Marinete Pinheiro Carrera

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1314413290192367
  • Última atualização do currículo em 02/10/2018


possui graduação em Farmácia Comercial pela Universidade Federal do Pará, mestrado em Psicobiologia pela Universidade de São Paulo e doutorado em Psicobiologia pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Tem experiência na área de Farmacologia, com ênfase em Psicofarmacologia, atuando principalmente no estudo das bases farmacológicas e comportamentais dos processos de abuso e dependência de drogas e esquizofrenia, tendo como interesse específico, o estudo da participação dos receptores dopaminégicos e do estresse na gênese e manutenção dessas patologias neuropsiquiátricas. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Marinete Pinheiro Carrera
Nome em citações bibliográficas
CARRERA, M. P.;PINHEIRO-CARRERA, M.;Carrera, Marinete Pinheiro;CARRERA, MARINETTE PINHEIRO

Endereço


Endereço Profissional
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO, UENF/CCTA/LMPA/SETOR DE FARMACOLOGIA.
Avenida Alberto Lamego - 2000
Parque Califórnia
28013602 - Campos dos Goytacazes, RJ - Brasil
Telefone: (22) 27397197


Formação acadêmica/titulação


1991 - 1995
Doutorado em Psicobiologia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: Efeitos comportamentais e neuroquímicos decorrentes do tratamento com L-DOPA e MK-801 sobre o desenvolvimento da supersensibilidade dos receptores dopaminérgicos num modelo da doença de Parkinsom em ratos., Ano de obtenção: 1995.
Orientador: Carlos Alberto Bezerra Tomaz.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: 6-Hidroxidopamina (6-OHDA); Behavioral Sensitization; Doenca de Parkinson; Comportamento Rotatorio; Hplc-Ec; L-Dopa.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Estimulação Elétrica e com Drogas; Comportamento.
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Neuropsicofarmacologia / Especialidade: Psicofarmacologia.
Setores de atividade: Saúde Humana; Produção Animal, Inclusive Serviços Veterinários.
1988 - 1991
Mestrado em Psicobiologia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: Influência do condicionamento operante de rotação sobre a reorganização comportamental após lesão da substância negra em ratos.,Ano de Obtenção: 1991.
Orientador: Carlos Alberto Bezerra Tomaz.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: 6-Ohda; Comportamento Rotatorio; Doenca de Parkinson; Substantia Nigra; Thigmotactic Behavior; Treino operante.
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Psicobiologia.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Estimulação Elétrica e com Drogas; Comportamento.
Setores de atividade: Saúde Humana; Produção Animal, Inclusive Serviços Veterinários.
1986 - 1987
Especialização em Bioquímica Clínica.
Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.
1982 - 1986
Graduação em Farmácia Comercial.
Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.


Pós-doutorado


2014 - 2015
Pós-Doutorado.
University of Bath, U. B, Inglaterra.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Neuropsicofarmacologia / Especialidade: Psicofarmacologia.
1995 - 1997
Pós-Doutorado.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Psicobiologia.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Estimulação Elétrica e com Drogas; Comportamento.


Atuação Profissional



UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO, UENF, Brasil.
Vínculo institucional

2007 - Atual
Vínculo: Outro (especifique)- Estatutár, Enquadramento Funcional: D.E., Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.


Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UENF, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Associado, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

1999 - 2003
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor Associado, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

1997 - 1999
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Professor Associado, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

3/2006 - Atual
Ensino, Medicina Veterinária, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Farmacologia Veterinária
8/2005 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/2005 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/2004 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/2002 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Produção Animal, Produção Animal.

Cargo ou função
Comissão de Exame de Língua Estrangeira (Inglês).
3/2000 - Atual
Ensino, Medicina Veterinária, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Monografia
2/2000 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Biociências e Biotecnologia, .

Cargo ou função
Comissão do Biotério Central da UENF.
8/1999 - Atual
Ensino, Ciência Animal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Psicofarmacologia dos distúrbios comportamentais dos animais domésticos
8/1999 - Atual
Ensino, Produção Vegetal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Aspectos da fisiologia dos insetos
3/1999 - Atual
Direção e administração, Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

Cargo ou função
Chefia do Setor de Farmacologia/LSA/CCTA.
3/1999 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, .

Cargo ou função
Colegiado de Curso de Graduação em Medicina Veterinária.
11/1998 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, .

Cargo ou função
Comissão de Estudos em Plantas Medicinais do CCTA.
8/1998 - Atual
Ensino, Produção Vegetal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Toxicologia dos inseticidas
8/1997 - Atual
Ensino, Ciência Animal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Tópicos especiais em farmacologia veterinária
3/1997 - Atual
Ensino, Medicina Veterinária, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Farmacologia Veterinária
3/2005 - 3/2006
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/2005 - 3/2006
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/2002 - 3/2006
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/2005 - 12/2005
Ensino, Zootecnia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Farmacologia aplicada à zootecnia
8/2005 - 12/2005
Ensino, Medicina Veterinária, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Monografia II
8/2005 - 12/2005
Ensino, Ciência Animal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Tópicos Especiais em Farmacologia Veterinária
3/2005 - 8/2005
Ensino, Medicina Veterinária, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Farmacologia veterinária
Monografia I
Monografia II
3/2005 - 8/2005
Ensino, Produção Vegetal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Toxicologia dos Inseticidas
3/2003 - 3/2005
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/2002 - 3/2005
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/2002 - 6/2004
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/2001 - 6/2004
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/2000 - 12/2002
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

3/1999 - 5/2002
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

8/1999 - 3/2002
Pesquisa e desenvolvimento , Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

1/1999 - 3/1999
Direção e administração, Laboratório de Sanidade Animal, Laboratório de Sanidade Animal.

Cargo ou função
Chefia do Laboratório de Sanidade Animal.
3/1998 - 12/1998
Conselhos, Comissões e Consultoria, Produção Animal, Produção Animal.

Cargo ou função
Comissãode Exame de Língua Estrangeira (Inglês).
8/1997 - 12/1997
Ensino, Ciência Animal, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminários de Pós-Graduação em Produção Animal

Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Vínculo institucional

1995 - 1997
Vínculo: Bolsista recém-doutor, Enquadramento Funcional: Bolsista recém-doutor, Carga horária: 0

Vínculo institucional

1994 - 1994
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor colaborador, Carga horária: 6

Atividades

5/1995 - 4/1997
Pesquisa e desenvolvimento , Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Departamento de Psicologia e Educação.

3/1994 - 7/1994
Ensino, Psicologia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Neuroanatomia e neurofisiologia


Linhas de pesquisa


1.
Efeitos da administração intraestriatal de agentes dopaminérgicos no condicionamento induzido por drogas.

Objetivo: Efeitos da administração intracerebral de apomorfina no condicionamento induzido por drogas - O agente dopaminérgico utilizado foi a apomorfina que é um agonista dopaminérgico D1/ D2 direto. Além do processo de condicionamento, o modelo experimental utilizado possibilitou o estudo do fenômeno de sensitização comportamental e seu relacionamento com o processo de condicionamento. Tanto o condicionamento induzido por drogas quanto o fenômeno de sensitização comportamental foram medidos através dos comportamentos de locomoção, levantamento, autolimpeza e cheirar..
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Psicobiologia.
Palavras-chave: Apomorfina; Atividade locomotora; Sensitização comportamental; Condicionamento induzido por drogas; Microinjeção; Estriado.
2.
Estudo da neurotoxicidade produzida por poluentes ambientais nos processos cognitivos

Objetivo: Exposição crônica de herbicidas em ratas: estudo das alterações aomportamentais e neuroquímas produzidas na prole - O aumento do uso de herbicidas na agricultura, especialmente do Tordon 202c, e o controle de pragas ambientais representam riscos para a exposição prolongada do organismo feminino. O objetivo geral da pesquisa proposta é verificar se a exposição crônica do herbicida Tordon 202c no organismo materno produz alterações comportamentais e neuroquímicas nos filhotes. Para isso, os seguintes procedimentos estão sendo adotados: 1 - Indução de toxicidade clínica e subclínica no organismo materno, através da administração de várias doses de Tordon 202c; 2 - Verificação do efeito do Tordon 202c no desenvolvimento reprodutivo maternal e no desenvolvimento fetal dos filhotes, utilizando-se parâmetros como o ganho de peso maternal e o número de fetos viáveis; 3 - Após o nascimento, são avaliados parâmetros de desenvolvimento físico dos filhotes como, a abertura dos olhos e ouvidos e a ruptura dos incisos; 4 - São realizadas medidas neurológicas de desenvolvimento, como, "Startle reflex" e capacidade de segurar o bastão; 5 - São realizadas medidas comportamentais como, atividade espontânea na arena experimental e labirinto radial, para se verificar a existência de alterações nos processos de memória e aprendizagem e da atividade locomotora. Verifica-se também o nível de ansiedade dos animais através de testes comportamentais, como o labirinto em T elevado; 6 - Verifica-se os efeitos dos tratamentos no conteúdo plasmático de corticosterona, que é um hormônio relacionado ao "stress"..
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Psicobiologia.
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Toxicologia / Especialidade: Neurotoxicologia.
Setores de atividade: Cuidado À Saúde das Pessoas.
Palavras-chave: Memória e aprendizagem; Tordon 202c; Neurotoxicidade; Corticosterona; Comportamento maternal; Desenvolvimento fetal.
3.
Doenças neuropsiquiátricas e o sistema dopaminérgico

Objetivo: Essa linha de pesquisa visa estudar o papel da estimulação dos receptores dopaminérgicos D3 e do hormônio corticosterona em um modelo experimental de esquizofrenia. De acordo com a hipótese dopaminérgica para a esquizofrenia, essa doença seria em decorrência da elevação do conteúdo dopaminérgico cerebral geral, e a estratégia terapêutica utilizada é a administração de antagonistas dopaminérgicos. Entretanto, dependendo da área e dos receptores dopaminérgicos atingidos pelos antagonistas, essa terapia produz vários efeitos indesejáveis, como por exemplo, aparecimento de sintomas parkinsonianos em decorrência da diminuição dos níveis dopaminérgicos no estriado. Nesse contexto, a utilização de agonistas dopaminérgicos específicos, como agonistas D3, parece ser frutífera para a terapia da esquizofrenia e psicoses, pois esses receptores se encontram em grande concentração no Núcleo Accumbens, em concentrações razoáveis no córtex pré-frontal e em baixas ou nulas concentrações em outras áreas como o estriado. Vale ressaltar que o núcleo accumbens faz parte do sistema límbico e, portanto está relacionado com as emoções e o córtex pré-frontal com processos cognitivos. Além disso, é sabido a participação de fatores estressantes no desencadeamento de crises psicóticas. Esta linha de pesquisa utiliza um modelo experimental de esquizofrenia, que é o modelo de Inibição Latente. Utiliza também a Anfetamina, que é um agonista dopaminérgico indireto; o 7-OH-DPAT, que é um agonista dopaminérgico D3/D2 e o Metyrapone, que é um antagonista da síntese de corticosterona..
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Neuropsicofarmacologia.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica / Especialidade: Psicobiologia.
Setores de atividade: Neurociências.
Palavras-chave: Esquizofrenia; Inibicão latente; Metyrapone - inibidor da síntese de corticosterona; Stress; 7-OH-DPAT; Dopamina.
4.
Papel da corticosterona na aquisição dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administrações sistêmicas de apomorfina em ratos.
5.
A importância do contexto ambiental no desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental induzido por doses únicas e múltiplas de apomorfina: papel do hormônio corticosterona.
6.
Efeito da Apomorfina na gênese do fenômeno de dependência drogas em um modelo experimental de recompensa.
7.
Papel do receptor D3 no processo de inibição latente em ratos.
8.
Ensaios farmacológicos, afecções clínicas e cirúrgicas dos animais.
9.
Efeitos da administração intra-estriatal do agonista quimpirole sobre a aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental.
10.
Ensaios farmacológicos, afecções clínicas e cirúrgicas dos animais.
11.
Ensaios farmacológicos, afecções clínicas e cirúrgicas dos animais.
12.
Ensaios farmacológicos, afecções clínicas e cirúrgicas dos animais.
13.
Ensaios farmacológicos e afecções clínicas e cirúrgicas dos animais domésticos.
14.
Ensaios farmacológicos e afecções clínicas e cirúrgicas dos animais domésticos.
15.
Ensaios farmacológicos, afecções clínicas e cirúrgicas dos animais.


Projetos de pesquisa


2009 - Atual
Esquizofrenia e Abuso de Drogas: Qual é a relação?
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Fávia Regina Cruz Dias - Integrante / JOÃO MARCOS DE MELLO BARROS - Integrante / LIANA WERMELINGER DE MATTOS - Integrante / MARIA DE FÁTIMA DOS SANTOS SAMPAIO - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 2
2009 - Atual
RECONSOLIDAÇÃO DA MEMÓRIA E O PROCESSO DE ABUSO E DEPENDÊNCIA DE DROGAS.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (3) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / R. J. Carey - Integrante / Fávia Regina Cruz Dias - Integrante / Liana Wermelinger de Matos - Integrante / JOÃO MARCOS DE MELLO BARROS - Integrante / VICTOR HUGO NICÁCIO ALVES - Integrante.
Número de produções C, T & A: 2
2008 - Atual
O DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO DE CONDICIONAMENTO E SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL EM RATOS: ALTERAÇÕES NEURAIS PERMANENTES OU MODULADAS PELO CONTEXTO AMBIENTAL?
Descrição: Existe uma taxa elevada de recaída entre os usuários de drogas de abuso quando estes são re-expostos à droga ou ao ambiente onde o efeito dessas drogas foi experimentado. Uma das explicações para esse fenômeno é o desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental que é caracterizado pelo aumento progressivo de uma determinada resposta comportamental quando a mesma dose da droga é administrada. Alguns conjuntos de fatores contribuem para o desenvolvimento da sensibilização. O primeiro conjunto estaria relacionado às adaptações neurobiológicas e moleculares produzidas pela droga e o segundo, incluiria àqueles fatores produzidos por dicas contextuais e pelo ambiente especificamente, o processo de condicionamento pavloviano. Assim, acredita-se que o processo de sensibilização dependente do contexto seja em conseqüência da interação entre os efeitos farmacológicos e os estímulos ambientais associados à administração da droga. Diante disso, o objetivo do presente projeto de pesquisa será verificar se as mudanças comportamentais que culminam com o desenvolvimento da sensibilização condicionada são permanentes ou podem ser moduladas por modificações farmacológicas e/ou por modificações nas dicas ambientais. Para atingir tais objetivos, primeiro, será estudado se a administração sistêmica de uma dose elevada do agonista de receptores dopaminérgicos D1 e D2, apomorfina (2,0 mg/Kg) produz o desenvolvimento da atividade locomotora condicionada e o desenvolvimento da sensibilização comportamental utilizando-se um modelo de condicionamento pavloviano e, segundo se a resposta comportamental de ratos previamente condicionados e sensibilizados por apomorfina será modificada em função das modificações nas manipulações farmacológicas e ambientais. Espera-se com isso demonstrar que manipulações farmacológicas e ambientais podem reverter às adaptações comportamentais e celulares associadas às administrações repetidas de drogas psicoestimulantes..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Especialização: (1) Doutorado: (1) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Príscila Quintanilha Braga - Integrante / Liana Wermelinger de Matos - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.Número de orientações: 1
2007 - Atual
Sensibilização comportamental dependente do contexto: Efeitos ambientais versus pistas temporais.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2007 - Atual
Avaliação hemodinânica, ventilatória e do tempo de conservação da associação tiopental sódico-propofol (1:1) para anestesia geral em cães.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2008
Efeito da administração do agonista D1 SKF 38393 e do agonista D2 quimpirola no teste de sensibilização comportamental em animais previamente sensibilizados por apomorfina.
Descrição: A administração repetida de drogas agonistas dopaminérgicos resulta no desenvolvimento de um fenômeno denominado sensibilização comportamental. Embora o mecanismo de ação responsável pela sensibilização comportamental não seja conhecido, várias evidências indicam o envolvimento principalmente do sistema dopaminérgico mesocorticolímbico. Entretanto, não há um consenso concernente à participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no desenvolvimento desse processo. Alguns autores sugerem que a ativação dos receptores D1 é suficiente para produzir sensibilização. Ratos tratados com o antagonista dopaminérgico D1 SCH 23390 não mostraram aumento da atividade locomotora após receberem apomorfina e também não desenvolveram sensibilização. Em contraste, o antagonista D2 sulpiride bloqueou os efeitos agudos da apomorfina, mas não impediu o desenvolvimento da sensibilização. Além disso, tem sido proposto que a administração repetida de agonistas dopaminérgicos tornaria os auto-receptores D2 subsensíveis havendo um decréscimo em seu efeito inibitório sobre a síntese e liberação de dopamina. A administração do antagonista D2, sulpiride, em concentração suficiente para bloquear ambos os receptores D2 pré e pós-sinápticos, não impediu o desenvolvimento da sensibilização comportamental. Acredita-se também que o aumento progressivo na atividade locomotora induzida por agonistas dopaminérgicos como a apomorfina está relacionado ao desenvolvimento de uma resposta locomotora condicionada a um estímulo ambiental associado com a exposição à droga. O presente trabalho pretende investigar os mecanismos que fundamentam o processo de sensibilização, além de averiguar a contribuição dos receptores D1 e D2 sobre a aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização induzidos pelo agonista dopaminérgico apomorfina..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Lyanna Liz Heringer - Integrante.
2005 - 2007
EFEITOS DO AGONISTA D3, 7-OH-DPAT, EM DOIS MODELOS EXPERIMENTAIS DE ESQUIZOFRENIA EM RATOS.
Descrição: Os antipsicóticos são medicamentos capazes de melhorar o estado de pacientes portadores de psicoses. O bloqueio dos receptores dopaminérgicos D2 é o mecanismo pelo qual os antipsicóticos típicos produzem seus efeitos terapêuticos. Entretanto, o D3 tem sido apontado como um novo alvo para drogas antipsicóticas, pois quando ativado inibe os efeitos produzidos pela estimulação de outros receptores dopaminérgicos. O agonista 7-OH-DPAT é um ligante seletivo para D3 possuindo seletividade 100 vezes maior para D3 que D2. Diante disso, o presente projeto visa estudar o efeito do 7-OH-DPAT em dois modelos experimentais utilizados para a seleção de antipsicóticos: o teste de estereotipia produzido pelo agonista D2/D1, apomorfina e o teste de catalepsia induzido pelo antagonista D2, haloperidol. Para isso, serão utilizadas três doses de 7-OH-DPAT; uma dose que atua nos autoreceptores pré-sinápticos D3/D2 (0,01 mg/Kg), uma dose que atua nos receptores D3 pós-sinápticos (0,1 mg/Kg) e uma dose elevada que atua nos receptores D2 pós-sinápticos (1 mg/Kg). As hipóteses levantadas no presente projeto são: 1) no teste de estereotipia, a dose mais elevada produzirá aumento do comportamento estereotipado semelhante ao produzido pela apomorfina e a dose de 0,1 mg/Kg, produzirá uma diminuição desse comportamento; 2) no teste de catalepsia, as doses 0,01 e 0,1 mg/Kg produzirão catalepsia de forma semelhante ao produzido por haloperidol..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Jefferson Pires Galvanho da Costa - Integrante.
2003 - 2006
ASPECTOS FARMACOLÓGICOS E COMPORTAMENTAIS DA PARTICIPAÇÃO DOS RECEPTORES DOPAMINÉRGICOS D1 E D2 NA AQUISIÇÃO E EXPRESSÃO DOS PROCESSOS DE CONDICIONAMENTO E SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL INDUZIDOS POR ADMINISTRAÇÕES DE APOMORFINA EM RATOS
Descrição: Este trabalho investigou a participação dos receptores D1 e D2 na aquisição e expressão do condicionamento e sensibilização produzidos por apomorfina. No experimento 1, onde se verificou se a APO (0,05, 0,5 e 2,0 mg/Kg) produziu condicionamento e sensibilização, os resultados mostraram que houve desenvolvimento da locomoção incondicionada, da locomoção incondicionada e sensibilização. No experimento 2, onde se estudou o papel dos receptores D1 no condicionamento e sensibilização produzidos por APO 2 mg/Kg, verificou-se que 0,01 e 0,05 mg/Kg de SCH 23390 (antagonista D1) bloquearam a aquisição e a expressão da locomoção incondicionada, do condicionamento e da sensibilização. No experimento 3, onde se estudou o papel dos receptores D2 no condicionamento e sensibilização produzidos por APO, verificou-se que 10 mg/Kg de sulpiride (antagonista D2) não bloqueou a aquisição da locomoção incondicionada e nem o condicionamento. No TS, não houve bloqueio da locomoção do grupo associado e do não associado, sugerindo o desenvolvimento da sensibilização independente do ambiente. A dose de 100 mg/kg bloqueou a aquisição do condicionamento, porém não bloqueou a locomoção incondicionada e a sensibilização independente do ambiente. Somente a dose de 100 mg/Kg bloqueou a expressão do condicionamento e da sensibilização. No experimento 4, onde se estudou o efeito da administração conjunta do SCH 23390 (0,05mg/kg) e sulpiride (100mg/kg) no condicionamento e sensibilização produzidos por APO, verificou-se o bloqueio da locomoção incondicionada, condicionamento e sensibilização. Os resultados sugerem que os receptores D1 e D2 pós-sinápticos estão relacionados com a aquisição e expressão da locomoção condicionada. Quanto à sensibilização, o D1 está relacionado com a aquisição e os D1 e D2 pós-sinápticos estão relacionados com a expressão..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Flávia Regina Cruz Dias - Integrante.
2003 - 2005
Efeito da administração intra-estriatal do agonista D2 quimpirole sobre a aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental.
Descrição: O objetivo principal será verificar se a estimulação dos receptores dopaminérgicos D2 estriatais, por meio de administrações intra-estriatais do agonista seletivo D2 quimpirole, produzirá o desenvolvimento dos processos de atividade locomotora condicionada e sensibilização comportamental. Além disso, verificar o papel dos receptores D2 na expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental e também será verificado se o efeito produzido por quimpirole é em decorrência da estimulação dos receptores pré ou pós sinápticos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Flávia Regina Cruz Dias - Integrante / Naligia Lima Almanco - Integrante.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 1 / Número de orientações: 1
2003 - 2005
Efeito da apomorfina na aquisição e expressão do comportamento de preferência condicionada por lugar: as contribuições dos receptores dopaminérgicos D1 e D2, do "priming" e do período de retirada de droga.
Descrição: Os objetivos são: 1 - Investigar se administrações sistêmicas de apomorfina, agonista dopaminérgico D1 e D2, produzirão preferência condicionada por lugar; 2 - Verificar qual o receptor dopaminérgico, D1 ou D2, está relacionado à aquisição da preferência condicionada por lugar. Para isso, serão utilizados antagonistas D1 e D2, SCH 23390 e sulpiride, respectivamente, a fim de que sejam bloqueados os efeitos produzidos por apomorfina. 3 - Verificar qual receptor dopaminérgico, D1 ou D2, está relacionado à expressão da preferência condicionada por lugar. Para isso, serão utilizados antagonistas D1 e D2, SCH 23390 e sulpiride, respectivamente, a fim de que sejam bloqueados os efeitos produzidos por apomorfina. 4 - Verificar se a instalação de um período de retirada de droga logo após o desenvolvimento da preferência condicionada irá enfraquecer a expressão da preferência condicionada em testes subsequentes. 5 - Verificar se a administração de apomorfina em uma dose menor que a utilizada para produzir preferência condicionada por lugar ("priminh"), após o período de retirada de droga, será capaz de reativar a preferência condicionada extinta pelo período de retirada de droga..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Ludimila César Moura Gaspar - Integrante.Financiador(es): Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - Bolsa.Número de orientações: 1
2002 - 2006
Papel dos receptores dopaminérgicos na aquisição e expressão da locomoção condicionada induzida por meio de administrações intra-estriatais de agentes dopaminérgicos em ratos: aspectos moleculares utilizando a técnica de c-fos.
Descrição: Já está bem estabelecido na literatura que os efeitos psicomotores estimulantes de drogas agonistas dopaminérgicas podem tornar-se associadas com estímulos ambientais (condicionamento). O núcleo accumbens está diretamente envolvido com o condicionamento, entretanto relatos recentes mostram que administrações de apomorfina no estriado produzem condicionamento. No estriado, existem duas populações distintas de receptores D1 e D2 que se encontram localizados em populações neuronais distintas. Entretanto, a participação desses receptores na aquisição e expressão do condicionamento permanece controversa. Já esta bem estabelecido na literatura, que o uso repetido de drogas psicoestimulantes promove a indução de um marcador de atividade neuronal denominado c-fos. Estudos têm demonstrado que a indução de Fos através do uso de cocaína e outros psicoestimulantes é mediada pelos receptores dopaminérgicos. Tem-se verificado um aumento na expressão de c-fos em várias regiões cerebrais, mas não existindo trabalho, até o momento, mostrando a expressão de c-fos no estriado em resposta à aquisição e expressão do processo de condicionamento. Diante disso, o presente trabalho visa: a) verificar se os efeitos das administrações intra-estriatais de apomorifina na produção da atividade locomotora condicionada acarretam em um aumento na indução da expressão de c-fos; b) verificar os efeitos da administração do antagonista D2, sulpiride sobre a aquisição e expressão da locomoção condicionada induzida por administrações intra-estriatais de apomorfina. Verificando se o tratamento com o antagonista D2 promove ou não um bloqueio na expressão de c-fos e, c) verificar os efeitos da administração do antagonista D1, SCH 233390 sobre a aquisição e expressão da locomoção condicionada induzida por administrações intra-estriatais de apomorfina. Verificando se o antagonista promove ou não um bloqueio na expressão de c-fos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Flávia Regina Cruz Dias - Integrante.Financiador(es): Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 3 / Número de orientações: 1
2002 - 2005
A importância do contexto ambiental no desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental induzido por doses única e múltiplas de apomorfina: papel do hormônio corticosterona.
Descrição: Quando drogas psicoestimulantes são administradas repetidamente os efeitos produzidos pelas mesmas sofrem modificações. Alguns efeitos podem diminuir (denominado tolerância) enquanto, ao mesmo tempo, outros efeitos podem aumentar (denominado sensibilização). O fenômeno de sensibilização é caracterizado por um aumento progressivo dos vários comportamentos induzidos por drogas psicoestimulantes e parece ser mediado por mecanismos pós e pré-sinápticos nos sistemas mesolímbico e nigro-estriatal. Pouco se sabe sobre os mecanismos neurobiológicos que culminam no desenvolvimento da sensibilização. Trabalhos sugerem que pelo menos dois fatores contribuem a sensibilização: as alterações induzidas pela administração repetida das drogas dopaminérgicas e os efeitos condicionadores de uma droga, promovidos por dicas situacionais e pelo ambiente. Além desses fatores, um outro fator relacionado ao sensibilização comportamental é o estresse. Vários pesquisadores têm proposto que o desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental em resposta a estímulos estressantes e drogas psicoestimulantes podem compartilhar de uma via comum que envolve o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Diante dessas evidências, os objetivos do presente trabalho estão sendo: (a) investigar se o contexto (ambiente) exerce um papel determinante no desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental. Para isso, está sendo utilizado o agonista direto de receptores dopaminérgicos D1 e D2, Apomorfina; (b) investigar se o processo de sensibililazação comportamental dependente do contexto se desenvolve após administração de uma única dose de apomorfina ou após várias doses consecutivas de Apomorfina e, (c) avaliar ao longo do tempo, a relação entre o desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental e a concentração plasmática do hormônio relacionado ao estresse, corticosterona, por meio da técnica de cromatografia líquida de alta eficiência com detecção ultra-violeta (HPLC-UV)..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Enrrico Bloise - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 1 / Número de orientações: 1
2002 - 2004
Papel da corticosterona na aquisição dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administrações sistêmicas de apomorfina em ratos.
Descrição: Estímulos recompensadores naturais e farmacológicos aumentam a secreção adrenal de corticosterona. A corticosterona, por sua vez, eleva a liberação de dopamina potencializando os efeitos motores e reforçadores de drogas psicoestimulantes como a apomorfina ? agonista direto dos receptores dopaminérgicos D1 e D2. A literatura científica estabelece que acréscimos, principalmente na atividade dopaminérgica mesolímbica e nigroestriatal, medeiam os processos de condicionamento e sensibilização a psicoestimulantes. Este trabalho investigou o papel da corticosterona na aquisição dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por apomorfina. No primeiro experimento, ratos Wistar receberam administrações de apomorfina (0,5 e 2,0 mg/kg) em duas situações: associada e não-associada ao ambiente experimental durante a fase de condicionamento. Após um período de retirada de droga de 2 dias, no teste de condicionamento, todos os animais receberam veículo. Após um segundo período de retirada de droga, procedeu-se o teste de sensibilização, no qual os animais receberam apomorfina. No segundo experimento, os ratos receberam administrações de metyrapone (50 mg/kg) obedecendo ao mesmo protocolo experimental citado anteriormente. No terceiro experimento, os ratos foram pré-tratados com metyrapone sendo, então, submetidos ao mesmo procedimento do primeiro experimento. Os resultados demonstraram que a administração de apomorfina nas doses de 0,5 e 2,0 mg/kg produziu condicionamento, mas somente a dose de 2,0 mg/kg causou sensibilização comportamental. A administração de metyrapone (50 mg/kg) sozinho produziu condicionamento. O pré-tratamento com metyrapone não bloqueou o condicionamento e a sensibilização à apomorfina. Estes resultados sugerem que a corticosterona não exerce papel precípuo no desenvolvimento da resposta locomotora condicionada e sensibilização comportamental induzidas por apomorfina..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Príscila Quintanilha Braga - Integrante.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 2 / Número de orientações: 1
2001 - 2004
Papel do receptor D3 no processo de inibição latente em ratos.
Descrição: A Inibição latente (IL) é definida como um retardo no condicionamento pavloviano depois de repetidas pré-exposições ao estímulo condicionado. É um fenômeno comportamental descrito em animais e em humanos, que está relacionado com a capacidade de atenção seletiva. Na IL, a resposta normal de um sujeito a um estímulo condicionado é menor do que a esperada se o sujeito houver sido pré-exposto a este estímulo sem ele estar associado ao estímulo incondicionado. Então, a IL é um fenômeno adaptativo que permite a um sujeito avaliar o significado dos eventos externos num ambiente variável. A IL se encontra reduzida em indivíduos esquizofrênicos, a qual tem sido relacionada com a dificuldade que estes pacientes têm em ignorar estímulos irrelevantes e, conseqüentemente, em monitorar a realidade. Desta forma, a IL tem sido utilizada como um modelo para o estudo da esquizofrenia. Um dos propósitos do presente trabalho é avaliar o efeito de um agonista do receptor dopaminérgico D3 (7-OH-DPAT) sobre a IL em ratos. Este objetivo se baseia na hipótese de que vias dopaminérgicas estão exacerbadas na esquizofrenia e no interesse em se achar agentes dopaminérgicos que atuem sobre receptores diferentes do receptor D2, visto que os chamados antipsicóticos típicos, que antagonizam este receptor, produzem nos pacientes efeitos colaterais motores indesejáveis..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Ligia Cristina Chagas da Silva Martinichi - Integrante.Financiador(es): Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 1 / Número de orientações: 1
2000 - 2002
Efeito da Apomorfina na gênese do fenômeno de dependência de drogas em um modelo experimental de recompensa.
Descrição: Existe uma taxa elevada de recaída entre usuários de drogas psicoestimulantes quando estes são reexpostos à droga ou à situações estressantes ou ao ambiente onde o efeito dessas drogas foram experimentados. Uma das explicações para esse fenômeno é a sensibilização comportamental e do desenvolvimento do condicionamento. Por outro lado, drogas que causam dependência produzem recompensa. A recompensa pode ser estudada através do modelo de Preferência Condicionada por Lugar (PCL). Por outro lado, é sabido a participação de níveis elevados do hormônio corticosterona nos processos de abuso e dependência de drogas. Como a interação entre esses processos não está bem estabelecida, o presente trabalho estuda os efeitos da apomorfina (APO), agonista de receptores D1 e D2, no condicionamento e sensibilizaçõ no PCL. O teste de PCL está sendo realizado em uma caixa constituída de 2 compartimentos maiores, diferentes e um compartimento central que dá acesso aos demais. Até o presente momento foram utilizados 24 ratos machos Wistar divididos em 2 grupos APO (2 mg/Kg, s.c.): um recebe APO no compartimento preto e salina no compartimento listrado e o outro recebe APO no compartimento listrado e salina no outro compartimento em dias alternados, durante 8 dias (fase de condicionamento). Após esse período, são realizados os testes de condicionameto (os animais são administrados com salina e colocados no compartimento associado à droga), sensibilização (os animais recebem APO no compartimento associado a ela) e recompensa (animais tem acesso sem administração de droga, aos dois compartimentos). Os resultados mostraram efeito aversivo da APO, com o desenvolvimento de sensibilização, mas sem condicionamento. Como a APO parece exercer um papel dose-dependente, está se utilizando uma outra dose de APO, 0.1 mg/Kg..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Cíntia Lourenço Santos - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 1 / Número de orientações: 1
1999 - 2002
Estudo da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no processo de condicionamento induzido por meio de administrações intra-estriatais de apomorfina em ratos.
Descrição: Estudos do processo de condicionamento induzido por drogas psicoestimulantes são importantes para o entendimento dos mecanismos envolvidos nos processos de aprendizagem, memória, abuso e dependência de drogas. Muitos trabalham mostram que os fenômenos de condicionamento e sensibilização comportamental encontram-se relacionados. Está bem estabelecido na literatura a relação entre o sistema dopaminérgico e o processo de condicionamento, porëm os mecanismos envolvidos nessa relação ainda não estão bem elucidados. Este trabalho investigou a participação do estriado e a classe do receptor dopaminérgico, D1 e D2, envolvidos no processo de condicionamento. Em um primeiro experimento, ratos foram administrados com apomorfina (APO), agonista direto de receptores dopaminérgicos D1 e D2, no estriado em duas situações: associado ao ambiente experimental (APO-A) e não associadoao ambiente experimental (APO-NA) durante 5 dias consecutivos (fase de condicionamento). Aopós um período de retirada de droga de 2 dias, os animais foram administrados com salina (teste de condicionamento) e a atividade locomotora foi registrada. Após um período de extinção de 2 dias, os animais foram administrados com APO (teste de sensibilização) e a atividade locomotora registrada. Em experimento subsequente, ratos foram pré-tratados com SCH 23390, antagonista D1 (0,05 mg/Kg, s.s.) e Sulpiride, antagonista D2 (100 mg/Kg; i.p.) e administrados com APO no estriado e submetidos às mesmas situações (associado e não associado) e procedimentos do experimento 1. Os resultados mostraram que: (a) a administração de APO-A no estriado produziu atividade locomotora condicionada; (b) as administrações de Sulpiride e SCH bloquearam o desenvolvimento da atividade locomotora incondicionada induzida por APO e, (c) somente as administrações de Sulpiride bloquearam o desenvolvimento da atividade locomotora condicionada induzida por APO-A..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (1) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Marinete Pinheiro Carrera - Coordenador / Flávia Regina Cruz Dias - Integrante.Financiador(es): Fundacão Estadual do Norte Fluminense - Bolsa / Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 2 / Número de orientações: 1


Revisor de periódico


2008 - Atual
Periódico: Psychopharmacologia (Heidelberg)
2012 - Atual
Periódico: The International Journal of Neuropsychopharmacology
2011 - Atual
Periódico: Pharmacology, Biochemistry and Behavior
2010 - Atual
Periódico: Experimental and Clinical Psychopharmacology
2008 - Atual
Periódico: Pharmacological Reports


Revisor de projeto de fomento


2011 - Atual
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
2010 - Atual
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Neuropsicofarmacologia/Especialidade: Psicofarmacologia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica/Especialidade: Psicobiologia.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Fisiológica/Especialidade: Estimulação Elétrica e com Drogas; Comportamento.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Experimental/Especialidade: Processos de Aprendizagem, Memória e Motivação.
5.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Etnofarmacologia.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Bem, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Prêmios e títulos


1991
Research Associate, Brown University.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

SCOPUS

Artigos completos publicados em periódicos

1.
LEITE, JOAQUIM BARBOSA2018 LEITE, JOAQUIM BARBOSA ; DE MELLO BASTOS, JOÃO MARCOS ; Samuels, Richard Ian ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Reversal elimination of morphine conditioned behavior by an anti-dopaminergic post-trial drug treatment during re-consolidation. BEHAVIOURAL BRAIN RESEARCH, v. 1, p. 1, 2018.

2.
SANTOS, BRENO GARONE2018SANTOS, BRENO GARONE ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Repeated pre-trial and post-trial low and high dose apomorphine treatments induce comparable inhibitory/excitatory sensitization and conditioned drug effects. PHARMACOLOGY BIOCHEMISTRY AND BEHAVIOR, v. 1, p. 1, 2018.

3.
SANTOS, BRENO GARONE2017SANTOS, BRENO GARONE ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . The acquisition, extinction and spontaneous recovery of Pavlovian drug conditioning induced by post-trial dopaminergic stimulation/inhibition. PHARMACOLOGY BIOCHEMISTRY AND BEHAVIOR, v. 156, p. 24-29, 2017.

4.
SANGUEDO, FREDERICO VELASCO2017SANGUEDO, FREDERICO VELASCO ; FIGUEIREDO, AMANDA MACHADO ; Carey, Robert J. ; Samuels, Richard Ian ; Carrera, Marinete Pinheiro . ERK activation in the prefrontal cortex by acute apomorphine and apomorphine conditioned contextual stimuli. PHARMACOLOGY BIOCHEMISTRY AND BEHAVIOR, v. 159, p. 76-83, 2017.

5.
OLIVEIRA, LUCAS RANGEL2016 OLIVEIRA, LUCAS RANGEL ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; SANTOS, BRENO GARONE ; SILVA, JADE LEAL LOUREIRO ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Post-trial dopaminergic modulation of conditioned catalepsy: A single apomorphine induced increase/decrease in dopaminergic activation immediately following a conditioned catalepsy response can reverse/enhance a haloperidol conditioned and sensitized catalepsy response. Behavioural Brain Research, v. 311, p. 87-98, 2016.

6.
SANTOS, BRENO GARONE2015SANTOS, BRENO GARONE ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Post-trial induction of conditioned apomorphine stimulant and inhibitory response effects: Evidence for potent trace conditioning of drug effects. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 129, p. 79-86, 2015.

7.
SANGUEDO, FREDERICO VELASCO2015SANGUEDO, FREDERICO VELASCO ; DIAS, CAIO VITOR BUENO ; DIAS, FLAVIA REGINA CRUZ ; Samuels, Richard Ian ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Reciprocal activation/inactivation of ERK in the amygdala and frontal cortex is correlated with the degree of novelty of an open-field environment. Psychopharmacologia (Heidelberg), v. ., p. ., 2015.

8.
BARROS, J. M. M.2014BARROS, J. M. M. ; ALVES, V. H. N. ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . Drug memory substitution during re-consolidation: A single inhibitory autoreceptor apomorphine treatment given during psychostimulant memory re-consolidation replaces psychostimulant conditioning with conditioned inhibition and reverses psychostimulant sensitization. Behavioural Brain Research, v. 260, p. 139-147, 2014.

9.
SANGUEDO, FREDERICO VELASCO COSTA2014SANGUEDO, FREDERICO VELASCO COSTA ; CRUZ DIAS, FLÁVIA REGINA ; BLOISE, Enrrico ; CESPEDES, ISABEL CRISTINA ; GIRALDI-GUIMARÃES, ARTHUR ; Samuels, Richard Ian ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Increase in medial frontal cortex ERK activation following the induction of apomorphine sensitization. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 118, p. 60-68, 2014.

10.
Carey, Robert J.2014Carey, Robert J. ; CARRERA, MARINETTE PINHEIRO ; DAMIANOPOULOS, ERNEST N. . A new proposal for drug conditioning with implications for drug addiction: The Pavlovian two-step from delay to trace conditioning. Behavioural Brain Research, v. 275, p. 150-156, 2014.

11.
DIAS, Flávia Regina Cruz2013DIAS, Flávia Regina Cruz ; MATOS, LIANA WERMELINGER ; SANTOS SAMPAIO, MARIA DE FÁTIMA ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Residual dopamine receptor desensitization following either high- or low-dose sub-chronic prior exposure to the atypical anti-psychotic drug olanzapine. Psychopharmacology (Berlin. Internet), v. 225, p. 141-150, 2013.

12.
CARRERA, M. P.;PINHEIRO-CARRERA, M.;Carrera, Marinete Pinheiro;CARRERA, MARINETTE PINHEIRO2013CARRERA, M. P.; CAREY, R. J. ; DIAS, F. R. C. ; Sampaio, M. F. ; Liana Wermelinger . Post-trial apomorphine at an autoreceptor dose level can eliminate apomorphine conditioning and sensitization: Support for the critical role of dopamine in re-consolidation.. Behavioural Brain Research, v. 30, p. 244-255, 2013.

13.
DIAS, F. R. C.2013DIAS, F. R. C. ; BARROS, J. M. M. ; SAMPAIO, M. F. S. ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . Opposite effects of typical and atypical anti-psychotic drugs on sensitized dopamine receptors: Sub-chronic low dose Olanzapine exposure reverses sensitization but a similar regimen of low dose haloperidol potentiates sensitization effects. Psychopharmacologia (Heidelberg), p. 579, 2013.

14.
DIAS, Flávia Regina Cruz2012DIAS, Flávia Regina Cruz ; de Matos, Liana Wermelinger ; Sampaio, Maria de Fátima dos Santos ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Opposite effects of low versus high dose haloperidol treatments on spontaneous and apomorphine induced motor behavior: Evidence that at a very low dose haloperidol acts as an indirect dopamine agonist. Behavioural Brain Research, v. 229, p. 153-159, 2012.

15.
Galvanho, Jefferson P.2012Galvanho, Jefferson P. ; Carrera, Marinete P. ; Moreira, Denise D. O. ; Erthal, Milton ; Silva, Carlos P. ; Samuels, Richard Ian ; CARRERA, M. P. . Imidacloprid Inhibits Behavioral Defences of the Leaf-Cutting Ant Acromyrmex subterraneus subterraneus (Hymenoptera:Formicidae). Journal of Insect Behavior, v. 1, p. 2-3, 2012.

16.
Coelho, Gabriela Corrêa2011Coelho, Gabriela Corrêa ; Galvanho, Jefferson Pires ; Carey, Robert J ; Carrera, Marinete Pinheiro . Apomorphine locomotor sensitization can be potentiated by environmental change: Evidence for a Non-Pavlovian associative behavioral contrast factor in sensitization expression. Behavioural Brain Research, p. ., 2011.

17.
CARRERA, M. P.2011 CARRERA, M. P.; Carey, Robert J ; DIAS, Fávia Regina Cruz ; MATOS, L. W. . Reversal of apomorphine locomotor sensitization by a single post-conditioning trial treatment with a low autoreceptor dose of apomorphine: A memory re-consolidation approach.. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 1, p. 1-., 2011.

18.
Carrera, Marinete Pinheiro2011 Carrera, Marinete Pinheiro; Carey, Robert J. ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; Mattos, Liana Wermelinger . Memory re-consolidation and drug conditioning: an apomorphine conditioned locomotor stimulant response can be enhanced or reversed by a single high versus low apomorphine post-trial treatment. Psychopharmacologia (Heidelberg), v. ., p. ., 2011.

19.
DIAS, Flávia Regina Cruz2010 DIAS, Flávia Regina Cruz ; Carey, Robert J. ; Carrera, Marinete Pinheiro . Apomorphine-induced context-specific behavioural sensitization is prevented by the D1 antagonist SCH-23390 but potentiated and uncoupled from contextual cues by the D2 antagonist sulpiride. Psychopharmacologia (Heidelberg), v. ., p. ., 2010.

20.
MATOS, L. W.2010MATOS, L. W. ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . Apomorphine Conditioning and Sensitization: The Paired/Unpaired Treatment Order as a New Major Determinant of Drug Conditioned and Sensitization Effects.. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 1, p. 1, 2010.

21.
D.D.O. Moreira2010D.D.O. Moreira ; A.M. Viana Bailez ; M. Erthal Jr ; O. Bailez ; CARRERA, M. P. ; SAMUELS, R. I. . Resource allocation among worker castes of the leaf-cutting ants Acromyrmex subterraneus subterraneus through trophallaxis. Journal of Insect Physiology, v. 56, p. 1665-1670, 2010.

22.
Braga, Priscila Quintanilha2009Braga, Priscila Quintanilha ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; Carey, Robert J. ; CARRERA, M. P. . Low dose apomorphine induces context-specific sensitization of hypolocomotion without conditioning: Support for a new state dependent retrieval hypothesis of drug conditioning and sensitization. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, p. 1, 2009.

23.
Braga, Priscila Quintanilha2009Braga, Priscila Quintanilha ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . Behavioural sensitization to dopaminergic inhibitory and stimulatory effects induced by low vs. high dose apomorphine treatments: An unconventional dose and response reversal sensitization challenge test reveals sensitization mechanisms.. Behavioural Brain Research, v. ., p. .-., 2009.

24.
BRAGA, P. Q.2008BRAGA, P. Q. ; Galvanho, JP ; BLOISE, Enrrico ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . The expression of locomotor sensitization to apomorphine is dependent on time interval between injection and testing. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 458, p. 153, 2008.

25.
De Paula AR2008De Paula AR ; Brito, Eliane ; Pereira, César ; CARRERA, M. P. ; SAMUELS, R. I. . Susceptibility of adult. Biocontrol Science and Technology (Print), v. 18, p. 1017-1025, 2008.

26.
BLOISE, Enrrico2007BLOISE, Enrrico ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . Behavioral sensitization produced by a single administration of apomorphine:Implications for the role of Pavlovian conditioning in the mediation of context-specific sensitization. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 70130, p. 2007.01.002, 2007.

27.
MARTINICHI, Ligia Cristina Chagas da Silva2007MARTINICHI, Ligia Cristina Chagas da Silva ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . 7-OH-DPAT effects on latent inhibition: low dose facilitation but high dose blockade: Implications for dopamine receptor involvement in attentional processes. Pharmacology, Biochemistry and Behavior, v. 70129, p. 2007.01.001, 2007.

28.
DIAS, Fávia Regina Cruz2006CARRERA, M. P.; DIAS, Fávia Regina Cruz ; CAREY, R. J. . Conditioned locomotion induced by unilateral intrastriatal administration of Apomorphine: D2 receptor activation is critical but not the expression of the unconditioned response. Brain Research, v. 1083, n.1, p. 85-95, 2006.

29.
MOREIRA, D. D. O.2006CARRERA, M. P.; MOREIRA, D. D. O. ; ERTHAL JR, M. ; SILVA, C. P. ; SAMUELS, R. I. . Oral trophallaxis in adult leaf-cutting ants Acromyrmex subterraneus subterraneus (Hymenoptera, Formicidae). Insectes SociauX (Printed ed.), v. 53, p. 345-348, 2006.

30.
CARRERA, M. P.;PINHEIRO-CARRERA, M.;Carrera, Marinete Pinheiro;CARRERA, MARINETTE PINHEIRO1998CARRERA, M. P.; BRUNHARA, F. C. ; SCHWARTING, R. K. W. ; TOMAZ, C. . Drug Conditioning Induced By Intrastriatal Apomorphine Administration. Brain Research, EUA, v. 790, p. 60-66, 1998.

31.
CARRERA, M. P.;PINHEIRO-CARRERA, M.;Carrera, Marinete Pinheiro;CARRERA, MARINETTE PINHEIRO1997CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. . Tratamento Cronico Com L-Dopa e Mk-801: Efeitos Comportamentais e Neuroquimicos Em Um Modelo Experimental de Parkinsonismo. PSIQUIATRIA BIOLOGICA, v. 5, n.1, p. 0-0, 1997.

32.
CAREY, R. J.1995CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. ; DAI, H. ; HUSTON, J. P. ; PINHEIRO-CARRERA, M. ; SCHWARTING, R. K. W. ; TOMAZ, C. . L-Dopa Metabolism In Cortical And Striatal Tissue In An Animal Model Of Parkinsonism.. Brain Reserach Bulletin, EUA, v. 37, p. 295-299, 1995.

33.
CAREY, R. J.1995CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. ; PINHEIRO-CARRERA, M. ; TOMAZ, C. ; HUSTON, J. P. . L-Dopa And Psychosis: Evidence For L-Dopa Induced Increases In Prefrontal Cortex Dopamine And In Serum Corticosterone.. Biological Psychiatry, v. 38, p. 669-676, 1995.

34.
PINHEIRO-CARRERA, M.1995PINHEIRO-CARRERA, M. ; CARRERA, M. P. ; TOMAZ, C. ; HUSTON, J. P. ; CAREY, R. J. . Nmda-Antagonist Effects On The Development Of L-Dopa Behavioral Sensitization.. Behavioral Neuroscience, EUA, v. 109, p. 34-42, 1995.

35.
CAREY, R. J.1994CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. ; PINHEIRO-CARRERA, M. ; TOMAZ, C. ; HUSTON, J. P. . Effects Of L-Dopa On The Development Of Dopamine Receptor Supersensitivity Following Unilateral Dopamine Denervation. BRAIN RESEARCH, v. 658, p. 145-154, 1994.

36.
CAREY, R. J.1994CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . L-Dopa Pharmacotherapy And Behavioural Dysfunction. Behavioural Pharmacology, EUA, v. 5, n.1, p. 115-116, 1994.

37.
PINHEIRO-CARRERA, M.1994PINHEIRO-CARRERA, M. ; CARRERA, M. P. ; TOMAZ, C. ; HUSTON, J. P. ; DAI, H. ; CAREY, R. J. . "Priming" Enhances The Relationship Of Striatal 1-Dopa Concentration To Behavior.. NeuroReport, EUA, v. 5, p. 1665-1669, 1994.

38.
PINHEIRO-CARRERA, M.1994PINHEIRO-CARRERA, M. ; CARRERA, M. P. ; TOMAZ, C. ; HUSTON, J. P. ; DAI, H. ; CAREY, R. J. . L-Dopa Induced Increases In Brain Uric Acid In An Animal Model Of Parkinson'S Disease: Relationship To Behavioral Activation.. Life Sciences, EUA, v. 55, p. 991-997, 1994.

39.
CARRERA, M. P.;PINHEIRO-CARRERA, M.;Carrera, Marinete Pinheiro;CARRERA, MARINETTE PINHEIRO1992CARRERA, M. P.; MATTIOLI, R. ; TOMAZ, C. . Preoperative Operant Circling Training Facilitates Recovery Following Unilateral Substantia Nigra Lesion In Rats.. BEHAVIORAL AND NEURAL BIOLOGY, v. 58, p. 37-44, 1992.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . The Desensitization of Apomorphine Sensitized Dopamine Receptors by targeting either Serotonin 2A receptors or memory reconsolidation.. In: IBNS meeting, 2013, DUBLIN. IBNS meeting, 2013. v. 1. p. 1-1.

2.
BARROS, J. M. M. ; DIAS, F. R. C. ; SAMPAIO, M. F. S. ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . EFEITO DO TRATAMENTO CRÔNICO COM UMA DOSE BAIXA DE HALOPERIDOL NA EXPRESSÃO DO CONDICIONAMENTO E DA SENSIBILIZAÇÃO DESENVOLVIDOS PREVIAMENTE POR APOMORFINA. In: II SEMANA INTERNACIONAL E VI SIMPÓSIO DE NEUROCIÊNCIAS DA UFMG, 2012, BELO HORIZONTE. II SEMANA INTERNACIONAL E VI SIMPÓSIO DE NEUROCIÊNCIAS DA UFMG. v. 1. p. 1-1.

3.
SANGUEDO FVC ; DIAS, F. R. C. ; CARRERA, M. P. . O efeito do desenvolvimento da sensibilização comportamental e do contexto ambiental na ativação da proteína ERK em estruturas cerebrais relacionadas à dependência química. In: Mostra de Pós-Graduação da UENF, 2012, CAMPOS DOS GOYTACAZES. Mostra de Pós-Graduação da UENF, 2012. v. 1. p. 1-1.

4.
BARROS, J. M. M. ; CARRERA, M. P. . Reconsolidacão da Memória: Efeito da Mudança do Estado Dopaminérgico em Expressão do Condicionamento e da Sensibilização em um Modelo de Dependência Química. In: Mostra de Pós-Graduação da UENF, 2012, Campos dos Goytacazes. Mostra de Pós-Graduação da UENF, 2012. v. 1. p. 1-1.

5.
ALVES, V. H. N. ; CARRERA, M. P. . DEPENDÊNCIA DE DROGAS E RECONSOLIDAÇÃO DA MEMÓRIA.. In: XII Mostra de Pós-Graduação UENF, 2012, Campos dos Goytacazes. XII Mostra de Pós-Graduação UENF. v. 1. p. 1-1.

6.
DIAS, F. R. C. ; Liana Wermelinger ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . . Effects of pretreatment with high vs. low doses of typical anti-psychotic, haloperidol and atypical olanzapine on the behavioral sensitization induced by apomorphine.. In: XXVI Reunião Anual da FeSBE, 2011, RIO DE JANEIRO. XXVI Reunião Anual da FeSBE, 2011. v. 1. p. 1.

7.
CARRERA, M. P.; Liana Wermelinger ; DIAS, F. R. C. ; CAREY, R. J. . Dopaminergic sensitization and conditioning can be enhanced by a single high dose or completely reversed by a single low autooreceptor dose of apomorphine given post-trial following a brief exposure to contextual cues.. In: Neuroscience 2011, 2011, Washington, DC. Neuroscience 2011, 2011. v. 1. p. 1-1.

8.
DIAS, Flávia Regina Cruz ; MATOS, L. W. ; CARRERA, M. P. . RELAÇÃO NEUROFUNCIONAL ENTRE A REGIÃO CORE DO NÚCLEO ACUMBENS E O ESTRIADO DORSAL NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS DE CONDICIONAMENTO E SENSIBILIZÇÃO COMPORTAMENTAL. In: XXIV Reunião Anual da FeSBE, 2009, àguas de Lindóis. XXIV Reunião Anual da FeSBE, 2009. v. .. p. ..

9.
DIAS, Fávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . EFEITOS DO BLOQUEIO DOS AUTO-RECEPTORES D2 SOBRE OS PROCESSOS DE CONDICIONAMENTO E DE SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL INDUZIDOS PELA APOMORFINA. In: XXIV Reunião Anual da FeSBE., 2009, Águas de Lindóia-SP. XXIV Reunião Anual da FeSBE., 2009. v. .. p. ..

10.
MATOS, L. W. ; CARRERA, M. P. . O PAPEL DO CONDICIONAMENTO PAVLOVIANO NA SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL DEPENDENTE DO CONTEXTO PRODUZIDA POR APOMORFINA EM RATOS. In: XXIV Reunião Anual da FeSBE., 2009, Águas de Lindóia-SP. XXIV Reunião Anual da FeSBE, 2009. v. .. p. ..

11.
Coelho GC ; CARRERA, M. P. . O EFEITO DAS MUDANÇAS NO CONTEXTO AMBIENTAL NA SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL ESTABELECIDA PREVIAMENTE POR APOMORFINA EM RATOS. In: XXIV Reunião Anual da FeSBE, 2009, Águas de Lindóia-SP. XXIV Reunião Anual da FeSBE, 2009. v. .. p. ..

12.
MATOS, L. W. ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; CARRERA, M. P. . DIFERENÇAS INDIVIDUAIS ESPONTÂNEAS E A SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL INDUZIDO POR APOMORFINA EM RATOS.. In: I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica, 2008, Búzios. I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica, 2008. v. .. p. ..

13.
MATOS, L. W. ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; BASTOS, Rosemary ; ELIAS, l. l. k. ; ANTUNES-RODRIGUES,J. ; CARRERA, M. P. . RELAÇÃO ENTRE AS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E O HORMÔNIO CORTICOSTERONA EM RATOS.. In: I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008, bÚZIOS. I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008. v. .. p. ..

14.
DIAS, Fávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . EFEITOS DA ADMINISTRAÇÃO INTRA-ESTRIATAL DOS AGONISTAS D1, SKF 38393 E D2, QIMPIROLA SOBRE A LOCOMOÇÃO E AUTO-LIMPEZA INCONDICIONADA E CONDICIONADA. In: I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008, Búzios. I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008. v. .. p. ..

15.
Galvanho, JP ; Carey, Robert J. ; CARRERA, M. P. . A INFLUÊNCIA DO TEMPO DECORRIDO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO DE APOMORFINA E O TESTE COMPORTAMENTAL NO DESENVOLVIMENTO DA SENSIBILIZAÇÃO EM RATOS.. In: I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica, 2008, Búzios. I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica, 2008. v. .. p. ..

16.
DIAS, Flávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . EFEITOS DA ADMINISTRAÇÃO DO ANTAGONISTA D1, SCH 23390 E D2, SULPIRIDE SOBRE A SUPERSENSIBILIDADE DOPAMINÉRGICA. In: I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008, Búzios. I Congresso IBRO/LARC de Neurociências da América Latina, Caribe e Península Ibérica., 2008. v. .. p. ..

17.
BLOISE, Enrrico ; CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . CONTEXT-SPECIFIC SENSITIZATION OF LOCOMOTOR BEHAVIOUR PRODUCED BY A SINGLE ADMINISTRATION OF APOMORPHINE.. In: INTERNATIONAL BEHAVIORAL NEUROSCIENCE SOCIETY, 2007, Rio de Janeiro. INTERNATIONAL BEHAVIORAL NEUROSCIENCE SOCIETY ANUAL MEETING, 2007. v. 16. p. 40-40.

18.
COSTA, Jefferson Pires Galvanho da ; BRAGA, P. Q. ; CARRERA, M. P. . Efeitos do agonista D3, 7-OH-DPAT, no teste de hiperatividade produzida por apomorfina e no teste de catalepsia em Ratos.. In: XXII REUNIÃO ANUAL DA FESBE, 2007, Águas de Lindóia. XXII REUNIÃO ANUAL DA FESBE, 2007.

19.
DIAS, Fávia Regina Cruz ; BRAGA, P. Q. ; CARRERA, M. P. . EFEITO DO ANTAGONISTA D2, SULPIRIDE, NA SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL PRODUZIDA POR APOMORFINA. In: XXII FESBE, 2007, Aguas de Lindoia. XXII FESBE, 2007.

20.
HERINGER, Lyanna Liz ; BRAGA, P. Q. ; CARRERA, M. P. . EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO DE UMA DOSE ELEVADA DE APOMORFINA NO TESTE DE SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL EM RATOS PRÉ-SENSIBILIZADOS COM UMA DOSE MODERADA DE APOMORFINA.. In: XXII FESBE, 2007, Aguas de Lindoia. XXII FESBE, 2007.

21.
LIMA, Raíssa Oliveira ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; CARRERA, M. P. . AVALIAÇÃO DAS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS ESPONTÂNEAS E INDUZIDAS POR APOMORFINA NO COMPORTAMENTO OROFACIAL. In: FESBE, 2006, Águas de Lindóia - SP. FESBE 2006, 2006.

22.
BLOISE, Enrrico ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . LOCOMOÇÃO, LEVANTAMENTO E COMPORTAMENTOS OROFACIAS: SENSIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA APÓS DUAS ADMINISTRAÇÕES DE APOMORFINA. In: FESBE, 2006, Águas de Lindóia. FESBE, 2006.

23.
HERINGER, Lyanna Liz ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; CARRERA, M. P. . EFEITO DA DURAÇÃO DO TRATAMENTO COM UMA DOSE MODERADA DE APOMORFINA SOBRE A ATIVIDADE LOCOMOTORA E SUPERSENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL.. In: FESBE 2006, 2006, Águas de Lindóia - SP. FESBE 2006, 2006.

24.
BRAGA, Príscila Quintanilha ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . INFLUÊNCIA DA DOSE DE APOMORFINA ADMINISTRADA NA EXPRESSÃO DOS COMPORTAMENTOS LOCOMOTOR E ESTEREOTIPADO.. In: FESBE 2006, 2006, Águas de Lindóia - SP. FESBE 2006.

25.
LIMA, Raíssa Oliveira ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; CARRERA, M. P. . O papel das diferenças individuais nos comportamentos orais espontâneos e estereotipados induzidos por apomorfina.. In: XIX FESBE, 2005, Águas de Lindóia. XIXFESBE, 2005. v. XIX.

26.
BLOISE, Enrrico ; CARRERA, M. P. . A importância do ambiente no processo de sensibilização comportamental após duas administrações de apomorfina.. In: XIX FESBE, 2005, Águas de Lindóia. XIXFESBE, 2005. v. XIX.

27.
BRAGA, Príscila Quintanilha ; DIAS, Flávia Regina Cruz ; CARRERA, M. P. . EFEITO DOSE-DEPENDENTE DA APOMORFINA NA SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL.. In: XIX FESBE, 2005, Águas de Lindóia. XIXFESBE, 2005. v. XIX.

28.
DIAS, Flávia Regina Cruz ; BRAGA, Príscila Quintanilha ; CARRERA, M. P. . EFEITO DO ANTAGONISTA D1, SCH 23390, NA SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL PRODUZIDA POR APOMORFINA.. In: XIXFESBE, 2005, Águas de Lindóia. XIXFESBE, 2005. v. XIX.

29.
CARRERA, M. P.; DIAS, Flávia Regina Cruz . Locomoção condicionada e incondicionada produzida por apomorfina intra-estriatal: papel dos receptores D1 e D2.. In: XIX FESBE, 2004, Águas de Lindóia -, 2004.

30.
CARRERA, M. P.; BRAGA, P. Q. . Efeito do inibidor da síntese de corticosterona (metyrapone) na aquisição do processo de condicionamento clássico. In: XIX FESBE, 2004, Águas de Lindóia - SP, 2004.

31.
CARRERA, M. P.; BLOISE, Enrrico . O papel do contexto ambiental no efeito produzido pelo tratamento agudo com apomorfina.. In: XIX FESBE, 2004, Águas de Lindóia - São Paulo, 2004.

32.
CARRERA, M. P.; SANTOS, Cíntia Lourenço . O papel do contexto ambiental e da sensibilizacão comportamental no desenvolvimento da preferência condicionada por lugar. In: FESBE, 2003, Curitiba. XVIII Reunião Anual da Federacão de Sociedades de Biologia Experimental, 2003.

33.
CARRERA, M. P.; DIAS, Flávia Regina Cruz ; Almanco, NL . A participacão dos receptores D2 estriatais no processo de condicionamento induzido por drogas. In: FESBE, 2003, Curitiba. XVIII Reunião Anual da Federacão de Sociedades de Biologia Experimental, 2003.

34.
CARRERA, M. P.; MARTINICHI, Ligia Cristina Chagas da Silva . Efeito do agonista de receptores D3 (7-OH-DPAT) sobre a inibicão latente em ratos. In: FESBE, 2003, Curitiba. XVIII Reunião Anual da Federacão de Sociedades de Biologia Experimental, 2003.

35.
CARRERA, M. P.; SANTOS, Cíntia Lourenço . O efeito da administração de apomorfina sobre os processos de condicionamento e sensibilização comportamental no modelo de preferência por lugar.. In: FESBE, 2002, Salvador, 2002.

36.
CARRERA, M. P.; CHICARINO, Carla Nascimento ; MARTINICHI, Ligia Cristina Chagas da Silva . Efeitos comportamentais da pré-exposição materna ao Tordon 202C na prole.. In: XVII FESBE, 2002, Salvador. XVII FESBE.

37.
CARRERA, M. P.; DIAS, Flávia Regina Cruz . Papel dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no condicionamento induzido por administrações intra-estriatais de apomorfina.. In: XVII FESBE, 2002, Salvador. XVII FESBE, 2002.

38.
CARRERA, M. P.; BRUNHARA, F. C. R. ; TOMAZ, C. . Efeitos da Adminstratcão Estriatal de Apomorfina No Condiconamneto Induzido Por Droga.. In: XI FESBE, 1996, Caxambú, MG. Anais da FESBE. Caxambú, MG, 1996.

39.
CARRERA, M. P.; CAREY, R. J. ; TOMAZ, C. . Relacão Entre Os Níveis Plasmáticos e Cerebrais de L-Dopa No Modelo de Lesão da 6-Ohda: Possíveis Implicacões Para O Monitoramento da Psicose Na Doenca de Parkinson. In: X FESBE, 1995, Serra Negra, SP. Anais de FESBE, 1995.

40.
CAREY, R. J. ; CARRERA, M. P. . L-Dopa Pharmacotherapy And Behavioural Dysfunction. In: 5th Meeting of the European Behavioural Pharmacology Society, 1994, Berlim. Berlin, Alemanha, 1994.

41.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. ; CAREY, R. J. . Efeitos do Tratamento Com L-Dopa e Mk-801 Na Supersensibilidade dos Receptores Dopaminégicos.. In: XVIII Congresso Latinoamericano de Ciencias Fisiológicas, 1994, Montevidéu, Uruguai. Montevidéu Uruguai, 1994.

42.
CARRERA, M. P.; CAREY, R. J. ; TOMAZ, C. . Efeitos do Tratamento Com L-Dopa Nos Níveis de Ácido Úrico Cerebral Num Modelo Animal da Doenca de Parkinson.. In: IX FESBE, 1994, Caxambú, MG. Caxambú, MG, 1994.

43.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. ; CAREY, R. J. . Efeitos da administração crônica de L-DOPA na neuroquímica do córtex pré-frontal: implicações para a psicose induzida por L-DOPA.. In: IX FESBE. Caxambú, MG, 1994, Caxambú, MG, 1994.

44.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. ; CAREY, R. J. . Efeitos da administração crônica de L-DOPA na neuroquímica do córtex pré-frontal: implicações para a psicose induzida por L-DOPA. In: IV Congresso Interno do Núcleo de Pesquisa em Neurosciências e Comportamento da Universidade de São Paulo, 1994, São Paulo, 1994.

45.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. ; CAREY, R. J. . Efeitos do tratamento com L-DOPA e MK-801 na supersensibilidade dos receptores dopaminérgicos. In: XVIII Congresso Latinoamericano de Ciências Fisiológicas, 1994, Montevidéu, Uruguai, 1994.

46.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. ; CAREY, R. J. . Efeitos da l-dopa no desenvolvimento da supersensibilidade dos receptores dopaminérgicos no modelo de lesão através da 6-OHDA.. In: 3º Congresso Interno do Núcleo de Pesquisa em Neurosciências e Comportamento da Universidade de São Paulo., 1993, São Paulo, 1993.

47.
CARRERA, M. P.; CAREY, R. J. . The effects of l-dopa on the development of dopamine receptor supersensitivity in the hemiparkinsonian animal model.. In: 23rd Meeting - Society for Neuroscience., 1993, Washington, D.C., 1993.

48.
CARRERA, M. P.; MATTIOLI, R. ; TOMAZ, C. . Efeitos do treino prévio sobre a reorganização comportamental após lesão da substância negra em ratos.. In: V Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental. Caxambú-MG,, 1990, Caxambú-MG, 1990.

49.
CARRERA, M. P.; TOMAZ, C. . Influência do condicionamento operante de rotação sobre a reorganização comportamental após lesão da substância negra em ratos. In: XIX Reunião de Psicologia. Ribeirão Preto-SP, 1989, Ribeirão Preto, 1989.

50.
CARRERA, M. P.; ELISABETSKY, E. ; TEIXEIRA, K. M. C ; MOURA, B. A ; MULLER, A. H. . Ação anticonvulsivante do Cissus sicyoides (CS).. In: XXXIXCongresso Nacional de Sociedade de Botânica do Brasil, 1988, Belém, 1988.

51.
CARRERA, M. P.; ELISABETSKY, E. ; TEIXEIRA, K. M. C ; MOURA, B. A. S. ; MULLER, A. . Ação anticonvulsivante do Cissus sicyoides (CS). In: Reunião Brasileira para o Progresso da Ciência - 40º Reunião Anual, 1988, Sâo Paulo, 1988.

52.
CARRERA, M. P.; ELISABETSKY, E. ; TEIXEIRA, K. M. C ; MOURA, B. A ; MULLER, A. H. . Anticonvulsant properties of Cissus sicyoides (CS).. In: II International Congress of Traditional Medicines., 1988, Lima-Peru, 1988., 1988.



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
JOFFILY, Sylvia Beatriz; ROSSINI, Sueli Regina Gottochilich; CARRERA, M. P.; TEIXEIRA FILHO, Dario Alves. Participação em banca de Maria Júlia Gomes de Mello. O efeito da privação do sono no desempenho da atenção não interativa (extrínseca) em estudantes universitários. 2006. Dissertação (Mestrado em Cognição e Linguagem) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

2.
BASTOS, Rosemary; CARRERA, M. P.; MIRANDA, Carlos Ramon Ruiz; REIS, Luís Carlos. Participação em banca de Sabina Secchin Scárdua. Temperamento em bubalinos (Bubalus bubalis): estudo da participação do cortisol.. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

3.
CARRERA, M. P.; SALUM, Cristiane; CARDENAS, Luís Fernando; JOFFILY, Sylvia Beatriz. Participação em banca de Príscila Quintanilha Braga. Papel da corticosterona na aquisição dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administrações sistêmicas de apomorfina em ratos.. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

4.
CARRERA, M. P.; SALUM, Cristiane; CARDENAS, Luís Fernando; JOFFILY, Sylvia Beatriz. Participação em banca de Ligia Cristina Chagas da Silva Martinichi. Papel do receptor D3 no processo de inibição latente em ratos.. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

5.
CARRERA, M. P.; NOGUEIRA, Regina Lúcia; JOFFILY, Sylvia Beatriz; BASTOS, Rosemary. Participação em banca de 'Flávia Regina Cruz Dias. Estudo da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no processo de condicionamento induzido por meio de administrações intraestriatais de apomorfina em ratos.. 2002 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

6.
CARRERA, M. P.; VIANA, Milena de Barros; BRANDÃO, Marcus Lira. Participação em banca de Selma Conceição Poltronieri. Efeitos farmacológicos da clomipramina e da fluoxetina sobre o comportamento de ratos pré-expostos aos braços abertos do Labirinto em T elevado.. 2002. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) - Universidade de São Paulo.

7.
CARRERA, M. P.; SILVA, Arlete Parrilha Sendra e; TOSTES, José Glauco Ribeiro; FILGUEIRAS, Cláudio Carneiro. Participação em banca de José Alexandre. Avaliação neuropsicológica computadorizada dos efeitos do uso abusivo e crônico do álcool em indivíduos oriundos da Região Norte do Estado do Rio de Janeiro.. 2002. Dissertação (Mestrado em Cognição e Linguagem) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

8.
CARRERA, M. P.; SILVA, Arlete Parrilha Sendra e; TOSTES, José Glauco Ribeiro; FILGUEIRAS, Cláudio Carneiro. Participação em banca de Márcio Cabral da Silva. Efeitos da exposição precoce ao álcool no comportamento de camundongos suiços adultos em testes de nado livre.. 2002. Dissertação (Mestrado em Cognição e Linguagem) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

9.
CARRERA, M. P.; NOGUEIRA, Regina Lúcia; RUIZ-MIRANDA, C. R.; LEAL, S. D. M.. Participação em banca de Carla Nascimento Chicarino. Exposição crônica ao herbicida constituído da mistura de picloram e ácido 2,4-diclorofenoxiacético em ratos fêmeas: estudo das alterações comportamentais produzidos na prole.. 2002 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

10.
FOLLY, M.; CARRERA, M. P.; JUNQUEIRA, J. R. B.; FONSECA, Francisco Aloizio. Participação em banca de Patricia Uebe Mansur. Determinacão de resíduos do antibiótico cloxacilina em leite de vacas com elevada contagem de células somáticas.. 2001 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

11.
FOLLY, M.; CARRERA, M. P.; BRITO, M. A. V. P.; MARTINS, M. L. L.. Participação em banca de Simone da Costa Alves Machado. Utilizacão de métodos rápidos de análise para determinacão da incidência da contaminacão por resíduos de antibióticos no leite pasteurizado comercializado na região norte-noroeste do estado do Rio de Janeiro.. 1998 - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Teses de doutorado
1.
CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary; NOGUEIRA, Regina Lúcia; SILVA, Regina Cláudis Barbosa da. Participação em banca de Flávia Regina Cruz Dias. Aspectos farmacológicos e comportamentais da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 na aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administração de apomorfina em ratos.. 2006. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Qualificações de Doutorado
1.
CARRERA, M. P.; MOTTA, Olney Vieira; CARVALHO, Cláudio Baptista de; FONSECA, Francisco Aloizio. Participação em banca de Flávia Regina Cruz Dias. Farmacologia e produção animal.. 2005. Exame de qualificação (Doutorando em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
CARRERA, M. P.; BUSSIERE, Maria Clara Caldas; JOFFILY, Sylvia Beatriz; DIAS, Flávia Regina Cruz. Participação em banca de Enrrico Bloise.A importância do ambiente e do número de administrações de apomorfina no desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental.. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

2.
CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary; BUSSIERE, Maria Clara Caldas; BRAGA, Príscila Quintanilha. Participação em banca de Ludimila César Moura Gaspar.O papel dos agonistas dopaminérgicos apomorfina e 7-OH-DPAT na aquisição do comportaamento de preferência condicionada ao lugar.. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

3.
ABÍLIO, Edmundo Jorga; ALVES, Ricardo Benjamim Machado; CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary. Participação em banca de Anderson Nunes Teixeira.Avaliação da frequência cardio-respiratória, analgesia e sedação na medicação pré-anestésica e anestesia epidural.. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

4.
RUIZ-MIRANDA, C. R.; CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary. Participação em banca de Sabina Secchin Scárdua.Comportamento e preferência alimentar de duas espécies do gênero Callithrix em cativeiro.. 2003. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado Em Ciências Biológicas) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

5.
CARRERA, M. P.; CURY, J. L.; SILVA, J. F. S.. Participação em banca de Rachel Siqueira de Queiroz Simões Marins.Exames anti-doping no cavalo de corrida. 2002. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

6.
CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary; MARIANO, F. A.. Participação em banca de Príscila Quintanilha Braga.Estudo do comportamento agressivo em cães.. 2002. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
CARRERA, M. P.; BASTOS, Rosemary; CARVALHO, Cláudio Baptista de; JOFFILY, Sylvia Beatriz. O papel dos receptores corticosteróides no desenvolvimento da sensibilização comportamental produzida por administrações sistêmicas de apomorfina.. 2005. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

2.
BASTOS, Rosemary; CARRERA, M. P.; BUISSIERE, M. C. C.; RUIZ-MIRANDA, C. R.. Temperamento em Bubalinos (bubalus bubalis): estudo da participação do cortisol. 2004. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

3.
CARRERA, M. P.; BUISSIERE, M. C. C.; BASTOS, Rosemary; JOFFILY, Sylvia Beatriz. Efeitos dos tratamentos crônico e agudo com corticosterona sobre o processo de inibição latente em ratos.. 2004. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

4.
CARRERA, M. P.; BUISSIERE, M. C. C.; BASTOS, Rosemary; MOTTA, O. V.. Aspectos farmacológicos e moleculares do papel dos receptores dopaminérgicos estriatais na aquisição e expressão da atividade locomotora condicionada. 2003. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

5.
CARRERA, M. P.; MARTINS, M. L. L.; FOLLY, M.; FERREIRA, Karla Silva. Desenvolvimento de uma técnica de detecção de resíduos do antibiótico Cloxacilina utilizando um Bacillus Sp. termófilo. 2003. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

6.
CARRERA, M. P.; SILVA, Arlete Parrilha Sendra e; TOSTES, José Glauco Ribeiro; FILGUEIRAS, Cláudio Carneiro. Efeito da exposição neonatal ao álcool no comportamento rotacional em camundongos adultos. 2002. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

7.
CARRERA, M. P.; CARVALHO, Cláudio Baptista de; OLIVEIRA, Francisco Carlos Rodrigues de; CARVALHO, Eulógio Carlos Queiroz de. Condrodistrofia do septo nasal Mal da Ronca iatrogênica em camundongos. 2002. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

8.
CARRERA, M. P.; CARVALHO, Cláudio Baptista de; OLIVEIRA, Francisco Carlos Rodrigues de; SILVA, José Frederico Straggiotti. Efeitos da desidratação experimental e avaliação de fluidoterapia oral e intravenosa em eqüinos. 2002. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

9.
CARRERA, M. P.; SALUM, Cristiane; BASTOS, Rosemary; JOFFILY, Sylvia Beatriz. Papel do receptor D3 e do hormônio glicocorticóide no processo de inibição latente em ratos. 2002. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

10.
CARRERA, M. P.; RUIZ-MIRANDA, C. R.; BASTOS, Rosemary; BUISSIERE, M. C. C.. Exposição crônica ao herbicida constituído da mistura de picloram e ácido 2,4-diclorofenoxiacético em ratos fêmeas: estudo das alterações comportamentais produzidos na prole.. 2001. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

11.
CARRERA, M. P.; FOLLY, M.; JUNQUEIRA, J. R. B.; FERREIRA, Karla Silva. Determinação de resíduo do antibiótico cloxacilina em leites de vacas com elevada contagem de células somáticas. 2001. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

12.
CARRERA, M. P.; BUISSIERE, M. C. C.; NOGUEIRA, Regina Lúcia; BASTOS, Rosemary. Estudo da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no processo de condicionamento induzido por meio de administrações intra-estriatais de apomorfina em ratos. 2001. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Fabiolla Patusco Dias. Morfina e ERK. Início: 2018. Dissertação (Mestrado profissional em CIÊNCIA ANIMAL) - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. (Orientador).

2.
Jaise Silva Ferreira. Morfina e ansiedade. Início: 2018. Dissertação (Mestrado profissional em CIÊNCIA ANIMAL) - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. (Orientador).

3.
Lucas Rangel de Oliveira. Condicionamento induzido por droga e ERK. Início: 2017. Dissertação (Mestrado profissional em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

4.
JOAQUIM BARBOSA LEITE JUNIOR. Condicionamento de traço induzido por droga. Início: 2017. Dissertação (Mestrado profissional em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

Tese de doutorado
1.
JOÃO MARCOS DE MELLO BASTOS. Condicionamento induzido por droga e memória. Início: 2017. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

2.
Breno Garone dos Santos. O papel da ativação dopaminérgica no processo de reconsolidação da memória em um modelo de dependência de drogas.. Início: 2015. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

3.
Frederico Velasco Costa Sanguedo. ABUSO E DEPENDÊNCIA DE DROGAS: ASPECTOS COMPORTAMENTAIS E MOLECULARES DA INTERAÇÃO ENTRE O PROCESSO DE RECONSOLIDAÇÃO DA MEMÓRIA E A SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL. Início: 2015. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Breno Garone dos Santos. Efeito do protocolo de condicionamento de traço com diferentes doses de apomorfina mo estudo da dependência química.. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

2.
João Marcos de Mello Bastos. Reconsolidação da memória: Efeito da mudança do estado dopaminérgico na expressão do condicionamento e da sensibilização em um modelo de dependência química.. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

3.
Frederico Velasco Costa sanguedo. O efeito do desenvolvimento da sensibilização comportamental na ativação da proteína ERK em estruturas cerebrais relacionadas à dependência química.. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

4.
Liana Wermelinger de Matos. O DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO DE CONDICIONAMENTO E SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL EM RATOS: ALTERAÇÕES NEURAIS PERMANENTES OU MODULADAS PELO CONTEXTO AMBIENTAL?. 2011. Dissertação (Mestrado em CIÊNCIA ANIMAL) - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

5.
Anderson Nunes Teixeira. Estudo da anestesia local de ramo mesentérico no intestino livre em bovinos.. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

6.
Gabriela Corrêa Coelho. Sensibilização Comportamental Dependente do Contexto: Efeitos das alterações no contexto ambienta.. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

7.
Jefferson P.G. da Costa. Comportamento em formigas cortadeiras.. 2009. Dissertação (Mestrado em Biociências e Biotecnologia) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Coorientador: Marinete Pinheiro Carrera.

8.
Lyanna Liz Heringer. O papel dos receptores dopaminérgicos no processo de sensibilização comportamental.. 2008. 0 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

9.
Ligia Cristina Chagas da Silva Martinichi. Papel do receptor D3 no processo de inibição latente em ratos. 2004. 0 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

10.
Príscila Quintanilha Braga. Papel da corticosterona na aquisição dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administrações sistêmicas de apomorfina em ratos. 2004. 0 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

11.
Carla Nascimento Chicarino. Exposicão crônica ao herbicida constituído da mistura de picloram e ácido 2,4-D em ratos fêmeas: Estudo das alteracões comportamentais produzidas na prole.. 2002. Dissertação - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundacão Estadual do Norte Fluminense. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

12.
Fávia Regina Cruz Dias. Estudo da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 no processo de condicionamento induzido por meio de administrações de apomorfina em ratos.. 2002. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundacão Estadual do Norte Fluminense. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

Tese de doutorado
1.
Príscila Quintanilha Braga. Estresse e memória pavloviana: papel dos receptores glicocorticóides e mineralacorticóides.. 2008. 0 f. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

2.
Flávia Regina Cruz Dias. Aspectos farmacológicos e comportamentais da participação dos receptores dopaminérgicos D1 e D2 na aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental induzidos por administrações de apomorfina em ratos.. 2006. 114 f. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundacão Estadual do Norte Fluminense. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

Supervisão de pós-doutorado
1.
JEFFERSON PIRES GALVANHO DA COSTA. 2017. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Marinete Pinheiro Carrera.

2.
Flávia Regina Cruz Dias. 2009. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundacão Estadual do Norte Fluminense. Marinete Pinheiro Carrera.

Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Lucas Rangel de Oliveira. Post-trial dopaminergic modulation of conditioned catalepsy: A single apomorphine induced increase/decrease in dopaminergic activation immediately following a conditioned catalepsy response can reverse/enhance a haloperidol conditioned and sensitized catalepsy response.. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Milene Bartholazzi. Habituação e reconsolidação da memória. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

2.
Raíssa Oliveira Lima. O PAPEL DAS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS NA RESPOSTA COMPORTAMENTAL DE RATOS ADMINISTRADOS COM APOMORFINA.. 2006. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

3.
Enrrico Bloise. A IMPORTÂNCIA DO CONTEXTO AMBIENTAL NO DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO DE SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL INDUZIDO POR DOSES ÚNICA E MÚLTIPLAS DE APOMORFINA. 2005. 40 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

4.
Ludimila César Moura Gaspar. O PAPEL DOS AGONISTAS DOPAMINÉRGICOS APOMORFINA E 7-OH-DPAT NA AQUISIÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PREFERÊNCIA CONDICIONANADA AO LUGAR.. 2005. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

5.
Príscila Quintanilha Braga. Agressão em cães: uma abordagem farmacológica e comportamental. 2002. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

6.
Rachel Siqueira de Queiroz Simões Marins. Exames anti-doping no cavalo de corrida. 2001. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

Iniciação científica
1.
Jade Leal Loureiro Silva. O efeito do tratamento de reconsolidação da memória no modelo de preferência condicionada por lugar produzido por apomorfina em ratos.. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

2.
Amanda Machado Figueiredo. A ativação da proteína ERK 5 minutos após a administração aguda de apomorfina em estruturas cerebrais relacionadas à dependência química.. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENCE DARCY RIBEIRO. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

3.
Lucas Rangel de Oliveira. EFEITO DO TRATAMENTO DE RECONSOLIDAÇÃO DA MEMORIA SOBRE A CATALEPSIA CONDICIONADA E SENSIBILIZADA PRODUZIDA POR HALOPERIDOL EM RATOS.. 2013. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

4.
Jefferson Pires Galvanho da Costa. EFEITOS DO AGONISTA D3, 7-OH-DPAT, EM DOIS MODELOS EXPERIMENTAIS DE ESQUIZOFRENIA EM RATOS.. 2007. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

5.
LIANA WERMELINGER DE MATOS. ESTUDO DAS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS EM RATOS: RELAÇÃO COM O HORMÔNIO CORTICOSTERONA E O PROCESSO DE SENSIBILIZAÇÃO COMPORTAMENTAL. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Bacharelado Em Ciências Biológicas) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

6.
Naligia Lima Almanço. Efeitos da administração intra-estriatal do agonista D2 quinpirole sobre a aquisição e expressão dos processos de condicionamento e sensibilização comportamental. 2006. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

7.
Raíssa Oliveira Lima. Efeitos das diferenças individuais na resposta comportamental de ratos administrados com apomorfina.. 2006. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

8.
Enrrico Bloise. A importância do contexto ambiental no desenvolvimento do processo de sensibilização comportamental induzido por doses única e múltiplas de apomorfina: papel do hormônio corticosterona. 2005. 0 f. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

9.
Ludimila César Moura Gaspar. Efeito da apomorfina na aquisição e expressão do comportamento de preferência condicionada por lugar: as contribuições dos receptores D1 e D2, do "priming" e do período de retirada de doga. 2005. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

10.
Cíntia Lourenço Santos. Efeito da apomorfina e do estresse na gênese do fenômeno de dependência de drogas em um modelo experimental de recompensa. 2000. Iniciação Científica. (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.

Orientações de outra natureza
1.
Flavia Regina Cruz Dias. Avaliação do efeito farmacológico de plantas nativas brasileiras sobre os transtornos da ansiedade: Estudo da atividade hipnótica, sedativa e ansiolítica da Ocotea odorífera Vell., (Lauraceae).. 2013. Orientação de outra natureza. (Medicina Veterinária) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Marinete Pinheiro Carrera.



Outras informações relevantes


FAPERJ TCT - 2013-2014 - PROCESSO E-28/2013-COORDENADOR
FAPERJ BIOTERIOS 2012-2014 - PROCESSO E-26/112.010/2012 - COORDENADOR-R$ 33.500,00
FAPERJ APQ1 2010-2011-PROCESSO E-26/111.509/2010 - COORDENADOR-R$ 18.000,00
FAPERJ APQ1 2000: Infraestrutura do Setor de Farmacologia - R$ 60.000,00
FINEP CT-INFRA 2001 (participante): Equipamentos R$ 40.000,00
FINEP CT-INFRA 2002 (participante): Equipamentos R$ 32.000,00
FAPERJ APQ1 2007: R$ 15.000,00
FAPERJ Pensa Rio 2010 (participante) R$ 84.000,00
FAPERJ APQI - E-26/010.000829/2016 - Coordenador - R$ 20.000,00



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 21/01/2019 às 21:10:40