Miriam Schenker

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6262009708288765
  • Última atualização do currículo em 15/10/2018


Possui graduação em PSICOLOGIA pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1975), mestrado em Psicologia pela Universidade de Brasília (1980) e doutorado em Saúde da Criança e da Mulher pelo Instituto Fernandes Figueira-Fiocruz (2005). Atualmente é pesquisadora colaboradora do Departamento de Estudos Sobre Violência e Saúde Jorge Careli da Fundação Oswaldo Cruz (CLAVES/FIOCRUZ), e psicóloga, professora e preceptora em Abordagem Familiar no Departamento de Medicina Integral Familiar e Comunitária da Uerj (DMIF/UERJ). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Prevenção e Tratamento ao uso indevido de drogas; Violência, adolescência e Família; abordagem integral do médico de família atuando principalmente nos seguintes temas: família: prevenção, tratamento ao uso problemático de drogas; violência intrafamiliar; instrumentalização do médico de família no atendimento integrado ao indivíduo e sua família na comunidade. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Miriam Schenker
Nome em citações bibliográficas
SCHENKER, M.;SCHENKER, MIRIAM

Endereço


Endereço Profissional
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Departamento de Medicina Integral Familiar e Comunitária- DMIF.
Boulevard 28 de setembro, 77
Vila Isabel
20551-030 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil
Telefone: (21) 25876660


Formação acadêmica/titulação


2001 - 2005
Doutorado em Saúde da Criança e da Mulher.
Instituto Fernandes Figueira-Fiocruz, IFF/FIOCRUZ, Brasil.
Título: Valores familiares e uso abusivo de drogas, Ano de obtenção: 2005.
Orientador: Profa Dra. Maria Cecília de Souza Minayo.
Palavras-chave: valores sociais; relações familiares; transtornos relacionados ao uso de substâncias; prevenção primária.
Grande área: Ciências Humanas
Setores de atividade: Cuidado À Saúde das Pessoas.
1978 - 1980
Mestrado em Psicologia.
Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
Título: Padrões de interação de casais na discussão do planejamento familiar,Ano de Obtenção: 1981.
Orientador: Profa Dra. Júlia Sursis Nobre Ferro Bucher.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: padrão de interação; família; comunicação.
Grande área: Ciências Humanas
Setores de atividade: Cuidado À Saúde das Pessoas.
1970 - 1975
Graduação em PSICOLOGIA.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Título: Padrões de interação de casais na discussão do planejamento familiar.
Orientador: Profa. Dra. Júlia Sursis Nobre Ferro Bucher.




Atuação Profissional



Departamento de Medicina Integral Familiar e Comunitária, DMIF, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Psicóloga, Carga horária: 8


Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisadora Colaboradora, Carga horária: 8
Outras informações
Lotada no Centro Latino Americano de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli-CLAVES


Centro de Educacional Anísio Teixeira, CEAT, Brasil.
Vínculo institucional

2002 - 2004
Vínculo: Consultora, Enquadramento Funcional: Psicóloga, Carga horária: 2

Atividades

05/2002 - 11/2004
Conselhos, Comissões e Consultoria, Centro de Educacional Anísio Teixeira, .

Cargo ou função
Consultora de Prevenção ao uso indevido de drogas.

Associação de Terapia de Família - RJ, ATF-RJ, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Diretora da Comissão Científica, Carga horária: 1

Vínculo institucional

1998 - 2005
Vínculo: Terapeuta de Família, Enquadramento Funcional: Membro da Comissão Científica, Carga horária: 2

Atividades

01/1998 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, .

Cargo ou função
Membro da Comissão Científica.

Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção ao Uso de Drogas da Uerj, NEPAD/UERJ, Brasil.
Vínculo institucional

1988 - 2005
Vínculo: Terapeuta de Família, Enquadramento Funcional: Psicóloga, Carga horária: 8, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

01/1994 - 12/2005
Outras atividades técnico-científicas , Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção ao Uso de Drogas da Uerj, Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção ao Uso de Drogas da Uerj.

Atividade realizada
Coordenação e Supervisão de Técnicos e Estagiários em Terapia de Família.


Projetos de pesquisa


2018 - Atual
Pesquisa Narrativa de exposição terapêutica (NET) para sobreviventes da violência
Descrição: Violência é um problema de saúde pública. A exposição à violência não apenas impacta a segurança e a saúde física dos indivíduos como também pode afetar a saúde mental tanto de vítimas quanto de testemunhas dos atos de violência. Estudos revelam que crianças, adolescentes e adultos expostos à violência crônica, como a violência na comunidade, apresentam risco de desenvolver problemas psicológicos como estresse pós-traumático (TEPT). Apesar dos serviços de saúde oferecerem apoio médico, social e psicológico, não há um serviço especializado que atenda especificamente a essa demanda da população. Dessa forma faz-se necessário oferecer estratégias de intervenção para a redução dos problemas de saúde mental de indivíduos expostos a situações de violência. O presente projeto visa instrumentalizar os profissionais do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF/ENSP/Fiocruz), do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) e do Centro Municipal de Saúde Heitor Beltrão (CMSHB) para atenderem indivíduos que sofrem com sintomas do TEPT visando à promoção da saúde e à qualidade de vida da população. Para isso os profissionais serão treinados em uma intervenção terapêutica reconhecida e baseada em evidências, a Narrativa de Exposição Terapêutica (NET). A NET é uma intervenção de curta duração que foi desenvolvida para populações vivendo em regiões de conflito, visando à redução dos sintomas do TEPT resultante de exposição a eventos traumáticos incluindo a violência doméstica e na comunidade, destacando a violência urbana por armas de fogo..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Especialização: (5) / Mestrado profissional: (1) .
Integrantes: Miriam Schenker - Integrante / Simone G Assis - Coordenador / Fernanda Serpeloni - Integrante / Anke Kobach - Integrante.
2017 - Atual
Violência autoprovocada na infância e na adolescência
Descrição: O suicídio é um tipo de violência autoinfligida, sendo considerado, dentre os tipos de violência que ocorrem na sociedade brasileira, como de menor relevância. Em crianças, os suicídios e as tentativas são raros em todo o mundo, sendo mais frequentes na adolescência. Publicações recentes do Ministério da Saúde brasileiro destacam o papel dos suicídios e tentativas dentre as causas de morte por causas externas. O objetivo do projeto é investigar sobre o tema entre crianças e adolescentes no país, embasado em abordagens ecológica (análise de dados segundo regiões, estados e municípios brasileiros) e qualitativa (entrevistas com parentes das crianças e adolescentes). Subdivide-se em dois subprojetos: um, que busca estudar a distribuição temporal, espacial e fatores associados aos óbitos e às tentativa de suicídio de crianças e adolescentes; e outro que pretende analisar qualitativamente as especificidades individuais, sociais e regionais de crianças e adolescentes que tentaram se suicidar e que cometeram suicídio. A metodologia a ser empregada baseia-se numa análise epidemiológica e psico-antropológica dos suicídios e das tentativas de suicídio em crianças e adolescentes com amplitude nacional, tomando como base os municípios em que há maior ocorrência do fenômeno. Busca-se que o maior conhecimento do tema possa subsidiar propostas de prevenção e atenção ao fenômeno no país..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2017 - Atual
Impacto transgeracional do estresse sobre a resiliência na criança e no adolescente
Descrição: Entende-se que as respostas relacionadas ao estresse são formadas a partir da interação entre os sistemas biológico-(epi)genético, social e cultural. Partindo-se deste conhecimento, pretende-se como objeto, no presente projeto, a associação entre padrões de metilação de DNA e a resposta de crianças ao estresse, especificamente a resiliência. O objetivo do projeto é analisar se crianças e adolescentes com maior resiliência apresentam resposta emocional e padrões de metilação de DNA distintos quando comparados ao grupo com menor resiliência. O projeto foca nas reações sócio-emocionais ao estresse - aspectos protetivos. Utilizará metodologia interdisciplinar com abordagens quantitativa e qualitativa. Espera-se que os resultados desse estudo possam contribuir para o desenvolvimento de um modelo interdisciplinar do impacto do estresse pré-natal, visando o avanço da atenção e do cuidado desde a gravidez, bem como apoiar políticas de prevenção, privilegiando o aumento da resiliência.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2016 - 2016
Capacitação de profissionais de segurança pública de Minas Gerais que atuam na área de saúde, com conhecimento técnico-científicos atualizados para a detecção e prevenção do álcool e outras drogas
Descrição: Capacitar profissionais de Segurança Pública de Minas Gerais sobre Uso Abusivo de drogas - Organizar as oficinas temáticas; - ministrar as oficinas temáticas; - avaliar os discentes em relação às oficinas; - Criar banco de dados para a avaliação..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2016 - 2016
Prevenção ao uso de substâncias psicoativas: a instituição de uma prática
Descrição: Palestras de Sensibilização para 1800 profissionais de segurança pública nas 18 Regiões Integradas de Segurança Pública no Estado de Minas Gerais.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2011 - 2012
O Desafio da Rede no Atendimento de Crianças e AdolescentesUsúarios de Crack e/ou Acolhidas Institucionalmente pelo Uso do Crack dos Pais/Responsáveis.Um estudo em 10 capitais brasileiras
Descrição: A proposta tem como objetivo conhecer o perfil de crianças e adolescentes usuários de crack, e/ou daqueles abandonados em decorrência deste uso pelos pais/responsáveis, bem como os desafios da rede no atendimento à esta população em dez cidades de cinco regiões do país. Serão selecionadas dez capitais brasileiras a serem visitadas (duas em cada região do país), tendo como base os dados referentes ao uso de drogas por pais ou responsáveis e à vivência de rua pelas crianças/a adolescentes, obtidos através do projeto Levantamento Nacional de Serviços de Acolhimento de Crianças e Adolescentes , realizado pelo CLAVES/MDS. Será realizado trabalho de campo nas capitais selecionadas para realização de entrevistas, grupos focais e aplicação de questionários aos dirigentes dos serviços da rede de proteção, crianças/adolescentes e suas famílias. Serão elaborados questionários e roteiros para entrevistas individuais e grupos focais específicos para cada público participante do estudo. A metodologia caracteriza-se pela triangulação de métodos quantitativos e qualitativos. Todas as informações quantitativas coletadas nas 10 cidades comporão um banco de dados de crianças/adolescentes e um banco de serviços participantes da rede de protecão. Será feita análise exploratória e modelagem que possibilitarão maior conhecimento dos dados obtidos. Os dados qualitativos serão analisados por meio da técnica de Análise de Conteúdo na modalidade Temática..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Miriam Schenker - Integrante / Patrícia Constantino - Integrante / Simone G Assis - Coordenador / Joviana Avanci - Integrante / PESCE, Renata (Renata Pesce) - Integrante / Liana Wernersbach Pinto - Integrante / Fernanda Mendes Lages - Integrante / Andrea Iannelli - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.
2009 - 2011
Implementação de ações de Vigilância Social: levantamento das crianças abrigadas por medida protetiva; padronização dos modelos de registro de atendimento dos CRAS e CREAS;construção de metodologia de diagnóstico de risco e vulnerabilidade para nível mun.
Descrição: Os documentos aprovados pelas resoluções da Política Nacional de Assistência Social determinam a criação e implementação do sistema nacional de Vigilância Social no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), objetivo último para o qual convergem as todas as ações especificadas neste Projeto. O Projeto possui três eixos de ação específicos que objetivam desenvolver e fortalecer a função de Vigilância Social no âmbito do Sistema Único de Assistência Social, a saber: eixo 1) levantamento das crianças e adolescentes em serviços de acolhimento (abrigos e famílias acolhedoras); eixo 2) elaboração de proposta para padronização nacional dos registros de atendimentos realizados pelos CRAS e CREAS; eixo 3) elaboração de metodologia para Diagnóstico e Monitoramento de Riscos e Vulnerabilidades em nível municipal..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2007
Estudo comparativo sobre riscos profissionais, segurança e saúde ocupacional dos policiais civis e militares do Estado do RJ.
Descrição: O projeto tem como objetivo efetuar um estudo comparativo sobre questões de segurança e saúde entre os policiais civis e militares do Estado do Rio de Janeiro..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2005 - 2006
Experiências exitosas de prevenção da violência
Descrição: O projeto se propõe relatar 10 experiências institucionais de êxito na prevenção à violência nas 5 regiões brasileiras..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Membro de corpo editorial


2006 - Atual
Periódico: Ciência & Saúde Coletiva


Revisor de periódico


2007 - 2007
Periódico: Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ)
2011 - Atual
Periódico: Nova Perspectiva Sistêmica


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Prevenção ao uso indevido de drogas.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Psicologia / Subárea: Psicologia Social.
3.
Grande área: Ciências da Saúde / Área: Saúde Coletiva / Subárea: Saúde Pública.


Idiomas


Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem.
Francês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente.
Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Italiano
Compreende RazoavelmenteLê Pouco.
Hebraico
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
COSTA, DANIELLA HARTH DA2017COSTA, DANIELLA HARTH DA ; SCHENKER, MIRIAM ; NJAINE, Kathie ; SOUZA, EDINILSA RAMOS DE . Homicídios de jovens: os impactos da perda em famílias de vítimas1,2. Physis (UERJ. Impresso), v. 27, p. 685-705, 2017.

2.
COSTA, DANIELLA HARTH DA2017COSTA, DANIELLA HARTH DA ; NJAINE, Kathie ; SCHENKER, MIRIAM . Repercussões do homicídio em famílias das vítimas: uma revisão da literatura. Ciencia & Saude Coletiva, v. 22, p. 3087-3097, 2017.

3.
SONODA, K. C. L.2016SONODA, K. C. L. ; ASSIS, S. ; SCHENKER, M. . Estratégias de enfrentamento da violência urbana por ativistas sociais do Rio de Janeiro. PSICOLOGIA EM REVISTA (ONLINE), v. 22, p. 749-767, 2016.

4.
Rozemberg, L2014Rozemberg, L ; AVANCI, J. ; SCHENKER, M. ; PIRES, T. O. . Resiliência, gênero e família na adolescência. Ciência e Saúde Coletiva (Impresso), v. 19, p. 673-684, 2014.

5.
SOUZA, EDINILSA RAMOS DE2013SOUZA, EDINILSA RAMOS DE ; SCHENKER, MIRIAM ; CONSTANTINO, PATRÍCIA ; CORREIA, BRUNA SOARES CHAVES . Consumo de substâncias lícitas e ilícitas por policiais da cidade do Rio de Janeiro. Ciencia & Saude Coletiva, v. 18, p. 667-676, 2013.

6.
FORTES, A. B.2008FORTES, A. B. ; ANDERSON, M. I. P. ; SCHENKER, M. . Instrumento para a atenção integral: do pré-natal ao puerpério. Revista Brasileira de Medicina da Família e Comunidade, v. 4, p. 53-60, 2008.

7.
GOMES, R.2006GOMES, R. ; MINAYO, Maria Cecília S ; ASSIS, Simone G ; NJAINE, Kathie ; SCHENKER, M. . Êxitos e limites na prevenção da violência: estudo de caso de nove experiências brasileiras.. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n.2, p. 397-408, 2006.

8.
SCHENKER, M.;SCHENKER, MIRIAM2005 SCHENKER, M.; MINAYO, Maria Cecília de Souza . Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n.3, p. 707-717, 2005.

9.
SCHENKER, M.;SCHENKER, MIRIAM2004 SCHENKER, M.; MINAYO, Maria Cecília de Souza . A Importância da Família no Tratamento do Uso Abusivo de Drogas: Uma Revisão da Literatura. Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ), Rio de Janeiro, v. 20, n.3, p. 649-659, 2004.

10.
SCHENKER, M.;SCHENKER, MIRIAM2003 SCHENKER, M.; MINAYO, Maria Cecília de Souza . A Implicação da Família no Uso Abusivo de Drogas: Uma Revisão Crítica. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n.1, p. 299-306, 2003.

11.
SCHENKER, M.;SCHENKER, MIRIAM1991SCHENKER, M.; JARDIM, R. . Paradigma: Subjetividade além da Técnica. Nova Perspectiva Sistêmica, v. 1, p. 40-43, 1991.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
GOMES, R. ; MINAYO, Maria Cecília de Souza ; ASSIS, Simone G ; NJAINE, Kathie ; SCHENKER, M. . Êxitos na prevenção da violência. E96. ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP/CLAVES; Hucitec, 2010. v. 01. 178p .

2.
SCHENKER, M.. Valores Familiares e Uso Abusivo de Drogas.. 20. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008. v. 1000. 168p .

Capítulos de livros publicados
1.
MINAYO, Maria Cecília de Souza ; SCHENKER, MIRIAM . Complexidade da violência e impactos sobre a saúde. In: Simone Gonçalves Assis; Liane Maria Braga da Silveira. (Org.). O tema da violência no ensino em saúde coletiva. 1aed.Rio de Janeiro: e-papers, 2018, v. , p. 25-46.

2.
SCHENKER, M.; AVANCI, J. ; SILVEIRA, L. M. B. . Violência intrafamiliar da perspectiva sistêmica. In: Minayo, MCS; Assis, SG. (Org.). Novas e velhas faces da violência no século XXI: visão da literatura brasileira do campo da saúde. 1a.ed.Rio de Janeiro: Fiocruz, 2017, v. , p. 239-253.

3.
SCHENKER, M.; CONSTANTINO, PATRÍCIA . Associação entre uso de álcool e outras drogas e violência. In: Minayo, MCS; Assis, SG. (Org.). Novas e velhas faces da violência no século XXI: visão da literatura brasileira do campo da saúde. 1.ed.Rio de Janeiro: Fiocruz, 2017, v. , p. 363-379.

4.
ROZEMBERG, L. B. ; AVANCI, J. ; SCHENKER, M. ; PIRES, T. O. ; ASSIS, Simone G . Aspectos individuais e comunitários associados à resiliência em adolescentes. In: Renata Maria Coimbra; Normanda Araujo de Morais. (Org.). A Resiliência em questão. 1a.ed.Porto Alegre: Artmed, 2015, v. 1, p. 125-149.

5.
SCHENKER, M.; CAVALCANTE, F. . Vulnerabilidade, família, abuso, dependência de drogas e violência. In: Eroy Aparecida da Silva; Yone Gonçalves de Moura; Denise Kopp Zugman. (Org.). Vulnerabilidades, resiliência, redes. 1a.ed.São Paulo: Red Publicações, 2015, v. , p. 23-35.

6.
SCHENKER, M.. Capítulo 9. Uma rede em construção no Município de Porto Alegre. In: Assis, SG. (Org.). Crianças, adolescentes e crack- desafios para o cuidado. 1a.ed.Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015, v. , p. 319-382.

7.
SCHENKER, M.; ASSIS, Simone G ; NJAINE, Kathie ; LAGES FM ; IANNELLI A ; Câmara, LP . A rede de promoção, proteção e defesa dos direitos da criança e do adolescente e o SAI. In: Simone Gonçalves de Assis; Luís Otávio Pires Farias. (Org.). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviço de acolhimento. 01ed.São Paulo: Hucitec, 2013, v. 01, p. 221-290.

8.
SCHENKER, M.; MAURICIO, A. . Violência, família e sociedade. In: Simone Assis; Patricia Constantino; Kathie Njaine; Edinilsa R. Souza; Maria Cecília Minayo (Brasil); Nair Teles; Rehana Capurchande (Moçambique). (Org.). Impactos da Violência: Moçambique e Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ensp/Claves, 2011, v. , p. 83-113.

9.
SCHENKER, M.; CAVALCANTE, F. . Violência, família e sociedade.. In: Njaine K; Assis SG; Constantino P.. (Org.). Impactos da Violência na Saúde. 2a.ed.Rio de Janeiro: Fiocruz/EAD/ENSP, 2009, v. , p. 57-78.

10.
CAVALCANTE, F. ; SCHENKER, M. . Famílias que se comunicam através de violência.. In: Njaine K; Assis SG; Constantino P.. (Org.). Impactos da Violência na Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/EAD/ENSP, 2009, v. , p. 197-214.

11.
SCHENKER, M.; ASSIS, S. ; CONSTANTINO, P. . Uso de substâncias e violências.. In: Njaine K; Assis SG; Constantino P.. (Org.). Impactos da Violência na Saúde. 2a.ed.Rio de Janeiro: FIOCRUZ/EAD/ENSP, 2009, v. , p. 239-258.

12.
MINAYO, Maria Cecília de Souza ; SOUZA, E. R. ; CONSTANTINO, P. ; ASSIS, Simone G ; SCHENKER, M. ; SILVEIRA, L. M. B. ; RIBEIRO, A. P. ; CARMO, C. N. ; PIRES, T. O. . Condições de saúde e risco profissional.. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; SOUZA, Edinilsa Ramos de; CONSTANTINO, Patrícia. (Org.). Missão Prevenir e Proteger: condições de vida, trabalho e saúde dos policiais militares do Rio de Janeiro.. 22ed.Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008, v. M663m, p. 183-274.

13.
SCHENKER, M.; ASSIS, S. ; CONSTANTINO, P. . Uso de substâncias e violências.. In: Assis SG. (Org.). Atenção a pessoas em situação de violência sob as perspectivas do ciclo de vida e das vulnerabilidades. Rio de Janeiro: EAD/ENSP, 2007, v. II, p. -.

14.
SCHENKER, M.. A Família na Toxicomania. In: BAPTISTA, M.; CRUZ, M.S.; MATIAS, R.. (Org.). Drogas e Pós-Modernidade. 1ed.Rio de Janeiro: Eduerj/Faperj, 2003, v. 1, p. 207-217.

15.
SCHENKER, M.. Droga, Indivíduo, Família e Sociedade: Paradigma Sistêmico. In: INEM,C.; BAPTISTA,M.. (Org.). Toxicomanias: Abordagem Clínica. Rio de Janeiro: Sette Letras e NEPAD/UERJ, 1997, v. , p. 49-55.

16.
SCHENKER, M.. Reflexões sobre o Vínculo da Dependência nas Famílias Toxicômanas e sua Interação com o Sistema Social. In: BITTENCOURT, L.. (Org.). A Vocação do Êxtase ? uma antologia sobre o homem e suas drogas. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1994, v. , p. 113-119.

17.
SCHENKER, M.. Reflexões sobre a Função Paterna no Sistema Toxicômano. In: ACSELRAD.G.; INEM,C.. (Org.). Drogas:Uma Visão Contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1993, v. , p. 205-211.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
SCHENKER, M.. A Empresa Familiar e os Conflitos Familiares: Reflexões sobre Soluções Possíveis. NEVIANI, BORGES e BEILDECK, Informativo nº 7, Rio de Janeiro, p. 7 - 8, 31 jul. 1997.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
SCHENKER, M.. Questões Quanto ao Vir-a-Ser das Relações Humanas e sua Possível Relação com o Uso Abusivo de Drogas em Nosso Tempo. In: III Congresso Brasileiro de Terapia Familiar -O Indivíduo, a Família e as Redes Sociais na Virada do Século, 2000, Rio de Janeiro. : Anais do III Congresso Brasileiro de Terapia Familiar ? O Indivíduo, a Família e as Redes Sociais na Virada do Século. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Terapia Familiar, 2000. p. 258-262.

2.
SCHENKER, M.. Sobre a Dependência Emocional. In: O Indivíduo, a Família e as Redes Sociais na Virada do Século, 2000, Rio de Janeiro. Anais do III Congresso Brasileiro de Terapia Familiar ? O Indivíduo, a Família e as Redes Sociais na Virada do Século. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Terapia Familiar, 2000. p. 209-212.

Outras produções bibliográficas
1.
SCHENKER, M.. O Mosaico da Violência. Rio de Janeiro: Revista Ciência & Saúde Coletiva, 2005 (Resenha).

2.
SCHENKER, M.. A Família, Trama e Terapia ? Responsabilidade Repartida. Rio de Janeiro: Nova Perspectiva Sistêmica: Instituto de Terapia de Família do Rio de Janeiro, 1992 (Resenha).


Demais tipos de produção técnica
1.
SCHENKER, M.. Uso de substâncias psicoativas: uma questão de família e políticas públicas. 2014. .

Demais trabalhos
1.
SCHENKER, M.. A Família, o Jovem, a Sociedade e o uso de drogas. 2003 (Entrevista no Bom-Dia Rio - TV Globo) .

2.
SCHENKER, M.. A Crise na Família. 2003 (Canal Saúde/Fiocruz) .

3.
SCHENKER, M.. O Uso de Drogas pelos Jovens. 2003 (Entrevista no RJ TV - TV Globo) .



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Teses de doutorado
1.
SOUZA, E. R.; AYRES, L. S. M.; FRARE, A. P.; SCHENKER, M.; CONSTANTINO, P.. Participação em banca de Fabiana Castelo Valadares. Análise da inclusão do tema violência na Rede de Atenção à Saúde Mental no município do Rio de Janeiro. 2013. Tese (Doutorado em Violência e Saúde) - Escola nacional de Saúde Pública Sergio Arouca.

2.
SOUZA, C. M. E.; PERES, S. O.; MONTEIRO, S.; CRUZ, M. S.; LIMA, J. M. B.; SCHENKER, M.. Participação em banca de Patrícia Castro de Oliveira e Silva. Outras drogas da vida: abuso emocional e codependência nas trajetórias de uso de drogas por jovens no Rio de Janeiro. 2012. Tese (Doutorado em EICOS) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

3.
CAVALCANTE, F.; SCHENKER, M.; MINAYO, Maria Cecília S. Participação em banca de Denise Machado Duran Gutierrez. Papel da família na produção de cuidados da saúde: Estudo sócio-antropológico a partir de um bairro popular de Manaus. 2009. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher) - Instituto Fernandes Figueira-Fiocruz.

4.
MINAYO, Maria Cecília de Souza; SCHENKER, M.; CAVALCANTE, Maria de Fátima Gonçalves. Participação em banca de Manola Vidal. Dor e Superação de Mães e Bebês Prematuros: Trajetória da UTI para o convívio familiar.. 2006. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher) - Instituto Fernandes Figueira-Fiocruz.

Qualificações de Doutorado
1.
SCHENKER, M.; NASCIMENTO, E. F.; ASSIS, S.. Participação em banca de Andrea Machado Iannelli. O desafio da reintegração familiar de crianças e adolescentes em acolhimento institucional no município do Rio de Janeiro: em foco os usuários de crack e os filhos de usuários. 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher) - Instituto Fernandes Figueira-Fiocruz.

2.
Lamoglia, CVA; SCHENKER, M.; MINAYO, Maria Cecília de Souza. Participação em banca de Gizelly de Carvalho Martins. Intervenções psicológicas em casais que vivem situação de violência conjugal. 2012. Exame de qualificação (Doutorando em Doutorado em Saúde Pública) - Fundação Oswaldo Cruz.

3.
GOMES, M. P. C.; SCHENKER, M.; SOUZA, E. R.. Participação em banca de Fabiana Castelo Valadares. Análise da inclusão do tema violência ns dispositivos CAPS do Município do Rio de Janeiro. 2011. Exame de qualificação (Doutorando em Doutorado em Saúde Pública) - Fundação Oswaldo Cruz.




Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Curso de capacitação em terapia de família.Visão sistêmico-cibernética, família e violência. 2009. (Outra).

2.
Saúde da Família - 47º. Congresso Científico do Hospital Universitário Pedro ErnestoI Jornada Interestadual RJ/ES de Saúde da Família. Fatores de risco e de proteção para o uso de substâncias lícitas e ilícitas. 2009. (Congresso).

3.
Saúde da Família - 47º. Congresso Científico do Hospital Universitário Pedro ErnestoI Jornada Interestadual RJ/ES de Saúde da Família. Abordagem familiar na atenção primária. 2009. (Congresso).

4.
Valores familiares e uso abusivo de drogas.Valores familiares e uso abusivo de drogas. 2009. (Oficina).

5.
X Simpósio de Terapia Familiar Sistêmica e VII Simpósio Internacional. 2009. (Simpósio).

6.
9º. Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade. Abordagem Familiar. 2008. (Congresso).

7.
VIII Congresso de Terapia Familiar. Violência Intrafamiliar. 2008. (Congresso).

8.
VIII Congresso de Terapia Familiar. Famílias em situaões de dependências: substâncias, jogos e internet.. 2008. (Congresso).

9.
6º. Fórum da Academia Brasileira de Pediatria ? ?As transformações da família e da sociedade e seu impacto na infância e juventude?.O adolescente adicto ao álcool e outras drogas. 2007. (Outra).

10.
I Congresso de Medicina de Família e Comunidade do Rio de Janeiro. Estratégias de abordagem familiar. 2007. (Congresso).

11.
I Seminário O ser humano e seus vínculos-aspectos da dependência química.Implicação da família nos fatores de risco e de proteção ao uso de drogas. 2007. (Seminário).

12.
Violência, família e sociedade: a importância da família na vida da criança e do adolescente.Família e violência intrafamiliar. 2007. (Encontro).

13.
VII Congresso Brasileiro de Terapia Familiar. Valores familiares e uso abusivo de drogas. 2006. (Congresso).

14.
Projeto de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas.A Droga na Cultura dos Jovens. 2004. (Encontro).

15.
Abusos e Proteção de Crianças e Adolescentes.Violência Familiar e Drogas. 2003. (Encontro).

16.
Capacitação em Prevenção e Tratamento do Uso Abusivo de Drogas.Supervisão sobre o tema: Família e Uso Indevido de Drogas. 2003. (Outra).

17.
Curso de Formação Integrada em Problemas relacionados ao Uso de Álcool e outras Drogas.A Família e a Problemática das Drogas. 2003. (Outra).

18.
Encontro com alunos do ensino médio.Família e Uso Indevido de Drogas. 2003. (Encontro).

19.
Encontro com pais de alunos do ensino médio.A Implicação da Família no Uso Indevido de Drogas. 2003. (Encontro).

20.
Encontro com Professores do ensino médio.Um Olhar sobre a Inserção do Jovem na Família. 2003. (Encontro).

21.
IV Simpósio Clínico de Adolescentes.Violência na Família e o Uso de Drogas. 2003. (Simpósio).

22.
Palestra para Pais de alunos do Ensino Médio.Família e uso indevido de drogas. 2003. (Encontro).



Orientações



Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Cynthia Conceição Schmidt Campanati. Enfrentamento do medo da violência em duas unidades de atenção básica de Itaguaí- RJ. 2018. Dissertação (Mestrado em Mestrado) - Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde, . Coorientador: Miriam Schenker.

2.
Gilney Costa Santos. Os sentidos construídos por profissionais de saúde inseridos em equipes de consultórios na rua no Rio de Janeiro sobre o consumo de cack por mulheres. 2016. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Saúde Pública) - Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde, . Coorientador: Miriam Schenker.

3.
Daniella Harth da Costa. Um olhar sistêmico sobre famílias de jovens vítimas de homicídio. 2015. Dissertação (Mestrado em subárea violência e saúde) - Centro Latino Americano de Estudos Sobre Violência e Saúde Jorge Careli, . Coorientador: Miriam Schenker.

4.
Laila Bom Rozemberg. Resiliência na adolescência: uma reflexão sobre o potencial de superação de problemas em meninos e meninas. 2014. Dissertação (Mestrado em Sub área Violência e Saúde) - Centro Latino Americano de Estudos sobre Violência e Saúde, . Coorientador: Miriam Schenker.

5.
Katerine da Cruz Leal Sonoda. Ativismo social como possibilidade de enfrentamento da violência urbana. 2012. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Coorientador: Miriam Schenker.



Inovação



Projetos de pesquisa


Outras informações relevantes


Possuo atividade docente intensa implementada a partir de meu trabalho no Nepad. As áreas contempladas são: Prevenção e Tratamento ao uso indevido e/ou abusivo de drogas.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 21/01/2019 às 10:42:49