Willianilson Pessoa da Silva

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6850364057856492
  • Última atualização do currículo em 18/10/2018


Graduado em Ciências Biológicas na modalidade Licenciatura, atualmente faz parte do Laboratório de Anfíbios e Répteis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAR-UFRN). Tem experiência no manejo e resgate de fauna silvestre com ênfase em Herpetologia (identificação e manejo de répteis e anfíbios). Aluno de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Sistemática e Evolução da UFRN (PPGSE). (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Willianilson Pessoa da Silva
Nome em citações bibliográficas
SILVA, W. P.;SILVA, WILLIANILSON PESSOA DA

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Biociências.
Laboratório de Anfíbios e Répteis - UFRN
Lagoa Nova
59078970 - Natal, RN - Brasil
Telefone: (84) 33422483


Formação acadêmica/titulação


2018
Mestrado em andamento em Sistemática e Evolução.
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
Título: História Natural de Bothrops erythromelas,Orientador: Adrian Antonio Garda.
Palavras-chave: história natural; Bothrops.
2011 - 2018
Graduação em Ciências Biológicas.
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.




Formação Complementar


2016 - 2016
Expedição de Campo. (Carga horária: 210h).
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2012 - 2012
Biologia das serpentes: da origem ao manejo em cativeiro. (Carga horária: 30h).
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
2012 - 2012
Artrópodes venenosos importantes em saúde pública: sistemática e biologia. (Carga horária: 45h).
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
2011 - 2011
Extensão universitária em Ações integradas de meio ambiente e saúde (Ambiente Caatinga). (Carga horária: 80h).
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
2011 - 2011
Extensão universitária em Ações integradas de meio ambiente e saúde. (Carga horária: 30h).
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
2011 - 2011
Taxidermia. (Carga horária: 30h).
Museu de de Ciências Morfelógicas, MCM, Brasil.
2011 - 2011
Curso Teórico-prático de Herpetologia. (Carga horária: 20h).
Centro de Conservação Répteis da Caatinga, CCRC, Brasil.
2011 - 2011
Identificação e Contenção de Ofídios. (Carga horária: 10h).
Centro de Conservação Répteis da Caatinga, CCRC\, Brasil.
2010 - 2010
Extensão universitária em O eixo da Vida. (Carga horária: 50h).
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2017
Vínculo: Aluno, Enquadramento Funcional: Aluno de pesquisa, Carga horária: 20
Outras informações
Aluno de pesquisa no Laboratório de Anfábios e Répteis



Projetos de pesquisa


2014 - Atual
A FAUNA DE ANFÍBIOS E RÉPTEIS DOS TABULEIROS DO RIO GRANDE DO NORTE: RELAÇÕES COM O CERRADO E PRIORIDADES PARA CONSERVAÇÃO

Projeto certificado pelo(a) coordenador(a) Adrian Antonio Garda em 27/09/2017.
Descrição: Os isolados de cerrado ocorrem como ilhas dispersas no interior das áreas florestais da Amazônia, Caatinga e Mata Atlântica, nas porções noroeste, norte e nordeste do bioma. Nestas regiões, as comunidades de vertebrados apresentam uma grande quantidade de endêmicos locais ou regionais. Estas áreas são extremamente ameaçadas pela expansão agrícola, mineração, pecuária e queimadas. Além disso, a quase ausência de unidades de conservação que abranjam estas áreas torna a situação ainda mais crítica. Por esses motivos, inventários de fauna nesses fragmentos são urgentes para indicar prioridades para sua preservação. No nordeste do Brasil, os fragmentos de Cerrado comumente ocorrem na costa, em regiões conhecidas como Tabuleiros. Os principais objetivos deste projeto são: 1) mapear fragmentos isolados de cerrado do Nordeste, com especial ênfase no Rio Grande do Norte; 2) inventariar a fauna de anfíbios e répteis em duas áreas de Tabuleiros no Rio Grande do Norte; 3) fornecer subsídios para propor estratégias de preservação destas áreas; e 4) disponibilizar os resultados do projeto na internet. A amostragem da herpetofauna será feita através de armadilhas de interceptação-e-queda e coletas manuais. As regiões a serem amostradas são Tabuleiros (isolados de Cerrado no nordeste do Brasil, geralmente encravados em fragmentos de Mata Atlântica) do Rio Grande do Norte, mais precisamente a Área de Lançamento da Barreira do Inferno, no Município de Parnamirim, e um fragmento no nordeste do Estado, nos Municípios de Pureza, Rio do Fogo, Touros e Barra de Maxaranguape. Em um curto prazo, o conhecimento sobre a ocorrência de endemismos em isoaldos do Cerrado e o conhecimento da ecologia destas espécies servirá como um incentivo a mais para a criação e/ou inclusão destas áreas em unidades de conservação..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Willianilson Pessoa da Silva - Integrante / Alan Felipe Oliveira - Integrante / Adrian Antonio Garda - Coordenador / FELIPE SOARES DE FIGUEIRÊDO - Integrante.


Projetos de extensão


2012 - 2012
O Museu de Ciências Morfológicas ao Alcance dos Deficientes Visuais
Descrição: O Museu de Ciências Morfológicas (MCM) é um ambiente rico para trabalhar junto aos discentes da UFRN o contato com a realidade social e a oportunidade de desenvolver suas habilidades curriculares para prática profissional. Além disso, o MCM permite a interação e aprofundamento das relações entre a educação básica e o ensino superior, buscando aprofundar, aplicar e criar formas de atuação da universidade frente às escolas no desenvolvimento da inclusão social e educação científica. Fundamentado nas versões anteriores deste projeto percebe-se o quanto foi gratificante levar o museu ao Instituto dos Cegos de Natal e promover novas formas de estudo e conhecimento para este público tão carente de recursos inovadores de ensino. Assim, este projeto tem como objetivo trazer os deficientes visuais ao ambiente real do museu, proporcionar uma infra-estrutura física adequada para o atendimento dos deficientes visuais e desta maneira oportunizar novos conhecimentos sobre a morfologia dos seres vivos, relações com a saúde e prevenção das doenças. A vinda dos cegos ao museu será agendada previamente junto ao Instituto dos Cegos de Natal, de modo a oferecer 2 visitas, uma durante o primeiro período e outra no segundo período letivo da universidade. O MCM terá uma sala com peças morfológicas do corpo humano, animais taxidermizados, simulações de diferentes ambientes e identificação em braile das estruturas, além de uma trajetória no interior do museu totalmente sinalizada para os deficientes visuais. O MCM contará com o apoio de monitores e bolsistas do projeto para viabilizar a construção deste espaço alternativo para os deficientes visuais..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Willianilson Pessoa da Silva - Coordenador / CHRISTINA DA SILVA CAMILLO - Integrante.
2012 - 2012
O Museu de Ciências Morfológicas ao Alcance dos Deficientes Visuais
Descrição: O Museu de Ciências Morfológicas (MCM) é um ambiente rico para trabalhar junto aos discentes da UFRN o contato com a realidade social e a oportunidade de desenvolver suas habilidades curriculares para prática profissional. Além disso, o MCM permite a interação e aprofundamento das relações entre a educação básica e o ensino superior, buscando aprofundar, aplicar e criar formas de atuação da universidade frente às escolas no desenvolvimento da inclusão social e educação científica. Fundamentado nas versões anteriores deste projeto percebe-se o quanto foi gratificante levar o museu ao Instituto dos Cegos de Natal e promover novas formas de estudo e conhecimento para este público tão carente de recursos inovadores de ensino. Assim, este projeto tem como objetivo trazer os deficientes visuais ao ambiente real do museu, proporcionar uma infra-estrutura física adequada para o atendimento dos deficientes visuais e desta maneira oportunizar novos conhecimentos sobre a morfologia dos seres vivos, relações com a saúde e prevenção das doenças. A vinda dos cegos ao museu será agendada previamente junto ao Instituto dos Cegos de Natal, de modo a oferecer 2 visitas, uma durante o primeiro período e outra no segundo período letivo da universidade. O MCM terá uma sala com peças morfológicas do corpo humano, animais taxidermizados, simulações de diferentes ambientes e identificação em braile das estruturas, além de uma trajetória no interior do museu totalmente sinalizada para os deficientes visuais. O MCM contará com o apoio de monitores e bolsistas do projeto para viabilizar a construção deste espaço alternativo para os deficientes visuais..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Willianilson Pessoa da Silva - Coordenador / CHRISTINA DA SILVA CAMILLO - Integrante.
2010 - 2010
Exposição o Eixo da vida
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Zoologia.
2.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Zoologia / Subárea: HERPETOLOGIA.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
MORAES, ALEX BARBOSA DE2017MORAES, ALEX BARBOSA DE ; SOARES DE MORAES, DANIELE COSME ; ALENCAR, CARLOS EDUARDO ROCHA DUARTE ; SILVA, WILLIANILSON PESSOA DA ; FREIRE, FÚLVIO AURÉLIO DE MORAIS . First record of Potimirim potimirim (Müller, 1881) (Crustacea, Decapoda, Atyidae) from Rio Grande do Norte, northeastern Brazil. CHECK LIST, JOURNAL OF SPICIES LIST AND DISTRIBUTION, v. 13, p. 2060, 2017.

2.
MAGALHAES, F. M.2015 MAGALHAES, F. M. ; LARANJEIRAS, D. O. ; COSTA, T. B. ; JUNCA, F. A. ; MESQUITA, D. O. ; ROHR, D. L. ; SILVA, W. P. ; VIEIRA, G. H. C. ; GARDA, A. A. . Herpetofauna of protected areas in the Caatinga IV: Chapada Diamantina National Park, Bahia, Brazil. Herpetology Notes, v. 8, p. 243-261, 2015.

3.
MAGALHAES, F. M.2015MAGALHAES, F. M. ; Laranjeiras, D. O. ; Costa, T. B. ; JUNCÁ, FLORA ACUÑA ; Mesquita, Daniel O. ; RÖHR, DAVID LUCAS ; SILVA, W. P. ; Vieira, Gustavo H. C. ; GARDA, A. A. . Herpetofauna of protected areas in the Caatinga IV: Chapada Diamantina National Park, Bahia, Brazil. Herpetology Notes, v. 8, p. 243-261, 2015.

4.
MAGALHAES, F. M.2015MAGALHAES, F. M. ; Laranjeiras, D. O. ; COSTA, T. B. ; Juncá, F. A. ; MESQUITA, D. O. ; ROHR, D. L. ; SILVA, W. P. ; VIEIRA, G. H. C. ; GARDA, Adrian Antônio . Herpetofauna of protected areas in the Caatinga IV: Chapada Diamantina National Park, Bahia, Brazil. Herpetology Notes, v. 8, p. 243-261, 2015.

5.
MAGALHAES, F. M.2013 MAGALHAES, F. M. ; DANTAS, A. K. B. P. ; BRITO, M. R. M. ; MEDEIROS, P. H. S. ; OLIVEIRA, A. F. ; PEREIRA, T. C. S. O. ; QUEIROZ, M. H. C. ; SANTANA, D. J. ; SILVA, W. P. ; GARDA, A. A. . Anurans from an Atlantic Forest-Caatinga ecotone in Rio Grande do Norte State, Brazil. Herpetology Notes, v. 6, p. 10, 2013.

6.
MAGALHAES, F. M.2013MAGALHAES, F. M. ; Dantas, A.K.B.P. ; BRITO, M. R. M. ; Medeiros, P. H. ; Oliveira, A. F. S. ; Pereira, T. C. S. O. ; de Queiroz, M.H.C. ; Santana, D.J. ; SILVA, W. P. ; GARDA, A. A. . Anurans from an Atlantic Forest-Caatinga ecotone in Rio Grande do Norte State, Brazil. Herpetology Notes, v. 6, p. 1-10, 2013.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
LARANJEIRAS, D. O. ; FIGUEIREDO, F. S. ; COSTA, T. B. ; MAGALHAES, F. M. ; SILVA, W. P. ; SALGUEIRO III, E. ; PEREIRA, C. N. S. ; QUEIROZ, M. H. C. ; ROHR, D. L. ; GARDA, A. A. . HERPETOFAUNA DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA, MUNICÍPIO DE PALMEIRAS (BAHIA, BRASIL). In: VI Congresso Brasileiro de Herpetologia, 2013, Salvador, BA. Anais do VI Congresso Brasileiro de Herpetologia, 2013.

Apresentações de Trabalho
1.
SILVA, W. P.. Levantamento de fauna silvestre. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
SILVA, W. P.. Técnicas de Captura de Fauna Silvestre. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
SILVA, W. P.. Conhecendo para preservar. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).


Produção técnica
Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
SILVA, W. P.. Câmera Record - Especial RN - Jararaca da Seca. 2016.


Demais tipos de produção técnica
1.
SILVA, W. P.. TÉCNICAS DE CAPTURA DE ANIMAIS SILVESTRES. 2016. .

2.
SILVA, W. P.. Fotografia Científica para Registro de Comportamento. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

3.
SILVA, W. P.. ECOLOGIA E HISTÓRIA NATURAL DE LAGARTOS E ANFÍBOS. 2015. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

4.
SILVA, W. P.. Habitat Change and the Status of the Herpetofauna in the Atlantic Forest of Brazil. 2012. (Expedição de campo).


Produção artística/cultural
Artes Visuais
1.
SILVA, W. P.. Fotografia Usada em Site. 2012. Fotografia.

2.
SILVA, W. P.. Fotografia usada em informativo do congresso. 2012. Fotografia.

3.
SILVA, W. P.. Fotografia usada em artigo. 2011. Fotografia.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
XIV Congress of the Brazilian Society of Toxinology. Comparative Proteomics Analyses of Three Scorpion Venons From the Ginus Tityus. 2017. (Congresso).



Educação e Popularização de C & T



Apresentações de Trabalho
1.
SILVA, W. P.. Conhecendo para preservar. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 18/12/2018 às 16:12:55