Rodrigo Pinto de Brito

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1844128902889523
  • Última atualização do currículo em 16/10/2018


Bacharelado e Licenciatura Plena em Filosofia pela UERJ (2001-2006); Mestrado (2009-2010) e Doutorado (2011-2013) em Filosofia pela PUC-Rio; Licenciatura incompleta em Letras Português-Grego pela UERJ (2011-2013). Pós-Doutorado em Filosofia pela University of Kent- UK (2015). No momento, vem cursando o Doutoramento em Linguística pela UFJF (2018-atual). É professor de História da Filosofia Clássica e Helenística na UFS (2013- atual). Atua em pesquisas e traduções de fontes primárias nas áreas de História da Filosofia Helenística e Tardo-Antiga, notadamente Ceticismo Pirrônico e Estoicismo. Publicou pela EdUNESP duas traduções de obras de Sexto Empírico em parceria com Rafael Huguenin (Contra os retóricos: 2013; Contra os gramáticos: 2015) e vários artigos sobre o tema. É membro dos grupos de estudo: ARCHAI-UnB (Filosofias Helenísticas e Tardo-antigas: recepção e dialética); GEFIL-UFS (concepções antigas de ?linguagem?); Laboratório de Estudos Hum(e)anos-UFF (da Filosofia Política e das crenças); Diáspora Atlântica dos Sefarditas-UFS (as correntes e temas filosóficos que perpassam a obra de Abraham cohen de Herrera). (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Rodrigo Pinto de Brito
Nome em citações bibliográficas
BRITO, R. P.

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal de Sergipe, Departamento de filosofia.
A. Marechal Rondon, s/n
Rosa Elze
49100000 - São Cristóvão, SE - Brasil
Telefone: (79) 21056737


Formação acadêmica/titulação


2018
Doutorado em andamento em Lingüística.
Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, Brasil.
Título: Tradução de 'Contra os Lógicos', de Sexto Empírico (provisório).,
Orientador: Fábio da Silva Fortes.
Coorientador: Ana Paula Grillo El-jaick.
Palavras-chave: Sexto Empírico; Lógica; Ceticismo.
Grande área: Lingüística, Letras e Artes
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: história da filosofia helenística.
2011 - 2013
Doutorado em Filosofia.
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Título: Da Coerência Pragmática da Dýnamis Cética em uma Perspectiva Dialética, Ano de obtenção: 2013.
Orientador: Danilo Marcondes de Souza Filho.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Pirronismo; Estoicismo; Apraxía; História da Filosofia Helenística; usos da linguagem; Tradução de 'Contra os retóricos'.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Antiga e Medieval.
Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: Línguas Clássicas / Especialidade: PORTUGUÊS / GREGO.
2009 - 2010
Mestrado em Filosofia.
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Título: A DEFESA CÉTICA DIANTE DO ARGUMENTO DE QUE O CETICISMO NÃO PODE SER VIVIDO NA PRÁTICA: DA DÚBIA VIDA DE PIRRO AO PIRRONISMO TERAPÊUTICO DE SEXTO EMPÍRICO.,Ano de Obtenção: 2010.
Orientador: Danilo Marcondes de Souza Filho.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: boa vida; Ceticismo; ceticismo moderno; História da Filosofia Helenística; Insulamento; Pirronismo.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Lógica / Especialidade: Filosofia da Linguagem.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética / Especialidade: Boa Vida.
2011 interrompida
Graduação interrompida em 2013 em Letras: Português / Grego.
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Ano de interrupção: 2013
2001 - 2006
Graduação em Filosofia (Bacharelado).
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Título: Ceticismo Antigo: gênese da dúvida e boa vida..
Orientador: Karla de Almeida Chediak.
2001 - 2006
Graduação em Licenciatura Plena em Filosofia.
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.


Pós-doutorado


2015 - 2015
Pós-Doutorado.
University of Kent, U. KENT, Inglaterra.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História das Ciências.


Formação Complementar


2016 - 2016
Extensão universitária em Academic Writing in English. (Carga horária: 24h).
British Council, Inglaterra.


Atuação Profissional



Universidade de Brasília, UnB, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - Atual
Vínculo: Professor permanente do Mestra, Enquadramento Funcional: Professor Permanente do Mestrado em Metafísic, Carga horária: 6
Outras informações
Colaborador da Pós-Graduação em Filosofia da UnB.

Atividades

08/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de Filosofia, .

Linhas de pesquisa
Filosofias helenísticas

Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor Colaborador do Mestrado em Filosofi, Carga horária: 6

Vínculo institucional

2013 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor efetivo, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Coordenador de Tutores - CESAD/ UAB, Carga horária: 20
Outras informações
Trata-se da coordenação geral dos tutores do curso de filosofia pelo sistema CESAD/ UAB. Bolsa CAPES.

Atividades

12/2015 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de filosofia, .

02/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Mestrado em Filosofia - UFS, .

Linhas de pesquisa
Conhecimento e Linguagem
01/2014 - Atual
Extensão universitária , Departamento de filosofia, .

Atividade de extensão realizada
Cinema, mídia de massa e ideologia..
06/2013 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de História, .

05/2013 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de filosofia, .

05/2013 - Atual
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História da Filosofia Antiga, Clássica e Helenística I
História da Filosofia Antiga, Clássica e Helenística II
Pesquisa Filosófica I
Pesquisa Filosófica II
Tópicos Especiais de Filosofia Clássica e Helenística

Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - 2013
Vínculo: Professor Assistente, Enquadramento Funcional: Professor Assistente de Magistério de 3° Grau, Carga horária: 40
Outras informações
Disciplinas ministradas no período de 2012/1: *Introdução à Filosofia (para o curso de Comunicação Social); *Introdução à Filosofia (para cursos sortidos); *Epistemologia III, epistemologia Estoica (optativa do curso de Filosofia). Ver ementa em: http://cardapiofilosofiauff.blogspot.com.br/2012/01/epistemologia-iii-rodrigo-pinto-de.html Disciplinas ministradas no período de 2012/2: *Introdução à Filosofia (para o curso de Comunicação Social); *História da Filosofia Antiga IV, "Filósofos Proto-céticos, Pirro e os Primeiros Pirrônicos" (optativa do curso de Filosofia). Ver ementa em: http://cardapiofilosofiauff.blogspot.com.br/2012/11/filosofia-antiga-iv-rodrigo-brito-20122.html

Atividades

05/2011 - 11/2013
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, .

05/2012 - 03/2013
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia
Epistemologia III
História da Filosofia Antiga IV

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2013
Vínculo: Pesquisador de Doutorado, Enquadramento Funcional: Pesquisador de Doutorado

Vínculo institucional

2011 - 2011
Vínculo: Professor Horista, Enquadramento Funcional: Professor Agregado 03, Carga horária: 4

Vínculo institucional

2009 - 2010
Vínculo: Pesquisador Bolsista/ Mestrado, Enquadramento Funcional: Pesquisador de Mestrado

Atividades

03/2011 - 04/2013
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de Filosofia, .

03/2011 - 06/2011
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia
02/2009 - 12/2010
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de Filosofia, .


Secretaria Estadual Educação -RJ, SEEDUC - RJ, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2013
Vínculo: Professor Docente I, Enquadramento Funcional: Docente I, Carga horária: 16
Outras informações
Professor de Ensino Médio, modalidades: Regular e EJA. Disciplinas: Filosofia e Sociologia.

Atividades

04/2008 - 04/2013
Ensino,

Disciplinas ministradas
Filosofia (Regular e EJA)
Sociologia (Regular e EJA)
Horta Comunitária (Projeto Definido)
Zines e HQs (Projeto Definido)
Composição Textual (Projeto Definido)

Projeto de Estudos Judaico-Helenísiticos, PEJ-UNB, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2014
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 0
Outras informações
O PEJ tem procurado preencher lacuna no campo dos estudos da Antigüidade no Brasil, enfocando o mundo do Oriente Próximo helenístico e romano com ênfase na produção literária religiosa e na historiografia. São áreas nas quais pouco se tem feito no mundo acadêmico do Brasil nos últimos 50 anos, o que justifica a importância do trabalho do PEJ. O PEJ objetiva em médio prazo a formação de quadros na área de História Antiga e Estudos Clássicos: desde a sua fundação em 2001 o grupo tem encaminhado seus componentes para a pós-graduação em instituições brasileiras e estrangeiras, sempre almejando a consolidação da área de estudos relacionados à religiosidade e historiografia no mundo helenístico e romano.

Atividades

05/2011 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Departamento de História, .


Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Vínculo institucional

2003 - 2003
Vínculo: Pesquisador Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 12

Vínculo institucional

2001 - 2002
Vínculo: Pesquisador Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 12

Atividades

03/2001 - 06/2003
Estágios , Departamento de Ciências Sociais, .

Estágio realizado
Pesquisa do Programa de Estudos e Pesquisa das Religiões (PROEPER).

University of Kent, U. KENT, Inglaterra.
Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: pós-Doutorado, Enquadramento Funcional: Pesquisador Visitante, Carga horária: 40



Linhas de pesquisa


1.
Filosofia da Linguagem, História da Filosofia: A DEFESA CÉTICA DIANTE DO ARGUMENTO DE QUE O CETICISMO NÃO PODE SER VIVIDO NA PRÁTICA: DA DÚBIA VIDA DE PIRRO AO PIRRONISMO TERAPÊUTICO DE SEXTO EMPÍRICO

Objetivo: The present work is a search for the original meaning of the skepticism as thought by Sextus Empiricus. Beginning with a depuration of the common sense?s pejorative understanding around the words skeptic and skepticism, we pass to a brief history of the skepticism since the philosophers called ?proto-skeptics?, passing through Pyrrho and his disciples, through the Academic skepticism, arriving to Sextus Empiricus and his therapeutic skepticism. Thus, we verify how different emphasis were being given to different stages of the skeptical reflection, some of then coming to disappear, others being recognized as parts of skeptical argumentative armory. Once arguing that the skepticism is a way of living, we passed to a reflection about the practical viability of living in a genuine skeptical way. We detected the origin of the main argument against the possibility of the skeptical life, the argument of the apraxía, which induces the skeptic to a self-refutation. From this point our main concern was comprehend the developments of the argument of the apraxía until David Hume, and also the developments of the skeptical defense, initially developed by Arcesilaus, against the Stoa?s philosophy until Sextus Empiricus. We think that Sextus, in his foundation of a skeptical live, had stepped forward Hume, this hypothesis once verified allowed us to rethink the accusation that the skeptic refutes himself, as well as rethink the scope of the suspension of judgment..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Doxografia.
Palavras-chave: Pirronismo; boa vida; Sexto Empírico; Ceticismo.
2.
Da coerência pragmática da dýnamis cética em uma perspectiva dialética

Objetivo: Research project in which we develop a way to interpret the Ancient skepticism, especially the pyrrhonic one, and we exempt the skeptical dýnamis of the apraxia?s accusation. This interpretive ?middle way? emerges as a mode to overcome the aporias between the rustic and urbane interpretations, and it has its efficiency tested when applied as an exegetical tool for ?Against the Rethors?..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Doxografia.
Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Palavras-chave: Pirronismo; Ceticismo; Sexto Empírico; Tradução de 'Contra os retóricos'; pragmática da linguagem.
3.
As filosofias helenisticas e tardo-antigas

Objetivo: Oferecer consultoria constante e fomentar a produção acadêmica acerca do contexto histórico do período helenístico e da antiguidade tardia, voltando-se notadamente para o aspecto sincrético das sociedades mediterrâneas à época, através da investigação de fontes primárias e dos paradigmas metodológicos da microhistória, lexicografia e hibridismo cultural..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: filosofias helenísticas e tardo-antigas.
Palavras-chave: historiografia; sincretismo; hibridismo; lexicografia; microhistória.
4.
Ceticismo Antigo, Desenvolvimento e Legado

Objetivo: O senso comum trata o ceticismo como uma espécie de postura dubitativa em que agir ceticamente conduz à negação da possibilidade de algo. Por exemplo: cético é aquele que duvida de discos voadores, ou de deus, e categoricamente afirma que eles não existem. O cético então se torna uma espécie de dogmático, seu dogma é o da descrença e o ceticismo seria só mais uma seita, embora negativa. Mas, essa confusão não se restringe somente ao senso comum e mesmo argutos pensadores não têm a perspicácia necessária para compreender algumas das sutilezas que envolvem a (s) filosofia (s) cética (s), de modo que acusações de que o ceticismo conduz a uma vida que não pode ser vivida eram levantadas mesmo séculos antes de Sexto Empírico, quando do longo debate ocorrido entre os líderes da Stoá e os da Academia em fase cética. Desse modo, diante do problema da acusação de que o ceticismo conduz a uma vida que não pode ser vivida na prática, os céticos antigos (incluindo Sexto Empírico) se defenderam, mas ao fazerem isso deram margens a uma nova crítica: a de que eram dogmáticos disfarçados, posto que ao defenderem o ceticismo defendiam a doutrina filosófica que criam ser a melhor. Assim, o argumento da apraxía, que acusa o cético de não poder viver, é só a isca que traz consigo o anzol, o problema da auto-refutabilidade, pelo o qual o cético se refutaria ao defender-se. Então, tendo em mente os problemas que envolvem a assunção de uma atitude cética, o objetivo maior dessa linha de pesquisa é oferecer o arcabouço teórico adequado para aqueles que porventura desejem afirmarem-se como céticos, ou mesmo aderir temporariamente a uma postura filosófica cética, sem serem confutados por isso. Para tal oferecemos orientação acerca do ceticismo antigo, notadamente,e de seu legado e desenvolvimento, com os seguintes objetivos secundários, em suma: demonstrar os fundamentos do ceticismo; verificar como os vários desenvolvimentos dessa filosofia se deram em um profundo panorama dialético..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Filosofia Moderna.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: história da filosofia helenística.
Palavras-chave: Ceticismo; ceticismo moderno; Pirronismo; Sexto Empírico.
5.
O pensamento filosófico antigo e medieval

Objetivo: Vinculado ao Departamento de História da UFS e ao grupo Vivarium, a presente linha de pesquisa visa considerar não somente os impactos das filosofias antigas, helenísticas, tardo-antigas ou medievais, mas também os ambientes culturais e materiais dos seus surgimentos, desenvolvimentos e retomadas, partindo, portanto, de um ponto de vista analítico que principia com o contexto e incide sobre o texto..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: história da filosofia antiga.
Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Palavras-chave: história antiga; doxografia; hibridismo.
6.
Conhecimento e Linguagem
7.
GEFILUFS Filosofia da linguagem

Objetivo: capacitar alunos em temas relativos ao "guarda-chuva" da filosofia da linguagem..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Lógica / Especialidade: Filosofia da Linguagem.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Palavras-chave: filosofia da linguagem; História da Filosofia Helenística; Ceticismo.
8.
FILOSOFIA CLÁSSICA (ÉTICA, ESTÉTICA, EPISTEMOLOGIA)

Objetivo: Fomentar discussões constantes acerca da filosofia clássica, suas vertentes, tanto as mais difundidas quanto as mais olvidadas, suas partes componentes (ética, estética, epistemologia, mas também: física, metafísica e filosofia da linguagem), verificando, ademais, os desdobramentos e impactos causados por sua recepção..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: letras clássicas português/grego.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: história antiga.
Palavras-chave: ética; estética; Epistemologia; física; metafísica.
9.
Filosofias helenísticas


Projetos de pesquisa


2015 - 2015
A recepção dos argumentos céticos pelos padres da Igreja
Descrição: A intrincada teia das relações entre, por um lado, ceticismo, e, por outro, cristianismo, está longe de ser evidente, e quaisquer asserções que denotem uma dicotomia entre eles devem ser evitadas. Esse intrincamento se deve, em parte, aos caráteres multifacetados tanto do ceticismo quanto do cristianismo, que em ambos os casos se torna exacerbado ao decorrer do tempo. Mas, além disso, precisamente nesses caráteres multifacetados se embutem conceitos, atribuições ou asserções que fazem com que seus campos semânticos sejam aparentemente mutuamente excludentes e mesmo radicalmente opostos. Por exemplo: no caso do ceticismo, a dúvida e a descrença, propedêuticas ao ateísmo; no caso do cristianismo, a fé e o dogma, propedêuticos ao fanatismo. Contudo, pretendemos nesta pesquisa demonstrar, através dos exemplos paradigmáticos de Filo de Alexandria, Clemente de Alexandria, Hipólito de Roma e Eusébio de Cesareia (alguns dos autores favoritos daqueles Renascentistas do círculo de Ficino, de onde também partiram os textos de Sexto Empírico para a Europa culta ) que houve um processo de influência mútua entre o ceticismo e o cristianismo, onde o ceticismo é entendido como um modo de argumentação notadamente utilizado para refutar a astrologia e também seria propedêutico para a fé..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2013 - 2016
Viva vox
Descrição: O Viva Vox realiza pesquisas sobre a filosofia clássica e e contemporânea, produzindo traduções, artigos e livros, bem como promovendo cursos de extensão e palestras voltadas para os alunos da UFS e para a comunidade em geral. O Viva Vox realizou em 2011 seu terceiro seminário de pesquisa (19 a 20 de outubro), oportunidade em que foi lançada a tradução de 'A Tríade do Guerreiro Estoico', de James B. Stockdale, trabalho realizado por Aldo Dinucci e Alexandre Cabeceiras. Por outro lado, a Dra. Constança Terezinha Marcondes Cesar publicou, em 2011, o livro Crise e liberdade em Merleau-Ponty e Ricoeur, pela editora Idéias e Letras, de Aparecida, e também prefaciou o livro O legado de Paul Ricoeur, de Leonhardt e Corá, editado em Guarapuava, pela UNICENTRO, em 2011. Quanto à participação em eventos, destaca-se a participação, como conferencista, da Dra. Constança Terezinha Marcondes Cesar no Colóquio Bachelard, Science, Poésie, une Nouvelle Éthique, que ocorreu em Agosto de 2012 no Centre Culturel de Cerisy-La-Salle. Na ocasião, a Dra. COnstança proferiu conferência intitulada "La psychanalyse chez Bachelard et chez Ricoeur: une étude". Destaca-se também o fato de a Dra. Constança ter-se tornado, em 2012, membro do conselho cientifico da revista Diotima, de Atenas. Também recentemente, em 27 de Abril de 2012, o Viva Vox lançou dois livros eletrônicos: O "Encheirídion de Epicteto (Edição Bilíngue)" e a terceira edição do "Introdução ao Manual de Epicteto". Ambas as obras podem ser baixadas no site: http://200.17.141.110/periodicos/prometeus/editora.htm.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (7) / Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Integrante / Aldo Lopes Dinucci - Coordenador / Antônio Carlos de Oliveira Rodrigues - Integrante / João Alexandre de Viveiros Cabeceiras - Integrante / Constança Teresinha Marcondes Cesar - Integrante / Alfredo Julien - Integrante.
2013 - 2016
Lektón e Axiôma na Lógica Proposicional Estoica
Descrição: No presente projeto deter-nos-emos na análise dos conceitos de lektón e axioma na lógica proposicional estoica. Como se sabe, poucas obras dos estoicos nos chegaram intactas. Assim, para conhecermos suas doutrinas, teremos de nos valer dos testemunhos e citações de outros autores antigos, em razão do que, em relação a todos os tópicos abaixo, iremos consultar a monumental obra de Von Arnim, Stoicorum Veterum Fragmenta (cf. referências bibliográficas), na qual são coletados e relacionados os fragmentos referentes aos antigos estoicos, bem como a obra de Long e Sedley intitulada Hellenistic Philosophers (cf. referências bibliográficas), na qual fragmentos referentes aos estoicos, céticos e epicuristas são apresentados em edição bilíngue e brevemente comentados. Ora, sabemos que a lógica estoica se divide em duas partes: (1) uma teoria dos axiōmata e (2) uma teoria dos argumentos (lógoi), sendo os argumentos compostos por axiōmata. Como observa Bobzien (2003, p. 85), a lógica estoica é uma lógica proposicional cujas inferências tratam das relações entre os axiōmata, detentores primários de valor de verdade ou falsidade. Um axiōma é definido como ?um lektón completo em si mesmo que pode ser afirmado no que concerne a si mesmo? (Sexto Empírico, Hipóteses Pirrônicas, 2.104). Assim, os axiōmata pertencem ao gênero dos lékta completos em si mesmos, sendo os lékta entidades intermediárias entre o mundo e os sons vocais. Segundo Bobzien: ?Lektá são os sentidos subjacentes a tudo o que pensamos ou dizemos; subjazem a toda representação racional que temos e subsistem mesmo quando ninguém pensa neles ou os pronuncia? (Bobzien, 2003, p. 86). Quanto a isso, caber-nos-á primeiramente investigar a noção estoica de lektón e, após, analisar o conceito de axiōma na filosofia estoica..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Integrante / Aldo Lopes Dinucci - Coordenador.
2013 - 2014
Vivarium - Laboratório de Estudos da Antiguidade e do Medievo
Descrição: O Vivarium - Laboratório de Estudos da Antiguidade e do Medievo surge como um grupo de pesquisa inserido no Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe. Tendo como principal iniciativa proporcionar a consolidação da pesquisa acadêmica de História Antiga e Medieval no estado de Sergipe, o grupo contribuirá, assim, para a formação de profissionais de História no âmbito regional, como, também, fortalecer estas áreas de ensino, pesquisa e extensão na referida IFES. Buscando contemplar a diversidade temática destas áreas, o grupo se desdobra em quatro linhas de pesquisa que visam abarcar a graduação e a pós-graduação em História na UFS. Contudo, sem ignorar a interdisciplinaridade, em especial, com as áreas de Filosofia, Letras, Museologia, Arquitetura, Teatro e Música..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2013 - Atual
TRADUÇÃO BILÍNGUE E ESPELHADA DE SEXTO EMPÍRICO, ?CONTRA OS PROFESSORES?.
Descrição: Sexto Empírico ? o filósofo/médico cético ? é um personagem sobre o qual pouco se pode saber. Contudo, apesar das referências ao ceticismo da média academia em Cícero e em Diógenes Laércio, que também discorre sobre o pirronismo (igualmente citado, mas esparsamente, por Eusébio de Cesareia, Galeno e Plutarco), nenhuma outra fonte é minimamente equiparável em riqueza à vasta produção literária de Sexto Empírico, que conserva fragmentos importantes de filósofos mais antigos, desde Tales, bem como dos filósofos helenísticos, como os estoicos e epicuristas. A literatura sextiana, após eclipsada durante toda a Idade Média, reapareceu na Europa do séc. XV. Desse modo, há uma edição latina dos ?Esboços Pirrônicos? (?Pirroniarum Informacionum libri?), datando de 1470, bastante próxima do texto original em grego, que foi utilizada por Hermann Mutschmann na sua edição crítica das obras de Sexto. Há outra versão latina, também de 1470, do mesmo livro (?Pirronie Informaciones?), bem como de fragmentos de ?Adversus Mathematicos? III-V. Outra tradução latina do séc. XV é a de Giovanni Lorenzi, que faleceu em 1501. Do séc. XVI, há a versão latina de John Wolley, que viveu entre 1530-96, bem como uma tradução de cerca de 1550, ainda não estudada, dos ?Esboços Pirrônicos?, de Paéz de Castro, um grande humanista espanhol que lia hebraico, grego, caldeu e árabe e que fazia parte do círculo de Florian de Ocampo, Juan de Vergara, Alvar Gómez, Ambrosio de Morales, Diego Hurtado de Mendoza, e do cardeal de Burgos, de quem se tornou bibliotecário. Provavelmente, o manuscrito grego que Paéz utilizou para a tradução é um que pertenceu até o séc. XVII ao Convento de S. Vicente de Plasencia e hoje é identificado como ?Ms. Madrid Bib. Nac. 4709 (O 30)?. Apesar disso, com a exceção de Gianfrancesco Pico della Mirandola, que lia grego e pôde ler Sexto no original, a tradução mais largamente difundida foi a versão latina de Estienne de 1562, que é a fonte mais provável de Sanchez, Montaigne, Charron e, mais tarde, Gassendi e mesmo Descartes, embora não se saiba ao certo quais autores céticos ele tenha realmente lido. Do séc. XVII há a edição das obras de Sexto de 1621 dos irmãos Chouet, também a edição inglesa completa dos ?Esboços Pirrônicos? na popularíssima ?História da Filosofia?, de Thomas Stanley (publicada de 1655 a 1660 e reimpressa em 1687). No séc. XVIII, tem-se a edição de J. A. Fabricius do texto grego, com tradução latina, das obras completas de Sexto Empírico. Além disso, houve a tradução francesa das obras completas de Sexto, de 1725, e uma tradução em três livros dos ?Esboços Pirrônicos?, por Claude Huart (?Les Hipotiposes ou Institutions Pirroniennes de Sextus Empiricus en trois livres, Traduites du grec?) que tem duas revisões detalhadas, uma de 1726 (Leipzig), e outra de 1727 (nas ?Memoires de Trevoux?) em que o pirronismo é atacado por vinte e seis páginas, posto que ameaçaria a verdadeira religião..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Coordenador / Rafael Huguenin - Integrante.Financiador(es): UFS - HERMES - Auxílio financeiro.
2011 - 2014
PEJ - UnB : Análise do desenvolvimento das filosofias no período helenístico
Descrição: O PEJ tem procurado preencher lacuna no campo dos estudos da Antigüidade no Brasil, enfocando o mundo do Oriente Próximo helenístico e romano com ênfase na produção literária religiosa e na historiografia. São áreas nas quais pouco se tem feito no mundo acadêmico do Brasil nos últimos 50 anos, o que justifica a importância do trabalho do PEJ. Temos participado de eventos em nível nacional, nomeadamente dos congressos bienais da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC); os estudantes do grupo são em geral alunos do Departamento de História da UnB, orientados por professor da mesma instituição. O PEJ objetiva em médio prazo a formação de quadros na área de História Antiga e Estudos Clássicos: desde a sua fundação em 2001 o grupo tem encaminhado seus componentes para a pós-graduação em instituições brasileiras e estrangeiras, sempre almejando a consolidação da área de estudos relacionados à religiosidade e historiografia no mundo helenístico e romano..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (8) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Integrante / Vicente Carlos Rodrigues Dobroruka - Coordenador / Henrique Modanez de Sant'Anna - Integrante / Carmen Licia Palazzo - Integrante / Eduardo Fabbro - Integrante / Isaias Lobão Pereira Júnior - Integrante / Julio Cesar Dias Chaves - Integrante / Lyvia Vasconcelos Baptista - Integrante / Marcus Oliver Throup - Integrante / Marcus Vinícius Ramos - Integrante / Maria Regina Candido - Integrante / Míriam Reis Jorge Bergo - Integrante / Raul Vitor Rodrigues Peixoto - Integrante / Tupá Guerra Guimarães da Silva - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Outra.
Número de produções C, T & A: 19
2011 - 2013
Da coerência pragmática da dýnamis cética em uma perspectiva dialética
Descrição: Pesquisa de Doutorado..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Integrante / Danilo Marcondes de Souza Filho - Coordenador.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 29
2009 - 2010
A DEFESA CÉTICA DIANTE DO ARGUMENTO DE QUE O CETICISMO NÃO PODE SER VIVIDO NA PRÁTICA: DA DÚBIA VIDA DE PIRRO AO PIRRONISMO TERAPÊUTICO DE SEXTO EMPÍRICO
Descrição: Pesquisa de Mestrado..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Integrante / Danilo Marcondes de Souza Filho - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 16


Projetos de extensão


2015 - Atual
Debates em Cultura Clássica: limites e possibilidades
Descrição: Justificativa: O objetivo primário do projeto é suscitar, através de contatos com fontes antigas gregas, reflexões sobre sociabilidades e valores hodiernos, o que consequentemente possibilita a propagação, por antítese, de valores humanísticos ocidentais de civilidade, como: ética, sociedade/estado, natureza humana, convenções e natureza, argumentação, beleza e virtude. Para tal, é necessário um contato com a língua original dos documentos que serão utilizados, ou seja, com a língua grega. Assim, por objetivo secundário se terá a capacitação e instrumentalização para a abordagem da língua grega antiga, níveis básico e intermediário. Finalmente, pensamos que assim podemos lançar as bases para um grupo de extensão universitária que trate das diferentes manifestações da cultura clássica..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (10) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Coordenador / Marcos Ribeiro Balieiro - Integrante / Marcos Deyvinson Ferreira Damacena - Integrante / Allan Wolney Mesquita Santos - Integrante.
2014 - 2014
Cinema, mídia de massa e ideologia
Descrição: Tendo em vista a contundência dos filmes considerados 'mainstream' ou mesmo 'B' sobre a grande massa de espectadores de TV, cinema e internet, pretendemos identificar as ideologias veiculadas por esse 'media', através de uma abordagem crítica comprometida com o mapeamento contextual e discursivo que permeia um tipo de mídia altamente abrangente e coercitivo..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Coordenador / Marcos Ribeiro Balieiro - Integrante.
2001 - 2003
Programa de Estudos e Pesquisa de Religiões
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.


Outros Projetos


2015 - Atual
PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: Tradução de Sexto Empírico: "Contra os professores"
Descrição: Sexto Empírico ? o filósofo/médico cético ? é um personagem sobre o qual pouco se pode saber . Contudo, apesar das referências ao ceticismo da média academia em Cícero e em Diógenes Laércio, que também discorre sobre o pirronismo (igualmente citado, mas esparsamente, por Eusébio de Cesareia, Galeno e Plutarco ), nenhuma outra fonte é minimamente equiparável em riqueza à vasta produção literária de Sexto Empírico, que conserva fragmentos importantes de filósofos mais antigos, desde Tales, bem como dos filósofos helenísticos, como os estoicos e epicuristas. A literatura sextiana, após eclipsada durante toda a Idade Média, reapareceu na Europa do séc. XV. Desse modo, há uma edição latina dos ?Esboços Pirrônicos? (?Pirroniarum Informacionum libri?), datando de 1470, bastante próxima do texto original em grego, que foi utilizada por Hermann Mutschmann na sua edição crítica das obras de Sexto . Há outra versão latina, também de 1470, do mesmo livro (?Pirronie Informaciones?), bem como de fragmentos de ?Adversus Mathematicos? III-V. Outra tradução latina do séc. XV é a de Giovanni Lorenzi, que faleceu em 1501. Apesar disso, ainda não há obras completas de Sexto em português..
Situação: Em andamento; Natureza: Outra.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Coordenador / Rafael Huguenin - Integrante.
2015 - Atual
PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: O conceito de elemento em Aristóteles
Descrição: O conceito de "elemento", conforme pensa Aristóteles, se não foi de fato utilizado pela física dos pré-socráticos, serviria para compreender essa física, cuja preocupação primordial é precisamente identificar o "elemento" originário que atuaria como causa material para o cosmos. Contudo, Aristóteles, partindo de um uso meramente de âmbito físico para o conceito de "elemento", emprega o conceito de outros modos, passando a ser identificado como causa mateial de um modo mais abrangente, incluindo desde letras (enquanto causa material das palavras) até entimemas (elementos da retórica). E é justamente esta maior abrangência dos empregos do vocábulo "elemento" que faz com que o conceito seja visto como imprescindível para os filósofos posteriores que pretenderam fazer ciência ou meramente comentar as obras do estagirita..
Situação: Em andamento; Natureza: Outra.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Rodrigo Pinto de Brito - Coordenador / João Alexandre de Viveiros Cabeceiras - Integrante.


Membro de corpo editorial


2016 - Atual
Periódico: Sképsis (Salvador. Online)
2013 - Atual
Periódico: Prometeus. Filosofia em Revista
2012 - Atual
Periódico: Breviário de Filosofia Pública - ISSN 2236-420X


Revisor de periódico


2013 - Atual
Periódico: Revista Aproximação
2013 - Atual
Periódico: Prometeus. Filosofia em Revista
2013 - Atual
Periódico: Revista Rónai
2014 - 2014
Periódico: Clássica, revista da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos


Revisor de projeto de fomento


2015 - Atual
Agência de fomento: Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal
2015 - Atual
Agência de fomento: Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia/Especialidade: Filosofia Helenística.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia/Especialidade: Filosofia Antiga.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Filosofia Moderna.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Epistemologia.
5.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Filosofia da Linguagem.
6.
Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Letras / Subárea: Línguas Clássicas/Especialidade: PORTUGUÊS / GREGO.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Francês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

Outras
Total de trabalhos:17
Total de citações:63
BRITO, Rodrigo Pinto de.  Data: 21/09/2018

Artigos completos publicados em periódicos

1.
BRITO, R. P.2018BRITO, R. P.. Sobre o De Sectis de Galeno e o empirismo de Sexto Empírico. Sképsis (Salvador. Impresso), v. ix, p. 8-25, 2018.

2.
BRITO, R. P.2018BRITO, R. P.; SANTOS NETO, P. R. ; PEREIRA, M. R. S. . TABELAS DE DUPLA CONVERSÃO COM TODAS AS MENÇÕES DE SEXTO EMPÍRICO POR PORCHAT: primeira chave, de PORCHAT (2007) a SEXTO.. Sképsis (Salvador. Impresso), v. 1, p. 1-27, 2018.

3.
BRITO, R. P.2018BRITO, R. P.; PEREIRA, M. R. S. ; SANTOS NETO, P. R. . TABELAS DE DUPLA CONVERSÃO COM TODAS AS MENÇÕES A SEXTO EMPÍRICO POR PORCHAT: segunda chave, de SEXTO a PORCHAT (2007).. Sképsis (Salvador. Impresso), v. 1, p. 1-21, 2018.

4.
BRITO, R. P.2018BRITO, R. P.; PEREIRA, M. R. S. . TERCEIRA E QUARTA TABELAS DE DUPLA CONVERSÃO COM TODAS AS MENÇÕES DE SEXTO EMPIRICO POR PORCHAT (in: A noção de phainómenon em Sexto Empírico. Analytica, vol 17, nº2, 2013). Chaves de conversão: 1- PORCHAT a SEXTO; 2- SEXTO a PORCHAT.. Sképsis (Salvador. Impresso), v. 1, p. 1-12, 2018.

5.
BRITO, R. P.2017BRITO, R. P.; Morais, L. I. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. . Some notes on Sextus Empiricus? method of approaching the téchnai. REVISTA ARCHAI: REVISTA DE ESTUDOS SOBRE AS ORIGENS DO PENSAMENTO OCIDENTAL, v. 21, p. 251-279, 2017.

6.
BRITO, R. P.2017BRITO, R. P.. Sobre Cabalismo e Filosofia ou Entre Atenas e Jerusalém: Lisboa, Amsterdã, Florença, Recife.... BREVIÁRIO DE FILOSOFIA PÚBLICA, v. 1, p. 104-115, 2017.

7.
BRITO, R. P.2016BRITO, R. P.. PORQUE O ESTUDO DE GALENO PODE CONTRIBUIR PARA A COMPREENSÃO DE SEXTO EMPÍRICO? (TRADUÇÃO DE GALENO, DAS SEITAS MÉDICAS PARA OS INICIANTES, 1.64.1- 1.69.5, BILÍNGUE, COM INTRODUÇÃO). PROMETEUS. FILOSOFIA EM REVISTA, v. 09, p. 187-2016, 2016.

8.
BRITO, R. P.2016BRITO, R. P.. Sexto Empírico: ética, linguagem e epistemologia do século II d.C. em Alexandria. CODEX: Revista Discente de Estudos Clássicos, v. 4, p. 40-63, 2016.

9.
BRITO, R. P.2016BRITO, R. P.. O ataque de Sexto Empírico às téchnai (in: M I-VI) e seu caráter político-pedagógico. ÉTICA E FILOSOFIA POLÍTICA, v. 2, p. 233-242, 2016.

10.
DINUCCI, A. L.2016DINUCCI, A. L. ; BRITO, R. P. . Diatribes 19 e 20 de Musônio Rufo: sobre vestuário, habitação e utensílios domésticos. Revista ARCHAI. As origens do pensamento ocidental, v. 16, p. 201, 2016.

11.
BRITO, R. P.2015BRITO, R. P.. Apresentação e tradução das Proposições I-IX, Livro I, da Puerta del Cielo, de Abraham de Cohen de Herrera. Prometeus. Filosofia em Revista, v. 8, p. 17-37, 2015.

12.
BRITO, R. P.2015BRITO, R. P.. A sucessão de Pirro e a transmissão de seu arcabouço conceitual. Anais de Filosofia Clássica (Online), v. 7, p. 58-73, 2015.

13.
BRITO, R. P.2015BRITO, R. P.. A física da Stoá. Anais de Filosofia Clássica (Online), v. 7, p. 55-73, 2015.

14.
BRITO, R. P.2015BRITO, R. P.. ALGUMAS OUTRAS PALAVRAS SOBRE CETICISMO E CRISTIANISMO. ARCHAI - REVISTA DE ESTUDOS SOBRE AS ORIGENS DO PENSAMENTO, v. 14, p. 26-37, 2015.

15.
BRITO, R. P.2014BRITO, R. P.. A TEOGONIA DE FERECIDES DE SYROS E O AMBIENTE CULTURAL DO PORTO HELENO-FENÍCIO DE SYROS: UM EXERCÍCIO EM TEORIA E METODOLOGIA DE HISTÓRIA. Prometeus. Filosofia em Revista, v. 7, p. 43-63, 2014.

16.
BRITO, R. P.2014BRITO, R. P.. Notas sobre a 'Vida de Pirro'. Prometeus. Filosofia em Revista, v. 7, p. 83-100, 2014.

17.
BRITO, R. P.2014BRITO, R. P.. Uma 'via média' interpretativa para o ceticismo sextiano e sua aplicação na análise de 'Contra os Retóricos'. Sképsis (Salvador. Online), v. 1, p. 33-69, 2014.

18.
DINUCCI, A. L.2014DINUCCI, A. L. ; BRITO, R. P. . Tradução e Apresentação da Diatribe de Epicteto 1.5. Revista de Filosofia Antiga (USP. Ed. português), v. 08, p. 116-132, 2014.

19.
BRITO, R. P.2014BRITO, R. P.. Reflexões sobre 'Contra os retóricos', de Sexto Empírico. Boletim de Estudos Clássicos, v. 59, p. 35-53, 2014.

20.
BRITO, R. P.2013BRITO, R. P.. Quadros conceituais do ceticismo anterior a Sexto Empíricio. Prometeus. Filosofia em Revista, v. 06, p. 121-140, 2013.

21.
BRITO, R. P.2013BRITO, R. P.. O Imperialismo Macedônico e o ocaso das escolas socráticas de filosofia.. Revista Mundo Antigo, v. ii, p. 55-72, 2013.

22.
BRITO, R. P.2012BRITO, R. P.. Análise de fonte primária, parte 02: Sexto Empírico, 'Contra os Lógicos' I, 27.. Boletim de Estudos Clássicos, v. 57, p. 19-24, 2012.

23.
BRITO, R. P.2012BRITO, R. P.. Sexto Empírico e os quatro pilares da vida cética. Revista Estudos Hum(e)anos, v. 4, p. 22-31, 2012.

24.
BRITO, R. P.2012BRITO, R. P.. O Imperialismo Macedônico como causalidade histórica do ocaso das Escolas Socráticas de filosofia e o papel da Stoá. MARE NOSTRUM: História e Integração no Mediterrâneo Antigo, v. 3, p. 1-18, 2012.

25.
BRITO, R. P.2012BRITO, R. P.. Algumas considerações sobre a retomada do ceticismo no período moderno e a acusação de apraxia. Revista Estudos Hum(e)anos, v. 05, p. 26-37, 2012.

26.
BRITO, R. P.2012BRITO, R. P.. O Estoicismo e suas 'máximas': Epicteto. Breviário de Filosofia Pública, v. 78, p. 282-304, 2012.

27.
BRITO, R. P.2011BRITO, R. P.. Uma Breve História do Ceticismo Antigo. Gaia (Rio de Janeiro), v. 07-X, p. 85-117, 2011.

28.
BRITO, R. P.2011BRITO, R. P.. A RECEPÇÃO DO CETICISMO NA MODERNIDADE E O PROBLEMA DO INSULAMENTO. Theoria (Pouso Alegre), v. 03, p. 62-87, 2011.

29.
BRITO, R. P.2011BRITO, R. P.. PIRRO E ÍNDIA, SIMILARIDADES ENTRE O PIRRONISMO E O JAINISMO. Alethéia (Goiânia), v. 1/2, p. 52-60, 2011.

30.
BRITO, R. P.2011BRITO, R. P.. Análise de Fonte Primária: Sexto Empírico, 'Contra os Lógicos' I, 1-26.. Breviário de Filosofia Pública, v. 41, p. 1, 2011.

31.
BRITO, R. P.2011BRITO, R. P.. Análise de fonte primária: Sexto Empírico, 'Contra os Lógicos' 1-26. Boletim de Estudos Clássicos, v. 56, p. 19-27, 2011.

32.
BRITO, R. P.2010BRITO, R. P.. Pirro e Índia (Considerações sobre Flintoff). Alter (Rio de Janeiro), v. 14, p. 4-5, 2010.

33.
BRITO, R. P.2010BRITO, R. P.. Breves considerações sobre Proto-ceticismo. Alter (Rio de Janeiro), v. 15, p. 4-5, 2010.

34.
BRITO, R. P.2010BRITO, R. P.. O Contexto da Descoberta do Novo Mundo, Revolução Científica e Reforma Protestante e Seu Impacto Sobre Montaigne. Alter (Rio de Janeiro), v. 16, p. 2-3, 2010.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
DINUCCI, A. L. ; DUARTE, V. ; FONTES, L. M. ; BRITO, R. P. ; CABECEIRAS, J. A. V. . Introdução à Lógica Proposicional Estoica. 1. ed. São Cristóvão/ SE: Editora UFS, 2016. v. 1. 168p .

2.
EMPIRICO, S. ; BRITO, R. P. ; HUGUENIN, R. ; DINUCCI, A. L. ; EL-JAICK, A. P. G. ; FORTES, F. ; DUARTE, V. . Contra os Gramáticos. 1. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 2015. v. 1. 254p .

3.
EMPIRICO, S. ; BRITO, R. P. ; HUGUENIN, R. . Contra os Retóricos. 1. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 2013. v. 1. 92p .

Capítulos de livros publicados
1.
BRITO, R. P.. Considerações sensualistas antigas sobre o belo e a arte ou "Sexto Empírico e o bom/belo grego".. In: Izabela Bocayuva; Maria Inês Anachoreta. (Org.). O belo na antiguidade grega. 1ed.Rio de Janeiro: NAU, 2017, v. 1, p. 177-192.

2.
SILVA, M ; BRITO, R. P. . Apresentação e tradução das proposições I-IX, livro I, da Puerta del Cielo, de Abraham Cohen de Herrera. In: Marcos Silva. (Org.). Nefesh Peregrina. 1ed.Curitiba: CRV Editora, 2017, v. 1, p. 37-55.

3.
BRITO, R. P.; HUGUENIN, R. . Paráfrase do Tratado do Não-Ser em Sexto Empírico. In: DINUCCI, A.. (Org.). Górgias de Leontinos. 1ed.São Paulo: Oficina do Livro, 2017, v. , p. 93-101.

4.
BRITO, R. P.. A Física da Stoá. In: Marcelo Carvalho; Vinicios Figueiro. (Org.). XV Encontro nacional ANPOF - Livros. 1ed.São Paulo: ANPOF, 2013, v. 1, p. 533-565.

5.
BRITO, R. P.. Boa Vida no Helenismo. In: Maria Regina Cândido. (Org.). ROMA E AS SOCIEDADES DA ANTIGÜIDADE, Política, Cultura e Economia.. 1ed.Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2008, v. 1, p. 82-86.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
BRITO, R. P.. Sopa de letrinhas ao molho trágico. Livre Imprensa, Rio de Janeiro, 19 out. 2012.

2.
BRITO, R. P.. 'Avenida Brasil' e a filosofia. Jornal A Voz da Serra, Nova Friburgo, p. 7 - 7, 16 out. 2012.

3.
BRITO, R. P.. 'O doce aroma do querosene': Ler, ver, ouvir. Jornal A Voz da Serra, Nova Friburgo, p. 05 - 05, 18 ago. 2012.

4.
BRITO, R. P.. Boa Vida no Helenismo. Roma e as Sociedades da Antigüidade, Rio de Janeiro, p. 82 - 86, 11 maio 2008.

5.
BRITO, R. P.. O Falso. Submídia, Rio de Janeiro, p. 14 - 20, 03 maio 2007.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
BRITO, R. P.. Considerações sobre o conhecimento no primeiro estoicismo. In: SAF XI, 2013, Rio de Janeiro. Analógos. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2012. v. XIII. p. 29-37.

2.
BRITO, R. P.. UMA VIA ENTRE O CAMPO E A CIDADE: POR UMA INTERPRETAÇÃO MÉDIA ENTRE O CETICISMO RÚSTICO DE BURNYEAT E O URBANO DE FREDE.. In: SAF XII (semana dos Alunos de Filosofia da PUC-Rio), 2011, Rio de Janeiro. Analógos (PUCRJ). Rio de Janeiro, 2011. v. XII. p. 376-385.

3.
BRITO, R. P.. Sobre o que Jaz o Sensualismo de Empédocles. In: III Seminário de Filosofia Antiga (os pré-socráticos e suas influências), 2009, Rio de Janeiro. Anais de Filosofia Antiga, 2009. v. 3.

4.
BRITO, R. P.. Raízes Proto-céticas. In: 1° Seminário de Filosofia Antiga, Discursos Antigos, Interpretações Atuais., 2007, Rio de Janeiro. Anais de Filosofia Antiga, 2007. v. 1.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
BRITO, R. P.. Suburban outlines (or: neither Rustic or Urbane). In: VII International Meeting on Skepticism, 2018, Natal - RN. VII International Meeting on Skepticism: programação e resumos. Maio 2018.. Natal - RN: Editora da UFRN, 2018. v. 01. p. 38-39.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
BRITO, R. P.. O ataque de Sexto de Empírico às téchnai (in: M I-VI) e seu caráter político/pedagógico. In: XII Seminário Internacional Archai, 2014, Coimbra/ Portugal. Caderno de resumos do XII seminário internacional archai. Coimbra/ Portugal: Universidade de Coimbra, 2014. v. 01. p. 18-18.

2.
BEZERRA, C.C. ; BRITO, R. P. . AÇÕES ÚTEIS E SEM FUNDAMENTAÇÕES FILOSÓFICAS NA MÉDIA ACADEMIA E EM RORTY: CETICISMO, PRAGMATISMO, ANTIFILOSOFIA E SUA EFICIÊNCIA. In: I Congresso Internacional sobre Éticas Gregas e Filosofia Contemporânea, 2013, São Cristóvão. Anais do I Congresso sobre Éticas Gregas e Filosofia Contemporânea. São Cristóvão: UFS, 2013. p. 23-46.

3.
BRITO, R. P.. Algumas notas sobre o desaparecimento das escolas socráticas e o surgimento da Stoá.. In: XXII Ciclo de debates em História Antiga, 2012, Rio de Janeiro. História e Narrativas: XXII ciclo de debates em história antiga.. Rio de Janeiro: LHIA- Instituto de história - UFRJ, 2012. p. 43-44.

4.
BRITO, R. P.. A 'Vida de Pirro' em D. L. IX, 61-71.. In: I Colóquio de História Antiga, Ensino e Pesquisa no Brasil., 2012, Niterói. I Colóquio de História Antiga, Ensino e Pesquisa no Brasil.. Niterói: Dep. de História da UFF, 2012. v. 1. p. 10-10.

5.
BRITO, R. P.. A física da Stoá. In: XV Encontro da ANPOF, 2012, Curitiba. Caderno de resumos da ANPOF. São Paulo: ANPOF, 2012. v. 1. p. 689-689.

6.
BRITO, R. P.. Deus e Natureza no Primeiro Estoicismo. In: 2° congresso internacional de religião, mito e magia na antiguidade., 2012, Rio de Janeiro. II congresso internacional de religião mito e magia na antiguidade. Rio de Janeiro: UERJ, 2012. v. 1. p. 47-47.

7.
BRITO, R. P.. SEXTO EMPÍRICO (ALEXANDRIA, SÉCULO II D.C.) E A DISTINÇÃO ENTRE A LINGUAGEM DO CÉTICO E A DO DOGMÁTICO: INDÍCIOS DA NOÇÃO DE ?USOS DA LINGUAGEM??. In: V Congresso de Letras Clássicas e Orientais & I Congresso Nacional de Letras Clássicas e Orientais, 2011, Rio de Janeiro. Principia (Rio de Janeiro), 2011. p. 50-51.

8.
BRITO, R. P.. O Contexto do Imperialismo Macedônico e o Surgimento das Principais Filosofias Helenísticas. In: III Encontro Nacional de Estudos Sobre o Mediterrâneo Antigo & X Fórum de Debates em História Antiga da UERJ, 2011, Rio de Janeiro. Mémorias do Mediterrâneo Antigo: Novas Perspectivas sobre as Práticas Imperialistas na Antiguidade, 2011. p. 58.

9.
BRITO, R. P.. A Expansão de Alexandre como Causalidade Histórica Originária das Principais Filosofias do Período Helenístico. In: XXI Ciclo de Debates em História Antiga, 2011, Rio de Janeiro. Caderno de Resumos, 2011. p. 10.

10.
BRITO, R. P.. Problemas acerca da expansão de Alexandre como causalidade histórica originária das principais filosofias do período helenístico.. In: I Encontro regional de cultura clássica do estado do Rio de Janeiro, 2011, Rio de Janeiro. Estudos Clássicos, perspectivas na contemporaneidade.. Rio de Janeiro: Horus Educacional., 2011. v. 01. p. 33-33.

11.
BRITO, R. P.. Podemos dizer algo sobre o ambiente cultural do Egeu no século VI a.C a partir da Teogonia de Ferecides de Syros?. In: XX Ciclo de Debates em História Antiga, 2010, Rio de Janeiro. Unidade e Diversidade. Rio de Janeiro: Laboratório de História Antiga da UFRJ, 2010. v. 79. p. 25-25.

12.
BRITO, R. P.. A Origem do Argumento da Auto-refutabilidade do Ceticismo e a Réplica de Arcesilao no Debate Academia X Stoa.. In: XIV Encontro Nacional da Anpof, 2010, Águas de Lindóia - SP. Livro de Atas do XIV Encontro Nacional da Anpof. Campinas - SP: Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia, 2010. v. 14. p. 508-509.

13.
BRITO, R. P.. Qual a relevância da Teogonia de Ferecides de Syros para a transição do pensamento mítico para o filosófico e para a elaboração de uma explicação natural da natureza?. In: Congresso internacional Tempus Fugit: processo, mudança, transição., 2010, Niterói. Tempus Fugit: processo, mudança, transição.. Niterói: CEIA - UFF, 2010. v. 01. p. 21-21.

14.
BRITO, R. P.. Aspectos inquietantes da teogonia de Ferecides de Syros. In: I Congresso internacional de religião, mito e magia no Mundo Antigo., 2010, Rio de Janeiro. Fórum de Debates em História Antiga. Rio de Janeiro: NEA - Núcleo de Estudos da Antiguidade - UERJ, 2010. v. 01. p. 67-68.

15.
BRITO, R. P.. Pirro e Índia, similaridades entre pirronismo e jainismo. In: III Congresso Brasileiro de Filosofia da Religião, 2009, Brasília- DF. Anais do III Congresso Brasileiro de Filosofia da Religião. Brasília: Épocca Editora/ Qualidade Gráfica e Editora, 2009. v. 3. p. 75-75.

Apresentações de Trabalho
1.
BRITO, R. P.. o ceticismo suburbano e a teoria dos atos de fala de J. L. Austin (1956/1962). 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
BRITO, R. P.. Sexto Empírico e as Téchnai. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
BRITO, R. P.. Ceticismo, Empirismo e as téchnai. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
BRITO, R. P.. Principais problemas acerca do ceticismo de Sexto Empírico e sua concepção de techne. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
BRITO, R. P.. SUBURBAN OUTLINES (OR: NEITHER RUSTIC NOR URBANE).. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

6.
BRITO, R. P.; HUGUENIN, R. . Traduzir Sexto Empírico. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

7.
BRITO, R. P.. Os 'subsistentes' em Sexto Empírico (P.H. I, 14).. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

8.
BRITO, R. P.. Notas sobre vocabulário e metodologia de Sexto Empírico, em: P.H. I, 1-35.. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
BRITO, R. P.. Galeno e os Médico Empíricos. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

10.
BRITO, R. P.. Ceticismo e (in)ação política em Pirro e Sexto Empírico. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

11.
BRITO, R. P.. Introdução ao pensamento de Abraham Cohen de Herrera. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

12.
BRITO, R. P.. O ataque de Sexto de Empírico às téchnai (in: M I-VI) e seu caráter político/pedagógico. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

13.
BRITO, R. P.. Como a pragmática ajuda a resolver o puzzle da apraxía. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

14.
BRITO, R. P.. On the Possibility of a Sceptical Techne in Sextus Empiricus' Works. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

15.
BRITO, R. P.. Ceticismo, cabalismo e etc.... 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

16.
BRITO, R. P.. Suicídio e natureza humana no estoicismo. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

17.
BRITO, R. P.. O que é o ceticismo antigo?. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

18.
BRITO, R. P.. Convergências entre ceticismo e estoicismo enquanto filosofias práticas. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

19.
BRITO, R. P.. A Cabala filosófica de Abraham Cohen de Herrera. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
BRITO, R. P.. A suspensão derridiana de juízo. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

21.
BRITO, R. P.. Entre Galeno e Sexto Empírico: desenhando o pirronismo empírico. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

22.
BRITO, R. P.. Estrutura e argumento das ?Pyrrhoniae Hypotyposes'. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

23.
BRITO, R. P.. Voltando ao ponto de partida: os primeiros passos dos Esboços Pirrônicos, de Sexto Empírico.. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

24.
BRITO, R. P.. A emergência do homem ordinário e de sua linguagem em Sexto Empírico, 'Contra os professores'. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

25.
BRITO, R. P.. Quem são esses tais socráticos alternativos?. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

26.
BRITO, R. P.. Sobre Exercícios Céticos. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

27.
BRITO, R. P.; SKVIRSKY, Alexandre A. P. ; Morais, L. I. . Some notes on Sextus Empiricus' method of approaching the téchnai. 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

28.
BRITO, R. P.. A concepção estoica de natureza e seu contraponto moral. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

29.
BRITO, R. P.. Sexto Empírico: Deus e Causalidade. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

30.
BRITO, R. P.. O ceticismo e os padres da Igreja. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

31.
BRITO, R. P.. O uso de jargão e argumentos céticos pela patrística grega: um estudo de caso. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

32.
BRITO, R. P.. Considerações sensualistas antigas sobre o belo e a arte. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

33.
BRITO, R. P.. O ataque de Sexto de Empírico às téchnai (in: M I-VI) e seu caráter político/pedagógico. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

34.
BRITO, R. P.. Lendo Sexto Empírico, 'P.H., I-xi'. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

35.
BRITO, R. P.. AÇÕES ÚTEIS E SEM FUNDAMENTAÇÕES FILOSÓFICAS NA MÉDIA ACADEMIA E EM RORTY: CETICISMO, PRAGMATISMO, ANTIFILOSOFIA E SUA EFICIÊNCIA. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
BRITO, R. P.. Simone Vezzoli, Arcesilao di Pitane: l'origine del platonismo neoaccademico. Analisi e fonti. Philosophie hellénistique et romaine​. Turnhout: Brepols Publishers, 2016. Pp. 300. ISBN 9782503550299. ?65.00 (pb).. Bryn Marw Classical Review, 2018 (Resenha).

2.
BRITO, R. P.. Review : VEZZOLI Simone, Arcesilao di Pitane: l'origine del platonismo neoaccademico. Analisi e fonti. Philosophie hellénistique et romaine. Turnhout: Brepols Publishers, 2016. Pp. 300. ISBN 9782503550299. ?65.00.. Juiz de Fora - MG: Revista Rónai, 2018 (Resenha).

3.
BRITO, R. P.. O legado de Hunayin Ibn Ishaq. Resenha do livro:LAMOREAUX, J. C. (trad. & ed.). Ḥunayn ibn Isḥāq on His Galen Translations. A parallel English-Arabic text, with an appendix by Grigory Kessel. Utah: Brigham Young University Press, 2016. Rio de Janeiro - RJ: PUC-Rio, 2018 (Resenha).

4.
BRITO, R. P.. TRADUÇÃO DE ECLESIASTES, 1.1.1-1.18.1. São Cristóvão-SE: O Manguezal, 2018. (Tradução/Outra).

5.
BRITO, R. P.. TRADUÇÃO DE GALENO, DAS SEITAS MÉDICAS PARA OS INICIANTES, 1.69.5-1.76.10. BILÍNGUE, COM INTRODUÇÃO E NOTAS. São Cristóvão - SE: Revista PROMETEUS, 2018. (Tradução/Outra).

6.
EMPIRICO, S. ; BRITO, R. P. . TRADUÇÃO DE SEXTO EMPÍRICO, ESBOÇOS PIRRÔNICOS I, 1-30, BILÍNGUE GREGO/PORTUGUÊS E ESPELHADA.. Salvador - BA: Revista Sképsis, 2018. (Tradução/Outra).

7.
BRITO, R. P.; HUGUENIN, R. . Paráfrase do Tratado do não-ser, em Sexto Empírico. São Cristóvão - SE: Prometeus, 2018. (Tradução/Outra).

8.
BRITO, R. P.; CALABI, F. . Calabi, Francesca. Fílon de Alexandria (Filone di Alessandria). Tradução: José Bortolini. São Paulo: Paulus, 2014.. São Paulo: Paulus, 2017 (Resenha).

9.
BRITO, R. P.. Review: GOURINAT, Jean-Baptiste (dir.). L?étique du stoïcien Hiéroclès. Villeneuve d?Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, 2016. Pp. 175.ISBN 978-2-7574-1273-2.EUR 22,00.. Juiz de Fora- MG: Rónai - UFJF, 2017 (Resenha).

10.
BRITO, R. P.. [Recensão a] BICCA, Luiz Eduardo de Oliveira. Ceticismo e relativismo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012. Coimbra - Portugal: Atlantís, 2016 (Resenha).

11.
CALABI, F. ; ALEXANDRIA, Fílon de ; BRITO, R. P. . Resenha: CALABI, Francesca. Fílon de Alexandria (Filone di Alessandria). Tradução: José Bortolini. São Paulo: Paulus, 2014. 223 pp. ISBN: 978-85-349-3854-9. R$ 38,00.. São Cristóvão - SE: Prometeus, 2016 (Resenha).

12.
BRITO, R. P.. Brito, R. (2016). Review: Walbridge, J. (2014). The Alexandrian Epitomes of Galen vol. 1: On the Medical Sects for Beginners; The Small art of Medicine; On the Elements According to the Opinion of Hippocrates. A parallel English-Arabic text translated, introduced, and annotated. Utah, Brigham Young University Press.. Brasília: Revista ARCHAI, 2016 (Resenha).

13.
BRITO, R. P.. Review on: Jean-Baptiste Gourinat (ed.), L'éthique du stoïcien Hiéroclès. Hors-Série. Philosophie antique: problèmes, Renaissance, usages. Villeneuve d'Ascq: Presses universitaires du Septentrion, 2016. Pp. 175. ISBN 9782757412732. ?22.00 (pb).. Bryn Mawr: Bryn Mawr Classical review, 2016 (Resenha).

14.
BRITO, R. P.; DINUCCI, A. L. . Diatribes 19 e 20 de Musônio Rufo: sobre vestuário, habitação e utensílios domésticos. Brasília: Archai/ Annablume/ Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. (Tradução/Outra).

15.
BRITO, R. P.; DINUCCI, A. L. . Ário Dídimo, Epítome de Ética Estoica, 2.7.5A- 2.7.5B. Marília - SP: UNESP, 2016. (Tradução/Outra).

16.
BRITO, R. P.; HUGUENIN, R. . TRADUÇÃO DE SEXTO EMPÍRICO, CONTRA OS ASTRÓLOGOS, 1-22 (= M V, 1-22).. São Cristóvão - SE: Prometeus, 2015. (Tradução/Outra).

17.
BRITO, R. P.; HUGUENIN, R. . Tradução: Sexto Empírico, Contra os gramáticos 176-218. Juiz de Fora - MG: Veredas: UFJF, 2015. (Tradução/Outra).

18.
BRITO, R. P.. Tradução de Plutarco: 'Que os estoicos falam mais paradoxalmente que os poetas'.. Rio de Janeiro - RJ: Anais de Filosofia Clássica - UFRJ, 2015. (Tradução/Outra).

19.
BRITO, R. P.. Badiou, Alain. A República de Platão, recontada por Alain Badiou. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Caracas: Universidad de Los Andes, 2014 (Resenha).

20.
BRITO, R. P.. Luiz Eduardo de Oliveira Bicca. Ceticismo e relativismo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012. Caracas: Universidad de Los Andes, 2014 (Resenha).

21.
SEDLEY, D. ; DUARTE, V. ; BRITO, R. P. . A DEFINIÇÃO DE ZENÃO DA PHANTASIA KATALEPTIKE. São Cristóvão - SE: Prometeus, 2014. (Tradução/Artigo).

22.
ESCHER, M. C. ; BRITO, R. P. . Abordagens do Infinito, de M. C. Escher. laboratório de Estudos Hum(e)anos, 2014. (Tradução/Artigo).

23.
BRITO, R. P.; MARCONDES, D. . Da coerência pragmática da dýnamis cética em uma perspectiva dialética. Rio de Janeiro: Divisião de Bibliotecas e Documentação da PUC-Rio, 2013 (Tese de Doutorado).

24.
BRITO, R. P.; BICCA, L. E. O. . BICCA, Luiz Eduardo de Oliveira. Ceticismo e relativismo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.. Aracaju: UFS, 2013 (Resenha).

25.
FOUCAULT, M. ; DINUCCI, A. L. ; JULIEN, A. ; DUARTE, V. ; BRITO, R. P. . 'DISCURSO E VERDADE: SEIS CONFERÊNCIAS DADAS POR MICHEL FOUCAULT, EM BERKELEY, ENTRE OUTUBRO E NOVEMBRO DE 1983, SOBRE A PARRHESIA.. São Crsitovão - SE: PROMETEUS - UFS, 2013. (Tradução/Livro).

26.
LANGER, S. K. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. ; BRITO, R. P. ; D'ASSUMPCAO, Y. A. K. T. . O moinho da dúvida sistemática. Niterói: Laboratório de Estudos Hu(e)anos, 2013. (Tradução/Artigo).

27.
EMPIRICO, S. ; BETT, R. ; BRITO, R. P. . Contra os Lógicos I, 1 a 88, 2013. (Tradução/Outra).

28.
BRITO, R. P.. UMA TENTATIVA VÃ DE CAPTURAR O INCOGNOSCÍVEL Ou: resenha de ?Natureza Monstruosa?. 2012 (Resenha).

29.
STRIKER, G. ; BRITO, R. P. ; SMITH, P. J. . Estratégias Céticas. Niterói: Laboratório de Estudos Hum(e)anos, 2012. (Tradução/Artigo).

30.
STROUD, B. ; BRITO, R. P. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. . Ceticismo e a Possibilidade do Conhecimento. Niterói, 2012. (Tradução/Artigo).

31.
STROUD, B. ; BRITO, R. P. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. . O Ceticismo e a Possibilidade do Conhecimento, 2012. (Tradução/Artigo).

32.
GUYER, P. ; BUENO, V. C. A. ; BRITO, R. P. . A paixão pela razão: Hume, Kant e a motivação para a moralidade. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2012. (Tradução/Artigo).

33.
LANGER, S. K. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. ; BRITO, R. P. ; DASSUMPCAO, Y. A. K. T. . O MOINHO DA DÚVIDA SISTEMÁTICA. pouso Alegre - MG: Revista Theoria, 2011. (Tradução/Artigo).

34.
STRIKER, G. ; BRITO, R. P. ; SMITH, P. J. . Estratégias Céticas. São Paulo: Unifesp, 2011. (Tradução/Artigo).

35.
SEDLEY, D. ; BRITO, R. P. . Os Protagonistas. Revista Índice, 2010. (Tradução/Artigo).

36.
BURNYEAT, M. F. ; BRITO, R. P. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. ; COSTA, R. S. . Pode o Cético Viver seu Ceticismo?, 2010. (Tradução/Artigo).

37.
BURNYEAT, M. F. ; BRITO, R. P. . O Cético em seu Lugar e Tempo. Marília: Unesp, 2010. (Tradução/Artigo).

38.
SEDLEY, D. ; BRITO, R. P. . Tradução para o português de 'The Protagonists', de David Sedley. Recife: Revista dos Departamentos de Filosofia da UFPB e UFPE, 2010. (Tradução/Artigo).

39.
BURNYEAT, M. F. ; BRITO, R. P. ; SKVIRSKY, Alexandre A. P. ; COSTA, R. S. . Pode o Cético Viver seu Ceticismo?. Caiacó- RN: Curso de Filosofia do Campos do Seridó da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, 2009. (Tradução/Artigo).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
BRITO, R. P.. Parecerista Ad Hoc Iniciação Científica - UFS. 2014.

2.
BRITO, R. P.. Parecerista Ad Hoc Extensão - UFS. 2014.

3.
BRITO, R. P.. Revista Aproximação. 2013.

4.
BRITO, R. P.. Revista Rónai. 2013.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
BRITO, R. P.. Entre Galeno e Sexto Empírico: desenhando o pirronismo empírico. 2016. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

2.
Santana, J. ; BRITO, R. P. . Mestres e músicas. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

3.
BRITO, R. P.; LESSA, R. ; COSTA, R. S. ; BALIEIRO, M. R. ; KIRALY, C. L. ; AZAR, C. M. ; LOQUE, F. F. ; ARAUJO, M. ; BERNARDO, G. ; EL-JAICK, A. P. G. ; FORTES, F. ; DINUCCI, A. L. ; MARCONDES, D. . O Ceticismo dos Padres da Igreja. 2014. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

4.
BRITO, R. P.. Boletim de Pesquisa - UFS. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

5.
BRITO, R. P.; AMARAL, G. ; COSTA, R. S. ; LESSA, R. ; MARCONDES, D. ; KIRALY, C. L. ; BERNARDO, G. ; ARAUJO, M. ; MAIA NETO, J. R. ; HUGUENIN, R. ; GUIMARAES, L. . Uma defesa do ceticismo das acusações de auto-refutabilidade e apraxía.. 2012. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).


Demais tipos de produção técnica
1.
BRITO, R. P.. Workshop: tradução grego/português: Sexto Empírico, H.P. I, 08. 2018. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
BRITO, R. P.. Principais problemas acerca do ceticismo de Sexto Empírico e sua concepção de téchne (minicurso em cinco aulas). 2018. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

3.
BRITO, R. P.. Principais problemas acerca do ceticismo de Sexto Empírico e sua concepção de téchne. 2018. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

4.
BRITO, R. P.. O primeiro estoicismo: conceitos fundamentais. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

5.
BRITO, R. P.. O que é o ceticismo antigo?. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

6.
BRITO, R. P.. Uma história dos ceticismos antigos. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

7.
BRITO, R. P.. Sexto Empírico. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

8.
SMITH, P. J. ; BRITO, R. P. . Revista Sképsis. 2016. (Editor assistente de periódico).

9.
BRITO, R. P.. História do pirronismo. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

10.
KIRALY, C. L. ; BRITO, R. P. . Breviário de Filosofia Pública. 2014. (Editoração/Periódico).

11.
DINUCCI, A. L. ; DUARTE, V. ; BRITO, R. P. . Biblioteca Viva Vox. 2014. (Bibliotecário).

12.
DINUCCI, A. L. ; BRITO, R. P. . Revista Prometeus. 2014. (Editor assistente de periódico).

13.
DINUCCI, A. L. ; CESAR, C. T. M. ; BRITO, R. P. . Prometeus Filosofia em Revista. 2013. (Editoração/Periódico).

14.
BRITO, R. P.. Grupo de Estudos: Filosofia e Sistema da Stoá. 2° módulo: O sistema filosófico do primeiro estoicismo.. 2013. (Grupo de Estudos).

15.
BRITO, R. P.. Ceticismo Antigo: desenvolvimento e legado.. 2012. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

16.
BRITO, R. P.. Grupo de Estudos: Ceticismo Antigo, desenvolvimento e legado.. 2012. (Grupo de Estudos).

17.
BRITO, R. P.. Grupo de Estudos: Filosofia e Sistema da Stoá. 1° módulo: Cinismo.. 2012. (Grupo de Estudos).

18.
BRITO, R. P.. GT de Filosofia Helenística. 2010. (Idealização e construção do GT de Filosofia Helenística da Anpof).

19.
BRITO, R. P.; PINTO, A. M. . website do Gt de Filosofia Helenística da Anpof. 2010. (website).

20.
BRITO, R. P.; PINTO, A. M. . Revista Submídia. 2008. (Editoração/Outra).

21.
BRITO, R. P.; PINTO, A. M. . Revista Cruz-Credo. 2006. (Editoração/Outra).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
KIRALY, C. L.; LESSA, R.; BRITO, R. P.. Participação em banca de Daniel Felismino Lopes Alves Rodrigues. O ensaio de Thoreau como investigação da política. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal Fluminense.

2.
DINUCCI, A. L.; BRITO, R. P.; RODRIGUES, A. C. O.. Participação em banca de Valter Duarte Moreira Júnior. Notas sobre a lógica estoica. 2016. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

Teses de doutorado
1.
MARCONDES, D.; BRITO, R. P.; DINUCCI, A. L.; COSTA, R. S.; KIRALY, C. L.. Participação em banca de Alexandre Arantes Pereira Skvirsky. O Ceticismo é Uma "Doutrina da Dúvida": a introdução da dúvida no ceticismo renascentista. 2015. Tese (Doutorado em Filosofia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Qualificações de Mestrado
1.
DINUCCI, A. L.; BEKKER, E.; BRITO, R. P.. Participação em banca de Marcus de Aquino Resende. Górgias de Leontinos: filósofo, retor, político e sua retórica do kosmos social.. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

2.
PIAUÍ, W. S.; DINUCCI, A. L.; BRITO, R. P.. Participação em banca de Edson Peixoto Andrade. O problema do sentido em Deleuze. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

3.
BRITO, R. P.; CABECEIRAS, J. A. V.; PIAUÍ, W. S.. Participação em banca de Felipe Santos Almeida. O diálogo entre Leibniz e Foucher. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

4.
PIAUÍ, W. S.; BRITO, R. P.; CABECEIRAS, A.. Participação em banca de Edilamara Peixoto de Andrade. DERRIDA: linguagem e força?. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

5.
BRITO, R. P.; KOSLOWSKI, A. A.; BALIEIRO, M. R.. Participação em banca de Valter Duarte Moreira Júnior. O Problema da Reconstrução da Lógica Estoica. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
CABECEIRAS, J. A. V.; BALIEIRO, M. R.; BRITO, R. P.. Participação em banca de Arlindo de Sena.A Importância da Filosofia na Educação. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

2.
DINUCCI, A. L.; CABECEIRAS, A.; QUINALLIA, R.; BRITO, R. P.. Participação em banca de Valter Duarte Moreira Junior.Lógica Estoica: um estudo preliminar. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
BALIEIRO, M. R.; BRITO, R. P.; CHAGAS, A. G.. Seleção simplificada para prof. subistituto. 2015. Universidade Federal de Sergipe.

2.
BRITO, R. P.; CABECEIRAS, J. A. V.; PEREIRA, A.. Seleção simplificada para prof. subistituto. 2015.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Seminário GREC.Assentando o terreno para uma investigação sobre a linguagem no período helenístico. 2018. (Seminário).

2.
I Seminário de Helenismo -.Cuidado de Si e Suicídio no Estoicismo. 2013. (Seminário).

3.
IV Simpósio Internacional OUSIA de Estudos Clássicos.Sobre Sexto Empírico, 'Contra os Retóricos'. 2013. (Simpósio).

4.
Leituras Filosóficas I.Lendo: Sexto Empírico, 'P.H., I-xi'.. 2013. (Outra).

5.
VI Seminário de Filosofia Antiga.Empirismo e memória em Sexto Empírico. 2013. (Seminário).

6.
I Colóquio de História Antiga Ensino e Pesquisa no Brasil.A 'Vida de Pirro' em D.L. IX, 61-71.. 2012. (Outra).

7.
I Colóquio sobre Ceticismo. 10 anos do Laboratório de Estudos Hum(e)anos - UFF..Uma defesa do ceticismo das acusações de auto-refutabilidade e apraxía.. 2012. (Outra).

8.
XII Semana dos Alunos de Filosofia - PUC-Rio. Considerações sobre o Conhecimento no Primeiro Estoicismo. 2012. (Congresso).

9.
XV encontro nacional da ANPOF.A física da Stoá. 2012. (Encontro).

10.
XXII Ciclo de Debates em História Antiga. Algumas notas sobre o desparecimento das escolas socráticas e o surgimento da Stoá.. 2012. (Congresso).

11.
I Encontro regional de Cultura Clássica do Estado do Rio de Janeiro.Problemas acerca da expansão de Alexandre como causalidade histórica originária das principais filosofia do período helenístico.. 2011. (Encontro).

12.
III Encontro Nacional de Estudos Sobre o Mediterrâneo Antigo & X Fórum de Debates em História Antiga da UERJ.O Contexto do Imperialismo Macedônico e o Surgimento das Principais Filosofias Helenísticas. 2011. (Encontro).

13.
IV Encontro de Discentes do Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Gama Filho.Uma demonstração da defesa urbana do ceticismo pirrônico.. 2011. (Encontro).

14.
SAF XII (semana dos Alunos de Filosofia da PUC-Rio). Uma via entre o campo e a cidade: por uma interpretação média entre o ceticismo rústico de Burnyeat e o urbano de Frede.. 2011. (Congresso).

15.
V Congresso de Letras Clássicas e Orientais & I Congresso Nacional de Letras Clássicas e Orientais. Sexto Empírico (Alexandria, século II d.C.) e a distinção entre a linguagem do cético e a do dogmático: indícios da noção de "usos da linguagem"?. 2011. (Congresso).

16.
V Seminário de Filosofia Antiga.Sexto Empírico e os Quatro Pilares da Vida Cética. 2011. (Seminário).

17.
XXI Ciclo de Debates em História Antiga. A Expansão de Alexandre como Causalidade Histórica Originária das Principais Filosofias do Período Helenístico. 2011. (Congresso).

18.
Congresso Internacional Tempus Fugit: Processo, Mudança e Transição. Qual a Relevância da Teogonia de Ferecides de Syros para a Transição do Pensamento Mítico para o Filosófico e para a Elaboração de uma Explicação Natural da Natureza?. 2010. (Congresso).

19.
I Congresso Internacional de Religião Mito e Magia no Mundo Antigo. Aspectos Inquietantes da Teogonia de Ferecides de Syros. 2010. (Congresso).

20.
XI Semana dos Alunos da Pós-graduação em Filosofia da PUC-Rio. A Origem do Argumento da Auto-refutabilidade Cética e a Defesa de Arcesilao. 2010. (Congresso).

21.
XIV Encontro Nacional da Anpof.A Origem do Argumento da Auto-refutabilidade do Ceticismo e a Réplica de Arcesilao no Debate Academia X Stoa.. 2010. (Encontro).

22.
XX Ciclo de Debates em História Antiga.Podemos dizer algo sobre o ambiente cultural do Egeu no século VI a.C. a partir da Teogonia de Ferecides de Syros?. 2010. (Outra).

23.
III Congresso Brasileiro de Filosofia da Religião. Pirro e Índia, similaridades entre o pirronismo e o jainismo. 2009. (Congresso).

24.
III Seminário de Filosofia Antiga.Sobre o quê Jaz o Sensualismo de Empédocles. 2009. (Seminário).

25.
III Encontro de Estudos Romanos: Roma e as Sociedades da Antigüidade.Boa Vida no Helenismo. 2007. (Encontro).

26.
I Seminário de Filosofia Antiga.Raízes Proto-céticas. 2007. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
BRITO, R. P.; KIRALY, C. L. . IV Colóquio sobre Ceticismo. 2018. (Outro).

2.
BRITO, R. P.. Marginália Filosófica. 2017. (Outro).

3.
BRITO, R. P.; KIRALY, C. L. . III Colóquio sobre Ceticismo. 2016. (Outro).

4.
BRITO, R. P.; KIRALY, C. L. . II Colóquio sobre Ceticismo. 2014. (Outro).

5.
BRITO, R. P.; PIAUÍ, W. S. . XV Semana de filosofia - UFS. 2014. (Outro).

6.
BRITO, R. P.; BALIEIRO, M. R. . Leituras Filosóficas I: 'A tradição cética'. 2013. (Outro).

7.
BRITO, R. P.; KIRALY, C. L. ; PINTO, A. M. . I Colóquio sobre Ceticismo. 10 anos do Laboratório de Estudos Hum(e)anos - UFF.. 2012. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Felipe Santos Almeida. O conceito de dúvida no ceticismo Acadêmico de Simon Foucher. Início: 2018. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Iniciação científica
1.
BRENDA KELLY SANTOS ALMEIDA. PVD2980-2015 - Tradução de Sexto Empírico,. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

2.
DANTE AUGUSTO HORA PINHEIRO. PVD2980-2015 - Tradução de Sexto Empírico,. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

3.
RAFAEL SPONTAN DA SILVA CARVALHO. PVD2980-2015 - Tradução de Sexto Empírico,. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

4.
MARCOS ROBERTO SANTOS PEREIRA. PVD2987-2015 - O conceito de elemento em Aristóteles. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

5.
Luiz Eduardo Gama Silva. PVD2987-2015 - O conceito de elemento em Aristóteles. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

6.
MARCOS ROBERTO SANTOS PEREIRA. Mapeamento do conceito de elemento na Metafísica e na Física, de Aristóteles (PVD4411-2016). 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

7.
Brenda Kelly Santos Almeida. Mapeamento conceitual (PVD4408-2016). 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

8.
Pascoal Ribeiro dos Santos Neto. Estudos de língua grega (PVD4408-2016). 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

Orientações de outra natureza
1.
Allan Wolney Mesquita Santos. A teogonia de Ferecides de Syros. 2016. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

2.
Marcos Deyvinson Ferreira Damacena. A teogonia de Ferecides de Syros. 2016. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, PAEX - UFS. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

3.
Carlos Vittorio de Oliveira Filho. Cinema, mídia de massa e ideologia.. 2014. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

4.
Alexsandro Magalhães Pinto. Ceticismo Antigo: desenvolvimento e legado.. 2012. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

5.
Ricardo Clavello Salgueiro Garcia. Ceticismo Antigo, Desenvolvimento e Legado.. 2012. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.

6.
Mauro Juarez Sebastião dos Reis Araujo. Ceticismo Antigo: desenvolvimento e legado.. 2012. Orientação de outra natureza. (Filosofia) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Rodrigo Pinto de Brito.



Inovação



Projetos de pesquisa

Projeto de extensão

Outros projetos



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 17/10/2018 às 22:37:21