Lisa Louise Earl Castillo

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/4174757211474558
  • Última atualização do currículo em 07/09/2018


Possui graduação da Yale University (1983) e doutorado (2006) em Letras (Teorias da Literatura e da Cultura) da Universidade Federal da Bahia. Sua tese foi publicada em 2008 sob o título "Entre a Oralidade e a Escrita: a Etnografia nos Candomblés da Bahia". Com vários artigos e capítulos de livros publicados no Brasil, nos Estados Unidos, Inglaterra e na Nigéria, suas pesquisas atuais focalizam a reconstrução, nos dois lados do Atlântico, de histórias de vida de africanos libertos que voltaram para a África, com destaque para aqueles que fundaram os terreiros de candomblé mais antigos da Bahia, a partir de uma abordagem multi-disciplinar que abrange a antropologia, a microhistória e os estudos culturais. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Lisa Louise Earl Castillo
Nome em citações bibliográficas
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História.
Rua Cora Coralina
Cidade Universitária
13083896 - Campinas, SP - Brasil
Telefone: (19) 35211662
URL da Homepage: http://www.ifch.unicamp.br/cecult/portal/


Formação acadêmica/titulação


1998 - 2005
Doutorado em Letras e Lingüística.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: Entre a Oralidade e a Escrita: Percepções e Usos do Discurso Etnográfico no Candomblé da Bahia, Ano de obtenção: 2006.
Orientador: Florentina da Silva Souza.
Coorientador: Luis Nicolau Parés.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia, FAPESB, Brasil.
Palavras-chave: Tradição Oral; religiões afro-brasileiras; Fotografia Etnográfica.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: Estudos Culturais.
1978 - 1983
Graduação em Geologia e Geofísica.
Yale University, YALE, Estados Unidos.
Bolsista do(a): Yale University, YU, Estados Unidos.


Pós-doutorado


2013 - 2017
Pós-Doutorado.
Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Social / Especialidade: História Afro-Brasileira.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras / Especialidade: Religiões Afro Brasileiras.
2010 - 2012
Pós-Doutorado.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Social.
2009 - 2010
Pós-Doutorado.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras / Especialidade: Religiões Afro Brasileiras.
2006 - 2008
Pós-Doutorado.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia, FAPESB, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras / Especialidade: Religiões Afro Brasileiras.


Formação Complementar


2015 - 2015
Extensão universitária em Francês III. (Carga horária: 45h).
Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
2011 - 2011
Iconografia dos Orixás. (Carga horária: 25h).
Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.
2011 - 2011
Estudos Africanos: Relações África e Índia. (Carga horária: 10h).
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
1999 - 1999
Curso Técnico Em Tradução. (Carga horária: 60h).
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
1992 - 1992
Sociolinguistics. (Carga horária: 50h).
City University of New York, CUNY, Estados Unidos.
1992 - 1992
Teacher Research Training Course. (Carga horária: 100h).
Literacy Assistance Center New York, LAC, Estados Unidos.
1990 - 1990
Fundamentos do Ensino de Línguas Estrangeiras. (Carga horária: 50h).
City University of New York, CUNY, Estados Unidos.
1987 - 1989
Língua Espanhola e Cultura Latino Americana. (Carga horária: 120h).
Taller Latinoamericano, TLA, Estados Unidos.


Atuação Profissional



Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisadora de Pós-doutorado, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Bolsa de Pós-Doutorado/Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Supervisora: Profa. Dra. Silvia Hunold Lara Projeto: O êxodo de 1835: africanos libertos entre a Bahia e o Daomé RESUMO A derrota da Revolta dos Malês desencadeou um grande movimento de retorno à África. Com a deportação de cerca de 200 africanos libertos, muitos mais abandonaram o Brasil por vontade própria, fugindo de leis repressivas que alvejaram a população africana. Após a chegada à África, radicaram-se em cidades litorâneas, especialmente do reino de Daomé, mantendo contatos frequentes com o Brasil, como exportadores de produtos africanos. O projeto atual examina um grupo específico de africanos libertos que tomou a decisão de voltar, rastreando o desenvolvimento da rede social que os ligava na Bahia e que persistiu ainda depois da sua chegada às cidades de Agué e Uidá. Bem sucedidos, senhores de escravos e proprietários de imóveis, se constituíram como uma elite negra na capital baiana ao longo dos anos 1820. Muitos eram muçulmanos, mas isso não impediu que participassem de instituições católicas como compadrio e irmandades negras. Ao traçar a ascensão à prosperidade e a migração de volta desse grupo, o projeto analisa as relações de sociabilidade e de parentesco que ligavam os indivíduos, problematizando a presença contínua da instituição da escravidão nas suas vidas, mesmo após suas alforrias. O levantamento de dados empregará uma metodologia multidisciplinar, utilizando técnicas da micro-história na análise de fontes primárias, e também da etnografia mediante o contato com descendentes das pessoas cujas vidas são abordadas na pesquisa.


Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisadora de Pós-doutorado, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Bolsista Prodoc-Capes. Orientador: Prof. Dr. João José Reis. Projeto: A escravidão nos tribunais: costumes, leis e direito na invenção da liberdade e da cidadania, Bahia século XIX O projeto examina a luta de africanos libertos contra a repressão que sucedeu a revolta dos malês em 1835, contrastando duas estratégias divergentes. Com a implementação de leis proibindo a aquisição de bens de raíz por africanos, a imposição de impostos discriminatórios, a proibição da re-entrada ao Império de libertos que viajaram para o exterior e o rastreamento de suas moradias pela polícia, o movimento de retorno à África surgiu como um mecanismo de evitar a repressão. Por outro lado, entre os africanos que permaneceram no Brasil, a articulação com filhos e outros parentes nascidos no Brasil surgiu como uma estratégia alternativa no registro de imóveis na realização de atividades econômicas. O projeto procura rastrear as trajetórias de indivíduos e grupos domésticos, analisando o impacto real da legislação e os mecanismos desenvolvidos para contorna-la.

Vínculo institucional

2009 - 2010
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisadora de Pós-doutorado, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Bolsa de Pós-doutorado Junior/CNPq Supervisora: Prof. Dra. Ângela Eslisabeth Lühning Memórias do Axé: Etnografia histórica das famílias-de-santo dos terreiros da Casa Branca e do Alaketu, século XIX Os terreiros da Casa Branca e do Alaketu, tombados pelo IPHAN, são entre os mais antigos da capital baiana. Segundo estimativas de estudiosos, a fundação destes templos teria acontecido por volta do início do século XIX. As tradições orais não reconhecem vínculos entre as duas casas, mas contam que a fundação de cada uma aconteceu após uma viagem à África, realizada pelas primeiras sacerdotisas. No caso da Casa Branca, teriam viajado as africanas libertas Iyá Nassô e Obatossi (Marcelina da Silva); no do Alaketu, fora a também africana, Otampé Ojaró (Maria do Rosário). Até agora, existia pouca evidência documental para esclarecer a relação entre as variadas lendas sobre estas mulheres e os fatos reais de suas vidas assim como sobre os primeiros tempos das suas comunidades religiosas. Tampouco havia conhecimento de registros que apoiassem (ou desmentissem) as memórias de suas célebres viagens de retorno à África.

Vínculo institucional

2006 - 2008
Vínculo: Bolsista recém-doutor, Enquadramento Funcional: Pesquisadora de Pós-doutorado, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Bolsa de Pós-doutorado Junior/Fundação para o Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia -- FAPESB. Projeto de Pesquisa: Ícones de Memória: A Fotografia nos Terreiros de Candomblé, 1880-1945 Supervisora: Prof. Dra. Ângela Elisabeth Lühning RESUMO A memória da África e a ancestralidade ocupam lugares preeminentes na religiosidade afro-brasileira. O espaço do sagrado, portanto, é também um importante repositório sócio-cultural e histórico. O presente projeto, sensível a este aspecto central do candomblé, aborda a memória ancestral através de uma metodologia eclética e multidisciplinar: iconográfico, histórico e etnográfico. O levantamento de fotografias de pessoas ilustres na história do candomblé é uma preocupação central, mas a importância da imagem se constrói não apenas no campo visual: ela é enraizada também na história de vida da pessoa fotografada. Portanto, o projeto focaliza também o levantamento de informações biográficas através de pesquisa documental e trabalho de campo etnográfico.

Atividades

07/2008 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Pós-Graduação em História, .

01/2012 - 12/2013
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Pós-Graduação em História, .


Escola de Música Universidade Federal da Bahia, EMUS/UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2008
Vínculo: Bolsista recém-doutor, Enquadramento Funcional: Pesquisadora, Carga horária: 40
Outras informações
Pesquisadora de pós-doutorado vinculada ao Departamento de Composição, Literatura e Estruturação Musical da Escola de Música, no projeto de pesquisa Grupo Odu, coordenada pela Profa. Dra. Ângela Lühning, que aborda, de uma perspective multi-disciplinar, questões da cultura afro-brasileira, particularmente a religiosidade.

Atividades

10/2006 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de Composição Literatura e Estruturação Musical, .


Fundação Pierre Verger, FPV*, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2006
Vínculo: Pesquisadora, Enquadramento Funcional: Pesquisadora, Carga horária: 0

Atividades

10/2005 - 2/2006
Pesquisa e desenvolvimento , Fundação Pierre Verger, .

10/2005 - 2/2006
Serviços técnicos especializados , Fundação Pierre Verger, .

Serviço realizado
Pesquisa de arquivo e seleção de imagens para a exposição fotográfica, "O Brasil de Pierre Verger" (MAM/SP; MAM/RJ; MAM/SSA).

Fundação Pierre Verger, FPV, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2009
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: colaboradora


City University of New York, CUNY, Estados Unidos.
Vínculo institucional

1990 - 1992
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professora, Carga horária: 0

Atividades

1990 - 1992
Ensino,

Disciplinas ministradas
Inglês para Imigrantes de Língua Espanhola (Nível I)
Alfabetização em Espanhol para Adultos
Redação em Espanhol para Adultos (até 4 série)

University of California System, UC System, Estados Unidos.
Vínculo institucional

2006 - 2006
Vínculo: Professor substituto, Enquadramento Funcional: Outro, Carga horária: 6

Atividades

8/2006 - 9/2006
Ensino, Education Abroad Program Bahia Brazil, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
O Atlântico Negro e o Brasil: história, cultura e religião afro-brasileira

University Settlement, UNIVSETT, Estados Unidos.
Vínculo institucional

1992 - 1995
Vínculo: Funcionária, Enquadramento Funcional: Professora, Carga horária: 0

Atividades

1992 - 1995
Direção e administração, Mother's Reading Program, .

Cargo ou função
Coordenador de Curso.
1992 - 1995
Ensino,

Disciplinas ministradas
Alfabetização em Espanhol para Adultos
Redação em Espanhol (Língua Materna)
Fundamentos de Matemática e Geografia (em Espanhol)


Linhas de pesquisa


1.
Usos êmicos da fotografia no candomblé
2.
Religião e Cultura Afro-Brasileira
3.
Grupo Odu
4.
Famílias Atlânticas: Redes de africanos libertos na esteira da revolta dos malês, 1835-1850

Objetivo: Este projeto visa levantar novos subsídios documentais e etnográficos sobre os agudas, africanos libertos e seus descendentes que, ao longo do século XIX, retornaram a Costa da África. Na interseção entre a história atlântica e a micro-história, o Projeto vai para além do foco na agência individual privilegiada pelo paradigma biográfico , explorando as redes sociais nas quais os indivíduos se inseriam, constituídas através de diversos tipos de relações (religiosas, de parentesco, políticas, comerciais etc.) e que deram origem às chamadas famílias atlânticas ..
5.
Escravidão e a Invenção da Liberdade


Projetos de pesquisa


2013 - 2017
O êxodo de 1835 Africanos libertos entre a Bahia e o Daomé na esteira da Revolta dos Malês
Descrição: A derrota da Revolta dos Malês desencadeou um grande movimento de retorno à África. Com a deportação de cerca de 200 africanos libertos, muitos mais abandonaram o Brasil por vontade própria, fugindo de leis repressivas que alvejaram a população africana. Após a chegada à África, radicaram-se em cidades litorâneas, especialmente do reino de Daomé, mantendo contatos frequentes com o Brasil, como exportadores de produtos africanos. O projeto atual examina um grupo específico de africanos libertos que tomou a decisão de voltar, rastreando o desenvolvimento da rede social que os ligava na Bahia e que persistiu ainda depois da sua chegada às cidades de Agué e Uidá. Bem sucedidos, senhores de escravos e proprietários de imóveis, se constituíram como uma elite negra na capital baiana ao longo dos anos 1820. Muitos eram muçulmanos, mas isso não impediu que participassem de instituições católicas como compadrio e irmandades negras. Ao traçar a ascensão à prosperidade e a migração de volta desse grupo, o projeto analisa as relações de sociabilidade e de parentesco que ligavam os indivíduos, problematizando a presença contínua da instituição da escravidão nas suas vidas, mesmo após suas alforrias. O levantamento de dados empregará uma metodologia multidisciplinar, utilizando técnicas da micro-história na análise de fontes primárias, e também da etnografia mediante o contato com descendentes das pessoas cujas vidas são abordadas na pesquisa. A pesquisa é desenvolvida em parceria com a Fondation du Patrimoine Afro-brésiien du Bénin, sediada em Cotonou, Benim..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2012 - 2014
Famílias Atlânticas: Redes de Sociabilidade entre a Bahia e o Benin
Descrição: O projeto "Famílias Atlânticas: Redes de Sociabilidade entre a Bahia e o Benin" busca reconstituir as trajetórias inter-relacionadas de africanos libertos e seus descendentes que deixaram o Brasil na primeira metade de Oitocentos, se estabelecendo no litoral do Reino de Daomé (atual República do Benim). Numa abordagem que se situa entre a etnografia e a história, memórias orais dos descendentes desses retornados são cruzadas com registros escritos provenientes de diversas fontes, com o objetivo de trazer à luz não apenas trajetórias de libertos individuais, mas também o funcionamento das redes de sociabilidade que uniram essas ?famílias atlânticas,? assim contribuindo para uma compreensão nuançada das sequelas da Revolta dos Malês e das histórias interligadas do Brasil e da África Ocidental..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2011 - Atual
A revitalização das línguas africanas no âmbito religioso Gravações históricas como apoio à memória do patrimônio religioso
Descrição: Um dos desafios enfrentados pelos terreiros de candomblé é a preservação das línguas rituais. Embora os africanos e seus descendentes tenham sido majoritários ao longo da história do Brasil e as línguas africanas muito faladas no cotidiano até o final do século XIX, após a Abolição, as políticas eurocêntricas rapidamente acabaram com esta valiosa herança cultural. Diferente das línguas européias, especialmente o francês e o inglês, que prosperaram como línguas estrangeiras por serem ensinadas no sistema educacional, as línguas africanas não tiveram semelhante amparo. Ao contrário, foram relegados ao desaparecimento, junto com tantos outros elementos culturais africanos, considerados a serem primitivos e, portanto, incompatíveis com noções de ?progresso? nacional. Até a década de 1940, cinquenta anos depois da Abolição, as línguas africanas tinham recuado ao âmbito religioso afro-brasileiro. Hoje em dia, mesmo nos terreiros de candomblé mais organizados, para a grande maioria dos jovens iniciados, aprender as cantigas litúrgicas é um processo de pura memorização de sílabas desprovidas de sentido semântico. O presente projeto propõe uma intervenção para reverter este quadro, utilizando como fonte de aprendizado um grande acervo de gravações áudios até hoje nunca disponibilizado no Brasil. Diferente das outras gravações disponíveis hoje -- todas feitas a partir dos anos 1960, muitas vezes por pessoas que já não dominavam mais as línguas ? este acervo foi gravado nos anos 1940 nos terreiros mais antigos da Bahia por pessoas que provavelmente falavam ainda fluentemente as línguas que entoavam nos cânticos. São mais de dez horas de músicas nas línguas de todas as três nações de candomblé: iorubá, fon e kikongo/kimbundo, além de algumas cantigas de caboclo, em português. Para maximizar o potencial dessas gravações como ferramenta de ensino e de memória, o projeto pretende produzir não somente uma série de CDs para distribuição (gratuita ou por um preço simbólico) nas comunidades religiosas; objetiva também preparar um encarte com transcrições das letras, feitas por uma equipe de pessoas com fluência nas respectivas línguas africanas e com conhecimento do contexto ritual brasileiro. As transcrições serão acompanhadas por traduções para o português. Além de enriquecer a compreensão da liturgia no contexto ritual, as gravações também representam um imenso reservatório de patrimônio histórico-cultural que avança a compreensão histórica, lingüística e etnomusicológica das religiões afro-brasileiras num sentido maior. Por outro lado, têm uma importância para afrodescendentes fora do Brasil, por proporcionar insumos para reflexão na Diáspora e na África continental, pois em muitos casos, músicas com letras e/ou melodias semelhantes são cantadas em várias regiões. Cabe mencionar que já conseguimos a permissão da Biblioteca Nacional dos Estados Unidos, que possui as gravações, para utilizá-las no projeto, e que entre os integrantes da equipe encontra-se Olabiyi Yai, delegado permanente do Benin na UNESCO e linguísta especializada em línguas africanas da África ocidental..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2008 - 2010
Ícones da memória do axé: a etnografia histórica dos terreiros da Casa Branca e do Alaketu, séc. XIX
Descrição: Os terreiros da Casa Branca e do Alaketu, tombados pelo IPHAN, estão entre os mais antigos da capital baiana. Segundo estimativas de estudiosos, a sua fundação teria acontecido por volta do início do século XIX. As tradições orais não reconhecem vínculos entre as duas casas, mas contam que cada uma fora estabelecida após viagens à África realizadas pelas primeiras sacerdotisas. No caso da Casa Branca, teriam viajado as africanas libertas Iyá Nassô e Obatossi (Marcelina da Silva); no do Alaketu, fora a também africana Otampé Ojaró (Maria do Rosário) que atravessou o mar. Até agora, existia pouca evidência documental para esclarecer a relação entre as variadas lendas sobre estas mulheres e os fatos reais de suas vidas ou dos primeiros tempos das suas comunidades religiosas. Tampouco havia conhecimento de registros que apoiassem (ou desmentissem) as memórias de suas célebres romarias à África. O projeto atual propõe o prosseguimento de um estudo anterior, que objetivou o levantamento de registros documentais e iconográficos relacionados aos grandes líderes do candomblé da Bahia durante o século XIX e o início do XX. Foram encontrados centenas de documentos que forneceram informações biográficas inéditas sobre as trajetórias de vida das fundadoras desses templos, esclarecendo também a composição de suas famílias consangüíneas e espirituais, bem como suas pautas de vida material. O presente projeto prossegue com esse trabalho original, utilizando memórias orais como ponto de partida no levantamento de outras informações documentais com o intúito de esclarecer lacunas importantes em relação à estrutura das redes sociais das duas comunidades. Os dados coletados contribuirão novos insumos para a compreensão do universo sociorreligioso dos africanos libertos que hoje constituem ícones da memória coletiva afro-brasileira..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2006 - 2008
Ícones da memória do Axé: a fotografia no candomblé, 1850-1946
Descrição: O projeto Ícones da Memória do Axé visa construir um mosaico visual e biográfico de indivíduos importantes na história do candomblé. Ao contrário do que geralmente se pensa, a fotografia tem uma história bastante longa nos terreiros, associada à memória ancestral. Há também uma tendência a creditar que não existe documentação escrita sobre as vidas dos sacerdotes de outrora, o que descobrimos que também não corresponde à realidade. Ícones da Memória do Axére re-examina esta história, desde os meados do século XIX, quando a fotografia começou a se popularizar na Bahia e os grandes terreiros da cidade do Salvador estavam surgindo, até os 1940, quando a documentação deste universo religioso passou a ser mais freqüente. O projeto consiste em um levantamento de fotografias complementado por informações biográficas obtidas através de entrevistas etnográficas e pesquisa documental. Imagens encontradas serão digitalizadas e restauradas, visando tanto sua devolução para as famílias e os terreiros que participaram quanto a criação de um arquivo visual disponível a pesquisadores e o público em geral..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Social/Especialidade: História Afro-Brasileira.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras/Especialidade: Religiões Afro Brasileiras.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História da África.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História da América/Especialidade: História da Diáspora Africana nas Américas.
5.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: ANTROPOLOGIA DA DIÁSPORA AFRICANA.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Francês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.


Prêmios e títulos


2011
Trofeu Minha Vida é Orixá, Ilê Odô Ogê -- Salvador, Bahia.
1983
Hammer Prize for Excellence in Senior Research, Dept. of Geology & Geophysics, Yale University.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
CASTILLO, Lisa Earl2017CASTILLO, Lisa Earl . O terreiro do Gantois: redes sociais e etnografia histórica no século XIX. Revista de Historia (USP), v. 176, p. 01-57, 2017.

2.
CASTILLO, Lisa Earl2017CASTILLO, Lisa Earl . Em busca dos agudás da Bahia Trajetórias individuais e mudanças demográficas no século XIX. AFROASIA, v. 55, p. 111-147, 2017.

3.
CASTILLO, Lisa Earl2016CASTILLO, Lisa Earl . Mapping the nineteenth-century Brazilian returnee movement: Demographics, life stories and the question of slavery. Atlantic Studies, v. 13, p. 25-52, 2016.

4.
CASTILLO, LISA2016CASTILLO, LISA. Bamboxê Obitikô e a expansão do culto aos orixás (século XIX): uma rede religiosa afroatlântica. Tempo (Niterói. Online), v. 22, p. 126-153, 2016.

5.
CASTILLO, Lisa Earl2015CASTILLO, Lisa Earl . O que é que a Bahia tem?. Revista de História (USP), p. 529-534, 2015.

6.
PARÉS, Luis Nicolau2015PARÉS, Luis Nicolau ; CASTILLO, Lisa Earl . José Pedro Autran e o retorno de Xangô. Religião & Sociedade, v. 35, p. 13-43, 2015.

7.
CASTILLO, Lisa Earl2013CASTILLO, Lisa Earl . The Alaketu Temple and its Founders: Portrait of an Afro-Brazilian Dynasty. Luso-Brazilian Review (Online), v. 50, p. 83-112, 2013.

8.
CASTILLO, Lisa Earl2013CASTILLO, Lisa Earl . Remembrance of Things Past: the Trope of Africa in Afro-Brazilian Studies. Estudios Interdisciplinarios de America Latina y el Caribe, v. 23, p. 125-129, 2013.

9.
CASTILLO, Lisa Earl2013CASTILLO, Lisa Earl . Os agudás de Lagos: Brasil, Cuba e memórias atlânticas. Afro-Ásia (UFBA. Impresso), p. 407-417, 2013.

10.
Castillo, Lisa Earl2013Castillo, Lisa Earl . A fotografia e seus usos no candomblé da Bahia. Pontos de Interrogação: Revista de Crítica Cultural, v. 3, p. 43-71, 2013.

11.
CASTILLO, Lisa Earl2011 CASTILLO, Lisa Earl . O terreiro do Alaketu e seus fundadores: História e genealogia familiar, 1807-1867. Afro-Ásia (UFBA. Impresso), v. 43, p. 213-259, 2011.

12.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA2010CASTILLO, Lisa Earl; Pares, Luis Nicolau . Marcelina da Silva: A Nineteenth-Century Candomble Priestess in Bahia. Slavery & Abolition, v. 31, p. 1-27, 2010.

13.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA2009 CASTILLO, Lisa Earl. Icons of Memory: Photography and its Uses in Bahian Candomblé. Stockholm Review of Latin American Studies, v. 4, p. 11-23, 2009.

14.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA2007 CASTILLO, Lisa Earl; PARÉS, Luis Nicolau . Marcelina da Silva e seu mundo: novos dados para uma historiografia do candomblé ketu. Afro-Asia (UFBA), v. 36, p. 111-151, 2007.

15.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA2000CASTILLO, Lisa Earl. Les yeux de Xangô: une fille-de-saint s'exprime sûr le travail de Pierre Fatumbi Verger. Cahiers du Brésil Contemporain, Paris, v. 38/39, p. 153-171, 2000.

16.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA1994CASTILLO, Lisa Earl. Necesitamos aprender bien el español: the effect of literacy in Spanish on Latino students' acquisition of English. Literacy Harvest, New York, v. 3, n.1, 1994.

17.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA1992CASTILLO, Lisa Earl. The blows of life taught me how to learn: an interview with Georgina Velez. Literacy Harvest, New York, v. 1, n.2, 1992.

18.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA1992CASTILLO, Lisa Earl. Los golpes de la vida me enseñaron a aprender: uma entrevista con Georgina Velez. El Español En Marcha, New York, v. 3, 1992.

19.
CASTILLO, Lisa Earl;Castillo, Lisa Earl;Earl Castillo,Lisa;CASTILLO, LISA1990CASTILLO, Lisa Earl. The efect of education in L1 and other factors on the development of oral proficiency in L2 among adults. Eric Database Center For Applied Linguistics, Washington, D.C., v. 1990, p. ED373592, 1990.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
ADANDE, A. (Org.) ; CASTILLO, Lisa Earl (Org.) ; HOUENOUDE, D. (Org.) ; PARÉS, Luis Nicolau (Org.) ; SOUMONNI, E. (Org.) . Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1. ed. Cotonou, Benin: Editions Plurielles, 2018. v. 1. 125p .

2.
CASTILLO, Lisa Earl (Org.) ; ALBUQUERQUE, W. R. (Org.) ; SAMPAIO, Gabriela dos Reis (Org.) . Barganhas e querelas da escravidão: tráfico, alforria e liberdade (séc. XVIII-XIX). 1. ed. Salvador: Edufba, 2014. v. 1. 358p .

3.
CASTILLO, Lisa Earl. Entre a oralidade e a escrita: a etnografia nos candomblés da Bahia. 1. ed. Salvador: Edufba, 2008. v. 1. 231p .

Capítulos de livros publicados
1.
Castillo, Lisa Earl . L'impact de la révolte d'esclaves de 1835 à Bahia sur la croissance des communautés agudas du Bénin. In: ADANDÉ, Alexis; CASTILLO, Lisa Earl; HOUÉNOUDÉ, Didier; PARÉS, Lisa Earl; SOUMONNI, Elisee. (Org.). Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1ed.Cotonou, Bénin: Éditions Plurielles, 2018, v. 1, p. 39-50.

2.
CASTILLO, Lisa Earl ; PARÉS, Luis Nicolau . Profils biographiques de quelques familles agudas dont le retour du Brésil peut-être situé dans les anées 1830 et 1840. In: ADANDÉ, Alexis; CASTILLO, Lisa Earl; HOUÉNOUDÉ, Didier; PARÉS, Lisa Earl; SOUMONNI, Elisee. (Org.). Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1ed.Cotonou, Benin: Éditions Plurielles, 2018, v. 1, p. 51-74.

3.
CASTILLO, Lisa Earl . Ajankoro Dugbe Dugbe: He Who Fights Fearlessly, Clearing Everything in His Path. In: AFOLABI, Niyi; FALOLA, Toyin. (Org.). The Yoruba in Brazil, Brazilians in Yorubaland: Cultural Encounter, Resilience, and Hybridity in the Atlantic World. 1ed.Durham: Carolina Academic Press, 2017, v. , p. 215-243.

4.
CASTILLO, Lisa Earl . The Exodus of 1835: Aguda Life Stories and Social Networks. In: Derefaka, Abi Alabo; Ogundele, Wole; Alao, Akin; Ajibola, Augustus Babajide. (Org.). The Vile Trade: Slavery and the Slave Trade in Africa. 1ed.Durham, North Carolina, EUA: Carolina Academic Press, 2015, v. , p. 211-224.

5.
Castillo, Lisa Earl . 'Entre memória, mito e história: viajantes transatlânticos da Casa Branca'. In: REIS, João José. AZEVEDO, Elciene. (Org.). Escravidão e suas sombras. 1ed.Salvador: Edufba, 2012, v. 1, p. 65-110.

6.
CASTILLO, Lisa Earl . Vida e viagens de Bamboxê Obitikô. In: Air Josè Souza de Jesus; Vilson Caetano de Sousa Junior. (Org.). Minha Vida é Orixá. 1ed.São Paulo: Editora Ifá, 2011, v. , p. 55-86.

7.
CASTILLO, Lisa Earl . Between memory, myth and history: transatlantic voyagers of the Casa Branca temple. In: Ana Lúcia Araújo. (Org.). Paths of the Atlantic Slave Trade: Interactions, Identities, and Images. Amherst, New York: Cambria Press, 2011, v. , p. 203-238.

8.
Castillo, Lisa Earl . The Exodus of 1835: Aguda Life Stories and Social Networks.. In: Tunde Babawale, Akin Alao e Tony Onwumah. (Org.). Pan-Africanism and the Integration of Continental Africa and Diaspora Africa. Lagos: Centre for Black Arts and African Civilization, 2011, v. vol. 2, p. 27-51.

9.
CASTILLO, Lisa Earl. Flux and Reflux Revisited: Transatlantic Travel in the Reconfiguration of Afro-Brazilian Religion. In: Tunde Babawale; Akin Alao; Felix Ayoh´Omidire. (Org.). Teaching and Propagating African and Diaspora History and Culture. Lagos: Centre for Black and African Arts and Civilization, 2009, v. , p. 225-243.

10.
CASTILLO, Lisa Earl; PARÉS, Luis Nicolau . Os liminares elusivos do segredo: a religiosidade afro-brasileira na fotografia de Pierre Verger. In: Alex Baradel. (Org.). O Brasil de Pierre Verger. Salvador: Fundação Pierre Verger, 2006, v. , p. 203-231.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Ifá e Xangô na trajetória de Bamboxê Obitikô e seus descendentes. Flor de Dendê, 27 dez. 2017.

2.
EARL, Lisa Louise . 'Soldiers' Stories and Nicaragua'. Brooklyn Free Press, Brooklyn, NY, EUA, p. 10 - 11, 22 abr. 1987.

3.
EARL, Lisa Louise . Brooklyn Free Press. Brooklyn Free Press, Brooklyn, NY, EUA, p. 29 - 29, 09 mar. 1987.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
CASTILLO, Lisa Earl . The Exodus of 1835: Life Histories, Social Networks and the Return to Africa. In: International Conference on Global Africans, Pan-Africanism, Decolonisation and Integration of Africa--Past, Present and Future, 2010, Abuja, Nigéria. Abstracts of Papers presented at the International Conference on Global Africans, Pan-Africanism, Decolonisation and Integration of Africa--Past, Present and Future. Lagos: Centre for Black and African Arts and Civilization, 2010. p. 1-104.

2.
CASTILLO, Lisa Earl . Fluxo e refluxo revisitado: viajantes transatlânticos da Casa Branca Sec. XIX). In: I Encontro de São Lázaro--Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais--UFBA, 2010, Salvador. Encontro de São Lázaro. Salvador: Quarteto Editora, 2010. p. 184-184.

3.
CASTILLO, Lisa Earl . Flux and Reflux Revisited: Trans-Atlantic Travel in the Nineteenth Century Reconfiguration of Afro-Brazilian Religion. In: International Colloquium on Teching and Propagating African History and Culture to the Diaspora and Teaching Diaspora History and Culture to Africa, 2008, Rio de Janeiro. Abstracts of Papers presented at the International Conference on Teaching and Propagating African History and Culture to the Diaspora and Teaching Diaspora History and Culture to Africa. Lagos: Centre for Black and African Arts and Civilization, 2008. p. 1-132.

Artigos aceitos para publicação
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Bamboxê Obitikô e a expansão do culto aos orixás no século XIX: Uma rede religiosa afro-atlântica. Tempo, 2016.

Apresentações de Trabalho
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Contatos entre a África e a Bahia no século XIX: Viajantes atlânticos do Terreiro da Casa Branca. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
CASTILLO, Lisa Earl . Viagens atlânticas na construção do candomblé: o caso da Casa Branca, sec. XIX. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
CASTILLO, Lisa Earl . O êxodo de 1835: redes sociais entre a Bahia e o Benin. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
CASTILLO, Lisa Earl . 'African Life Stories, Social Networks and the Return to Africa in the Wake of the Malê Uprising of 1835'. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
CASTILLO, Lisa Earl . Tia Julia do Gantois: As raízes jejes de um terreiro nagô. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

6.
CASTILLO, Lisa Earl . Entre Memória, Mito e História: Viajantes Transatlânticos da Casa Branca. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

7.
Castillo, Lisa Earl ; Pares, Luis Nicolau . Famílias Atlânticas: redes de sociabilidade entre a Bahia e o Benin, sec. XIX. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

8.
CASTILLO, Lisa Earl . Entre a oralidade e a escrita: uma experiência de cruzamento de fontes orais e documentais. 2010. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

9.
CASTILLO, Lisa Earl . Fluxo e refluxo revisitado: viajantes transatlânticos da Casa Branca. 2010. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

10.
CASTILLO, Lisa Earl . Entre memória, mito e história: viajantes transatlânticos da Casa Branca. 2010. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

11.
CASTILLO, Lisa Earl . The Construction of "Baianidade": Art, Literature, Music and Film in the Rrepresentation of Afro-Bahian Culture. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

12.
CASTILLO, Lisa Earl . Entre a oralidade e a escrita: reconstruindo a história oitocentista de dois terreiros antigos da Bahia. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Marcelina da Silva/Obatossi. New York: Oxford University Press, 2016 (Texto).

2.
CASTILLO, Lisa Earl . Maria do Rosário/Otampê Ojaró. New York: Oxford University Press, 2016 (Texto).

3.
CASTILLO, Lisa Earl . Francisca da Silva/Iyá Nassô. New York: Oxford University Press, 2016 (Texto).

4.
CASTILLO, Lisa Earl . Rodolfo Manoel Martins de Andrade/Bamboxê Obitikô. New York: Oxford University Press, 2016 (Texto).

5.
Laura de Mello e Souza ; Castillo, Lisa Earl . Sorcery in Brazil: history and historiography. Chicago: University of Chicago Press, 2011. (Tradução/Artigo).

6.
BARADEL, Alex . The Brazil of Pierre Verger. Salvador: Fundação PIerre Verger, 2006. (Tradução/Livro).

7.
SANTOS, D. ; CASTILLO, Lisa Earl ; AYOH' OMIDIRE, Félix . Creole Tales of Bahia. Salvador: Núcleo Cultural Niger Okan, 2004. (Tradução/Livro).

8.
BENCHMOL, Jaime ; SÁ, Magali Romero . Biblioteca Virtual em Saúde Adolpho Lutz. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2003. (Tradução/Outra).

9.
FEDERICO, Sofia . Cega Seca (filme curto-metragem, ficção). Salvador: Produção independente, 2003. (Tradução/Outra).

10.
CASTILLO, Lisa Earl . Spanish LIteracy Screening. Nova York: The Network/Adult Education Special Interest Group/New York State TESOL, 1992 (Texto).

11.
CASTILLO, Lisa Earl . Alfabetización como tema para lograr una dinâmica participativa. Nova York: El Español en Marcha, 1991 (Texto).


Produção técnica
Assessoria e consultoria
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Afro-Brazilian religious imaginary in Carnival: a historical perspective. 2016.

2.
CASTILLO, Lisa Earl. Beleza Negra: Ilê Aiyê e a Estética Afro-cêntrica na Bahia. 2004.

Trabalhos técnicos
1.
TAVARES, J. C. ; CASTILLO, Lisa Earl . ASWAD Rio 2005. Encontros diaspóricos. 2009.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
Adama Munu ; Ayo Johnson ; Castillo, Lisa Earl ; Zeze Motta . 'Brazil's Islamic History' no programa 'Africa This Week', da rede Islam Channel. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

2.
CUNHA, S. H. P. ; FERREIRA, A. ; SANTANA, A. ; BRANDAO, G. A. ; Castillo, Lisa Earl ; AYORINDE, E. L. B. B. . Solenidade -- Sessão Especial da Câmara Municipal de Salvador. 2015. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

3.
CASTILLO, Lisa Earl ; PARÉS, Luis Nicolau ; LUHNING, A. E. ; BACELAR, Jeferson ; CUNHA, M. . Entrega de statueta de Xangô encontrada no Benim ao Museu Afro-Brasileiro. 2012. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

4.
Castillo, Lisa Earl . The Mikie Show. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

5.
BROWN, Carlinhos ; JHO, Negra ; Castillo, Lisa Earl . Black Brazil: The Revival of Brazil's African Culture. 2006. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

Redes sociais, websites e blogs
1.
CASTILLO, Lisa Earl ; AYORINDE, E. L. B. B. . Famílias Agudás. 2014; Tema: A página Famílias Agudás visa estimular e facilitar diálogo entre descendentes de retornados na África e em diversas partes. (Rede social).


Demais tipos de produção técnica
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Slavery, Slave Uprisings and the Agudá of Benin: Yacouba Pereira dos Santos and his Family. 2013. (Resumo).


Produção artística/cultural
Outras produções artísticas/culturais
1.
LIU, C. M. R. ; Chung Liu ; CASTILLO, Lisa Earl . Ebony Goddess: Queen of Ilê Aiyê. 2010 (filme documentário).

2.
LIU, C. M. R. ; CASTILLO, Lisa Earl . Beleza Negra. 2008 (filme documentário).

3.
CASTILLO, Lisa Earl. A fotografia do candomblé na encruzilhada. 2006 (Exposição).

4.
CASTILLO, Lisa Earl; ROSENBERG, D. . Rough Guide to the Music of Bahia. 2004 (CD coletâneo).

5.
CASTILLO, Lisa Earl; LIU, C. M. R. . Bloco Afro and Afoxé: Afro-Brazilian Carnival as a Political and Religious Stage. 2002 (Produtora, filme documentário, 22 mins., legendado em inglês).

6.
CASTILLO, Lisa Earl; LIU, C. M. R. . Festive Land: Carnaval in Bahia. 2001 (Produtora, filme documentário, 60 mins., legendado em inglês).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
PIRES, F. N.; CASTILLO, Lisa Earl; XIMENES, C. L.. Participação em banca de Emanuelle Maia Moreira. Vivendo sem amarras: as viagens de africanos libertos entre a Bahia e a Costa da África, 1840-1860. 2018. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Bahia.

2.
Severino. J.R.; CASTILLO, Lisa Earl; RUBIM, L. S. O.. Participação em banca de Malaika Kempf Braga. Família e identidade religiosa: uma etnofilmografia das manifestações religiosas e culturais e seus desdobramentos na família de Dona Conceição. 2018. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia.

3.
PARÉS, Luis Nicolau; REIS, J. J.; Castillo, Lisa Earl. Participação em banca de Elaine Santos Falheiros. Luis e Antonio Xavier de Jesus: mobilidade social de africanos na Bahia oitocentista. 2013. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Bahia.

4.
RABELO, M.; PARÉS, Luis Nicolau; CASTILLO, Lisa Earl. Participação em banca de Luciana de Castro Nunes Novaes. As panelas das feiticeiras: uma etnografia do segredo e ritual de Iyami no Candomblé. 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) - Universidade Federal da Bahia.

Teses de doutorado
1.
AMARAL, S. P.; NEVES, E. F.; PIRES, M. F. N.; REIS, J. J.; CASTILLO, Lisa Earl. Participação em banca de Jackson André da Silva Ferreira. Gurgalha: um coronel e seus dependentes no serrtão baiano (morro do Chapeu, século XIX). 2014. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Bahia.

2.
NEVES, E. F.; Castillo, Lisa Earl; PIRES, M. F. N.; AMARAL, S. P.. Participação em banca de Jackson André da Silva Ferreira. Gurgalha: um coronel e seus dependentes no sertão baiano (Morro do Chapéu, século XIX). 2014. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Bahia.




Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Forum Social Mundial. A reivindicação de direitos na história da Casa Branca: os casos de Iyá Nassô e Bamboxê Obitikô. 2018. (Congresso).

2.
Poder e dinheiro na era do tráfico.Contatos de terreiros de candomblé com a África (Bahia, século XIX). 2017. (Simpósio).

3.
II Colóquio Portos e Cidades: Movimentos portuários, Atlântico e diáspora africana.Fluxos de africanos libertos: Bahia e o Golfo do Benin, sec XIX. 2016. (Simpósio).

4.
II Seminário Asé Bamgbosé: A trajetória religiosa de Pai Air de Osagiyán.Bamgbosé Obitikô: Redes religiosas no Brasil e na África. 2015. (Seminário).

5.
Université d' été Libertés et esclavages dans le monde atlantique (XIVe-XXe siècle).Hierarchy and relations of dependence in Afro-Brazilian religion : Interstitial spaces between slavery and kinship in the nineteenth century.. 2015. (Seminário).

6.
Atelier de recherche: Du Brésil au Bénin. Itinieraires, memoires et patrimoines familiaux Aguda.La rebellion des esclaves de Bahia en 1835 et l?histoire des agudás. 2014. (Simpósio).

7.
Atelier de recherche: Du Brésil au Bénin. Itinieraires, memoires et patrimoines familiaux Aguda.Notes de recherche sur quelques familles agudas d'Agoué. 2014. (Simpósio).

8.
II Seminário Internacional. Conexões Transatlânticas Bahia-África no Atlântica Negro (séculos XVII-XIX).Irmandades, compadrio e redes de sociabilidade de africanos libertos: O caso do Terreiro da Casa Branca (1820-1837). 2014. (Seminário).

9.
I Jornada Internacional de História Africana e Afro-Brasileira. Encontros Atlânticos.Fluxos e refluxos no Atlântico: Memórias em trânsito. 2014. (Seminário).

10.
I Seminário Asé Bàmgbòsé: Religiosidade e Tradição Secular.A Família Bamgbose: Memória, história e ancestralidade. 2014. (Seminário).

11.
I Seminário para a Preservação do Patrimônio Cultural Brasil-Nigéria.Breve história dos primeiros tempos do Terreiro do Gantois. 2014. (Seminário).

12.
American Society for Legal History. ?The Return to Africa Movement in Nineteenth-century Brazil: Legal and Economic Factors?. 2013. (Congresso).

13.
Transformative Visions: Confronting Change and Creating Opportunity in Africa and the African Diaspora ASWAD 7th Biennial Conference. ?The Exodus of 1835: Life Histories, Social Networks and the Return to Africa.?. 2013. (Congresso).

14.
Conexões Transatlânticas Bahia-África no Atlântico Negro (séculos XVII-XIX).O Éxodo de 1835: libertos islamizados, redes sociais e a volta à África. 2012. (Seminário).

15.
O Mafro e Você.Pierre Verger e as trocas intelectuais e religiosas entre a África Ocidental e a Bahia. 2012. (Seminário).

16.
Afro XXI: Encontro Ibero-Americano do Ano Internacional dos Afro-Descendentes. 2011. (Congresso).

17.
II Encontro de São Lázaro.História oral e história escrita do candomblé na Bahia. 2011. (Encontro).

18.
III Curso Manoel Querino: Personalidades Negras.Iyá Nassô: novos fragmentos biográficos. 2011. (Seminário).

19.
IX Reunião de Antropologia do Mercosul. Da manta da invisibilidade até o alvo do olhar público: Reflexões sobre os liminares discursivos do segredo no candomblé. 2011. (Congresso).

20.
Patrimônio e História: o passado como forma sensorial.Painel 5: História e memória no candomblé. 2011. (Simpósio).

21.
Seminário Comemorativo dos Cinqüenta Anos do Ilê Odô Ogê.Vida e viagens de Bamboxê Obitikô. 2011. (Seminário).

22.
III Seminário Cultura, identidade e linguagens.Mesa Redonda III: Escravidão e identidades: fontes e possibilidades. 2010. (Seminário).

23.
International Colloquium on Slavery, Slave Trade and Their Consequences.The Exodus of 1835: Águda Life Histories, Social Networks and the Return to Africa. 2010. (Simpósio).

24.
International Conference on Global Africans, Pan-Africanism, Decolonisation and Integration of Africa: Past, Present and Future. The Exodus of 1835: Life Histories, Social Networks and the Return to Africa. 2010. (Congresso).

25.
Seminário Religião e Linguagem no Mundo Lusófono.O Quadro Epistemológico no Candomblé: a Transmissão do Saber, o Segredo e a Escrita. 2010. (Seminário).

26.
American Historical Association 123rd Annual Meeting. Marcelina da Silva: Reconstructing Orixá Religion in Brazil. 2009. (Congresso).

27.
LASA 2009. Rethinking inequalities. "Flux and reflux revisited: trans-Atlantic migrations in the genesis of candomblé ketu". 2009. (Congresso).

28.
Pesquisas em Andamento na àrea de História Social da Escravidão.Redes sociais dos terreiros do Alaketu e Casa Branca, sec. XIX. 2008. (Oficina).

29.
Teaching African History and Culture to the Diaspora; Teaching Diaspora History and Culture to Africa.Flux and Reflux Revisited: Transatlantic Travel in the 19th-Century Reconfiguration of Afro-Brazilian Religion. 2008. (Simpósio).

30.
Caribbean Studies Association 32a Congresso Anual. Icons of Memory: Portraits of Candomblé Leaders. 2007. (Congresso).

31.
A Feitiçaria no Atlântico Negro. 2006. (Outra).

32.
Culturas Nordestinas em Movimento.Mostra de Filmes. 2006. (Outra).

33.
II Conferência de Intelectuais da África e da Diáspora. 2006. (Outra).

34.
III International Conference of the Association for the Study of the Worldwide African Diaspora: Diasporic Encounters/Encontros Diaspóricos. Palestrante/II Conferência Internacional da Diáspora Africana.. 2005. (Congresso).

35.
Nzila Kuna Zambi: as Tradições Religiosas de Origem Bantu na Bahia. 2005. (Seminário).

36.
Afro-Descendência: Diálogos. 2004. (Seminário).

37.
II Seminário Carnaval da Bahia: Idenitidades e Perspectivas.II Seminário Carnaval da Bahia/Palestrante. 2004. (Seminário).

38.
Seminário: Identidades e Expressões Artísticas.Identidades e Expressões Artísticas/ Palestrante. 2004. (Seminário).

39.
Seminário Estudantil de Pesquisa (SePesq).SePesq/Palestrante. 2004. (Seminário).

40.
VII Alaindê Xirê: Festival Internacional de Alabês, Xicarangomas e Runtos. 2004. (Outra).

41.
Seminário África-Bahia. 2003. (Seminário).

42.
Seminário Estudantil de Pesquisa (PIBIC).Comunicação: Olhos de Xangô ou olhos colonizadores: o olhar etnográfico de Pierre Verger. 2003. (Seminário).

43.
American Anthropological Association Annual Meeting. 2000. (Congresso).

44.
V Congresso Afro-Brasileiro. 1997. (Congresso).

45.
Paulo Freire Symposium.Comunicação: Welfare-to-Work Programs in Adult Education: Critical Questions. 1993. (Simpósio).

46.
Symposium on the Literacy Needs of Limited-English-Proficient Adults.Symposium on the Learning Needs of Low-Literate, Limited-English Proficient Adults/Participante convidada.. 1993. (Simpósio).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
CASTILLO, Lisa Earl; PARÉS, Luis Nicolau . O Brasil de Pierre Verger. 2006. (Exposição).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Emanuelle Maia Moreira. Vivendo sem amarras: Africanos libertos e suas famílias na Bahia (1830-1860). Início: 2017. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Bahia, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Coorientador).



Educação e Popularização de C & T



Livros e capítulos
1.
ADANDE, A. (Org.) ; CASTILLO, Lisa Earl (Org.) ; HOUENOUDE, D. (Org.) ; PARÉS, Luis Nicolau (Org.) ; SOUMONNI, E. (Org.) . Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1. ed. Cotonou, Benin: Editions Plurielles, 2018. v. 1. 125p .

1.
Castillo, Lisa Earl . L'impact de la révolte d'esclaves de 1835 à Bahia sur la croissance des communautés agudas du Bénin. In: ADANDÉ, Alexis; CASTILLO, Lisa Earl; HOUÉNOUDÉ, Didier; PARÉS, Lisa Earl; SOUMONNI, Elisee. (Org.). Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1ed.Cotonou, Bénin: Éditions Plurielles, 2018, v. 1, p. 39-50.

2.
CASTILLO, Lisa Earl ; PARÉS, Luis Nicolau . Profils biographiques de quelques familles agudas dont le retour du Brésil peut-être situé dans les anées 1830 et 1840. In: ADANDÉ, Alexis; CASTILLO, Lisa Earl; HOUÉNOUDÉ, Didier; PARÉS, Lisa Earl; SOUMONNI, Elisee. (Org.). Du Brésil au Bénin : Contribution à l?étude des patrimoines familiaux aguda au Bénin. 1ed.Cotonou, Benin: Éditions Plurielles, 2018, v. 1, p. 51-74.


Apresentações de Trabalho
1.
CASTILLO, Lisa Earl . Tia Julia do Gantois: As raízes jejes de um terreiro nagô. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
CASTILLO, Lisa Earl . Viagens atlânticas na construção do candomblé: o caso da Casa Branca, sec. XIX. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
CASTILLO, Lisa Earl . Contatos entre a África e a Bahia no século XIX: Viajantes atlânticos do Terreiro da Casa Branca. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).


Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
Adama Munu ; Ayo Johnson ; Castillo, Lisa Earl ; Zeze Motta . 'Brazil's Islamic History' no programa 'Africa This Week', da rede Islam Channel. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

2.
BROWN, Carlinhos ; JHO, Negra ; Castillo, Lisa Earl . Black Brazil: The Revival of Brazil's African Culture. 2006. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

3.
Castillo, Lisa Earl . The Mikie Show. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

4.
CUNHA, S. H. P. ; FERREIRA, A. ; SANTANA, A. ; BRANDAO, G. A. ; Castillo, Lisa Earl ; AYORINDE, E. L. B. B. . Solenidade -- Sessão Especial da Câmara Municipal de Salvador. 2015. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).


Redes sociais, websites e blogs
1.
CASTILLO, Lisa Earl ; AYORINDE, E. L. B. B. . Famílias Agudás. 2014; Tema: A página Famílias Agudás visa estimular e facilitar diálogo entre descendentes de retornados na África e em diversas partes. (Rede social).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 21/10/2018 às 15:41:27