Brunno Manoel Azevedo Pessoa

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3378393206060749
  • Última atualização do currículo em 24/04/2018


Graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2012). Mestre em História Social da Cultura pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2018). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ? CAPES/UFRPE, atuando na Escola de Referência em Formação de Professores do Ensino Médio Professor Cândido Duarte onde desenvolveu projeto de pesquisa em docência (2011). Atuou como Professor de História no Projeto Rumo à Universidade, do Departamento de Educação da UFPE (2014). Atuou também como Assistente de Documentação e Pesquisa do Instituto de Desenvolvimento e Gestão no Museu Cais do Sertão, e posteriormente como Coordenador Educativo e de Documentação e Pesquisa no Museu Cais do Sertão nas gestões do Instituto de Desenvolvimento e Gestão / Fundação Gilberto Freyre (2014-2017). Tem em experiência na área de História, com ênfase em Ensino de História na especialidade de produção de conhecimento histórico escolar e Educação em Museus. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Brunno Manoel Azevedo Pessoa
Nome em citações bibliográficas
PESSOA, B.M.A.


Formação acadêmica/titulação


2015 - 2018
Mestrado em História Social da Cultura Regional.
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.
Título: NARRANDO EXPERIÊNCIAS, SIMULANDO VIVÊNCIAS: A CONSTRUÇÃO LÚDICA DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR ATRAVÉS DOS ROLEPLAYING GAMES.,Ano de Obtenção: 2018.
Orientador: Giselda Brito Silva.
Palavras-chave: RPG; Ensino de História.
Grande área: Ciências Humanas
Setores de atividade: Educação.
2008 - 2012
Graduação em Licenciatura Plena em História.
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.
Título: Narrativa, ficção e simulação:a utilização dos roleplaying games na construção do saber histórico escolar..
Orientador: Lúcia Falcão Barbosa.




Formação Complementar


2011
Curso de Inglês..
Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - PE, SENAC/PE, Brasil.
2018 - 2018
Curso de Formação de Educadores. (Carga horária: 14h).
Museu do Futebol, MF, Brasil.
2016 - 2016
Trânsitos entre o brincar e a arte-educação. (Carga horária: 12h).
Museu Cais do Sertão, MCS, Brasil.
2016 - 2016
Curso de Formação de Professores - "O Cais do Sertão como objeto de ensino". (Carga horária: 9h).
Museu Cais do Sertão, MCS, Brasil.
2016 - 2016
X Curso de Extensão Para Ler: Fernand Braudel. (Carga horária: 16h).
Instituto Ricardo Brennand, IRB, Brasil.
2011 - 2011
Mídia e Juventude: Representações do tempo. (Carga horária: 6h).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2009 - 2011
Extensão universitária em Estudos de Cultura e Língua Japonesa. (Carga horária: 300h).
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.
2010 - 2010
A Fronteira no Processo Colonizador Americano. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2010 - 2010
Linguagens Alternativas do Ensino de História. (Carga horária: 9h).
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.
2008 - 2008
História Política, Religiosa e Memória. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2014
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista PIBID, Carga horária: 20


Projeto Rumo à Universidade - UFPE, PRU - UFPE, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2013
Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Voluntário, Carga horária: 8


Museu da Cidade do recife, MCR, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2011
Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Mediação, Restauração e Conservação de Acervo, Carga horária: 20
Outras informações
Desenvolveu no setor de Gerência de Educação Patrimonial as seguintes atividades: Auxiliar na Recepção e Mediação de Visitantes. Durante o Estágio participou também no setor de Restauro em Papel da Mapoteca do Museu.


Fundação Joaquim Nabuco, FUNDAJ, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2013
Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Mediador, Carga horária: 20


Instituto de Desenvolvimento e Gestão, IDG, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Assistente de Documentação e Pesquisa, Carga horária: 40

Vínculo institucional

2015 - 2015
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Supervisor do Educativo, Carga horária: 40

Vínculo institucional

2014 - 2014
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Educador Bilíngue, Carga horária: 36


Sferastudios, SFERA, Estados Unidos.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Translator


Fundação Gilberto Freyre, FGF, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Supervisor do Educativo, Carga horária: 44



Outros Projetos


2012 - 2013
A Produção de Narrativas Ficcionais a partir do jogo de RPG para a Construção do Saber Histórico Escolar.
Descrição: O RPG ou Roleplaying Game é um jogo de produzir narrativas ficcionais através da oralidade. O RPG foi criado nos Estados Unidos em janeiro de 1974. Uma partida de RPG é constituída basicamente por um grupo de três ou mais integrantes, chamados de ?jogadores?. Uma aventura ou situação problema é apresentada por um jogador que possui um papel diferenciado ? é o mestre ou narrador, responsável por conduzir o jogo ? enquanto os outros jogadores irão interpretar personagens fictícios dentro da trama ou intriga proposta pelo narrador. As ações podem acontecer em vários ambientes, que são chamados de ?mundos?. A inspiração dessas realidades ou mundos simulados nos jogos pode vir das mais variadas fontes, geralmente relacionadas com histórias em quadrinhos, filmes, jogos de videogame (fantasia medieval, terror, futurista, alienígena, de influência histórica, etc.). O objetivo é criar histórias envolventes e que tragam reações e criem situações (de medo, de suspense, de coragem, cômicas, etc.) com a finalidade de entreter os participantes do jogo. Como afirma Sônia Rodrigues: ?O RPG é uma forma específica de atividade, com sentido e função social. (...) é um jogo de produzir ficção manifesta oralmente e em grupo? (RODRIGUES, 2004). Sendo assim, a iniciativa é o uso do RPG na sala de aula, não só como uma ferramenta lúdica, mas também como uma forma específica de produção de conhecimento escolar pautado em narrativas e simulações orais, que permitem aos estudantes o conhecimento e a instrumentalização de diversas ferramentas e habilidades necessárias para seu desenvolvimento enquanto pessoas críticas e participativas socialmente. Dentre essas habilidades ou ferramentas, podemos citar o aprimoramento da capacidade de ler, interpretar e produzir textos; da capacidade de argumentação e socialização diante do público, ao interagir com os colegas de classe nos debates, situações e problemas trazidos à aula-jogo; da pesquisa e do trabalho criativo para o desenvolvimento de personagens, cenários e tramas enquanto uma forma de adquirir e transformar conhecimentos, exigindo um senso de compromisso, organização e responsabilidade dos participantes. Segundo Carlos Eduardo Klimick, ?Ao ambientar os participantes em um cenário para a narrativa e construí-la coletivamente com uma sequência de eventos, pelo menos parcialmente determinada pelas decisões dos participantes sobre as ações de suas personagens, o RPG tem uma capacidade de simulação da realidade que é vantajosa para as propostas educacionais.? (PEREIRA, 2009). Além de garantir uma participação diferenciada do aluno em sala de aula ao coloca-lo como agente na produção do saber histórico escolar, permite a apropriação de conceitos considerados chaves (liberdade, escravidão, cidadania, dentre outros.) para a construção do conhecimento histórico escolar, através da experiência de simulação que o jogo de RPG permite. É a possibilidade do lúdico enquanto construtor do conhecimento..
Situação: Concluído; Natureza: Outra.
2011 - 2012
RPG Educativo: possibilidades para um novo ensino de História.
Descrição: A utilização de diferentes recursos, técnicos ou teóricos, com a intenção de aprimorar os processos de ensino e aprendizagem em sala de aula é uma prática existente na atualidade. Segundo Selva Guimarães Fonseca, tornou-se prática recorrente na educação escolar o uso de imagens, obras de ficção, artigos de jornal, filmes e programas de TV (FONSECA, 2003). No ensino da História, identificamos essa utilização de recursos ou linguagens variados como uma metodologia válida, enquanto uma disciplina escolar que propõe a formação de indivíduos críticos e ativos socialmente. A autora também reconhece que, ao incorporarmos diferentes linguagens no processo de ensino de história, reconhecemos não só a estreita ligação entre os saberes escolares e a vida social, mas também a necessidade de reconstruirmos nosso conceito de ensino e aprendizagem (IDEM). Nessa perspectiva, proponho o trabalho em sala de aula com o RPG. Ao ser utilizado enquanto metodologia de ensino, o jogo possibilita ao aluno, através da simulação de situações existentes ao longo da história, uma vivência dos conteúdos aplicados. Essa vivência, além da simples participação em sala de aula, permite a apropriação de conceitos (liberdade, escravidão, cidadania etc.), como chaves para construção de um conhecimento crítico e participativo. Dentro desse contexto, tenho como proposta de trabalho:  A Participação de alunos e professores em oficinas que os familiarizem e os aproximem com a prática do RPG;  Estimular a pesquisa, entre os estudantes, para que esses possam produzir seus próprios cenários de jogo;  Estimular também a aplicação dessas produções na própria escola, pelos estudantes, de forma a incentivar sua capacidade criativa;  Promover, de forma interdisciplinar, a utilização de recursos tecnológicos de edição e produção de textos para a formulação desses cenários;  Levantar, enquanto uma experiência válida, a utilização da simulação narrativa do RPG como uma metodologia para o ensino e a aprendizagem da disciplina de história.  Promover a produção de narrativas, aplicadas ao ensino da História, através do jogo de RPG..
Situação: Concluído; Natureza: Outra.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: Subárea: Ensino de História/ Especialidade: Conhecimento Histórico Escolar.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: Subárea: Ensino de História / Especialidade: Linguagens Alternativas.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: Subárea: Ensino de História/ Especialidade: Narrativas Ficcionais.


Idiomas


Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Pouco, Lê Bem, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Capítulos de livros publicados
1.
PESSOA, B.M.A.; BARBOSA, L. F. . Roleplaying Games e o Ensino de História: narrativa, simulação e criação em sala de aula. In: Ricardo de Aguiar Pacheco. (Org.). Iniciação à Docência no contexto da Escola. 1ed.Recife: Editora Universitária UFRPE, 2013, v. , p. 89-96.

Apresentações de Trabalho
1.
PESSOA, B.M.A.. Compartilhando Experiências: Reflexões sobre a relação jogador-personagem presentes nos roleplaying games para o ensino da história. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
PESSOA, B.M.A.. Historiografia e história ensinada - o saber histórico institucionalizado para o ensino médio em Recife-PE. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
PESSOA, B.M.A.. O Roleplaying Game enquanto uma linguagem alternativa para a construção do saber histórico escolar: um estudo de caso. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

4.
PESSOA, B.M.A.; BARBOSA, L. F. . Produção de narrativas ficcionais: rpg e ensino de história na erem Cândido Duarte. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

5.
PESSOA, B.M.A.. Quanta Cura - Do interesse de todos: A Ação da Igreja Católica no Processo de Unificação Italiana. 2011. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

6.
PESSOA, B.M.A.; BARBOSA, L. F. . RPG Educativo: narrativa e simulação aplicados ao ensino de história. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).


Demais tipos de produção técnica
1.
PESSOA, B.M.A.. A Educação na Construção da Identidade Sertaneja. 2016. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
SANTOS, M. R. ; DIAS, L. O. ; LUNA, M. A. ; PESSOA, B.M.A. ; RAMOS, J. C. . Roteiro Pedagógico Cais do Sertão. 2014. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Cartilha).

3.
SILVA, J. D. V. ; PESSOA, B.M.A. . RPG em sala de aula: o chamado para a aventura. 2012. (Curso de curta duração ministrado/Outra).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
XI Encontro Estadual de História de Pernambuco.Historiografia e História ensinada: o saber histórico institucionalizado para o ensino médio em Recife-PE. 2016. (Encontro).

2.
XVI Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2016. (Simpósio).

3.
II Seminário Brasileiro de Museologia. 2015. (Seminário).

4.
XV Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFRPE.NARRATIVA E SIMULAÇÃO APLICADAS À HISTÓRIA: O ROLEPLAYING GAME COMO METODOLOGIA LÚDICA EM ESCOLAS PÚBLICAS DO RECIFE. 2015. (Simpósio).

5.
Encontro de Educadores e Museu: Tempo, memória e contemporaneidade.. 2012. (Encontro).

6.
I Colóquio de Ensino de História Contemporânea: 140 anos da Comuna de Pairs. 2011. (Encontro).

7.
V Encntro de Cultura e Memória: História, Narrativa, Patrimônio.Museu da Cidade do Recife: Memória, Patrimônio e Turismo Educativo. 2011. (Encontro).

8.
XXVI Simpósio Nacional de História. 2011. (Simpósio).

9.
I Colóquio de Interpretação do Subdesenvolvimento - Construção de uma identidade latino-americana: política, pensamento e globalização. 2010. (Outra).

10.
I Encontro de História Sócio-Cultural: História, metodologia e memória: Desafios e possibilidades. Monitoria. 2010. (Encontro).

11.
III Encontro Internacional de História Colonial: Cultura, poderes e sociabilidades no mundo atlântico (séc. XVI - XVIII). Monitoria. 2010. (Encontro).

12.
VIII Encontro Estadual de História. Monitoria.. 2010. (Encontro).

13.
I Congresso Internacional de Antropologia da Religião. Monitoria. 2009. (Congresso).

14.
Seminário 30 anos de Anistia: "Pelo Direito à Memória e à Verdade. Carga Horária: 07 horas.. 2009. (Seminário).

15.
I Encontro de História e Cultura Afro-Brasileira Desmistificando o negro: História, desafios e resistências. 2008. (Encontro).

16.
VI Semana Acadêmica de História da UFRPE: História e Memória do Nordeste: a construção historiográfica de uma região.. 2008. (Outra).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
PESSOA, B.M.A.. I Encontro de História Sócio-Cultural: História metodologia e memória: Desafios e possibilidades.. 2010. (Outro).

2.
PESSOA, B.M.A.. Para que não Esqueçamos: O triunfo sobre a escravidão. 2010. (Exposição).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 10/12/2018 às 9:45:35