Sieglinde Brune

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3126847565251632
  • Última atualização do currículo em 07/03/2008


Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (1975) e mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1978). Trabalhou como pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de 1980 a 2007, desenvolvendo atividades de pesquisa e desenvolvimento na Embrapa Hortaliças. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fitotecnia e Melhoramento de hortaliças, atuando principalmente nos seguintes temas: melhoramento genético de batata e batata doce, com ênfase em resistência a alternaria solani em batata e phitophthora em abóbora e em características culinárias de batata. Desde 1997 atua como Coordenadora Executiva e Editorial da Revista Horticultura Brasileira, além de atuar como Gerente Financeira, cargos que ainda ocupa atualmente. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Sieglinde Brune
Nome em citações bibliográficas
BRUNE, S.

Endereço


Endereço Profissional
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças.
BR-060 (Brasília/Anápolis, km 09)
Gama
70359-970 - Brasilia, DF - Brasil - Caixa-postal: 0218
Telefone: (61) 33859051
Ramal: 9051
Fax: (61) 35565744
URL da Homepage: http://cnph.embrapa.br


Formação acadêmica/titulação


1976 - 1978
Mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal).
Universidade Federal de Viçosa, UFV, Brasil.
Título: Descrição e Competição de Clones de Batateira (Solanum tuberosum),Ano de Obtenção: 1978.
Orientador: Aquira Muzubuti.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
Palavras-chave: batata Solanum tuberosum melhoramento descrição.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia / Especialidade: Manejo e Tratos Culturais.
Grande Área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia / Especialidade: Melhoramento Vegetal.
Grande Área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia / Especialidade: Produção de Mudas.
Setores de atividade: Produção vegetal; Desenvolvimento de novos materiais; Produtos e serviços voltados para a defesa e proteção do meio ambiente, incluindo o desenvolvimento sustentado.
1972 - 1975
Graduação em Engenharia Agronômica.
Universidade Federal de Viçosa, UFV, Brasil.
Título: Descrição e Competição de Clones de Batateira (Solanum tuberosum).
Orientador: Aquira Muzubuti.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.




Atuação Profissional



Associação Brasileira de Horticultura, ABH, Brasil.
Vínculo institucional

1997 - Atual
Vínculo: Coord. Executiva e Editorial, Enquadramento Funcional: Colaboradora
Outras informações
Atuação como coordenadora executiva e editorial da Revista Horticultura Brasileira. Atuação como Gerente Financeira da Revista Horticultura Brasileira.


Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, Brasil.
Vínculo institucional

1980 - 2007
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 40

Atividades

01/2006 - 01/2007
Conselhos, Comissões e Consultoria, Embrapa Hortaliças, .

Cargo ou função
Supervisora Editorial do Comitê de Publicações Local (CPL).
5/1986 - 01/2007
Pesquisa e desenvolvimento , Embrapa Hortaliças, .

6/1980 - 01/2007
Pesquisa e desenvolvimento , Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças, Embrapa Hortaliças.

Linhas de pesquisa
Fitotecnia - hortaliças


Linhas de pesquisa


1.
Fitotecnia - hortaliças
2.
Melhoramento genético de hortaliças
3.
Seleção de plântulas de abóbora para resistência à Phitophthora
4.
Seleção de cultivares de batata para fins culinários
5.
Seleção de cultivares de batata doce com polpa laranja
6.
Melhoramento genético de batata-doce
7.
Melhoramento genético da batata
8.
Seleção de batata para resistência a viroses
9.
Seleção de cultivares de batata para resistência à Alternaria solani


Projetos de pesquisa


2005 - 2007
Avaliação e disseminação de materiais genéticos de batata-doce
Descrição: A batata-doce adapta-se muito bem em áreas tropicais, onde vive a maior proporção de populações pobres. Nestas regiões, além das vantagens de ser alimento humano de bom conteúdo nutricional, a cultura tem grande importância na alimentação animal e apresenta potencial para produção industrial de amido, doces e farinha. É considerada uma cultura rústica, por apresentar alta resistência ao ataque de pragas; alta resistência à seca; pouca exigência em fertilizantes e crescer em condições de solos pobres e degradados. Entretanto, apresenta alta resposta à aplicação de insumos e utilização de irrigação, podendo produzir de 25 a 30 toneladas de raiz por hectare, enquanto a média brasileira é de 11,5 t/ha. Os materiais genéticos utilizados são os mais diversos e, em cada região produtora possui clones com denominações locais, na maioria obtidos sem critérios técnicos. Os materiais de propagação (segmentos de ramas) são geralmente retirados de lavouras próprias ou de lavouras de vizinhos. Dentre os 625 materiais genéticos da coleção de germoplasma mantida pela Embrapa Hortaliças, foram selecionados doze genótipos com boas características comerciais e com rendimento superior a 22 t/ha. Após esta seleção preliminar, é necessário avaliar estes materiais em condições ambientais das regiões produtoras, juntamente com materiais regionais, por meio de Unidades de Observação e de Validação. Posteriormente, os materiais selecionados serão reproduzidos em viveiros, servindo como fonte de material de propagação, a ser disseminado em cada região. Outra tecnologia disponível na Embrapa Hortaliças é a utilização de ramas sadias, obtidas por meio de limpeza clonal. A Unidade possui quatro variedades limpas . Embora o processo resulte em taxas de aumento de produtividade que podem ser superiores a 100%, as variedades limpas sofrem degenerescência e entram em declínio de produção após dois ciclos de cultivo no campo. Para contornar este inconveniente, preconiza-se a utilização de vive.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2007
Instalações alternativas para suprimento de solução nutritiva na produção de sementes pré-básicas de batata
Descrição: Apesar da importância da batata no Brasil e do desenvolvimento tecnológico de toda sua cadeia produtiva nas últimas décadas, a produção da batata-semente constitui-se em entrave ao crescimento do seu cultivo. Os entraves de maior importância são a necessidade de esterilização do substrato quando se utiliza o sistema de produção em vasos, os riscos de contaminação do substrato além da deficiência de fornecimento contínuo de energia elétrica em áreas rurais. Propõe-se instalar a produção de batata-semente através da hidroponia, em quarentenário, em dois sistemas de distribuição da solução nutritiva: No primeiro, em calhas individuais, serão utilizados depósitos com capacidade de 100 L. Neste sistema a novidade é que a circulação da solução será feita em sistema de ar comprimido que, por controle de nível com bóia elétrica e controle de vazão com solenóides, permite realizar diversos ciclos de circulação da solução nutritiva com o ar acumulado no depósito do compressor. No outro sistema será instalado um conjunto de motobombas de baixa altura de recalque, como as utilizadas em embarcações. Estas bombas, além do seu baixo custo, funcionam com energia de 12 V, permitindo-se montar um sistema preventivo de interrupção no fornecimento de energia elétrica, por meio de bateria e carregador. O emprego desta nova metodologia permitirá maior taxa de multiplicação dos tubérculos do que o método convencional empregado pela Embrapa Hortaliças, representando avanço na cadeia produtiva da batata e refletindo no aumento da disponibilidade de sementes de qualidade. Ainda, a chance de contaminação das sementes é bastante reduzida pela não utilização de terra autoclavada para plantio e pelo abastecimento das calhas de forma individual. Espera-se uma redução no gasto de energia elétrica para condução das atividades e menor necessidade de mão-de-obra..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2004 - 2007
Melhoramento genético de batata para ecossistemas tropicais e subtropicais do Brasil
Descrição: Exceto a Baronesa (em decréscimo), não existem no Brasil cultivares de batata de expressão, que tenham sido desenvolvidas no hemisfério sul (subtropical ou tropical), capazes de atenderem as demandas da cadeia. São demandas cultivares de batata consumo com boas características culinárias, para processamento e para sistemas de produção orgânica. Os objetivos deste projeto são: Desenvolver novas cultivares de batata, com boas qualidades culinárias e industriais, boa aparência, alto potencial produtivo, menos dependentes de agro-químicos e adaptadas aos agroecossistemas tropicais e subtropicais brasileiros; melhorar germoplasma quanto à resistência às principais doenças e pragas, e em relação à qualidade; Identificar raças/estirpes de agentes causadores das principais doenças da batata; Melhorar os sistemas de limpeza clonal e de multiplicação de semente pré-básica. Os trabalhos de desenvolvimento de cultivares serão feitos a partir de cruzamentos e de introduções de clones pré-selecionados provenientes outros programas/paises. As populações clonais serão submetidas à seleção para características agronômicas e de qualidade, nas regiões tropical e subtropical. Os clones selecionados serão avaliados quanto à reação às principais doenças e quanto à características de qualidade culinária e de processamento. Os clones elites serão, então, avaliados em testes multilocais de VCU e de DHE. Os clones identificados com potencial de serem liberados como novas cultivares serão validados junto a produtores, sendo que os aprovados serão registrados, protegidos e lançados, sob planos de marketing . Este processo de desenvolvimento de cultivares será iniciado anualmente com a realização de cruzamentos e introdução de novos clones. Estão disponíveis de projetos anteriores, sementes botânicas híbridas e clones em diversas fases de seleção. O melhoramento de germoplasma será efetuado para resistência a doenças, pragas e baixa acumulação de açúcares redutores, introduzindo estas caract.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2004 - 2006
Características físicas, bioquímicas e nutricionais de tubérculos das principais cultivares de batata utilizadas no Brasil nos sistemas orgânico e convencional
Descrição: A batata (Solanum tuberosum) é hoje o quarto alimento mais consumido no mundo, depois do trigo, arroz e milho. A produção mundial é de 310 milhões de toneladas, sendo cultivados 19 milhões de ha. O Brasil, que é auto-suficiente no abastecimento de batata, é o vigésimo produtor mundial, com uma área de 110 mil ha.ano-1 e produtividade variando de 15 a 50 t.ha-1. Porém, ao contrário dos outros grandes produtores mundiais de batata, onde as cultivares, sua finalidade culinária e valor nutricional são identificados na comercialização, no Brasil, comercializam-se tão somente batata lisa e batata comum, classes que pouca relação possuem com a qualidade interna do tubérculo e com sua finalidade de uso. Essa é uma das razões para o limitado número de cultivares de importância no Brasil, onde se destacam Ágata, Asterix, Atlantic, Baronesa, Bintje e Monalisa, em sistemas convencionais, e a cultivar Itararé, em sistemas orgânicos. Apesar do reduzido número de cultivares, existe muito pouca informação a respeito de sua aptidão culinária e nenhuma informação sobre seu valor nutricional ou sobre a influência da região ou do sistema de cultivo sobre a qualidade interna dos tubérculos e, em consequência, sobre a qualidade final do produto após o processamento. Porém, os consumidores, cada dia mais atentos, exigem essas informações. Soma-se a isto a crescente utilização de batata processada no Brasil, especialmente as batatas fritas em fatias ou palitos, produzidas pela indústria e por estabelecimentos voltados à alimentação. Nesses casos, a batata brasileira não é competitiva em relação ao produto processado importado, justamente porque não há informação sobre a finalidade de uso dos tubérculos. Em virtude de toda essa demanda, o presente trabalho propõe-se a caracterizar os atributos físicos, bioquímicos, nutricionais e sensoriais das principais cultivares de batata utilizadas no Brasil, nos sistemas orgânico e convencional..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Membro de corpo editorial


1997 - Atual
Periódico: Horticultura Brasileira


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia/Especialidade: Manejo e Tratos Culturais.
2.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia/Especialidade: Melhoramento Vegetal.
3.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia/Especialidade: Produção de Mudas.
4.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitossanidade.
5.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Agronomia / Subárea: Fitotecnia.


Idiomas


Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Alemão
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.


Prêmios e títulos


1987
Honra ao mérito p/ delegado da SOB, Sociedade de Olericultura do Brasil.
1981
Mérito Alheiro, Bolsa de Cereais e Gerência de Horticultura.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
BRUNE, S.2005BRUNE, S.; MELO, P. E. ; REIS, A. . Desempenho de famílias clonais de batata para infecção pela pinta-preta. Horticultura Brasileira, Fortaleza, v. 23, n.suplemento, p. CDROM-CDROM, 2005.

2.
BRUNE, S.2004BRUNE, S.; HENZ, G. P. ; PARMEGGIANI, R. . Base bibliografica da batata: Embrapa lança nova fonte de informações para a cultura. Batata Show, Itapetininga, v. 4, n.10, p. 35-37, 2004.

3.
BRUNE, S.2001BRUNE, S.; MELO, P. E. . Método rápido de avaliação do esverdeamento em tubérculos de batata.. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 36, n.5, p. 809-814, 2001.

4.
BRUNE, S.1999 BRUNE, S.; MELO, P. E. ; ÁVILA, A. C. . Novos progenitores de batata imunes a PVY e PVX e resistentes à pinta preta. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 17, n.2, p. 173-174, 1999.

5.
BRUNE, S.1998 BRUNE, S.; MELO, P. E. ; ÁVILA, A. C. . Embrapa/CIP-PP1=018 e Embrapa/CIP039: novos clones de batata resistentes à pinta preta. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 16, n.1, p. 90-91, 1998.

6.
BRUNE, S.1994BRUNE, S.; LOPES, J. F. . Resistência de Cucurbita maxima à Phytophthora capsici. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 29, n.2, p. 341-344, 1994.

7.
BRUNE, S.1994 BRUNE, S.; MELO, P. E. ; LIMA, M. F. . Resistência a Alternaria solani, características agronômicas e qualidade de fritura em clones de batata imunes a PVX e PVY. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 12, n.2, p. 125-130, 1994.

8.
BRUNE, S.1992 BRUNE, S.; REIFSCHNEIDER, F. J. B. . Identificação de fontes de resistência à pinta preta em batata. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 10, n.2, p. 100-102, 1992.

9.
BRUNE, S.1990BRUNE, S.; REIFSCHNEIDER, F. J. B. ; LOPES, J. F. . Avaliação da resistência de plântulas de moranga à Phytophthora capsici. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 8, n.2, p. 23-24, 1990.

10.
BRUNE, S.1990 BRUNE, S.; REIFSCHNEIDER, F. J. B. ; BUSO, J. A. . Resistência de genótipos de batata à pinta preta. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 15, n.4, p. 297-299, 1990.

11.
BRUNE, S.1989BRUNE, S.; REIFSCHNEIDER, F. J. B. . Avaliação da resistência de batata à pinta preta. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 7, n.2, p. 20-21, 1989.

12.
BRUNE, S.1988BRUNE, S.; RIBEIRO, V. Q. . Comportamento de cultivares de cenoura em Teresina, PI.. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 6, n.1, p. 13-14, 1988.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
BRUNE, S.. Brotos resistentes à pinta preta. Cultivar HF, Pelotas, , v. 1, p. 6 - 7.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; BUSO, J. A. . Produtividade de genótipos de batata em plantios sucessivos sem renovação dos tubérculos-semente. In: XLI Congresso Brasileiro de Olericultura, 2001, Brasília. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 2001. v. 19.

2.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Seleção de novo de clones de batata para resistência à pinta preta.. In: ICongresso brasileiro de melhoramento de plantas, 2001, Goiania. Anais do I Congresso brasileiro de melhoramento de plantas, 2001.

3.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; BUSO, J. A. . Incidência de viroses, produtividade e qualidade de tubérculos de clones de batata. In: XI Encontro nacional de produção e abastecimento de batata, 2001, Uberlandia. Anais do XI encontro nacional de produção e abastecimento de batata, 2001.

4.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Esverdeamento dos tubérculos de clones-elite de batata. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Olericultura, 1999, Tubarão. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1999. v. 17. p. 276-276.

5.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Caracterização dos brotos de tubérculos em clones de batata resistentes à pinta preta. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1998, Petrolina. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1998. v. 16. p. 38-38.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
OLIVEIRA, A. P. ; SILVA, J. B. C. ; BRUNE, S. . Avaliação de quinze genótipos de batata doce em Areia-PB. In: 47. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2007, Porto Seguro. Anais - 47. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2007. v. 24.

2.
MELO, P. E. ; BRUNE, S. ; BUSO, J. A. . esverdeamento em tubérculos em batata induzido pela exposição à luz. In: 47. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2007, Porto Seguro. Anais - 47. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2007. v. 24.

3.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; REIS, A. . Características de resistência à pinta preta de genótipos de batata. In: 46. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2006, Goiânia. Anais - 46. Congresso Brasileiro de Olericultura. Goiânia: ABH, 2006. v. 24.

4.
BRUNE, S.; SILVA, J. B. C. ; FRANCO, I. M. . Definição de contentores para enraizamento de estacas de batata doce. In: 46. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2006, Goiânia. Anais - 46. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: Associação Brasileira de Horticultura, 2006. v. 24.

5.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; MACHADO, C. M. M. ; BUSO, J. A. . Produtividade, qualidade de tubérculos e indicação culinária de clones elite de batata, 2005. In: 46. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2006, Goiânia. Anais - 46. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: Associação Brasileira de Horticultura, 2006. v. 24.

6.
MACHADO, C. M. M. ; MELO, P. E. ; SOUSA, R. M. D. ; BRUNE, S. . Aptdão culinária de cultivares de batata determinada por análise sensorial. In: 46. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2006, Goiânia. Anais - 46. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2006. v. 24.

7.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; REIS, A. . Desempenho de famílias clonais de batata para infecção pela pinta preta. In: 45. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2005, Fortaleza. nais - 45. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2005. v. 23.

8.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; REIS, A. . Seleção de genótipos de batata baseada no potencial produtivo e na finalidade de uso comercial dos tubérculos. In: 45. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2005, Fortaleza. Anais - 45. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2005. v. 23.

9.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Avaliação de esverdeamento em pós-colheita em tubérculos de batata. In: 45. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2005, Fortaleza. Anais - 45. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2005. v. 23.

10.
BRUNE, S.; REIS, A. ; MELO, P. E. . Resistência de genótipos de batata à pinta preta em campo. In: 44. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2004, Campo Grande. Anais do 44. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2004. v. 22.

11.
BRUNE, S.; REIS, A. ; MELO, P. E. . Seleção de genótipos de batata com resistência a viroses e tubérculos adequados à comercialização. In: 44. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2004, Campo Grande. Anais - 44. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2004. v. 22.

12.
BRUNE, S.; REIS, A. . Resistência a viroses e à pinta preta em genótipos de batata. In: 44. Congresso Brasileiro de Olericultura, 2004, Campo Grande. Anais - 44. Congresso Brasileiro de Olericultura. Campinas: ABH, 2004. v. 22.

13.
BRUNE, S.; Aragão, F.A.S. ; LOPES, J. F. ; Silva, L.S. . Desempenho de plântulas de moranga quanto à resistência ao tombamento causado por Phytophthora capsici. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Genética, 2003, Porto Seguro. Anais do congresso brasileiro de melhoramento de plantas, 2003.

14.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Seleção de genótipos de batata para resistência ao enrolamento de folhas e ao mosaico após plantios consecutivos em campo sem desinfecção dos tubérculos semente. In: Congresso Brasileiro de Fitopatologia, 2003, Uberlandia. Anais do 36. Congresso Brasileiro de Fitopatologia. Brasília: Sociedade Brasileira de Fitopatologia, 2003.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Clones de batata resistentes à pinta preta. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Olericultura, 1999, Tubarão. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1999. v. 17. p. 276-276.

2.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Esverdeamento em tubérculos de clones de batata resistentes à pinta preta. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1998, Petrolina. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1998. v. 16. p. 39-39.

3.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Resistência de batata à pinta preta. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1998, Petrolina. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1998. v. 16. p. 40-40.

4.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; ÁVILA, A. C. . Genótipos de batata imunes a PVX e PVY e resistentes à pinta preta. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1998, Petrolina. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1998. v. 16. p. 41-41.

5.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; MOITA, A. W. . Estande de colheita e produtividade em mudas de mandioquinha salsa. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1998, Petrolina. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1998. v. 16. p. 42-42.

6.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; MOITA, A. W. . Seleção de genótipos de batata para resistência à pinta preta. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1997, Manaus. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1997. v. 15. p. 43-43.

7.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; ÁVILA, A. C. . Imunidade a Potato virus Y e Potato virus X em genótipos de batata resistentes à pinta preta. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1997, Manaus. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1997. v. 15. p. 42-42.

8.
BRUNE, S.; MELO, P. E. . Descrição de brotações sob luz de tubérculos de clones de batata resistentes à pinta preta. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1997, Manaus. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1997. v. 15. p. 44-44.

9.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; ÁVILA, A. C. . Evaluation of potato germplasm for resistance to early blight. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Genética, 1997, Goiania. Revista Brasileira de Genética. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 1997. v. 20.

10.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; MOITA, A. W. . Características agronômicas e culinárias e resistência e genótipos de batata à pinta preta. In: XXXVI Congresso Brasileiro de Olericultura, 1996, Rio de Janeiro. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1996. v. 14. p. 76-76.

11.
BRUNE, S.; GIORDANO, L. B. ; LOPES, C. A. ; MELO, P. E. . Tratamento de mudas de mandioquinha salsa. In: XXXV Congresso Brasileiro de Olericultura, 1995, Foz do Iguaçu. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1995. v. 13. p. 72-72.

12.
BRUNE, S.; MELO, P. E. ; LIMA, M. F. . Características agronômicas e culinárias de genótipos de batata. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Olericultura, 1994, Águas de São Pedro. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1994. v. 12. p. 73-73.

13.
BRUNE, S.; SANTOS, F. F. . Tipos de corte em mudas de mandioquinha salsa. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Olericultura, 1993, Brasília. Horticultura Brasileira. Brasília: Sociedade de Olericultura do Brasil, 1993. v. 11. p. 39-39.

14.
LOPES, J. F. ; DUSI, A. N. . Advances in the squash breeding program in Embrapa. In: XXIII International Horticulture Congress, 1990, Firenze. Anals of the XXIII International Horticultura Congress. Firenze, 1990.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
46. Congresso Brasileiro de Olericultura. Definição de contentores para o enraizamento de estacas de batata doce. 2006. (Congresso).

2.
45. Congresso Brasileiro de Olericultura. Avaliação de esverdeamento em pós-colheita de tubérculos de batata. 2005. (Congresso).

3.
44. Congresso Brasileiro de Olericultura. Resistência de genótipos de batata à pinta preta em campo. 2004. (Congresso).

4.
43. Congresso brasileiro de Olericultura. 43. Congresso Brasileiro de Olericultura. 2003. (Congresso).

5.
1. Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas. 1. Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas. 2001. (Congresso).

6.
XLI Congresso Brasileiro de Olericultura. XLI Congresso Brasileiro de Olericultura. 2001. (Congresso).

7.
XL Congresso brasileiro de olericultura. XL Congresso Brasileiro de Olericultura. 2000. (Congresso).

8.
Congresso Brasileiro de Olericultura.Curso de Solos e Nutrição. 1999. (Outra).

9.
XXXIX Congresso Brasileiro de Olericultura. XXXIX Congresso brasileiro de olericultura. 1999. (Congresso).

10.
XXXVIII Congresso brasileiro de Olericultura. XXXVIII Congresso Brasileiro de Olericultura. 1998. (Congresso).

11.
43. Congresso Nacional de Genética. 43. Congresso Nacional de Genética. 1997. (Congresso).

12.
XXXVII Congresso Brasileiro de Olericultura. XXXVII Congresso Brasileiro de Olericultura. 1997. (Congresso).

13.
XXXVI Congresso brasileiro de olericultura. XXXVI Congresso Brasileiro de Olericultura. 1996. (Congresso).

14.
XXXV Congresso brasileiro de olericultura. XXXV Congresso brasileiro de olericultura. 1995. (Congresso).

15.
XXXIV Congresso brasileiro de olericultura. XXXIV Congresso brasileiro de Olericultura. 1994. (Congresso).

16.
XXXIII Congresso Brasileiro de Olericultura. XXXIII Congresso Brasileiro de Olericultura. 1993. (Congresso).

17.
XXV Congresso Brasileiro de Fitopatologia. XXV Congresso Brasileiro de Fitopatologia. 1992. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
BRUNE, S.. 46. Congresso Brasileiro de Olericultura. 2006. (Congresso).

2.
BRUNE, S.. 41. Congresso Brasileiro de Olericultura. 2001. (Congresso).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 11/12/2018 às 3:39:12