Ana Paula Garcia Boscatti

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6432204346061702
  • Última atualização do currículo em 24/06/2018


Possui graduação em Comunicação Social pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP) e em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi bolsista Ilê-de-France e é mestre em Sociologia com ênfase em gênero, politica e sexualidade pela École des Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS-Paris). Atualmente faz Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas na UFSC, com atuação na área de Estudos de Gênero. Tem interesse nas discussões sobre culturas visuais, teorias feministas intersecionais e feminismos descoloniais. É Editora Assistente da Revista Internacional Interdiciplinar em Ciências Humanas - INTERthesis na mesma Universidade. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Ana Paula Garcia Boscatti
Nome em citações bibliográficas
BOSCATTI, Ana Paula Garcia


Formação acadêmica/titulação


2016
Doutorado em andamento em Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Orientador: Joana Maria Pedro.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2013 - 2015
Mestrado em Genre, politique et sexualité (Sociologie).
Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.
Título: L´invention des fesses comme identité nationale au Brésil,Ano de Obtenção: 2015.
Orientador: Monica Raisa Schpun.
Bolsista do(a): Conseil Regional Ilê-de-France, IDF, França.
2008 - 2013
Graduação em Ciências Sociais.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: O jornalismo crítico musical da Revista Bizz(1985-1989) na consolidação do rock brasileiro.
Orientador: Alexandre Bergamo Idargo.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2002 - 2006
Graduação em Comunicação Social.
Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM, Brasil.
Título: Arte e Ciência no Palco.
Orientador: Fernando Cascardo.




Formação Complementar


2009 - 2012
Extensão universitária em Cursos Extracurriculares de Línguas Estrangeiras d. (Carga horária: 60h).
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
2010 - 2010
Introdução ao Teatro do Objeto. (Carga horária: 20h).
SESI - Departamento Regional do Estado de Santa Catarina, SESI-DRSC, Brasil.
2008 - 2008
Extensão universitária em Gilberto Freyre e o Pensamento Social Brasileiro. (Carga horária: 60h).
Museu da Língua Portuguesa, MLP, Brasil.
2008 - 2008
JAMES JOYCE: UM ITINERÁRIO DE LEITURA. (Carga horária: 15h).
Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, CASA DAS ROSAS, Brasil.
2008 - 2008
Poesia no Brasil do Romantismo ao Modernismo. (Carga horária: 60h).
Biblioteca Alceu Amoroso Lima, BAAL, Brasil.


Atuação Profissional



Conseil Regional Ile-de-France, IDF, França.
Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsita IDF, Carga horária: 40


Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades, NIGS, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2011
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista extensão, Carga horária: 20


Núcleo de Estudos em Sociologia da Mídia e da Cultura, URBIS, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
A Profissão de Jornalista e a Redefinição do Trabalho Intelectual, Descrição: A história do jornalismo no Brasil é marcada por mudanças que afetaram, ao longo do tempo, não apenas suas formas de recrutamento, mas também os princípios de hierarquização que lhe eram próprios. Nos anos 1940 surge a primeira Escola de Jornalismo, a Cásper Líbero. Depois disso, novas escolas surgiram e o ensino da profissão passou por modificações profundas no final dos anos 1970. Também nesse mesmo período e, principalmente, nos anos 1980, acirra-se uma disputa entre antigos jornalistas e egressos dos cursos de jornalismo , disputa essa que conseguiu apenas aumentar o fosso já existente entre a prática jornalística e o ensino universitário . Muito mais do que a redefinição do exercício de uma profissão , as modificações observadas no jornalismo parecem indicar uma redefinição geral do trabalho intelectual. O que o conjunto dessas mudanças demonstra é que está em jogo não apenas a definição do que seja o trabalho jornalístico, mas também a própria definição do que esse trabalho possa ou não ter de intelectual . A fronteira que dividia o trabalho intelectual do técnico foi eliminada. Alargou-se, com isso, o campo daquilo que é considerado intelectual , e funções antes técnicas passaram a ser caracterizadas também como trabalho intelectual . Da mesma forma, funções antes intelectuais passaram a ser desempenhadas como se fossem meramente técnicas . O objetivo central desta pesquisa é tentar compreender as mudanças que ocorreram no jornalismo nesses últimos anos e como elas, primeiro, representaram uma série de redefinições a respeito das questões que cercam a sua formação, a sua profissão, as suas relações com a notícia e, segundo, como essas mudanças implicaram uma redefinição do próprio trabalho intelectual.. , Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Alexandre Bergamo Idargo - Coordenador.

Vínculo institucional

2012 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista, Carga horária: 20
Outras informações
Mostra fotografica Ademar Anacleto O que mudou na vida dos trabalhadores e no trabalho desde a década de 60? A exposição ?Imagens da mudança: trabalhadores de Santa Catarina no acervo de Waldemar Anacleto? permite compreender a conversão de artesãos em operários, a implantação das linhas de produção e o surgimento de uma sociedade de massas em Santa Catarina. A mostra fotográfica, que abre no dia 27 de março, às 19h30 na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, é fruto da união de esforços entre o Serviço Social do Comércio de Santa Catarina (SESC-SC), em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que cedeu recursos através do recém-criado Programa Bolsa Cultura.A sequência de imagens em preto e branco foi selecionada de um acervo de mais de 4 mil fotos e filmes doados pela família de Waldemar Anacleto ao Núcleo de Estudos sobre Transformações no Mundo do Trabalho (TMT), da UFSC


Núcleo de Estudos sobre Transformações no Mundo do Trabalho, TMT/ UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista, Carga horária: 20
Outras informações
A pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro, liderada pela Profº Drº Jacques Mick e Samuel Lima, vinculada ao nucleo TMT da UFSC, tem por objetivo: a) Estimar o número de jornalistas em atuação no Brasil no final de 2010; b) Estimar a distribuição territorial dos jornalistas por estado da federação; c) Identificar a distribuição dos jornalistas por funções na profissão; d) Formular hipóteses derivadas dessa comparação, para alimentar a segunda etapa deste projeto de pesquisa, destinada a traçar o perfil da categoria. Objetivos específicos: A partir da comparação dos dados sobre o volume e a distribuição territorial dos jornalistas brasileiros disponíveis em bases montadas a partir de informações do Ministério do Trabalho, da Federação Nacional dos Jornalistas e seus sindicatos e das escolas de jornalismo e de comunicação social com habilitação em jornalismo pretende-se: a) Estimar a taxa de sindicalização dos jornalistas, em relação ao total da categoria; b) Estimar a divisão da categoria por gênero; c) Estimar o impacto dos cursos superiores de jornalismo sobre a composição do mercado de trabalho e a variação desse efeito ano a ano entre 2006 e 2010; d) Estimar a relação entre o número de profissionais com formação superior e sem formação superior; e) Comparar a distribuição dos trabalhadores no país e a distribuição dos cursos de jornalismo, aferindo também indicadores relativos à mobilidade desses profissionais no território nacional; f) Estimar a relação entre os índices de sindicalização, formação superior e registro profissional; g) Identificar semelhanças e diferenças, por região e por unidade da federação, entre os indicadores relativos aos itens anteriores.


Secretaria de Educação a Distância, SEAD, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Tutor, Carga horária: 20


Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Monitora, Carga horária: 12
Outras informações
Auxiliar o Profº Dr. Jacques Mick nas atividades em sala de aula na disciplina de Pensamento Social Brasileiro.

Atividades

03/2012 - 07/2012
Ensino, Ciências Sociais, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento Social Brasileiro

Mídia e Participação Política e Social, MPS, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2010
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista, Carga horária: 20


Liceu de Artes e Oficios de São Paulo, LICEU, Brasil.
Vínculo institucional

2006 - 2006
Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Coordenadora de comunicação, Carga horária: 40


Laboratório de Estudos em Gênero e História, LEGH, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Doutoranda, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2013 - Atual
A história do jornalismo no Brasil
Descrição: A Profissão de Jornalista e a Redefinição do Trabalho Intelectual, Descrição: A história do jornalismo no Brasil é marcada por mudanças que afetaram, ao longo do tempo, não apenas suas formas de recrutamento, mas também os princípios de hierarquização que lhe eram próprios. Nos anos 1940 surge a primeira Escola de Jornalismo, a Cásper Líbero. Depois disso, novas escolas surgiram e o ensino da profissão passou por modificações profundas no final dos anos 1970. Também nesse mesmo período e, principalmente, nos anos 1980, acirra-se uma disputa entre antigos jornalistas e egressos dos cursos de jornalismo , disputa essa que conseguiu apenas aumentar o fosso já existente entre a prática jornalística e o ensino universitário . Muito mais do que a redefinição do exercício de uma profissão , as modificações observadas no jornalismo parecem indicar uma redefinição geral do trabalho intelectual. O que o conjunto dessas mudanças demonstra é que está em jogo não apenas a definição do que seja o trabalho jornalístico, mas também a própria definição do que esse trabalho possa ou não ter de intelectual . A fronteira que dividia o trabalho intelectual do técnico foi eliminada. Alargou-se, com isso, o campo daquilo que é considerado intelectual , e funções antes técnicas passaram a ser caracterizadas também como trabalho intelectual . Da mesma forma, funções antes intelectuais passaram a ser desempenhadas como se fossem meramente técnicas . O objetivo central desta pesquisa é tentar compreender as mudanças que ocorreram no jornalismo nesses últimos anos e como elas, primeiro, representaram uma série de redefinições a respeito das questões que cercam a sua formação, a sua profissão, as suas relações com a notícia e, segundo, como essas mudanças implicaram uma redefinição do próprio trabalho intelectual..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Ana Paula Garcia Boscatti - Integrante / Alexandre Bergamo Idargo - Coordenador.
2009 - 2010
MÍDIA E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
Descrição: Considerando-se que a atividade simbólica é uma característica penetrante da vida social (THONPSON, 1995 e 1998), relacionada a uma grande variedade de instituições, que podemos chamar de 'instituições paradigmáticas', que assumem um papel particular historicamente importante na acumulação dos meios de informações e de comunicação, a constituição de um campo de pesquisa sobre a Mídia e Participação Política e Social constitui-se em condição fundamental. No Brasil, o assunto ganha ainda mais relevo se considerarmos a nossa 'democratização inacabável' (ROSSIAUD & SCHERER-WARREN, 2000), a exemplo do que acontece na maioria dos países latino-americanos, considerando-se também a estrutura dos meios de comunicação de massa no continente (MORAES:1998 e 2010). A Argentina aprovou recentemente (out/2009), a Ley de Servicios de Comunicación Audivisual - Nueva Ley de Radiodifsusión também conhecida como 'Ley de Medios de la democracia'. A regulamentação dos meios de comunicação no Brasil ainda encontra resistências, principalmente pelo elevado controle politico e econômico da mídia nacional. A recente CONFECOM (Conferência Nacional de Comunicação/ dez 2009) colocou na agenda social importantes elementos para o avanço das políticas públicas de comunicação. A Constituição Federal, nos artigos 220 e 221, afirma que os meios de Comunicação Social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio, devendo a sua programação ter finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas, promovendo a cultura nacional e regional, além de estimular à produção independente. A luta pela democratização dos meios de comunicação ganha espaço internacionalmente, onde movimentos sociais atuam integradamente para pensar uma comunicação educadora e socialmente responsável..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Projetos de extensão


2013 - 2013
Prevenção ao Uso de Drogas para Conselheiros e LIderanças Comunitárias
Descrição: O curso é realizado na modalidade de Educação a Distância ? EaD, com carga horária de 120 horas, durante um período de 03 meses, para 15.000 conselheiros municipais e líderes comunitários de todo o Brasil, com o intuito de fortalecer a atuação em rede para a prevenção da violência e da criminalidade relacionadas ao uso indevido de drogas..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2012 - 2012
Imagens da mudança - Visibilidade para o acervo fotográfico do TMT/UFSC
Descrição: Descrição: O projeto visa permitir amplo acesso ao acervo fotográfico recolhido pelo TMT durante 15 anos de existência, intensificando o relacionamento entre a UFSC, a comunidade local e alunos, professores e servidores de outras instituições de ensino superior do estado. Seu impacto social reside na possibilidade de oferecer, a diversificado público, a oportunidade de conhecer uma parte da história do mundo do trabalho em Santa Catarina (em especial, em sua interface com a política estadual), registrada sob a forma de 3 mil imagens até agora conhecidas apenas pelo pequeno grupo de pesquisadores do núcleo.. Situação: Em andamento; Natureza: Extensão..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (8) .
Integrantes: Ana Paula Garcia Boscatti - Integrante / Jacques Mick - Coordenador.
2012 - Atual
Perfil profissional do jornalismo brasileiro - Etapa 1 Quantos são os jornalistas brasileiros?
Descrição: A pesquisa estimou o número de jornalistas que atuavam no Brasil em 2011 (145 mil), sua estratificação por sexo e sua distribuição por unidade da Federação, o que viabilizou a realização de um amplo online survey, do qual extraiu-se um plano amostral representativo da categoria. As estimativas sobre as dimensões da categoria foram obtidas pelo cruzamento de três bases de dados: a quantidade de egressos de cursos superiores, obtida junto a coordenações de cursos de jornalismo; o total de registrados no Ministério do Trabalho; os sindicalizados em 31 entidades filiadas à Federação Nacional de Jornalistas. O survey, realizado entre setembro e novembro de 2012, produziu um plano amostral com respostas de 2.731 jornalistas de todas as unidades da Federação e também do exterior. O estudo constatou que a expansão da oferta de cursos superiores para a formação de jornalistas (a partir de meados dos anos 1990) afetou dramaticamente a composição da categoria, por fatores como extensão, feminização e juvenilização, os quais mitigaram os efeitos do fim da exigência de formação superior para o exercício da profissão, por decisões judiciais a partir de 2001. Os resultados começaram a ser divulgados em abril de 2013. Análises aprofundadas da base de dados constituem o objetivo da Etapa 2 do projeto, no período 2013-2016.
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (12) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Ana Paula Garcia Boscatti - Integrante / Jacques Mick - Coordenador.
2010 - 2011
Papo Sério - Discussões sobre Gênero, Homofobia e Prevenção com jovens do entorno da Universidade Federal de Santa Catarina.
Descrição: Descrição: Projeto de extensão e pesquisa que tem como objetivo problematizar as representações de gênero e sexualidade com jovens alunos e alunas de escolas públicas de Florianópolis. O projeto está centrado em oficinas temáticas, em torno de questões de gênero e sexualidade, elaboradas a partir dos eixos de pesquisas realizadas no Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades da UFSC (NIGS). Em sua primeira edição (agosto-dezembro 2007) estudantes de escolas publicas participaram como ouvintes do Seminário Nacional Homofobia, Identidades e Cidadania LGBT e foram realizados 3 ciclos de quatro oficinas em escolas localizadas na região da UFSC. Em sua segunda edição (abril-dezembro 2009), foram realizadas ciclos de três oficinas em 4 escolas da Grande Florianópolis, atingindo aproximadamente 400 estudantes da rede publica de ensino e realizado o I Concurso de Cartazes sobre Homofobia, Lesbofobia e Transfobia na Escola. Participam do Projeto Papo Sério doutorand@s, mestrando@s e estudantes de graduação da UFSC. Em sua terceira edição (janeiro a dezembro 2010), o Projeto Papo Sério prevê realização da II Edição do Concurso de Cartazes e a continuidade das atividades de oficinas em um numero maior de escolas da Grande Florianópolis. O projeto tem permitido não apenas a formação continuada de estudantes, como de educadoras, em temáticas ligadas à diversidade sexual e na luta contra preconceitos, assim como ter sido campo de desenvolvimento de pesquisas sobre as tematicas do amor, da sexualidade e da violências...
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2010 - 2011
PROEXT
Descrição: Descrição: Projeto de Extensão Universitária que visa a realização de oficinas em escolas públicas de Ensino Fundamental e Médio da Grande Florianópolis. Este projeto envolve grande número de pesquisador@s que desenvolvem atividades sobre sexualidade, violência, aborto, afetividade, prevenção de DSTs e homofobia com adolescentes da rede pública de ensino...
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.


Membro de corpo editorial


2018 - Atual
Periódico: INTERTHESIS (FLORIANÓPOLIS)


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Sociologia / Subárea: Sociologia.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política.


Idiomas


Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.


Produções



Produção bibliográfica
Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Bunda, cultura nacional e mestiçagem. In: VIII Seminário Nacional de Sociologia & Política, 2017, Curitiba. Bunda, cultura nacional e mestiçagem, 2017.

2.
BOSCATTI, A. P. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; FROES, A. ; AVILA, S. ; BLANCA, R. M. ; OLIVEIRA, R. S. ; FERREIRA, V. K. ; NUNES, V. . TRANS DAY NIGS 2010: UMA PROPOSTA CIENTÍFICA, ARTÍSTICA E ACADÊMICA DE METODOLOGIA ? AÇÃO NO CAMPO DA TRANSEXUALIDADE. In: I Seminário Internacional Corpo, Gênero e Sexualidade, 2011, Rio Grande, RS. Trans Day NIGS 2010 - Uma proposta científica, artística e acadêmica de metodologia-ação no campo da transexualidade. In: V Seminário Corpo,Gênero e Sexualidade: Instâncias e práticas nas políticas da própria vida, 2011.

3.
MACHADO, I. V. ; OLIVEIRA, R. S. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia . Projeto Papo Sério: Problematizando gênero, sexualidades e violência a partir da antropologia da educação. In: II Simpósio Internacional de Educação Sexual - Gênero, Direitos e Diversidade Sexual: trajetórias escolares, 2011, Maringa. PR. Projeto Papo Sério: Problematizando gênero, sexualidades e violência a partir da antropologia da educação, 2011.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Bunda, uma cultura visual: da erótica colonial a farmacopornografia dos anos 70 e 80.. In: I Congresso Internacional de Pesquisa em Cultura e Sociedade, 2018, Pelotas. Bunda, uma cultura visual: da erótica colonial a farmacopornografia dos anos 70 e 80.. Pelotas: Ed. Pelotas, 2018.

2.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Nacionalismo, sexo/ gênero, raça, classe e a patrimonialização do Pão de Açúcar: a herança dos pornotrópicos. In: III Jornadas LEGH, 2018, Florianópolis. Nacionalismo, sexo/ gênero, raça, classe e a patrimonialização do Pão de Açúcar: a herança dos pornotrópicos.

3.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. A bunda e o discurso nacional: as lutas simbólicas sobre mestiçagem e colonialidades. In: 13º Women´s Worlds & Fazendo Gênero 11, 2017, Florianópolis. 13º Women´s Worlds & Fazendo Gênero 11, 2017.

4.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. A bunda como sistema de representação a partir de Casa Grande & Senzala.. In: Congresso Internacional Humanidades nas fronteiras: imaginários e cultura latino-americanas, 2017, Foz do Iguaçu. Congresso Internacional Humanidades nas fronteiras: imaginários e cultura latino-americanas, 2017.

5.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Somos todxs vagabundas: engolir moralidades, cuspir intervenções. In: Seminário Enlaçando Sexualidades, 2013, Salvador. Somos todxs vagabundas: engolir moralidades, cuspir intervenções, 2013.

Apresentações de Trabalho
1.
AVILA, S. ; BLANCA, R. M. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; OLIVEIRA, R. S. ; FERREIRA, V. K. ; NUNES, V. . TRANS DAY NIGS 2010: UMA PROPOSTA CIENTÍFICA, ARTÍSTICA E ACADÊMICA DE METODOLOGIA ? AÇÃO NO CAMPO DA TRANSEXUALIDADE. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

2.
MACHADO, I. V. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; OLIVEIRA, R. S. . Projeto Papo Sério: Problematizando gênero, sexualidades e violência a partir da antropologia da educação. 2011. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).


Produção técnica
Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; ALMEIDA, V. ; CASTRO, D. J. ; VALENTE, M. . Conversas Cruzadas. 2011. (Programa de rádio ou TV/Mesa redonda).

2.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Visão Geral. 2011.

3.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Studio 36. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

4.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; OLIVEIRA, R. S. . Rádio CBN. 2011. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; Chaveiro, Maylla M. R. S. ; NOTHAFT, RAíssa Jeanine . PRÁTICAS FEMINISTAS DESCOLONIAIS DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).


Produção artística/cultural
Outras produções artísticas/culturais
1.
AVILA, S. ; BLANCA, R. M. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; OLIVEIRA, R. S. ; FERREIRA, V. K. . II Trans Day Nigs. 2011 (Exposição).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Monografias de cursos de aperfeiçoamento/especialização
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; MOTTA, Flavia; MELLO, A. G.. Participação em banca de Elaine Cristine Pamplona Seiffert. A Lenda das Areias: estudantes com deficiência tornam-se protagonistas através do Teatro de sombras. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

2.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; MELLO, A. G.; MOTTA, Flavia. Participação em banca de André Fabiano Kruger. Crianças com deficiência na educação infantil: caminhos para a inclusão. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

3.
MOTTA, Flavia; BOSCATTI, Ana Paula Garcia; MELLO, A. G.. Participação em banca de Cleiton Manoel Ferreira. A homossexualidade na escola: a percepção dos professores em relação a homossexualidade dos alunos. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

4.
MOTTA, Flavia; BOSCATTI, Ana Paula Garcia; MELLO, A. G.. Participação em banca de Evanilsa Coelho Martins. Uma proposta de oficina de gênero com apoio da tecnologia assistiva para estudantes com deficiência visual. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

5.
OLTAMARI, L. C.; BOSCATTI, Ana Paula Garcia; Souza, Elaine Peres de. Participação em banca de Rita de Cássia Guimarães dos Santos Dagostim. A importância do trabalho da diversidade sexual como tema transversal para a comunidade escolar. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

6.
OLTAMARI, L. C.; Souza, Elaine Peres de; BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Participação em banca de Karina Bernardo Corrêa. Gênero e ludicidade na educação infantil: implicações e desafios. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

7.
OLTAMARI, L. C.; Souza, Elaine Peres de; BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Participação em banca de Clair Roldão Schardosim. Relações de gênero na educação infantil: como brincam as crianças ?. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

8.
OLTAMARI, L. C.; Souza, Elaine Peres de; BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Participação em banca de Márcia Cristiane Nunes-Scardueli. Há espaço para inclusão da temática de gênero e diversidade na formação policial da ACADEPOL/ SC?. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

9.
OLTAMARI, L. C.; Souza, Elaine Peres de; BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Participação em banca de Andresa da Silva Bobsin. A percepção dos professores em relação à sexualidade dos educandos com deficiência intelectual. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.

10.
OLTAMARI, L. C.; Souza, Elaine Peres de; BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Participação em banca de Camila Fidelix de Souza. A inserção do aluno com deficiência: função social da escolaa. 2016. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. IV Concurso de Cartazes sobre Lesbo, Trans e Homofobia. 2012. Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades.

2.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. Seleção para bolsista Projeto Papo Sério. 2011. Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
13º Women´s Worlds & Fazendo Gênero 11, 2017, Florianópolis.13º Women´s Worlds & Fazendo Gênero 11. A bunda e o discurso nacional: as lutas simbólicas sobre mestiçagem e colonialidades. 2017. (Congresso).

2.
VIII Seminário Nacional de Sociologia & Política.Bunda, cultura nacional e mestiçagem. 2017. (Seminário).

3.
Genre, gènération, ethnicité. 2015. (Seminário).

4.
Georg Simmel et Marcel Proust : une esthétique sociale de la modernité. 2015. (Seminário).

5.
Groupe de travail - Migrations et espaces urbains. 2015. (Encontro).

6.
Jornadas Antropológicas 2015- Antropologias através da Antropologia. 2015. (Simpósio).

7.
Midis de Brésil. 2015. (Seminário).

8.
Teoria Queer com Sam Bourcier e Leo Acquintapace. 2015. (Seminário).

9.
Constructions et déconstructions du Brésil: perspectives historiographiques HI. 2014. (Seminário).

10.
Genre, récits & événements : la question du corps et sa perception (XVIIIe-XIXe siècles). 2014. (Seminário).

11.
Histoire culturelle en question(s). « Classiques », objets, concepts. 2014. (Seminário).

12.
Histoire du corps, objets, méthodes. Georges Vigarello. 2014. (Seminário).

13.
III Enlaçando Sexualidades.Somos Todxs vagabundas: engolir moralidades, cuspir intervenções. 2013. (Seminário).

14.
III Trans Day NIGS. 2012. (Seminário).

15.
9a. SEPEX - Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC - 20 a 23 de outubro de 2010.Papo Sério nas escolas. 2011. (Seminário).

16.
A contrução social da feminilidade na França: das sociedades rurais à sociedade contemporânea . Ministrada por Agnès Fine (EHESS, França).. 2011. (Seminário).

17.
II Simpósio Internacional de Educação Sexual - Gênero, Direitos e Diversidade Sexual.Projeto Papo Sério: Problematizando gênero, sexualidades e violência a partir da antropologia da educação. 2011. (Seminário).

18.
II Trans Day NIGS. 2011. (Seminário).

19.
Jornada NIGS - A Obra de Miguel Vale de Almeida.Teoria Pós-Colonial, Colonialismo e Multiculturalismo. 2010. (Seminário).. 2011. (Seminário).

20.
Uma perspectiva sociológica sobre violência sexual . Proferida por Michel Bozon (INED, França).. 2011. (Seminário).

21.
V Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade: instâncias e práticas de produção nas politicas da própria vida.TRANS DAY NIGS 2010: UMA PROPOSTA CIENTÍFICA, ARTÍSTICA E ACADÊMICA DE METODOLOGIA ? AÇÃO NO CAMPO DA TRANSEXUALIDADE. 2011. (Seminário).

22.
1º Ecoss - Seminário de Sociologia da Saúde e Ecologia Humana. 2010. (Seminário).

23.
9ªSEPEX. 2010. (Oficina).

24.
Conversa com a pesquisadora Sylvie Sagnes. 2010. (Encontro).

25.
Conversa com a pesquisadora Sylvie Sagnes. 2010. 2010. (Outra).

26.
Diálogos Transversais em Antropologia - "Antropólogas no século XX: uma história invisível?". Palestra ministrada pela Dra. Miriam Pillar Grossi (PPGAS/UFSC).. 2010. (Seminário).

27.
Diálogos Transversais em Antropologia - "Antropólogas no século XX: uma história invisível?". Palestra ministrada pela Dra. Miriam Pillar Grossi (PPGAS/UFSC).. 2010. (Seminário).

28.
Exibição e Debate do FIlme "O Preço de Uma Escolha" (EUA/1996). 2010. (Outra).

29.
II Concurso de Cartazes sobre Lesbofobia, Homofobia e Transfobia na Escola.Premiação de cartazes vencedores e maediação das mesas-redondas. 2010. 2010. (Outra).

30.
Minicurso 9ª SEPEX - Visibilidade e Legitimidade: aspectos jurídicos e religiosos de familias homossexuais. 2010. (Outra).

31.
Palestra: "A paixão genealógica à luz das novas formas de parentesco: paradoxo verdadeiro ou falso?", proferida por Sylvie Sagnes (CNRS França).. 2010. (Outra).

32.
Palestra "Etnografia, gênero e poder: Antropologia Feminista em ação. Ministrada pela Profa Dra. Alinne Bonnetti (UFBA). 2010. (Seminário).

33.
Percepções - Ciclo de Debates do Curso de Cièncias Sociais: "Para além de Marx, Durkheim e Weber: Simmel e Luckács, Clássico Renegados das Ciências Sociais". 2010. (Encontro).

34.
Percepções - Ciclo de Debates do Curso de Cièncias Sociais: "Para além de Marx, Durkheim e Weber: Simmel e Luckács, Clássico Renegados das Ciências Sociais". 2010. 2010. (Outra).

35.
Roda de Conversa "Transexualidades e Patologização das Identidades". 2010. 2010. (Outra).

36.
Seminário África: diálogos entre história, literatura e artes. 2010. (Seminário).

37.
Simpósio Futebol: Espetáculo e Corporalidade. 2010. (Simpósio). 2010. (Simpósio).

38.
Seminário Regional de Avaliação de Políticas Públicas (SRAPP).. 2009. (Seminário).

39.
Gilberto Freyre e o Pensamento Social Brasiliero. 2008. (Outra).

40.
Michel Maffesoli - O ritmo da vida na pós-modernidade: o reencantamento do tempo. 2008. (Seminário).

41.
Seminário "Lévi-Strauss faz Cem Anos" - Mesa Redonda com professores da UFSC sobre as várias faces de Lévi-Strauss. 2008. (Seminário).. 2008. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia. 13º Mundo das Mulheres & Fazendo Gênero 11. 2017. (Congresso).

2.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; OLIVEIRA, R. S. . Marcha das Vadias. 2011. (Outro).

3.
ALMEIDA, V. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; OLIVEIRA, R. S. . Amostra Audiovisual Vagner de Almeida. 2011. (Exposição).

4.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; OLIVEIRA, R. S. . III Concurso de Cartazes contra Lesbo, Homo e Transfobia. 2011. (Exposição).

5.
AVILA, S. ; OLIVEIRA, R. S. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia . TransDay NIGS 2011. 2011. (Exposição).

6.
AVILA, S. ; BOSCATTI, Ana Paula Garcia ; OLIVEIRA, R. S. . Trans Day 2010. 2010. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões concluídas
Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Elaine Cristine Pamplona Seiffert. Lenda das areias: estudantes com deficiência tornam-se protagonistas através do Teatro de Sombras. 2016. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Gênero e Diversidade na Escola) - Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Ana Paula Garcia Boscatti.



Educação e Popularização de C & T



Cursos de curta duração ministrados
1.
BOSCATTI, Ana Paula Garcia; Chaveiro, Maylla M. R. S. ; NOTHAFT, RAíssa Jeanine . PRÁTICAS FEMINISTAS DESCOLONIAIS DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/12/2018 às 23:28:03