Sarah Siqueira de Miranda

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9167712549671531
  • Última atualização do currículo em 14/03/2016


Pesquisadora e autora de filmes documentários para a televisão pública francesa. Bacharel em Ciências Sociais com concentração em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2006), mestre em Antropologia pelo Programa de Pós-Gradução em Antropologia (PPGA) da mesma universidade (2009), e mestre em Direitos Humanos pelo Institute of Commonwealth Studies, University of London (2015). Atua, principalmente, nas áreas de etnicidade, relações interétnicas, etnologia indígena, antropologia da infância e movimentos de mulheres curdas. Entre 2009 e 2012 atuou como Coordenadora Executiva da Associação Nacional de Ação Indigenista - entidade na qual continua a atuar como sócia - onde, além de acompanhar os sucessivos projetos desenvolvidos pela instituição com diferentes povos indígenas do Nordeste, coordenou o ponto de cultura Pinaíndios ? Culturas em Rede, cujo foco de ação é a reestruturação, valorização e divulgação do acervo documental da Anaí. É pesquisadora associada e coordenadora executiva do Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro (PINEB/UFBA). Desde 2010 tem se dedicado à pesquisa sobre o movimento político curdo, em especial de mulheres curdas. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Sarah Siqueira de Miranda
Nome em citações bibliográficas
MIRANDA, Sarah Siqueira de


Formação acadêmica/titulação


2012 - 2015
Mestrado em MA in Understanding and Securing Human Rights.
Institute of Commonwealth Studies, University of London, ICWS, Grã-Bretanha.
Título: Women, Life, Freedom: the struggle of Kurdish women to promote human rights,Ano de Obtenção: 2015.
Orientador: Corinne Lennox.
Palavras-chave: Mulheres curdas; PKK; Diáspora.
Grande área: Ciências Humanas
2007 - 2009
Mestrado em Antropologia.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: Aprendendo a Ser Pataxó: um olhar etnográfico sobre as habilidades produtivas das crianças de Coroa Vermelha, Bahia,Ano de Obtenção: 2009.
Orientador: Maria Rosário Gonçalves de Carvalho.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Infância indígena; Pataxó; Trabalho infantil; Agência.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia da Infância.
2001 - 2006
Graduação em Ciências Sociais.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: A Construção da Identidade Pataxó: práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças da Coroa Vermelha, BA.
Orientador: Maria Rosário Gonçalves de Carvalho.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.




Formação Complementar


2009
Curso à Distância Gestão Cultural Pontos de Cult..
COMUNA S.A, COMUNA, Brasil.
2009 - 2009
Formação em Gestão Cultural para Pontos de Cultura. (Carga horária: 32h).
COMUNA S.A, COMUNA, Brasil.
2007 - 2007
Extensão universitária em O Trabalho do Antropólogo em Situação de Perícia. (Carga horária: 30h).
PROEXT, PINEB/UFBA, ANAI, UFBA, ANAI, Brasil.
2006 - 2006
Treinamento no Uso do SPSS. (Carga horária: 30h).
CRH - UFBA, UFBA, Brasil.
2004 - 2004
Extensão universitária em Colóquio Internacional o Projeto UNESCO no Brasil. (Carga horária: 24h).
Universidade Federal da Bahia / Centro de Estudos Afro-Orientais, UFBA / CEAO, Brasil.
2004 - 2004
Pensamientos Subalternos. (Carga horária: 18h).
Universidade Federal da Bahia/Centro de Estudos Afro-Orientais, UFBA, Brasil.


Atuação Profissional



Associação Nacional de Ação Indigenista Bahia, ANAI, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - Atual
Vínculo: Prestação de serviços, Enquadramento Funcional: Coordenadora Executiva, Carga horária: 20
Outras informações
Funções do cargo exercido: Gestão administrativa e social da entidade: gerenciar os contatos da Anaí com os povos indígenas, suas instituições e representantes; gerenciar as informações e a comunicação da instituição no âmbito de suas publicações, bancos de dados, página eletrônica, acervos documental e audiovisual, bem como a disponibilização desses acervos ao público em geral; articular e monitorar as relações da Anaí com órgãos públicos, com instituições não governamentais e com os movimentos sociais e seus representantes; elaborar os relatórios anuais dos projetos e programas da Anaí; manter-se informada acerca da legislação, das políticas públicas e das demais matérias indigenistas, informando o Conselho Diretor, sócios e parceiros da Anaí sobre as referidas matérias; acompanhar a tramitação de processos de caráter indigenista de interesse da instituição junto às instâncias pertinentes; viabilizar canais para a captação de recursos para os diversos programas e projetos da instituição.

Vínculo institucional

2008 - Atual
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Coordenadora do Ponto de Cultura Pinaíndios
Outras informações
O projeto tem como objetivos: 1. Consolidar, na Anaí, um centro de referência e suporte aos professores e alunos das redes pública e privada de Salvador, e ao público em geral, através da disponibilização, no site da instituição e em terminais de consulta na sede, de banco de dados com acervo documental digitalizado, registros digitais de todas as atividades e produtos do projeto, e acervos bibliográfico e videográfico; 2. Realizar, nas escolas públicas e privadas de Salvador, com professores e estudantes dos níveis médio e fundamental, de conferências, cursos e palestras sobre os povos indígenas, bem como a distribuição e venda de materiais didáticos, confeccionados pela equipe de trabalho (composta por especialistas e professores indígenas), referentes ao tema, no intuito de propiciar a reflexão crítica em torno das questões relativas a esses povos; 3. Aperfeiçoar e fortalecer as iniciativas indígenas mediante a capacitação de professores e jovens indígenas para a elaboração de projetos sócio-culturais e para a realização das diversas atividades relacionadas à produção e execução de vídeos digitais.

Vínculo institucional

2009 - 2010
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Membro do Conselho Diretor - Secretária

Vínculo institucional

2007 - 2009
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Membro do Conselho Fiscal


Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro / UFBA, PINEB, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - Atual
Vínculo: Pesquisadora Associada, Enquadramento Funcional: Pesquisadora
Outras informações
Pesquisadora associada ao Pinab através das linhas de pesquisa "Antropologia da Infância Indígena" e "Etnologia, Etnicidade e Relações Interétnicas".

Vínculo institucional

2004 - 2007
Vínculo: Bolsita AT/CNPq, Enquadramento Funcional: Bolsita AT/CNPq, Carga horária: 20
Outras informações
Participação nos projetos de pesquisa desenvolvidos pelo Pineb bem como apoio técnico à organização institucional.

Vínculo institucional

2003 - 2004
Vínculo: Apoio Técnico-Científico, Enquadramento Funcional: Apoio Técnico-Científico projetos de pesquisa, Carga horária: 20
Outras informações
Participação nos projetos de pesquisa desenvolvidos pelo Pineb bem como apoio técnico à organização institucional.

Atividades

07/2003 - Atual
Outras atividades técnico-científicas , Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro - UFBA, Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro - UFBA.

Atividade realizada
Apoio aos projetos em curso no âmbito do PINEB.

Associação Brasileira de Antropologia, ABA, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - Atual
Vínculo: Sócio Efetivo, Enquadramento Funcional: Sócia Efetiva


Escritório de Ligação e Organização, ELO, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - Atual
Vínculo: Prestação de serviços, Enquadramento Funcional: Coordenadora do Diagnóstico Projeto Conviver
Outras informações
Funções desenvolvidas: Coordenar todas as atividades relacionadas ao desenvolvimento do Diagnóstico do Projeto Conviver: organização da logística do trabalho de campo (planejamento de viagens e equipes), bem como confecção dos instrumentos de pesquisa (roteiros de entrevistas semi-estruturadas e questionários); realização de trabalho de campo em 160 comunidades situadas no Recôncavo Baiano, em áreas de atuação e/ou influência da Petrobras; transcrição das entrevistas e tabulação dos dados por profissionais contratados; elaboração dos relatórios de campo pela equipe de pesquisadores; realização de pesquisa documental junto a órgãos públicos, organizações representativas dos trabalhadores e moradores das áreas de abrangência das comunidades; pesquisa bibliográfica e em sites da Internet; elaboração de relatórios mensais de atividades; participação da equipe de pesquisadores em oficinas e atividades de divulgação do diagnóstico promovidos pelo ELO e Petrobras; elaboração de documento final (diagnóstico) sobre as 160 comunidades pesquisadas.


Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia, SEDUR, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2010
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Coordenadora de Diagnóstico
Outras informações
Funções desenvolvidas: Coordenar todas as atividades relacionadas ao desenvolvimento do "Estudo das Relações e Interações das Comunidades Tradicionais Quilombolas e Indígenas no Estado da Bahia com o Meio Urbano": organização da logística do trabalho de campo (roteiros e equipes), bem como confecção dos instrumentos de pesquisa (roteiros de entrevistas semi-estruturadas e questionários); realização de trabalho de campo em 37 comunidades quilombolas (distribuídas em 20 territórios) e 25 indígenas (distribuídas em 11 Terras Indígenas); transcrição das entrevistas e tabulação dos dados por profissionais contratados; elaboração dos relatórios de campo pela equipe de pesquisadores (coordenadores de campo e auxiliares); realização de pesquisa bibliográfica e documental junto a órgãos públicos, como INCRA, FUNAI e MPF, bem como na Anaí e programas de pesquisa sobre povos indígenas; pesquisa bibliográfica e em sites da Internet; elaboração de produtos (Plano de Trabalho, Pressupostos Teórico-Metodológicos, Referenciais Teóricos, Sistematização de Relatórios Técnicos de Campo; participação da equipe de pesquisadores em oficinas e atividades de divulgação do diagnóstico promovidos pela SEDUR; elaboração de documento final (diagnóstico) sobre as comunidades pesquisadas, com recomendações que irão subsidiar e orientar a elaboração da Política Estadual de Desenvolvimento Urbano com vistas a garantir ações públicas e privadas para o atendimento das necessidades e demandas de desenvolvimento urbano das comunidades quilombolas e indígenas no estado.


Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2011
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Docente PARFOR
Outras informações
Docente do curso de Letras - Plataforma Freire, disciplina Antropologia.


Instituto de Saúde Coletiva/UFBA, ISC/UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2007 - 2009
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Pesquisadora
Outras informações
Pesquisadora do projeto "Condições de Vida e de Saúde Mental da População Pataxó: um estudo etnoepidemiológico na aldeia de Coroa Vermelha - BA".


Instituto de Pesquisa Estatística e Mercado, IPEME, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2004
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Pesquisadora
Outras informações
Realização de pesquisas de mercado em diversos municípios do estado da Bahia.



Projetos de pesquisa


2007 - 2009
Condições de Vida e de Saúde Mental da População Pataxó: um estudo etnoepidemiológico na aldeia de Coroa Vermelha - BA
Descrição: Os problemas de saúde dos povos indígenas, na atualidade, são marcados pelas doenças crônicas não transmissíveis, contaminação ambiental, dificuldades de sustentabilidade alimentar além de episódios de violência, resultando no aumento da mortalidade. A ausência de inquéritos e censos e a precariedade dos sistemas de informações sobre morbidade e mortalidade não permitem traçar, de forma satisfatória, o perfil epidemiológico desses povos (Santos e Coimbra 2003). Alguns trabalhos apontam para a magnitude do problema do alcoolismo entre essas populações, seus efeitos deletérios e determinantes. Eles apontam para o fato de que o entendimento do fenômeno do alcoolismo e outros problemas mentais entre as populações indígenas não se limita apenas a modelos explicativos da biomedicina. A antropologia, em particular, tem fornecido subsídios importantes para elucidar a diversidade de situações ligadas ao consumo de bebidas alcoólicas, o contexto no qual se aprende a beber, a intensidade de consumo, as representações do beber e suas variações de estilo, além de práticas para lidar com o mesmo. Para estabelecer um ponto de partida na caracterização e encaminhamento dos problemas de saúde mental indígena na Bahia, propõe-se um esforço de pesquisa constituído por uma metodologia etnoepidemiológica visando uma compreensão da situação de saúde que contemple avaliações quantitativas, associadas à construção do sistema de signos, significados e práticas atribuídos e relacionados ao consumo de álcool em contextos rituais e cotidianos, e ao uso patológico do mesmo. O estudo do alcoolismo e suicídio percebidos inicialmente como problemas relevantes poderá contribuir no conhecimento de outras problemáticas psicossociais que orientem a formulação de propostas de prevenção, promoção e atenção à saúde mental de populações indígenas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Sarah Siqueira de Miranda - Integrante / Marta Timon - Integrante / Mônica Nunes - Coordenador / Maurice de Torrenté - Integrante / Marcos Luciano Messeder - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.
2007 - 2007
A Persistência do Xamanismo entre os Índios Kiriri do Sertão Baiano
Descrição: Prolongamento do projeto Índios Kiriri do sertão baiano na contemporaneidade: etnicização do discurso xamânico, visando, agora, menos focalizar o processo de etnificação do discurso xamânico e mais a persistência do xamanismo entre os Kiriri, as suas eventuais transformações com a introdução do Toré, a importância política dos Tuxá e, particularmente, do pajé Armando Apako para a revitalização das práticas xamanística kiriri, e a acomodação do Toré no sistema xamanístico..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2006 - 2006
Fundo de Documentação Histórico-Manuscrita sobre Índios do Nordeste (FUNDOCIN)
Descrição: O Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro - PINEB foi criado, em 1971, visando atingir, simultaneamente, três objetivos, desde então perseguidos: a) efetuar o estudo sistemático dos índios do nordeste; b) realizar essa produção de conhecimento em estreita interrelação com o treinamento de quadros especializados para o ensino e a pesquisa antropológica, lato senso, na graduação e na pós-graduação; c) valer-se do conhecimento adquirido, para além de seu intrínseco valor científico, como base para pensar e agir na formulação de políticas indigenistas local, regional e nacionalmente adequadas. O FUNDOCIN - Fundo de Documentação Histórica Manuscrita, por sua vez, concentra todas as atividades do PINEB no âmbito da Antropologia Histórica, tendo sido criado com o objetivo de reunir toda a documentação manuscrita produzida sobre os Índios da Bahia, depositada em arquivos nacionais e estrangeiros..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2007
Parentesco, Território, Memória e Identidade Étnica entre Ìndios Pataxó do Extremo-Sul Baiano e Negros da Chapada Diamantina
Descrição: Parte-se do suposto de que em ambos os grupos ? índios Pataxó do extremo-sul baiano e grupos locais negros da Chapada Diamantina ? a relação entre parentesco, território, identidade e memória constituirá uma boa chave para a sua apreensão individual e comparativa. Os primeiros têm uma história de mais de cem anos de contato, que só atingiria seu ápice já em meados do século XIX, quando a maioria da população indígena sobrevivente vivia junto às vilas coloniais costeiras - de Santa Cruz Cabrália a Porto Alegre, atual Mucuri -, para onde fora trazida na tentativa de submetê-la ao trabalho a serviço dos regionais. Já os dois grupos locais negros da Chapada Diamantina, Barra e Bananal, são designados pela população externa como ?arraiais negros?, o que parece querer significar que o critério racial continua operando como um demarcador social, ao qual se combinavam práticas e estratégias que funcionariam como ?barreiras semânticas? ou sistemas de classificação (Amselle 1985: 37). Assim, o Projeto tem como objetivos examinar as relações, preliminarmente em cada contexto individual e, posteriormente, de modo comparativo, entre parentesco, território, memória e identidade, assim como a capacidade de cada fenômeno para determinar a atividade social e os termos teóricos por meios dos quais cada um pode ser compreendido..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2003 - 2007
Índios Kiriri do Sertão Baiano na Contemporaneidade: etnicização do discurso xamânico?
Descrição: O objeto do presente projeto é o sistema xamanístico ? entendido como um mediador epistemológico que realiza a ponte entre os vários níveis de observação da realidade sociocultural (Carvalho 2002) - dos índios Kiriri (da língua e cultura Karirri) do sertão baiano, ainda hoje estabelecidos em grupos locais distribuídos em torno da antiga aldeia jesuítica de Saco dos Morcegos, criada no século XVII, encravada nos municípios de Banzaê e Ribeira do Pombal. O suposto que conduz a investigação, mediante corroboração no plano empírico, é de que o xamanismo descrito pelas fontes setecentistas e oitocentistas continua operativo, não obstante constrangido pela mobilização de caráter étnico desencadeada a partir da década de setenta do século XX e que se combina aos efeitos que remontam à ação colonial ?por natureza, deformante e extremamente contagiosa? (Laurentie 1944 apud Balandier 1993:116). Tal constrangimento explica a conotação negativa que os Kiriri atualmente atribuem às práticas de incorporação xamanística, associadas, eventualmente, a elementos de tradição afro-brasileira (Brasileiro 1996)..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Projetos de desenvolvimento


2011 - Atual
Diagnóstico socioeconômico-cultural-ambiental de 160 comunidades atendidas pelo Projeto Conviver ELO/Petrobras
Descrição: O diagnóstico visa produzir um estudo quali-quantitativo sobre 160 comunidades dos ativos norte e sul das bases de operação da Petrobras (UO-Bahia) capazes de subsidiar a execução dos objetivos do Projeto Conviver ELO/Petrobras. Os dados e conhecimentos produzidos no estudo deverão recobrir: 1) a relação entre a comunidade, o seu território e recursos, qualificando as formas de uso do solo; os modos de acesso, uso e gestão dos recursos naturais (água, vegetação, etc.); outros eventuais agentes que acessam, utilizam e/ou impactam esses territórios e recursos; e a dimensão de tais impactos e desgastes, em especial na perspectiva da comunidade e das suas vocações e aspirações socioeconômicas; 2) as relações sociais que envolvem a comunidade, incluindo sua organização interna (associações, lideres, igrejas, cooperativas, etc) e o papel, peso e influência de cada instituição na dinâmica comunitária; os perfis ocupacional e educacional da comunidade; e sua rede de relações externas, incluindo os vínculos e presença do poderes públicos junto a comunidade; acesso e potencialidade de acesso a políticas públicas e mercados..
Situação: Em andamento; Natureza: Desenvolvimento.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Sarah Siqueira de Miranda - Coordenador / Rafael Losada Martins - Integrante / Hildon Carade - Integrante / GENERINO, Neveline - Integrante / BANDEIRA, Fábio - Integrante / Vera Rocha - Integrante / Bruno Luedy - Integrante / Andréa Iridan dos Santos - Integrante.Financiador(es): Petrobras Biocombustível - Matriz - Outra.
2010 - 2010
Estudo das Relações e Interações das Comunidades Tradicionais Quilombolas e Indígenas no Estado da Bahia com o Meio Urbano
Descrição: O Estado da Bahia possui significativo número de comunidades quilombolas e indígenas em seu território. Não obstante os consecutivos processos históricos de modernização econômica desigual e socialmente excludentes, essas comunidades tem resistido, de modos diversos, aos seus impactos. As distintas formas de organização sociocultural e de relacionamento com a sociedade nacional resultam em processos específicos de urbanização adaptados aos contextos e aspirações locais. Essa grande variedade de modos de vida se apresentam como um desafio à Secretaria de Desenvolvimento Urbano, devido ao fato de apresentarem necessidades e demandas particulares que ainda não foram suficientemente incluídas no processo de conquistas e universalização do Direito à Cidade: acesso e usufruto dos bens e serviços proporcionados pelo desenvolvimento urbano, fundamentalmente os básicos (habitação, saneamento, mobilidade e segurança territorial). Subsidiar e orientar a elaboração da Política Estadual de Desenvolvimento Urbano, com vistas a garantir ações públicas e privadas para o atendimento das necessidades e demandas de desenvolvimento urbano das comunidades tradicionais quilombolas e indígenas no Estado da Bahia, contribuindo para a garantia de seus direitos enquanto grupo étnico diferenciado e preservando a sociodiversidade e o multiculturalismo que caracterizam e identificam este estado, são os objetivos do Projeto..
Situação: Concluído; Natureza: Desenvolvimento.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Mestrado acadêmico: (9) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Sarah Siqueira de Miranda - Coordenador / Maria Rosário Gonçalves de Carvalho - Integrante / Rafael Losada Martins - Integrante / Ubiraneila Capinan - Integrante / Jeremy Deturche - Integrante / Evandro Rabello - Integrante / Carolina Santana - Integrante / Isabel Modercin - Integrante / Manoela Freire - Integrante.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Etnologia Indígena.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia da Infância.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.


Prêmios e títulos


2009
Distinção para dissertação de mestrado, PPGA/UFBA.


Produções



Produção bibliográfica
Capítulos de livros publicados
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Primeiros Encontros: um olhar sobre a infância Pataxó. In: BIERBAUM, Bernhard Franz; CARVALHO, Maria Rosário de. (Org.). Olhares Próximos: encontro entre antropólogos e índios Pataxó. Satz, Umschlaggestaltung, Hers: Books on Demand GmbH, Norderstedt, 2009, v. , p. 66-69.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Conflito de Interpretações: entre o registro etnográfico e o jornalístico. In: VII Reunião de Antropologia do Mercosul - RAM, 2007, Porto Alegre. VII Reunião de Antropologia do Mercosul - RAM, 2007.

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. . Trabalho e/ou Brincadeira? Práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças Pataxó da Coroa Vermelha, BA. In: XXV Reunião Brasileira de Antropologia, 2006, Goiânia, GO. XXV Reunião Brasileira de Antropologia, 2006.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha. In: XXIV Seminário Estudantil de Pesquisa, 2005, Salvador. XXIV Seminário Estudantil de Pesquisa, 2005.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha, Bahia, Brasil. In: 8º Congreso Argentino de Antropología Social - CAAS, 2006, Salta (Argentina). 8º Congreso Argentino de Antropología Social - CAAS, 2006.

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha. In: IX ABANNE - Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste, 2005, Manaus. IX ABANNE - Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste, 2005.

3.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha, Bahia, Brasil. In: VI Reunião de Antropologia do Mercosul - RAM, 2005, Montevideo (Uruguai). VI Reunião de Antropologia do Mercosul - RAM, 2005.

Apresentações de Trabalho
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Infância Indígena em Coroa Vermelha: identidade étnica, territorialização e cidadania Pataxó. 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Reflexões sobre o Trabalho de Campo com Crianças Pataxó da Coroa Vermelha. 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. . Trabalho e/ou Brincadeira? Práticas e Significados da Experiência Cotidiana entre Crianças Pataxó da Coroa Vermelha, BA. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

4.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

5.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha. 2005. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Outras produções bibliográficas
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Aprendendo a Ser Pataxó: um olhar etnográfico sobre as habilidades produtivas das crianças de Coroa Vermelha, Bahia 2009 (Dissertação de mestrado).

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. A Construção da Identidade Pataxó: práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças da Coroa Vermelha 2006 (Monografia de conclusão de curso).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MARTINS, R. L. ; SAMPAIO, José Augusto Laranjeiras ; BATISTA, Railda . Trabalho de campo nas comunidades Kariri-Xocó, Xukuru-Kariri e Karapotó (AL); Fulni-ô e Kapinawá (PE). 2011.

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MARTINS, R. L. ; BANDEIRA, Fábio ; GENERINO, Neveline . Trabalho de campo realizado nas comunidades Mapele, município de Simões filho, BA, e Acampamento Pôr do Sol, município de Mata de São João. 2011.

3.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Projeto de Apoio à Sustentabilidade Política e Técnica do Fórum de Educação Escolar Indígena da Bahia. 2011.

4.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Trabalho de campo realizado na região de Kandyl, Curdistão Iraquiano. 2011.

5.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MODERCIN, Isabel ; CARADE, Hildon ; SOUZA, Natelson Oliveira de . Trabalho de campo realizado nas comunidades quilombolas Rua do Jorro, Várzea Grande e Caboges (município de Cipó, BA). 2010.

6.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MODERCIN, Isabel ; CARADE, Hildon ; SOUZA, Natelson Oliveira de . Trabalho de campo realizado entre os Kiriri de Mirandela e Araçá (Ribeira do Pombal, BA), Kaimbé (Massacará, BA), Tuxá (Rodelas, BA), Kantaruré e Pankararé (Glória, BA). 2010.

7.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MACHADO, J. . Pinaíndios - Culturas em Rede. 2008.

8.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Trabalho de campo entre os Pataxó de Coroa Vermelha, BA. 2008.

9.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Trabalho de campo entre os Pataxó de Coroa Vermelha, Barra Velha, Aldeia Velha e Imbiriba, BA. 2006.

10.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Trabalho de campo entre os Pataxó de Coroa Vermelha e Mata Medonha, BA. 2006.

11.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. ; FRIAS, M. T. ; MACEDO NETO, C. ; ALVES, Zequias . Trabalho de campo entre os Kiriri, BA. 2006.

12.
REESINK, E. ; MIRANDA, Sarah Siqueira de ; OLIVEIRA, Q. B. ; MACEDO, S. M. L. ; FREITAS, C. S. . Um Diagóstico Social, Político e Ambiental sobre o Município de Carauari, Amazonas. 2005.

13.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. ; MACHADO, J. ; PARÉS, Nicolau ; SERAFIM, José Francisco . Trabalho de campo entre os Pataxó de Coroa Vermelha, BA. 2005.

14.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Trabalho de campo entre os Pataxó de Coroa Vermelha, BA. 2005.

15.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; REESINK, E. ; FREITAS, C. S. ; MACEDO, S. M. L. ; OLIVEIRA, Q. B. . Trabalho de campo no município de Carauari, AM. 2005.

16.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. ; ANDRADE, Hugo Maia ; TIMON, M. ; REIS, L. R. ; MACEDO, S. M. L. ; FREITAS, C. S. ; OLIVEIRA, Q. B. . Trabalho de campo entre os Kiriri, BA. 2004.

17.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Relatório de pesquisa de opinião pública - município de Piritiba, BA. 2004.

18.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Relatório de pesquisa de opinião pública - município de Macajuba, BA. 2004.

19.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Relatório de pesquisa de opinião pública - município de Ipirá, BA. 2004.

20.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Relatório de pesquisa de opinião pública - município de Mundo Novo, BA. 2004.


Demais tipos de produção técnica
1.
CARVALHO, M. R. G. ; MIRANDA, Sarah Siqueira de ; MAIA, Suzana ; RABELLO, Evandro . A Construção do Objeto em Antropologia: área temática e contexto empírico no delineamento do percurso metodológico. 2011. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de. Relatório de pesquisa de campo. 2009. (Relatório de pesquisa).

3.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MACHADO, J. . A Presença Indígena no Nordeste do Brasil. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Outra).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
5º Fórum Urbano Mundial. 2010. (Outra).

2.
1ª Oficina para Elaboração dos Cursos de Capacitação para Professores Não-Indígenas.Apresentação do Ponto de Cultura Pinaíndios. 2009. (Oficina).

3.
26ª Reunião Brasileira de Antropologia. Reflexões sobre Trabalho de campo com Crianças Pataxó da Coroa Vermelha. 2008. (Congresso).

4.
26ª Reunião Brasileira de Antropologia. Infância Indígena em Coroa Vermelha:identidade étnica, territorialização e cidadania Pataxó. 2008. (Congresso).

5.
I Fórum Luso-Brasileiro de Arquelogia Urbana. 2006. (Outra).

6.
XXV Reunião Brasileira de Antropologia. Trabalho e/ou Brincadeira? Práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças Pataxó da Coroa Vermelha, BA. 2006. (Congresso).

7.
VI Reunião de Antropologia do Mercosul - RAM. A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha, Bahia, Brasil. 2005. (Congresso).

8.
XXIV Seminário Estudantil de Pesquisa.A Construção do Self em Contexto de Acentuada Exposição Urbana: o caso da população infantil de Coroa Vermelha. 2005. (Seminário).

9.
XXIV Reunião Brasileira de Antropologia - RBA. 2004. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; NAVARRO, Patrícia . 1ª Oficina para Elaboração dos Cursos de Capacitação para Professores Não-Indígenas. 2009. (Outro).

2.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. ; SAMPAIO, José Augusto Laranjeiras ; BRASILEIRO, Sheila ; MUNIZ, T. P. . O Trabalho do Antropólogo em Situação de Perícia. 2007. (Outro).

3.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; MARTINS, R. L. ; ETCHEVARNE, C. ; CAROSO, C. ; LOPES, M. C. ; OLIVEIRA, J. C. M. ; COSTA, C. ; MENDONCA, T. ; COMERLATO, F. ; BARBOSA, M. . I Fórum Luso-Brasileiro de Arqueologia Urbana. 2006. (Outro).

4.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; REESINK, E. ; REESINK, M. ; MACEDO, S. M. L. ; CARVALHO, M. R. G. . I Colóquio Pedro Agostinho: histórias dos povos Nambikwara, Tristes Trópicos 50 anos. 2005. (Outro).

5.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. ; MARTINS, R. L. ; CAROSO, C. A. ; SANSONE, L. . Da Tradição de Nina Rodrigues à Contemporaneidade. 2005. (Exposição).

6.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; CARVALHO, M. R. G. . Raça, Racismo e Políticas Públicas: um debate antropológico. 2004. (Outro).

7.
MIRANDA, Sarah Siqueira de; FRIAS, M. T. ; MACHADO, J. ; CARVALHO, M. R. G. . I Seminário dos Povos Indígenas da Bahia. 2004. (Outro).



Outras informações relevantes


Aprovação, em primeiro lugar, para o estado da Bahia, no V Concurso Público para Provimento de Cargos das Carreiras de Analista e Técnico do Ministério Público da União, cargo Analista - Perito em Antropologia.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/11/2018 às 23:09:50