Danielle Amaral de Freitas

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2216231625909666
  • Última atualização do currículo em 30/11/2018


Cursando doutorado em Epidemiologia em Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ) com o projeto: Assistência à criança com Síndrome Congênita da Zika: Da caracterização ao Fluxo Assistencial. Atua no HESFA/UFRJ como Coordenadora de Cursos e Eventos Científicos, professora da Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Saúde da Mulher. É membro titular do Comitê de Ética em Pesquisa da EEAN/HESFA/UFRJ. Na Secretaria Municipal de Saúde do RJ, possui experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia e análise da situação de saúde. Mestre em Epidemiologia em Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ), Especialista em Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ), em Gestão de Redes de Atenção à Saúde (FIOCRUZ/UFRJ), em Enfermagem Clínica e Cirúrgica (UNIRIO) e em Terapia Intensiva (UERJ). Graduada em Enfermagem e Obstetrícia (UFRJ). (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Danielle Amaral de Freitas
Nome em citações bibliográficas
FREITAS, D. A.;FREITAS, D. A. DE


Formação acadêmica/titulação


2016
Doutorado em andamento em Epidemiologia em Saúde Pública.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM SÍNDROME CONGÊNITA DA ZIKA: DA CARACTERIZAÇÃO AO FLUXO ASSISTENCIAL,
Orientador: Reinaldo Souza dos Santos.
Coorientador: Mayumi Duarte Wakimoto.
2013 - 2015
Mestrado em Epidemiologia em Saúde Pública.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: ?Avaliação da adequação dos serviços de Atenção Primária do município do Rio de Janeiro para assistência a pacientes com suspeita de dengue?,Ano de Obtenção: 2015.
Orientador: Reinaldo dos Santos.
Coorientador: Mayumi Duarte Wakimoto.
Palavras-chave: Dengue; Epidemiologia; Serviços de Saúde; Atenção Primária.
Grande área: Ciências da Saúde
2016 - 2017
Especialização em Especialização em gestão de redes de atenção em sa.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: Mortalidade Específica por Cancer de Mama no Brasil: Uma Análise Espacial em Três Anos.
2011 - 2012
Especialização em Saude Publica. (Carga Horária: 360h).
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: Perfil Epidemiológico da Dengue no Município do Rio de Janeiro nos anos de 2001 a 2011..
Orientador: José Wellington G de Araújo.
2004 - 2005
Especialização em Enfermagem Intensivista.
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Título: Aspiração Endotraqueal como Fator Determinante para a Infecção Pulmonar Nosocomial em Pacientes Sob Ventilação Mecânica Mecânica.
Orientador: Deyse Santoro.
2001 - 2003
Especialização em Residência em Enfermagem Clínica e Cirúrgica.
Universidade do Rio de Janeiro, UNIRIO, Brasil.
Título: Aspiração Endotraqueal como Fator Determinante para a Infecção Pulmonar Nosocomial em Pacientes Sob Ventilação Mecânica: Visão do Enfermeiro Assistencial..
Orientador: Dayse Santoro.
1997 - 2000
Graduação em Enfermagem e Obstetrícia.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
2015 - 2015
Curso técnico/profissionalizante em Auriculoterapia.
Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro, FAETEC, Brasil.




Formação Complementar


2018 - 2018
ZOTERO. (Carga horária: 20h).
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
2018 - 2018
Curso Joomla! para gerentes de portais - 2018. (Carga horária: 80h).
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
2016 - 2017
Atenção Primária e Saúde da Família. (Carga horária: 190h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2016 - 2016
Elaboração de Apresentações Profissionais - 2016.2. (Carga horária: 60h).
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
2015 - 2016
Atenção Primária e Saúde da Família. (Carga horária: 190h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2015 - 2015
Abordagem domiciliar em situações clínicas comuns. (Carga horária: 60h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Doenças crônicas nas redes de atenção à saúde. (Carga horária: 48h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Saúde da população negra. (Carga horária: 45h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Princípios para o cuidado domiciliar II. (Carga horária: 45h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Atualização do manejo clínico da dengue. (Carga horária: 2h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Ações para o controle da tuberculose na atenção pr. (Carga horária: 30h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2015 - 2015
Hanseníase na atenção básica. (Carga horária: 45h).
Ministério da Saúde, MS, Brasil.
2014 - 2015
Saúde do Adulto - Ciclo 9. (Carga horária: 190h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2014 - 2015
Saúde da Criança e do Adolescente - Ciclo 8. (Carga horária: 190h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2014 - 2015
Qualidade e Segurança do Paciente. (Carga horária: 180h).
Instituto de Ensino e Pesquisa Hospital Sírio Libanês, IEP/SL, Brasil.
2012 - 2012
IV Curso Básico de Investigação de Surto. (Carga horária: 40h).
Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, SMS RJ, Brasil.
2012 - 2012
IV Curso Básico de Investigação de Surto. (Carga horária: 40h).
Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, SMS RJ, Brasil.
2011 - 2011
Manejo Clínico da Dengue. (Carga horária: 8h).
Coordenação de Área Programática 3.3, CAP 3.3, Brasil.
2008 - 2009
Saúde da Criança e do Adolescente - Ciclo 2. (Carga horária: 180h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2008 - 2009
Saúde do Adulto - Ciclo 3. (Carga horária: 180h).
Associação Brasileira de Enfermagem, ABEn/NACIONAL, Brasil.
2008 - 2008
Monitoria do Programa Bem EStar. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Brasil.
2008 - 2008
Treinamento do tratamento de tabagismo.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
2007 - 2007
Monitoria do Programa Bem EStar. (Carga horária: 17h).
Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Brasil.
2005 - 2005
Prehospital Trauma Life Support.
Associação Grupo de Trauma do Rio de Janeiro, AGTRJ, Brasil.
2001 - 2001
Assistência de Enfermagem Cardiológica.
Sociedade de Terapia Intensiva do Estado do Rio de Janeiro, SOTIERJ, Brasil.
2001 - 2001
Procedimentos Peri-transfusionais. (Carga horária: 16h).
Hospital Geral de Nova Iguaçu, HGNI, Brasil.
2000 - 2000
Implantação do Sistema de Qualidade nos Sistemas de Saúde.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
1999 - 1999
Exame Físico Pediátrico. (Carga horária: 12h).
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
1998 - 1998
Assistência de Enfermagem em Hemoterapia. (Carga horária: 24h).
Instituto Nacional de Desenvolvimento das Ciências da Saúde, INDECS, Brasil.
1997 - 1997
Bases Morfológicas do Trauma. (Carga horária: 14h).
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.


Atuação Profissional



Coordenação de Área Programática 3.3, CAP 3.3, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Enfermeira, Carga horária: 30


Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2015
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Hospital Escola São Francisco de Assis - UFRJ, HESFA, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Enfermeira, Carga horária: 30
Outras informações
Coordenadora de Cursos e Eventos Professora da Residência Multiprofissional em Saúde da Famnlia e Saúde da Mulher Membro da equipe técnica da Coordenação de Ensino e Extensão Membro do Núcleo de Vigilância em Saúde


SMSDC RJ - CMS Clementino Fraga, CMSCF, Brasil.
Vínculo institucional

2007 - 2014
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Inicialmente exercendo a função de Chefe de Enfermagem e a partir de março de 2009 como Chefe do Serviço de Vigilância em Saúde.


Instituto de Psiquiatria da UFRJ, IPUB, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2012
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Enfermeira


Hospital Estadual Pedro II, HEPII, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2007
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal


Hospital Municipal Lourenço Jorge, HMLJ, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - 2007
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Centro de Tratamento Intensivo de 2003 a 2004; Emergência de 2004 a 2007.


Pronto Socorro Cardiológico Ltda, PRONTOCOR, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - 2003
Vínculo: Celetista formal, Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca.


Hospital Federal de Bonsucesso, HFB, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2006
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Enfermeiro
Outras informações
Hemodiálise

Vínculo institucional

2003 - 2003
Vínculo: Cooperativada, Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Emergência e UPG


Hospital Geral de Nova Iguaçu, HGNI, Brasil.
Vínculo institucional

2001 - 2005
Vínculo: Cooperativada, Enquadramento Funcional: Enfermeira
Outras informações
Trabalhei no setor de Emergência de 2001 a 2002; no setor de Clínica Cirúrgica de em 2002; no Centro de Tratamento Intensivo de 2002 a 2005.


Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Vínculo institucional

1998 - 2000
Vínculo: Outro (especifique), Enquadramento Funcional: Bolsista, Carga horária: 20


Escola de Enfermagem Anna Nery, EEAN/UFRJ, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Voluntário, Enquadramento Funcional: Membro Titular do Comitê de Ética em Pesquisa



Projetos de pesquisa


2016 - Atual
ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM SÍNDROME CONGÊNITA DA ZIKA: DA CARACTERIZAÇÃO AO FLUXO ASSISTENCIAL
Descrição: A infecção pelo vírus Zika é considerada benigna e leve. Entretanto, tem sido associada a complicações neurológicas como a Síndrome de Guillain-Barré, além de complicações oftalmológicas e diversas malformações congênitas em neonatos, como a microcefalia, em decorrência da transmissão vertical. A infecção pelo ZIKV está associada ao aparecimento de complicações capazes de causar incapacidades físicas e mentais em neonatos, um quadro que demanda o cuidado integral e especializado com amplo suporte assistencial e social. Estas complicações geram impacto, não só ao paciente e sua família, mas também à rede de atenção à saúde pelo aumento da procura por serviços especializados para o acompanhamento dos casos e à economia nacional, pelo aumento do absenteísmo, sobretudo de mães, responsáveis pelos cuidados. O impacto na saúde pública deve ser monitorado através da qualificação dos sistemas de vigilância em saúde e da assistência integral à saúde, sendo imprescindível uma organização dos fluxos assistenciais, garantindo acesso universal, equânime e integral.As arboviroses são um desafio para a construção de um sistema de saúde robusto e confiável,sobretudo pela dimensão das epidemias, aumentando a procura pelos serviços de saúde, pela gravidade que os casos podem apresentar, levando a um número significativo de sequelas e mortes e pela possibilidade e durabilidade das sequelas decorrentes do agravo. A infecção por ZIKV na gestação pode ocasionar uma série de alterações no crescimento e desenvolvimento de crianças, a Síndrome Congênita da Zika, trazendo impactos para o sistema de saúde pela gravidade dos casos e consequente necessidade da articulação de todos os níveis de complexidade da atenção à saúde e depactuaçõesintersetoriais para a integralidade do cuidado. OBJETIVO GERAL: Avaliar a organização da assistência às crianças com Síndrome Congênita da Zika no município do Rio de Janeiro, no ano de 2018. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Caracterizar a Síndrome Congênita da Zika com base em revisão sistemática da literatura científica; Descrever a distribuição espacial de crianças com Síndrome Congênita da Zika em relação aos dispositivos de saúde, segundo bairros do município do Rio de Janeiro entre 2015 e 2017; Analisar o acesso geográfico das crianças com Síndrome Congênita da Zika diagnosticadas entre 2015 e 2017 aos serviços de reabilitação; Avaliar o fluxoassistencial às crianças, com Síndrome Congênita da Zikaquanto à estrutura, processo e resultado em 2018; Este projeto de tese possui quatro etapas metodológicas distintas que se complementarão para a obtenção dos resultados finais. METODOLOGIA: A primeira etapa corresponde à definição da Síndrome Congênita da Zika a partir de evidências sumarizadas provenientes de estudos sobre os possíveis sinais e sintomas associados à infecção congênita por Zikanos recém-natos de mães infectadas observados no parto e no acompanhamento do desenvolvimento das crianças até dois anos, além dos possíveis desfechos adversos da gestação. Por ser uma etapa básica e fundamental para todo o projeto, a análise de artigos científicos já foi parcialmente desenvolvida. Na segunda etapa será verificada a distribuição geográfica de crianças com Síndrome Congênita da Zika, analisando a proximidade com os dispositivos de saúde nos territórios para verificar a existência de ?clusters? espaciais. Na terceira etapa serão verificados os fluxos assistenciais percorridos pelas crianças com Síndrome Congênita da Zika em busca de atendimento em unidades de reabilitação no Rio de Janeiro.Na quarta e última etapa será realizada uma avaliação para verificar e analisar os fluxos assistenciais para o acolhimento das demandas das crianças com Síndrome Congênita da Zika, do nascimento até o 3° ano de vida..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Danielle Amaral de Freitas - Coordenador / Reinaldo Souza dos Santos - Integrante / Mayumi Duarte Wakimoto - Integrante.
Número de produções C, T & A: 1
2013 - 2015
?Avaliação da adequação dos serviços de Atenção Primária do município do Rio de Janeiro para assistência a pacientes com suspeita de dengue?
Descrição: A dengue é considerada uma das doenças de maior incidência nas regiões intertropicais ao redor do planeta, constituindo um importante problema de saúde pública. A porta de entrada preferencial para atendimento da pessoa com suspeita de dengue é a Atenção Primária. Porém, todos os serviços de saúde devem estar preparados para acolher a demanda por atendimento dos casos suspeitos de dengue, tornando possível o atendimento oportuno e com qualidade ao doente, oferecendo condição para evitar a ocorrência de óbitos. Objetivamos analisar a adequação dos serviços de saúde da atenção primária localizados nos bairros da Área de Planejamento 33 do município do Rio de Janeiro para atenção aos pacientes com suspeita de dengue. O estudo possui duas direções metodológicas: uma foi um estudo ecológico descritivo sobre os casos notificados de dengue em residentes de 29 bairros da zona norte município do Rio de Janeiro e a outra foi pautada em uma avaliação normativa com apreciação da estrutura e processo das unidades de atenção primária á saúde da região. A área possui uma grande densidade demográfica, áreas favelizadas, carentes de ações intersetoriais e com intensa violência urbana. Os residentes da AP 33 sofreram com a introdução de um novo sorotipo, o DENV-4 e enfrentaram taxas epidêmicas da doença. No entanto, foi possível diante de tanto revés, a melhoria dos indicadores de saúde. A implementação de pólos de hidratação possibilitou queda relevante do número de internações e no número de óbitos. Apesar do aumento importante no número de unidades de saúde da área nos últimos anos, 72% dos residentes foram atendidos na rede de atenção secundária e terciária à saúde, sendo que metade deste quantitativo se dispersou para 104 bairros do município do Rio de Janeiro. Neste sentido, levando em consideração a capacidade instalada das unidades, seus protocolos assistenciais e processos de trabalho segundo gestores, profissionais de saúde e roteiro de observação, o nível de adequação das unidades de atenção primária à saúde dos bairros pesquisados foi parcialmente adequada. Embora esforços estejam sendo realizados para a melhoria da qualidade dos serviços de saúde na área, ainda se verifica a distribuição desigual do SUS, impulsionando a população a buscar opções de acesso ao atendimento qualificado, igualitário, equânime e universal..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Danielle Amaral de Freitas - Coordenador / Reinaldo Souza dos Santos - Integrante / Mayumi Duarte Wakimoto - Integrante.
Número de produções C, T & A: 3
1998 - 2000
Estudo da neuromedina B como um novo fator de regulação da secreção de tireotrofina.
Descrição: Acadêmica bolsista CNPq/PIBIC.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Saúde Coletiva / Subárea: Epidemiologia.
2.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Saúde Coletiva.
3.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Enfermagem / Subárea: Terapia Intensiva.
4.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Enfermagem / Subárea: Enfermagem Médico-Cirúrgica.
5.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Enfermagem / Subárea: Enfermagem Psiquiátrica.


Idiomas


Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Prêmios e títulos


1999
Mensão Honrosa, Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho/ UFRJ.


Produções



Produção bibliográfica
Textos em jornais de notícias/revistas
1.
FREITAS, D. A.. Dengue: estudo da ENSP identifica problemas na APS do RJ. Informe ENSP/FIOCRUZ, 29 maio 2015.

Artigos aceitos para publicação
1.
FREITAS, D. A.; WAKIMOTO, M. D. ; SANTOS, R. S. . Acesso aos serviços de saúde por pacientes com suspeita de dengue na cidade do Rio de Janeiro. Ciencia & Saude Coletiva, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
FREITAS, D. A.; SANTOS, R. S. ; WAKIMOTO, M. D. . ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM SÍNDROME CONGÊNITA DA ZIKA: DA CARACTERIZAÇÃO AO FLUXO ASSISTENCIAL. 2018. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
SANTOS, R. S. ; WAKIMOTO, M. D. ; FREITAS, D. A. . Subnotificação de Dengue no Rio de Janeiro. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.
FREITAS, D. A.. Perfil Epidemiológico da Dengue no Município do Rio de Janeiro nos Anos de 2000 a 2011. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

4.
FREITAS, D. A.. Aspiração Endotraqueal como Fator determinante para Infecção Pulmonar Nosocomial em Pacientes sob Ventilação Mecânica: Visão do Enfermeiro Assistencial.. 2003. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

5.
FREITAS, D. A.. O Ideal, o real e o possível de uma Unidade de Emergência. 2002. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

6.
FREITAS, D. A.. Perfil da Clientela Atendida na UI da Emergência de um Hospital Público de Médio Porte. 2002. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

7.
FREITAS, D. A.. Tempo de Permanência dos Pacientes Internados na Emergência de um Hospital da Baixada Fluminense.. 2002. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

8.
FREITAS, D. A.. Técnicos em Emergências Médicas: Riscos Ocupacionais. 1999. (Apresentação de Trabalho/Outra).

9.
FREITAS, D. A.. Modulação in vivo da atividade tireoperoxidase pelo estrogênio.. 1999. (Apresentação de Trabalho/Outra).

10.
FREITAS, D. A.. Ovariectomia Reduz a Atividade Tireoperoxidase em Ratas.. 1999. (Apresentação de Trabalho/Outra).

11.
FREITAS, D. A.. Efeito da Neuromedina B e do Estrogênio Sobre a Secreção de Prolactina de Adenohipófises Isoladas.. 1999. (Apresentação de Trabalho/Outra).

12.
FREITAS, D. A.. Aspéctos Nutricionais da Adolescência. 1999. (Apresentação de Trabalho/Outra).


Demais tipos de produção técnica
1.
FREITAS, D. A.. 1° Capacitação em Imunizações para Profissionais de Saúde da CAP 3.3. 2011. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
FREITAS, D. A.. 1° Curso de Imunização da XIV RA. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Outra).



Bancas




Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
FREITAS, D. A.. Elaboração de uma cartilha sobre violência obstétrica para estantes em uma maternidade no Rio de Janeiro. 2018. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

2.
FREITAS, D. A.. Descarte adequado de material biológico de um hospital da zona norte do Rio de Janeiro. 2018. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. 2018. (Congresso).

2.
12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM SÍNDROME CONGÊNITA DA ZIKA: DA CARACTERIZAÇÃO AO FLUXO ASSISTENCIAL. 2018. (Congresso).

3.
14° Semana Científica HESFA/UFRJ - ?Multiprofissionalidade em foco: Discutindo a vulnerabilidade de grupos sociais?.Sessão temática. 2017. (Outra).

4.
14° Semana Científica HESFA/UFRJ - ?Multiprofissionalidade em foco: Discutindo a vulnerabilidade de grupos sociais?. 2017. (Outra).

5.
49° Encontro da Regional do Fórum de Pró-reitores de Extensão de Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras.Oficina de Saúde do Trabalhador. 2017. (Oficina).

6.
49° Encontro da Regional do Fórum de Pró-reitores de Extensão de Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras.Oficina de Captação de Recursos. 2017. (Oficina).

7.
49° Encontro da Regional do Fórum de Pró-reitores de Extensão de Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras.Oficina de Metodologias Participativas. 2017. (Oficina).

8.
49° Encontro da Regional do Fórum de Pró-reitores de Extensão de Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. 2017. (Encontro).

9.
II Ciclo de Debates HESFA/UFRJ. 2017. (Outra).

10.
X Congresso Brasileiro de Epidemiologia. Subnotificação de Dengue no Rio de Janeiro. 2017. (Congresso).

11.
V Jornadade Científica de Enfermagem do Centro Universitário Celso Lisboa.Integrante da mesa redonda: SaúdePública: Um Mercado em Expanção. 2012. (Outra).

12.
Curso de Atualização para Profissionais de Saúde da AP 3.3 no Manejo Clínico da Dengue.Vigilância Epidemiológica da dengue na XIV RA. 2010. (Outra).

13.
Atualização em Imunizações. 2009. (Outra).

14.
Capacitação em Vigilância de Eventos Adversos Pos Vacinais. 2009. (Outra).

15.
Oficina de Meningite. 2009. (Oficina).

16.
Palestra sobre Raiva. 2009. (Outra).

17.
Seminário de Parvovirose. 2009. (Seminário).

18.
Diretrizes no Tratamento de Transtornos Mentais IPUB/UFRJ. 2008. (Simpósio).

19.
Oficina: Exercício profissional: Discutindo a Lei 7498/86 e o Projeto de Lei 026. 2008. (Outra).

20.
Saúde mental no século XXI: Visão do Profissional Assistencial.Relato de Experiência - Saúde Mental: Visão do Profissional de Enfermagem na Atenção básica. 2008. (Encontro).

21.
55° Congresso Brasileiro de Enfermagem. Aspiração Endotraqueal como Fator Determinante para Infecção Pulmonar Nosocomial em Pacientes sob Ventilação Mecânica: Visão do Enfermeiro Assistencial.. 2003. (Congresso).

22.
55° Congresso Brasileiro de Enfermagem. 2003. (Congresso).

23.
X Congresso Brasileiro de Terapia Intensiva. O Ideal, o real e o possível de uma Unidade de Emergência. 2002. (Congresso).

24.
X Congresso Brasileiro de Terapia Intensiva. 2002. (Congresso).

25.
VIII Congresso de Terapia Intensiva. 2001. (Congresso).

26.
3° Jornada Médica de Cardiologia e Terapia Intensiva. 2000. (Outra).

27.
III Congresso Brasileiro de Conselhos de Enfermagem. 2000. (Congresso).

28.
XXI Fórum Nacional de Doença Coronária. 2000. (Outra).

29.
6° Pesquisando em Enfermagem. 1999. (Outra).

30.
60° Semana Brasileira de Enfermagem. 1999. (Outra).

31.
72° Congresso Nacional das Entidades Estudantis de Enfermagem. 1999. (Outra).

32.
FEliz idade. 1999. (Encontro).

33.
II Congresso Brasileiro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal. 1999. (Congresso).

34.
II Encontro Latino Americano de Estudantes de Enfermagem. 1999. (Encontro).

35.
Prevenção de acidentes com materiais pérfuro-cortantes e matéria orgânica. 1999. (Outra).

36.
Semana Brasileira de Enfermagem HUCFF. 1999. (Outra).

37.
VI Congresso Multidisciplinar da Clínica São Vicente. 1999. (Congresso).

38.
VII Seminário de Licenciatura em Enfermagem. 1999. (Seminário).

39.
69° Conselho Nacional de Entidades Estudantis de Enfermagem. 1998. (Outra).

40.
V Congresso da Clínica São Vicente. 1998. (Congresso).

41.
VII Congresso dos Hospitais de Emergência do Rio de Janeiro. 1998. (Congresso).

42.
67° Conselho Nacional de Entidades Estudantis de Enfermagemm. 1997. (Outra).

43.
HIV e AIDS: Temas Atuais. 1997. (Outra).

44.
I Ciclo de debates da Escola de Enfermagem Anna Nery da UFRJ. 1997. (Outra).

45.
IV Congresso Multidisciplinar da Clínica São Vicente. 1997. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
FREITAS, D. A.. I Cliclo de Debates HESFA/UFRJ 2017. 2017. (Outro).

2.
FREITAS, D. A.. III Ciclo de Debates HESFA/UFRJ 2017. 2017. (Outro).

3.
FREITAS, D. A.. 14° Semana Científica HESFA/UFRJ: Multiprofissionalidade em foco: discutindo a vulnerabilidade de grupos sociais. 2017. (Outro).

4.
FREITAS, D. A.. 14° Semana Científica HESFA/UFRJ - Multiprofissionalidade em foco: discutindo vulnerabilidade de grupos sociais. 2017. (Outro).

5.
FREITAS, D. A.. II Ciclo de Debates HESFA/UFRJ 2017. 2017. (Outro).

6.
FREITAS, D. A.. 1º Seminário de Integração do HESFA com o CSESFA: Treinando o Protocolo e os Fluxos de Notificação de Violências. 2014. (Outro).

7.
FREITAS, D. A.. Curso de Atualização em EBOLA E FEBRE DO CHUKUNGUNYA. 2014. (Outro).

8.
FREITAS, D. A.. XIX Encontro Regional Sudeste dos Estudantes de Enfermagem - EREEN. 2000. (Outro).

9.
FREITAS, D. A.. A UFRJ de mãos dadas com a 3° idade. 1999. (Outro).



Inovação



Projetos de pesquisa


Educação e Popularização de C & T



Artigos
Artigos aceitos para publicação
1.
FREITAS, D. A.; WAKIMOTO, M. D. ; SANTOS, R. S. . Acesso aos serviços de saúde por pacientes com suspeita de dengue na cidade do Rio de Janeiro. Ciencia & Saude Coletiva, 2018.


Textos em jornais de notícias/revistas
1.
FREITAS, D. A.. Dengue: estudo da ENSP identifica problemas na APS do RJ. Informe ENSP/FIOCRUZ, 29 maio 2015.



Outras informações relevantes


Dissertação de mestrado foi selecionada para a segunda fase do Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS XIV Edição. Ano 2015.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 11:45:04