Paulo Cesar Coelho Abrantes

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9920996222348885
  • Última atualização do currículo em 13/01/2019


Paulo C. C. Abrantes possui graduação em Física pela Universidade de Brasília (1973), mestrado em Filosofia pela Universidade de Paris X (1978) e doutorado em Filosofia pela Universidade de Paris I (1985). É Professor titular aposentado da Universidade de Brasília, tendo tido lotações no Departamento de Filosofia e no Instituto de Ciências Biológicas. Sua pesquisa desenvolve-se principalmente nas áreas de Filosofia da Ciência, Filosofia da Biologia, História da Ciência e Filosofia da Mente . (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Paulo Cesar Coelho Abrantes
Nome em citações bibliográficas
ABRANTES, P.;ABRANTES, Paulo C.


Formação acadêmica/titulação


1981 - 1985
Doutorado em Filosofia.
Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne, PARIS 1, França.
Título: LA RECEPTION EN FRANCE DES THEORIES ELECTRIQUES DE J.C. MAXWELL, Ano de obtenção: 1985.
Orientador: SUZANNE BACHELARD.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: FILOSOFIA DA CIENCIA - SEC. XIX; HISTORIA DA TEORIA DO CAMPO ELETROMAGNETICO; MAXWELL.
Grande área: Ciências Humanas
1976 - 1978
Mestrado em Filosofia.
Université de Paris X, Nanterre, Paris X, França.
Título: L'EPISTEMOLOGIE DANS L'ENSEIGNEMENT SECONDAIRE DE LA PHYSIQUE. UNE PROPOSITION:LA THEORIE DE LA RELATIVITE,Ano de Obtenção: 1978.
Orientador: JACQUES MERLEAU-PONTY.
Bolsista do(a): Bolsa do Governo Francês, GOVFRANC, França.
Palavras-chave: FILOSOFIA DA CIENCIA; DEBATE POPPER-KUHN; ENSINO DE CIENCIA.
Grande área: Ciências Humanas
1978 - 1979
Especialização em Filosofia.
Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne, PARIS 1, França.
1970 - 1973
Graduação em Física.
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.


Pós-doutorado


2012 - 2013
Pós-Doutorado.
Institut d'histoire et de philosophie des sciences et des techniques, IHPST, França.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
2003 - 2003
Pós-Doutorado.
Australian National University, ANU, Austrália.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
1994 - 1996
Pós-Doutorado.
University of Pittsburgh, PITT, Estados Unidos.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia / Especialidade: Ciência Cognitiva.


Atuação Profissional



University of Pittsburgh, PITT, Estados Unidos.
Vínculo institucional

1994 - 1996
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
Vínculo institucional

1986 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor Associado 4, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

04/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de Filosofia, .

Linhas de pesquisa
Cultura e Evolução Humana

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Vínculo institucional

1985 - 1986
Vínculo: Bolsista recém-doutor, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 40

Atividades

08/1985 - 06/1986
Ensino, Filosofia, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Epistemologia e História da Ciência
DISCIPLINAS NA GRADUACAO E NA POS-GRADUACAO NAS AREAS DE FILOSOFIA E HISTORIA DA CIENCIA

Pontifícia Universidade Católica de Campinas, PUC Campinas, Brasil.
Vínculo institucional

1980 - 1981
Vínculo: Outro, Enquadramento Funcional: PROFESSOR ADJUNTO, Carga horária: 20

Atividades

03/1980 - 06/1981
Ensino,

Disciplinas ministradas
Física


Linhas de pesquisa


1.
Cultura e Evolução Humana

Objetivo: Investigar o papel que a cultura desempenhou em diferentes etapas da evolução na linhagem hominínea. Confrontar cenários de acordo com os níveis de seleção que postulam para explicar a evolução nessa linhagem. Investigar os mecanismos que possibilitaram que a cooperação pudesse ocorrer em grandes grupos humanos,.
Grande área: Ciências Humanas
Setores de atividade: Educação.
Palavras-chave: Abordagem de dupla herança; Evolução da Cognição; Evolução da Cooperação; Evolução Cultural; Singularidade humana.


Projetos de pesquisa


2014 - Atual
Herança cultural e evolução da cooperação
Descrição: Na pesquisa que desenvolvi nos últimos anos sobre a teoria da dupla herança de Richerson e Boyd- uma das várias teorias para a evolução humana hoje em debate-, não me aprofundei a respeito do cenário que essa teoria admite com respeito à estrutura social dos grupos de caçadores-coletores do Pleistoceno e às suas interações. Para esses antropólogos-biológicos, as relações entre esses grupos foram marcadas pelo conflito, o que consideram não só empiricamente respaldado (mesmo que de modo indireto) mas, além disso, necessário para que se dê a seleção no nível de grupo. Convém ressaltar que esse cenário é compatível com a existência de cooperação entre os membros de cada um dos grupos. Segundo Richerson e Boyd, para que a seleção no nível do grupo seja significativa enquanto fator causal no processo evolutivo duas condições têm que ser satisfeitas: 1) a existência de variação entre grupos e mecanismos que a mantenham; 2) o conflito entre grupos. Com respeito à primeira condição, é preciso distinguir, inicialmente, a origem da variação entre os grupos da sua manutenção, que se daria por algum mecanismo de herança e por maneiras de impedir que a migração entre eles tenda a homogeneizá-los. A herança genética não permite manter a variação num cenário em que haja migração entre grupos, o que, muito provavelmente, foi comum entre os grupos de caçadores-coletores do Pleistoceno. Por essa razão, os que admitem uma herança exclusivamente genética consideram, acertadamente, que a seleção no nível de grupo não tem intensidade num cenário desse tipo e pode, portanto, ser desprezada como fator causal na evolução. A herança cultural (ocorrendo dentro de cada grupo) possibilita, efetivamente, que a primeira condição seja satisfeita. A variação relevante entre os grupos é, no caso, cultural e o que permite mantê-la são os vieses na aprendizagem por imitação e a psicologia social que descrevi na última seção, que estariam na base da cooperação humana. Os marcadores simbólicos jogam, também, um papel central em manter a identidade do grupo e estabelecer barreiras (no caso, culturais) entre eles, dificultando a invasão de cada grupo por indivíduos cujo comportamento é pautado por normas distintas, admitidas em outros grupos. A partir do momento em que a variação entre grupos não somente é gerada mas também mantida e estabilizada, a seleção no nível do grupo pode se intensificar, a depender das relações que se estabelecem entre os grupos. Uma das relações possíveis é o conflito, que pode levar, em situações extremas, à guerra e ao extermínio do grupo perdedor . Sterelny argumenta a favor de um cenário alternativo e invoca evidências empíricas para rejeitar o cenário de um conflito generalizado e persistente entre grupos humanos do Pleistoceno traçado por Richerson e Boyd. As capacidades para a cooperação, tanto no forrageamento como em outras atividades do grupo, teriam aumentado, segundo aquele filósofo, a aptidão dos indivíduos no interior dos grupos que cooperavam. Além da cooperação interna aos grupos, ele defende que havia cooperação também entre diferentes grupos. Uma implicação deste cenário alternativo é que a seleção no nível do grupo não teria sido o mecanismo central envolvido na evolução da cooperação em nossa linhagem durante o Pleistoceno. Já com as modificações radicais nas condições climáticas que marcaram o início do Holoceno, o conflito entre grupos passou a ser um elemento importante do novo cenário e a seleção de grupo pode ter desempenhado um papel relevante a partir de então. A pesquisa pretende comparar esses dois cenários para a evolução humana e aprofundar o papel que teve a herança cultural em cada um deles bem como os níveis nos quais se deu a seleção natural, o que envolve maior clareza conceitual a respeito desses processos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.Número de orientações: 2
2010 - 2014
Cooperação e evolução humana
Descrição: Pode-se argumentar que a evolução humana é anômala tanto no que diz respeito à acumulação cultural quanto à cooperação em larga escala, que se dá em grupos humanos não aparentados geneticamente. Darwin considerava o comportamento altruísta como talvez o maior desafio enfrentado por sua teoria. Ele tentou enfrentar esse problema sugerindo que o comportamento altruísta ofereceria benefícios para o grupo no qual o indivíduo se insere. Nessa hipótese, a seleção natural, agindo no nível de grupo e não do indivíduo, explicaria a evolução do altruísmo. Nos grupos humanos, o comportamento altruísta, ou cooperativo, é bastante evidente e, provavelmente, chamou em primeiro lugar a atenção de Darwin para o fenômeno mais geral, que se manifesta em diversos graus em outras espécies animais. Richerson e Boyd propõem, em resposta às críticas contundentes que foram levantadas no séc. XX questionando a relevância da seleção no nível do grupo, que a cultura, ao se estabelecer como um novo sistema de herança ao lado da herança genética, é a chave para explicar a intensidade da seleção de grupo na evolução humana oferecendo, por essa via, uma explicação promissora para a cooperação..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 11 / Número de orientações: 4
2007 - 2010
Mente, Cultura e Evolução
Descrição: Um dos objetivos dessa investigação é promover uma aproximação entre, de um lado, as imagens de senso comum a respeito do que nos constitui enquanto pessoas e agentes - imagens pressupostas por grande parte da filosofia e também pelas ciências sociais - e, de outro, imagens pressupostas pela biologia, que nos inserem no mundo animal. O tópico da evolução humana é particularmente adequado para efetivar essa aproximação já que permite confrontar essas diversas imagens e fazer confluir as pesquisas por elas motivadas. Aposto, portanto, na contribuição que a filosofia pode dar no sentido de integrar ou, pelo menos, de aproximar perspectivas adotadas pelas ciências sociais - a respeito do caráter de agentes humanos -, e perspectivas adotadas pela biologia evolutiva..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 10 / Número de orientações: 1
2000 - 2006
Estrutura e âmbito da modalidade evolucionista de explicação
Descrição: Darwin articulou uma nova modalidade explicativa com base no mecanismo de variação, seleção e retenção de características, cuja aplicação não se limita à biologia. Pretendo estudar a estrutura dessa modalidade de explicação e explorar as suas aplicações em outras áreas da filosofia além da epistemologia (como, por exemplo, a filosofia da mente) e nas ciências (como, por exemplo, mas não exclusivamente, nas ciências cognitivas de um modo geral). Com respeito aos aspectos especificamente biológicos subjacentes a essa investigação, pretendo aprofundar o estudo de tópicos de filosofia da biologia, de modo particular os relacionados à teoria da evolução, como o debate em torno do adaptacionismo, das unidades de seleção, do reducionismo, etc. Explorar numa fase posterior do projeto as credenciais das explicações adaptacionistas para a evolução da cognição..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 5
1998 - 2000
A abordagem evolucionista em epistemologia
Descrição: A teoria darwinista da evolução tem sido uma fonte fértil de metáforas e de analogias para a modelagem dos mais diversos tipos de fenômenos. O caso do conhecimento e da sua dinâmica é somente um dos domínios nos quais se tem explorado essa transferência analógica de conceitos e mecanismos evolucionistas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 7
1994 - 1996
Raciocínio analógico e descoberta científica
Descrição: É comum considerar-se o raciocínio analógico como uma das formas de raciocínio mais importantes no processo de construção de hipóteses e de teorias nas ciências. Existe uma longa tradição a esse respeito na filosofia da ciência do séc. XX, que remonta a N. R. Campbell e seu livro de 1920. O objetivo do projeto é não somente o de reconstruir essa tradição, que incorpora a discussão sobre o uso de modelos nas ciências mas também incorporar resultados das ciências cognitivas, em especial da psicologia cognitiva e da inteligência artificial, para compreender o papel do raciocínio analógico na construção de teorias para novos domínios de fenômenos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Paulo Cesar Coelho Abrantes - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 7


Membro de corpo editorial


2014 - Atual
Periódico: Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP)


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia/Especialidade: Filosofia da Biologia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia/Especialidade: Filosofia da Ciência.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia/Especialidade: Filosofia da Mente.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia/Especialidade: História da Ciência.
5.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia/Especialidade: Teoria do Conhecimento.


Idiomas


Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.
Alemão
, Lê Pouco.
Italiano
, Lê Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

SCOPUS

Artigos completos publicados em periódicos

1.
ABRANTES, Paulo C.2018ABRANTES, Paulo C.. Uma mente embebida na cultura. REVISTA DE FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA, v. 6, p. 7-46, 2018.

2.
REX, ROGER V.V.2017REX, ROGER V.V. ; ABRANTES, Paulo C. . Moral Nativism: Some Controversies. Dialogue, v. 56, p. 21-44, 2017.

3.
ANDRADE, T. L. D.2014ANDRADE, T. L. D. ; ABRANTES, P. . A questão da singularidade humana nas imagens subjacentes ao ensino da evolução humana. Acta Scientiae (ULBRA), v. 16, p. 310-329, 2014.

4.
FAGUNDES, J. O. A.2014FAGUNDES, J. O. A. ; ABRANTES, P. . A consciência como rede de narrativas: uma perspectiva evolucionista. Eutomia (Recife), v. 14, p. 517-537, 2014.

5.
ABRANTES, P.2014ABRANTES, P.. Natureza e Cultura. Ciência & Ambiente, v. 48, p. 7-21, 2014.

6.
ABRANTES, P.2014ABRANTES, P.. Conflito e cooperação na evolução humana. Ciência & Ambiente, v. 48, p. 289-301, 2014.

7.
ABRANTES, P.2013 ABRANTES, P.. Human evolution and transitions in individuality. Contrastes, v. 18, p. 203-220, 2013.

8.
ABRANTES, P.2013ABRANTES, P.. Evolução humana: estudos filosóficos. Revista de Filosofia: Aurora (PUCPR. Impresso), v. 25, p. 75-105, 2013.

9.
ALMEIDA, F. P. L.2012ALMEIDA, F. P. L. ; ABRANTES, P. . A teoria da dupla herança e a evolução da moralidade. Principia (Florianópolis. Online), v. 16, p. 1-32, 2012.

10.
TOSCANO, M.2011TOSCANO, M. ; ABRANTES, P. . A evolução tecnológica seria lamarckista?. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 21, p. 429-470, 2011.

11.
ABRANTES, P.2009ABRANTES, P.. Darwin foi um materialista?. Ciência Hoje, v. 44, p. 50-55, 2009.

12.
ABRANTES, P.2009ABRANTES, P.; EL-HANI, C. N. . Gould, Hull and the individuation of scientific theories. Foundations of Science (Print), v. 14, p. 295-313, 2009.

13.
ABRANTES, P.2008ABRANTES, P.. Aspectos metodológicos da recepção da teoria de Darwin. Ciência & Ambiente, v. 36, p. 37-56, 2008.

14.
ABRANTES, P.2006ABRANTES, P.. A psicologia de senso comum em cenários para a evolução da mente humana. Manuscrito (UNICAMP), v. 29, p. 185-257, 2006.

15.
ABRANTES, P.2006ABRANTES, P.; ALMEIDA, F. P. L. . Criacionismo e Darwinismo confrontam-se nos tribunais ... da razão e do direito. Episteme (Porto Alegre), v. 24, p. 357-401, 2006.

16.
ABRANTES, P.2005ABRANTES, P.. O Programa de uma Epistemologia Evolutiva. Revista de Filosofia, Curitiba, v. 16, n.18, p. 11-55, 2005.

17.
ABRANTES, P.2005ABRANTES, P.. T. Nagel e os limites de um reducionismo fisicalista. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 15, p. 223-244, 2005.

18.
ABRANTES, P.2004ABRANTES, P.. Models and the dynamics of theories. Philosophos, Goiânia, v. 9, n.2, p. 225-270, 2004.

19.
ABRANTES, P.2003ABRANTES, P.; CEZAR, F. G. . Princípio da Precaução: considerações epistemológicas sobre o Princípio e sobre sua Interação com o Processo de Análise de Risco. Cadernos de Ciência e Tecnologia (EMBRAPA), Embrapa-Brasília, v. 20, n.2, p. 225-262, 2003.

20.
ABRANTES, P.2002ABRANTES, P.; AMARAL, F. . Funcionalismo e Causação Mental. Manuscrito (UNICAMP), Campinas, v. 25, p. 13-45, 2002.

21.
ABRANTES, P.1999ABRANTES, P.. Simulação e realidade. Revista Colombiana de Filosofía de La Ciencia, Bogotá, v. 1, n.1, p. 9-40, 1999.

22.
ABRANTES, P.1999 ABRANTES, P.. Analogical reasoning and modeling in the sciences. Foundations Of Science, Bélgica, v. 4, n.3, p. 237-270, 1999.

23.
ABRANTES, P.1998ABRANTES, P.. Kuhn e a noção de exemplar. Principia, Florianópolis, v. 2, n.1, p. 61-102, 1998.

24.
ABRANTES, P.1998ABRANTES, P.. Resenha do livro O sítio da mente de Henrique del Nero. Notícia do Direito Brasileiro, Brasília, v. 4, p. 213-224, 1998.

25.
ABRANTES, P.1998ABRANTES, P.. Naturalismo epistemológico: apresentação.. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), Campinas, v. 8, n.2, p. 7-26, 1998.

26.
ABRANTES, P.1997ABRANTES, P.. RESENHA DO LIVRO DE J.KIM PHILOSOPHY OF MIND. PRINCIPIA, Florianópolis, v. 1, n.2, p. 312-325, 1997.

27.
ABRANTES, P.1994ABRANTES, P.. IMAGENS DE NATUREZA E METODO EXPERIMENTAL. REVISTA HUMANIDADES, v. 9, n.3, p. 221-235, 1994.

28.
ABRANTES, P.1992ABRANTES, P.. RESENHA DE FETZER, PHILOSOPHY AND COGNITIVE SCIENCE. MANUSCRITO, v. 15, n.2, p. 171-183, 1992.

29.
ABRANTES, P.1990ABRANTES, P.. A CONCEPCAO ESTOICA DE NATUREZA E A MODERNA FISICA DO CONTINUO. CADERNOS DE HISTORIA E FILOSOFIA DA CIENCIA, v. 2, n.2, p. 33-65, 1990.

30.
ABRANTES, P.1989ABRANTES, P.. CIENCIA, EPISTEMOLOGIA E HISTORIA EM PIERRE DUHEM. LEOPOLDIANUM, v. 16, n.46, p. 33-46, 1989.

31.
ABRANTES, P.1989ABRANTES, P.. NEWTON E A FISICA FRANCESA DO SEC. XIX. CADERNOS DE HISTORIA E FILOSOFIA DA CIENCIA, v. 1, n.1, p. 5-31, 1989.

32.
ABRANTES, P.1988ABRANTES, P.. A METODOLOGIA DE J.C.MAXWELL E O DESENVOLVIMENTO DA TEORIA ELETROMAGNETICA. CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE FISICA, v. 5, p. 58-75, 1988.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
ABRANTES, Paulo C.. Filosofia da Biologia/Filosofía de la Biologia. 2. ed. Seropédica, RJ: PPGFIL-UFRRJ, 2018. v. 1. 662p .

2.
ABRANTES, P.. Imagens de natureza, Imagens de Ciência. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2016. v. 1. 456p .

3.
ABRANTES, P.. Método e Ciência: uma abordagem filosófica. 1. ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013. v. 1. 219p .

4.
ABRANTES, P.. Filosofia da Biologia. 1. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2011. v. 1. 326p .

5.
ABRANTES, P.. IMAGENS DE NATUREZA, IMAGENS DE CIENCIA. CAMPINAS: PAPIRUS, 1998. v. 1. 247p .

6.
ABRANTES, P.. Epistemologia e Cognição. 1. ed. Brasília: Editora UnB, 1993. v. 1. 224p .

Capítulos de livros publicados
1.
ABRANTES, P.. Linguagem e a evolução da mente humana: a perspectiva de um neurobiólogo. Cérebro, Evolução e Linguagem. 1ed.Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2014, v. 1, p. 23-61.

2.
ABRANTES, P.. Aspectos metodológicos de la teoría de la herencia dual en la evolución humana. In: Jorge Martínez Contreras; Aura Ponce de León. (Org.). Darwin y el evolucionismo contemporáneo. 1ed.Mexico: Siglo XXI, 2012, v. , p. 135-152.

3.
ABRANTES, P.. O que é filosofia da biologia?. In: Paulo C. Abrantes. (Org.). Filosofia da Biologia. 1ed.Porto Alegre: ARTMED, 2011, v. 1, p. 11-36.

4.
ABRANTES, P.; ALMEIDA, F. P. L. . Evolução Humana: a teoria da dupla herança. In: Paulo C. Abrantes. (Org.). Filosofia da Biologia. 1ed.Porto Alegre: ARTMED, 2011, v. 1, p. 261-295.

5.
ABRANTES, P.. A esfera do mental: filosofia, ciência e senso comum. In: Claudinei L. Chitolina; José Aparecido Pereira; José Francisco de Assis Dias; Leomar Antonio Montagua; Rodrigo Hayasi Pinto. (Org.). A Natureza da Mente. Maringá: Humanitas Vivens, 2011, v. 1, p. 17-45.

6.
ABRANTES, P.. Methodological issues in the dual inheritance account of human evolution. In: Jorge Martínez- Contreras; Aura Ponce de León. (Org.). Darwin´s Evolving Legacy. 1ed.Cidade do México: Siglo XXI, 2011, v. 1, p. 127-143.

7.
ABRANTES, P.. Culture and transitions in individuality. In: Luiz Henrique de Araújo Dutra; Alexandre Meyer Luz. (Org.). Temas de Filosofia do Conhecimento. 1ed.Florianópolis: Núcleo de Epistemologia e Lógica da Universidade Federal de Santa Catarina, 2011, v. , p. 395-408.

8.
ABRANTES, P.. Human evolution: Compatibilist Approaches. In: Décio Krause; Antonio Videira. (Org.). Brazilian Studies in Philosophy and History of Science. 1ed.Dordrecht: Springer, 2011, v. 1, p. 171-183.

9.
ABRANTES, P.. La imagen filosófica de los agentes humanos y la evolución en el linaje homínido. In: Jaime Labastida e Violeta Aréchiga. (Org.). Identidad y Diferencia. 1ed.México, D.F.: Siglo XXI Editores, 2010, v. 3, p. 329-348.

10.
ABRANTES, P.. El programa de una epistemología evolucionista. In: Alejandro Rosas. (Org.). Filosofía, darwinismo y evolución. Colombia: Universidad Nacional de Colombia, 2007, v. 1, p. 121-179.

11.
ABRANTES, P.. Imagens de Natureza, de Ciência, e Educação: o caso da Revolução Francesa. In: Sofia Stein; E. Kuiava. (Org.). Linguagem, Ciência e Valores: sobre as representações humanas do mundo. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul (EDUCS), 2006, v. , p. 11-58.

12.
ABRANTES, P.. Metafísica e ciência: o caso da filosofia da mente. In: Chediak, Karla; Videira, Antônio Augusto Passos. (Org.). Temas de Filosofia da Natureza. Rio de Janeiro: UERJ, 2004, v. , p. -.

13.
ABRANTES, P.. Naturalismo em Filosofia da Mente. In: Ferreira, A.; Gonzalez, M. E. Q.; Coelho, J. C.. (Org.). Encontro com as Ciências Cognitivas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2004, v. 4, p. 9-44.

14.
ABRANTES, P.; BENSUSAN, H. . Conhecimento, ciência e natureza: cartas sobre o naturalismo. In: Simon-Rodrigues, S.. (Org.). Filosofia e Conhecimento: das formas platônicas ao naturalismo. Brasília: Editora da UnB, 2003, v. , p. -.

15.
ABRANTES, P.. Razonamiento analógico y modelado en las ciencias. In: Duarte, A.; Rabossi, E.. (Org.). Psicología cognitiva y filosofía de la mente: pensamiento, representación y conciencia. Buenos Aires: Alianza, 2003, v. , p. -.

16.
ABRANTES, P.. Problemas metodológicos em historiografia da ciência. In: Silva Filho, Waldomiro José da. (Org.). Epistemologia e Ensino de Ciências. Salvador: Arcadia/UCSAL, 2002, v. , p. 51-91.

17.
ABRANTES, P.. Introdução: Epistemologia e Cognição. In: ABRANTES, P.. (Org.). EPISTEMOLOGIA E COGNICAO. BRASILIA: EDITORA DA UNIVERSIDADE DE BRASILIA, 1993, v. , p. 9-23.

18.
ABRANTES, P.. Naturalizando a epistemologia. In: ABRANTES, P.. (Org.). EPISTEMOLOGIA E COGNICAO. 1ed.BRASILIA-DF: Editora UnB, 1993, v. , p. 171-218.

19.
ABRANTES, P.. A FILOSOFIA DA CIENCIA DE H.HERTZ. In: EVORA, F.. (Org.). SECULO XIX:O NASCIMENTO DA CIENCIA CONTEMPORANEA. CAMPINAS: CLE-UNICAMP, 1990, v. , p. -.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
ABRANTES, P.. Em nome da razão. Folha de São Paulo- Caderno de Resenhas, São Paulo, 10 nov. 2001.

2.
ABRANTES, P.. Filosofia no Mundo Real. Folha de São Paulo, São Paulo, p. 8, 13 jan. 2001.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
ABRANTES, P.. Methodological issues in the dual inheritance account of human evolution. In: Lamarck-Darwin 1809-2009 - Two hundred years of evolutionism, 2009, Xalapa. Lamarck-Darwin 1809-2009 - Works in Progress, 2009. v. 1. p. 5-20.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
ABRANTES, P.. A evolução da cooperação. In: XVII Congresso da Sociedade Interamericana de Filosofia, 2013, Salvador. Livro de Resumos. Salvador: Quarteto Editora, 2013. v. 1. p. 437-437.

2.
ABRANTES, P.. Culture and transitions in individuality. In: Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology, 2011, Salt Lake City. ISHPSSB - Program Guide & Abstracts. Salt Lake City - Utah: The University of Utah, 2011. v. 1. p. 49-49.

3.
ABRANTES, P.. Cultura e transições em individualidade. In: VII Simpósio Internacional Principia, 2011, Florianópolis. VII Simpósio Internacional Principia-Resumos. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. v. 1. p. 176-176.

4.
ABRANTES, P.. O fator cultural na evolução humana segundo a teoria da dupla herança. In: 57o Congresso Brasileiro de Genética, 2011, Aguas de Lindóia. Manipulação do DNA: 4 décadas rompendo fronteiras, 2011. v. 1. p. 66-66.

5.
ABRANTES, P.. A evolução dos sistemas intencionais. In: VI Colóquio Internacional de Filosofia da Mente: Intencionalidade e Consciência, 2011, Fortaleza. Caderno de Resumos, 2011. v. 1. p. 6-6.

6.
ABRANTES, P.. The evolution of social learning by imitation. In: Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology, 2009, Brisbane. International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology. Sydney: University of Sydney, 2009. v. 1. p. 1-2.

7.
ABRANTES, P.. A abordagem de dupla herança e a evolução humana. In: VI Encontro da Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul (AFHIC), 2008, Montevidéu. Anais do VI Encontro da Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul, 2008. v. 1. p. 63-63.

8.
ABRANTES, P.. A abordagem de dupla herança e a evolução humana. In: XIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2008, Canela. Livro de Atas do XIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2008. v. 1. p. 545-546.

9.
ABRANTES, P.. Mindreading and Evolution. In: Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB), 2007, Exeter. Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB), 2007. v. 1. p. 28-29.

10.
ABRANTES, P.. Leitura de mentes e Evolução. In: V Simpósio Internacional Principia, 2007, Florianópolis. Anais do V Simpósio Internacional Principia, 2007. v. 1. p. 138-140.

11.
ABRANTES, P.. A imagem filosófica de agentes humanos e a evolução na linhagem hominídea. In: XIV Congreso Internacional de Filosofía: Identidad y Diferencia, 2007, Mazatlán. Anais do XIV Congreso Internacional de Filosofía: Identidad y Diferencia. México: Asociación Filosófica de México, A.C., 2007. v. 1. p. 87-87.

12.
ABRANTES, P.. A psicologia de senso comum em cenários para a evolução da mente humana. In: XXIV Encontro Anual de Etologia, 2006, Brasília. Anais do XXIV Encontro anual de Etologia, 2006.

13.
ABRANTES, P.. O empirismo à luz de uma perspectiva selecionista em epistemologia. In: XII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2006, Salvador. Livro de atas do XII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2006. v. 1. p. 439-440.

14.
ABRANTES, P.. Darwinism Self-applied: Gould, Hull and the Individuation of Scientific Theories. In: Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB), 2005, Guelph - Canadá. Anais do Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB). Guelph: Editora da University of Guelph, 2005. p. 3-3.

15.
ABRANTES, P.. Imagens de Ciência e Educação: o caso da Revolução Francesa. In: II Congresso Internacional: Ética, Epistemologia e Educação, 2005, Caxias do Sul. Anais do II Congresso Internacional: Ética, Epistemologia e Educação. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 2005. v. 1. p. 14-15.

16.
ABRANTES, P.. A hipótese da inteligência social em teorias da evolução da cognição humana. In: Colóquio Principia, 2005, Florianópolis. Anais do Colóquio Principia. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

17.
ABRANTES, P.. Evolução da cognição: algumas abordagens contemporâneas. In: XI Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2004, Salvador. Anais do Congresso da ANPOF, 2004.

Resumos publicados em anais de congressos (artigos)
1.
ABRANTES, P.2002ABRANTES, P.. Há (ainda) lugar para a metodologia na filosofia da ciência?. Anais do Congresso da ANPOF, São Paulo, 2002.

Artigos aceitos para publicação
1.
CASTRO, C. B. ; ABRANTES, Paulo C. . Imágenes en la explicación del comportamiento prosocial humano y su evolución. Revista Colombiana de Filosofía de la Ciencia, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
ABRANTES, P.. Evolução Cultural. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
ABRANTES, P.. Filosofia e Ciência. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
ABRANTES, P.. Evolução Humana. Santa Maria, RS: Ciência & Ambiente, 2014 (Editor).

2.
ABRANTES, P.. Naturalismo Epistemológico. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, série 3, v. 8, n. 2. Campinas: CLE-UNICAMP, 1998 (Editor).

3.
ABRANTES, P.. Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência. SBHC, 1992 (Editor).

4.
ABRANTES, P.. Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência. SBHC, 1991 (Editor).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
ABRANTES, P.; RODRIGUES, S. S.. Participação em banca de Ana Luísa Lamounier Costa. Explicação em Neurociência: O Papel da Causalidade em Explicações Mecanicistas e Multiniveladas. 2013. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília.

2.
CABRERA, J.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Fabiano Sabino de Lana. A escolha turva: O impasse da ética entre a natureza e a existência. 2011. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília.

3.
ABRANTES, P.; COSTA, I. I.; MARTINS, F. M. M. C.; CASTRO NETO, J. M. O.. Participação em banca de Fernando Rafael dos Santos e Silva. Mente, Corpo e Processos Terapêuticos: ensaios a partir da filosofia da mente. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de Brasília.

4.
ABRANTES, P.; EL-HANI, C. N.; FREIRE, O.. Participação em banca de Marina de Lima Tavares. Gaia e Ciência: uma análise da cientificidade da teoria gaia de acordo com a metodologia dos programas de pesquisa de Lakatos. 2003. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) - Universidade Federal da Bahia.

5.
LECLERC, A.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Janilson José Alves Viégas. Thomas Kuhn: o poder dos paradigmas nas tradições de pesquisa científica. 2003. Dissertação (Mestrado em Filosofia (Ufpe-Ufpb-Ufrn)) - Universidade Federal da Paraíba.

6.
TENORIO, R. M.; PESSOA, O.; MACHADO, N.; SALES, J. C.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Cláudio Alves de Amorim. A máquina e seus limites: uma investigação sobre o xadrez computacional. 2002. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia.

7.
ABRANTES, P.; OLIVEIRA NETO, M.. Participação em banca de Orzenil Bonfim da Silva Júnior. Sobre a possibilidade do átomo físico como referência da teoria quântica. 1999. Dissertação (Mestrado em Química) - Universidade de Brasília.

8.
ABRANTES, P.; BITTENCOURT, G.; ARCELA, A.; FEITOSA, M. A.. Participação em banca de Geber Lisboa Ramalho. TMUS- um sistema gerador de teoremas musicais baseado na geometria das árvores de tempos. 1992. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) - Universidade de Brasília.

Teses de doutorado
1.
ABRANTES, P.; WILLIGES, F.; AZIZE, R.; SAES, S. F. A.; SILVA FILHO, W. J.. Participação em banca de Andrea Schimmenti. Causalidade mental, agência, pessoa. 2015. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Federal da Bahia.

2.
ABRANTES, P.. Participação em banca de Gilmar Evandro Szcenapik. A emancipação da tecnologia em relação à ciência. 2014. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Federal de Santa Catarina.

3.
PESSOA, O.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Fábio Leite. Um estudo sobre a filosofia da história e sobre a historiografia da ciência de P. Duhem. 2012. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

4.
ABRANTES, P.; TENORIO, R. M.; MACEDO, R. S. A.; BARBOSA, J. C.; FREIRE, O.. Participação em banca de Cláudio Alves de Amorim. A herança cibernética: desafios educacionais em um mundo de automação. 2006. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal da Bahia.

5.
ABRANTES, P.; FREITAS, R. S.; SOBRAL, F. A. F.; MACIEL, M. L. A.; TRIGUEIRO, M. G. S.. Participação em banca de André Luis Ribeiro Ferreira. Sob o espectro de Darwin: a sociologia e as abordagens biossociais. 2000. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de Brasília.

6.
ABRANTES, P.; BIZZO, N. M. V.; VIDEIRA, A. A. P.; PLASTINO, C. E.. Participação em banca de Charbel Nino El-Hani. Níveis da Ciência, Nível da Realidade: evitando o dilema holismo/reducionismo no ensino de ciências e biologia. 2000. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo.

7.
ABRANTES, P.; PLASTINO, C. E.. Participação em banca de Valter Alnis Bezerra. Estruturas em busca do equilíbrio: o lugar da metametodologia e o papel da coerência no modelo reticulado de racionalidade científica. 1999. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade de São Paulo.

8.
ABRANTES, P.; GHINS, M.; PORCHAT, O.. Participação em banca de Luiz Henrique de A. Dutra. Realismo, empirismo e naturalismo: o naturalismo nas filosofias de Boyd e van Fraassen. 1993. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Estadual de Campinas.

Qualificações de Doutorado
1.
ABRANTES, P.; NEVES, M. C. P.; CHAVES, P. H.; BENVINDO, J. Z.. Participação em banca de Fábio Portela Lopes Almeida. The emergence of constitutionalism as an evolutionary adaptation. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade de Brasília.

2.
ABRANTES, P.. Participação em banca de Kelerson Semerene Costa. Maravilhosa Flor Amarela Estranhamente Suspensa no Ar. 2000. Exame de qualificação (Doutorando em História) - Universidade de Brasília.

Qualificações de Mestrado
1.
BENSUSAN, H.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Tomás Ribeiro Cardoso. Sobre objetos inexistentes (a barba de Platão, o deserto de Quine e a selva de Meinong. 2011. Exame de qualificação (Mestrando em Filosofia) - Universidade de Brasília.

2.
RODRIGUES, S. S.; ABRANTES, P.. Participação em banca de Ruslane Bião de Oliveira. Exame da demonstração cartesiana: o uso da analogia aplicada ao fenômeno do arco-íris. 2003. Exame de qualificação (Mestrando em Filosofia) - Universidade de Brasília.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
BENSUSAN, H.; ABRANTES, P.. Participação em banca de José Vieira Nepomuceno Filho.A teoria coerentista da verdade. 2003. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Concurso público
1.
ABRANTES, P.. Concurso para professor adjunto na área de Filosofia da Ciência. 2010. Universidade Federal de Minas Gerais.

2.
ABRANTES, P.. Concurso para professor regular adjunto na área de filosofia da ciência. 2009. Universidad de Buenos Aires.

3.
ABRANTES, P.. Profesor regular adjunto en Filosofía de las ciencias. 2009. Universidad de Buenos Aires.

4.
FREIRE, O.; PESSOA, O.; ABRANTES, P.. Professor adjunto na área de Filosofia e História da Ciência. 2008. Universidade Federal do ABC.

5.
GASTAL, M. L.; ABRANTES, P.. Concurso público na área de ensino de Biologia. 2006. Universidade de Brasília.

6.
ABRANTES, P.; TENORIO, R.. Concurso público para professor adjunto de filosofia da ciência. 2001. Universidade Estadual de Feira de Santana.

7.
ABRANTES, P.. Concurso para professor adjunto em sociologia da ciência e tecnologia. 1992. Universidade de Brasília.

8.
CRUZ, T. R.; ABRANTES, P.. Concurso público-área de ciências. 1987. Universidade de Brasília.

Outras participações
1.
REIS, C. A.; CARVALHO, U. C.; ABRANTES, P.. Comissão de avaliação para professor substituto. 2002. Universidade de Brasília.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Congresso da Sociedade Portuguesa de Filosofia. Imagens nas explicações do comportamento social humano. 2018. (Congresso).

2.
Congresso de Filosofia da Natureza, ?As Entranhas da Natureza?. Conflito e cooperação na evolução humana. 2018. (Congresso).

3.
1º Encontro do Núcleo de Lógica e Filosofia da Ciência (NuLFiC/UFRRJ).Racionalidade científica numa perspectiva naturalista?. 2017. (Encontro).

4.
IASC 2017 International Conference, Crossing Borderlines: Controversies and Interdisciplinarity. Human evolution: a role for culture?. 2017. (Congresso).

5.
IV Congresso Iberoamericano de Arqueologia, Etnologia e Etno-história.. Evolução humana: um papel para a cultura?. 2017. (Congresso).

6.
X Encontro de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul.Evolução Cultural. 2016. (Encontro).

7.
II Congreso de la Asociación Iberoamericana de Filosofía de la Biología (AIFIBI). Conflito e seleção natural: uma aplicação ao caso da evolução humana. 2015. (Congresso).

8.
IX Simpósio Internacional Principia.Metodologia e epistemologias evolucionistas. 2015. (Simpósio).

9.
I Colóquio Internacional de Filosofia da Neurociência.Evolução da agência e da interpretação. 2014. (Simpósio).

10.
IX Encontro de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul. Conflito e cooperação na evolução humana. 2014. (Congresso).

11.
Pensamento em Foco.Epistemologia e evolução. 2014. (Seminário).

12.
XVI Congresso Nacional da ANPOF. Conflito e cooperação na evolução humana. 2014. (Congresso).

13.
II Jornada de Bioética do DF.As interfaces entre ética, biologia e evolução. 2013. (Simpósio).

14.
XVII Congresso da Sociedade Interamericana de Filosofia. A evolução da Cooperação. 2013. (Congresso).

15.
7th Quadrennial International Fellows Conference. Culture and transitions in individuality. 2012. (Congresso).

16.
Primeiro Congresso da Asociación Iberoamericana de Filosofía de la Biologia (AIFBI). Culture and transitions in individuality. 2012. (Congresso).

17.
57o Congresso Brasileiro de Genética. Evolução gene-cultura. 2011. (Congresso).

18.
Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology. Culture and transitions in individuality. 2011. (Congresso).

19.
II Colóquio Nacional de Filosofia da Mente e Ciências Cognitivas.A esfera do mental: filosofia, ciência e senso comum. 2011. (Simpósio).

20.
Simpósio Internacional de Filosofia da Biologia.Mente e cultura nas abordagens atuais da evolução humana. 2011. (Simpósio).

21.
Third Biological Evolution Workshop (PABEW).Comentários à palestra 'The new foundations of evolution'. 2011. (Simpósio).

22.
VI Colóquio Internacional de Filosofia da Mente: Intencionalidade e Consciência.A evolução dos sistemas intencionais. 2011. (Simpósio).

23.
VII Simpósio Internacional Principia.Cultura e transições em individualidade. 2011. (Simpósio).

24.
Seminários do Departamento de Antropologia da UnB.A cultura na antropologia biológica contemporânea. 2010. (Seminário).

25.
XXXI Semana de Filosofia da UnB.Evolução humana: o fator cultural. 2010. (Simpósio).

26.
Charles Darwin 200 anos - Conquistas e desafios da teoria que revolucionou o mundo.Imagens de natureza e imagens de ciência em Darwin. 2009. (Simpósio).

27.
Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology. The evolution of social learning by imitation. 2009. (Congresso).

28.
Evento comemorativo do bicentenário de Darwin. Evolução da cultura e evolução cultural. 2009. (Congresso).

29.
Lamarck-Darwin 1809-2009 - Two hundred years of evolutionism.Methodological issues in the dual inheritance account of human evolution. 2009. (Simpósio).

30.
Origem do homem na perspectiva materialista e evolucionista.Cultura humana: uma adaptação?. 2009. (Seminário).

31.
Seminários da Sociedad Argentina de Análisis Filosófico (SADAF).Cultura humana: uma adaptação?. 2009. (Seminário).

32.
V Colóquio Internacional de Filosofia da Mente. Evolução da cultura e evolução cultural. 2009. (Congresso).

33.
6th Quadriennial Fellows' Conference. Mindreading and Evolution. 2008. (Congresso).

34.
Dennett e a Biologia.Dennett e o adaptacionismo. 2008. (Simpósio).

35.
Encontro do Grupo de Bogotá de Filosofia da Biologia.Metarepresentação e evolução humana. 2008. (Encontro).

36.
VI Encontro da Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul (AFHIC). A abordagem de dupla herança e a evolução humana. 2008. (Congresso).

37.
VII Colóquio de Epistemologia da Universidade São Judas Tadeu.Epistemologias Evolutivas. 2008. (Seminário).

38.
XIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. A abordagem de dupla herança e a evolução humana. 2008. (Congresso).

39.
Colóquio Darwinismo Ativo.Darwinismo e o caráter anômalo da Evolução Humana. 2007. (Seminário).

40.
Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB). Mindreading and Evolution. 2007. (Congresso).

41.
V Simpósio Internacional Principia.Leitura de mentes e evolução. 2007. (Simpósio).

42.
XIV Congreso Internacional de Filosofía: Identidad y Diferencia. A imagem filosófica de agentes humanos e a evolução na linhagem hominídea. 2007. (Congresso).

43.
I Congresso Colombiano de Filosofia. Cenários evolutivos para a mente humana. 2006. (Congresso).

44.
II Colóquio Internacional de Filosofia e Argumentação: Ciência e Conhecimento (UNIESCO).Epistemologias evolutivas. 2006. (Simpósio).

45.
I Simpósio Internacional de Filosofia da Ciência.O mundo 'folk' e a evolução humana. 2006. (Simpósio).

46.
V Encontro da Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul (AFHIC).A ?folk psychology? em cenários para a evolução da mente humana. 2006. (Encontro).

47.
VIII Coloquio Internacional Bariloche de Filosofía.O mundo 'folk' e a evolução humana. 2006. (Simpósio).

48.
XII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. O empirismo à luz de uma perspectiva selecionista em epistemologia. 2006. (Congresso).

49.
XXIV Encontro Anual de Etologia.A psicologia de senso comum em cenários para a evolução da mente humana. 2006. (Encontro).

50.
Colóquio Principia.A hipótese da inteligência social em teorias da evolução da cognição humana. 2005. (Simpósio).

51.
Congresso da International Society for the History, Philosophy and Social Studies of Biology (ISHPSSB). Darwinism Self-applied: Gould, Hull and the Individuation of Scientific Theories. 2005. (Congresso).

52.
II Congresso Internacional: Ética, Epistemologia e Educação. Imagens de Ciência e Educação: o caso da Revolução Francesa. 2005. (Congresso).

53.
I Simpósio de Filosofia da Biologia.Evolução da cognição humana. 2005. (Simpósio).

54.
III Simpósio Nacional de Filosofia. Epistemologia evolucionista. 2004. (Congresso).

55.
Seminários do Instituto de Biologia da UnB.Filosofia e Biologia: por uma relação não-hierárquica. 2004. (Outra).

56.
XI Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF.Evolução da cognição: algumas abordagens contemporâneas. 2004. (Seminário).

57.
Seminários do Instituto de Biologia-UnB.O que ganhamos e o que perdemos com descrições substrato-neutras da cognição e da vida?. 2003. (Outra).

58.
Colóquios do Mestrado em Filosofia.O problema da causação mental em filosofia da mente. 2002. (Outra).

59.
III Colóquio Internacional em Filosofia da Mente.Funcionalismo e Causação Mental. 2002. (Simpósio).

60.
II Seminário de Teoria e História da Ciência.Imagens de natureza, imagens de ciência. 2002. (Seminário).

61.
X Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. Há (ainda) lugar para a metodologia na filosofia da ciência?. 2002. (Congresso).

62.
II Simpósio Internacional Principia.Epistemologia evolucionista e darwinismo universal. 2001. (Seminário).

63.
I Simpósio de Filosofia da Natureza.Metafísica e Ciência. 2001. (Simpósio).

64.
X Congresso Brasileiro de Sociologia. Epistemologias evolucionistas. 2001. (Congresso).

65.
Fourth Quadrennial International Fellows Conference. Analogical evolutionary epistemologies. 2000. (Congresso).

66.
IX Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. Epistemologias evolucionistas. 2000. (Congresso).

67.
Temas actuales de Psicologia Cognitiva y Filosofia de la Mente.Raciocínio analógico e modelagem nas ciências. 2000. (Seminário).

68.
Colóquio de Epistemologia e Filosofia das Ciências.Imagens de natureza, imagens de ciência: o caso da experimentação. 1999. (Simpósio).

69.
III Encontro Brasileiro Internacional de Ciência Cognitiva.Estrutura e similaridade no raciocínio analógico. 1998. (Simpósio).

70.
VIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. O naturalismo de J. Searle: redescoberta da mente ou redescoberta do cérebro?. 1998. (Congresso).

71.
IV Encontro da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica.Kuhn e a noção de ?exemplar?. 1997. (Encontro).

72.
Simpósio da Sociedad Argentina de Análisis Filosófico.Graus e modalidades de naturalismo em Filosofia da Ciência. 1997. (Simpósio).

73.
X Colóquio de História da Ciência (CLE).Laudan e Lakatos: a questão da racionalidade epistêmica. 1997. (Simpósio).

74.
Third Quadrennial International Fellows Conference. Models and analogy. 1996. (Congresso).

75.
II Encontro da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica.Psicologia e epistemologia naturalizada. 1993. (Encontro).

76.
Colóquio 'Epistemologia e Cognição'.Naturalização da Epistemologia. 1992. (Simpósio).

77.
I Encontro da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica.A filosofia da ciência de R. Hertz. 1991. (Encontro).

78.
VII Colóquio de História da Ciência (CLE).O trabalho científico de Hertz e sua filosofia da ciência. 1991. (Simpósio).

79.
IV Colóquio de História da Ciência.A física dos estóicos. 1989. (Simpósio).

80.
Colóquio 1789 - Sombra e Luzes.Imagens de Natureza, Imagens de Ciência e a Revolução Francesa. 1987. (Simpósio).

81.
Encontro comemorativo do tricentenário do Principia Mathematica.Eter e teoria da matéria em Newton. 1987. (Encontro).

82.
II Colóquio de História da Ciência.Newton e a física francesa do séc. XIX. 1986. (Simpósio).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
ABRANTES, P.. Simpósio Internacional de Filosofia da Biologia. 2011. (Congresso).

2.
ABRANTES, P.. 200 anos de Darwin. 2009. (Outro).

3.
ABRANTES, P.. Dennett e a Biologia. 2008. (Congresso).

4.
ABRANTES, P.. I Colóquio de História e Filosofia da Biologia. 2004. (Congresso).

5.
ABRANTES, P.. Epistemologia e Cognição. 1992. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Roger Valério de Vargas Rex. Evolução da Moralidade: O Debate sobre o Nativismo Moral. Início: 2015. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília. (Orientador).

Tese de doutorado
1.
Fábio Portela Lopes de Almeida. The emergence of constitutionalism as an evolutionary adaptation. Início: 2014. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de Brasília. (Coorientador).

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Benilson Souza Nunes. Identidade Pessoal. Início: 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Roger Valério de Vargas Rex. Evolução da Moralidade: o debate sobre o nativismo moral. 2014. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

2.
Edson Cláudio Mesquita Pinto. O Programa Adaptacionista: Uma Investigação Metodológica. 2012. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

3.
Fábio Portela Lopes de Almeida. A evolução da mente normativa: origens da cooperação humana. 2011. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

4.
Filipe Lazzeri Vieira. Funcionalismo e Behaviorismo sobre Predicações Psicológicas Ordinárias. 2011. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

5.
Marcos Toscano. Nos Trilhos da Inovação: Uma Contribuição Filosófica para a Consolidação de um Modelo para a Evolução Tecnológica. 2009. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

6.
Juliana de Orione. A consciência vista de fora: a perspectiva de Dennett. 2009. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

7.
Frederico Gonçalves Cezar. Previsões sobre tecnologias: pressupostos epistemológicos na análise de risco da soja transgênica. 2003. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade de Brasília, . Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

Tese de doutorado
1.
Fábio Portela Lopes de Almeida. Constitution - the Evolution of a Societal Structure. 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de Brasília, . Coorientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

Supervisão de pós-doutorado
1.
Catherine Bernal Castro. 2016. Universidade de Brasília, . Paulo Cesar Coelho Abrantes.

2.
Karla de Almeida Chediak. 2004. Universidade de Brasília, . Paulo Cesar Coelho Abrantes.

Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Eder Carvalho Wen. O problema dos qualia em filosofia da mente. 2009. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Especialização em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Benilson Souza Nunes. Ontologia e persistência subjetiva. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

2.
Arnaldo de Souza Vasconcellos Júnior. Uma análise lakatosiana da pesquisa de Mary Schweitzer em biologia evolutiva. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

3.
José Vieira. Teorias da Verdade: coerentismo. 2003. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

4.
Sérgio Ribeiro Kneipp. Teoria da identidade de tipo: ainda vale a pena lutar por ela?. 2002. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

5.
Felipe Amaral. Causação mental e redução. 2001. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

6.
Sérgio Ricart Simeão Freitas. Relações de similaridade na atividade científica. 2000. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

7.
Álvaro Pereira da Silva. Galileu herético: implicações do atomismo de Galileu face ao hilemorfismo de Aristóteles. 2000. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

8.
Juliana Orione. Uma abordagem cientificista do mental. 1999. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

9.
Jorge Penaforte. Francis Bacon e a técnica. 1997. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

10.
Almir Serra. Modelos em Economia. 1996. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

11.
Filipe Ceppas. Ciência e Filosofia em Platão. 1992. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

12.
José Eduardo Pires Campos Jr.. A teoria evolucionista, seu desenvolvimento e problemas por ela suscitados. 1992. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

13.
Daniel Angelo Rodrigues Costa. Da concepção semântica da verdade à lógica da pesquisa científica. 1992. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

14.
Maria Cecília de Miranda N. Coelho. Matemática e lógica em Galileu. 1990. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

15.
Cláudio Araujo Reis. Imagens de Natureza no séc. XVIII: d'Alembert e Diderot. 1988. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

Iniciação científica
1.
José Renato Botafogo Brito. Tensão entre cooperação e conflito na evolução humana. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

2.
Tiago Leal Dutra de Andrade. A importância da empatia e da aprendizagem social na evolução das capacidades para a acumulação cultural. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

3.
Maya Romano Maia. Cultura e a evolução dos hominíneos. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Biologia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

4.
Felipe Lazerri Vieira. Atitudes proposicionais e explicação do comportamento em psicologia. 2009. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

5.
André Gustavo Machado Bertran. Modelos matemáticos na teoria da dupla herança. 2009. Iniciação Científica. (Graduando em Biologia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

6.
João Carlos Santos. O naturalismo biológico de R. Millikan. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

7.
Filipe Lazerri Vieira. Teorias da intencionalidade. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

8.
Antônio Ferreira Marques Neto. Descoberta científica assistida por computadores. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

9.
José Flávio Albernaz Mundim. A abordagem funcionalista do problema mente-corpo. 2001. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

10.
Juliana Orione. A evolução da consciência. 1999. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.

11.
Juliana Orione. Sensações: abordagens científica e filosófica. 1997. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade de Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Paulo Cesar Coelho Abrantes.



Educação e Popularização de C & T



Artigos
Artigos completos publicados em periódicos
1.
TOSCANO, M.2011TOSCANO, M. ; ABRANTES, P. . A evolução tecnológica seria lamarckista?. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 21, p. 429-470, 2011.




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 24/01/2019 às 24:10:37