Rodrigo Cardoso Costa

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9999899680433844
  • Última atualização do currículo em 14/12/2018


Mestre em Engenharia pelo PPGE3M da UFRGS. Psicopedagogo Institucional pela UCB. Tecnólogo em Eletromecânica pela UNESC. Atualmente sou professor do Instituto Federal Catarinense. Área de concentração profissional: Fabricação Mecânica com ênfase em Processos de Soldagem. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Rodrigo Cardoso Costa
Nome em citações bibliográficas
COSTA, R. C.

Endereço


Endereço Profissional
Instituto Federal Catarinense, Campus Luzerna.
Vigário Frei João
Centro
89609000 - Luzerna, SC - Brasil
Telefone: (049) 35234300
Ramal: 4343
URL da Homepage: ifc.edu.br


Formação acadêmica/titulação


2014
Doutorado em andamento em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
Título: INVESTIGAÇÃO SOBRE A INFLUÊNCIA DO GÁS ARGÔNIO NA MICROESTRUTURA DO REVESTIMENTO A BASE DE NiCr METALIZADO POR ARC SPRAY,
Orientador: Alexandre da Silva Rocha.
Grande área: Engenharias
2009 - 2013
Mestrado em PPGEM/UFRGS Programa de Pós-Graduação em Eng Minas, Metalúrgica e Materiais.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
Título: Desenvolvimento de novos Revestimentos por Aspersão Térmica à ARCO para Proteção contra Corrosão e Desgaste Erosivo em Trocadores de Calor Ar/Gases,Ano de Obtenção: 2013.
Orientador: Dr. Alexandre da Silva Rocha.
2002 - 2005
Graduação em tecnologia em eletromecanica.
Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Brasil.
1996 - 1999
Curso técnico/profissionalizante.
Faculdade SATC, FASATC, Brasil.




Formação Complementar


2014 - 2014
Inspetor de Soldagem - Nível 1. (Carga horária: 190h).
Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem, FBTS, Brasil.
2006 - 2006
Extensão universitária em Psicopedagogia Institucional. (Carga horária: 435h).
Universidade Castelo Branco, UCB/RJ, Brasil.


Atuação Profissional



Faculdade SATC, FASATC, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2017
Vínculo: Professor Pesquisador, Enquadramento Funcional: Professor em tempo integral, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.


Instituto Federal Catarinense, IF-Catarinense, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor do curso de Engenharia Mecânica, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2018 - Atual
Estudo da refrigeração criogênica na usinagem de torneamento CNC
Descrição: Os setores aeroespacial, alimentício e biomédico apresentam crescente demanda na fabricação de peças mecânicas. Normalmente essas peças mecânicas são constituídas de materiais específicos, em razão de algumas exigências técnicas, tais como: elevada resistência mecânica, elevada resistência a corrosão, suportar grande diferencial de temperatura, apresentar características estáveis e inertes em meios vivos e forte integridade das propriedades físicas e metalúrgicas. As ligas metálicas de titânio e aços inoxidáveis austeníticos normalmente são empregadas na fabricação de peças ou componentes para os setores: aeroespacial, alimentício e biomédico. Essas ligas apresentam difícil usinabilidade e isso contribui para o aumento do desgaste das ferramentas de corte, além de aumento do tempo de usinagem e por consequência o custo de fabricação. A refrigeração criogênica mostrou-se uma alternativa viável na otimização dos parâmetros de usinagem, para fabricação de peças com melhor acabamento superficial e menor desgaste das arestas de corte. O uso do nitrogênio líquido pode ser considerado uma inovação tecnológica a respeito de usinagem de aços inoxidáveis do meio oeste catarinense, uma vez que não é observado a aplicação desse tipo de refrigeração em escala industrial. Também existe pouca literatura nacional a respeito da influência do nitrogênio sobre os aspectos: científicos, técnicos operacionais, metalúrgicos e econômicos. Os resultados da usinagem criogênica, em operação de desbaste externo com torno CNC, será comparada com a refrigeração via líquido emulsivo e usinagem a seco para determinação da influência do nitrogênio líquido. A literatura indica que a baixíssima temperatura do jato de nitrogênio líquido pode influenciar algumas características de usinagem, tais como: maior troca térmica de peça nas regiões do corte; redução do atrito na aresta de corte, inibição da formação do gume postiço e fragilização do cavaco. A aplicação da tecnologia de refrigeração criogênica, no caso da usinagem do aço inoxidável AISI 316L, se faz necessário para a otimização do processo de usinagem CNC, em operação de desbaste externo com grande avanço de corte. A otimização do processo de fabricação pode reduzir os efeitos de alguns problemas de usinagem e com isso contribuir para a redução dos custos de fabricação de peças em aço inoxidável AISI 316L..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Coordenador / Elandir Antonio Desiderio - Integrante / Fernando Prando Dacas - Integrante.
2018 - Atual
Desenvolvimento de projeto mecânico para equipamento tribológico referente ao ensaio de desgaste abrasivo de baixa tensão conforme norma ASTM G65
Descrição: O estudo do desgaste abrasivo é muito importante para solucionar problemas industriais, na proposição da troca do material de um componente mecânico, ou na proposição de qualificação da superfície mediante a aplicação de um tratamento térmico. O desempenho de resistência ao desgaste abrasivo do material empregado no substrato ou revestimento de componentes mecânicos pode ser analisado mediante simulação do desgaste, o qual deve ocorrer em equipamento tribológico. O acadêmico de engenharia mecânica precisa desenvolver conhecimento prático sobre a metodologia para classificar a resistência ao desgaste abrasivo, em razão da recorrência desse tipo de desgaste nos mais variados segmentos industriais. O laboratório de tribologia deve possuir equipamento para simular o desgaste abrasivo de baixa tensão homologado conforme norma ASTM G65, pra ofertar esse tipo de serviço em projetos de extensão ou no atendimento a demanda gerada por estudos de casos industriais. A fabricação de um equipamento abrasômetro tipo borracha e areia necessita do desenvolvimento de projeto mecânico com simulação do funcionamento, para prever problemas de construção, pois o ajuste mecânico do equipamento pode influenciar os resultados quanto a taxa de desgaste. Pesquisas mais completas referente caracterização de material, frente a resistência ao desgaste abrasivo poderão ser feitas com mais propriedade na realização de trabalhos de conclusão de curso. Futuros artigos científicos sobre esse relevante tema acadêmico e industrial poderão ser escritos, com foco no desenvolvimento do conhecimento discente. Artigos científicos de qualidade podem promover a valorização do mérito acadêmico de alunos e professores, bem como, ampliar a divulgação positiva do IFC campus Luzerna como centro de formação científica e tecnológica.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Coordenador / Mario Wolarft Junior - Integrante / Elandir Antonio Desiderio - Integrante / Alexandre Daniel Bohlke - Integrante.Financiador(es): Instituição Federal Catarinense - Bolsa.
2018 - Atual
Desenvolvimento de equipamento e metodologia para caracterização da resistência mecânica a torção de materiais
Descrição: Muitas máquinas industriais utilizam eixos para transmissão de potência mecânica. Neste sentido, quando em operação, o material do eixo é constantemente submetido ao esforço de torção. De posse desse conhecimento, os engenheiros mecânicos procuram desenvolver os projetos dimensionais dos eixos, de forma que as tensões tangencias aplicadas no eixo de interesse não ultrapassem os limites máximos de resistência mecânica do material metálico selecionado para a fabricação do mesmo. A determinação das propriedades mecânicas de um material metálico normalmente ocorre por meio de ensaios mecânicos destrutivos padronizados, por exemplo ensaio de tração, compressão, torção fadiga dentre outros. Em todo ensaio destrutivo acontece a ruptura ou a inutilização do corpo de prova, ou seja, o material é forçado ao seu limite máximo de resistência para avaliar sua aplicabilidade. A proposta do ensaio mecânico destrutivo de torção é testar o material de interesse em condições similares às das operações industriais. Neste tipo de ensaio mecânico um lado do corpo de prova permanece estático, enquanto o outro é rotacionado com potência, velocidade angular e sentido constante. No núcleo do corpo de prova surgem vetores de força que tendem ao cisalhamento do material em planos mutuamente perpendiculares, conforme a hélice de torção do corpo de prova. Esses vetores surgem como resposta de resistência do material ao esforço mecânico de torção. Internamente no corpo de prova, durante o ensaio de torção, são observadas incessantes tensões trativas e compressivas, cuja a extrapolação da resistência do material promove a ruptura do mesmo. As informações referentes ao limite de escoamento e a máxima tensão do material são utilizadas para o dimensionamento de eixos, bem como a avaliação de diferentes tipos de materiais metálicos e tratamentos térmicos empregados na fabricação dos mesmos. A fabricação de peças industriais de qualidade é pautada no conhecimento técnico das pessoas envolvidas, no domínio da tecnologia empregada na produção e na organização empresarial. Nem sempre as empresas produtoras de bens e serviços finais estão capacitadas para garantir a qualidade plena de seus produtos. A deficiência de conhecimentos específicos de alguns segmentos industriais despertou o interesse de órgãos federais como os Institutos Federais no fomento de projetos de pesquisa, para capacitar, treinar e aperfeiçoar os arranjos produtivos de várias e distintas regiões. O compartilhamento de conhecimento entre indústria e instituição de ensino tende ao fortalecimento de uma economia local, uma vez que existe a possibilidade da divisão dos custos de pesquisas tecnológicas, da oportunidade de abertura de novos negócios, da promoção de competitividade, e do desenvolvimento sustentável associados a fabricação de produtos com qualidade superior. Com base na capacitação e aperfeiçoamento de arranjos produtivos locais de empresas que fabricam componentes mecânicos submetidos ao esforço de torção, é necessário o desenvolvimento de um equipamento de laboratório que atenda às necessidades técnicas para avaliar a resistência mecânica a torção do material que constitui o produto de interesse. A proposta desse projeto de pesquisa é tornar possível a constatação das informações obtidas via simulação numérica na prática, ou seja, comparar os resultados de resistência a torção frente aos cálculos matemáticos e simulações. Com isso busca-se agregar confiabilidade do produto em campo e promover a sustentação da economia local..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Coordenador / Mario Wolarft Junior - Integrante / Elandir Antonio Desiderio - Integrante / Eduardo Augusto Flesch - Integrante.Financiador(es): Instituição Federal Catarinense - Auxílio financeiro.
2010 - 2012
Desenvolvimento de novos revestimentos por aspersão térmica à arco para proteção contra corrosão e desgaste erosivo em trocadores de calor ar/gases
Descrição: Estudo aprofundado sobre o método de metalização aspersão térmica via arco elétrico. Revestimentos metálicos de ligas CrMO, WCr, CrNi e Al foram processados para determinação dos parâmetros operacionais. A camada de revestimento fabricada foi caracterizada quanto a microestrutura e resistências ao mecanismo de desgaste, abrasivo, erosivo e corrosivo..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Integrante / Norton Zanette Kejelin - Coordenador / Aline Resmini Melo - Integrante / Franco Wornski Comelli - Integrante.


Projetos de extensão


2018 - Atual
Estudo do sistema de arrefecimento para fluido de corte emulsivo da empresa INDUCAL de Luzerna-SC
Descrição: Este projeto de extensão tem objetivo de estudar alguns modelos de sistema térmico para arrefecimento do fluido de corte emulsivo do processo de usinagem, com a finalidade de melhorar a troca térmica desse fluido. A usinagem de peças com fluido de corte aquecido influencia no controle dimensional, uma vez que o mesmo exibe característica de lubrificação e refrigeração do corte. Métodos de arrefecimento do fluido de corte emulsivo passaram a ser objeto de estudo, em razão da manutenção da condutividade térmica do fluido. A estabilidade térmica do fluido tende a reduzir a dilatação linear de peças usinadas e partes estruturais do equipamento, com isso tem-se um melhor controle dimensional das peças usinadas. Neste sentido, alguns fatores técnicos e econômicos convergem para a diminuição do custo de produção de peças usinadas, no uso de fluido de corte emulsivo arrefecido. O fluido de corte utilizado de forma otimizada pode aumentar a quantidade de material retirado da peça usinada, redução da temperatura do inserto e melhores características de acabamento da superfície usinada. Segundo a literatura, no processo de fabricação por usinagem, o gradiente térmico gerado durante o corte ultrapassa 700°C, nos casos da usinagem de aço carbono com ferramenta de metal duro. Um ineficiente sistema de arrefecimento do fluido de corte emulsivo ocasiona a dilatação linear do material usinado. Isso ocasiona constantes paradas para ajustes do corretor dimensional das máquinas operatrizes CNC. Essas paradas aumentam o tempo indisponível do ativo para produção. Este projeto de extensão pretende se apropriar de conhecimentos da área térmica, termofluidas e usinagem CNC para estudar alguns métodos de arrefecimento com o intuito de reduzir a temperatura do fluido de corte emulsivo. Pesquisas na literatura sobre essas áreas do conhecimento serão feitas para embasar o modelamento matemático e a análise das simulações numéricas referentes ao sistema térmico estudado. Neste projeto, a empresa INDUCAL de Luzerna-SC atuará com parceira, uma vez que permite a instalação do sistema aquisição de dados de temperatura em torno CNC, além de disponibilizar dados de produção para o estudo estatístico. A empresa INDUCAL também pretende patrocinar a construção de um dos sistemas de arrefecimento propostos, o qual será desenvolvido pelos pesquisadores, como forma de combater o problema dimensional de peças de baixa tolerância na usinagem com fluido de corte emulsivo aquecido.
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Coordenador / Fernando Michelon Marques - Integrante / Aloysio Arthur Becker Fogliatto - Integrante / Marcos Vinicio Oro - Integrante / Viviane Pedroso silva de Oliveira - Integrante.Financiador(es): Instituto Federal Catarinense - Bolsa.
2018 - Atual
Desenvolvimento de processo e elaboração de procedimentos para o reparo por soldagem de ferramentas/matrizes de conformação a frio, visando-se ao desenvolvimento tecnológico e redução de custos em empresa do ramo metal mecânico de Luzerna-SC
Descrição: A proposta a seguir visa desenvolver um processo adequado para o reparo por soldagem de ferramentas/matrizes fabricadas com aços ferramenta para trabalho a frio. Estes aços são caracterizados por possuírem elevados teores de carbono e de outros elementos de liga que elevam a temperabilidade do material, possibilitando a obtenção de propriedades superiores como altas dureza e resistência ao desgaste, sendo estes aços considerados ?indeformáveis?. Porém, durante o ciclo de vida da ferramenta/matriz, fatores adversos como alteração da força de trabalho e/ou utilização incorreta podem conduzir à fratura ou ao desgaste prematuro em regiões indesejadas da matriz, o que conduz à inutilização da mesma. Entre os métodos de reparo de ferramentas/matrizes, destaca-se o processo de soldagem, o qual tem um grande potencial para obtenção de resultados eficazes e com uma baixa relação custo/benefício. No entanto, este método de recuperação envolve a seleção e o controle rigoroso de diversos parâmetros de processo, fato este que, aliado à história de processamento térmico dos aços ferramenta para trabalho a frio (estes aços sofrem um ciclo de tratamento térmico que possibilita o atingimento das propriedades adequadas às condições de trabalho, apresentando-se no estado temperado e revenido, o que eleva o grau de dificuldade para o retrabalho por soldagem e aumenta a necessidade de adoção de cuidados especiais para a obtenção de um reparo sem defeitos), conduz à necessidade de adoção de técnicas e consumíveis específicos, os quais somente podem ser desenvolvidos a partir de testes práticos que levem em consideração conhecimentos técnico-científicos das áreas mecânica, metalúrgica, de materiais e processos de fabricação/tratamentos térmicos. Deste modo, para que a vida útil destas ferramentas/matrizes seja aumentada, faz-se necessário desenvolver um processo de soldagem ? associado com tratamentos térmicos adequados ? que seja capaz de produzir uma solda de reparo livre de defeitos. A metodologia proposta objetiva selecionar os consumíveis, desenvolver os parâmetros de processo e realizar testes práticos de soldagem e tratamentos térmicos a partir do adequado conhecimento das características mecânico-metalúrgicas do aço liga utilizado. Para a análise dos resultados dos testes práticos, está prevista a realização de ensaios de inspeção visual, líquido penetrante (LP) e microdureza. Os resultados esperados incluem o desenvolvimento de técnicas de soldagem, tratamentos térmicos/mecânicos e seleção dos consumíveis mais adequados para o reparo por soldagem das ferramentas/matrizes de conformação a frio. Finalmente, pretende-se elaborar uma Especificação de Procedimento de Soldagem (EPS), de acordo com as normas AWS, e elaborar um artigo técnico-científico..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Integrante / Mario Wolarft Junior - Integrante / Aloysio Arthur Becker Fogliatto - Coordenador.
2018 - Atual
Sistema de controle e monitoramento de temperatura para fornos de tratamento térmico da empresa Kratochvil
Descrição: As técnicas de transformação dos metais têm-se aprimorado continuamente devido a necessidade de alterar suas características mecânicas. O tratamento térmico, por exemplo, proporciona aumento da dureza e da resistência das peças submetidas a esse processo. Porém, requisita um controle preciso da temperatura para atingir os resultados metalúrgicos projetados. Geralmente os fornos para tratamento térmico presentes em micro e pequenas empresas como as encontradas no arranjo produtivo local, possuem um controle limitado e dependente da interferência do operador. Isso pode prejudicar a eficácia da operação, além do que, a não padronização do processo pode acarretar em prejuízo para a empresa já que o tratamento térmico fora das especificações reflete na diminuição da vida útil do componente [1]. Além disso, a aplicação do tratamento térmico é considerada uma fase crítica do processo de produção, já que na grande maioria dos casos é a última etapa do processo e qualquer não conformidade representa um impacto maior nos custos de produção. De modo geral, o controle usualmente empregado aos fornos para tratamento térmico mais obsoletos é o on/off (liga/desliga) em que um valor de temperatura é configurado (set point) de modo que quando o sensor de temperatura detecta esse valor um atuador desliga as resistências. Esse tipo de controle (on/off), apesar de ser simples e econômico, provoca oscilações, principalmente quando o intervalo de tempo entre o instante em que o sistema sofre uma variação e o instante em que esta começa a ser detectada pelo elemento sensor (tempo morto) for muito grande, logo os resultados de controle tornam-se acentuadamente inadequados [2]. Sendo assim, uma das alternativas é a aplicação de uma ação de controle de variáveis contínuas, como por exemplo o controle PID - Proporcional Integral Derivativo. Este controle calcula, com base nas informações fornecidas, a ação corretiva mais apropriada para a execução da tarefa, através de uma relação entre os valores de entrada e saída. No projeto de pesquisa que será realizado de forma simultânea, será proposto um sistema de controle computacional simples e de fácil implementação, visando a obtenção de melhores resultados através da automação de grande parte do processo, possibilitando a sua adaptação na maioria dos fornos de baixo custo disponíveis no mercado e utilizados por micro e pequenas empresas. O sistema de controle proposto será disponibilizado para fins de testes ao forno da empresa de tratamento térmico Kratochvil Ferramentas de corte e serviço de usinagem, que atende amplos setores da indústria, produzindo ferramentas de corte para os mais variados setores produtivos, além de oferecer serviço de tratamento térmico de aços. A motivação deste projeto de extensão é disponibilizar o sistema desenvolvido para fins a diversas empresas locais, entre elas, a Kratochvil - Ferramentas de corte e serviços de usinagem, de modo a contribuir com o desenvolvimento científico do arranjo produtivo local e a integração desta com as atividades científicas e tecnológicas desenvolvidas no IFC. Apesar do enfoque desta pesquisa estar relacionado com a área mecânica de tratamento térmico, uma vez desenvolvido o sistema, com pouquíssimas variações inúmeras aplicações que sejam relacionadas à temperatura, como a área alimentícia e frigorífica, podem ser beneficiadas..
Situação: Desativado; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Integrante / Mario Wolarft Junior - Integrante / Eduardo Augusto Flesch - Coordenador / Marcos Vinicio Oro - Integrante / Rafael Ariente Neto - Integrante / Lucas Santana dos Santos - Integrante / Thalis Moritz Parize - Integrante / Lucas Martins Santana de Barros - Integrante / Giovani Pasetti - Integrante.Financiador(es): Instituto Federal Catarinense - Bolsa.
2017 - 2018
Avaliação das temperaturas desenvolvidas no acabamento de torneamento de liga Ti-6Al-4V com diferentes lubrificações
Descrição: Resumo: A liga de titânio Ti-6Al-4V possui baixa densidade junto com alta resistência mecânica, mesmo em altas temperaturas. Com isso apresenta ótimas soluções nas indústrias naval, aeroespacial, nuclear e biomédica. A influência que a usinagem exerce sobre a produtividade e o custo final de produção serve como parâmetro para reforçar a necessidade de preocupação com o comportamento desses materiais quando submeti-dos a algum processo de manufatura. A usinagem desta liga de titânio sempre foi classificada como de difícil usinabilidade. Deste modo, este projeto visa estudar o comportamento das temperaturas no acaba-mento superficial do torneamento da liga Ti-6Al-4V a seco, com lubrificação a ar comprimido e criogênico, utilizando parâmetros de corte já determinados em outros estudos. Visando assim diminuir atrito ferramenta/peça, obtendo maior vida útil da ferramenta, melhor acabamento superficial, e preservação da integridade superficial do material. O desenvolvimento se dará por meio de parâmetros de corte fixos, modificando os lubrificantes mencionados com o mesmo tempo de usinagem para todos, obtendo gráficos de temperatura em função do tempo, fazendo a avaliação de dureza e rugosidade superficial. Justificativa: As ligas de titânio, são um dos materiais mais utilizados na indústria aeronáutica, naval, petroquímica e biomédica em implantes cirúrgicos. Sua crescente utilização vem levantando questões que possibilitem melhorar sua utilização nos processos de manufatura, devido a sua difícil usinabilidade em função das altas temperaturas desenvolvidas nas atividades em função de ser um material de baixa condutividade térmica. Fluidos de corte convencionais em sua maioria não são recomendados em função de reagir quimicamente com o material. Por outro lado, os fluidos especiais existentes têm custo elevado, onde aumentam os custos de produção além de poluir meio ambiente. A utilização de fluidos como o criogênico vem crescendo na indústria internacional, mas não sendo tão conhecida no pais. A possibilidade de diminuir drasticamente as temperaturas na usinagem de titânio é de grande ganho da indústria do ponto de vista onde irá poder aumentar a produtividade e reduzir os gastos com ferramentas, e possibilitando melhorar a integridade superficial da peça bem como diminuir a influência das temperaturas na microestrutura do material. O pouco conhecimento da usinagem de titânio na região instiga a pesquisa e procura por experiência no desenvolvimento neste processo, sendo que o principal meio produtivo local é a área metalúrgica. Recentemente empresas como IAF ? Industria Catarinense Aeroespacial LTDA e NMT ? New Medical Technology atuam na região, onde ambas têm o interesse na utilização do titânio em seus produtos, procurando formas de desenvolver um método eficaz e viável para manufatura do mesmo. Assim pode-se contribuir para o desenvolvimento de um novo patamar na usinagem das ligas de titânio, sendo de grande ganho para indústria tanto regional quanto nacional..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Rodrigo Cardoso Costa - Coordenador / Mario Wolarft Junior - Integrante / Felipe Canal - Integrante.


Revisor de periódico


2016 - 2016
Periódico: Revista Matéria


Áreas de atuação


1.
Grande área: Engenharias / Área: Engenharia Mecânica / Subárea: Processos de Fabricação/Especialidade: Processo de soldagem.


Prêmios e títulos


2013
Mestre em Engenharia, UFRGS.
2006
Pós Graduado "Lato sensu", UCB.
2005
Graduado em Tecnologia em Eletromecânica, UNESC.
2002
Diploma de Técnico em Mecânica, Escola Técnica "General Oswaldo Pinto da Veiga"-SATC.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
MARQUES, F. M.2016MARQUES, F. M. ; COSTA, R. C. ; Rocha, AS . Análise de Desgaste Abrasivo do Revestimento Duro a base de Carbonetos de Cromo depositado por SMAW. REVISTA IBEROAMERICANA DE INGENIERÍA MECÁNICA, v. 20, p. 13-23, 2016.

2.
COSTA, R. C.2014 COSTA, R. C.; KEJELIN, N. Z. ; COMELLI, F. W. ; DACOREGGIO, M. V. . Avaliação da Resistência a Corrosão de Revestimentos Metálicos Depositados por Aspersão Térmica a Arco: uma Aplicação em Trocadores de Calor. REVISTA SOLDAGEM E INSPEÇÃO, v. 19, p. 292, 2014.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. ; BALD, M. F. ; BALAN, N. J. ; JOSE, D. R. . Desenvolvimento de equipamento para realização de ensaio de torção em eixo AISI 4340. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23 CBECIMAT, 2018.

2.
COSTA, R. C.; FLESCH, E. A. ; DACAS, F. P. ; MARQUES, F. M. ; CANAL, F. ; DESIDERIO, E. A. . Avaliação da refrigeração criogênica na usinagem CNC do aço inoxidável martensítico AISI 440c. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23º CBECIMAT, 2018.

3.
COSTA, R. C.; ZAGO, M. R. ; ROCHA, A. S. ; WOLARFT M. J. ; SAVI, W. L. ; MARQUES, F. M. . Estudo dos parâmetros de soldagem GMAW-MAG em aço dissimilar. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23º CBECIMAT, 2018.

4.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. ; WOLARFT M. J. . Caracterização microestrutural, química e microdureza dos aços inoxidáveis. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23° CBECIMAT, 2018.

5.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. ; ROCHA, A. S. . The influence of the machining processo n the surface integrity and properties of ASTM F138 and AISI 316L austenitic stainlesse steels. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23º CBECIMAT, 2018.

6.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. . Estudo comparativo de aços inoxidáveis em aplicações marítimas. In: 23º Congresso Brasileiro de Ciência dos Materiais, 2018, Foz do Iguaçu-PR. 23º CBECIMAT, 2018.

7.
COSTA, R. C.; DACAS, F. P. ; DESIDERIO, E. A. . Estudo sobre refrigeração criogênica na usinagem de torneamento CNC. In: Semana da Ciência e Tecnologia - SECITEC - IFC Campus Luzerna, 2018, Luzerna-SC. SECITEC 2018, 2018.

8.
COSTA, R. C.; BARP, L. ; DACAS, F. P. ; BALD, M. F. ; MARQUES, F. M. ; BALAN, N. J. . Desenvolvimento de equipamento e metodologia para caracterização da resistência mecânica a torção de materiais. In: Semana de Ciência e Tecnologia - SECITEC- IFC Campus Luzerna, 2018, Luzerna-SC. SECITEC 2018, 2018.

9.
ROCHA, A. S. ; COSTA, R. C. ; MARQUES, F. M. ; HOFFMANN, P. R. . Influência do processo de usinagem na integridade superficial e propriedades da liga de aço inox austenítico F138 e 316L. In: 9º Congresso Latino-Americano de órgãos artificiais e biomateriais, 2016, Foz de Iguaçu. 9º COLAOB, 2016.

10.
COSTA, R. C.; KEJELIN, N. Z. ; ROCHA, A. S. ; COMELLI, F. W. ; BUSCHINELLI, A. J. A. . Estudo do Desempenho de Revestimentos Metálicos Depositados Pelo Processo de Aspersão Térmica à Arco, em Relação ao Desgaste Erosivo em Trocadores de Calor Ar/Gases.. In: XXXVIII CONSOLDA ? Congresso Nacional de Soldagem 15 a 18 de Outubro de 2012, 2012, Ouro Preto, MG, Brasil. XXXVIII CONSOLDA, 2012.

11.
ROCHA, A. S. ; COSTA, R. C. ; CASTRO3, R. M. ; MARQUES, F. M. ; CAVALER, L. C. C. . Análise de desgaste de brocas de aço rápido revestidas com AlCrN e não revestidas, na usinagem do ferro fundido nodular DIN GGG 50. In: 20º Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais, 2012, Joinville. 20º CBECIMAT, 2012.

Apresentações de Trabalho
1.
COSTA, R. C.; MILAK, L. C. ; MARQUES, F. M. ; LOPES, A. M. ; MILANEZ, A. . ESTUDO DAS CARACTERISTICAS MECÂNICAS DO ALUMÍNIO EM RELAÇÃO À LIGA DE NIAL COMO CAMADA DE LIGAÇÃO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA À ARCO. 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
COSTA, R. C.; KEJELIN, N. Z. ; MILAK, L. C. ; CASTRO3, R. M. ; COMELLI, F. W. . ESTUDO COMPARATIVO DE REVESTIMENTOS METÁLICOS, DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA A ARCO, CONTRA DESGASTE ABRASIVO DAS CHAPAS DE AÇO SAE 1060 UTILIZADAS NA ESTEIRA TRANSPORTADORA DE CINZAS. 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).


Demais tipos de produção técnica
1.
COSTA, R. C.. Metrologia I. 2017. (Apostila técnica).

2.
COSTA, R. C.. Soldagem. 2017. (Apostila Técnica).

3.
COSTA, R. C.. Eletricidade. 2017. (Apostila Técnica).

4.
COSTA, R. C.. Manutenção Mecânica Industrial. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

5.
COSTA, R. C.. Curso de Solda MAG/MIG. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

6.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2014. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

7.
MELO, A. R. ; COSTA, R. C. ; KEJELIN, N. Z. ; COMELLI, F. W. . Desenvolvimento de novos Revestimentos por Aspersão Térmica à ARCO para Proteção contra Corrosão e Desgaste Erosivo em Trocadores de Calor Ar/Gases. 2012. (Relatório de pesquisa).

8.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2011. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

9.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

10.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2009. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

11.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

12.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M.. Participação em banca de Diego Cardozo de Jesus.Análise de resistência ao desgaste em palhetas de turbina para máquina de jateamento. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

2.
MARQUES, F. M.; COSTA, R. C.. Participação em banca de Josué Colonetti Boaroli.Caracterização microestrutural química e microdureza dos aços inoxidáveis. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

3.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Allisson Vieira Menegaz.Estudo na soldagem pelo processo GMAW-MAG em distintas espessuras de chapas de aço carbono com diferentes diêmtros de arames sólidos. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

4.
COSTA, R. C.. Participação em banca de João Antônio Gaidzinki.Influência do gás de proteção utilizado na soldagem de aço inoxidável AISI 304 pelo processo GMAW-MIG/MAG com metal de adição ER308LSi. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

5.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Raphael Marcon Gonçalves.Estudo da influência do pré-aquecimento e do tratamento térmico pós-soldagem sobre a microestrutura e microdureza de tubos em aço liga DIN 10CrMO910. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

6.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Renan Vieira.Desenvolvimento do projeto mecânico de uma máquina para teste de torção em eixos. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

7.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Carlos Alexandre Borges de Souza.Análise de resistência ao desgaste e a corrosão do aço AISI 304 utilizados em mineradoras de carvão. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

8.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Edvaldo silva da Roza.Desenvolvimento de uma máquina protótipo para ensaio de torção em eixos. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

9.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Raphael Marcon Gonçalves.Estudo da influência do pré-aquecimento e do tratamento térmico pós-soldagem sobre a microestrutura e microdureza de tubos em aço liga DIM 10CrMo910. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

10.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Talles Ramires Comim Salvaro.Desenvolvimento de bancada de testes em rolamentos fixos de uma cerreira de esferas. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC.

11.
COSTA, R. C.; COMELLI, F. W.; FELIPPE, L.. Participação em banca de Brainer Rodrigues Martins.Estudo do Desempenho de Revestimentos Metálicos Depositados pelo Processo de Aspersão Térmica à Arco em Relação ao Desgaste Erosivo em Trocadores de Calor Ar/Gases. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

12.
COSTA, R. C.; COMELLI, F. W.. Participação em banca de Lucas Cardoso Milak.Estudo da Resistência ao Desgaste Abrasivo dos Revestimentos depositados por Aspersão térmica à Arco em comparação às Chapas de aços ABNT 1060 Empregadas na Esteira Transportadora de Cinzas do Complexo Termelétrico jorge lacerda. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.

13.
COSTA, R. C.. Participação em banca de Carlos Alberto Minetto.Recuperação dimensional em cabeçotes de alumínio para motor automotivo utilizando-se o processo de aspersão. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC.




Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
CBECIMAT. 20° Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais. 2012. (Congresso).

2.
CONSOLDA. 36° Congresso nacional de Soldagem. 2012. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. . Palestra VII SECITEC - Influência da potência e parâmetros de corte na usinagem em máquina CNC. 2018. (Outro).

2.
COSTA, R. C.; MARQUES, F. M. . MInicurso - Usinagem CNC de rosca triangular externa. 2018. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Nicolas Willich Klickow. Desenvolvimento de projeto para máquina de teste de abrasão de baixa tensão. Início: 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

2.
Fernando Prando Dacas. Avaliação da refrigeração criogênica na usinagem CNC do aço inoxidável austenítico AISI 316L. Início: 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

3.
Lucas Barp. Desenvolvimento de equipamento e metodologia para caracterização da resistência mecânica a torção de materiais. Início: 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

Iniciação científica
1.
Viviane Pedroso Silva de Oliveira. Estudo do sistema de arrefecimento para fluido de corte emulsivo da empresa INDUCAL de Luzerna-SC. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense, Instituição Federal Catarinense. (Orientador).

2.
Neimar João Balan. Desenvolvimento de equipamento e metodologia para caracterização da resistência mecânica a torção de materiais. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

3.
Alexandre Daniel Bohlke. Desenvolvimento de equipamento para ensaio de abrasivo de baixa tensão ASTM G65. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense, Instituição Federal Catarinense. (Orientador).

4.
Mateus Felipe Bald. Desenvolvimento de equipamento e metodologia para caracterização da resistência mecânica a torção de materiais. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

5.
Mateus Boesing Bilibio. Estudo da refrigeração criogênica na usinagem de torneamento CNC. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

Orientações de outra natureza
1.
Guilherme Santana Parizotto. Orientação de estágio não obrigatório. Início: 2018. Orientação de outra natureza. Instituto Federal Catarinense. (Orientador).

2.
Maecio Bernard. Orientação de estágio obrigatório. Início: 2018. Orientação de outra natureza. Instituição Federal Catarinense. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Washington Luiz Savi. Estudo sobre soldagem GMAW-MAG multipasses para desenvolvimento de EPS. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

2.
Ivan Damiani. Desenvolvimento de equipamento para ensaio de abrasivo de baixa tensão ASTM G65. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

3.
Douglas Ramos. Avaliação do argônio como gás de mistura na metalização do revestimento AISI 316L via AS. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Manutenção Industrial) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

4.
Marcio de Souza Martins. Metalização AS com gás de mistura: Um estudo sobre a aplicação do gás argônio. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

5.
Gustavo Savi Freitas. Influência do gás de mistura sobre a resistência a corrosão do revestimento AISI 420 metalizado por Arc Spray. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

6.
Bruno Resendes Ferreira. Influência dos parâmetros e modo de soldagem GMAW-MAG sobre o índice de respingos utilizando gás de mistura CO2 puro. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

7.
Carlos Messias Fortunato Junior. Caracterização de juntas soldadas pelo processo de soldagem FCAW pulsado térmico. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

8.
Hudson Marcolino Cardoso. Análise dos principais parâmetros do processo de soldagem MAG Automatizada na fabricação de grampos para secagem de tabaco. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

9.
Jaks Paquelin. Comparação entre os processos de soldagem SMAW e FCAW na soldagem de tubos de pequenas espessuras. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Engenharia Mecânica) - Faculdade SATC. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

Iniciação científica
1.
Felipe Canal. Resumo: A liga de titânio Ti-6Al-4V possui baixa densidade junto com alta resistência mecânica, mesmo em altas temperaturas. Com isso apresenta ótimas soluções nas indústrias naval, aeroespacial, nuclear e biomédica. A influência que a usinagem exerce sobre a produtividade e o custo final de produção serve como parâmetro para reforçar a necessidade de preocupação com o comportamento desses materia. 2018. Iniciação Científica. (Graduando em Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

Orientações de outra natureza
1.
Fernando Prando Dacas. Orientação de estágio obrigatório. 2018. Orientação de outra natureza. (Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

2.
Nicolas Willich Klickow. Orientação de estágio obrigatório. 2018. Orientação de outra natureza. (Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

3.
Letícia Bareta Savaris. Orientação de estágio não obrigatório. 2018. Orientação de outra natureza. (Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

4.
Camila Costa. Orientação de estágio obrigatório. 2018. Orientação de outra natureza. (Engenharia Mecânica) - Instituto Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.

5.
Lucas Barp. Orientação de estágio obrigatório. 2017. Orientação de outra natureza. (Engenharia Mecânica) - Instituição Federal Catarinense. Orientador: Rodrigo Cardoso Costa.



Inovação



Projetos de pesquisa

Projeto de extensão


Educação e Popularização de C & T



Artigos
Artigos completos publicados em periódicos
1.
COSTA, R. C.2014 COSTA, R. C.; KEJELIN, N. Z. ; COMELLI, F. W. ; DACOREGGIO, M. V. . Avaliação da Resistência a Corrosão de Revestimentos Metálicos Depositados por Aspersão Térmica a Arco: uma Aplicação em Trocadores de Calor. REVISTA SOLDAGEM E INSPEÇÃO, v. 19, p. 292, 2014.


Apresentações de Trabalho
1.
COSTA, R. C.; MILAK, L. C. ; MARQUES, F. M. ; LOPES, A. M. ; MILANEZ, A. . ESTUDO DAS CARACTERISTICAS MECÂNICAS DO ALUMÍNIO EM RELAÇÃO À LIGA DE NIAL COMO CAMADA DE LIGAÇÃO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA À ARCO. 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
COSTA, R. C.; KEJELIN, N. Z. ; MILAK, L. C. ; CASTRO3, R. M. ; COMELLI, F. W. . ESTUDO COMPARATIVO DE REVESTIMENTOS METÁLICOS, DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA A ARCO, CONTRA DESGASTE ABRASIVO DAS CHAPAS DE AÇO SAE 1060 UTILIZADAS NA ESTEIRA TRANSPORTADORA DE CINZAS. 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).


Cursos de curta duração ministrados
1.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

3.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2009. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

4.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

5.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2011. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

6.
COSTA, R. C.. Curso de Solda. 2014. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

7.
COSTA, R. C.. Manutenção Mecânica Industrial. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

8.
COSTA, R. C.. Curso de Solda MAG/MIG. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 20/01/2019 às 20:18:54