Kherian Galvão Cesar Gracher

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/4845305099984136
  • Última atualização do currículo em 07/03/2018


Doutorando (2016 -) pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina na área de Lógica e Epistemologia, orientado pelo Dr. Décio Krause e co-orientado pelo Dr. Newton Carneiro Affonso da Costa. Mestre em Filosofia (2014-16) pela mesma instituição e também orientado pelo Dr. Décio Krause. Anteriormente, obteve o título de Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto (2008-12). Tem experiência em Filosofia Analítica, com ênfase em Metafísica, Filosofia da Lógica, Epistemologia, Filosofia da Ciência e História da Filosofia. Trabalha também com divulgação de Filosofia para o grande público, contribuindo para o portal Universo Racionalista como também sendo dono do canal de Youtube chamado "SciFilo". (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Kherian Galvão Cesar Gracher
Nome em citações bibliográficas
GRACHER, K.


Formação acadêmica/titulação


2016
Doutorado em andamento em Filosofia.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Orientador: Décio Krause.
Coorientador: Newton Carneiro Affonso da Costa.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Filosofia da Lógica; Lógica; Metafísica.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Lógica e Epistemologia.
2014 - 2016
Mestrado em Filosofia.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: É a Identidade Fundamental?,Ano de Obtenção: 2016.
Orientador: Décio Krause.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Identidade; Lógica; Metafísica; Filosofia da Lógica.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Lógica e Epistemologia.
2008 - 2013
Graduação em Filosofia.
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
Título: Uma Resposta ao Problema Lógico do Mal Moral.
Orientador: Prof. Dr. Sérgio Ricardo Neves de Miranda.
2005 - 2007
Ensino Médio (2º grau).
Colégio Albert Einstein, AB, Brasil.
1999 - 2004
Ensino Fundamental (1º grau).
Colégio Albert Einstein, AB, Brasil.




Formação Complementar


2013 - 2013
Avaliação em Filosofia - O Que Avaliar e Como?. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
2012 - 2012
Existência e Ser. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
2011 - 2011
Evidência Visual e Representação Científica. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
2011 - 2011
Metafísica e Meta-Metafísica do Nominalismo. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
2010 - 2010
Princípios Bioéticos e Algumas Aplicações. (Carga horária: 12h).
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Doutorado, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2014 - 2016
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Mestrado, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

09/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Filosofia., .


Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais, FAPEMIG, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2011
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Iniciação Científica


Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2012
Vínculo: Bolsista Graduando, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Iniciação Científica



Linhas de pesquisa


1.
Lógica e Fundamentos da Ciência


Projetos de pesquisa


2016 - Atual
Estudos Sobre a Identidade: Aspectos Metafísicos, Formais e Seus Problemas
Descrição: Usamos o conceito de identidade em diversas situações, seja na matemática, nas ciências empíricas, ou mesmo em nosso dia-a-dia. Todavia, compreendermos a natureza desta relação ainda é um problema em aberto. O que é a identidade? O que seria esta relação que toda a entidade mantêm consigo, e somente consigo mesmo? Ao longo da tradição filosófica diversos autores tentaram responder esses problemas, oferecendo caracterizações para o conceito de identidade. Como veremos, é argumentável que certas características foram preservadas ao longo do tempo, de modo que chamaremos tal abordagem de "Teoria Tradicional da Identidade", considerando o filósofo alemão Gottfried Leibniz como o seu principal expoente. A análise da identidade oferecida por Leibniz influenciou o modo como os sistemas formais clássicos (e.g., lógica de primeira-ordem, de ordem-superior, teorias erigidas sobre tais sistemas, como a teoria clássica de conjuntos ou mesmo a matemática standard) compreendem e introduzem a noção de identidade em suas linguagens. Neste projeto visamos analisar o modo com a identidade foi tradicionalmente compreendida. Na primeira parte daremos atenção aos aspectos metafísicos desta noção, que a compreende como: uma relação universal, que todos as entidades mantêm consigo mesmo e não mantêm com outros; que determina a unicidade das entidade, i.e., uma característica que determina a individuação; cuja natureza é descrita em termos de indiscernibilidade das entidades; e uma relação que preserva a substituição salva veritate. Na segunda parte daremos atenção aos aspectos formais da identidade, compreendida como uma relação binária de congruência (i.e., reflexiva, simétrica, transitiva e que preserva a substitutividade). Veremos nesta parte os modos de se introduzir a identidade em linguagens formais, seja como conceito primitivo ou definido e, posteriormente, certos aspectos que envolvem teoria de modelos - como a tentativa de interpretar a relação de identidade na linguagem como capturando a diagonal do domínio da estrutura que a modela. Na terceira parte iremos expor brevemente certos problemas apontados às definições formais de identidade. Por fim, discorremos sobre as principais propostas desse projeto que, de modo geral, visa investigar possíveis soluções para os problemas apresentados..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Kherian Galvão Cesar Gracher - Integrante / Décio Krause - Coordenador / Newton Carneiro Affonso da Costa - Integrante.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.
2014 - 2016
É a Identidade Fundamental?
Descrição: Tradicionalmente a identidade é adotada como uma noção fundamental de nosso arcabouço conceitual e como um componente metafísico fundamental das entidades. Mas logo ao fazermos essa afirmação nos deparamos com dois problemas: O que é a identidade? E por que ela seria fundamental? Estas perguntas irão nos guiar à discussão conduzida por Otávio Bueno (2014), Décio Krause e Jonas Arenhart (2015). Bueno defende que há quatro aspectos que fazem a identidade ser fundamental: (1) A identidade é pressuposta em todo sistema conceitual; (2) é requerida para uma caracterização mínima de indivíduo; (3) não pode ser definida; e (4) a identidade é requerida para a quantificação. Por outro lado, Krause e Arenhart recusam a tese de que a identidade seja fundamental, respondendo aos argumentos de Bueno. Neste trabalho iremos tratar desse debate. Na introdução iremos tratar do primeiro problema ? O que é a identidade? ?, mostrando como este conceito é tradicionalmente compreendido, tanto suas características metafísicas como também seu tratamento formal. Posteriormente iremos tratar de cada um dos quatro aspectos defendidos por Bueno e atacados por Krause e Arenhart. Além da exposição crítica de cada posição iremos também oferecer outros argumentos para o debate atual. Ao final iremos esboçar uma posição alternativa às defendidas ao longo do texto..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (1) .
Integrantes: Kherian Galvão Cesar Gracher - Integrante / Décio Krause - Coordenador.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.
2011 - 2012
A Definição de Conhecimento
Descrição: Tradicionalmente o conhecimento é definido contendo três condições necessárias e conjuntamente suficientes, nomeadamente, crença verdadeira e justificada (dá-se o nome a esta definição como "tripartida"). Em 1963 o filósofo americano Edmund Gettier publicou um artigo intitulado "Is Justified True Belief Knowledge?", no qual apresenta contraexemplo a definição tripartida e demonstra que suas condições não são conjuntamente suficientes para o conhecimento. Esta pesquisa visa analisar a definição tripartida e os contraexemplos de Gettier, as tentativas contemporâneas de definição do conhecimento e um problema secundário, conhecido como o problema do valor do conhecimento..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Kherian Galvão Cesar Gracher - Integrante / Sérgio Ricardo Neves de Miranda - Coordenador.Financiador(es): Universidade Federal de Ouro Preto - Bolsa.
2010 - 2011
Pensando uma ordem cosmopolita: uma analise da obra Para a Paz Perpétua, de Immanuel Kant.
Descrição: Análise da obra "Para a Paz Perpétua" do filósofo alemão Immanuel Kant, com o intuito de responder questões de cunho mais básico e expositivo da obra kantiana - como a explicação conceitual acerca do que é a "paz perpétua" para Kant - como análises mais profundadas, como se o tratado proposto na obra é passível de ser efetivada em um estado e se é capaz de levar a paz..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Kherian Galvão Cesar Gracher - Integrante / Douglas Garcia Alves Júnior - Coordenador.Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - Bolsa.


Membro de corpo editorial


2012 - 2013
Periódico: Investigação Filosófica


Revisor de periódico


2012 - 2014
Periódico: Investigação Filosófica
2014 - Atual
Periódico: Logica Universalis (Online)


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Metafísica.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Lógica.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Filosofia da Ciência.
5.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia.
6.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende PoucoLê Razoavelmente.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
GRACHER, K.2016 GRACHER, K.. Teria o Metro-Padrão um metro?. PRINCIPIA (FLORIANÓPOLIS. ONLINE), v. 19, p. 465-474, 2016.

2.
GRACHER, K.2015 GRACHER, K.. Identidade, Indiscernibilidade e Lógica. Fundamento: revista de filosofia, v. 1, p. 21-40, 2015.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
GRACHER, K.; CFER, T. . Filosofia: ciências humanas e suas tecnologias. 1. ed. Sistema de Ensino Poliedro, 2015.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
GRACHER, K.. Quasi-Truth and Possible Worlds. In: 10th Principia International Symposium, 2017, Florianópolis. Caderno de Resumos, 2017.

2.
GRACHER, K.. Modality and Quasi-Truth: A Possible-World Semantics for Quasi-Truth Theory. In: 3rd Filomena, 2017, Natal. Caderno de Resumos, 2017.

3.
GRACHER, K.. Troubles With The Concept of Identity. In: Ninth Principia International Symposium, 2015, Florianópolis. Ninth Principia International Symposium, 2015.

4.
GRACHER, K.. São as propriedades essenciais triviais e não-triviais explicitamente definíveis?. In: II Congresso da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica, 2012, Fortaleza. Caderno de Resumo, 2012. p. 75-76.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
GRACHER, K.. Será a crença na própria falibilidade uma crença infalível?. In: V Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia, 2012, Ouro Preto. Caderno de Resumo, 2012.

2.
GRACHER, K.; MIRANDA, S. R. N. . O Problema do Valor do Conhecimento. In: XX Seminário de Iniciação Científica da UFOP, 2012, Ouro Preto. Anais do SIC-UFOP, 2012.

3.
GRACHER, K.. Distinguindo Propriedades Essenciais e Necessárias. In: IV Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP, 2011, Ouro Preto. Caderno de Resumo, 2011.

4.
GRACHER, K.. Desconstruindo a ideia de uma eugenia liberal. In: XIII Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia da USP, 2010, São Paulo. Caderno de Resumo, 2010.

5.
GRACHER, K.; Alves Júnior, Douglas Garcia. . Kant e a Fundamentação da Paz Perpétua. In: XVIII Seminário de Iniciação Científica da UFOP, 2010, Ouro Preto. Anais do SIC-UFOP, 2010.

6.
GRACHER, K.. O ceticismo antigo como resposta ao dogmatismo filosófico. In: XIII Encontro de Pesquisa na Graduação em Filosofia da Unicamp, 2009, Campinas. Caderno de Resumos, 2009. p. 63-64.

7.
GRACHER, K.. Argumentação e ceticismo como solução ao dogmatismo filosófico. In: II Encontro Nacional de Filosofia da UFOP, 2009, Ouro Preto. Caderno de Resumos, 2009.

Artigos aceitos para publicação
1.
GRACHER, K.. Identidade e Sistemas Conceituais. Metatheoria: Revista de Filosofía e Historia de la Ciencia, 2017.

Apresentações de Trabalho
1.
GRACHER, K.. Quasi-Truth and Possible Worlds. 2017. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

2.
GRACHER, K.. Modality and Quasi-Truth: A Possible-World Semantics for Quasi-Truth Theory. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.
GRACHER, K.. Quase-Verdade e Mundos Possíveis. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
GRACHER, K.. Quantum Superpositions: a (different) modal logic approach. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
GRACHER, K.. Problemas com a identidade. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

6.
GRACHER, K.. Os clássicos que me perdoem, mas (talvez) a identidade não seja tão fundamental.... 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

7.
GRACHER, K.. Troubles With The Concept of Identity. 2015. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

8.
GRACHER, K.. Teria o Metro-Padrão um Metro?. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
GRACHER, K.. São as propriedades essenciais triviais e não-triviais explicitamente definíveis?. 2012. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

10.
GRACHER, K.. Será a crença na própria falibilidade uma crença infalível?. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).


Demais tipos de produção técnica
1.
GRACHER, K.; PINHEIRO, F. F. ; NUNES FILHO, L. M. ; ARROYO, R. W. . Filosofia da Ciência. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
GRACHER, K.; SANTOS, B. A. G. . Como Fazer um Ensaio Filosófico?. 2014. .



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
10th Principia International Symposium.Quasi-Truth and Possible Worlds. 2017. (Simpósio).

2.
3rd Filomena. Modality and Quasi-Truth: A Possible-World Semantics for Quasi-Truth Theory. 2017. (Congresso).

3.
IV International Workshop on Quantum Mechanics and Quantum Information: physical, philosophical and logical perspectives.Quantum Superpositions: a (different) modal logic approach. 2017. (Outra).

4.
9th Principia International Symposium.Troubles With The Concept of Identity. 2015. (Simpósio).

5.
II Congresso da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica. São as propriedades essenciais triviais e não-triviais explicitamente definíveis?. 2012. (Congresso).

6.
V Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP.Será a crença na própria falibilidade uma crença infalível?. 2012. (Encontro).

7.
XX Seminário de Iniciação Científica - UFOP.O Problema do Valor do Conhecimento. 2012. (Seminário).

8.
IV Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP.Distinguindo Propriedades Essenciais e Necessárias. 2011. (Encontro).

9.
III Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP. 2010. (Encontro).

10.
XIII Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia da USP.Desconstruindo a ideia de uma eugenia liberal. 2010. (Encontro).

11.
XVIII Seminário de Iniciação Científica da UFOP.Kant e a Fundamentação da Paz Perpétua. 2010. (Seminário).

12.
II Encontro Nacional de Filosofia da UFOP.Argumentação e ceticismo como solução ao dogmatismo filosófico. 2009. (Encontro).

13.
XII Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia da USP. 2009. (Encontro).

14.
XIII Encontro de Pesquisa na Graduação em Filosofia da Unicamp.O ceticismo antigo como resposta ao dogmatismo filosófico. 2009. (Encontro).

15.
I Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP. 2008. (Encontro).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
ARENHART, J. R. B. ; KRAUSE, D. ; ARROYO, R. W. ; GRACHER, K. . IV International Workshop on Quantum Mechanics and Quantum Information: physical, philosophical and logical perspectives. 2017. (Outro).

2.
GRACHER, K.. V Encontro Nacional de Pesquisa em Filosofia da UFOP. 2012. (Congresso).

3.
GRACHER, K.. II Reunião do Grupo de Estudos Online de Filosofia da Física. 2011. (Outro).

4.
GRACHER, K.. I Reunião Anual do Grupo de Estudos Online e Presencial de Filosofia da Física. 2010. (Outro).

5.
GRACHER, K.. II Encontro Nacional de Pesquisa da UFOP. 2009. (Outro).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 22/10/2018 às 14:36:34