Cristiane Casonato Melo

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/4191141163223512
  • Última atualização do currículo em 20/01/2019


Possui graduação em Bacharelado em Biotecnologia pela Universidade Federal de São Carlos (2015) e mestrado em Ciências pelo Instituto de Física de São Carlos - USP (2018). Fez intercambio durante a graduação na Universidade de Münster na Alemanha e estágio na Embrapa Instrumentação. Participou do time Brasil-USP na competição internacional de Biologia Sintética iGEM. Atualmente é professora de alemão na Genau Idiomas e bolsista da Fapesp de treinamento técnico na empresa Nanomed. Possui experiência na área de Nanotecnologia: síntese e caracterização de nanopartículas magnéticas, poliméricas e nanofibras, para aplicações farmacêuticas e cosméticas. Além disso, possui experiência em cultura de células e testes de citotoxicidade que foram utilizados durante os projetos desenvolvidos. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Cristiane Casonato Melo
Nome em citações bibliográficas
MELO, C. C.;iGEM Interlab Study Contributors;MELO, CRISTIANE C.;Cristiane Casonato Melo


Formação acadêmica/titulação


2015 - 2018
Mestrado em Ciências.
Instituto de Física de São Carlos - USP, IFSC, Brasil.
Título: Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense,Ano de Obtenção: 2018.
Orientador: Juliana Cancino Bernardi.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2009 - 2015
Graduação em Bacharelado em Biotecnologia.
Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.
com período sanduíche em University of Münster (Orientador: Alexander Schmidt / Kristina Riehemann).
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.




Formação Complementar


2012 - 2012
Basic Laboratory Methods in Biology. (Carga horária: 450h).
University of Münster, WWU MÜNSTER, Alemanha.
2011 - 2011
Como escrever bons art. cient.: estrut. e linguag.. (Carga horária: 2h).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2011 - 2011
Genética Forense. (Carga horária: 4h).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2011 - 2011
Gestor de referências: ZOTERO.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2010 - 2010
Extensão universitária em Ciclo de Formação Empreendedora.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2010 - 2010
Produção,controle e desenvolvimento de radiofármac. (Carga horária: 7h).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2010 - 2010
Epigenética suas funções e sua relação com doenças. (Carga horária: 3h).
Congresso Brasileiro de Genética, CBG, Brasil.
2010 - 2010
Farmacogenômica. (Carga horária: 3h).
Congresso Brasileiro de Genética, CBG, Brasil.
2010 - 2010
Introdução à programação Perl. (Carga horária: 12h).
Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.
2009 - 2009
Desenvolvimento de novos Fármacos (Minicurso). (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Mestrado, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2014 - 2014
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Iniciação científica

Vínculo institucional

2011 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Iniciação científica


Genau Idiomas, GENAU, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Horista, Enquadramento Funcional: Professora de Alemão


Nanotecnologia em Saúde e Bem Estar, NANOMED, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - 2019
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Treinamento técnico, Carga horária: 40


Center for Nanotechnology, CENTECH, Alemanha.
Vínculo institucional

2013 - 2014
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiária, Regime: Dedicação exclusiva.


Center for Molecular Biology of Inflammation, ZMBE, Alemanha.
Vínculo institucional

2012 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Estagiária, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2015 - 2018
Nanopartículas de quitosana como veículo para entrega de oligodeoxiribonucleotídeos antisense.
Descrição: Em 1978, o trabalho realizado por Stephenson e Zamecnik demonstrou a capacidade de um oligonucleotídeo de impedir a expressão de uma proteína específica. Atualmente, duas tecnologias são mais utilizadas para este propósito: os oligodeoxiribonucleotídeos antisense e o RNA de interferência (siRNA), que se aproveitam da capacidade de anelação entre as fitas complementares. A maior diferença entre as duas técnicas é a maquinaria proteica recrutada, isso é, o complexo RISC atua no funcionamento do siRNA, e a protease RNase H atua na clivagem da fita de RNA quando hibridizada com DNA. Apesar da grande aplicabilidade destas tecnologias, tanto para doenças metabólicas quanto para canceres, o veículo de entrega e proteção dessas sequências é de fundamental importância, visto que a aplicação desses oligonucleotídeos livres está sujeita à rápida degradação e ineficiência. A modificação das bases é uma das estratégias para conferir maior estabilidade às sequências, porém estas tem sido relacionadas a um aumento da toxicidade. Nessa dissertação, a quitosana, um polissacarídeo catiônico é utilizado para síntese de nanopartículas e encapsulamento dos oligodeoxiribonucleotídeos antisense (ASO). Para isso, foram realizadas modificações na quitosana comercial como despolimerização, trimetilação ou conjugação com PEG, seguida da síntese das nanopartículas com a adição de tripolifosfato de sódio (TPP) pelo método de gelatinização ionotrópica. A estabilidade das nanopartículas foi medida em função do tempo, da variação de temperatura e da diferença de pH. Além disso, a toxicidade dessas nanopartículas foi analisada através da viabilidade celular em diferentes linhagens, NB-4, HepaRG, HTC e BHK- 570. A expressão da proteína verde fluorescente (GFP) na célula NB-4 foi utilizada para avaliar a entrega do ASO desenhado, sendo sua fluorescência monitorada por microscopia confocal. Os resultados demonstram que as nanopartículas se mantiveram estáveis durante o período de tempo analisado, assim como com a temperatura variando de 22 a 45°C e em pH ácido. Cada linhagem celular respondeu de forma diferente ao tratamento com as nanopartículas sem ASO, sendo a linhagem saudável BHK-570 com a maior resistência. Ademais, todas as células apresentaram viabilidade reduzida quando tratadas com concentrações na ordem de 1011 nanopartículas/mL a base de quitosana trimetilada. A fluorescência das células NB-4 quando tratada com as nanopartículas com ASO diminuiu consideravelmente nas 18 primeiras horas, seguida de um aumento após 42 horas. Dessa forma, pode- se concluir que as nanopartículas de quitosana propostas nessa dissertação apresentaram uma excelente alternativa para a entrega de material genético, principalmente para o trato gastro-intestinal, devido à sua estabilidade em pH ácido..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Cristiane Casonato Melo - Integrante / Valtencir Zucolotto - Integrante / Juliana Cancino Bernardi - Coordenador.
2014 - 2014
Avaliação da toxicidade de nanopartículas magnéticas utilizadas como agente teranóstico no tratamento de câncer.
Descrição: Nos últimos anos a nanotecnologia passou a permear o dia-a-dia da sociedade moderna, tanto por produtos que já estão no mercado, como por meio dos veículos de informação. A nanotecnologia pode ser empregada desde áreas da engenharia à medicina, o que torna seu estudo e desenvolvimento de grande importância. As nanopartículas metálicas tem destaque na área de medicina pois possuem grande flexibilidade em relação a suas características. Dentre as nanopartículas metálicas, as nanopartículas de óxido de ferro do tipo core-shell são de grande interesse pois há a combinação de propriedades metálicas e magnéticas o que torna ampla suas aplicações. Porém, a maior desvantagem dessas nanopartículas são os efeitos tóxicos que elas podem apresentar. Com o interesse de diminuir tais efeitos, esse projeto de iniciação científica tem como maior motivação sintetizar e caracterizar nanopartículas de óxido de ferro do tipo core-shell e desenvolver e/ou aprimorar a formação de uma corona de albumina de soro bovino (BSA) ao redor da nanopartícula como estratégia para diminuir a toxicidade. O maior desafio será desenvolver nanopartículas estáveis na presença da biomolécula albumina do soro bovino para que essa nanopartícula possa ser aplicada em sistemas de terapia fotodinâmica sem possíveis danos toxicológicos. Além de diminuir os efeitos tóxicos de nanopartículas de óxido de ferro sem alterar suas principais características. A principal contribuição desse projeto será no desenvolvimento seguro da nanotecnologia, principalmente à aplicada a medicina, o que requer uma investigação sistemática. Esses estudos poderão ajudar no entendimento sobre a toxicidade de nanomateriais na escala molecular e trazer importantes benefícios ao desenvolvimento da nanomedicina..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiane Casonato Melo - Integrante / Valtencir Zucolotto - Integrante / Juliana Cancino Bernardi - Coordenador.
2011 - 2012
Nanoencapsulamento da cistatina CaneCPI-4 para Aplicações Terapêuticas.

Projeto certificado pelo(a) coordenador(a) Valtencir Zucolotto em 27/07/2015.
Descrição: A maior expressão de certas cisteíno proteases, como as catepsinas B e L, em tecidos tumorais está relacionada com o aumento do desenvolvimento de metástases. Os inibidores naturais destas proteases são as cistatinas, e o desequilíbrio entre as catepsinas e seus inibidores pode culminar em um fenótipo invasivo e metastático da célula tumoral. Através do projeto genoma da cana-de-açúcar, foi possível isolar cistatinas dessa planta, das quais a CaneCPI-4 demonstrou possuir uma atividade inibitória significativa tanto para a catepsina B como para a L. Como as quantidades dessas proteases para inibir as catepsinas é muito baixa e um desequilíbrio nas proporções pode causar reações indesejáveis, o nanoencapsulamento e a liberação controlada desta cistatina da cana-de-açúcar, para tratamento de linhagens tumorais que apresentam esta deficiência, mostra-se uma alternativa interessante e promissora, e é está técnica de entrega de fármacos que este projeto se propõe a desenvolver para a cistatina CaneCPI-4, através de dois métodos de nanoencapsulamento em polímero, sendo um utilizando tripolifosfato de sódio como agente reticulante e o outro utilizando ácido metacrílico, o qual promove interação eletrostática com os grupamentos amino da quitosana..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiane Casonato Melo - Integrante / Valtencir Zucolotto - Coordenador.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Biofísica.
2.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Biofísica / Subárea: Biofísica Molecular.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.
Alemão
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Prêmios e títulos


2015
Medalha de Ouro pelo time Brasil-USP, iGEM.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
GRÜNER, MALTE C.2018GRÜNER, MALTE C. ; ZANONI, KASSIO P. S. ; BORGOGNONI, CAMILA F. ; MELO, CRISTIANE C. ; ZUCOLOTTO, VALTENCIR ; DE CAMARGO, ANDREA S. S. . Reaching Biocompatibility with Nanoclays: Eliminating the Cytotoxicity of Ir(III) Complexes. ACS Applied Materials & Interfaces, v. 10, p. 26830-26834, 2018.

2.
Jacob Beal2016 Jacob Beal ; Traci Haddock-Angelli ; Markus Gershater ; Kim de Mora ; Meagan Lizarazo ; Jim Hollenhorst ; Randy Rettberg ; iGEM Interlab Study Contributors . Reproducibility of Fluorescent Expression from Engineered Biological Constructs in E. coli. PLoS One, v. 11, p. 1, 2016.

Apresentações de Trabalho
1.
Cristiane Casonato Melo; ZUCOLOTTO, V. ; CANCINO-BERNARDI, J. . Cytotoxicity impact of modified chitosan and its nanoparticles. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
MELO, C. C.; ZUCOLOTTO, V. ; CANCINO-BERNARDI, J. . Cytotoxicity evaluation of magnetic iron oxide nanoparticles in liver cells. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

3.
MELO, C. C.; ZUCOLOTTO, V. ; CANCINO-BERNARDI, J. . Avaliação do efeito da corona de BSA na toxicidade de nanopartículas de magnetita em células de fígado saudável e canceroso. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

4.
MELO, C. C.; CORRER, W. R. ; Andrade, G. B ; SILVA, F. H. ; ZUCOLOTTO, V. . Nanoencapsulamento da cistatina CaneCPI-4 para aplicações terapêuticas. 2012. (Apresentação de Trabalho/Congresso).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
7th Münster Graduate School Meeting: Cell Dynamics and Disease. 2013. (Encontro).

2.
III Jornada Biotecnologia. Nanoencapsulamento da cistatina CaneCPI-4 para aplicações terapêuticas. 2012. (Congresso).

3.
57 Congresso Brasileiro de Genética. 2011. (Congresso).

4.
III Four Biotec- Quatro dias pela Biotecnologia. 2011. (Congresso).

5.
II Workshop da rede "Avanços, Benefícios e Riscos da Nanobiotecnologia Aplicada a Saúde" (NaNoBioMed). 2011. (Outra).

6.
56° Congresso Brasileiro de Genética. 2010. (Congresso).

7.
II Four biotec - Quatro dias pela Biotecnologia. 2010. (Congresso).

8.
Primeira Semana da Escrita Científica do IFSC/USP. 2010. (Outra).

9.
Four biotec - Quatro dias pela Biotecnologia. 2009. (Congresso).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 19/02/2019 às 6:45:26