Gilbert de Oliveira Silveira

Bolsista de Doutorado do CNPq

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7143384072841086
  • Última atualização do currículo em 13/05/2018


Doutorando em Bioquímica pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo, sob orientação do Dr. Sérgio Verjovski Almeida no Laboratório de Expressão Gênica em Eucariotos do Instituto Butantã de São Paulo. Mestrado em Química Biológica pelo Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bacharel em Ciências Biológicas: Biofísica com ênfase em Biotecnologia, com honra acadêmica, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi bolsista de graduação sanduíche, do Programa Ciência sem Fronteiras, na Yale University (Estados Unidos) durante um ano no laboratório do Dr. Dieter Söll. Possui interesse nas áreas de Bioquímica e Biologia Molecular. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Gilbert de Oliveira Silveira
Nome em citações bibliográficas
OLIVEIRA-SILVEIRA, G.;OLIVEIRA, G. S.;SILVEIRA, GILBERT DE O.

Endereço


Endereço Profissional
Instituto Butantan, Departamento de Parasitologia, Laboratório de Expressão Gênica em Eucariotos.
Instituto Butantã
Butantã
05503900 - São Paulo, SP - Brasil
Telefone: (11) 26273853
URL da Homepage: http://www2.iq.usp.br/docente/verjo/index.html#topp


Formação acadêmica/titulação


2018
Doutorado em andamento em Ciências Biológicas (Bioquímica).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Orientador: Sérgio Verjovski Almeida.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2016 - 2018
Mestrado em Química Biológica.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Título: Controle do Crescimento de microbiota intestinal em Aedes aegypti pelo parálogo da Seril-tRNA sintetase,Ano de Obtenção: 2018.
Orientador: Carla Ribeiro Polycarpo.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Aedes aegypti; mosquito; aminoacil-tRNA sintetase; aaRS; SerRS; microbiota.
Grande área: Ciências Biológicas
Grande Área: Ciências Biológicas / Área: Bioquímica / Subárea: bioquímica.
2011 - 2016
Graduação em Ciências Biológicas: Biofísica.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
com período sanduíche em Yale University (Orientador: Dieter Söll).
Título: Investigação da Via de Selenocisteína em Aedes aegypti..
Orientador: Carla Ribeiro Polycarpo.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2007 - 2010
Ensino Médio (2º grau).
Escola Estadual Júlio Brandão, EEJB, Brasil.




Atuação Profissional



Yale University, YALE, Estados Unidos.
Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Graduação do Programa CsF, Regime: Dedicação exclusiva.


Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Mestrando em Química Biológica, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2015 - 2016
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor da Disciplina de Biologia Molecular, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2015 - 2016
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor da Disciplina de Bioestatística, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2014 - 2016
Vínculo: Bolsista de IC, Enquadramento Funcional: Aluno de Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
Realizo estágio curricular como aluno de Iniciação Científica no Laboratório de Biologia Molecular do Instituto de Bioquímica Médica, no Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desenvolvo o trabalho intitulado como Alimentação com sangue e expressão de aminoacil-tRNA sintetases em Aedes aegypti sob orientação da Professora Carla Ribeiro Polycarpo.

Vínculo institucional

2013 - 2013
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor da Disciplina de Cáculo I, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2013 - 2013
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor da Disciplina de Cáculo II, Carga horária: 10

Vínculo institucional

2012 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Aluno de Iniciação Científica, Carga horária: 20
Outras informações
O trabalho continua em desenvolvimento pelo aluno de Doutorado da minha orientadora Carla Ribeiro Polycarpo. Realizei estágio curricular como aluno de Iniciação Científica no Laboratório de Biologia Molecular do Instituto de Bioquímica Médica, no Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desenvolvi o trabalho intitulado como Estudo da Maturação do tRNA tirosina de Tripanossoma brucei sob orientação da Professora Carla Ribeiro Polycarpo.


Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Doutorando do Instituto de Química, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2015 - 2018
Investigação da Via de Selenocisteína em Aedes aegypti
Descrição: As selenoproteínas compreendem um diverso grupo de proteínas que possuem Selênio (Se) na forma do vigésimo primeiro aminoácido não canônico, Selenocisteína (Sec). Este aminoácido está presente em todos os domínios da vida. Entretanto nenhuma selenoproteína foi identificada em vegetais superiores ou fungos. (Novoselov et al, 2002). O genoma dos vertebrados codifica para 25 selenoproteinas (Kryokov et al,2003 e Castellano et al, 2004) ao passo que os invertebrados possuem uma menor diversidade (como o caso do inseto hematófago Rhodnius prolixus que possui somente a selenoproteína GpX (Castellano et al, 2001 e Dias et al, 2015). A selenocisteína é bastante similar ao aminoácido cisteína, possuindo um grupamento selenol no lugar do grupamento thiol. Assim como todos os aminoácidos, a selenocisteína é carregada em um tRNA específico (tRNASec) através de uma série de reações (Xu et al, 2007). Uma vez aminoacilado, o tRNASec pode então exercer seu papel na incorporação deste aminoácido nas selenoproteínas, que possuem em seu RNA mensageiro (mRNA) um códon de parada (UGA) que será recodificado através do auxílio de uma maquinaria de incorporação específica e a presença de um grampo formado na extremidade 3? não traduzida do mRNA chamado elemento SECIS (Selenocysteine Insertion Sequence) (Small-Howard et al, 2006). Várias proteínas participam da inserção co-traducional de selenocisteína em proteínas, uma delas também é uma selenoproteína, a SPS2, ou monoselenofosfato sintetase. O mosquito Aedes aegypti possui outras 2 selenoproteínas, SelH e SelK, cujas funções ainda não estão bem estabelecidas, mas parecem ter função antioxidante (Dikiy et al, 2007 e Lu et al, 2006). Nosso trabalho tem como objetivo estudar a regulação da expressão das selenoproteínas de Aedes aegypti em resposta à alimentação com sangue, assim como tentar entender melhor a importância das mesmas na fisiologia do inseto..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Gilbert de Oliveira Silveira - Integrante / Carla Ribeiro Polycarpo - Coordenador.
2014 - 2018
Enzimas Similares a Seril-tRNA Sintetases em insetos: o caso Aedes aegypti
Descrição: As aminoacil-tRNA sintetases (aaRSs) são as enzimas que realizam a aminoacilação dos tRNAs com seus respectivos aminoácidos para que eles possam então participar da síntese de proteínas. Ao realizarmos as buscas dos genes das aaRSs no genoma de Aedes aegypti, observamos a presença de dois genes com características de genes de seril-tRNA sintetases, com exceção da ausência do domínio 2 característico destas enzimas. Genes similares a esses são encontrados em toda a classe Insecta, estando restritos a ela. Uma característica importante de A. aegypti é o fato de existirem dois genes com as mesmas características, um codificando para uma proteína com uma porção N-terminal que duplica o tamanho da proteína. Não sabemos ainda se este é o resultado de um erro de montagem do genoma. A primeira e única descrição de um gene similar a estes foi feita em Drosophila melanogaster em 2010 (Guitart e cols., J Biol Chem. 285(49): 38157?38166), que possui o gene menor em única cópia. Os estudos deste grupo demonstraram que o produto do gene não ativa serina e é essencial para mitocôndria. Com o intuito de testar esses resultados nas enzimas de A. aegypti, clonamos e expressamos as enzimas recombinantes. Além disso, levando em consideração que estes mosquitos se alimentam com sangue, resolvemos analisar se há uma expressão diferencial destes genes em intestinos de mosquitos fêmeas alimentados com sangue e em jejum. Após expressão, as proteínas foram purificadas por afinidade em coluna de níquel e suas atividades avaliadas. Para testarmos se essas enzimas eram capazes de aminoacilar tRNAs de serina, realizamos o ensaio de aminoacilação de tRNAs de serina com 18 aminoácidos separadamente e não fomos capazes de observar esterificação de tRNAs com nenhum dos aminoácidos. Testamos então a capacidade de ativação de serina pelas enzimas através do ensaio de troca de ATP-PPi, cujo resultado foi negativo. Em seguida, uma mistura de 18 aminoácidos foi testada, com exceção de cisteína e triptofano, que foram testados separadamente. Surpreendemente, as enzimas são ativadas com a mistura de aminoácidos, o que não acontece quando cada aminoácido é testado separadamente. Uma hipótese é a de que estas enzimas são responsáveis pela formação de dipeptídeos, que por sua vez participam de eventos de sinalização intracelular, por isso, nosso próximo passo é fazer o ensaio de ativação com diferentes duplas de aminoácidos. A análise de expressão relativa dos dois genes codificantes para as seril-tRNA sintetases-like não apresentou nenhuma diferença significativa na análise por PCR em tempo real entre os grupos alimentados e jejum. Porém, considerando o grande desvio padrão observado, acreditamos que o aumento do número de replicatas poderá mudar o resultado. Nosso trabalho mostra que, embora as enzimas de A. aegypti similares a seril-tRNA sintetases, possam não aminoacilar tRNAs, elas têm uma função relacionada à aminoácidos que ainda permanece para ser desvendada. Financiamento: OMS-TDR, CNPq, FAPERJ.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Gilbert de Oliveira Silveira - Integrante / Carla Ribeiro Polycarpo - Coordenador.
2013 - 2014
Estudo do papel das Aminoacil-tRNA sintetases na regulação dos desafios impostos pelo repasto sanguíneo em Aedes aegypti
Descrição: O Aedes aegypti é um inseto vetor de várias doenças tropicais, incluindo a dengue e a febre amarela. Embora a alimentação com sangue seja uma necessidade fundamental para as fêmeas deste gênero, pois é essencial para a maturação do ovo, a digestão de hemoglobina libera heme, uma molécula altamente oxidativa na forma livre. Portanto, durante a sua existência, esses insetos têm de lidar com uma situação bastante desafiadora: lidar com a ingestão do sangue de forma que esta não comprometa sua sobrevivência. Com o aumento de informação disponível sobre o heme ao longo dos anos, percebeu-se que esta molécula interfere com várias vias de sinalização, incluindo a modulação da expressão gênica, a síntese de proteínas, e a fosforilação relacionada a respostas celulares ao estresse . As aminoacil-tRNA sintetases (aaRSs) compreendem a uma família ancestral de enzimas responsáveis pelo primeiro passo na síntese proteica, a aminoacilação. Este processo consiste na adição de um aminoácido no seu tRNA cognato. Cada uma das aaRSs está adaptada a ativar um único aminoácido (aa) via um intermediário adenilato (aa-AMP) e então ligar covalentemente ligar o aminoácido ao grupamento hidroxil-ribose no terminal 3? de seus tRNAs isoaceptores. O repasto sanguíneo altera completamente a fisiologia intestinal do inseto hematófago havendo uma modulação global da expressão gênica, incluindo genes das mais diversas funções (tais como defesas imunes e antioxidantes, reparo, ciclo celular e metabolismo). Consequentemente, a maquinaria molecular relacionada com a síntese proteica é sensivelmente ativada. Muitos destes genes alterados pela alimentação sanguínea são modulados da mesma maneira pelo heme, o que confere a esta molécula um papel sinalizador da expressão gênica. Considerando que após a alimentação, as células intestinais das fêmeas de A. aegypti entram em contato com uma grande quantidade de heme, resolvemos estudar o efeito desta molécula na expressão das aminoacil-tRNA sintetases. Em um primeiro momento, buscamos observar se alimentação de mosquitos com sangue levaria a uma regulação da síntese de aminoacil-tRNA sintetases. Nossos resultados mostram que alguns genes são regulados transcricionalmente pelo repasto sanguíneo e em uma tentativa de se analisar o efeito direto do heme sobre a atividade de aaRSs, resolvemos focar nas seril-tRNA sintetases por um motivo específico: As seril-tRNA sintetases citoplasmáticas são capazes de serilar tRNASer e tRNASec. O tRNASec é responsável por introduzir o aminoácido selenocisteína co-traducionalmente em selenoproteínas, que inclui um grupo de enzimas que possuem atividade anti-oxidante e outras com atividade ainda não esclarecida. Assim, resolvemos estudar tanto a seril-tRNA sintesase citoplasmática, quanto a mitocondrial, para analisarmos se há diferenças de afinidades por serina e diferentes tRNAs (que podem ser isoaceptores e isodecodificadores), na presença e ausência de heme e ROS entre as duas aaRSs..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Gilbert de Oliveira Silveira - Integrante / Carla Ribeiro Polycarpo - Coordenador.
2012 - 2013
Estudo da Maturação do tRNAtyr dos Tripanosomatideos
Descrição: Os tRNAs são responsáveis pela tradução do código genético e, desta forma, desempenham um papel central na síntese de proteínas. Para que a função do tRNA seja plenamente cumprida, o transcrito primário deve passar por uma série de passos até que a molécula madura seja formada. A biossíntese de tRNAs maduros e funcionais é um processo extremamente complexo, que envolve uma série de passos e reações enzimáticas, entre elas a remoção de íntrons por uma endonuclease e a junção das duas metades resultantes por uma ligase (maioria dos eucariotos e algumas archaea) . A identificação de genes essenciais envolvidos no processamento de tRNAs comuns aos três principais tripanossomatídeos causadores de doenças em humanos (Trypanosoma cruzi, Trypanosoma brucei e Leishmania major) e que não sejam homólogos a nenhum gene relacionado à mesma via, ou que sejam redundantes em células humanas, é um campo ainda não explorado e de grande potencial para o desenvolvimento de drogas contra esses organismos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Gilbert de Oliveira Silveira - Integrante / Carla Ribeiro Polycarpo - Coordenador / Raphael Rodrigues Soares - Integrante.Financiador(es): Universidade Federal do Rio de Janeiro - Bolsa.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Bioquímica / Subárea: Biologia Molecular.
2.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Bioquímica / Subárea: bioquímica.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Prêmios e títulos


2018
Primeira colocação na seleção para o Doutorado Acadêmico, Instituto de Química - USP.
2017
Travel Award to the 11th International Symposium on Aminoacyl-tRNA synthetases, IUBMB - International Union of Biochemistry and Molecular Biology.
2016
Primeira colocação na seleção para o Mestrado Acadêmico, Instituo de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis - UFRJ.
2015
Melhor trabalho da sessão de Biologia de Artrópodes e Vetores, JICTAC - UFRJ.
2015
Segundo Melhor trabalho do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, JICTAC - UFRJ.
2015
Menção Honrosa ao prêmio de melhor poster científico, XXXI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Protozoologia, Sociedade Brasileira de Protozoologia.
2013
Melhor trabalho da sessão de Biologia de Artrópodes e Vetores, JICTAC - UFRJ.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
LOPES, RAPHAEL R.S.2016 LOPES, RAPHAEL R.S. ; SILVEIRA, GILBERT DE O. ; EITLER, ROBERTA ; VIDAL, RAPHAEL S. ; KESSLER, ALAN ; HINGER, SCOTT ; PARIS, ZDENě ; ALFONZO, JUAN D. ; POLYCARPO, CARLA . The essential function of the Trypanosoma brucei Trl1 homolog in procyclic cells is maturation of the intron-containing tRNA Tyr. RNA (Cambridge. Print), v. 22, p. 8-10, 2016.

2.
MESQUITA, R. D.2015MESQUITA, R. D. VIONETTE-AMARAL, R. J. LOWENBERGER, C. RIVERA-POMAR, R. MONTEIRO, F. A. MINX, P. SPIETH, J. CARVALHO, A. B. PANZERA, F. LAWSON, D. TORRES, A. Q. RIBEIRO, J. M. C. SORGINE, M. H. F. WATERHOUSE, R. M. MONTAGUE, M. J. ABAD-FRANCH, F. ALVES-BEZERRA, M. AMARAL, L. R. ARAUJO, H. M. ARAUJO, R. N. ARAVIND, L. ATELLA, G. C. AZAMBUJA, P. BERNI, M. BITTENCOURT-CUNHA, P. R. , et al.BRAZ, G. R. C. CALDERON-FERNANDEZ, G. CARARETO, C. M. A. CHRISTENSEN, M. B. COSTA, I. R. COSTA, S. G. DANSA, M. DAUMAS-FILHO, C. R. O. DE-PAULA, I. F. DIAS, F. A. DIMOPOULOS, G. EMRICH, S. J. ESPONDA-BEHRENS, N. FAMPA, P. FERNANDEZ-MEDINA, R. D. DA FONSECA, R. N. FONTENELE, M. FRONICK, C. FULTON, L. A. GANDARA, A. C. GARCIA, E. S. GENTA, F. A. GIRALDO-CALDERON, G. I. GOMES, B. GONDIM, K. C. GRANZOTTO, A. GUARNERI, A. A. GUIGO, R. HARRY, M. HUGHES, D. S. T. JABLONKA, W. JACQUIN-JOLY, E. JUAREZ, M. P. KOERICH, L. B. LATORRE-ESTIVALIS, J. M. LAVORE, A. LAWRENCE, G. G. LAZOSKI, C. LAZZARI, C. R. LOPES, R. R. LORENZO, M. G. LUGON, M. D. MAJEROWICZ, D. MARCET, P. L. MARIOTTI, M. MASUDA, H. MEGY, K. MELO, A. C. A. MISSIRLIS, F. MOTA, T. NORIEGA, F. G. NOUZOVA, M. NUNES, R. D. OLIVEIRA, R. L. L. OLIVEIRA-SILVEIRA, G. ONS, S. PAGOLA, L. PAIVA-SILVA, G. O. PASCUAL, A. PAVAN, M. G. PEDRINI, N. PEIXOTO, A. A. PEREIRA, M. H. PIKE, A. POLYCARPO, C. PROSDOCIMI, F. RIBEIRO-RODRIGUES, R. ROBERTSON, H. M. SALERNO, A. P. SALMON, D. SANTESMASSES, D. SCHAMA, R. SEABRA-JUNIOR, E. S. SILVA-CARDOSO, L. SILVA-NETO, M. A. C. SOUZA-GOMES, M. STERKEL, M. TARACENA, M. L. TOJO, M. TU, Z. J. TUBIO, J. M. C. URSIC-BEDOYA, R. VENANCIO, T. M. WALTER-NUNO, A. B. WILSON, D. WARREN, W. C. WILSON, R. K. HUEBNER, E. DOTSON, E. M. OLIVEIRA, P. L. ; Genome of Rhodnius prolixus, an insect vector of Chagas disease, reveals unique adaptations to hematophagy and parasite infection. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. xxxxxx, p. xxxxxxxxxxxxxxx-xxxxx, 2015.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
OLIVEIRA, G. S.; POLYCARPO, C. R. . Characterization of the Aedes aegypti Seryl-tRNA synthetase-like. In: Meeting on the Aminoacyl-tRNA synthetases, 2017, Clearwater. IUBMB focused Meeting on the Aminoacyl-tRNA synthetases, 2017.

2.
SOARES, R. R. ; OLIVEIRA-SILVEIRA, G. ; BRUNO, R. E. ; ALFONZO, J. ; VIDAL, R. S. ; POLYCARPO, C. R. . Unraveling the TbTrl1 enzyme function in Trypanosoma brucei. In: Semana Brasileira de Protozoologia, 2015, Caxambú. Semana Brasileira de Protozoologia, 2015.

3.
SOARES, R. R. ; OLIVEIRA-SILVEIRA, G. ; BRUNO, R. E. ; POLYCARPO, C. R. ; ALFONZO, J. . Unravelling the Trl1-like enzyme function in Trypanosoma brucei. In: Rustbelt RNA Meeting, 2014, Pittsburg. Sixteenth Annual Rustbelt RNA Meeting, 2014.

4.
SOARES, R. R. ; OLIVEIRA, G. S. ; EITLER, ROBERTA ; ALFONZO, JUAN D. ; VIDAL, RAPHAEL S. ; POLYCARPO, C. R. . Unravelling the Trl1-like enzyme function in Trypanosoma brucei. In: 25th tRNA Conference, 2014, Kyllini. 25th tRNA Conference, 2014.

Apresentações de Trabalho
1.
OLIVEIRA, G. S.; POLYCARPO, C. R. . Characterization of the Aedes aegypti Seryl-tRNA synthetase-like. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
OLIVEIRA, G. S.; POLYCARPO, C. R. . Seril-tRNA sintetase-like de Aedes aegypti: Caracterização enzimática e investigação do seu papel na fisiologia do mosquito. 2016. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

3.
OLIVEIRA-SILVEIRA, G.; POLYCARPO, C. R. . Enzimas Similares a Seril-tRNA Sintetases: O caso do mosquito Aedes aegypti. 2015. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

4.
SOARES, R. R. ; OLIVEIRA, G. S. ; EITLER, ROBERTA ; PARIS, ZDENě ; ALFONZO, JUAN D. ; VIDAL, RAPHAEL S. ; POLYCARPO, C. R. . Unravelling the Trl1-like enzyme function in Trypanosoma brucei.. 2015. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

5.
SOARES, R. R. ; OLIVEIRA, G. S. ; EITLER, ROBERTA ; ALFONZO, JUAN D. ; VIDAL, RAPHAEL S. ; POLYCARPO, C. R. . Unravelling the Trl1-like enzyme function in Trypanosoma brucei. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

6.
OLIVEIRA-SILVEIRA, G.; SOARES, R. R. ; POLYCARPO, C. R. . Unravelling the Trl1?like enzyme function in Trypanosoma brucei . 2013. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

7.
OLIVEIRA-SILVEIRA, G.; SOARES, R. R. ; POLYCARPO, C. R. . Efeitos do silenciamento do gene trl1-like em Trypanosoma brucei. 2013. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

8.
OLIVEIRA-SILVEIRA, G.; SOARES, R. R. ; POLYCARPO, C. R. . Efeitos do silenciamento do gene trl1-like em Trypanosoma brucei. 2013. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).


Produção técnica
Redes sociais, websites e blogs
1.
OLIVEIRA, G. S.; Maia, A.B. ; MOULIN, T. C. ; PEREIRA, L. P. ; VIEIRA, P. H. . Meme Científico. 2016; Tema: Divulgação científica sob a forma de memes divertidos. (Rede social).


Demais tipos de produção técnica


Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
11th Aminoacyl-tRNA synthetases Meeting. Characterization of the Aedes aegypti Seryl-tRNA synthetase-like. 2017. (Congresso).

2.
Jornada de Iniciação Científica.Enzimas Similares a Seril-tRNA Sintetases: O caso do mosquito Aedes aegypti. 2016. (Simpósio).

3.
XX Arthromint.Enzimas Similares a Seril-tRNA Sintetases: O caso do mosquito Aedes aegypti. 2016. (Seminário).

4.
Jornada de Iniciação Científica. Enzimas Similares a Seril-tRNA Sintetases: O caso do mosquito Aedes aegypti. 2015. (Congresso).

5.
Jornada de Iniciação Científica da UFRJ.Efeitos do silenciamento do gene trl1-like em Trypanosoma brucei. 2013. (Simpósio).

6.
SBPz. Desvendando a função da enzima Trl1-like em Tripanossoma brucei. 2013. (Congresso).

7.
Semana de Biotecnologia do Rio de Janeiro.Efeitos do silenciamento do gene trl1-like em Trypanosoma brucei. 2013. (Simpósio).

8.
II Latin American Federation of Biophysical Societies(LaFeBS) Congress / Brasilian Biophysical Society Congress. 2012. (Congresso).

9.
Semana de Bioquímica Médica. 2012. (Encontro).

10.
Semana de Graduação em Biofísica. 2011. (Encontro).



Educação e Popularização de C & T



Redes sociais, websites e blogs
1.
OLIVEIRA, G. S.; Maia, A.B. ; MOULIN, T. C. ; PEREIRA, L. P. ; VIEIRA, P. H. . Meme Científico. 2016; Tema: Divulgação científica sob a forma de memes divertidos. (Rede social).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 18/10/2018 às 22:24:19