Guilherme Paraol De Matos

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5374485255673150
  • Última atualização do currículo em 18/04/2018


Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Àrea de concentração: Gestão do Conhecimento. Linha de Pesquisa: Empreendedorismo, Inovação e Sustentabilidade (2018). Mestre em Tecnologias da Informação e Comunicação (PPGTIC), com foco em Gestão e Inovação, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (2018). Bacharel em Tecnologias da Informação e Comunicação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (2015). Integrou o Grupo de Pesquisa CNPq: Tecnologia, Gestão e Inovação - UFSC. Foi membro do laboratório núcleo de inovação tecnológica (LabNita) - UFSC (2014-2018). Atualmente faz parte do grupo de pesquisa VIA - ESTAÇÃO DO CONHECIMENTO do departamento da Engenharia e Gestão do Conhecimento da UFSC. Atua principalmente em pesquisas relacionadas a promoção da inovação, como, Habitats de Inovação; Sistemas de Inovação; Sistemas Regionais de Inovação; e, Ecossistemas de Inovação. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Guilherme Paraol De Matos
Nome em citações bibliográficas
MATOS, G. P.


Formação acadêmica/titulação


2018
Doutorado em andamento em Engenharia e Gestão do Conhecimento.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Orientador: Clarissa Stefani Teixeira.
2016 - 2018
Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: AS FUNDAÇÕES DE AMPARO À PESQUISA COMO AGENTES ESTRUTURANTES DOS SISTEMAS REGIONAIS DE INOVAÇÃO E DE DESCENTRALIZAÇÃO EM C,T&I NO BRASIL,Ano de Obtenção: 2018.
Orientador: Paulo Cesar Leites Esteves.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina, FAPESC, Brasil.
Palavras-chave: Sistema Regional de Inovação; Territorialidade; Fundação de Amparo à Pesquisa; Descentralização; Fomento à C,T&I.
2011 - 2015
Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação.
Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Título: FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA (FAPESC) COMO AGENTE DE FOMENTO DO SISTEMA REGIONAL DE CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO.
Orientador: Paulo Cesar Leites Esteves.




Formação Complementar


2014 - 2014
Gerenciamento do Escopo de Projetos. (Carga horária: 5h).
Fundação Getúlio Vargas, FGV, Brasil.
2014 - 2014
Gestão de Projetos - Escopo, prazo e orçamento. (Carga horária: 34h).
Fundação Bradesco, BRADESCO, Brasil.
2014 - 2014
Ciência e Tecnologia. (Carga horária: 15h).
Fundação Getúlio Vargas, FGV, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista - FAPESC/CAPES, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2015 - 2018
Vínculo: Participante, Enquadramento Funcional: Membro do Grupo de Pesquisa CNPq - T,G&I UFSC
Outras informações
Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Gestão e Informação registrado no CNPq http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/5971350003924426

Vínculo institucional

2014 - 2018
Vínculo: Integrante, Enquadramento Funcional: Pesquisa no LabNita

Atividades

03/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , UFSC - Campus Araranguá, .



Linhas de pesquisa


1.
Tecnologia, Gestão e Inovação - LabNita

Objetivo: Pesquisas relacionadas a inovação tecnológica com foco em Sistemas Regionais de Inovação..
Grande área: Ciências Exatas e da Terra
Setores de atividade: Educação.
2.
Sistemas Reginais de Inovação
3.
Habitats de Inovação

Objetivo: Desenvolver pesquisas sob o diversos habitats de inovação, tais como, parques, incubadoras, centros de inovação, etc..


Projetos de pesquisa


2016 - 2018
Análise Evolutiva dos Sistemas Regionais de Inovação e dos Mecanismos de Financiamento no Brasil
Descrição: Na Economia do Conhecimento é de fundamental importância a concepção e execução de ações sistêmicas que favoreçam aos processos de inovação para construção de diferenciais competitivos e promoção do desenvolvimento. A inovação é um fenômeno complexo, que precisa ser deliberado e guiado por processos de criação, aplicação e disseminação de conhecimento. Esses processos envolvem um movimento de aprendizagem, no qual novos conhecimentos são produzidos e aplicados, gerando produtos e serviços inovadores para a sociedade. A inovação tecnológica vem se constituindo em uma das principais estratégias dos países e de suas organizações para manter e ampliar suas presenças no mercado, constituindo elemento central do aumento sistemático de seus padrões de competitividade. Assim, inovação não é apenas questão estratégica para as empresas é tema relevante para a formação de políticas e mecanismos de desenvolvimento dos países e suas regiões. No Brasil, um dos desafios é fomentar a inovação em todas as regiões para contribuir com a diminuição do equilíbrio em seu padrão de desenvolvimento. O país dispõe de regiões distintas, com características e necessidades peculiares, cultura diversificada e grandes desigualdades socioeconômicas. Nesse quadro, ganha relevância o desenvolvimento dos Sistemas Regionais de Inovação (SRI) como instrumentos de descentralização das políticas, ações e mecanismos de financiamento às atividades de ciência, tecnologia e Inovação ? C,T&I. Esses Sistemas derivam do Sistema Nacional de Inovação (SNI) e atuam nas estruturas produtivas locais, dando capilaridade às estratégias de C,T&I. Esse trabalho é essencial para criar vantagens comparativas locais, produzindo uma dinâmica para o desenvolvimento das regiões a partir do fomento à capacidade de inovação dos seus agentes econômicos. É nesse contexto que se coloca o presente Plano de Pesquisa que visa analisar a atuação dos Sistemas Regionais e dos Mecanismos de Fomento, na descentralização das estratégias de Ciência, Tecnologia e Inovação no país. 2. OBJETIVOS A SEREM ALCANÇADOS 2.1 Objetivo Geral Desenvolver uma Análise Evolutiva dos Sistemas Regionais de Tecnologia e Inovação e das Políticas e Programas de Financiamento, como instrumentos de Implementação das Estratégias Nacionais de Ciência e Tecnologia e Inovação-ENCTI, no Brasil. 2.2. Objetivos Específicos - Pesquisar a formação dos Sistemas Regionais de C,T&I como desdobramentos do Sistema Nacional de C,T&I no país; - Analisar as ações propostas na Estratégia Nacional de Ciência e Tecnologia ? ENCTI 2012 a 2015 como referência às políticas de fomento na área; - Pesquisar a ação das principais Agências de Fomento á C,T&I como operacionalizadoras das Estratégias propostas pela ENCTI e a estruturação de mecanismos de fomento descentralizadores de suas operações; - Construir análises e proposições sobre as características e impactos identificados, visando contribuir para a melhoria dos padrões de operação e resultados do uso dos recursos descentralizados de C,T&I no país. 3. METODOLOGIA O estudo proposto será desenvolvido a partir de uma abordagem qualitativa do tipo interpretativa, para elaborar uma análise da atuação dos Sistemas Regionais e dos Mecanismos de Fomento, na descentralização das estratégias de Ciência, Tecnologia e Inovação do país. Na abordagem da pesquisa qualitativa, "trabalha-se com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis" (MINAYO, 1994, p. 21). Segundo Dantas e Cavalcante (2006): A pesquisa qualitativa tem caráter exploratório, isto é, estimula os entrevistados a pensarem livremente sobre algum tema, objeto ou conceito. Mostra aspectos subjetivos e atingem motivações não explícitas, ou mesmo conscientes,..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Guilherme Paraol De Matos - Integrante / Paulo Cesar Leites Esteves - Coordenador.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Geografia / Subárea: Sistemas Regionais de Inovação.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Geografia / Subárea: Tecnologias da Informação e Comunicação.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Geografia / Subárea: Tecnologia, Gestão e Inovação.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
MATOS, G. P.2017MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . CARACTERÍSTICAS DAS FAPS E ATUAÇÃO DA FAPESC COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. REVISTA GEINTEC: GESTÃO, INOVAÇÃO E TECNOLOGIAS, v. 7, p. 3890-3908, 2017.

Capítulos de livros publicados
1.
Trzeciak, S D. ; MATOS, G. P. ; TEIXEIRA, C. S. ; VARVAKIS, G. . Ecossistemas de Inovação: Análise conceitual e características. In: Clarissa Stefani Teixeira; Ágatha Depiné. (Org.). Ecossistemas de Inovação: Análise conceitual e características. 1ed.São Paulo: Perse, 2018, v. 1, p. 13-25.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
ESTEVES, P. C. L. ; MATOS, G. P. ; BASSANI, J. . A CONTRIBUIÇÃO DA UFSC CAMPUS ARARANGUÁ PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO EXTREMO SUL CATARINENSE ATRAVÉS DA GERAÇÃO DE CONHECIMENTO. In: I Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público, 2017, Florianópolis. Anais, 2017.

2.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO: A ESTRUTURA CIENTÍFICA TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA. In: VII Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, 2017, Foz do Iguaçu. Anais, 2017.

3.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . A PERSPECTIVA DE TERRITORIALIDADE NOS SISTEMAS REGIONAIS DE INOVAÇÃO. In: 6º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense ? SICT-Sul, 2017, Críciuma. ANAIS DO 6º SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO SUL CATARINENSE. Criciúma: IFSC CÂMPUS CRICIÚMA, 2017. p. 803-809.

4.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . COMO A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PODE AJUDAR A DESENVOLVER O SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA. In: 5º SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO SUL CATARINENSE, 2016, Araranguá. ANAIS DO 5º SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO SUL CATARINENSE, 2016. v. 1.

5.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FAPESC, COMO AGENTE DE ESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO. In: 25ª Conferência ANPROTEC de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, 2015, Cuiabá. Anais 25ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, 2015. p. 1-150.

6.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . CARACTERÍSTICAS DAS FAPS E ATUAÇÃO DA FAPESC COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. In: 4º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense ? SICT-Sul, 2015, Santa Rosa do Sul. ANAIS, 2015. v. 1.

7.
MATOS, G. P.; LIBRELON D. ; ESTEVES, P. C. L. . Sistema Regional de Inovação: A atuação da Fapesc como agente de desenvolvimento regional de Santa Catarina. In: V Congresso Internacional do Conhecimento e Inovação - CIKI, 2015, Joinville. Anais do V Congresso Internacional do Conhecimento e Inovação - CIKi, 2015.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
MATOS, G. P.. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA (FAPESC), COMO AGENTE FOMENTADORA DO SISTEMA REGIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. In: 3º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense ? SICT-Sul, 2014, Sombrio. Anais do III Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense, 2014. v. 1. p. 1045-1045.

Apresentações de Trabalho
1.
ESTEVES, P. C. L. ; MATOS, G. P. ; BASSANI, J. . A CONTRIBUIÇÃO DA UFSC CAMPUS ARARANGUÁ PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO EXTREMO SUL CATARINENSE ATRAVÉS DA GERAÇÃO DE CONHECIMENTO. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . A PERSPECTIVA DE TERRITORIALIDADE NOS SISTEMAS REGIONAIS DE INOVAÇÃO. 2017. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO: A ESTRUTURA CIENTÍFICA TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

4.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . COMO A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PODE AJUDAR A DESENVOLVER O SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA. 2016. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

5.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . SISTEMAS REGIONAIS DE INOVAÇÃO: ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

6.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . CARACTERÍSTICAS DAS FAP E ATUAÇÃO DA FAPESC COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (trabalho DESTAQUE). 2015. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

7.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . Histórico FAPESC. 2014. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
I Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público. A CONTRIBUIÇÃO DA UFSC CAMPUS ARARANGUÁ PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO EXTREMO SUL CATARINENSE ATRAVÉS DA GERAÇÃO DE CONHECIMENTO. 2017. (Congresso).

2.
VII Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação. SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO: A ESTRUTURA CIENTÍFICA TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA.. 2017. (Congresso).

3.
5º SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO SUL CATARINENSE.COMO A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PODE AJUDAR A DESENVOLVER O SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA. 2016. (Simpósio).

4.
4º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense.CARACTERÍSTICAS DAS FAPS E ATUAÇÃO DA FAPESC COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. 2015. (Simpósio).

5.
I Seminário de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação. 2015. (Seminário).

6.
3º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense.FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA (FAPESC), COMO AGENTE FOMENTADORA DO SISTEMA REGIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. 2014. (Simpósio).

7.
2º Simpósio de Integração Ciêntifica e Tecnológica do Sul Catarinense. 2013. (Simpósio).

8.
Visita Técnica - SoftPaln e Sapiens Parque. 2013. (Outra).

9.
I Semana Acadêmica do Campus UFSC Araranguá. 2011. (Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. ; BASSANI, J. ; LIBRELON D. . I SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO DO VALE DO ARARANGUÁ. 2015. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões concluídas
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Paulo Cesar Leites Esteves. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA (FAPESC) COMO AGENTE DE FOMENTO DO SISTEMA REGIONAL DE CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Guilherme Paraol De Matos.



Educação e Popularização de C & T



Apresentações de Trabalho
1.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . Histórico FAPESC. 2014. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

2.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . COMO A EXPERIÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA PODE AJUDAR A DESENVOLVER O SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO DE SANTA CATARINA. 2016. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. . SISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃO: A ESTRUTURA CIENTÍFICA TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
MATOS, G. P.; ESTEVES, P. C. L. ; BASSANI, J. ; LIBRELON D. . I SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO DO VALE DO ARARANGUÁ. 2015. (Outro).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 19/10/2018 às 7:03:15