Michele de Azevedo Pinto

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9729530538745278
  • Última atualização do currículo em 30/11/2016


Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2004). Atualmente é engenheira florestal do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Manejo Florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de uc, gestão direta, políticas públicas, concessão florestal e manejo florestal. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Michele de Azevedo Pinto
Nome em citações bibliográficas
PINTO, M. A.

Endereço


Endereço Profissional
Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará, DIRETORIA DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS DE PRODUÇÃO.
Avenida João Paulo II, S/n
Curió-Utinga
66610770 - Belém, PA - Brasil
Telefone: (91) 31105710
URL da Homepage: http://ideflorbio.pa.gov.br/


Formação acadêmica/titulação


2010 - 2012
Mestrado profissional em Gestao dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazonia.
Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.
Título: Gestão de Reservas Florestais: Reflexões a Partir da Floresta Estadual do Antimary, Ano de Obtenção: 2012.
Orientador: Mário Vasconcellos Sobrinho.
Palavras-chave: Gestão Direta; Políticas Públicas; Áreas Protegidas; Concessão Florestal.
Grande área: Ciências Agrárias
Setores de atividade: Produção Florestal.
2000 - 2004
Graduação em Engenharia Florestal.
Universidade Federal Rural da Amazônia, UFRA, Brasil.




Formação Complementar


2016 - 2016
Licenciamento Ambiental Municipal - LAM. (Carga horária: 30h).
Instituto Brasileiro de Administração Municipal, IBAM, Brasil.
2016 - 2016
TI - Técnicas de Identificação Botânica em Manejo Florestal. (Carga horária: 40h).
Instituto Floresta Tropical, IFT, Brasil.
2016 - 2016
Gestão Ambiental Municipal - GAM. (Carga horária: 30h).
Instituto Brasileiro de Administração Municipal, IBAM, Brasil.
2015 - 2015
Trabalhador na jardinagem. (Carga horária: 60h).
Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, SENAR PARÁ, Brasil.
2015 - 2015
Cadastro Ambiental Rural (CAR). (Carga horária: 30h).
Instituto Brasileiro de Administração Municipal, IBAM, Brasil.
2015 - 2015
A ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO. (Carga horária: 20h).
ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA, EGP-SEMAD, Brasil.
2015 - 2015
Introdução à Geotecnologia. (Carga horária: 30h).
Instituto Brasileiro de Administração Municipal, IBAM, Brasil.
2011 - 2011
ARCGIS E SPRING - GEOPROCESSAMENTO BÁSICO. (Carga horária: 40h).
Instituto de Estudos Superiores da Amazônia, IESAM / ORPES, Brasil.
2011 - 2011
CULTIVO, CONSERVAÇÃO, PROPAGAÇÃO E FITOQUÍMICA DE PLANTAS MEDICINAIS. (Carga horária: 24h).
EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, EMBRAPA PA, Brasil.
2011 - 2011
USO E PROCESSAMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS. (Carga horária: 24h).
EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, EMBRAPA PA, Brasil.
2010 - 2010
INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO. (Carga horária: 90h).
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, Brasil.
2009 - 2009
Preço de serviço, penalidade de licitação, pregão. (Carga horária: 32h).
Treinamento e Desenvolvimento, TREIDE, Brasil.
2008 - 2008
Gerenciamento de Projetos usando MS Project. (Carga horária: 20h).
Secretaria de Estado de Planejamento, SEPLAN, Brasil.
2008 - 2008
RILSIM 2.1. (Carga horária: 4h).
Instituto Floresta Tropical, IFT, Brasil.
2007 - 2007
Curso Introdutório de Gestão de UC na Amazônia. (Carga horária: 90h).
Instituto de Pesquisas Ecológicas, IPÊ, Brasil.
2000 - 2005
ADVANCED COURSE IN ENGLISH. (Carga horária: 680h).
Aslan's Course S/C Ltda, ASLAN, Brasil.
2003 - 2003
Gerenciamento de Manejo Florestal. (Carga horária: 100h).
Fundação Floresta Tropical, FFT, Brasil.
2003 - 2003
Gestão Ambiental. (Carga horária: 100h).
Fundação UNIRG, UNIRG, Brasil.
2002 - 2002
Evolution and developmental biology. (Carga horária: 45h).
Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.
2002 - 2002
Critérios para interpretação de análise do solo. (Carga horária: 8h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.
2002 - 2002
Lúdico Revolucionário para Transformação Social. (Carga horária: 8h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.
2001 - 2001
Ecologia de Manguezais. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.
2000 - 2000
Cultivo e manipulação de plantas medicinais. (Carga horária: 8h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.
2000 - 2000
Sistemas Agroflorestais. (Carga horária: 12h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.
2000 - 2000
Ecologia de Campo. (Carga horária: 80h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.
2000 - 2000
Anatomia Vegetal. (Carga horária: 36h).
Faculdade de Ciências Agrárias do Pará, FCAP, Brasil.


Atuação Profissional



Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará, IDEFLOR, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: ENGENHEIRA FLORESTAL, Carga horária: 30
Outras informações
Cargo de Engenheira Florestal na Diretoria de Gestão de Florestas Públicas de Produção ? DGFLOP, com a atribuição de realizar o monitoramento do manejo florestal realizado nas concessões florestais em áreas públicas estaduais.


Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Município de Belém, SEMMA, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2015
Vínculo: , Enquadramento Funcional: ENGENHEIRA FLORESTAL, Carga horária: 30
Outras informações
Cargo de Engenheira Florestal na Divisão de Cadastro e Licenciamento ? DCL do Departamento de Controle Ambiental ? DCA, com a atribuição de realizar vistorias, analisar documentos e emitir pareceres técnicos sobre a viabilidade ambiental dos empreendimentos potencialmente poluidores passíveis de licenciamento ambiental localizados no Município de Belém.


FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL, FASE - AMAZÔNIA, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2013
Vínculo: , Enquadramento Funcional: TECNICO DE EDUCAÇÃO NÃO FORMAL, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Técnica de Educação Não Formal com as seguintes atribuições: - Realização de inventários florestais amostrais como base para o monitoramento do manejo de oleaginosas realizadas por comunidades agroextrativistas no Baixo Tocantins; - Assessoria às comunidades tradicionais na gestão e uso dos recursos naturais; - Realização de cursos e oficinas de manejo agroecológicos, uso de GPS, cooperativismo e associativismo, certificação orgânica, mapeamento participativos e cadastramento de famílias agroextrativistas; - Acompanhamento do processo de certificação orgânica do Açaí executado em parceria com cooperativas de pequenos agroextrativistas do Baixo Tocantins; - Assessoria às organizações comunitárias no processo de planejamento, gestão participativa e elaboração de projetos; - Acompanhamento e elaboração de relatórios técnicos do Programa de Valorização de Manejo de Oleaginosas no Território do Baixo Tocantins; - Participação no Grupo de Trabalho para discutir a Política Estadual de Manejo Florestal Comunitária e Familiar; - Acompanhamento da discussão da problemática fundiária e agrária do Território do Baixo Tocantins.


Secretaria de Floresta, SEF, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2010
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Engenharia Florestal, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Lotação: Departamento de Florestas Públicas - Gestão das Unidades de Conservação de categoria Floresta Estadual No período de agosto de 2006 a junho de 2009 atuando como técnica do Departamento de Florestas Públicas com as seguintes atribuições: - Realização de planejamento e gestão de unidade de conservação; No período de julho de 2008 a janeiro de 2009 responsável temporariamente pelo Departamento de Florestas Públicas - SEF No período de abril de 2009 até maio de 2010, responsável temporária pelo Núcleo de Termo de Referência da SEF, além de trabalhar como técnica no Departamento de Florestas Públicas

Atividades

08/2006 - Atual
Serviços técnicos especializados , Secretaria de Floresta, .

Serviço realizado
Engenheira Florestal da Gerência de Manejo Florestal e Áreas Protegidas.

Museu Paraense Emílio Goeldi, MPEG, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2006
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista DTI/LBA, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2004 - 2005
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista ITI/LBA, Carga horária: 20

Vínculo institucional

2001 - 2004
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: bolsista de iniciação científica, Carga horária: 20

Atividades

3/2001 - 7/2001
Estágios , Museu Paraense Emílio Goeldi, .

Estágio realizado
estágio na área de ecologia de insetos.

VIMEX-Vitória Madeireira Exportação LTDA, VIMEX, Brasil.
Vínculo institucional

2005 - 2005
Vínculo: Funcionário Contratado, Enquadramento Funcional: Engenheira Florestal, Carga horária: 44, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Responsável pelo setor de Secagem da Madeira em Estufas

Atividades

06/2005 - 08/2005
Serviços técnicos especializados , Setor de Secagem, .

Serviço realizado
Técnica responsável pela secagem da madeira em estufa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Recursos Florestais e Engenharia Florestal / Subárea: Manejo Florestal.
2.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Recursos Florestais e Engenharia Florestal / Subárea: Técnicas e Operações Florestais.
3.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Recursos Florestais e Engenharia Florestal / Subárea: Técnicas e Operações Florestais/Especialidade: Exploração Florestal.
4.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Recursos Florestais e Engenharia Florestal / Subárea: Manejo Florestal/Especialidade: Administração Florestal.
5.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Recursos Florestais e Engenharia Florestal / Subárea: Manejo Florestal/Especialidade: Política e Legislação Florestal.
6.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Administração.


Idiomas


Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.
Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
PINTO, M. A.2015 PINTO, M. A.; VASCONCELLOS SOBRINHO, M. ; ROCHA, G. M. . Gestão direta de Florestas Públicas: uma Alternativa de gestão territorial em áreas protegidas. Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR), v. 35, p. 321, 2015.

2.
PINTO, M. A.2013 PINTO, M. A.; MORAES, S. C. ; VASCONCELLOS SOBRINHO, M. . GESTÃO DIRETA DE FLORESTA PÚBLICA: CONTEXTO HISTÓRICO E REFLEXÕES A PARTIR DA FLORESTA ESTADUAL DO ANTIMARY, ACRE, AMAZÔNIA. Agrária (São Paulo. Online), v. 18, p. 37, 2013.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
FASE AMAZÔNIA ; COSTA, G. ; POJO, C. O. ; PINTO, M. A. ; SCALABRIN, A. C. . Amazônia em Gestão. Jornal Aldeia, Belém - Pará, p. 1 - 8, 01 jun. 2012.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
PINTO, M. A.; VASCONCELLOS SOBRINHO, M. . GESTÃO DE RESERVAS FLORESTAIS: O CASO DO FLORESTA ESTADUAL DO ANTIMARY. In: 5 ENCONTRO DA REDE DE ESTUDOS RURAIS, 2012, BELÉM. DESENVOLVIMENTO, RURALIDADES E AMBIENTALIZAÇÃO. BELÉM: REDE DE ESTUDOS RURAIS, 2012.

2.
PINTO, M. A.; VASCONCELLOS SOBRINHO, M. . Gestão Direta de Reservas Florestais: limites e possibilidades ? uma análise a partir da Floresta Estadual do Antimary (AC). In: VI Encontro Nacional da Anppas, 2012, Belém - Pará. GT3 - Políticas Públicas, Governança e Meio Ambiente, 2012.

3.
PINTO, M. A.; MARTINS, M. B. . EFEITO DA EXCLUSÃO DE ÁGUA SOBRE A ABUNDÂNCIA DOS DIPTERA PRESENTES NA LITEIRA DE UMA FLORESTA DE TERRA FIRME. In: II CONGRESSO DE ESTUDANTES E BOLSISTAS DO LBA, 2005, MANAUS. II CONGRESSO DE ESTUDANTES E BOLSISTAS DO LBA, 2005.

4.
PINTO, M. A.; MARTINS, Marlúcia B . Efeito da exclusão de água sobre a composição e abundancia dos Diptera da macrofauna de solo em liteira de uma floresta de terra firme.. In: XI SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA, 2003, Belém. XI SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA, 2003.

5.
PINTO, M. A.; MARTINS, Marlúcia B ; PRAXEDES, Catarina Lurdes ; FURTADO, Ivaneide da Silva ; BASANTE, Flávio Teixeira . Efeito da exclusão de água sobre a abundância dos Diptera da macrofauna de solo em liteira de uma floresta de terra firme. In: VI CONGRESSO DE ECOLOGIA, 2003, Fortaleza. VI CONGRESSO DE ECOLOGIA, 2003.

6.
BASANTE, Flávio Teixeira ; MARTINS, Marlúcia B ; PINTO, M. A. ; PRAXEDES, Catarina Lurdes ; FURTADO, Ivaneide da Silva . Avaliação da abundância e representatividade das larvas de Hexapoda na biomassa do solo na área experimental Esecaflor, na Estação Científica Ferreira Penna, Caxiuanã. In: VI CONGRESSO DE ECOLOGIA, 2003, Fortaleza. VI CONGRESSO DE ECOLOGIA, 2003.

7.
PINTO, M. A.; GUIMARÃES, D. G. ; MASCARENHAS, B. M. . Avaliação da herbivoria foliar em plantas aquáticas do rio Curuá, Caxiuanã-Pa. In: 53º Congresso Nacional de Botânica 25º Reunião Nordestina de Botânica, 2002, Recife. 53º Congresso Nacional de Botânica e 25º Reunião Nordestina de Botânica, 2002.

8.
PINTO, M. A.; MARTINS, M. B. . Análise da composição e abundância dos dípteros da macrofauna de solo em liteira de uma floresta de terra firme. In: X Seminário de Iniciação Científica, 2002, Belém. X Seminário de Iniciação Científica, 2002.


Demais tipos de produção técnica
1.
PINTO, M. A.. RESERVAS EXTRATIVISTAS. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
SOARES, C. C. ; MORAES, I. S. ; SIMONETI, A. C. C. ; ANDRADE, M. T. V. S. ; PINTO, M. A. ; NARDUCCI, T. S. . PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL DO ESTADO DO PARÁ 2016. 2016. (Governamental).

3.
SOARES, C. C. ; ANDRADE, M. T. V. S. ; PINTO, M. A. ; NARDUCCI, T. S. ; MORAES, I. S. ; SIMONETI, A. C. C. . Diretriz para apresentação e elaboração do plano operacional anual (POA).. 2016. (Governamental).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL NO ACRE. 2009. (Seminário).

2.
II CONGRESSO DE ESTUDANTES E BOLSISTAS DO LBA. Efeito de exclusão de água sobre a abundância dos dípteros presentes na liteira de uma floresta de terra firme. 2005. (Congresso).

3.
53º Congresso Nacional de Botânica 25º Reunião Nordestina de Botânica. Avaliação da herbivoria foliar em plantas aquáticas do Rio Curuá, Caxiuanã-Pa. 2002. (Congresso).

4.
XI SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA DA FCAP. 2002. (Seminário).

5.
X Seminário de Iniciação Científica PIBIC.Análise da decomposição e abundância dos dípteros da macrofauna de solo em liteira de uma floresta de terra firme. 2002. (Seminário).

6.
VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE COMPENSADO DE MADEIRA. 2001. (Congresso).

7.
XIII ENCONTRO DE ZOOLOGIA DO NORDESTE. 2001. (Encontro).

8.
III SEMANA DE VALORIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO AGRÁRIA. 2000. (Outra).

9.
IV CICLO DE PALESTAS DA FCAP. 2000. (Outra).

10.
X Seminário de Iniciação Científica da FCAP. 2000. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
PINTO, M. A.. Uso e processamento de plantas medicinais. 2011. (Outro).



Educação e Popularização de C & T



Cursos de curta duração ministrados
1.
PINTO, M. A.. RESERVAS EXTRATIVISTAS. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 22/10/2018 às 15:39:40