Cristiane Reis Lobo

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2431165933980185
  • Última atualização do currículo em 07/03/2013


Possui graduação em Ciencias Sociais pela Universidade Federal da Bahia (2011). Suplente do conselho fiscal da Associação Nacional de Ação Indigenista Bahia, ANAI, Brasil. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Indígena, atuando principalmente nos seguintes temas: etnicidade, ideologia racial, poder, etnologia indígena, lideranças políticas, Estado e revoltas indígenas. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Cristiane Reis Lobo
Nome em citações bibliográficas
LOBO, C.


Formação acadêmica/titulação


2006 - 2011
Graduação em Ciencias Sociais.
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Título: A longevidade da liderança do Cacique Lázaro entre os indios Kiriri do Sertão Baiano.
Orientador: Maria Rosário Gonçalves de Carvalho.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.




Formação Complementar


2009 - 2009
Extensão universitária em Cartografias Sociais de Comunidades Tradicionais. (Carga horária: 40h).
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
2007 - 2007
Extensão universitária em O Trabalho do Antropólogo em situação de Perícia. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
1994 - 1998
Técnico em Estradas.
Escola Tecnica Federal da Bahia.


Atuação Profissional



Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2009
Vínculo: Bolsista de IC, Enquadramento Funcional: Pesquisadora de IC, Carga horária: 20


Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro / UFBA,.
Vínculo institucional

2006 - Atual
Vínculo: Bolsista IC/CNPq, Enquadramento Funcional: Bolsita IC/CNPq, Carga horária: 20


Associação Nacional de Ação Indigenista Bahia, ANAI, Brasil..
Vínculo institucional

2009 - Atual
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Suplente do Conselho Fiscal


Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil, PNUD BRASIL,.
Vínculo institucional

2009 - Atual
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Pesquisadora


Instituto de Pesquisa Estatística e Mercado, IPEME, Brasil..
Vínculo institucional

2008 - 2008
Vínculo: Livre, Enquadramento Funcional: Pesquisadora



Projetos de pesquisa


2011 - 2012
Os Índios Da Reserva Paraguassu-Caramuru Na Contemporaneidade (1926 - PRESENTE): Parentesco, Território, Identidade E Memória
Descrição: O objetivo do projeto é reunir a bibliografia (etnológica, histórico-documental e jornalística) produzida, no período compreendido entre 1926 até o presente, sobre a presença dos Índios estabelecidos na Reserva Paraguassu-Caramuru, porção sul do estado da Bahia, assim como atualizar dados que vimos produzindo sobre a configuração territorial, as relações de parentesco e identitárias do sistema interétnico ali formado. O termo inicial, 1926, concerne à criação da Reserva Paraguassu-Caramuru para acolher os Índios da região que mantinham os primeiros contatos com frentes da sociedade regional: Pataxó, Mongoió, Botocudo, Kamakan, Gueren, Tupinambá, Baenan e os Kariri-Sapuyá, compulsoriamente deslocados da porção sul do Recôncavo baiano, e aí também fixados. Nesse sentido, a Reserva criada correspondia a uma área de refúgio no âmbito da qual o Serviço de Proteção aos Índios (SPI) envidou esforços, notadamente através de alguns funcionários dedicados, para preservar a integridade física e cultural dos Índios, acossados pela frente econômica do cacau desde o final do século XIX. Como objetivos complementares estão previstos (a) o treinamento de agentes indígenas de cada grupo étnico para, na ausência dos pesquisadores não indígenas, manterem atualizadas as genealogias pertinentes aos seus grupos; (b) desenvolver um trabalho, no âmbito da Reserva, de sensibilização para o conhecimento das histórias dos grupos étnicos ali estabelecidos, através do apelo à memória do contato..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2010 - 2011
Reação Indígena à Conquista Os Kariri-Sapuyá da porção sul do Recôncavo Baiano (1755 - 1898)
Descrição: Os denominados Índios da Pedra Branca, da Freguesia de Nossa Senhora de Nazareth da Pedra Branca, viviam, na porção sul do Recôncavo Baiano, até o final do século XIX. Sob tal denominação, havia dois grupos indígenas, ou seja, os Camuru, posteriormente denominados Kariri, e os Sapuyá, ambos pertencentes à família linguística Kariri e, respectivamente, às línguas Kamuru e Sapuyá (Dantas et al 1992: 432). Os primeiros teriam, originalmente, vivido na aldeia da Pedra Branca, e a eles se imputa uma trajetória caracterizada por estreito relacionamento com a instituição militar, durante o governo colonial, na condição de soldados utilizados na captura de escravos foragidos e na repressão a quilombos. Já os segundos, cuja reputação era de índios refratários à Igreja e aos poderes seculares, viviam no povoado Caranguejo, um quarto de hora mais ao sul. O objetivo é produzir uma etnografia histórica da sua trajetória de sublevações e motins, estabelecendo como horizonte histórico estratégico o período 1755- 1898. .
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2009 - 2010
Reação Indígena à Conquista Os Kariri-Sapuyá da porção sul do Recôncavo Baiano (1755 - 1898)
Descrição: Os denominados Índios da Pedra Branca, da Freguesia de Nossa Senhora de Nazareth da Pedra Branca, viviam, na porção sul do Recôncavo Baiano, até o final do século XIX. Sob tal denominação, havia dois grupos indígenas, ou seja, os Camuru, posteriormente denominados Kariri, e os Sapuyá, ambos pertencentes à família linguística Kariri e, respectivamente, às línguas Kamuru e Sapuyá (Dantas et al 1992: 432). Os primeiros teriam, originalmente, vivido na aldeia da Pedra Branca, e a eles se imputa uma trajetória caracterizada por estreito relacionamento com a instituição militar, durante o governo colonial, na condição de soldados utilizados na captura de escravos foragidos e na repressão a quilombos. Já os segundos, cuja reputação era de índios refratários à Igreja e aos poderes seculares, viviam no povoado Caranguejo, um quarto de hora mais ao sul. O objetivo é produzir uma etnografia histórica da sua trajetória de sublevações e motins, estabelecendo como horizonte histórico estratégico o período 1755- 1898. .
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2008 - 2009
Ideologia e Consciência de Gênero Feminino em dois contextos de exposição étnica (sul e extremo-sul baianos)
Descrição: Examinar se, de fato, tem lugar uma inflexão étnica, operada pelos líderes masculinos, nos dois contextos de investigação, e como ela repercute nos planos das relações conjugais e familiares, e, mais particularmente, na esfera da subjetividade feminina, com ênfase particular sobre a esfera reprodutiva..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Cristiane Reis Lobo - Integrante / Maria Rosário Carvalho - Coordenador.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Antropologia / Subárea: Etnologia Indígena.
3.
Grande área: Engenharias / Área: Engenharia de Transportes / Subárea: Topografia.


Idiomas


Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.
Inglês
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.
Francês
Compreende Pouco, Fala Pouco, Lê Pouco, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Resumos publicados em anais de congressos
1.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . NOVOS ORDENAMENTOS POLÍTICOS NA TERRA INDÍGENA KIRIRI?. In: IX Seminário Estudantil de Pesquisa, 2008, Salvador. IX Seminário Estudantil de Pesquisa, 2008.

2.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . A PREDOMINÂNCIA DO GÊNERO FEMININO NO CAMPO XAMANÍSTICO KIRIRI. In: TEMAS ATUAIS RELACIONADOS À QUESTÃO DE GÊNERO ENTRE OS POVOS INDÍGENAS (GT 14) - Coordenador: Vanessa Rosemary Lea (UNICAMP) e Levi Marques Pereira (UFGD), 2008, Porto Seguro. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, 2008.

Apresentações de Trabalho
1.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . Reação Indígena à Conquista. Os Kariri-Sapuyá da porção sul do Recôncavo Baiano (1755-1898). 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . REVOLTAS INDÍGENAS NO BRASIL ENTRE FINAL SÉCULO XVIII E SÉCULO XIX : UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
CARVALHO, Maria Rosário G. ; LOBO, C. . REVOLTAS INDÍGENAS NO BRASIL ENTRE FINAL SÉCULO XVIII E SÉCULO XIX : UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA.. 2010. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

4.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . Reação Indígena à Conquista Os Kariri-Sapuyá da porção sul do Recôncavo Baiano (1755 - 1898). 2010. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

5.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . IDEOLOGIA E CONSCIÊNCIA DE GÊNERO FEMININO EM DOIS CONTEXTOS DE EXPOSIÇÃO ÉTNICA (SUL E EXTREMO-SUL BAIANOS). 2009. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

6.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . IDEOLOGIA E CONSCIÊNCIA DE GÊNERO FEMININO EM DOIS CONTEXTOS DE EXPOSIÇÃO ÉTNICA (SUL E EXTREMO-SUL BAIANOS). 2009. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

7.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . NOVOS ORDENAMENTOS POLÍTICOS NA TERRA INDÍGENA KIRIRI?. 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

8.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. ; MATOS, L. . A PREDOMINÂNCIA DO GÊNERO FEMININO NO CAMPO XAMANÍSTICO KIRIRI... 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

9.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. ; MATOS, L. . A PREDOMINÂNCIA DO GÊNERO FEMININO NO CAMPO XAMANÍSTICO KIRIRI. 2008. (Apresentação de Trabalho/Outra).


Demais tipos de produção técnica
1.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. . Revoltas indígenas no Brasil entre final século XVIII e século XIX : uma perspectiva comparativa. 2010. (Relatório de pesquisa).

2.
LOBO, C.; CARVALHO, Maria Rosário G. ; MUNIZ, T. P. . Ideologia e Consciência de Gênero Feminino entre os Pataxó Setentrionais (Reserva Caramuru-Paraguaçu). 2009. (Relatório de pesquisa).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
II Encontro de São Lázaro..Reação Indígena à Conquista Os Kariri-Sapuyá da porção sul do Recôncavo Baiano (1755 - 1898). 2011. (Encontro).

2.
XXX Seminário Estudantil de Pesquisa XII Seminário de Pesquisa e Pós-Graduação.REVOLTAS INDÍGENAS NO BRASIL ENTRE FINAL SÉCULO XVIII E SÉCULO XIX : UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA. 2011. (Seminário).

3.
27 RBA - Reunião Brasileira de Antropologia. 2010. (Encontro).

4.
Seminário Estadual de Sustentabilidade dos Povos e Comunidades Tradicionais. 2009. (Seminário).

5.
XXVIII Seminário Estudantil de Pesquisa (XXVIII SEMEP).IDEOLOGIA E CONSCIÊNCIA DE GÊNERO FEMININO EM DOIS CONTEXTOS DE EXPOSIÇÃO ÉTNICA (SUL E EXTREMO-SUL BAIANOS). 2009. (Seminário).

6.
26ª Reunião Brasileira de Antropologia. A predominância do gênero feminino no campo xamanístico Kiriri. 2008. (Congresso).

7.
Curso de extensão "Bourdieu e a Geografia: Uma abordagem téorico-metodológica. 2008. (Outra).

8.
Fórum Universidade, Juventude e Diversidade.A predominância do gênero feminino no campo xamanístico Kiriri. 2008. (Outra).

9.
IX Seminário Estudantil de Pesquisa.NOVOS ORDENAMENTOS POLÍTICOS NA TERRA INDÍGENA KIRIRI?. 2008. (Seminário).

10.
XXIII Encontro Nacional de Estudantes de Ciências Sociais.. 2008. (Encontro).

11.
Conferência: Antropologia e Cinema com François Laplantine. 2007. (Simpósio).

12.
Mulher rural: profissão agricultora. 2007. (Encontro).

13.
I Colóquio Pedro Agostinho. 2006. (Seminário).

14.
XII Encontro Nacional de Filosofia. 2006. (Encontro).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
LOBO, C.. II Encontro de São Lázaro. 2011. (Outro).

2.
LOBO, C.. 27º Reunião Brasileira de Antropologia. 2010. (Congresso).

3.
LOBO, C.. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia. 2008. (Congresso).

4.
LOBO, C.. XII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF. 2006. (Congresso).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/11/2018 às 23:11:38