Cristiano José Turra

Bolsista de Mestrado do CNPq

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6793704628613707
  • Última atualização do currículo em 04/01/2019


Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase em Engenharia de Materiais e Metalúrgica. Tem experiência em desenvolvimento de projetos metalúrgicos, com ênfase em construção mecânica e soldagem 1G e 2G. Tem experiência em elaboração de leiautes laboratoriais (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Cristiano José Turra
Nome em citações bibliográficas
TURRA, C. J.


Formação acadêmica/titulação


2013
Graduação em andamento em Engenharia Mecânica.
Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna, IFC, Brasil.
2011 - 2013
Curso técnico/profissionalizante.
Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna, IFC, Brasil.
2010 - 2012
Ensino Médio (2º grau).
Escola Estadual Básica Padre Nobrega, EEBPN, Brasil.
2001 - 2009
Ensino Fundamental (1º grau).
Escola Municipal São Francisco, EMSF, Brasil.




Atuação Profissional



Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina, FAPESC, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2016
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de Iniciação Científica, Carga horária: 20


Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna, IFC, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: Iniciação Científica, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 20



Projetos de pesquisa


2017 - Atual
Sistema de Baixo Custo Para a Previsão da Vida em Fadiga Por Flexão em Três Pontos.
Descrição: A fadiga nada mais é que a ruptura de componentes através da aplicação de cargas muito abaixo da carga máxima suportada pelo componente no regime elástico. A ruptura repentina por fadiga ocorre através de uma trinca inicial que se propaga por solicitações cíclicas. A importância de se fazer ensaios de resistência a fadiga está intimamente ligada com garantia, segurança e qualidade em um projeto. Os equipamentos de ensaio de fadiga por flexão em três pontos são uma tecnologia já existente, porém de custo elevado. Sistemas de baixo custo podem ser desenvolvidos para ensaios de fadiga específicos, como é o caso do ensaio de fadiga por flexão em três pontos, com a mesma excelência e confiabilidade. Com base nisso, o presente projeto almeja o desenvolvimento e construção de um sistema de baixo custo, quando comparado aos equipamento encontrados no mercado, para a nucleação e propagação de trincas para o ensaio de fadiga por flexão em três pontos. O projeto proposto estimula a interação entre as empresas da região e o IFC, que tem objetivos em comum: o desenvolvimento de processos e produtos, a busca por soluções dos problemas locais e a capacitação de profissionais. O IFC Campus Luzerna já realiza diversas atividades com empresas da área Metal Mecânica da região, como pesquisas aplicadas e prestações de serviço na solução de problemas do Arranjo Produtivo Local..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiano José Turra - Integrante / Mario Wolfart Junior - Coordenador / Giovani Pasetti - Integrante.
2016 - 2017
Aplicação da Soldagem em Campo em Condutos SAC 350 pelo processo FCAW-S na empresa HISA Grupo WEG.
Descrição: As correntes de ar na soldagem em campo, podem retirar os gases de proteção da poça fundida contra o ar atmosférico, o que gera defeitos no cordão de solda, causando a perda de propriedades mecânicas. A empresa HISA de Joaçaba ? SC, realiza a soldagem de condutos SAC 350 em instalações de usinas hidroelétricas. Os condutos, por serem tubos cilíndricos, implicam o uso de praticamente todas as posições de soldagem. Atualmente, a empresa utiliza o processo SMAW, que é um processo com boa resistência às correntes de ar, mas que tem baixa taxa de deposição e tempo de soldagem elevado. Com o intuito de reduzir custos e solucionar problemas, a empresa HISA busca juntamente com IFC Campus Luzerna, a substituição do processo SMAW pelo processo FCAW-S na soldagem dos condutos SAC 350. O processo FCAW-S é indicado na aplicação em campo, por apresentar resistência às correntes de ar superior ao processo SMAW, e manter as propriedades mecânicas do cordão de solda obtidas por outros processo de soldagem. Os condutos trabalham sobre vibrações e altas pressões, exigindo da soldagem a combinação de propriedades mecânicas conflitantes (tenacidade, dureza, ductilidade e resistência), que, no caso da soldagem em campo, pode ser comprometida pelo efeito do vento..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiano José Turra - Integrante / Mario Wolfart Junior - Coordenador.
2015 - 2016
A Influência das Velocidades de Vento no Cordão de Solda no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido
Descrição: O processo de união de metais por soldagem é um dos mais utilizados quando se pensa em construção de estruturas. Atualmente no Brasil, esse tipo de serviço cresce de forma acelerada principalmente na construção de portos e mecanismos de movimentação, sustentação e armazenamento de mercadorias, além da construção naval. Porém, a soldagem ainda enfrenta problemas com a ação do vento no cordão de solda, o que exige a inovação e aprimoramento dos processos em tal atividade. O processo Eletrodo Revestido é pioneiro quando se fala na soldagem em campo, por ser um processo compacto, barato e com soldas de boa qualidade. Outro processo que é indicado para a soldagem em campo, mas que ainda é pouco utilizado, é o processo Arame Tubular Auto protegido caracterizado principalmente pela elevada taxa de produção, com soldas de alta qualidade, baixo nível de respingos e boa resistência às correntes de vento. Esse processo é uma inovação no mercado de soldagem em nossa região, que é uma região industrial, voltada principalmente à metal mecânica onde os arranjos produtivos locais se adéquam com o tema do estudo proposto. A empresa HISA de Joaçaba - SC, fabricante de turbinas hidráulicas e hidromecânicos, está aderindo este processo para as soldas em campo realizas na instalações das hidroelétricas. O uso deste tipo de consumível, em comparação com arames sólidos cobreados, é vantajosa principalmente por obter maior penetração, acabamento superficial e menor probabilidade de ocorrer porosidade.Em um estudo realizado no Instituto Federal Catarinense Câmpus Luzerna (IFC) sobre a soldagem em campo utilizando o processo Eletrodo Revestido em aços carbono ABNT 1020, mostra que velocidades de vento inferiores à 3,5 m/s produzem cordões de solda de qualidade aceitável, mas que já é perceptível dificuldade em manter o arco estável. Utilizando métodos semelhantes ao estudo no IFC, e com alguns aprimoramentos observados como necessários nesse tipo de estudo, é proposto realizar um estudo específico relacionado à ação dos ventos sobre o cordão de solda realizado pelo processo Arame Tubular Auto protegido. É um projeto coletivo e interdisciplinar que envolve atividades como soldagem, usinagem e ensaios de materiais.Com o objetivo de solucionar problemas nesse campo da soldagem, assim como na empresa HISA, o estudo propõe comparar os cordões de solda e seus defeitos com suas respectivas velocidades de vento, para determinar a influência do vento sobre o cordão de solda. Cada teste será avaliado através de ensaios mecânicos de dobramento, tração e dureza, além de análises macrográficas e metalográficas para identificação de defeitos internos e externos. Além disso será realizado o ensaio de líquido penetrante, afim de identificar fissuras superficiais no cordão de solda..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .

Integrantes: Cristiano José Turra - Integrante / Mario Wolfart Junior - Coordenador / Vinicius Peccin Beppler - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - Auxílio financeiro / Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - Bolsa.
2015 - 2015
Determinação da Influência das Velocidades de Vento no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto-protegido.
Descrição: As soldagens em campo aberto são frequentemente realizadas em construções de estruturas. Devido a necessidade de proteção da poça fundida, a soldagem se torna limitada a certas velocidades do vento, que ocasionam defeitos mecânicos no cordão de solda. No presente projeto será avaliado a resistência às correntes de ar suportadas pelo processo Arame Tubular Auto-protegido. O consumível escolhido foi o AWS E71T-11 o qual é um arame tubular muito utilizado por atender a exigência de alta produtividade e solda de alta qualidade, além de ser indicado para soldas em campo. Tem ampla área de aplicação, como estruturas em aço carbono, tubulações e tanques. A metodologia proposta tem como base a determinação da velocidade máxima do vento que o processo suporta, sem que defeitos externos ou internos sejam observados. Através de soldagem com simulações de vento os defeitos podem ser identificados através de análises no corpo de prova, e assim identificar os possíveis danos a determinadas velocidades de vento. O objetivo em comparar os resultados dos testes de soldagem do processo Arame Tubular Auto-protegido com os resultados do teste de soldagem do processo Eletrodo Revestido, realizado em um estudo anterior na própria instituição de ensino, bem como executar no projeto multidisciplinar envolvendo a interação com empresas, preparação para o mercado de trabalho e incentivo à pesquisa..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiano José Turra - Integrante / Mario Wolfart Junior - Coordenador.

Número de produções C, T & A: 1


Projetos de extensão


2014 - 2014
Determinação Comportamento das Propriedades Mecânicas do Cordão de Solda em Soldagem a Campo Aberto
Descrição: As soldagens em campo aberto são frequentemente realizadas em construções de estruturas. Devido a necessidade de proteção da poça fundida, a soldagem se torna limitada a certas velocidades do vento, que ocasionam defeitos mecânicos no cordão de solda. No presente projeto será avaliado as velocidades máximas suportadas por dois processos: Eletrodo Revestido e Arame Tubular Autoprotegido. O eletrodo escolhido será o AWS E7018 que é um eletrodo do tipo básico e o mais utilizado nas empresas de nossa região. O arame tubular autoprotegido AWS E71T-11 foi escolhido por apresentar excelentes características de soldagem com baixo índice de respingos, além da promessa de alta produção e resistência as correntes de ar. A metodologia proposta tem como base a determinação da velocidade máxima do vento que cada processo suporta, sem que defeitos externos ou internos sejam observados..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Integrantes: Cristiano José Turra - Integrante / Mario Wolfart Junior - Coordenador.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Engenharias / Área: Engenharia Mecânica.
2.
Grande área: Engenharias / Área: Engenharia de Materiais e Metalúrgica.


Idiomas


Inglês
Compreende PoucoEscreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
TURRA, C. J.; WOLFART JUNIOR, M. . A INFLUÊNCIA DAS VELOCIDADES DE VENTO NO CORDÃO DE SOLDA NO PROCESSO DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR AUTO PROTEGIDO. In: IX MICTI, 2016, Videira. IX MICTI, 2016.

2.
TURRA, C. J.; WOLFART JUNIOR, M. . A Influência das Velocidades de Vento no Cordão de Solda no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido. In: V SECITEC, 2016, Luzerna. V SECITEC, 2016.

3.
TURRA, C. J.; SERIGHELLI, P. H. G. ; JOSE, D. R. . MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO. In: IX MICTI, 2016, Videira. IX MICTI, 2016.

4.
TURRA, C. J.; WOLFART JUNIOR, M. . Determinação da Influência das Velocidades de Vento no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido. In: IV SECITEC 2015, 2015, Luzerna. IV SECITEC, 2015.

Apresentações de Trabalho
1.
TURRA, C. J.; WOLFART JUNIOR, M. ; MEDEIROS, G. A. ; DACAS, F. P. . Determinação da Influência das Velocidades de Vento no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
Consolda 2017. 2017. (Congresso).

2.
II Semana da Indústria. 2015. (Seminário).

3.
SECITEC - Semana da Ciência e Tecnologia. 2015. (Oficina).

4.
SECITEC - Semana da Ciência e Tecnologia.. Determinação da Influência das Velocidades de Vento no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido. 2015. (Exposição).

5.
SECITEC - Semana da Ciência e Tecnologia.. Determinação Comportamento das Propriedades Mecânicas do Cordão de Solda em Soldagem a Campo Aberto. 2014. (Exposição).



Inovação



Projetos de pesquisa

Projeto de extensão


Educação e Popularização de C & T



Apresentações de Trabalho
1.
TURRA, C. J.; WOLFART JUNIOR, M. ; MEDEIROS, G. A. ; DACAS, F. P. . Determinação da Influência das Velocidades de Vento no Processo de Soldagem Arame Tubular Auto Protegido. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 23/01/2019 às 19:15:12