Giliard da Silva Prado

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6712801975195995
  • Última atualização do currículo em 22/10/2018


Possui licenciatura (2006) e bacharelado (2009) em História pela Universidade Federal de Sergipe - UFS; e mestrado (2009) e doutorado (2013) em História pela Universidade de Brasília - UnB, tendo realizado Doutorado Sanduíche (2012 - PDSE/CAPES) na École des Hautes Études en Sciences Sociales - EHESS, Paris. Atualmente é Professor Adjunto do Curso de História da Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Tem experiência na área de História, com ênfase em História da América, atuando principalmente nos seguintes temas: história; memória; comemorações; Revolução Cubana; dissidentes cubanos; estratégias de legitimação de líderes e regimes políticos. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Giliard da Silva Prado
Nome em citações bibliográficas
PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal de Uberlândia, Campus Pontal.
Rua Vinte, n. 1600
Tupã
38304402 - Ituiutaba, MG - Brasil
Telefone: (34) 32715263
URL da Homepage: http://www.facip.ufu.br/historia


Formação acadêmica/titulação


2009 - 2013
Doutorado em História.
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
com período sanduíche em École des Hautes Études en Sciences Sociales (Orientador: Gilles Bataillon).
Título: Guerrilhas da memória: estratégias de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009), Ano de obtenção: 2013.
Orientador: Jaime de Almeida.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: história; memória; comemorações.
Grande área: Ciências Humanas
2007 - 2009
Mestrado em História.
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
Título: Batalhas da memória política em Sergipe: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006),Ano de Obtenção: 2009.
Orientador: Jaime de Almeida.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: história; memória; comemorações.
Grande área: Ciências Humanas
2006 - 2009
Graduação em História Bacharelado.
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
Título: Entre as pedras e os altares: dois monumentos à memória de Olímpio Campos.
Orientador: Antônio Fernando de Araújo Sá.
2001 - 2006
Graduação em História Licenciatura.
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
Título: A história gravada no bronze: o monumento a Fausto Cardoso.
Orientador: Terezinha Alves de Oliva.




Formação Complementar


2012 - 2012
Doutorado Sanduíche.
École des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.
2006 - 2007
Historiografia Marxista Britânica. (Carga horária: 40h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2006 - 2006
Ação Cultural e Educativa em Museus. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2006 - 2006
História do Presente como Tempo da Memória. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2005 - 2005
Extensão universitária em Técnicas de ensino de História. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2005 - 2005
Introdução à História dos Museus. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2005 - 2005
Pierre Bourdieu e a História da Ciência. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2005 - 2005
Sociologia para Historiadores. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2005 - 2005
Historiografia Britânica e Nova História Francesa. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2004 - 2004
Estudos Biográficos e História da Educação. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2004 - 2004
Fenomenologia e Hermenêutica: Husserl e Heidegger. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2004 - 2004
História, Memória e Metodologia das Fontes Orais. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Brasil.
2003 - 2004
Extensão universitária em Tendências do saber historiográfico atual. (Carga horária: 25h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2003 - 2003
Metodologia Científica. (Carga horária: 16h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2003 - 2003
Cidade e Imagem. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil.
2003 - 2003
A Educação dos Excluídos no Século XIX. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2003 - 2003
Cultura e Educação em Carlo Ginzburg. (Carga horária: 12h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2003 - 2003
Cultura e Educação em Norbert Elias. (Carga horária: 15h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2002 - 2003
Extensão universitária em O ensino de História em debate. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2002 - 2002
História da Língua Portuguesa. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
2002 - 2002
Religião Greco-romana. (Carga horária: 12h).
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Adjunto, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Aprovado em Concurso Público de Provas e Títulos para a área de História da América. Nomeação no cargo pela Portaria n. 668 de 20 de março de 2015 (Diário Oficial da União, edição n. 56, seção 2, p. 37, 24 de março de 2015). Posse no cargo em 7 de abril de 2015.

Atividades

11/2015 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Graduação em História (Portaria FACIP n. 82, de 18 de novembro de 2015).
11/2015 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro da Comissão para Avaliação de Estágio Probatório, Progressão e Promoção dos Docentes do Curso de História (Portaria FACIP n. 83, de 18 de novembro de 2015).
05/2015 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro da Comissão de Avaliação de Atividades Complementares do Curso de Graduação em História (Portaria Curso de História n. 01, de 11 de maio de 2015).
04/2015 - Atual
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estudos Históricos I
História da América I
História da América Latina Contemporânea
Historiografia
Historiografia Brasileira
Tópicos Especiais em História Contemporânea (Revoluções latino-americanas do século XX)
Estudos Históricos II

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor Adjunto, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Aprovado em Concurso Público de Provas e Títulos para a área de História da América (Edital PROGEP n. 62, de 18.12.2013). Homologação dos resultados pelo Edital PROGPEP n. 30, de 06/03/2014 (Diário Oficial da União, 11 de março de 2014, edição n. 47, seção 3, p. 36). Nomeação no cargo pela Portaria n. 294 de 14 de março de 2014 (Diário Oficial da União, edição n. 52, seção 2, p. 20, 18 de março de 2014). Posse no cargo em 14 de abril de 2014. Pedido de vacância do cargo por posse em outro cargo inacumulável a partir de 07/04/2015, conforme portaria n. 344 de 13 de abril de 2015 ( (Diário Oficial da União, edição n. 70, seção 2, p. 17, 14 de abril de 2015)

Atividades

09/2014 - 04/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Campus do Pantanal, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro do Núcleo Docente Estruturante - NDE - do Curso de História (publicado no Boletim de Serviço da UFMS nº 5873, p. 147).
08/2014 - 04/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Campus do Pantanal, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro da Comissão de Atividades Complementares do Curso de História - ACCH (publicado no Boletim de Serviço da UFMS nº 5853, p. 167).
07/2014 - 04/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Campus do Pantanal, Curso de História, .

Cargo ou função
Membro do Colegiado do Curso de História (publicado no Boletim de Serviço da UFMS nº 5864, p. 329).
04/2014 - 04/2015
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História da América II
História da América III
História Política
Introdução à História
Tópicos Especiais em História da América I
05/2014 - 06/2014
Conselhos, Comissões e Consultoria, Campus do Pantanal, Curso de História, .

Cargo ou função
Presidente da Comissão Especial de Seleção de Professor Substituto do Curso de História (publicado no Boletim de Serviço da UFMS nº 5817, p. 115).

Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2011
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Professor substituto, Carga horária: 20

Vínculo institucional

2004 - 2005
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Bolsista PIBIC/CNPq, Carga horária: 20

Vínculo institucional

2003 - 2004
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Bolsista PIBIC/CNPq, Carga horária: 20

Vínculo institucional

2002 - 2003
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Monitor, Carga horária: 12

Atividades

03/2010 - 12/2011
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Brasil I
Temas de História do Brasil Contemporâneo
História Econômica Geral e do Brasil
História do Nordeste
Pesquisa Histórica I
Pesquisa Histórica II
08/2002 - 08/2003
Outras atividades técnico-científicas , Centro de Educação de Ciências Humanas, Centro de Educação de Ciências Humanas.

Atividade realizada
Monitor da disciplina Introdução à História durante os períodos letivos 2002/1; 2002/2 e 2003/1.

Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2009
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 4

Vínculo institucional

2008 - 2008
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 4

Vínculo institucional

2007 - 2007
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Monitor, Carga horária: 12

Atividades

03/2007 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de História, Programa de Pós-Graduação em História.

03/2007 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de História, Programa de Pós-Graduação em História.

08/2009 - 12/2009
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Tópicos Especiais em História da América 1 (Programa de Estágio Docente)
03/2008 - 07/2008
Ensino, História, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História Social e Política do Brasil (Programa de Estágio Docente)
03/2007 - 07/2007
Outras atividades técnico-científicas , Departamento de História, Departamento de História.

Atividade realizada
Monitor da disciplina Tópicos Especiais em História da América 2, na qual foi desenvolvida a temática: "A historiografia diante do desafio do Bicentenário das Independências da Ibero-América".


Linhas de pesquisa


1.
História Cultural da América

Objetivo: Esta Linha de Pesquisa reúne pesquisadores interessados em problematizar as dimensões da cultura num esforço de contribuir para a renovação da historiografia dedicada ao continente americano, com ênfase na problemática das identidades..
2.
Teoria e Metodologia da História da América

Objetivo: Esta Linha de Pesquisa reúne pesquisadores voltados para a pesquisa sobre as grandes correntes interpretativas de História da América, assim como sobre as novas tendências..


Projetos de pesquisa


2014 - 2018
História e historiografia americanista
Descrição: Os objetivos específicos deste projeto são: acompanhamento crítico da produção historiográfica, literária e artística americanista; incentivo à especialização de jovens pesquisadores em temas americanistas; problematização das relações entre historiografia, lugares e políticas de memória, processos identitários e ciclos comemorativos (especialmente o Bicentenário das Independências da América Latina).
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2009 - 2013
Guerrilhas da memória: estratégias de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009)
Descrição: O triunfo da Revolução Cubana, em 1959, operou mudanças significativas no país e causou grande repercussão para além das fronteiras nacionais, fazendo gravitar em torno da experiência revolucionária posições políticas e ideológicas antagônicas, que se refletiram na construção de significados múltiplos e contraditórios. Como a conquista do poder era indissociável da importância de legitimá-lo, os revolucionários investiram, desde cedo, nas políticas de memória da Revolução. Neste sentido, esta pesquisa buscou compreender as estratégias de legitimação da Revolução Cubana no período compreendido entre 1959 e 2009, analisando os discursos proferidos por seus líderes desde a tribuna política das cerimônias comemorativas das principais efemérides revolucionárias e de outros atos públicos promovidos pelo governo cubano. Na análise dos enfrentamentos políticos que marcaram a experiência revolucionária, são examinados os modos pelos quais foi construída a díade 'amigos/inimigos' da Revolução, com ênfase para as diferentes relações estabelecidas pelo regime cubano com os Estados Unidos e com a União Soviética, bem como para o antagonismo mantido com os opositores cubanos: dissidência interna e comunidade do exílio. Nesse estudo das estratégias de legitimação da Revolução, são examinados ainda os usos do nacionalismo, do anti-imperialismo, do internacionalismo revolucionário e de diferentes socialismos pelo regime cubano. Empreende-se uma história da memória, identificando os pontos de inflexão que marcaram as lutas políticas e o processo de legitimação da experiência revolucionária cubana..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Coordenador / Jaime de Almeida - Integrante.
2007 - 2009
Batalhas da memória política em Sergipe: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006)
Descrição: Esta pesquisa analisa as batalhas da memória presentes nas comemorações dos aniversários das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos, no período compreendido entre 1906 e 2006. Líderes políticos de grupos antagônicos, Fausto Cardoso e Olímpio Campos foram assassinados em decorrência de uma revolta ocorrida em Sergipe no ano de 1906. Desde então, faustistas e olimpistas empreenderam projetos concorrentes para o estabelecimento das memórias de seus líderes. Dentre as homenagens que compuseram o processo de mitificação dos dois políticos, constam: as missas fúnebres, as romarias cívicas, os discursos veiculados na imprensa; a reprodução e distribuição de seus retratos; a atribuição de seus nomes a logradouros públicos e a inauguração de seus monumentos. A maior parte dessas homenagens repetia-se anualmente durante as comemorações de suas mortes. Com o intuito de compreender que imagens póstumas foram construídas em torno das figuras de Fausto Cardoso e Olímpio Campos, é feita inicialmente uma análise dos modos como eles foram representados na produção historiográfica sobre a revolta e também nas narrativas biográficas. Na sequência, é empreendida uma história da memória, identificando-se as mudanças por que passaram as comemorações ao longo do tempo, bem como os pontos de inflexão que marcaram os cultos às suas memórias. Verifica-se que os cultos tiveram intensidades desiguais e firmaram memórias com significados também diferentes. A figura de Olímpio Campos ficou associada a uma linhagem conservadora da política sergipana, ao passo que Fausto Cardoso transformou-se em símbolo das lutas libertárias..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Coordenador / Jaime de Almeida - Integrante.
2006 - 2009
Entre as pedras e os altares: dois monumentos narrativos à memória de Olímpio Campos
Descrição: Esta pesquisa consiste num estudo das representações construídas em torno da figura de Olímpio Campos, a partir da análise de dois importantes recursos simbólicos utilizados para entronizar sua memória: a biografia e a estátua. Olímpio Campos, que foi um importante líder religioso e político de Sergipe nas últimas décadas do século XIX e nos primeiros anos do século XX, teve uma trajetória de vida marcada por polêmicas e lutas políticas, que fizeram com que ele fosse, a um só tempo, objeto de admiração e de repulsa. Após seu assassinato, cometido em 1906 pelos filhos de um adversário político, teve início um amplo processo de mitificação da memória de Olímpio Campos. Dentre as diversas homenagens póstumas que lhe foram prestadas, a biografia, publicada em 1910, e a estátua, inaugurada em 1916, constituíram-se em dois dos mais significativos empreendimentos de consagração de sua memória. Tanto na narrativa biográfica quanto nos discursos da inauguração do monumento, foi possível constatar uma preocupação em defender a figura de Olímpio Campos das acusações e críticas que lhe haviam sido feitas, em vida, por seus adversários. Impulsionados pelo explícito propósito de fazer justiça à memória de Olímpio Campos, os construtores de sua imagem póstuma buscaram significar a exemplaridade daquele morto ilustre, apresentando suas virtudes cívicas e cristãs e enaltecendo seus feitos em prol de Sergipe, justificando, desse modo, as razões para edificar sua imortalidade..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Coordenador / Antonio Fernando de Araújo Sá - Integrante.
2006 - 2009
A historiografia diante da comemoração: o desafio do segundo centenário da independência da América Latina
Descrição: A comemoração do segundo centenário da independência coloca na ordem do dia a reavaliação das construções historiográficas e memoriais, cuja arquitetura precisa ser abordada ora de conjunto (as grandes sínteses, os grandes blocos), ora de modo analítico e, neste caso, há que se considerar mais de duas dezenas de histórias nacionais, cada uma delas remetendo por sua vez às tortuosas relações entre províncias, problema que remonta às antigas fronteiras coloniais e demonstra a fragilidade de muitos projetos nacionais. A coincidência com comemorações de outros acontecimentos históricos importantes que repercutem sobre a experiência latino-americana - os centenários da Revolução Mexicana, da Primeira Guerra Mundial, da Revolução Russa, os cinquenta anos da Revolução Cubana - cria um desnorteante jogo de espelhos. No México, o centenário da Revolução Mexicana coincidirá com o bicentenário da independência. Os historiadores transitam por essas múltiplas comemorações, e por isto é importante ter clareza quanto ao recorte de um objeto, e à explicitação de uma problemática bem definida para a pesquisa em profundidade. Essas operações historiográficas são imprescindíveis para uma frutífera troca de ideias nos eventos que as comemorações, justamente, propiciam. Este projeto contempla os seguintes temas: 1) um conjunto de questões de ordem mais geral, como a própria discussão acerca das relações entre a historiografia, a memória e as comemorações; tendências da historiografia latino-americanista; historiografia e cidadania, etc.; 2) o bicentenário da independência na Colômbia; 3) o culto a Simon Bolívar.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2006
A história gravada no bronze: o monumento a Fausto Cardoso
Descrição: Esta pesquisa teve por objetivo reconstituir a história da construção do monumento a Fausto Cardoso em Aracaju, analisando sob que condições se efetivou e quais os interesses subjacentes nessa construção. No que concerne ao procedimento metodológico, foi efetuada a análise do noticiário da época, de artigos de jornais, de fontes iconográficas, de manuscritos referentes às providências para a construção do monumento, da produção historiográfica sobre o processo político da Revolta de Fausto Cardoso e das obras de referência sobre temas como a produção da memória e suas representações. Após a morte de Fausto Cardoso teve início um amplo movimento de culto à sua memória, cujo ápice se assinala na inauguração do monumento, em 1912, na principal praça de Aracaju. A construção do monumento é resultado das ações coordenadas pelos seguidores de Fausto Cardoso que, em razão do assassinato de seu líder no desfecho da revolta contra o grupo olimpista, apresentam-no como mártir e herói da liberdade dos sergipanos, ao mesmo tempo em que se colocam como seus herdeiros políticos e, consequentemente, como membros do único grupo capaz de levar a efeito a liberdade pela qual ele havia morrido..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Coordenador / Terezinha Alves de Oliva - Integrante.
2004 - 2005
Fausto Cardoso, herói da cidade (II)
Descrição: Deu-se continuidade à análise que foi levada a efeito no primeiro ano do projeto, ampliando-se o recorte temporal. Enquanto no primeiro projeto a pesquisa foi centrada no período compreendido entre 1906 e 1912, neste segundo a análise estendeu-se até meados da década de 60, examinando principalmente as comemorações em torno dos aniversários de morte de Fausto Cardoso para apreender a vitalidade / enfraquecimento do mito que fora criado em torno de sua figura. Verificou-se que embora tenha conhecido um certo arrefecimento a partir da década de 20, o culto à memória de Fausto Cardoso manteve uma força considerável, visto que ele ainda era homenageado nas datas alusivas à sua morte mesmo decorridas mais de cinco décadas deste acontecimento. Além disso, nunca houve um intervalo grande entre uma homenagem e outra. Vê-se, portanto, que, em diferentes épocas, a imagem heroica que fora construída em torno da figura de Fausto Cardoso serviu de matéria-prima para os mais diversos projetos políticos. Sempre que se criticava a opressão exercida por governantes e a perseguição política por eles implementada, buscava-se estabelecer uma continuidade em relação ao passado. Os políticos apresentavam Fausto Cardoso como um exemplo paradigmático a ser seguido ao tempo em que se colocavam como seus seguidores e, por conseguinte, como os únicos capazes de levar a efeito a liberdade pela qual ele havia morrido..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Integrante / Terezinha Alves de Oliva - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
2003 - 2004
Fausto Cardoso, herói da cidade
Descrição: Em 1906 foi assassinado em Aracaju o deputado federal Fausto Cardoso. Este acontecimento marcou o desfecho da revolta que, sob sua liderança, pretendia mudar a política estadual, na medida em que tencionava depor a oligarquia dominante. O deputado era apontado, num movimento de propaganda anterior à revolta, como o indivíduo capaz de libertar Sergipe da opressão exercida pelo governo oligárquico. Com a sua morte, iniciou-se um amplo movimento para consagrar sua memória. A partir das fotografias, das charges, do noticiário da época, dos discursos veiculados pela imprensa, dos manuscritos referentes às providências para erguer-lhe uma estátua e da produção historiográfica acerca da revolta, foi examinado o processo de transformação de Fausto Cardoso em herói de Aracaju, sendo analisada esta construção e os seus desdobramentos no cotidiano e na memória da cidade. As homenagens póstumas tiveram início com a as missas fúnebres e as romarias cívicas ao seu túmulo. A preservação da memória de Fausto Cardoso contou ainda com o grande número de ruas, praças e escolas às quais foi dado o seu nome e, também, com diversas representações, de que são exemplos: as fotografias e a sua efígie aposta em objetos de louça, broches e gargantilhas. Contudo, o principal feito para a entronização do herói foi a inauguração, em 1912, de seu monumento na praça que era, a um só tempo, sede dos poderes políticos do Estado e importante espaço de sociabilidade. Os discursos veiculados contribuíram para a construção dos sentidos de mártir e de herói atribuídos ao deputado morto, privilegiando em torno de sua imagem, a despeito dos seus méritos intelectuais, os elementos indicadores da heroicidade: coragem, abnegação, sacrifício e patriotismo. Apesar de toda a perseguição política a que esteve submetida, a construção da heroicidade de Fausto Cardoso contou com uma grande diversidade de meios: representações textuais, representações imagéticas, rituais e cerimônias..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Giliard da Silva Prado - Integrante / Terezinha Alves de Oliva - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.


Membro de corpo editorial


2018 - Atual
Periódico: PONTA DE LANÇA (UFS)
2017 - Atual
Periódico: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe
2010 - 2012
Periódico: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História da América.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Contemporânea.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil/Especialidade: História do Brasil República.


Idiomas


Francês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Inglês
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
1PRADO, Giliard S.2016 PRADO, Giliard S.. O tribunal revolucionário como tribuna política em Cuba: uma análise dos casos 'Marquitos' e 'Ordoqui'. REVISTA ELETRÔNICA DA ANPHLAC, v. 21, p. 4-33, 2016.

2.
2PRADO, Giliard S.2013 PRADO, Giliard S.. A festa revolucionária como tempo da memória: as comemorações do 26 de julho em Cuba (1959-2013). Revista Brasileira do Caribe, v. 14,n27, p. 11-42, 2013.

3.
3PRADO, GILIARD SILVA2013PRADO, GILIARD SILVA. Lutas cotidianas sob um regime totalitário: relações entre a sociedade e o Estado em Cuba. Tempo (Niterói. Online), v. 17, p. 175-180, 2013.

4.
4PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA2010PRADO, Giliard S.. Política e religião amalgamadas no bronze: o monumento a Olímpio Campos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, v. 1,n.40, p. 131-154, 2010.

5.
5PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA2008PRADO, Giliard S.. Batalhas da memória no processo de mitificação de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). Ponta de Lança (UFS), v. 1, n 2, p. 103-116, 2008.

6.
7PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA2007PRADO, Giliard S.. Uma visita a Dona Sinhá. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, v. 1,n 37, p. 217-221, 2007.

7.
6PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA2007PRADO, Giliard S.. Do prólogo de sangue ao epílogo de bronze: a construção de um herói para Sergipe. Em Tempo de Histórias, v. 1,n 11, p. 87-105, 2007.

8.
8STEINBACH, Amanda M.2006STEINBACH, Amanda M. ; PRADO, Giliard S. . A Revolução Francesa sob o olhar de um iluminista marginal. Cadernos UFS. História, v. 1,n 8, p. 105-107, 2006.

9.
9PRADO, Giliard S.;PRADO, GILIARD SILVA2006PRADO, Giliard S.. Desvelando um monumento: representações e lutas políticas na construção da memória de Fausto Cardoso. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, v. 1,n 35, p. 45-74, 2006.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
PRADO, Giliard S.. A construção da memória da Revolução Cubana: a legitimação do poder nas tribunas políticas e nos tribunais revolucionários. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018. 300p .

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
PRADO, Giliard S.. O centenário da morte de Olímpio Campos. Jornal da Cidade, Caderno B, Opinião, Aracaju, p. 6 - 6, 26 nov. 2006.

2.
STEINBACH, Amanda M. ; PRADO, Giliard S. . Entre gritos e silêncios: a condição feminina desvelada pela História. Jornal da Cidade, Caderno B, Opinião, Aracaju, p. 6 - 6, 10 mar. 2006.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
PRADO, Giliard S.. O comunismo ortodoxo no banco dos réus da Revolução: uma análise das disputas ideológicas na cúpula do poder revolucionário cubano na década de 1960. In: XXIX Simpósio Nacional de História, 2017, Brasília-DF. Anais Eletrônicos do XIX Simpósio Nacional de História, 2017. p. 1-16.

2.
PRADO, Giliard S.. O pragmatismo político na proclamação do socialismo e na adoção do marxismo-leninismo como ideologia oficial da Revolução Cubana. In: V Semana de História do Pontal / IV Encontro de Ensino de História, 2017, Ituiutaba. Anais eletrônicos da V Semana de História do Pontal / IV Encontro de Ensino de História, 2017. p. 1-10.

3.
PRADO, Giliard S.. Entre a cooptação e a censura: as metamorfoses nas relações entre Estado e intelectuais sob a Revolução Cubana. In: IV Semana de História do Pontal, 2016, Ituiutaba-MG. Anais Eletrônicos da IV Semana de História do Pontal / III Encontro de Ensino de História, 2016. p. 1-11.

4.
PRADO, Giliard S.. Um panteão contrarrevolucionário: a importância da figura do inimigo no processo de construção da memória da Revolução Cubana. In: XII Encontro Internacional da ANPHLAC, 2016, Campo Grande-MS. Anais do XII Encontro Internacional da ANPHLAC. Campo Grande: ANPHLAC, 2016. v. 1. p. 1-17.

5.
PRADO, Giliard S.. Pátria ou morte: o ideário nacionalista nas estratégias de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). In: Seminário América Latina: cultura, história e política, 2015, Uberlândia-MG. Anais Eletrônicos do Seminário América Latina: cultura, história e política. Uberlândia-MG: Pueblo Editora; Nepri-UFU, 2015. v. 1. p. 1-12.

6.
PRADO, Giliard S.. O inimigo da nação: representações dos Estados Unidos no discurso oficial da Revolução Cubana (1959-2009). In: XXVIII Simpósio Nacional de História, 2015, Florianópolis-SC. Anais Eletrônicos do XXVIII Simpósio Nacional de História, 2015. p. 1-16.

7.
PRADO, Giliard S.. Usos do passado no processo de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). In: III Semana de História do Pontal, 2015, Ituiutaba-MG. Anais Eletrônicos da III Semana de História do Pontal, 2015. v. 1. p. 1-11.

8.
PRADO, Giliard S.. Metamorfoses no processo de legitimação da Revolução Cubana: uma análise das comemorações do 'dia da rebeldia nacional' (1959-2009). In: XXVII Simpósio Nacional de História, 2013, Natal-RN. Anais Eletrônicos do XXVII Simpósio Nacional de História, 2013. p. 1-18.

9.
PRADO, Giliard S.. Presididos por uma lógica saturnina: os intelectuais sob a política cultural da Revolução Cubana. In: XXVI Simpósio Nacional de História, 2011, São Paulo. Anais eletrônicos do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo: ANPUH_SP, 2011. p. 1-12.

10.
PRADO, Giliard S.. Os intelectuais diante do regime cubano: de entusiastas a filhos de Saturno da Revolução. In: V Simpósio Nacional de História Cultural, 2010, Brasília/DF. Anais Eletrônicos do V Simpósio Nacional de História Cultural, 2010. p. 1-12.

11.
PRADO, Giliard S.. Memórias em confronto no centro histórico de Aracaju: os processos de construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). In: I Seminário Nacional Fontes Documentais e Pesquisa Histórica: Diálogos Interdisciplinares, 2009, Campina Grande-PB. Seminário Nacional Fontes Documentais e Pesquisa Histórica. Campina Grande-PB: Editora da UFCG, 2009. p. 1-9.

12.
PRADO, Giliard S.. Uma história da memória: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). In: XXV Simpósio Nacional de História, 2009, Fortaleza-CE. Anais do ... Simpósio Nacional de História, 2009.

13.
PRADO, Giliard S.. Lutas de representações nas comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). In: IV Simpósio Nacional de História Cultural: sensibilidades e sociabilidades, 2008. Anais eletrônicos do IV Simpósio Nacional de História Cultural: sensibilidades e sociabilidades, 2008.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
PRADO, Giliard S.. O comunismo ortodoxo no banco dos réus da Revolução: uma análise das disputas ideológicas na cúpula do poder revolucionário cubano na década de 1960. In: XIX Simpósio Nacional de História, 2017, Brasília. Anais eletrônicos do XIX Simpósio Nacional de História. Brasília: ANPUH, 2017. v. 1. p. 448-448.

2.
PRADO, Giliard S.. Um panteão contrarrevolucionário: a importância da figura do inimigo no processo de construção da memória da Revolução Cubana. In: XII Encontro Internacional da ANPHLAC, 2016, Campo Grande. Programação e Caderno de Resumos do XII Encontro Internacional da ANPHLAC. Campo Grande: ANPHLAC, 2016. v. 1. p. 60-60.

3.
PRADO, Giliard S.. O inimigo da nação: representações dos Estados Unidos no discurso oficial da Revolução Cubana (1959-2009). In: XVIII Simpósio Nacional de História, 2015, Florianópolis. Caderno de Resumos do XVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis: ANPUH, 2015. v. 1. p. 733-733.

4.
PRADO, Giliard S.. Memórias em confronto no centro histórico de Aracaju: os processos de construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). In: I Seminário Nacional Fontes Documentais e Pesquisa Histórica: Diálogos Interdisciplinares, 2009, Campina Grande-PB. Seminário Nacional Fontes Documentais e Pesquisa Histórica. Campina Grande-PB: Editora da UFCG, 2009. p. 226-227.

5.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Um herói para Sergipe: estratégias da consagração de Fausto Cardoso. In: 57ª Reunião Anual da SBPC, 2005, Fortaleza. Anais da 57ª Reunião Anual da SBPC, 2005.

6.
PRADO, Giliard S.. De mito político a herói da liberdade: a construção da imagem de Fausto Cardoso. In: XXV Encontro Nacional dos Estudantes de História, 2005, São Cristóvão. Anais do XXV Encontro Nacional dos Estudantes de História, 2005. p. 32-33.

7.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Fausto Cardoso, herói da cidade. In: VII Congresso de Iniciação Científica / XV Encontro de Iniciação Científica PIBIC/CNPq, 2005, São Cristóvão. Anais do VII Congresso de Iniciação Científica / XV Encontro de Iniciação Científica PIBIC/CNPq, 2005. p. 418.

8.
PRADO, Giliard S.; SILVA, Maria Izabel Ladeira . Abaixo a boemia e a malandragem: uma nova representação do Brasil durante a Era Vargas. In: VII Congresso de Iniciação Científica / XV Encontro de Iniciação Científica PIBIC/CNPq, 2005, São Cristóvão. Anais do VII Congresso de Iniciação Científica / XV Encontro de Iniciação Científica PIBIC/CNPq, 2005. p. 419.

9.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Fausto Cardoso, herói da cidade. In: 56ª Reunião Anual da SBPC, 2004, Cuiabá. Anais da 56ª Reunião Anual da SBPC, 2004. p. 109.

10.
STEINBACH, Amanda M. ; PRADO, Giliard S. ; SOUSA, A. L. . Pecuaristas X agricultores: a disputa pela posse da terra em Itabaiana (1697-1888). In: VI Congresso de Iniciação Científica, 2004, São Cristóvão. Anais do VI Congresso de Iniciação Científica, 2004. p. 404.

11.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Fausto Cardoso, herói da cidade. In: VI Congresso de Iniciação Científica, 2004, São Cristóvão. Anais do VI Congresso de Iniciação Científica, 2004. p. 417.

12.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Fausto Cardoso, herói da cidade. In: V Congresso de Iniciação Científica, 2003, São Cristóvão. Anais do V Congresso de Iniciação Científica, 2003. p. 359.

Apresentações de Trabalho
1.
PRADO, Giliard S.. O 'quarto exército' a serviço do inimigo: representações dos blogueiros dissidentes como 'cibermercenários' no discurso oficial da Revolução Cubana (2010-2018). 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
PRADO, Giliard S.. O comunismo ortodoxo no banco dos réus da Revolução: uma análise das disputas ideológicas na cúpula do poder revolucionário cubano na década de 1960. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
PRADO, Giliard S.. O pragmatismo político na proclamação do socialismo e na adoção do marxismo-leninismo como ideologia oficial da Revolução Cubana. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

4.
PRADO, Giliard S.. História da memória: a análise de discursos comemorativos no estudo de processos de legitimação de líderes e regimes políticos. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
PRADO, Giliard S.. Usos do nacionalismo e do socialismo no processo de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

6.
PRADO, Giliard S.. Uma história da memória da Revolução Cubana (1959-2009). 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

7.
PRADO, Giliard S.. Um panteão contrarrevolucionário: a importância da figura do inimigo no processo de construção da memória da Revolução Cubana. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

8.
PRADO, Giliard S.. Entre a cooptação e a censura: as metamorfoses nas relações entre Estado e intelectuais sob a Revolução Cubana. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

9.
PRADO, Giliard S.. Pátria ou morte: o ideário nacionalista nas estratégias de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

10.
PRADO, Giliard S.. O inimigo da nação: representações dos Estados Unidos no discurso oficial da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

11.
PRADO, Giliard S.. Usos do passado no processo de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

12.
PRADO, Giliard S.. Memórias da independência nacional nos discursos comemorativos da Revolução Cubana. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

13.
PRADO, Giliard S.. Usos políticos do passado: uma história da memória da Revolução Cubana (1959-2014). 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

14.
PRADO, Giliard S.. Metamorfoses no processo de legitimação da Revolução Cubana: as comemorações do dia da rebeldia nacional (1959-2009). 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

15.
PRADO, Giliard S.. Guerra de guerrilhas no campo da memória: as comemorações da Revolução Cubana (1959-2009). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

16.
PRADO, Giliard S.. Presididos por uma lógica saturnina: os intelectuais sob a política cultural da Revolução Cubana. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

17.
PRADO, Giliard S.. A histórica luta pelo reconhecimento e regulamentação da profissão de historiador na experiência brasileira e o papel da ANPUH nesse embate. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

18.
PRADO, Giliard S.. Historiografia da Revolta de Fausto Cardoso. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

19.
PRADO, Giliard S.. Guerra de guerrilhas no campo da memória: as comemorações da Revolução Cubana (1959-2009). 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
PRADO, Giliard S.. Os intelectuais diante do regime cubano: de entusiastas a filhos de Saturno da Revolução. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

21.
PRADO, Giliard S.. Entre as pedras e os altares: dois monumentos à memória de Olímpio Campos. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

22.
PRADO, Giliard S.. Uma história da memória: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

23.
PRADO, Giliard S.. Memórias em confronto no centro histórico de Aracaju: os processos de construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

24.
PRADO, Giliard S.. A memória como objeto de estudo da História. 2008. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

25.
PRADO, Giliard S.. Lutas de representações nas comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

26.
PRADO, Giliard S.. Confrontos de memória e escrita da História: o papel das comemorações na construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

27.
PRADO, Giliard S.. A história gravada no bronze: o monumento a Fausto Cardoso. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

28.
PRADO, Giliard S.. A história gravada no bronze: o monumento a Fausto Cardoso. 2006. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

29.
PRADO, Giliard S.. Abaixo a boemia e a malandragem: uma nova representação do Brasil durante a Era Vargas. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

30.
PRADO, Giliard S.. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

31.
PRADO, Giliard S.. De mito político a herói da liberdade: a construção da imagem de Fausto Cardoso. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

32.
PRADO, Giliard S.. Um herói para Sergipe: estratégias da consagração de Fausto Cardoso. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

33.
PRADO, Giliard S.. Amar a Fausto Cardoso: aspectos do culto à sua memória. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

34.
STEINBACH, Amanda M. ; PRADO, Giliard S. . Pecuaristas X agricultores: a disputa pela posse da terra em Itabaiana (1697-1888). 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

35.
PRADO, Giliard S.. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

36.
PRADO, Giliard S.. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

37.
PRADO, Giliard S.. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2003. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

38.
PRADO, Giliard S.. Quintino de Lacerda, um abolicionista sergipano. 2002. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

Outras produções bibliográficas
1.
ALMEIDA, Jaime de ; PRADO, Giliard S. . Reflexões sobre a dissidência cubana. Revista Eletrônica da Anphlac (ISSN 1679-1061), n. 8,, 2009. (Tradução/Artigo).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
PRADO, Giliard S.. Elaboração de parecer para a Revista Tempos Históricos [v. 21, n. 1] (ISSN 1983-1463). 2017.

2.
PRADO, Giliard S.. Elaboração de parecer para a Revista do IHGSE [n. 47] (ISSN 2446-4856). 2017.

3.
PRADO, Giliard S.. Elaboração de parecer para a Revista Tempos Históricos [v. 21, n. 2] (ISSN 1983-1463). 2017.

4.
PRADO, Giliard S.. Elaboração de parecer para a Revista Eletrônica da ANPHLAC [n. 20] (ISSN 1679-1061). 2016.

5.
PRADO, Giliard S.. Elaboração de parecer para a Revista Diálogos [v. 19] (ISSN 2177-2940). 2015.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
PRADO, Giliard S.. A regulamentação da profissão de historiador. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

2.
PRADO, Giliard S.; BARRETO, L. A. ; SANTANA, A. S. . Religião e memória nas comemorações do Ano Daltro. 2010. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

3.
PRADO, Giliard S.. A Revolta de 1906 e o monumento a Fausto Cardoso (Entrevista à TV ALESE / Duração: 20 min). 2006. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
PRADO, Giliard S.. O uso de citações em trabalhos acadêmicos. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
PRADO, Giliard S.. A era das comemorações na América Latina: usos políticos do passado na contemporaneidade. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

3.
PRADO, Giliard S.. O bicentenário das independências na América Latina: história, memória e comemorações. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

4.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Relatório final - agosto/2004 a julho/2005. 2005. (Relatório de pesquisa).

5.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Relatório semestral - agosto/2004 a janeiro/2005. 2005. (Relatório de pesquisa).

6.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Relatório semestral - agosto/2003 a janeiro/2004. 2004. (Relatório de pesquisa).

7.
PRADO, Giliard S.; OLIVA, T. A. . Relatório final - agosto/2003 a julho/2004. 2004. (Relatório de pesquisa).


Produção artística/cultural
Outras produções artísticas/culturais
1.
PRADO, Giliard S.; STEINBACH, Amanda M. ; LIMA, Genicelma A. S. ; ARAÚJO, José Marcelo ; ALMEIDA, João Hélio . A sexualidade na antiguidade: as metamorfoses de Eros (Edição de vídeo). 2002 (Edição de vídeo).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
BROCHADO, C. C.; PRADO, Giliard S.; VIDIGAL, C. E.. Participação em banca de Thaís Rosalina de Jesus Turial. A sacralização da Revolução: festas religiosas, Igreja Católica e Estado em Cuba (1953-1970). 2018. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de Brasília.

Qualificações de Mestrado
1.
COSTA, Adriane A. Vidal; BAGGIO, Kátia Gerab; PRADO, Giliard S.. Participação em banca de Caroline Maria Ferreira Drummond. Exílio, intelectuais e dissidência política em Mariel: Revista de Literatura Y Arte (1983-1985). 2018. Exame de qualificação (Mestrando em História) - Universidade Federal de Minas Gerais.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
PRADO, Giliard S.; TELES, Angela A.; CALDEIRA, N. C.. Participação em banca de José Fernandes da Cruz Neto.Representações da Revolução Cubana na imprensa do Triângulo Mineiro: uma análise dos jornais Folha de Ituiutaba, Correio do Triângulo e O Repórter (1959-1964). 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade Federal de Uberlândia.

2.
SILVA JUNIOR, A. F.; SILVA, G. C.; PRADO, Giliard S.. Participação em banca de Raíssa Manjerão Di Foggi.História da América: percursos históricos e potencialidades. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade Federal de Uberlândia.




Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
XIII Encontro Internacional da ANPHLAC.Coordenação da mesa-redonda Política, gênero e raça na história da Revolução Cubana. O 'quarto exército' a serviço do inimigo: representações dos blogueiros dissidentes como 'cibermercenários' no discurso oficial da Revolução Cubana (2010-2018). 2018. (Encontro).

2.
V Semana de História do Pontal / IV Encontro de Ensino de História.O pragmatismo político na proclamação do socialismo e na adoção do marxismo-leninismo como ideologia oficial da Revolução Cubana. 2017. (Outra).

3.
XXIX Simpósio Nacional de História.O comunismo ortodoxo no banco dos réus da Revolução: uma análise das disputas ideológicas na cúpula do poder revolucionário cubano na década de 1960. 2017. (Simpósio).

4.
IV Semana de História do Pontal/III Encontro de Ensino de História. Mesa-redonda Gênero, Política e mídia: perspectivas contra-hegemônicas.Entre a cooptação e a censura: as metamorfoses nas relações entre Estado e intelectuais sob a Revolução Cubana. 2016. (Outra).

5.
XII Encontro Internacional da ANPHLAC.Coordenação da mesa-redonda: Usos do passado na América Latina e Caribe: memória e esquecimento. Um panteão contrarrevolucionário: a importância da figura do inimigo no processo de construção da memória da Revolução Cubana. 2016. (Encontro).

6.
III Semana de História do Pontal.Usos do passado no processo de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Outra).

7.
Seminário América Latina: Cultura, História e Política.Pátria ou morte: o ideário nacionalista nas estratégias de legitimação da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Seminário).

8.
XXVIII Simpósio Nacional de História.O inimigo da nação: representações dos Estados Unidos no discurso oficial da Revolução Cubana (1959-2009). 2015. (Simpósio).

9.
XI Encontro Internacional da ANPHLAC.Memórias da independência nacional nos discursos comemorativos da Revolução Cubana. 2014. (Encontro).

10.
XXVII Simpósio Nacional de História.Metamorfoses no processo de legitimação da Revolução Cubana: uma análise das comemorações do 'dia da rebeldia nacional' (1959-2009). 2013. (Simpósio).

11.
XXVI Simpósio Nacional de História.Presididos por uma lógica saturnina: os intelectuais sob a política cultural da Revolução Cubana. 2011. (Simpósio).

12.
I Seminário Nacional de História da Igreja Católica.Religião e Memória nas Comemorações do Ano Daltro. 2010. (Seminário).

13.
V Simpósio Nacional de História Cultural.Os intelectuais diante do regime cubano: de entusiastas a filhos de Saturno da Revolução. 2010. (Simpósio).

14.
I Seminário Nacional Fontes Documentais e Pesquisa Histórica: Diálogos Interdisciplinares.Memórias em confronto no centro histórico de Aracaju: os processos de construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2009. (Seminário).

15.
XXV Simpósio Nacional de História.Uma história da memória: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2009. (Simpósio).

16.
IV Simpósio Nacional de História Cultural: sensibilidades e sociabilidades.Lutas de representações nas comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906-2006). 2008. (Simpósio).

17.
IV Encontro de História da ANPUH/DF - A escrita da História: os desafios da multidisciplinaridade.Confrontos de memória e escrita da História: o papel das comemorações na construção das imagens póstumas de Fausto Cardoso e Olímpio Campos. 2007. (Encontro).

18.
Seminário de Pesquisa do Departamento de História da UFS.A história gravada no bronze: o monumento a Fausto Cardoso. 2006. (Seminário).

19.
Simpósio do Bicentenário de Nascimento do Pe. Ibiapina. 2006. (Simpósio).

20.
57ª Reunião Anual da SBPC. Um herói para Sergipe: estratégias da consagração de Fausto Cardoso. 2005. (Congresso).

21.
IV Curso de Extensão - Técnicas de ensino de História. 2005. (Seminário).

22.
Seminário: Mosaico da Violência. 2005. (Seminário).

23.
VII Congresso de Iniciação Científica / XV Encontro de Iniciação Científica PIBIC/CNPq. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2005. (Congresso).

24.
XI Encontro Sergipano de História - Ditadura Militar: História e Memória.Amar a Fausto Cardoso: aspectos do culto à sua memória. 2005. (Encontro).

25.
XXV Encontro Nacional dos Estudantes de História.De mito político a herói da liberdade: a construção da imagem de Fausto Cardoso. 2005. (Encontro).

26.
56ª Reunião Anual da SBPC. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2004. (Congresso).

27.
VI Congresso de Iniciação Científica. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2004. (Congresso).

28.
VII Semana de História - A historiografia de Maria Thétis Nunes. 2004. (Encontro).

29.
II Escola de Verão de Iniciação Científica. 2003. (Seminário).

30.
III Curso de Extensão - Tendências do saber historiográfico atual. 2003. (Seminário).

31.
V Congresso de Iniciação Científica. Fausto Cardoso, herói da cidade. 2003. (Congresso).

32.
X Encontro Sergipano de História. 2003. (Encontro).

33.
XXII Simpósio Nacional de História - História, acontecimento e narrativa. 2003. (Simpósio).

34.
II Curso de Extensão - O ensino de História em debate. 2002. (Seminário).

35.
VI Semana de História. 2002. (Encontro).

36.
XIV Encontro Regional dos Estudantes de História do Norte e Nordeste - A universidade e os movimentos sociais.Quintino de Lacerda, um abolicionista sergipano. 2002. (Encontro).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
PRADO, Giliard S.. XIII Encontro Internacional da ANPHLAC. 2018. (Outro).

2.
PRADO, Giliard S.. V Semana de História do Pontal / IV Encontro de Ensino de História. 2017. (Outro).

3.
PRADO, Giliard S.; CALDEIRA, Newman Di Carlo . Coordenação do Simpósio Temático História e historiografia: América hispânica, EUA e Brasil. 2017. (Outro).

4.
PRADO, Giliard S.. Curso de Extensão Ateliê de historiadores: técnicas e saberes necessários à escrita da história. 2017. (Outro).

5.
PRADO, Giliard S.. Curso de Extensão Itinerários de Clio: metodologias da pesquisa histórica. 2017. (Outro).

6.
PRADO, Giliard S.. I Seminário de Pesquisa do Curso de História do Pontal. 2017. (Outro).

7.
PRADO, Giliard S.. IV Semana de História do Pontal / III Encontro de Ensino de História. 2016. (Outro).

8.
PRADO, Giliard S.; CALDEIRA, Newman D. C. . Coordenação do Simpósio Temático - História e historiografia das Américas (Evento: IV Semana de História do Pontal). 2016. (Outro).

9.
PRADO, Giliard S.. III Semana de História do Pontal. 2015. (Congresso).

10.
PRADO, Giliard S.; CALDEIRA, Newman C. . Coordenação do Simpósio Temático - História e historiografia das Américas (Evento: III Semana de História do Pontal). 2015. (Outro).

11.
PRADO, Giliard S.. Sertão: História, Memória e Literatura. 2011. (Congresso).

12.
PRADO, Giliard S.. II Congresso Sergipano de História. 2010. (Congresso).

13.
PRADO, Giliard S.; UHLE, Ana Rita . Coordenação do Grupo de Trabalho - História, memória e identidades em espaços urbanos: experiências de usos de fontes históricas (Evento: ISNFDPH). 2009. (Outro).

14.
OLIVA, T. A. ; NUNES, Verônica M. M. ; PRADO, Giliard S. . Exposição Temporária - Centenário da Revolta Fausto Cardoso. 2006. (Exposição).

15.
PRADO, Giliard S.. VII Semana de História. 2004. (Congresso).

16.
PRADO, Giliard S.. X Encontro Sergipano de História. 2003. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Victória Ferreira Cunha. Uma história de mulheres operárias: práticas e representações femininas no Sindieletro-MG (1956-2006). Início: 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História (Campus Pontal)) - Universidade Federal de Uberlândia. (Orientador).

2.
Eduardo Salazar Miranda da Conceição Mattos. A fabricação de um santo: uma análise do processo de mitificação do Monsenhor Ângelo Angioni (2008-2017). Início: 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História (Campus Pontal)) - Universidade Federal de Uberlândia. (Orientador).

3.
Maria Paula Menezes Leite. História e memória da Ditadura Militar no Vale do Mucuri (1964-2014). Início: 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História (Campus Pontal)) - Universidade Federal de Uberlândia. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
José Fernandes da Cruz Neto. Representações da Revolução Cubana na imprensa do Triângulo Mineiro: uma análise dos jornais Folha de Ituiutaba, Correio do Triângulo e O Repórter (1959-1964). 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em História) - Universidade Federal de Uberlândia. Orientador: Giliard da Silva Prado.



Educação e Popularização de C & T



Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
PRADO, Giliard S.; BARRETO, L. A. ; SANTANA, A. S. . Religião e memória nas comemorações do Ano Daltro. 2010. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

2.
PRADO, Giliard S.. A Revolta de 1906 e o monumento a Fausto Cardoso (Entrevista à TV ALESE / Duração: 20 min). 2006. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

3.
PRADO, Giliard S.. A regulamentação da profissão de historiador. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).



Outras informações relevantes


Participação na equipe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, realizando atividades de pesquisa e sistematização (2009-2010) do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3);
Presidente da Associação Nacional de História / Seção Sergipe - ANPUH-SE (2010-2012);



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 18/11/2018 às 8:50:04