sobre a corrupção na América portuguesa. REVISTA COMPLUTENSE DE HISTORIA DE AMÉRICA, v. 43, p. 127-152, 2017.

2.
BICALHO, M. F. B.2014BICALHO, M. F. B.; LIMA, D. T. . Governo, Governadores e a Construção da Centralidade Territorial e Atlântica da Cidade do Rio de Janeiro nos Séculos XVII e XVIII. Promontoria. Revista de História, Arqueologia e Património da Universidade do Algarve, v. 11, p. 11-31-31, 2014.

3.
BICALHO, M. F. B.2014BICALHO, M. F. B.; CARDIM, P. ; RODRIGUES, J. D. . Representação política na monarquia pluricontinental portuguesa: cortes, juntas e procuradores. Locus (UFJF), v. 20, p. 77-102, 2014.

4.
BICALHO, M. F. B.2013BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S. . A Construção Política do Território no Centro Sul da América Portuguesa. História Histórias, v. 1, p. 23-45, 2013.

5.
BICALHO, M. F. B.2012 BICALHO, M. F. B.. Entre a Teoria e a Prática> Dinâmicas político-administrativas em Portugal e na América Portuguesa (séculos XVII e XVIII). Revista de Historia (USP), v. 167, p. 75-98, 2012.

6.
MELLO, I. M. P.2012MELLO, I. M. P. ; BICALHO, M. F. B. . O Governo das Almas, da Justiça e da Res Publica na cidade do Rio de Janeiro: Circunscrições, instituiçõe e jurisdições (séc. XVII e XVIII). Revista Ultramares, v. 1, p. 9-32, 2012.

7.
BICALHO, M. F. B.2011BICALHO, M. F. B.. A cidade do Rio de Janeiro e o sonho de uma capital americana: da visão de D. Luís da Cunha à sede do vice-reinado (1736-1763). História (UNESP. Impresso) (Cessou em 2004), v. 30, p. 37-55, 2011.

8.
BICALHO, M. F. B.2009BICALHO, M. F. B.; MARIZ, Vasco . A grande ameaça de Luís XV: A abortada expedição do conde d'Estaing contra o Rio de Janeiro. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, v. 170, p. 103-127, 2009.

9.
BICALHO, M. F. B.2009BICALHO, M. F. B.. Política e governabilidade: diálogos com a obra de Maria de Fátima Silva Gouvêa (apresentação de dossiê). Tempo. Revista do Departamento de História da UFF, v. 14, p. 11-15, 2009.

10.
BICALHO, M. F. B.2009BICALHO, M. F. B.. Diários de bordo, expedições científicas e narrativas de viagens: observações, descrições e representações do Rio de Janeiro (séculos XVII e XVIII). Navigator (Rio de Janeiro), v. 5, p. 9-22, 2009.

11.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2008BICALHO, M. F. B.. A França Antártica, o corso, a conquista e a 'peçonha luterana'. História (UNESP. Impresso) (Cessou em 2004), v. 27, p. 29-50, 2008.

12.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2007BICALHO, M. F. B.. Inflexões na política imperial no reinado de D. João V. Anais de História de Além-Mar, v. VIII, p. 37-56, 2007.

13.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2006BICALHO, M. F. B.. O Rio de Janeiro no Século XVIII: A transferência da capital e a construção do território centro-sul da América portuguesa. Urbana - Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos da Cidade, v. 1, p. 1-20, 2006.

14.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2005BICALHO, M. F. B.. Conquista, Mercês e Poder Local: a nobreza da terra na América portuguesa e a cultura política do Antigo Regime. Almanack Braziliense, v. 2, p. 21-34, 2005.

15.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2003BICALHO, M. F. B.. Cidades e Elites Coloniais. Redes de Poder e Negociação. Varia História, Belo Horizonte, v. 29, p. 17-38, 2003.

16.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2002BICALHO, M. F. B.. Política e Administração no Mundo Luso-Brasileiro. (Apresentação do dossiê sob o mesmo título). Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 13, p. 09-12, 2002.

17.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2001BICALHO, M. F. B.. La géographie politique de I'espace colonial urbain. Arquivos do Centro Cultural Caloustre Gulbenkian, Paris, v. XXLII, p. 25-31, 2001.

18.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2001BICALHO, M. F. B.. Monumenta Brasiliae: O Império Portugês no Atlântico Sul (Resenha do Livro O Trato dos Viventes. A Formação do Brasil no Atlântico Sul, de Luiz Felipe de Alencastro). Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 11, p. 267-273, 2001.

19.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2001BICALHO, M. F. B.. The City of Rio de Janeiro and the Articulation of the South-Atlantic World : Seventeenth and Eighteenth Centuries. Mediterranean Studies The Journal Of The Mediterranean Studies Association, Vermont / USA, v. X, p. 143-155, 2001.

20.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2000BICALHO, M. F. B.. Centro e Periferia: pacto e negociação política na administração do Brasil colonial.. Leituras (Lisboa), Lisboa, v. 6, p. 17-39, 2000.

21.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2000BICALHO, M. F. B.. Une Ville assigée par la peur: Rio de Janeiro et les incursuions françaises au XVIII e siècle.. Histoire Urbaine, Paris, v. 2, p. 113-129, 2000.

22.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2000BICALHO, M. F. B.. Crime e Castigo em Portugal e seu Império (Resenha do Livro Ordenações Filipinas, organizado por Silvia Hunold Lara). Topoi (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 1, p. 224-231, 2000.

23.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.2000BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J. ; GOUVÊA, M. F. S. . Uma leitura do Brasil colonial: bases da materialidade e da governabilidade no Império.. Penelope: fazer e desfazer a historia, Lisboa, v. 23, p. 67-88, 2000.

24.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1999BICALHO, M. F. B.. A Imprensa Feminina e a Campanha Sufragista no Início da República. Caderno Espaço Feminino (UFU), Uberlândia, v. 6, n.6, p. 7-20, 1999.

25.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1999BICALHO, M. F. B.. Sertão de Estrelas. A Delimitação das Latitudes e das Fronteiras na América Portuguesa. Varia História, Belo Horizonte, v. 21, p. 73-85, 1999.

26.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1998BICALHO, M. F. B.. A Cidade do Rio de Janeiro e a Articulação da Região em Torno do Atlântico Sul : Séculos XVII e XVIII. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 4, n.3, p. 07-36, 1998.

27.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1998BICALHO, M. F. B.. As Câmaras Municipais no Império Português : o exemplo do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 18, n.36, p. 251-280, 1998.

28.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1998BICALHO, M. F. B.. Cometário VII - Dossiê : História da Vida Privada : Dilemas, Paradigmas, Escalas. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 4, p. 69-76, 1998.

29.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1998BICALHO, M. F. B.. O Urbanismo Colonial em Questão : o exemplo do Rio de Janeiro nos Séculos XVII e XVIII. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. XXIV, n.1, p. 31-57, 1998.

30.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1997BICALHO, M. F. B.. Os Paradoxos da Vida Privada na Sociedade Colonial (Resenha do Livro História da Vida Privada no Brasil. Cotidiano e Vida Privada na América Portuguesa, organizado por Laura de Mello e Souza). Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 5, n.2, p. 454-457, 1997.

31.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1994BICALHO, M. F. B.. A História das Mulheres Virada pelo Avesso (Resenha do Livro O Avesso da Memória. Cotidiano e Trabalho da Mulher em Minas Gerais no Século XVIII, de Luciano Raposo de Almeida Figueiredo). Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, n.3, p. 235-238, 1994.

32.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1993BICALHO, M. F. B.. The Art of Seduction : Representation of Women in Braziian Silent Cinema. Luso-Brazilian Review, Wisconsin - Madison, v. 30, n.1, p. 21-34, 1993.

33.
BICALHO, M. F. B.;Bicalho, Maria Fernanda B.1984BICALHO, M. F. B.. A Construção da Identidade Feminina. Nuevamerica, Buenos Aires, v. 24, p. 31-39, 1984.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
BICALHO, M. F. B.; ASSIS, V. M. A. (Org.) ; MELLO, I. M. P. (Org.) . Justiça no Brasil Colonial: agentes e práticas. 1ª. ed. São Paulo: Alameda, 2017. 360p .

2.
BICALHO, M. F. B.. La Ville et l'Empire. Rio de Janeiro au XVIIIème Siècle. 1. ed. Paris: Le Poisson Volant, 2015. v. 1. 382p .

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.; FRAGOSO, J. (Org.) ; GOUVEA, M. F. (Org.) . O Antigo Regime nos Trópicos: A dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. v. 1. 473p .

4.
SOUZA, L. M. E. (Org.) ; FURTADO, J. F. (Org.) ; BICALHO, M. F. B. (Org.) . O Governo dos Povos. Relações de Poder no Mundo Ibérico na Época Moderna. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2009. v. 1. 560p .

5.
AZEVEDO, Cecília (Org.) ; BICALHO, M. F. B. (Org.) ; ROLLEMBERG, Denise (Org.) ; MENDONÇA, Paulo Knauss (Org.) ; QUADRAT, Samantha (Org.) . Cultura política, memória e historiografia. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2009. v. 1. 537p .

6.
BICALHO, M. F. B.; FERLINI, V. L. A. (Org.) . Modos de Governar. Idéias e prática políticas no Império português. 1. ed. São Paulo: Alameda Editorial, 2005. v. 1. 445p .

7.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S. (Org.) ; SOIHET, R. (Org.) . Culturas Políticas. Ensaios de História Cultural, História Política e Ensino de História. 1. ed. Rio de Janeiro: MAUAD / FAPERJ, 2005. v. 1. 467p .

8.
BICALHO, M. F. B.. A Cidade e o Império: Rio de Janeiro no século XVIII. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. v. 1. 418p .

9.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J. (Org.) ; GOUVÊA, M. F. S. (Org.) . O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 1. 473p .

10.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, L. M. E. . O Império deste Mundo ( 1680-1720 ). 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. v. 1. 118p .

11.
BICALHO, M. F. B.; HOLLANDA, H. B. ; MORAN, P. . Estrelas do Cinema Mudo - Brasil 1908-1930. Rio de Janeiro: CIEC / UFRJ / MIS, 1991. v. 1. 114p .

12.
BICALHO, M. F. B.; VERÍSSIMO, M. L. S. . Feiticeiras e Inquisidores : Uma Aldeia Camponesa na França no Século XVI. Rio de Janeiro: ACCESS, 1991. v. 1. 85p .

Capítulos de livros publicados
1.
Bicalho, Maria Fernanda B.. A Territorialização do Poder Régio na América Portuguesa (Séculos XVII e XVIII). In: NASCIMENTO, Renata Cristina de S; SOUZA, Armênia. (Org.). Mundos Ibéricos: territórios, gênero e religiosidade.. 1ed.São Paulo: Alameda, 2017, v. , p. 39-64.

2.
BICALHO, M. F. B.; ARAÚJO, Renata K. Malcher . O ouvidor como ladrilhador: o papel dos oficiais régios na urbanização do Brasil. In: Maria Fernanda B. Bicalho; Virgínia Maria Almoêdo de Assis; Isabele de Matos Pereira de Mello. (Org.). Justiça no Brasil Colonial: agentes e práticas. 1ªed.São Paulo: Alameda, 2017, v. , p. 233-255.

3.
CARDIM, P. ; BICALHO, M. F. B. ; RODRIGUES, J. D. . Cortes, Juntas e Procuradores. In: João Fragoso; Nuno Gonçalo Monteiro. (Org.). Um reino e suas repúblicas no Atlântico: Comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. 1ªed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017, v. , p. 101-133.

4.
BICALHO, M. F. B.; COSTA, A. S. . O Conselho Ultramarino e a emergência do Secretário de Estado na comunicação política entre reino e conquistas. In: João Fragoso; Nuno Gonçalo Monteiro. (Org.). Um reino e suas repúblicas no Atlântico: comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. 1ªed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017, v. , p. 135-158.

5.
CUNHA, M. S. ; BICALHO, M. F. B. ; NUNES, A. C. ; FARRICA, F. ; MELLO, I. M. P. . Corregedores, ouvidores-gerais e ouvidores na comunicação política. In: João Fragoso; Nuno Gonçalo Monteiro. (Org.). Um reino e suas repúblicas no Atlântico: Comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. 1ªed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017, v. , p. 335-370.

6.
BICALHO, M. F. B.. O Sol e a Lua: Governo e Representação do Ultramar. Portugal e Castela, séculos XVI a XVIII. In: Eduardo José Santos Borges; Maria Helena Ochi Flexor; Suzana Maria de Sousa Santos Severs. (Org.). Poderes, Identidades e Sociedade na América Portuguesa (séculos XVI-XVII). 1ed.São Paulo: Alameda, 2017, v. , p. 247-275.

7.
BICALHO, M. F. B.. Entre o público e o privado: diálogos com Ronaldo Vainfas. In: Angelo Adriano de Assis; Pollyanna Muniz; Yllan de Mattos. (Org.). Um historiador por seus pares: trajetórias de Ronaldo Vainfas. 1ªed.São Paulo: Alameda, 2017, v. , p. 317-330.

8.
RAMINELLI, R. ; BICALHO, M. F. B. . 'Nobreza' e 'cidadania' dos Brasis. Hierarquias, impedimentos e privilégios na América portuguesa. In: Angela Barreto Xavier; Cristina Nogueira da Silva. (Org.). O Governo dos Outros. Poder e diferença no império português. 1ed.Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2016, v. 1, p. 387-408.

9.
BICALHO, M. F. B.. Porque é que os domínios ultramarinos portugueses eram portugueses? Ou o Antigo Regime nos Trópicos. In: Cristina Nogueira da Silva; Ângela Barreto Xavier; Pedro Cardim. (Org.). António Manuel Hespanha. Entre a História e o Direito. 1ed.Coimbra: Almedina, 2015, v. 1, p. 249-261.

10.
BICALHO, M. F. B.. Réseaux et connexions de la contrebande au XVIIIème siècle: Les affaires et les aventures de la Française Jeanne D?Entremeuse. In: Maria Graciete Besse; Ernestine Carreira. (Org.). Goa, d'un genre à l'autre. 1ed.Aix-en-Provence: Presses Universitaires de Provence, 2015, v. , p. 331-347.

11.
BICALHO, M. F. B.. Territórios e Redes na Historiografia. In: Walter Rossa; Margarida Calafate Ribeiro. (Org.). Patrimónios de Influência Portuguesa: Modos de Olhar. 1ed.Coimbra / Lisboa: Imprensa da Universidade de Coimbra / Fundação Calouste Gulbenkian, 2015, v. , p. 283-303.

12.
BICALHO, M. F. B.. O Rio de Janeiro Colonial: A cidade, seus territórios, instituições e usos sociais e políticos. In: Secretaria Municipal de Educação. (Org.). Rio de Janeiro: Histórias concisas de uma cidade de 450 anos. 1ed.Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Educação, 2015, v. , p. 49-59.

13.
BICALHO, M. F. B.. Colônia ou Conquista, Loja ou Engenho? Identidades e discursos identitários na América portuguesa nos séculos XVII e XVIII. In: David Martín Marcos; José María Iñurritegui; Pedro Cardim. (Org.). Repensar a Identidade. O mundo ibérico nas margens da crise da consciência europeia. 1ed.Lisboa: Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar, 2015, v. , p. 205-222.

14.
SANTOS, M. N. ; BICALHO, M. F. B. ; GOUVÊA, M. F. S. . Guerras na Europa e reordenação politico-administrativa. In: FRAGOSO João; GOUVEA Maria de Fatima. (Org.). O Brasil Colonial: 1580-1720. 1ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, v. 2, p. 543-587.

15.
BICALHO, M. F. B.. Rio de Janeiro, une capitale pour la monarchie portugaise: la vision de D. Luís da Cunha à la tête de la vice-royauté du Brésil (1736-1763). In: Laurent Vidal. (Org.). Capitales rêvées, capitales abandonnées. Considérations sur la mobilité des capitales dans les Amériques (XVIIe-XXe siècle). 1ed.Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2014, v. 1, p. 41-57.

16.
BICALHO, M. F. B.. Invasão Francesa. In: Luciano Figueiredo. (Org.). História do Brasil para Ocupados. 1ed.Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013, v. 1, p. 41-45.

17.
BICALHO, M. F. B.. Gobernadores y Virreyes en el Estado de Brasil: Dibujo de una Corte Virreynal??. In: Pedro Cardim; Joan-Lluís Palos. (Org.). El Mundo de los Virreyes en las Monarquías de España y Portugal. 1ed.Madri: Iberoamericana, 2012, v. 1, p. 391-414.

18.
BICALHO, M. F. B.. L'Intendance Général de Police de la ville de Rio de Janeiro, capitale de la Monarchie et de l'Empire Portugais, 1808-1820. In: Vincent Denis; Catherine Denys. (Org.). Polices d'Empires, XVIIIe-XIXe siècles. 1ed.Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2012, v. 1, p. 115-122.

19.
BICALHO, M. F. B.. Dignidade de Ofício, trajetória familiar e estratégia cortesã: os secretários do Conselho Ultramarino nos séculos XVII e XVIII. In: Suely Creuza Cordeiro de Almeida; Gian Carlo de Melo Silva; Kalina Vanderlei Silva; George F. Cabral de Souza. (Org.). Políticas e Estratégias Administrativas no Mundo Atlântico. 1ed.Recife: EdUFPE, 2012, v. , p. 189-212.

20.
BICALHO, M. F. B.. Une capitale dans les tropiques: Rio de Janeiro, siège de la monarchie portugaise (1808-1820). In: Martine Acerra; Guy Martinière; Guy Saupin; Laurent Vidal. (Org.). Les Villes et le Monde. Du Moyen Âge ai XXe Siècle. 1ed.Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2011, v. , p. 343-349.

21.
BICALHO, M. F. B.. Ascensão e queda dos Lopes de Lavre: secretários do Conselho Ultramarino. In: Rodrigo Bentes Monteiro; Bruno Feitler; Daniela Buono Calainho; Jorge Flores. (Org.). Raízes do Privilégio: Mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime. 1ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, v. , p. 283-315.

22.
BICALHO, M. F. B.. As tramas da política:conselhos, secretários e juntas na administração da monarquia portuguesa e de seus domínios ultramarinos. In: João Fragoso; Maria de Fátima Gouvêa. (Org.). Na Trama das Redes: Política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. 1ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, v. , p. 343-371.

23.
BICALHO, M. F. B.. Uma nova Versalhes? Sociabilidade cotesã no Rio de Janeiro joanino. In: Fania Fridman; Maurício Abreu. (Org.). Cidades Latino-Americanas: Um debate sobre a formação de núcleos urbanos. 1ed.Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2010, v. , p. 119-144.

24.
BICALHO, M. F. B.. Representações, práticas e interpretações acerca da administração e do governo em Portugal e no Estado do Brasil no Antigo Regime. In: LUSTOSA, Frederico da Costa e ZAMOT, Fuad. (Org.). Brasil: 200 anos de Estado, 200 anos de administração pública. 1ed.Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, v. , p. 97-119.

25.
BICALHO, M. F. B.. Temor, cumplicidade e sedução: relações entre franceses e portugueses no Brasil colonial. In: HEYNEMANN, Cláudia Beatriz e VALE, Renata William Santos. (Org.). Temas Luso-Brasileiros no Arquivo Nacional. 1ed.Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2010, v. , p. 73-83.

26.
BICALHO, M. F. B.. Cultura Política e Sociedade de Corte. O vice-reinado no Rio de Janeiro: um estudo de caso (1779-1790). In: Rachel Soihet; Maria Regina Celestino de Almeida; Cecília Azevedo; Rebeca Gontijo. (Org.). Mitos, Projetos e Práticas Políticas. Memória e Historiografia. 1ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, v. 1, p. 375-392.

27.
BICALHO, M. F. B.. Da Colônia ao Império: um percurso historiográfico. In: Laura de Mello e Souza; Júnia Ferreira Furtado; Maria Fernanda Bicalho. (Org.). O Governo dos Povos. Relações de Poder no Mundo Ibérico na Época Moderna. 1ed.São Paulo: Alameda Editorial, 2009, v. 1, p. 91-109.

28.
BICALHO, M. F. B.. Contrabando com charme: a história de sucesso e conquistas da contrabandista francesa Joana d'Entremeuse. In: Luciano Figueiredo. (Org.). A França nos Trópicos. 1ed.Rio de Janeiro: Sabin, 2009, v. , p. 19-25.

29.
BICALHO, M. F. B.. Cultura política, governo e jurisdição no Antigo Regime e na América portuguesa: uma releitura do ofício de vice-rei do Estado do Brasil. In: Cecília Azevedo; Denise Rollemberg; Maria Fernanda Bicalho; Paulo Knauss; Samantha Quadrat. (Org.). Cultura Política, Memória e Historiografia. 1ed.Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2009, v. 1, p. 357-375.

30.
BICALHO, M. F. B.. De l'Empire portugais à l'Empire du Brésil: un processus historique, un parcours historiographique. In: PILLE, René-Marc. (Org.). Le Délitement des Empires. 1ed.Paris: Presses Universitaires de Paris 10, 2008, v. , p. 149-172.

31.
BICALHO, M. F. B.. Poder, Política e Instituições no Reino e no Ultramar nos Tempos Modernos. In: Raphael Nunes Nicoletti Sebrian; Ariel José Pires; Edgar Ávila Gandra; Fernando Franco Netto. (Org.). Dimensões da Política na Historiografia. 1ªed.Campinas: Pontes Editores, 2008, v. , p. 25-38.

32.
BICALHO, M. F. B.. Dos 'Estados Nacionais' ao 'Sentido da Colonização': História Moderna e Historiografia do Brasil Colonial. In: ABREU, Martha: SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca. (Org.). Cultura Política e Leituras do Passado: Historiografia e Ensino de História. 1ªed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, v. , p. 67-87.

33.
BICALHO, M. F. B.. As noções de capitalidade no Rio de Janeiro sob a política pombalina. In: Nuno Gonçalo Monteiro; Ana Cristina Araújo; José Luís Cardos; Walter Rossa; José Vicente Serrão. (Org.). O Terramoto de 1755. Impactos Históricos. 1ed.Lisboa: Livros Horizonte, 2007, v. , p. 257-267.

34.
BICALHO, M. F. B.; PESSÔA, J. . Rio de Janeiro. In: José Pessôa; Giorgio Piccinato. (Org.). Atlas de Centros Históricos do Brasil. 1ed.Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2007, v. , p. 36-45.

35.
BICALHO, M. F. B.. La ville, les étrangers, la peur et la rébellion: Rio de Janeiro et les incursions françaises du XVIII. In: Jean-Yves Mérian. (Org.). Les Aventures des Bretons au Brèsil à l'Époque Coloniale. 1ed.Rennes: Les Portes du Large, 2007, v. , p. 185-195.

36.
BICALHO, M. F. B.. Joana d'Entremeuse: Uma Contrabandista entre a insinuação e a circusnpeção. In: VAINFAS, Ronaldo, SANTOS, Georgina; NEVES, Guilherme Pereira das. (Org.). Retratos do Império. Trajetórias individuais no Mundo Português (sécs. XVI-XIX). 1ªed.Niterói: Editora da UFF, 2006, v. , p. 99-115.

37.
BICALHO, M. F. B.. Pacto colonial, autoridades negociadas e o império ultramarino português. In: Maria Fernanda Baptista Bicalho; Rachel Soihet; Maria de Fátima Silva Gouvêa. (Org.). Culturas Políticas. Ensaios de História Cultural, História Política e Ensino de História. 1ed.Rio de Janeiro: MAUAD / Faperj, 2005, v. , p. 85-105.

38.
BICALHO, M. F. B.. Elites coloniais. A nobreza da terra e o governo das conquistas. História e historiografia. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo; CARDIM, Pedro; CUNHA, Mafalda Soares da. (Org.). Optma Pars. Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. 1ed.Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005, v. , p. 73-98.

39.
BICALHO, M. F. B.. Modos de Governar o Império. À guisa de introdução..... In: Maria Fernanda Bicalho; Vera Lúcia Amaral Ferlini. (Org.). Modos de Governar. Idéias e Práticas Políticas no Império Português. Séculos XVI a XIX. 1ed.São Paulo: Alameda Editorial, 2005, v. , p. 13-17.

40.
BICALHO, M. F. B.. O que significava ser cidadão nos tempos coloniais. In: SOIHET, Rachel; ABREU, Martha. (Org.). Ensino de História. Conceitos, Temáticas e Metodologia. 1ed.Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003, v. , p. 139-151.

41.
BICALHO, M. F. B.. Conquête, Privilèges et Administration de L'Empire Portugais: Les Chambres Municipales D'Outre-Mer. In: CARREIRA, Ernestine; SANTOS, Idelette Muzart-Fonseca. (Org.). Éclats d'Empire: du Brésil à Macao. 1ed.Paris: Maisonneuve & Larose, 2003, v. , p. 152-183.

42.
BICALHO, M. F. B.. Mediação, Pureza de Sangue e Oficiais Mecânicos. As Câmaras, as Festas e a Representação do Império Português. In: Eduardo França Paiva; Carla Maria Junho Anastasia. (Org.). O Trabalho Mestiço. Maneiras de Pensar e Formas de Viver. 1ed.São Paulo: Anablume/PPGH-UFMG, 2002, v. , p. 297-306.

43.
BICALHO, M. F. B.. As Câmaras Ultramarinas e o Governo do Império. In: João Fragoso; Maria Fernanda Baptista Bicalho; Maria de Fátima Silva Gouvêa. (Org.). O Antigo Regime nos Trópicos. A dinâmica imperial portuguesa. Séc XVI-XVIII. 1ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, v. , p. 189-221.

44.
BICALHO, M. F. B.. História do Brasil, História Moderna, História do Poder e das Idéias Políticas. In: José Jobson Arruda; Luís Adão da Fonseca. (Org.). Brasil Portugal: História agenda para o milênio. 1ed.São Paulo: EDUSC/FAPESP, 2000, v. , p. 143-166.

45.
BICALHO, M. F. B.. As Fronteiras do Saber e a Colonização do Novo Mundo. In: Flávio dos Santos Gomes. (Org.). Nas Terras do Cabo Norte : Fronteiras, colonização e Escravidão na Guiana Brasileira. Séculos XVIII / XIX. 1ed.Belém: Editora Universitária / UFPA, 1999, v. , p. 17-32.

46.
BICALHO, M. F. B.. A Cidade Colonial do Rio de Janeiro, entre o Mar e o Sertão. In: Ilmar Rohloff Mattos. (Org.). Ler e Escrever para Contar. Documentação, Historiografia e Formação do Historiador. 1ed.Rio de Janeiro: Access Editora, 1998, v. , p. 11-32.

47.
BICALHO, M. F. B.. A Imprensa Feminina e a Campanha Sufragista na Passagem do Século. In: Line Barreiro; Clyde Soto. (Org.). Ciudadanas : Una Memoria Inconstante. 1ed.Caracas: Centro de Documentación y Estudios / Editorial Nueva Sociedad, 1997, v. , p. 125-138.

48.
BICALHO, M. F. B.. A Arte da Sedução : A Representação da Mulher no Cinema Mudo Brasileiro. In: Albertina de Oliveira Costa; Cristina Bruschini. (Org.). Entre a Virtude e o Pecado, Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Rosa dos Ventos, 1992, v. 1, p. 89-118.

49.
BICALHO, M. F. B.. O Bello Sexo : Imprensa e Identidade Feminina no Rio de Janeiro em fins do Século XIX e início do XX. In: Albertina de Oliveira Costa; Cristina Bruschini. (Org.). Rebeldia e Sumissão : Estudos sobre Condição Feminina. 1ed.São Paulo: Editora Vértice / Fundação Carlos Chagas, 1989, v. , p. 79-101.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
BICALHO, M. F. B.. Uma Cidade em Pânico. Nossa História, Rio de Janeiro, p. 16 - 21, 01 jan. 2006.

2.
BICALHO, M. F. B.. Grão-Pará e Maranhão revisitados (Resenha dos Catálogos de fontes documentais do Grão-Pará, Maranhão e Rio Negro - Projeto Resgate). Estado de Minas (Suplemento Pensar), Belo Horizonte, p. 3 - 3, 24 abr. 2004.

3.
BICALHO, M. F. B.. Poder e Negócios (Resenha do livro Homens de Negócio - A Interiorização da Metrópole e do Comércio nas Minas Setecentistas, de Júnia Ferreira Furtado). Folha de São Paulo - Jornal de Resenhas, São Paulo, 09 out. 1999.

4.
BICALHO, M. F. B.. Uma História Diferente de Bruxas e Feiticeiras (Revista Ciência Hoje das Crianças - SBPC). Ciência Hoje das Crianças, Rio de Janeiro, p. 8 - 12, 01 abr. 1994.

5.
BICALHO, M. F. B.. Segredo de Estado. Revista de História (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, p. 32 - 36.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
BICALHO, M. F. B.. O conceito de "colonial" e suas diferentes temporalidades. In: VII Semana de Estudos Medievais, 2010, Brasília. Programa de Estudos Medievais: Por uma Longa Duração. Perspectivas dos Estudos Medievais no Brasil. Brasília: PEM/Universidade de Brasília, 2009. p. 77-100.

2.
BICALHO, M. F. B.. Uma Cidade-Capital nos Trópicos: o Rio de Janeiro no século XVIII. In: IX Seminário da História da Cidade e do Urbanismo, 2006, São Paulo. Anais do IX Seminário da História da Cidade e do Urbanismo, 2006.

3.
BICALHO, M. F. B.. Poder Régio e Poder Concelhio na disputa pela adminstração do espaço urbano do Rio de Janeiro: séculos XVII e XVIII.. In: Colóquio Internacional Universo Urbanístico Português (1415-1822), 2001, Lisboa. Colóquio Internacional Universo Urbanístico Português (1415-1822). Actas. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2001. v. 1. p. 321-334.

4.
BICALHO, M. F. B.. As Fronteiras da Negociação : as Câmaras Municipais na América Portuguesa e o Poder Central. In: XX Simpósio Nacional da ANPUH - História : Fronteiras, 1999, Florianópolis. História : Fronteiras. XX Simpósio Nacional da ANPUH. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP - ANPUH, 1999. v. 1. p. 467-483.

5.
BICALHO, M. F. B.. As Representações da Câmara do Rio de Janeiro ao Monarca e as Demonstrações de Lealdade dos Súditos Coloniais. Séculos XVII e XVIII. O Município no Mundo Português. In: O Município no Mundo Português. Seminário Internacional, 1998, Funchal. Anais do O Município no Mundo Português. Seminário Internacional. Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico / Secretaria Regional do Turismo e Cultura, 1998. p. 523-543.

Artigos aceitos para publicação
1.
BICALHO, M. F. B.. Negociation de la Distance: Les circuits de communication et de représentation des intérêts locaux (Amérique portugaise, XVe et XVIII siècles). Les Cahiers de Framespa, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Bens arquitetônicos, sociabilidade e patrimônio: a cidade do Rio de Janeiro entre a 'colônia' e o 'império'. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Comunidades diaspóricas africanas no Rio de Janeiro Setecentista e Oitocentista. 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.. A Documentação Ultramarina e os poderes territoriais e locais. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Caminhos da pesquisa sobre América portuguesa: perspectivas e desafios. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Flexibilidad y aplicación de las leyes a distancia en America colonial. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

6.
Bicalho, Maria Fernanda B.. 'O sítio que se eleger para a fundação da dita vila': o papel dos oficiais régios na urbanização do Brasil, século XVIII. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

7.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Conhecer e demarcar o território e fundar vilas: conselheiros e magistrados na gestão política e territorial da América portuguesa no reinado de D. João V. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

8.
Bicalho, Maria Fernanda B.. O Sol e a Lua: governo e representação do ultramar (Portugal e Castela, séculos XVI a XVIII). 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Entre o privado e o público: diálogos com Ronaldo Vainfas. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

10.
Bicalho, Maria Fernanda B.. A capitalidade territorial e atlântica do Rio de Janeiro durante um longo século XVIII (1680-1808). 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

11.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Os ouvidores e a criação de vilas no Brasil no século XVIII. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

12.
Bicalho, Maria Fernanda B.. O Rio de Janeiro: uma cidade entre o mar e o sertão. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

13.
Bicalho, Maria Fernanda B.. O ouvidor como ladrilhador: o discurso sobre o território e a fundação de vilas no Brasil, século XVIII. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

14.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Las principales fuerzas que tienen que defender Brasil son las del mismo Brasil: villas y ciudades en la construcción y defensa de los dominios portugueses en América. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

15.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Poder local e a experiência do ser 'cidadão' na período colonial: O Senado da Câmara do Rio de Janeiro nos séculos XVII e XVIII. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

16.
Bicalho, Maria Fernanda B.. 'Colônia ou conquista?' A Construção de identidades na América portuguesa na primeira metade do século XVIII. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

17.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Poder, política y sociedad en el Brasil colonial: debates y perspectivas historiográficas. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

18.
Bicalho, Maria Fernanda B.; MONTEIRO, N. G. . Las instituciones civiles de la monarquía portuguesa en la Edad Moderna: centro y periferia del imperio en perspectiva comparada. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

19.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Rotas, redes e trajetórias no Atlântico Sul: mecanismos de composição e de integração do Império português. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
Bicalho, Maria Fernanda B.. História, urbanismo e patrimônio luso-brasileiro: diálogos possíveis e uma experiência atual. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

21.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Historiografia. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

22.
BICALHO, M. F. B.. O sistema de conc(s)elhos na monarquia pluricontinental. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

23.
BICALHO, M. F. B.; MONTEIRO, N. G. . Atores institucionais e comunicação política na monarquia pluricontinental. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

24.
BICALHO, M. F. B.. Redesenhando fronteiras, ampliando jurisdições: o Rio de Janeiro no período filipino. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

25.
BICALHO, M. F. B.. Como administrar e defender uma cidade ulturamarina no século XVIII? Conflitos de jurisdição entre oficiais régios e camaristas no Rio de Janeiro. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

26.
BICALHO, M. F. B.. Redesenhando fronteiras, redefinindo jurisdições. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

27.
BICALHO, M. F. B.. Trajetória Familiar e Ofício na Monarquia: os secretários do Conselho Ultramarino entre finais dos séculos XVII e XVIII. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

28.
BICALHO, M. F. B.. Rotas, Redes e Trajetórias no Atlântico-Sul: séculos XVII e XVIII. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

29.
BICALHO, M. F. B.. Privilégios, direitos e exclusão nos significados da cidadania no Brasil, séculos XVII-XIX. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

30.
BICALHO, M. F. B.. Facetas do Poder e Redes Administrativas na América Portuguesa. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

31.
BICALHO, M. F. B.; MONTEIRO, N. G. . A comunicação política na monarquia portuguesa de Antigo Regime (séculos XVII - XVIII). Um projeto. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

32.
BICALHO, M. F. B.. Cartas e Representações das Câmaras no acervo do Conselho Ultramarino. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

33.
BICALHO, M. F. B.. História Administrativa e Comunicação Política no Império Ultramarino Português: séculos XVII e XVIII. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

34.
BICALHO, M. F. B.. Guerras e Império: o Rio de Janeiro como moeda de negociação. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

35.
BICALHO, M. F. B.. Pluralidade Jurisdicional: Uma leitura sobre a administração e o governo no Império Português. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

36.
BICALHO, M. F. B.. Historiografia Colonial. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

37.
BICALHO, M. F. B.; ARAÚJO, Renata K. Malcher . El Rei Nosso Senhor mandou pelos conselheiros do seu Conselho Ultramarino. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

38.
BICALHO, M. F. B.. Por que é que os domínios ultramarinos portugueses eram portugueses? Ou o Antigo Regime nos Trópicos. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

39.
BICALHO, M. F. B.. Trajetória familiar e experiência administrativa: Secretário do Conselho Ultramarino entre finais do século XVII e XVIII. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

40.
BICALHO, M. F. B.. L'esclavage africain au Brésil: bilan d'une historiographie en pleine mutation. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

41.
BICALHO, M. F. B.. Os Poderes do Centro: O Conselho Ultramarino e seus fundos documentais. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

42.
BICALHO, M. F. B.. Onde habitam os nobres? Corte e espaços de moradia e de sociabilidade cortesã no Rio de Janeiro joanino. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

43.
BICALHO, M. F. B.. História Político-Administrativa do Brasil Colonial. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

44.
BICALHO, M. F. B.. Réseaux et conections de la contrebande aus XVIIII siècle: Les affaires et les aventures de la Française Jeanne d'Entremeuse. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

45.
BICALHO, M. F. B.; CARDIM, P. ; ARAÚJO, Renata K. Malcher ; KANTOR, Iris . Representação e configurações do território: estratégias de comunicação política no império português (séculos XVII e XVIII). 2010. (Apresentação de Trabalho/Outra).

46.
BICALHO, M. F. B.. Uma capital em dois tempos: A transferência da sede do vice-reinado e da corte portuguesa para o Rio de Janeiro. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

47.
BICALHO, M. F. B.; MARIZ, Vasco . A Grande Ameaça de Luís XIV: a expedição abortada do Conde d'Estaing. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

48.
BICALHO, M. F. B.. Ascensão e queda dos Lopes de Lavre. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

49.
BICALHO, M. F. B.. Labiririnto dos Negócios: Secretaria e Secretários do Conselho Ultramarino. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

50.
BICALHO, M. F. B.. Uma Nova Versalhes? Os espaços de moradia e de sociabilidade cortesã no Rio de Janeiro joanino. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

51.
BICALHO, M. F. B.. "Ao Conselho parece... porém V.M. deferirá o que for mais conveniente ao seu Real serviço": O Conselho Ultramarino e a política imperial. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

52.
BICALHO, M. F. B.. O conceito de colonial e suas diferentes temporalidades. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

53.
BICALHO, M. F. B.. A Construção Política do Espaço no Brasil Meridional. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

54.
BICALHO, M. F. B.. Cultura Política e Sociedade de Corte. O vice-reinado no Rio de Janeiro (1763-1808). 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

55.
BICALHO, M. F. B.. Espaços de comunicação e de decisão da política ultramarina (1643-1750). 2008. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

56.
BICALHO, M. F. B.. Gobernadores generales y virreyes en la America portuguesa. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

57.
BICALHO, M. F. B.. L'Intendance Générale de Police de la ville de Rio de Janeiro, capitale de la monarchie et de l' empire portuguais (1808-1820). 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

58.
BICALHO, M. F. B.. Novas Perspectivas para a História do Estado e da Administração Pública. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

59.
BICALHO, M. F. B.. O Conselho Ultramarino e o Império Português. 2008. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

60.
BICALHO, M. F. B.. O Rio de Janeiro, Capital do Estado do Brasil e Corte Vice-Reinal. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

61.
BICALHO, M. F. B.. Cultura Política, Governo e Jurisdição no Antigo Regime e na América Portuguesa: Uma releitura do ofício de vice-rei do Estado do Brasil. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

62.
BICALHO, M. F. B.. O Rio de Janeiro: uma capital entre dois impérios. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

63.
BICALHO, M. F. B.. Centralização Monárquica, Política Ultramarina e Elites Coloniais: séculos XVII-XVIII. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

64.
BICALHO, M. F. B.. Discussão, Negociação e Gestão da Política Ultramarina: A América portuguesa no alvorecer do século XVIII. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

65.
BICALHO, M. F. B.. El Antiguo Régimen en los Tropicos: La Dinámica Imperial Portuguesa (siglos XVI-XVIII). 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

66.
BICALHO, M. F. B.. História e Memória do Império Português: O patrimônio documental do Arquivo Histórico Ultramarino e uma nova escrita da História Colonial. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

67.
BICALHO, M. F. B.. Le Concept d'Empire Portugais. Un débat historiographique. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

68.
BICALHO, M. F. B.. Les Villes-Ports de l'Empire Portugais. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

69.
BICALHO, M. F. B.. O Arquivo Histórico Ultramarino e as novas perspectivas historiográficas sobre a monarquia e o império português no Antigo Regime. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

70.
BICALHO, M. F. B.. Poder, Política e Instituições no Reino e no Ultramar português nos Tempos Modernos. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

71.
BICALHO, M. F. B.. Rio de Janeiro: Capital Colonial, Capital Imperial. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

72.
BICALHO, M. F. B.. Une Capitale sous les Tropiques. La ville de Rio de Janeiro, siège de la monarchie portugaise (1808-1820). 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

73.
BICALHO, M. F. B.. So 'Sentido da Colonização' aos 'Sentidos do Império': História e Historiografia do Brasil Colonial. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

74.
BICALHO, M. F. B.. 'Se acham reduzidos ao sistema de que a América é conquista e não colônia': A construção das elites na América portuguesa. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

75.
BICALHO, M. F. B.. Uma Cidade Capital nos Trópicos: O Rio de Janeiro no século XVIII. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

76.
BICALHO, M. F. B.. A Experiência da França Antártica, o corso, a conquista e a 'peçonha luterana'. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

77.
BICALHO, M. F. B.. A Fronteira dos Impérios: conexões políticas, conflitos e interesses portugueses na região platina. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

78.
BICALHO, M. F. B.. As Noções de Capitalidade no Rio de Janeiro sob a política pombalina. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

79.
BICALHO, M. F. B.. Da Colônia ao Império: Um percurso historiográfico. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

80.
BICALHO, M. F. B.. Joana d'Entremeuse, uma contrabandista entre a insinuação e a circunspecção. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

81.
BICALHO, M. F. B.. La Ville, les étrangers, la peur et la rébellion: Rio de Janeiro et les incursions françaises au XVIIIème siècle. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

82.
BICALHO, M. F. B.. Cultura Política, Autoridades Negociadas e o Império Ultramarino Português. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

83.
BICALHO, M. F. B.. O controle dos chãos urbanos e a administração da cidade colonial: Rio de Janeiro, séculos XVII e XVIII. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

84.
BICALHO, M. F. B.. Os Sentidos do Império: como administrar um novo conceito. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

85.
BICALHO, M. F. B.. Política Imperial, Redes de Poder e Elites Locais: autoridades negociadas e modos de governar. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

86.
BICALHO, M. F. B.. 'Sem Brasil, Portugal é uma insignificante potência': Política Ultramarina e visão imperial nos tempos de Pombal. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

Outras produções bibliográficas
1.
BICALHO, M. F. B.. Prefácio. Rio de Janeiro, 2017. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

2.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Um nobre servidor do rei e de seu império. Curitiba, 2016. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Conectando Histórias e Historiografias. Natal, 2013. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

4.
BICALHO, M. F. B.. Prefácio. Recife, 2012. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

5.
BICALHO, M. F. B.. Periferias, Fronteiras, Redes e Agentes. Vitória, 2011. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

6.
BICALHO, M. F. B.. Prefácio. Grandes Dourados, 2011. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

7.
BICALHO, M. F. B.. Apresentação. Rio de Janeiro, 2010. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

8.
BICALHO, M. F. B.. Apresentação. Niterói & Imperatriz/Maranhão, 2009. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

9.
BICALHO, M. F. B.. Prefácio. Porto Alegre, 2008. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

10.
BICALHO, M. F. B.. Urca / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do RJ, 2006 (Verbete).

11.
BICALHO, M. F. B.. Pão de Açúcar / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Sec. de estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

12.
BICALHO, M. F. B.. Aterro do Flamengo / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

13.
BICALHO, M. F. B.. Monumento a Estácio de Sá / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

14.
BICALHO, M. F. B.. Museu Carmem Miranda / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

15.
BICALHO, M. F. B.. Marina da Glória / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

16.
BICALHO, M. F. B.. Monumentos aos Mortos da Segunda Guerra Mundial / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

17.
BICALHO, M. F. B.. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

18.
BICALHO, M. F. B.. Aeroporto Santos Dumont / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

19.
BICALHO, M. F. B.. Praça XV de Novembro / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

20.
BICALHO, M. F. B.. Espaço Cultural da Marinha / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

21.
BICALHO, M. F. B.. Tribunal Marítimo / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

22.
BICALHO, M. F. B.. Museu de Limpeza Urbana. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

23.
BICALHO, M. F. B.. Casa França-Brasil / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

24.
BICALHO, M. F. B.. Mosteiro de São Bento / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

25.
BICALHO, M. F. B.. Ponte Rio-Niterói / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

26.
BICALHO, M. F. B.. Porto do Rio de Janeiro / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

27.
BICALHO, M. F. B.. Estação Guia de Pacopaíba - Estrada de Ferro Mauá / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

28.
BICALHO, M. F. B.. Praia de Mauá / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

29.
BICALHO, M. F. B.. Igreja de Nossa Senhora da Guia de Pacabaíba / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

30.
BICALHO, M. F. B.. Porto da Piedade / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

31.
BICALHO, M. F. B.. Igreja de São Francisco de Croará / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

32.
BICALHO, M. F. B.. Porto de Estrela / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

33.
BICALHO, M. F. B.. Caminho de Inhomirim / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

34.
BICALHO, M. F. B.. Mercado de São Pedro / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

35.
BICALHO, M. F. B.. Caminho Niemeyer / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

36.
BICALHO, M. F. B.. Centro Comercial e Cultural da Cantareira / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

37.
BICALHO, M. F. B.. Capela e Cemitério do Maruí / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

38.
BICALHO, M. F. B.. Igreja de São Francisco Xavier / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

39.
BICALHO, M. F. B.. Estação Hidroviária de Charitas / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

40.
BICALHO, M. F. B.. Campus do Gragoatá / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio e Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

41.
BICALHO, M. F. B.. Ilha da Conceição / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

42.
BICALHO, M. F. B.. Ponta d'Areia - Portugal Pequeno / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

43.
BICALHO, M. F. B.. Quinta do Caju / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

44.
BICALHO, M. F. B.. Jurujuba e Igreja de São Pedro de Jurujuba / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbetes).

45.
BICALHO, M. F. B.. Complexo da Maré / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

46.
BICALHO, M. F. B.. Fortes / Fortalezas: Gragoatá; Santa Cruz; Barão do Rio Branco; São João; Pico e São Luiz; Boa Viagem / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbetes).

47.
BICALHO, M. F. B.. Ilha do Governador / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

48.
BICALHO, M. F. B.. Ilha do Fundão / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

49.
BICALHO, M. F. B.. Ilhas: D'Água; Redonda de Dentro; do Bom Jesus da Coluna; Fiscal; de Villegagnon; das Cobras; das Enxadas; do Boqueirão; do Rijo; das Flores; de Mocanguê; de Boa Viagem; do Brocoió; do Sol; da Laje / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbetes).

50.
BICALHO, M. F. B.. Ilha de Paquetá / Rio de Janeiro em Mapas - Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

51.
BICALHO, M. F. B.. Praias: de Icaraí; Praia Grande; Praia-Enseada de São Francisco; de Adão e Eva; das Flexhas; de Ramos; do Flamengo; de Botafogo / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbetes).

52.
BICALHO, M. F. B.. Instituto Histórico e Cultural da Aeronáutica (antiga estação hidroviária) / Rio de Janeiro em Mapas. Rio de Janeiro: FAPERJ / Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2006 (Verbete).

53.
BICALHO, M. F. B.. Jornal do Profesor (para os professores da Rede Municipal do Rio de Janeiro). Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio, 2000 (Brochura).

54.
BICALHO, M. F. B.. Cinearte 1926 - 1930 : A Política do Estrelismo, in Papéis Avulsos. Rio de Janeiro: CIEC / UFRJ, 1989 (Brochura).


Produção técnica
Assessoria e consultoria
1.
BICALHO, M. F. B.. Consultoria na Área de Pesquisas Acadêmicas e Institucionais da Fundação Ford no ãmbito do Rio de Janeiro. 1986.

Trabalhos técnicos
1.
BICALHO, M. F. B.. Membro da Equipe de Pareceristas do PNLD - MEC. 2010.

2.
BICALHO, M. F. B.. Membro da Equipe de Pareceristas do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) - MEC. 2006.

3.
BICALHO, M. F. B.. Membro da Equipe de Pareceristas do PNELEM- MEC 2007. 2005.

4.
BICALHO, M. F. B.. Membro da Equipe de Pareceristas do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) - MEC. 2004.


Demais tipos de produção técnica
1.
BICALHO, M. F. B.. O Conselho Ultramarino. História e Fundos Documentais (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

2.
BICALHO, M. F. B.. Economia, Sociedade e Poder na Ordem Escravista (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

3.
BICALHO, M. F. B.. Poderes Locais e Poder Central (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

4.
BICALHO, M. F. B.. Hierarquias e Fluidez na Sociedade Colonial (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

5.
BICALHO, M. F. B.. Conflitos Ultramarinos entre a Pirataria e a Guerra (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História Moderna - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

6.
BICALHO, M. F. B.. Monarquia Ibérica, corporativismo e poder polissinodal (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História Moderna - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

7.
BICALHO, M. F. B.. O Barroco e os símbolos do poder (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História Moderna - UFF). 2005. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

8.
BICALHO, M. F. B.. Elites Locais e Conjunturas Políticas do Império Português: Rio de Janeiro e Salvador, 1640-1703. 2004. (Relatório de pesquisa).

9.
BICALHO, M. F. B.. Formação Política do Império Colonial (Curso de Pós-graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2003. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

10.
BICALHO, M. F. B.. Sociedade e Poder na Ordem Escravista (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2003. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

11.
BICALHO, M. F. B.. O Conselho Ultramarino - História e Fundos Documentais (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2003. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

12.
BICALHO, M. F. B.. O Brasil no Contexto do Império Colonial Português (Curso de Especialização em História do Brasil - UCAM). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

13.
BICALHO, M. F. B.. O Nordeste e as Guerras do Açúcar no Século XVII (Curso de Especialização em História do Brasil - UCAM). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

14.
BICALHO, M. F. B.. Poderes Locais e Poder Central (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - UFF). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

15.
BICALHO, M. F. B.. Brasil Colonial: Estruturas de Poder (Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil - Faculdade de Filosofia de Campos). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

16.
BICALHO, M. F. B.. A Idade do Ouro: Minieração, Hierarquia e Rebeldia no Século XVIII (Curso de Especialização em História do Brasil - UCAM). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

17.
BICALHO, M. F. B.. A Idade do Ouro: Mineração, Hierarquia e Rebeldia no Século XVIII (Curso de Especialização em História do Brasil - UCAM). 2002. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

18.
BICALHO, M. F. B.. Organização do Dossiê intitulado Política e Administração no Mundo Luso-Brasileiro na Revista Tempo, vol. 7, nº 13. 2002. (Editoração/Periódico).

19.
BICALHO, M. F. B.. Poder Local e Negociação no Império Português: Rio de Janeiro e Salvador. Séculos XVII/XVIII. 2002. (Relatório de pesquisa).

20.
BICALHO, M. F. B.. O Rio de Janeiro e o Império Português no século XVIII. 2001. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

21.
BICALHO, M. F. B.. História Cultural e Parâmetros Curiculares Nacionais. 2001. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

22.
BICALHO, M. F. B.. Poderes Locais no Império Português: As Câmaras Municipais na América no Século XVIII. 2001. (Relatório de pesquisa).

23.
BICALHO, M. F. B.. Espaço Urbano Colonial no Império Português. 1999. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

24.
BICALHO, M. F. B.. Centro e periferia: As Câmaras Municipais no Mundo Português. Séculos XVII e XVIII. 1999. (Relatório de pesquisa).

25.
BICALHO, M. F. B.. Cultura e Poder na Península Ibérica : Inquisição, Cristãos-Novos e Catolicismo Popular - disciplina ministrada junto ao Núcleo de Pós-Graduação e Extensão. 1993. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

26.
BICALHO, M. F. B.. A República : Das Origens à Dominação Oligárquica. 1990. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

27.
BICALHO, M. F. B.. Metodologia da Pesquisa Antropológica. 1990. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

28.
BICALHO, M. F. B.. A Arte da Sedução : A Representação da Mulher no Cinema Mudo Brasileiro. 1990. (Relatório de pesquisa).

29.
BICALHO, M. F. B.. A Mulher no Cinema Mudo no Brasil. 1988. (Relatório de pesquisa).

30.
BICALHO, M. F. B.. O Bello Sexo : A Construção da Identidade Feminina no Rio de Janeiro em Fins do Século XIX e Início do Século XX. 1987. (Relatório de pesquisa).

31.
BICALHO, M. F. B.. O Período Pré e Pós-Natal : Estudo de uma Política Assistencial sob uma Ótica Interativa. 1985. (Relatório de pesquisa).

32.
BICALHO, M. F. B.. O Governo Presidencial do Brasil, 1889-1930. 1981. (Relatório de pesquisa).

Demais trabalhos
1.
BICALHO, M. F. B.. Bolsa para a realização do Doutorado concedida pela Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior ( CAPES ). 1994 (Concurso) .

2.
BICALHO, M. F. B.. Aprovação em Concurso Público para Professor Assistente de História do Brasil pelo Departamento de História da UFF. 1991 (Concurso) .

3.
BICALHO, M. F. B.. Aprovação em Concurso Público para Professor Assistente de História do Brasil, realizado pelo Departamento de História da UERJ. 1990 (Concurso) .

4.
BICALHO, M. F. B.. Bolsa de Mestrado concedida pelo Conselho Nacional de Pesquisa ( CNPq ) quando da aprovação no Concurso para realização de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional - UFRJ. 1983 (Concurso) .

5.
BICALHO, M. F. B.. Aprovação em Concurso Público para o Magistério do Estado do Rio de Janeiro. 1982 (Concurso) .

6.
BICALHO, M. F. B.. Aprovação em Concurso para Estágio de Pesquisa pelo Centro de História da Fundação Casa de Rui Barbosa. 1978 (Concurso) .



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J.; FIGUEIREDO, L. R. A.. Participação em banca de Douglas Corrêa de Paulo Santos. Os Amaral Gurgel: Família, poder e violência na América portuguesa (c. 1600 - c. 1725). 2017. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

2.
RICÚPERO, Rodrigo; MEGIANI, A. P.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Mario Francisco Simões Júnior. A Secretaria de Estado do Ultramar e Diogo de Mendonça Corte Real: inflexões na administração central do Império português (1750-1756). 2017. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em História Econômica) - Universidade de São Paulo.

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.; RAMINELLI, R.; FRAGOSO, J.. Participação em banca de Alexandre de Carvalho Pelegrino. Donatários e poderes locais no Maranhão seiscentista (1621-1701. 2015. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

4.
NEVES, G. P.; BICALHO, M. F. B.; MACEDO, P. E. V. B.. Participação em banca de Flavio Lemos Alencar. A política religiosa da monarquia inglesa sob Jaime I e a crítica de Francisco Suárez na "Defensio Fidei" (1613). 2012. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

5.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, George Felix Cabral de. Participação em banca de Breno Almeida Vaz Lisboa. Uma Elite em Crise: a açucarocracia de Pernambuco e a Câmara Municipal de Olinda nas primeiras décadas do século XVIII. 2011. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-graduação em História - UFPE) - Universidade Federal de Pernambuco.

6.
SOARES, Mariza de Carvalho; GANDELMAN, L.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Camila Baptista Dias. A pesca da baleia no Brasil colonial: Contratos e contratadores do Rio de Janeiro no século XVII. 2010. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

7.
CAVALCANTE, Paulo; OLIVEIRA, A. J. M. de; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Victor Hugo Abril. Governança no Ultramar: Conflitos e descaminhos no Rio de Janeiro (1733-1743). 2010. Dissertação (Mestrado em Historia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

8.
CAVALCANTE, Paulo; SANCHES, Marcos Guimarães; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Valter Lenine Fernandes. Os contratadores e o contrato da dízima da Alfândega da cidade do Rio de Janeiro (1726-1743). 2010. Dissertação (Mestrado em Historia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

9.
GUIMARAES, C. G.; SAMPAIO, A. C. J.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Thiago Nicodemos Enes dos Santos. De como administrar cidades e governar impérios: almotaçaria portuguesa, os mineiros e o poder (1745-1808). 2010. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

10.
NEVES, G. P.; GRIMBERG, K.; SANTOS, A. C. de A.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Gilmar Araújo Alvim. Linguagens do poder no Portugal setecentista: um estudo a partir da Dedução Cronológica e Analítica (1767). 2010. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

11.
RAMINELLI, R.; BICALHO, M. F. B.; RICÚPERO, Rodrigo. Participação em banca de Thiago Nascimento Krause. Em busca da honra: a remuneração dos serviços da guerra holandesa e os hábitos das Ordens Militares (Bahia e Pernambuco, 1641-1683). 2010. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

12.
MONTEIRO, R. B.; BICALHO, M. F. B.; PUNTONI, P.. Participação em banca de Letícia dos Santos Ferreira. Amor, sacrifício e lealdade: o donativo para o casamento de Catarina de Bragança e para a paz de Holanda (Bahia, 1661-1725). 2010. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

13.
OLIVEIRA, Almir Leal; CAVALCANTE, M. J. M.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Gabriel Parente Nogueira. Fazer-se Nobre nas Fímbrias do Império: práticas de nobilitação e hierarquia social da elite camarária de Santa Cruz do Aracati (1748-1804). 2010. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Ceará.

14.
BICALHO, M. F. B.; VAINFAS, R.; OLIVEIRA, A. J. M. de. Participação em banca de Yllan de Mattos Oliveria. A Última Inquisição: os meios de ação e funcionamento da Inquisição no Grão-Pará pombalino (1763-1769). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense.

15.
BICALHO, M. F. B.; RAMINELLI, R.; SANCHES, Marcos Guimarães. Participação em banca de Isabele de Matos Pereira de Mello. Administração, Justiça e Poder: Os ouvidores-gerais e suas correições na cidade do Rio de Janeiro (1624-1696). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense.

16.
BICALHO, M. F. B.; RAMINELLI, R.; PUNTONI, P.. Participação em banca de José Eudes Arrais Barroso Gomes. As Milícias d'El Rey: Tropas militares e poder no Ceará Setecentista. 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense.

17.
BICALHO, M. F. B.; CARRARA, Angelo Alves; OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Participação em banca de Michelle Cardoso Brandão. Forjando status e construindo autoridade: perfil dos homens bons e formação da primeira elite social em vila do Carmo (1711-36). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Juiz de Fora.

18.
BICALHO, M. F. B.; CAVALCANTE, Paulo; MONTEIRO, R. B.. Participação em banca de Lincoln Marques dos Santos. O 'saber mandar com modo' na América: a experiência administrativa de D. Lourenço de Almeida em Pernambuco (1715-1718) e Minas Gerais (1721-1727). 2009. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

19.
SAMPAIO, A. C. J.; FRAGOSO, J.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Fernanda Fioravante. Às custas do sangue, fazenda e escravos: formas de enriquecimento e padrão de ocupação dos ofícios da Câmara de Vila Rica, c. 1711-c.1736. 2008. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

20.
BICALHO, M. F. B.; SOARES, Mariza de Carvalho; FERREIRA, Roberto Guedes. Participação em banca de Denise Vieira Demétrio. Famílias Escravas no Recôncavo da Guanabara: séculos XVII e XVIII. 2008. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

21.
BICALHO, M. F. B.; DOMINGUES, A.; COSTA, J. P. O.; CARDIM, P.. Participação em banca de Anderson de Freitas Fonseca. Caminho Novo: a realidade de uma Estrada Real (1700-1725). 2007. Dissertação (Mestrado em História dos Descobrimentos e da Expansão) - Universidade Nova de Lisboa.

22.
BICALHO, M. F. B.; Mattos, Hebe; SAMPAIO, A. C. J.. Participação em banca de Clara Maria Farias de Araújo. Govenadores das Nações e Corporações: cultura popular e hierarquias de cor em Pernambuco (1776-1817). 2007. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

23.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Mônica da Silva Ribeiro. "Razão de Estado" e Administração: Gomes Freire de Andrada no Rio de Janeiro, 1733-1748. 2006. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

24.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.; FRAGOSO, J.. Participação em banca de Gabriel Almeida Frazão. Amizades no Papel: Antônio Vieira e o assassinato do Alcaide-Mór da Bahia (1682-1692). 2006. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

25.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Adriano Comissoli. Os 'Homens Bons' e a Câmara de Porto Alegre (1767-1808). 2006. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense.

26.
BICALHO, M. F. B.; SAMPAIO, A. C. J.; FRAGOSO, J.. Participação em banca de Grasiela Fragoso da Costa. A Casa da Moeda do Rio de Janeiro: a instituição e seus membros, c. 1694 a c. 1750. 2006. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

27.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J.; ALMEIDA, C.. Participação em banca de Carlos Leonardo Kelmer Mathias. Jogos de Interesses e estratégias de ação no contexto da revolta mineira de Vila Rica, c. 1709-c.1736. 2005. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

28.
BICALHO, M. F. B.; ALMEIDA, M. R. C.; FERNANDES, E. B. B.. Participação em banca de Silene Orlando Ribeiro. De Índios a Guerreiros Reais: a trajetória da Aldeia de São Pedro de Cabo Frio. Séculos XVII-XVIII. 2005. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

29.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.; FRAGOSO, J.. Participação em banca de Lívia Maurício Scheiner. Uma questão de projetos: o Senado da Câmara e a Intendência da Polícia na gestão do espaço urbano da Corte. Rio de Janeiro (1808-1821). 2004. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

30.
BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Simone Ribeiro Nolasco. As Devoções na Vila do Senhor Bom Jesus do Cuiabá - o culto aos padroeiros - 1723-1808.. 2002. Dissertação (Mestrado em Pós Graduação de História) - Universidade Federal de Mato Grosso.

31.
GUIMARAES, C. G.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Luiz Antônio Silva Araújo. Contratos e tributos nas Minas Setecentistas: o estudo de um caso - João de Souza Lisboa (1745-1765). 2002. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense.

32.
BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Daniela Santos Barreto. A Qualidade do Artesão: Contribuição ao Estudo da Estrutura Social e Mercado Interno na Cidade do Rio de Janeiro, c 1690- c. 1750.. 2002. Dissertação (Mestrado em Pós Graduação de História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

33.
BARBOSA, R. M. E.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Roberta Martinelli e Barbosa. Temor e Revolta: o medo na cidade do Rio de Janeiro setecentista. 2001. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

34.
DAHER, A. V.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Carla Maria de Mendonça Molinari. Cartas do Japão: A conversão dos japoneses no corpus epistolar jesuítico português (1548-1588). 2000. Dissertação (Mestrado em Pós Graduação de História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

35.
RAMINELLI, R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Marcos Dias de Araújo. Os Jesuítas no Grão-Pará e Maranhão. 1999. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Paraná.

Teses de doutorado
1.
PEREIRA, M. A. C. S.; CABRAL, M. C.; ROCHA-PEIXOTO, G.; PÁDUA, J. A.; Bicalho, Maria Fernanda B.. Participação em banca de Mario Luís Carneiro Pinto de Magalhães. O pensamento urbano de José Bonifácio (1819-1823): arqueologia de um saber sem nome. 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Urbanismo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

2.
PEREIRA, M. A. C. S.; MOREIRA, R. F. D.; VAZ, L. F.; AZEVEDO, M. N. S.; SILVA, M. A.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Juliana Coelho Loureiro. A invenção da rua: o tratado de ruação de José de Figueiredo Seixas (1762-1763). 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Urbanismo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

3.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, George Felix Cabral de; RAMINELLI, R.; VAINFAS, R.; MOREIRA, V. M. L.. Participação em banca de José Inaldo Chaves Júnior. As capitanias de Pernambuco e a construção dos territórios e das jurisdições na América portuguesa (século XVIII). 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

4.
Bicalho, Maria Fernanda B.; CUNHA, M. S.; MONTEIRO, N. G.; CARDIM, P.; RODRIGUES, J. D.; SERRÃO, J. V.. Participação em banca de António Maria Caldeira Rebeiro Castro Nunes. Comunicação e prática política nas monarquias ibéricas de Antigo Regime (1700-1750): Évora, Córdova, Ouro Preto e Quito. 2016. Tese (Doutorado em Doutoramento Interuniversitário em História: Mudança e continuidade) - Universidade de Évora.

5.
FIGUEIREDO, L. R. A.; FERNANDES, E. B. B.; LIMA, I. S.; PEREIRA, L. A. M; Bicalho, Maria Fernanda B.. Participação em banca de Roberta Martinelli e Barbosa. As festas reais no Rio de Janeiro (segunda metade do século XVIII). 2016. Tese (Doutorado em História Social da Cultura) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

6.
ARAUJO, D. O.; MEDICI, A. P.; SOUSA, A. P.; MASCARENHAS, M. J. R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Eduardo José Santos Borges. Viver sob as leis da nobreza. A casa dos Pires de Carvalho e Albuquerque e as estratégias de ascensão social na Bahia do século XVIII. 2015. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em História) - Universidade Federal da Bahia.

7.
Bicalho, Maria Fernanda B.; FERLINI, V. L. A.; RICÚPERO, Rodrigo; SIQUEIRA, M. I.; MELLO, I. M. P.. Participação em banca de Victor Hugo Abril. Governadores Interinos. Cotidiano administrativo e trajetórias no Rio de Janeiro (c.1705 - c.1750). 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

8.
RAMINELLI, R.; FRAGOSO, J.; SAMPAIO, A. C. J.; BICALHO, M. F. B.; Francisco Cosentino. Participação em banca de Luiz Guilherme Scaldaferri Moreira. Os ofícios superiores e inferiores da tropa paga na capitania do Rio de Janeiro, 1640-1652. Lógica social, circulação e a governança da terra. 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

9.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J.; Francisco Cosentino; FONSECA, C. D.. Participação em banca de Marcello José Gomes Loureiro. Iustitiam Dare: A gestão da Monarquia Pluricontinental. Conselhos Superiores, pactos, articulações e o goveno da monarquia portuguesa (1640-1668). 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

10.
BICALHO, M. F. B.; PUNTONI, P.; FERLINI, V. L. A.; MEGIANI, A. P.; MONTEIRO, R. B.. Participação em banca de Cassiana Maria Mingotti Gabrrielli Gomes. Diplomacia e concorrência colonial. Portugal e França (1640-1715). 2014. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade de São Paulo.

11.
GUIMARAES, C. G.; ALMEIDA, C.; SAMPAIO, A. C. J.; CHAVES, C. M. G.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Raphael Freitas Santos. Minas com Bahia: Mercados e negócios em um circuito mercantil setecentista. 2013. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

12.
FRAGOSO, J.; SAMPAIO, A. C. J.; FERREIRA, Roberto Guedes; BICALHO, M. F. B.; Francisco Cosentino. Participação em banca de Fernanda Fioravante Kelmer Mathias. Em nome d'El Rei: As câmaras no processo de implantação do poder régio nas Minas, c.1711-c.1750. 2012. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

13.
RAMINELLI, R.; VAINFAS, R.; FEITLER, Bruno; GANDELMAN, L.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Jorge Victor de Araújo Souza. Para Além do Claustro: Uma história social da inserção beneditina na América portuguesa, c. 1580-c1690. 2011. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

14.
PUNTONI, P.; BICALHO, M. F. B.; KANTOR, Iris; Lopes, José Reinaldo de Lima; Gonçalves, A. L.. Participação em banca de Maria Lúcia Resende Chaves Teixeira. As cartas de seguro: de Portugal para o Brasil Colônia. O perdão e a punição nos processos-crimes das Minas do Ouro (1769-1831). 2011. Tese (Doutorado em História Econômica) - FFLCH - USP.

15.
FRAGOSO, J.; CARVALHO, José Murilo de; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Adriano Comissoli. A serviço da Sua Majestade: administração, elites e poderes no extremo meridional brasiileiro (1808c-1831c). 2011. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

16.
FIGUEIREDO, L. R. A.; SOUZA, L. M. E.; BOSCHI, C. C.; BICALHO, M. F. B.; MONTEIRO, R. B.. Participação em banca de Irenilda Reinalda Barreto de Rangel Moreira Cavalcanti. O comissário real Martinho de Mendonça (1693-1743): Estratégias e práticas administrativas na primeira metade do século XVIII. 2010. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Comunicação) - Universidade Federal Fluminense.

17.
OLIVEIRA, Cecília Helena L. de Salles; SOUZA, L. M. E.; FERLINI, V. L. A.; Algranti, Leila M.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Ana Paula Medicci. Administrando conflitos: o exercício do poder e os interesses mercantis na capitania/província de São Paulo. 2010. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP.

18.
BICALHO, M. F. B.; MUNIZ, D. do C. G.; KIRSCHNER, T. C.; COELHO, M. F. P. da C.. Participação em banca de Roberta Giannubilo Stumpf. Cavaleiros do Ouro e outras Trajetórias Nobilitantes: as solicitações de hábitos das Ordens Militares nas Minas Setecentistas. 2009. Tese (Doutorado em História) - Universidade de Brasília.

19.
BICALHO, M. F. B.; RAMINELLI, R.; KANTOR, Iris; ROMEIRO, Adriana; FIGUEIREDO, L. R. A.. Participação em banca de Marcos Aurélio de Paula Pereira. Vivendo entre Cafres: vida e política do Conde de Assumar no Ultramar, 1688-1756. 2009. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

20.
BICALHO, M. F. B.; MONTEIRO, N. G.; RAMINELLI, R.; OSORIO, H.; FRAGOSO, J.. Participação em banca de Rodrigo Ceballos. Arribadas Portuguesas: a participação luso-brasileira na constituição social de Buenos Aires (c.1580-c.1680). 2008. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

21.
GUIMARAES, C. G.; FERLINI, V. L. A.; FIGUEIREDO, L. R. A.; CARRARA, A. A.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Luiz Antônio Silva Araújo. Em nome do Rei: Direitos e Tributos Régios Minas Setecentistas (1730-1789). 2008. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

22.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, L. M. E.; GOUVÊA, M. F. S.; FIGUEIREDO, L. R. A.; ROSA, C. A.. Participação em banca de Nauk Maria de Jesus. Na trama dos conflitos. A administração na fronteira oeste da América portuguesa (1719-1778). 2006. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

23.
BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Ermelinda Moutinho Pataca. Terra, Água e Ar nas Viagens Científicas Portuguesas (1777-1808). 2006. Tese (Doutorado em Geociências) - Universidade Estadual de Campinas.

24.
BICALHO, M. F. B.; NOVAIS, F.; BOSCHI, C. C.; FERLINI, V. L. A.; MAGALHAES, J. R.. Participação em banca de Rodrigo Monteferrante Ricúpero. Honras e Mercês. Poder e Patrimônio nos primórdios do Brasil. 2006. Tese (Doutorado em História Econômica) - FFLCH - USP.

25.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.; WHELING, A.; NEVES, G. P.; FURTADO, J. F.. Participação em banca de Francisco Carlos Cardoso Cosentino. Governadores Gerais do Estado do Brasil (séculos XVI e XVII): ofício, regimentos, governação e trajetórias. 2005. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

26.
IANCSO, Istvan; NOVAIS, F.; PUNTONI, P.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Milton Ohata. Pacto Colonial e Conjuntura Atlântica, São Paulo. Século XVII. 2004. Tese (Doutorado em Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas) - Universidade de São Paulo.

27.
HERMANN, Jacqueline; CARDIM, P.; BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Edval de Souza Barros. Negócio de tanta importância: O Conselho Ultramarino e a disputa ela condução da guerra no Atlântico e no Índico (1643-1661). 2004. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

28.
VAINFAS, R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Andréa Carla Doré. Império Sitiado: as fortalezas portuguesas nas índias (1498-1622). 2002. Tese (Doutorado em Pós Graduação de História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

29.
SOUZA, L. M. E.; NOVAIS, F.; BOSCHI, C. C.; BICALHO, M. F. B.; OSORIO, H.. Participação em banca de Paulo César Possamai. O Cotidiano da Guerra: a vida na Colônia do Sacramento (1715 - 1735). 2002. Tese (Doutorado em Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas) - Universidade de São Paulo.

30.
BICALHO, M. F. B.; BELLOTTO, Heloisa; PUNTONI, P.; VAINFAS, R.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Chistiane Figueiredo Pagano de Mello. Os Corpos de Auxiliares e de Ordenanças na segunda metade do século XVIII. As Capitanias do Rio de janeiro, São Paulo e Minas Gerais e a manutenção do Império Português no Centro-Sul da América. 2002. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense.

31.
SOUZA, L. M. E.; BOSCHI, C. C.; NOVAIS, F.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Maria Verônica Campos. Governo de Mineiros: de como meter as minas numa moenda e beber-lhe o caldo dourado (1693-1737). 2002. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Pa.

32.
MATTOS, I. R.; BOSCHI, C. C.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Beatriz Catão Cruz Santos. O Corpo de Deus na América: a festa de Corpus Christi nas cidades da América portuguesa. Séc. XVIII. 2001. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

33.
Mattos, Hebe; FARIA, Sheila de Castro; MONTEIRO, John; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Antônio Carlos Jucá de Sampaio. Na Curva do Tempo, na Encruzilhada do Império: Hierarquização social e estratégias de classe na produção da exclus\ào (Rio de Janeiro, c. 1615 - c. 1750). 2000. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

34.
GOUVÊA, M. F. S.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Wilson de oliveira Rios. A lei e o Estilo: a inserção dos oficiais mecanicos na sociedade colonial brasileira. Salvador e Vila Rica (1690-1790). 2000. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

Qualificações de Doutorado
1.
ALMEIDA, A. C. L.; GRIMBERG, K.; Bicalho, Maria Fernanda B.. Participação em banca de Cesar Augusto Ornellas Ramos. A Liberdade em disputa: ingênuos, libertos e ex-proprietários do Vale do Paraíba fluminense (1880-1900). 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Historia) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

2.
Bicalho, Maria Fernanda B.; SILVEIRA, M. A.; Gonçalves, A. L.. Participação em banca de Maria Gabriela Souza de Oliveira. A força e a pena: os condenados pela justiça criminal das Minas setecentistas (Comarca de Vila Rica, 1711-1832). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade Federal de Ouro Preto.

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.; RAMINELLI, R.; Francisco Cosentino. Participação em banca de José Inaldo Chaves Júnior. As capitanias de Pernambuco e a construção dos territórios e das jurisdições na América portuguesa (século XVIII). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

4.
Bicalho, Maria Fernanda B.; RAMINELLI, R.; SOUZA, George Felix Cabral de. Participação em banca de Breno Almeida Vaz Lisboa. Modos de governar na América portuguesa: A governança da capitania de Pernambuco durante o reinado de D. João V (1706-1750). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

5.
SILVA, M. R. N.; BICALHO, M. F. B.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Luciano Rocha Pinto. Câmara Municipal: a emergência de uma sociedade de discurso na corte imperial (1828-1834). 2013. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

6.
FRAGOSO, J.; Francisco Cosentino; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Marcello José Gomes Loureiro. A gestão da monarquia pluricontinental: conselhos superiores, política, articulações e governo da monarquia portuguesa (1640-1668). 2012. Exame de qualificação (Doutorando em PPGHIs) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

7.
BICALHO, M. F. B.; GUIMARAES, C. G.; DAHER, A. V.. Participação em banca de Helidacy Maria Muniz Corrêa. A câmara de São Luís do Maranhão e elites locais na dinâmica imperial portuguesa de conquista e defesa durante o século XVII. 2010. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

8.
Bicalho, Maria Fernanda B.; FIGUEIREDO, L. R. A.; MONTEIRO, R. B.. Participação em banca de Irenilda Reinalda Barreto de Rangel Moreira Cavalcanti. O Comissário Real Martinho de Mendonça (1693-1743): Estratégias e Práticas Administrativas na primeira metade do século XVIII. 2009. Exame de qualificação (Doutorando em Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense.

9.
RAMINELLI, R.; BICALHO, M. F. B.; GUIMARAES, C. G.. Participação em banca de Carlos Alberto Ximendes. Sob a mira da Câmara: viver e trabalhar na cidade de São Luís (1646-1700). 2009. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

10.
BICALHO, M. F. B.; FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Rodrigo Ceballos. Arribadas Portuguesas: a participação luso-brasileira na constituição social de Buenos Aires (1580-1680). 2006. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

11.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, L. M. E.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Nauk Maria de Jesus. O governo local na fronteira oeste da América portuguesa (1727-1808). 2005. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

12.
GOUVÊA, M. F. S.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Francisco Carlos Cardoso Cosentino. Ordem Política e Administrativa Portuguesa e Espanhola na América Ibérica. Séculos XVI e XVII. 2004. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade Federal Fluminense.

13.
BICALHO, M. F. B.; RAMINELLI, R.; MONTEIRO, R. B.. Participação em banca de Roberto Houaiss. Guerra e espaço no litoral da América portuguesa, 1580-1630:entre a prospecção territorial e os combates diretos. 2004. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

14.
FRAGOSO, J.; FARIA, Sheila de Castro; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Martha Daisson Hameister. Para dar calor à nova povoação: famílias, militares e oficiais da coroa na construção da sociedade na vila de São Pedro do Rio Grande (c. 1737-c. 1777). 2003. Exame de qualificação (Doutorando em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

15.
HERMANN, Jacqueline; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Edval de Souza Barros. Negócios de tanta impotância. O conselho Ultramarino na gestão da guerra e na construção da Pax Atlântica portuguesa (1643 - 1695). 2002. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

16.
RAMINELLI, R.; FIGUEIREDO, L. R. A.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de José Newton Coelho Meneses. Artes Fabris e Serviços Banais. Cotidiano e saber / fazer rústico dos oficiais mecânicos em Minas Gerais. 1750 - 1822.. 2002. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

17.
VAINFAS, R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Andréia Doré. O império sitiado: as fortalesas portuguesas no Oriente. 2001. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

18.
MATTOS, I. R.; VAINFAS, R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Eunícia Barros Barcelos Fernandes. As Re(li)giões das Aldeias. 2000. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

19.
BICALHO, M. F. B.; VAINFAS, R.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Christiane Figueiredo Pagano de Mello. Os Corpos da Ordenança e Auxiliares na Nova Ordem Política do Estado Absolutista.. 2000. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

20.
MATTOS, I. R.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Beatriz Catão Cruz Santos. Vida e Morte em comemorações religiosas do Século XVIII. 1999. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

21.
GOUVÊA, M. F. S.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Wilson de Oliveira Rios. Os oficios Mecânicos e sua insersão na sociedade colonial brasileira (1690-1790). 1998. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

Qualificações de Mestrado
1.
BICALHO, M. F. B.; GANDELMAN, L.; Souza, Jorge Victor de Araújo. Participação em banca de Karoline Marques Machado. O Poder da Caridade no Brasil Colonial: os provedores da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro (1640 - 1720). 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

2.
Bicalho, Maria Fernanda B.; FRAGOSO, J.; FRANCO, Renato J.. Participação em banca de Douglas Corrêa de Paulo Santos. Os Amaral Gurgel: Família, poder e violência na América portuguesa (c.1600-c.1725). 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

3.
Bicalho, Maria Fernanda B.; RAMINELLI, R.; Wanderley, M. da R. Participação em banca de Luiz Pedro Dario Filho. Entre a Lealdade e a Rebeidia: a comunicação política entre os colonos da vila de São Paulo de Piratininga. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

4.
BICALHO, M. F. B.; RAMINELLI, R.. Participação em banca de Alexandre de Carvalho Pelegrino. Donatários e os poderes locais no Maranhão seiscentista (1612-1701). 2014. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

5.
BICALHO, M. F. B.; NEVES, G. P.. Participação em banca de Gustavo Pereira da Silva. O deplorável estado da Igreja neste século corrupto e rebaixado: As repercussões do sermão de Sâo Pedro e o regalismo do Marquês de Pombal. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

6.
BICALHO, M. F. B.; GUIMARAES, C. G.; VENANCIO, G. M.. Participação em banca de José Inaldo Chaves Júnior. "Fronteiras Insubmissas": Elites, negócios e territorialidades na Capitania da Paraíba (c. 1755-1799). 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

7.
SOARES, Mariza de Carvalho; BICALHO, M. F. B.; VIANA, L. M.. Participação em banca de Michel Mendes Marta. Em busca de honras, isenções e liberdades: As milícias de cor na cidade do Rio de Janeiro (meados do século XVII e início do XVIII). 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

8.
BICALHO, M. F. B.; GUIMARAES, C. G.; MONTEIRO, N. G.. Participação em banca de Ariadne Ketini Costa. "O formidável corpo de comércio do norte": Redes de negócios na Amazônia pombalina. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

9.
GUIMARAES, C. G.; SAMPAIO, A. C. J.; BICALHO, M. F. B.. Participação em banca de Nilza Licia Xavier Silveira Braga. Entre negócios e vassalagem na Corte joanina: A trajetória do homem de negócio e deputado da Real Junta de Comércio Elias Antônio Lopes (1790-1815). 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S.. Participação em banca de Bruna Coutinho Gonçalves Belchior.O Senado da Câmara na Cidade-Corte: Considerações acerca do papel político-administrativo da Câmara do Rio de Janeiro nos anos de 1815 a 1818. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Concurso público
1.
PEREIRA, L. A. M; Calainho, D.; SANTOS, B. C. C.; Bicalho, Maria Fernanda B.; LIMA, I. S.. Concurso para Docente de História do Brasil Colônia. 2018. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

2.
FRAGOSO, J.; SAMPAIO, A. C. J.; Bicalho, Maria Fernanda B.; ALMEIDA, C.; GUEDES, Roberto. Concurso Público para Professor Adjunto de História do Brasil Colônia. 2018. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

3.
ANDRADE JUNIOR, L.; BURITI, I.; BICALHO, M. F. B.. Banca examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para Professor Adjunto I. 2012. UFRN-CERES-Campus de Caicó.

4.
GONÇALVES, M. de A.; BICALHO, M. F. B.; SAMPAIO, A. C. J.; SOUZA, A. B. de; FERREIRA, T. M. T. B. da C.. Comissão Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos, para Professor Adjunto, na área de História do Brasil Colônia e Império. 2009. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

5.
MARTINS, E. C. de R.; NEVES, L. M. B. P. das; BICALHO, M. F. B.. Banca Examinadora de Concurso Público para Professor Adjunto, na área de História Moderna. 2009. Universidade de Brasília.

6.
SECCO, Lincoln Ferreira; NEMI, Ana Lúcia Lana; KANTOR, Iris; BICALHO, M. F. B.; BARBOZA FILHO, Rubem. Comissão Julgadora do Concurso Público para provimento de um cargo de Professor Doutor. 2009. FFLCH - USP.

7.
SANCHES, Marcos Guimarães; CAVALCANTE, Paulo; BICALHO, M. F. B.. Comissão Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para o provimento do cargo de Professor Adjunto / História Moderna. 2008. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

8.
BICALHO, M. F. B.; SAMPAIO, A. C. J.. Banca de Concurso Público para Seleção de Professor de História do Brasil Colônia. 2006. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

9.
BICALHO, M. F. B.. Participação em banca do Concurso para provimento de um cargo de Professor Doutor do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, na área de História Ibérica. 2002. Universidade de São Paulo.

Outras participações
1.
MARTINS, Ismênia; LIPPI, Lúcia; CASTRO, Maria Laura Viveiros de; BICALHO, M. F. B.. Comissão Especial de Licitação / Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa. 2005. Arquivo Nacional.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Colóquio Internacional Patrimonialiser la mémoire diasporique.La route de la violence: disasporas et captivité. 2018. (Simpósio).

2.
III Seminário Internacional Mundos Ibéricos. História, poder e cultura.Memória e Patrimônio. 2018. (Simpósio).

3.
Seminário Internacional Rumos do Resgate: signos globais da memória cultural brasileirawa.A documentação ultramarina e os poderes territoriais e locais. 2018. (Seminário).

4.
XVIII Congreso de AHILA. A negociação à distância: os circuitos de comunicação e de representação dos interesses locais (América portuguesa, séculos XVII e XVIII). 2017. (Congresso).

5.
XXiX Simpósio Nacional de História (ANPUH-Brasil). Diálogos Contemporâneos: Caminhos da Pesquisa sobre América Portuguesa. 2017. (Congresso).

6.
II Seminário Internacional de História Medieval."O sítio que se eleger para a fundação da dita vila": papel dos oficiais régios na urbanização do Brasil, século XVIII. 2016. (Seminário).

7.
Projeto UID/HIS/00057/2013 - CIDEHUS - Universidadde de Évora.Conhecer e demarcar o território e fundar vilas. 2016. (Oficina).

8.
Um historiador por seus pares: trajetórias de Ronaldo Vainfas.Entre o público e o privado: diálogos com Ronaldo Vainfas. 2016. (Seminário).

9.
VI Encontro Internacional de História Colonial.O Sol e a Lua: governo e representação do ultramar (Portugal e Castela, séculos XVI a XVIII. 2016. (Encontro).

10.
1º Ciclo de Estudos em História da Arte.O Rio de Janeiro, uma cidade entre o mar e o sertão. 2015. (Oficina).

11.
A Justiça no Brasil Colonial: agentes, práticas e representações.Os Ouvidores e a Criação de Vilas no Brasil do Século XVIII. 2015. (Seminário).

12.
Capitalidade, urbanismo, sociabilidade e patrimônio: cidade e território no império português e no Brasil.A capitalidade territorial e atlântica do Rio de Janeiro durante um longo século XVIII (1680-1808). 2015. (Seminário).

13.
Colóquio Internacional Bahia e o Mundo Atlântico.Interações, circulações e identidades, séculos XVI-XIX. 2015. (Seminário).

14.
Filiações. Encontro sobre a obra de Laura de Mello e Souza.Política e Administração. 2015. (Encontro).

15.
IV Congreso Internacional Ciências, Tecnologias y Culturas. Diálogos entre las disciplinas del conocimiento. Las principales fuerzas que tienen que defender Brasil son las del mismo Brasil: villas y ciudades en la construcción y efensa de los dominios portugueses en América. 2015. (Congresso).

16.
Monarquias Ibéricas em Perspectiva Comparada.Las instituiciones civiles de la monarquía portuguesa em la Edad Moderna: centro y periferia del imperio en perspectiva comparada. 2015. (Seminário).

17.
Starting Workshop do Centro de História d'Aquém e d'Além Mar.Um balanço da apresentação das linhas de pesquisa do Centro de História d'Aquém e d'Além Mar. 2015. (Seminário).

18.
X Semana de História Política / VII Seminário Nacional de História: Política, Cultura e Sociedade.Aspectos Políticos da História Colonial Brasileira. 2015. (Seminário).

19.
XXVIII Simpósio Nacional de História. O Ouvidor como Ladrilhador: o discurso sobre o território e a fundação de vilas no Brasil, século XVIII. 2015. (Congresso).

20.
Colóquio Patrimónios de Influência Portuguesa: conceitos e instrumentos.Historiografia. 2014. (Seminário).

21.
II Congresso Internacional de História "Entre Europa, África e América: O Império Português no Atlântico-Sul. Rotas, redes e trajetórias no Atlântico-Sul: mecanismos de composição e de integração do Império português. 2014. (Congresso).

22.
IX Semana de História Política / VI Seminário Nacional de História.Aspectos Políticos da História Colonial Brasileira. 2014. (Seminário).

23.
Mestrado em Patrimônio Cultural, Paisagem e Cidadania.Urbanismo e Patrimônio Luso-Brasileiro: diálogos possíveis e uma experiência atual. 2014. (Oficina).

24.
Em Benefício do Povo. Obras, governo e sociedade na cidade colonial.Como administrar e defender uma cidade ultramarina no século XVIII? Conflitos de jurisdições entre oficiais régios e camaristas no Rio de Janeiro. 2013. (Seminário).

25.
Monarquias ibéricas em perspectiva comparada.Atores institucionais e comunicação política na monarquia pluricontinental. 2013. (Seminário).

26.
O Bom Governo das Gentes: Uma pesquisa colaborativa no seu contexto historiográfico.O sistema de conc(s)elhos na monarquia pluricontinental. 2013. (Seminário).

27.
XXVII Simpósio Nacional de História.Redesenhando fronteiras, ampliando jurisdições: o Rio de Janeiro no período filipino. 2013. (Simpósio).

28.
2º Ciclo de Conferências Patrimónios de Influência Portuguesa.Os espaços e as dinâmicas segundo os oceanos: novas perspectivas e desafios para a História. 2012. (Seminário).

29.
Cidadania e Império.Privilégios, direitos e exclusão nos significados da cidadania no Brasil. 2012. (Seminário).

30.
I Colóquio Nacional do Grupo de Estudos América Colonial: Poder, Instituições e Redes Políticas na América Portuguesa.Facetas do Poder e Redes Administrativas na América Portuguesa. 2012. (Seminário).

31.
Seminário Permanente de História do Brasil.Trajetória Familiar e Ofício na Monarquia: os Secretários do Conselho Ultramarino entre finais dos séculos XVII e XVIII. 2012. (Seminário).

32.
V Colóquio Internacional Configurações Imperiais Ibéricas: Administrações e Burocracias (sécs. XV-XX).O Estado Imperial e os seus Agentes. 2012. (Seminário).

33.
IV Colóquio Internacional [In]Tolerância:: Religião, raça e política no mundo ibérido do Antigo Regime.Guerra, Política e Religião. 2011. (Seminário).

34.
IV Encontro de Estudos sobre o Ambiente Construído no Rio de Janeiro. Século XIX.Onde habitam os nobres? Corte e espaços de moradia e de sociabilidade cortesã no Rio de Janeiro joanino. 2011. (Seminário).

35.
Maquiavel Dissimulado: Heterodoxias político-culturais no mundo luso-brasileiro.Ideologias Imperiais. 2011. (Simpósio).

36.
VII Jornadas Internacionais de História das Monarquias Ibéricas. Seminário Internacional Produzindo Fronteiras: Entrecruzando escalas, povos e impérios na América do Sul (1640-1828).Administração Local e Comunicação Política. 2011. (Seminário).

37.
3º Encontro Internacional de História Colonial: Cultura, Poderes e Sociabilidade no Mundo Atlântico (Séc. XVI-XVIII).Representação e configurações do território: estratégias de comunicação política no imperio português (séculos XVII e XVIII). 2010. (Encontro).

38.
V Encontro Regional da ANPUH/DF.Uma capital em dois tempos: a transferência da sede do vice-reinado e da corte portuguesa para o Rio de Janeiro. 2010. (Encontro).

39.
XIII Séminaire International d'Histoire Indo-Portugaise: La Méditerranée sur la Route des Indes.Réseux et connections de la contrebande au XVIIIe siècle: Les affaires et les aventures de la Française Jeanne d'Entremeuse. 2010. (Seminário).

40.
Brasil-França. Em homenagem ao ano da França no Brasil.A grande ameaça de Luís XIV: a expedição abortada do Conde d'Estaing. 2009. (Seminário).

41.
II Encontro Internacional Cidades Latinoamericanas do século XVI ao XIX.Uma nova Versalhes? Os espaços de moradia e de sociabilidade cortesã no Rio de Janeiro joanino. 2009. (Seminário).

42.
III Colóquio Internacional Raízes do Privilégio.Ascensão e Queda dos Lopes de Lavre, Secretários do Conselho Ultramarino. 2009. (Seminário).

43.
Seminário Arquivos, Fontes e Pesquisa Histórica: A Capitania de Mato Grosso."Ao Conselho parece...porém V.M. defirirá o que for mais conveniente ao seu Real serviço": O Conselho Ultramarino e a política imperial. 2009. (Seminário).

44.
VII Semana de Estudos Medievais.O Conceito de Colonial e suas diferentes temporalidades. 2009. (Seminário).

45.
XXV Simpósio Nacional de História. Labirinto dos Negócios: Secretaria e Secretários do Conselho Ultramarino. 2009. (Congresso).

46.
1808: A Corte no Brasil. Coordenação da Mesa "A Corte no Brasil: Debate Político e Tensões Sociais". 2008. (Congresso).

47.
A Centralidade da Periferia (1668-1808). Fronteiras, administração, diplomacia e comércio no Rio da Prata.A Construção Política do Espaço no Brasil Meridional. 2008. (Seminário).

48.
Brasil: 200 anos de Estado. 200 anos de Administração Pública.Novas Perspectivas para a História do Estado e da Administração Pública. 2008. (Seminário).

49.
Culturas Políticas, Memória e Historiografia.Cultura Política, Governo e Jurisdição no Antigo Regime e na América Portuguesa: Uma leitura do ofício de Vice-Rei do Estado do Brasil. 2008. (Seminário).

50.
El Mundo de los Virreyes en las Monarquías de España y Portugal (siglos XVI-XVIII). Dimensiones Institucionales y Universos Simbólicos.Gobernadores generales y virreyes en la America portuguesa. 2008. (Seminário).

51.
II Encontro Internacional de História Colonial. A Experiência Colonial no Novo Mundo (séculos XVI a XVIII).Espaços de comunicação e de decisão da política ultramarina (1643-1750). 2008. (Encontro).

52.
Mitos, Projetos e Práticas Políticas.Cultura Política e Sociedade de Corte: O Vice-Reinado no Rio de Janeiro (1763-1808). 2008. (Seminário).

53.
Polices et Savoirs Policiers (XVIIIe-XIXe siècle). Europe Méridionale, Espaces Coloniaux (Amérique du Sud).L'Intendance Générale de Police de la ville de Rio de Janeiro, capitale de la Monarchie et de l'Empire Portugais (1808-1820). 2008. (Encontro).

54.
Rio de Janeiro e Lisboa: A Capitalidade nos dois lados do Atlântico.O Rio de Janeiro, Capital do Estado do Brasil e Corte Vice-Reinal. 2008. (Seminário).

55.
XIX Ciclo de Estudos Históricos: Percursos da História Colonial Brasileira.O Conselho Ultramarino e o Império Português. 2008. (Encontro).

56.
2º Ciclo Internacional de Conferencias: Métodos, Teorías y Nuevas Líneas de Investigación Histórica.El Antiguo Régimen en los Trópicos: La Dinamica Imperial Portuguesa (siglos XVI-XVIII). 2007. (Seminário).

57.
Ciclo de Conferências Ciência nos Trópicos.O Arquivo Histórico Ultramarino e novas perspectivas historiográficas sobre a Monarquia e o Império Português no Antigo Regime. 2007. (Seminário).

58.
Colóquio Internacional 'Cortes, Cidades, Memórias: Trânsitos e Transformações da Modernidade'.Rio de Janeiro: Capital Colonial, Capital Imperial. 2007. (Seminário).

59.
Eclats d'Empire: Du Brésil à Macao.Les Villes-Ports de l'Empire Portugais. 2007. (Outra).

60.
I Colóquio do Grupo de Pesquisa 'Política, Poder e Instituições': "Dimensões da Política na Historiografia".Poder, Política e Instituições no Reino e no Ultramar Português nos Tempos Modernos. 2007. (Seminário).

61.
I Seminário de Graduandos em História Moderna.A Arte de Governar. 2007. (Seminário).

62.
La Ville et le Monde XVe-XXe.Une Capitale sous les Tropiques. La ville de Rio de Janeiro, siège de la Monarchie Portugaise (1808-1820). 2007. (Seminário).

63.
O Atlântico Ibero-Americano (séculos XVI-XVIII). Perspectivas historiográficas recentes.Centralização Monárquica, Política Ultramarina e Elites Coloniais: Séculos XVII-XVIII. 2007. (Seminário).

64.
Projeto "Quartas no Arquivo".O Rio de Janeiro: uma capital entre dois impérios. 2007. (Outra).

65.
Seminaire de Laboratoire du Centre d'Études des Mondes Africains (CEMAf site d'Aix).Le concept d'Empire Portugais. Un débat historiographique. 2007. (Seminário).

66.
Seminário Permanente do Centro de Referência Luso-Brasileira do MHN.História e Memória do Império Português: O patrimônio documental do Arquivo Histórico Ultramarino e uma nova escrita da história colonial. 2007. (Seminário).

67.
X Mediterranean Studies Association International Congress. Discussão, Negociação e Gestão da Política Ultramarino: A América Portuguesa no alvorecer do século XVIII. 2007. (Congresso).

68.
Cultura Política e Cultura Histórica. Pesquisa e Ensino.Do 'Sentido da Colonização' aos 'Sentidos do Império': História e Historiografia do Brasil Colonial. 2006. (Seminário).

69.
IX Seminário de História da Cidade e do Urbanismo.Uma Cidade-Capital nos Trópicos: O Rio de Janeiro no Século XVIII. 2006. (Seminário).

70.
Nas Rotas do Império: Eixos mercantis, tráfico de escravos e relações sociais no mundo português.Coordenação e Moderação de Mesa Redonda. 2006. (Seminário).

71.
Na Trama das Redes: Política e Negócios no Império Português.Se acham reduzidos ao sistema de que a América é conquista e não colônia: A construção das elites na América Portuguesa. 2006. (Seminário).

72.
XII Encontro Regional da ANPUH - RJ: Usos do Passado.Coordenadora do Painel de IC: Nas Fronteiras dos Impérios Ibéricos: dinâmicas políticas, redes de poder e de sociabilidade na região platina (sécs. XVII-XVIII). 2006. (Encontro).

73.
Biografias e Microbiografias no Império Português.Joana d'Entremeuse, uma contrabandista entre a insinuação e a circunspecção. 2005. (Seminário).

74.
De Villegagnon vice-amiral de Bretagne à Duguay-Touin (1555-1711): Les aventures des Bretons au Brésil à l' époque coloniale.La Ville, les étranggers, la peur et la rébellion: Rio de Janeiro et les incursions françaises au XVIIIème siècle. 2005. (Simpósio).

75.
O Espaço Atlântico de Antigo regime: poderes e sociedades. A Fronteira dos Impérios: conexões políticas, conflitos e interesses portugueses na região platina. 2005. (Congresso).

76.
O Governo dos Povos: Poder e Administração no Império Português.Da Colônia ao Império: um percurso historiográfico. 2005. (Seminário).

77.
O Terremoto de 1755. Impactos Históricos.As noções de capitalidade no Rio de Janeiro sob a política pombalina. 2005. (Seminário).

78.
O Universo da França Antártica.A Experiência da França Antártica, o corso, a conquista e a 'peçonha luterana'. 2005. (Seminário).

79.
X Seminário de Iniciação Científica. 2005. (Seminário).

80.
XV Seminário de Iniciação Científica. 2005. (Seminário).

81.
Cultura Política: Interfaces entre História Cultural, História Política e Ensino de História.Cultura Política, autoridades negociadas e o império ultramarino português. 2004. (Seminário).

82.
Seminário Internacional Luzes nos Trópicos.Sem Brasil, Portugal é uma insignificante potência. Política ultramarina e visão imperial nos tempos de Pombal. 2004. (Seminário).

83.
VII Congresso Internacional da Brazilian Studies Association. O controle dos chãos urbanos e a administração da cidade colonial: Rio de Janeiro, séculos XVII e XVIII. 2004. (Congresso).

84.
XI Encontro Regional de História (ANPUH - RJ).Os Sentidos do Império: como administrar um novo conceito. 2004. (Encontro).

85.
XIV Seminário de Iniciação Científica. 2004. (Seminário).

86.
XVII Encontro Regional de História (ANPUH-SP).Política Imperial, Redes de Poder e Elites Locais: autoridades negociadas e modo de governar. 2004. (Encontro).

87.
XV Seminário de Iniciação Científica. 2004. (Seminário).

88.
Ciclo de Conferências - CPDOC - FGV.A Cidade e o Império: o Rio de Janeiro do Século XVIII. 2003. (Outra).

89.
Ciclo de Conferências sobre a cidade do Rio de Janeiro - FCRB.O Rio de Janeiro no século XVIII. 2003. (Outra).

90.
Segundo Colóquio sobre História Social das Elites.Conquista, Mercês, administração e comércio na constituição das elites na América portuguesa. 2003. (Simpósio).

91.
Ciclo de Conferências no Mestrado em História e Cultura do Brasil.O Brasil no Contexto do Império Português. A sociedade escravista-colonial. Debate historiográfico. 2002. (Oficina).

92.
Colonial Cities.Local Government, Tensions and Negociations in the Portuguese South Atlantic: The Cities of Rio de Janeiro e Salvador in the 17th Century. 2002. (Seminário).

93.
Império e Fronteiras.Império e Fronteiras: o Rio de Janeiro no século XVIII e suas fronteiras territoriais e atlânticas. 2002. (Oficina).

94.
Optma Pars: As Elites do Antigo Regime no Espaço Ibero-Americano.As Elites Coloniais. A nobreza da terra nas câmaras e no governo das conquistas. História e historiografia. 2002. (Seminário).

95.
X Encontro Regional de História (ANPUH - RJ.Administrar a res publica e servir ao rei: o poder de negociação das câmaras coloniais. 2002. (Encontro).

96.
X Encontro Regional de História (ANPUH - RJ).Acórdãos pautados em (in)tensas negociações: as vereanças no Rio de Janeiro na década de 1640. 2002. (Encontro).

97.
XII Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal Fluminense. 2002. (Seminário).

98.
XII Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal Fluminense. 2002. (Seminário).

99.
I Seminário de História Newton Paiva.Poder Local, Centralização Monárquica e Expansão Imperial: Perspectivas Historiográficas. 2001. (Seminário).

100.
IV Congresso Internacional Mediadores Culturais. Mediação Política e Pureza de Sangue. As câmaras, as festas e a representação do Império português. 2001. (Congresso).

101.
Pesquisa, Ensino e Preservação: local e global na História da América Portuguesa.Pesquisa, Ensino e Preservação: o Rio de Janeiro no século XVIII. 2001. (Oficina).

102.
XI Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal Fluminense. 2001. (Seminário).

103.
XXI Simpósio Nacional da ANPUH.Os poderes locais e o governo do Império português: algumas questões historiográficas. 2001. (Simpósio).

104.
XXI Simpósio Nacional da ANPUH.Governo e Administração no Império Português. 2001. (Simpósio).

105.
Ciclo de Conferências do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA).As Fronteiras do Saber e a Colonização do Novo Mundo. 2000. (Oficina).

106.
Conference Internationale Le Portugal et l'Atlantique.La Géographie Politique de l'Espace colonial Urbain. 2000. (Simpósio).

107.
Congresso Internacional Projeto Resgate - Agenda do Milênio. Dinâmicas Locais e Sistema Mundial: História do Brasil, História Moderna, História do Poder e das Idéias Políticas. 2000. (Congresso).

108.
X Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal Fluminense. 2000. (Seminário).

109.
Ciclo de Palestras sobre História Moderna - ISCTE / ICS - Universidade de Lisboa.Noções de Pacto e Pertença: As negociações entre elites coloniais brasileiras e o poder central no século XVIII. 1999. (Oficina).

110.
Colóquio Internacional Universo Urbanístico Português (1415-1822). Poder Régio e Poder Concelhio na disputa pela administração do espaço urbano do Rio de Janeiro. 1999. (Congresso).

111.
III Encontro de História da UFF: Descobrimentos e Redescobrimentos do Brasil.Colonização e Poder na América Portuguesa. 1999. (Encontro).

112.
XI Ciclo de Estudos Históricos.História e Cidade. 1999. (Encontro).

113.
XX Simpósio Nacional da ANPUH.As fronteiras da negociação: as Câmaras Municipais na América portuguesa e o Poder Central. 1999. (Simpósio).

114.
XX Simpósio Nacional da ANPUH.A cidade do Rio de Janeiro e a articulação das fronteiras territoriais e atlânticas do Império português. 1999. (Simpósio).

115.
Ciclo de Conferências da Biblioteca Nacional de Lisboa.Centro e Periferia: As câmaras municipais no mundo português. Séculos XVII-XVIII. 1998. (Outra).

116.
Discovery, New Frontiers, and Expansion in the Luso-Iberian World. The City of Rio de Janeiro and the Articulation of the South-Atlantic World: Seventeenth and Eighteenth Centuries. 1998. (Congresso).

117.
I Seminário Internacional sobre Fontes Documentais para a História do Brasil Colonial.As representações do Senado da Câmara do Rio de Janeiro e a tessitura da política ultramarina portuguesa. Séculos XVII e XVIII. 1998. (Seminário).

118.
Seminário Internacional O Município no Mundo Português.As representações da Câmara do Rio de Janeiro ao monarca e as demonstrações de lealdade dos súditos coloniais. Séculos XVII e XVIII. 1998. (Seminário).

119.
Seminários PUC/RJ-PROIN-MEC-CAPES.O Rio de Janeiro Colonial. 1997. (Oficina).

120.
XIX Simpósio Nacional da ANPUH.As ameaças de invasão ao Rio de Janeiro e a lealdade dos vassalos ultramarinos. 1997. (Simpósio).

121.
XIX Simpósio Nacional da ANPUH.Os cidadãos e os chãos urbanos do Rio de Janeiro. Século XVIII. 1997. (Simpósio).

122.
XX Congress of Latin American Studies Association (LASA). The Identity of a Portuguese Colonial City: Rio de Janeiro in Eighteenth Century. 1997. (Congresso).

123.
IV Congresso Luso-Afro Brasileiro de Ciências Sociais. A Gênese de uma Capital no seio do Império Português: Rio de Janeiro, Século XVIII. 1996. (Congresso).

124.
XVIII Congress of Latin American Studies Association (LASA). A Imprensa e o Discurso Médico Higienista: Saúde, Corpo e Maternidade (1870-1920). 1994. (Congresso).

125.
XX Congresso da Sociedade Portuguesa de Estudos do Século XVIII. Cotidiano, Medo, revolta e Poder no Rio de Janeiro no Século XVIII. 1994. (Congresso).

126.
IX Berkshire Conference on the History of Women. The Press and Feminine Identity in 19th Century Rio de Janeiro. 1993. (Congresso).

127.
Recuperando las Serafinas de América Latina. A imprensa feminina e a campanha sufragista no início do século XX. 1993. (Congresso).

128.
XVII Simpósio Nacional da ANPUH.O Rio de Janeiro, uma cidade sitiada: A onipresença do medo e as invasões francesas. 1993. (Simpósio).

129.
A Inquisição Moderna.Bruxaria e Inquisição. 1992. (Encontro).

130.
Seminário América 500 Anos: Ensino e História.Inquisição, Catolicismo Popular e Práticas Mágicas no Brasil Colonial. 1992. (Seminário).

131.
Simpósio sobre Machado de Assis.Entre a sala de visitas e a sala de aulas: a educação feminina. 1992. (Simpósio).

132.
V Semana de Ciências Sociais.A Igreja e o Processo Colonizador. 1992. (Encontro).

133.
Cinearte e o Cinema Carioca dos anos 30.Mulher I: Atrizes. 1990. (Seminário).

134.
Seminário do V Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulher.A Arte da Sedução: a representação da mulher no cinema mudo brasileiro. 1990. (Seminário).

135.
De que Fala o Nacionalismo?.A Mulher e o Cinema Mudo Brasileiro. 1989. (Seminário).

136.
Seminário sobre Machado de Assis.Os olhos oblíquos de Capitu: uma interpretação antropológica. 1989. (Seminário).

137.
Repensando a Diferença. Imaginário e Representações da Mulher.Imprensa e Identidade Feminina. 1987. (Seminário).

138.
Seminário do IV Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulher.O Bello Sexo: a construção da identidade feminina na sociedade carioca de fins do século XIX e início do XX. 1987. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Entre caminhos, trajetórias, vilas e cidades: Políticas e tramas de ocupação e representação das conquistas. 2018. (Congresso).

2.
Bicalho, Maria Fernanda B.; SOUZA, George Felix Cabral de . Sujeitos, práticas e instituições nas monarquias ibéricas e seus domínios ultramarinos. 2018. (Outro).

3.
SOUZA, George Felix Cabral de ; BICALHO, M. F. B. . Simpósio Temático: Elites, Práticas e Instituições nas monarquias ibéricas e seus domínios ultramarinos. 2016. (Outro).

4.
Bicalho, Maria Fernanda B.; ASSIS, V. M. A. ; MELLO, I. M. P. . Seminário: A Justiça no Brasil Colonial. 2015. (Outro).

5.
Bicalho, Maria Fernanda B.. Seminário: Capitalidade, Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: Cidade e Território do Império Português e no Brasil. 2015. (Outro).

6.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, George Felix Cabral de . Simpósito Temático: Elites Trajetórias e Estratégias nos Impérios Coloniais Ibéricos. 2014. (Outro).

7.
BICALHO, M. F. B.; MONTEIRO, N. G. ; FRAGOSO, J. ; CUNHA, M. S. ; CARDIM, P. . III Workshop do Projeto de Investigação: A Comunicação Política na Monarquia Pluricontinental Portuguesa (1580-1808). 2014. (Outro).

8.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, George Felix Cabral de . Simpósio Temático: Poderes, Negócios e Saberes: Elites Plurais num Império Multifacetado. 2012. (Outro).

9.
BICALHO, M. F. B.; SOUZA, George Felix Cabral de . Simpósido Temático: Poderes, Riquezas e Saberes: Elites plurais num Império multifacetado. 2010. (Outro).

10.
AZEVEDO, Cecília ; ROLLEMBERG, Denise ; QUADRAT, Samantha ; MENDONÇA, Paulo Knauss ; BICALHO, M. F. B. . Seminário Internacional Culturas Políticas, Memória e Historiografia. 2008. (Congresso).

11.
BICALHO, M. F. B.; PESSÔA, J. . Rio de Janeiro e Lisboa: A Capitalidade nos dois lados do Atlântico. 2008. (Congresso).

12.
BICALHO, M. F. B.; MEGIANI, A. P. ; SOUZA, M. M. E. ; FURTADO, J. F. . Organização do Seminário Integrado O Governo dos Povos: Poder e Administração no Império Português. 2005. (Congresso).

13.
BICALHO, M. F. B.. Organização e Coordenação do Simpósio Temático Modos de Governar: política, negócios e representações no Império português (X Encontro Regional de História - ANPUH/RJ). 2004. (Outro).

14.
BICALHO, M. F. B.; MEGIANI, A. P. . Organização e Coordenação do Seminário Temático Modos de Governar: Política, Negócios e Representações do Império Português ao Império do Brasil ((XVII Encontro Regional de História - ANPUH - SP). 2004. (Outro).

15.
BICALHO, M. F. B.; GOUVÊA, M. F. S. ; SOIHET, R. . Cultura Política. Interações entre História Cultural, História Política e Ensino de História. 2004. (Congresso).

16.
BICALHO, M. F. B.. Organização e Coordenação do Simpósito Temático Modos de Governar: Política, Negócios e Representações no Império Luso-Brasileiro (ANPUH - Nacional). 2003. (Outro).

17.
BICALHO, M. F. B.. Organização e Coordenação do Grupo de Trabalho: Modos de Governar: Poder e Negócios do Império Português ao Império do Brasil, no X Encontro Regional de História da ANPUH- RJ. 2002. (Outro).

18.
BICALHO, M. F. B.. Organização e coordenação do Grupo de Trabalho: Modos de Governar: Poder e Negócios do Império Português ao Império do Brasil no XXI Simpósio Nacional da ANPUH. 2001. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Marcelle Viana Capote Canêdo. Administração política e poder local na Paraíba do Sul dos Campos dos Goytacazes, 1740-1754. Início: 2018. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense. (Orientador).

2.
Leandro Gaspar da Costa. A concessão de mercês no século XVIII: o caso da família Paes Leme. Início: 2017. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense. (Orientador).

Tese de doutorado
1.
Lara de Melo dos Santos. Farinha, comércio e poder local: o mercado da farinha de mandioca e as elites camaristas do ?baixo sul? baiano (séc. XVII ?XVIII). Início: 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense. (Orientador).

2.
Kleyson BrunoChaves Barbosa. A Câmara da Cidade de Natal na arquitetura dos poderes das Capitanias do Norte, 1701-1759. Início: 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

3.
Douglas Corrêa de Paulo Santos. Criminalidade, administração e justiça nas Américas. Rio de Janeiro e Buenos Aires, 1751-1808. Início: 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

4.
Aluísio Gomes Lessa. Nas fronteiras da lei: administração da justiça e criminalidade nos confins meridionais da América portuguesa (1680-1808). Início: 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

5.
Ieda Avênia de Mello. Cidade, Festa e Poder. Portugal, séculos XV-XVI. Início: 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense. (Orientador).

Supervisão de pós-doutorado
1.
Marcello Loureiro. Início: 2018. Universidade Federal Fluminense.

Iniciação científica
1.
Renan Carvalho Wenderrosck. Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: a cidade do Rio de Janeiro, corte e capital do império português e do Brasil (1808-1850). Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

2.
Mariana Salmazo Carvalho. Cidade, Urbanismo e Patrimônio: Cartografia e reformas no Rio de Janeiro do século XIX (1840-1889). Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Douglas Corrêa de Paulo Santos. Os Amaral Gurgel: Família, Poder e Violência na América Portuguesa (c. 1600 - c. 1725). 2017. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Ariadne Ketini Costa. Uma "casa" irlandesa no Maranhão: Estudo da trajetória da família Belfort, 1736-1808. 2013. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
José Inaldo Chaves Junior. "As duras cadeias de um governo subordinado": história, elites e governabilidade na capitania da Paraíba (c. 1755 - c. 1799). 2013. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

4.
Leonardo Alexandre de Siqueira Oliveira. Rede de Poder e Governanças do Brasil à Angola: Administração e comércio de escravos no Atlântico-Sul (Luís César de Meneses, 1697-1701. 2013. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

5.
Fábio Lobão Marques dos Santos. Entre Honras, Heróis e Covardes: Invasões francesas e disputas político-familiares (Rio de Janeiro, século XVIII). 2012. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

6.
Nathalia Gama Lemos. Um Império nos Trópicos: A atuação do Intendente Geral de Polícia, Paulo Fernandes Viana, no Império Luso-Brasileiro (1808-1821). 2012. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

7.
Maria Beatriz Gomes Bellens Porto. Nobres Poderes: A atuação do Senado da Câmara fluminense na economia e os privilégios e deveres dos homens bons (1790-1807). 2011. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

8.
Leonardo Alexandre de Siqueira Oliveira. Redes de Poder em Governanças no Brasil e Angola: Administração e Comércio de Escravos no Atlântico-Sul (Luís César de Meneses, 1690-1710. 2011. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

9.
Érica Lôpo de Araújo. A Restauração na Bahia: um estudo sobre as relações entre os poderes do centro e o poder local (1640-1668). 2010. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

10.
José Eudes Arrais Barroso Gomes. As Milícias d'El Rey: Tropas Militares e Poder no Ceará Setecentista. 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

11.
Lincoln Marques dos Santos. O 'saber mandar com modo' na América portuguesa: a experiência administrativa de D. Lourenço de Almeida em Pernambuco e Minas Gerais. 2009. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

12.
Isabele de Matos Pereira de Mello. Administração, Justiça e Poder: Os ouvidores gerais e suas correições na cidade do Rio de Janeiro. 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

13.
Adriano Comissoli. Os 'Homens Bons' e a Câmara de Porto Alegre (1767-1808). 2006. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

14.
Lívia Maria Scheiner. Uma Questão de Projetos: O Senado da Câmara e a Intendência da Polícia na gestão do espaço urbano da Corte. Rio de Janeiro, 1808-1821. 2004. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

15.
Roberta Martinelli e Barbosa. Temor e Revolta: O Medo na Cidade do Rio de Janeiro Setecentista. 2001. 0 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

Tese de doutorado
1.
José Inaldo Chaves Júnior. As capitanias de Pernambuco e a construção dos territórios e das jurisdições na América portuguesa (século XVIII). 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Victor Hugo Abril. Governadores Interinos:Cotidiano Administrativo e Trajetórias no Rio de Janeiro (c. 1705- c.1750). 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
Denise Vieira Demétrio. Senhores Governadores: Artur de Sá e Meneses e Martim Correia Vasques. Rio de Janeiro, c. 1697 - c. 1702. 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

4.
Isabele de Matos Pereira de Mello. Magistrados a serviço do Rei: A administração da Justiça e os ouvidores gerais na comarca do Rio de Janeiro (1710-1790). 2013. Tese (Doutorado em Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

5.
Denise Vieira Demétrio. Artur de Sá e Meneses e Martim Correia Vasques: Governos e escravidão no Império português. Rio de Janeiro, século XVII. 2010. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

6.
Helidacy Maria Muniz Corrêa. A Câmara de São Luís do Maranhão e elites locais na dinâmica imperial portuguesa de conquista e defesa durante o século XVIII: governança, conflitos e negociações. 2010. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

7.
Marcos Aurélio de Paula Pereira. Vivendo entre Cafres: vida e política do Conde de Assumar no Ultramar, 1688-1756. 2009. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

8.
Rodrigo Ceballos. Arribadas Portuguesas: a participação luso-brasileira na constituição social de Buenos Aires (c.1580-c1680). 2008. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

9.
Nauk Maria de Jesus. Na Trama dos Conflitos. A administração na fronteira oeste da América portuguesa (1719-1778). 2006. Tese (Doutorado em Programa de Pós Graduação de História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

10.
Christiane Figueiredo Pagano de Mello. Os Corpos de Ordenança e Auxiliares na segunda metade do século XVIII. As Capitanias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais e a manutenção do Império Português no Centro-Sul da América. 2002. 0 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

Supervisão de pós-doutorado
1.
Marcello Loureiro. 2017. Universidade Federal Fluminense, . Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Antônio Filipe Pereira Caetano. 2016. Universidade Federal Fluminense, . Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
Virgínia Maria Almoêdo de Assis. 2015. Universidade Federal Fluminense, . Maria Fernanda Baptista Bicalho.

Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Fernando Maia da Motta. O Império português no ultramar, a conquista e o enraizamento fluminense: Exposição temática e apontamentos historiográficos. 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Michelli Machado Torres. A Provedoria da Fazendo do Rio de Janeiro e a influência dos oficiais no funcionamento da instituição. 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
Silvana de Azeredo Damasceno. A Pós-Graduação 'stricto-sensu' no Brasil: Um olhar sobre o seu processo de criação (1930-1979). 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

4.
Roberto Dias de Alvarenga. O Processo Político Brasileiro, 1954-1961. 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Graduação Lato-Sensu em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

5.
Danielle Vieira de Albuquerque. A Inquisição contra as Mulhres. 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Grad Lato-Sensu em História do Rio de Janeiro) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

6.
José Antônio Seixas da Silva. A Câmara Municipal de Magé do Antigo Regime às lutas pela Independência. 2011. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós-Grad Lato-Sensu em História do Rio de Janeiro) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

7.
Fabio Lobão Marques dos Santos. As invasões francesas e a centralidade do Rio de Janeiro no século XVIII. 2010. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós Graduação Lato Sensu) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

8.
Isabele de Matos Pereira de Mello. Administração e Poderes: A Ouvidoria Geral e a Câmara Municipal do Rio de Janeiro. 2009. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização Em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

9.
Luís Cláudio de Andrade. Conflitos Ultramarinos entre a Pirataria e a Guerra. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

10.
Clarissa Gastão Cândido. Monarquia Ibérica, Corporativismo e Poder Polissinodal. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

11.
Sônia Mariza Ferreira. A Modernidade Ibérica: séculos XVI-XVII. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

12.
Rodrigo Rocha da Cunha. A Expansão marítima portuguesa e o interesse pelo Extremo Oriente nos séculos XVI e XVII. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

13.
Sérgio Lima de Barros. O Movimento Barroco. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

14.
Silvano Pereira Alexandre. O Barroco e os Símbolos do Poder. 2006. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

15.
Lisiane Souza Bhawan. Centro e Periferia em um mundo de Antigo Regime. 2005. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós Graduação Lato Senso Em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

16.
Elodia Honse Lebourg. Poderes Locais e Poder Central: Minas Gerais na primeira metade do século XVIII. 2005. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós Graduação Lato Senso Em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

17.
Maria Felícia de Freitas Filizzola. Poder Central e Poder Local: o talento mercantil da praça do Rio de Janeiro. 2005. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós Graduação Lato Senso Em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

18.
Alexandre Carlos Gugliota. Vassalos do Rei em Terras do Além-mar. 2004. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Pós Graduação Lato Senso Em História do Brasil) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

19.
Ana Margaret de Castro Feteira do Vale. Os Intelectuais Brasileiros e a Construção do Novo Império Português. 2001. 0 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

20.
Maria José Saraiva Lino. Existem Bruxas no Brasil? Claro que sim.. 2001. 0 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Natália Monteiro Vieira. Lealdade, benesses e organização social: uma análise política da mercê para a formação da nobreza da terra no Rio de Janeiro colonial (1640-1706). 2017. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Alana da Silva Machado. Magistrados luso-americanos na comarca do Rio de Janeiro setecentista. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
Karoline Marques Machado. Os provedores da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro: elites, poder e caridade no Brasil colonial. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

4.
Marcela Moraes Gomes. O Temor no Rio de Janeiro: Relação da Corte joanina com os escravos na cidade. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

5.
Camilla Leal. A representação das imagens do Rei e da Monarquia na cerimônia de aclamação de D. João VI em 1818 no Rio de Janeiro. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

6.
André Luiz Reynaud Sampaio. Entre sucessos e reveses:as relações diplomáticas portuguesas durante a guerra de Restauração (1640-1668). 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

7.
Nathália Gama Lemos. Conectando o Império: Paulo Fernandes Viana e a Intendência Geral de Polícia (1808-1821). 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

8.
Bruna Milheiro Silva. De conquistadores a 'principais da terra': a formação da governança local na cidade do Rio de Janeiro de 1565 a 1570. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

9.
Thiago Rodrigues da Silva. Papéis tão importantes: secretários de governo e a reorganização imperial. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

10.
Vânia de Siqueira. Os movimentos de contestação do final do período colonial: a Inconfidência do Rio de Janeiro de 1794. 2004. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

11.
Aline Abeid Villela. Escravidão Urbana no Rio de Janeiro. Século XIX. 2004. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

12.
Antônio Vitorino Farias Filho. Negociação e Conflito na Administração Colonial. 2001. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

13.
Renata Conceição Lopes Rodrigues. Os Movimentos Radicais e a Campanha Abolicionista no Rio de Janeiro na Década de 1880. 2000. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

Iniciação científica
1.
Natália Monteiro Vieira. Capitalidade, urbanismo, sociabilidade e patrimônio: a cidade do Rio de Janeiro, corte e capital do império português e do Brasil (1808-1843). 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

2.
Yngrid Carrancho Panisset Péres. Capitalidade, urbanismo, sociabilidade e patrimônio: A cidade do Rio de Janeiro, corte e capital do Império português e do Brasil (1808-1843). 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

3.
Natália Monteiro Vieira. Sociabilidade, Urbanismo e Patrimônio: A cidade do Rio de Janeiro, Corte e Capital do Império português e do Brasil (1808-1843). 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

4.
Yngrid Carrancho Panisset Péres. Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: a Cidade do Rio de Janeiro entre 1808 e 1821. 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

5.
Yngrid Carrancho Panisset Péres. Conhecer o território e fundar vilas: povoadores e magistrados na gestão política e territorial da América portuguesa no século XVIII. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

6.
Elisa Michahelles Dourado. SOCIABILIDADE, URBANISMO E PATRIMÔNIO: A Cidade do Rio de Janeiro, Corte e Capital do Império Português e do Brasil (1808-1843). 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

7.
Yngrid Carrancho Panisset Péres. Conhecer o território e fundar vilas: povoadores e magistrados na gestão política e territorial da América portuguesa no século XVIII. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

8.
Alana da Silva Machado. Conhecer o território e fundar vilas: povoadores e magistrados na gestão política e territorial da América portuguesa no século XVIII. 2014. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

9.
Juliana Araújo Meato. Capitalidade, Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: A cidade do Rio de Janeiro entre 1808 e 1821. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

10.
Karoline Marques Machado. Cidade, elites e política imperial: A construção da capitalidade do Rio de Janeiro nos séculos XVIII e XIX. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

11.
Thainá Campos Seriz. O papel dos secretários na dinâmica política e institucional do Conselho Ultramarino e do império português. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Abi - História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

12.
Marcela Moraes Gomes. Cidade, Política e Território: Rio de Janeiro e Lisboa, capitais do Império português. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

13.
Daniel Felismino Lopes Alves Rodrigues. Cidade, Política e Território: A capitalidade do Rio de Janeiro no século XIX. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

14.
Daiana Torres Lima. Governo e Administração do Império Português: Comunicação Política entre o Rio de Janeiro e o Centro da Monarquia via Conselho Ultramarino (1643-1750). 2011. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

15.
Marcos de Brito Monteiro Marinho. O papel dos secretários na dinâmica política e institucional do Conselho Ultramarino e do império português. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

16.
Karoline Marques Machado. Cidade, elites e política imperial: a construção da capitalidade do Rio de Janeiro nos séculos XVII e XVIII. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

17.
Daniel Felismino Lopes Alves Rodrigues. Cidade, Política e Território: A construção da capitalidade do Rio de Janeiro no século XVIII e as duas primeiras décadas do século XIX. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

18.
Daiana Torres Lima. Governo e Administração do Império Português: Comunicação política entre periferias imperiais e o centro da monarquia via Conselho Ultramarino, século XVIII. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

19.
Marcela Moraes Gomes. Cidade, Política e Território: Rio de Janeiro e Lisboa, capitais do império português. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

20.
Matheus Rodrigues Pinto. Cidade, Política e Território: A capitalidade do Rio de Janeiro no século XVIII e início do século XIX. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

21.
Raphael Ferraz de Oliveira. Governo e Administração no Império Português: Comunicação Política entre o Rio de Janeiro e o Centro da Monarquia. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

22.
Luiza Vinhosa. Cidade, Política e Território: A capitalidade do Rio de Janeiro no século XVIII e início do XIX. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

23.
Ana Luiza Falcão de Souza. Formas de mobilidade social: serviços e mercês no Rio de Janeiro e nas fronteiras sul. 2005. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

24.
Bruna Coutinho Gonçalves Belchior. A centralidade do Rio de Janeiro na dinâmica do Atlântico Sul. 2005. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

25.
Gabriela Lanceloti Rodrigues. Fundação do Rio de Janeiro e os cargos concedidos pela Coroa portuguesa. Século XVI. 2004. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

26.
Carlos Eduardo Lohse Rezende. As relações entre o poder local e o poder central no Antigo Regime. Exemplo da Câmara do Rio de Janeiro nos séculos XVII e XVIII. 2004. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

27.
Gabriela Rodrigues Lanceloti. Descendências, Hierarquias e Instituições. 2002. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

28.
Carlos Eduardo Lohse Rezende. Administrações Locais no Reino de Portugal e na América Portuguesa. 2002. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

29.
Francisco Josué Medeiros de Freitas. A lógica da administração portuguesa e o significado dos privilégios nas Américas do século XVIII. 2001. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

30.
João Ricardo Rodrigues Viegas. As câmaras municipais do Brasil e a política do Império português. 2001. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.

31.
Fernanda Regina do Carmo Lomenso. Poderes Locais no Império Português: As Câmaras Municipais na América no Século XVIII. 2000. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em História) - Universidade Federal Fluminense, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Maria Fernanda Baptista Bicalho.



Outras informações relevantes


Em termos de contatos e projetos internacionais, participei entre 2005 e 2008 no projeto Nas Franjas dos Impérios: Dinâmicas de expansão e ocupação territorial na região platina, 1580-1808, coordenado por. Nuno Gonçalo Monteiro (ICS-UL), financiado pela FCT e pelo Instituto Camões. Entre 2008 e 2009 integrei o projeto A Monarquia e seus Idiomas: Corte, governos ultramarinos, negociantes, régulas e escravos no mundo português (sécuos XVI-XIX), no âmbito do convênio CAPES-GRICES, sob a coordenação dos professores João Fragoso (UFRJ) e Isabel dos Guimarães Sá (Universidade do Minho). Desde 2009 integro o projeto (FCT) A Comunicação Política na Monarquia Pluricontinental Portuguesa (1580-1808): Reino, Atlântico e Brasil, coordenado por Nuno Monteiro. Desde 2007, tenho atuado como Professora Visitante no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros da Universidade da Provence (Aix-Marseille 1). Desde 2010 participo do projeto, financiado pela Agence Nationale de Recherche, França, no Programa Les Suds Aujourd?hui II, Le renouveau impérial des États ibériques: une globalisation originale?, sob a coordenação de Stéphane Michonneau (Casa de Velázquez, Madri, Espanha). Faço igualmente parte do Conselho Científico da Red Columnaria. Red Temática de Investigación sobre las fronteras de las Monarquías Ibéricas en los siglos XVI al XVIII, fundada em 2004, que agrupa pesquisadores de várias nacionalidades, sob a coordenação de José Javier Ruiz Ibáñez (Universidad de Murcia, Espanha). Entre 2007 e 2009, com financiamento da FAPERJ (bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado), em meu nome, coordenei a pesquisa Cidade, Política e Território: A capitalidade do Rio de Janeiro no século XVIII e início do XIX, que envolveu uma equipe de professores e pesquisadores brasileiros e portugueses. Atualmente, com bolsa Cientista do Nosso Estado (FAPERJ) coordeno a pesquisa, multidisciplinar e internacional, Capitalidade, Urbanismo, Sociabilidade e Patrimônio: a cidade do RJ entre 1808 e 1821.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 17/11/2018 às 24:25:13