Diego Barreto Azevedo

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6856768733915055
  • Última atualização do currículo em 05/07/2017


Graduado em História com pesquisas em História militar e História do Rio Grande do Norte. Teve pesquisa com Iniciação Científica pelo Laboratório de Experimentação em História Social. Atualmente faz parte da base de pesquisa HCurb da UFRN. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Diego Barreto Azevedo
Nome em citações bibliográficas
AZEVEDO, D. B.


Formação acadêmica/titulação


2017
Graduação em andamento em Arquitetura e Urbanismo.
Centro Universitário do Rio Grande do Norte, UNI-RN, Brasil.
2013 - 2016
Graduação em História.
Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
2009 - 2011
Ensino Médio (2º grau).
Instituto Maria Auxiliadora, IMA/RN, Brasil.




Atuação Profissional



Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2016
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


E.E. Des. Floriano Cavalcanti, FLOCA, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Professor Visitante, Enquadramento Funcional: Ensino de humanidades, Carga horária: 2
Outras informações
Curso de prevenção ao uso de drogas entre escolares



Projetos de pesquisa


2016 - Atual
Tropas, Índios e experiências de contato: As campanhas de conquista dos sertões do Rio Grande e Paraíba em fins do século XVII e início do XVIII.
Descrição: A compreensão das estruturas militares, seus integrantes, e até mesmo suas formas de atuação nos processos de conquista das capitanias do Norte ainda é uma discussão em aberto. Poucas são as pesquisas que se dedicam a estudar esta faceta do processo de conquista. No entanto, em fins do século XVII, acontecia a Guerra dos Bárbaros, em que diversos grupos indígenas formaram uma aliança. Denise Monteiro (2015), por exemplo, cita como tratados de paz não haviam sido cumpridos, e por isso, grupos indígenas retomaram as lutas contra os conquistadores. Neste mesmo período, campanhas militares organizadas pela coroa portuguesa direcionaram-se para a conquista ou defesa dos sertões das fronteiras da Capitania do Rio Grande e regiões próximas, como Paraíba, e Ceará. Monteiro afirma que, mesmo grupos de missionários do Ceará, protestando contra as violências cometidas contra grupos já pacificados, os ataques das tropas continuaram contra os grupos indígenas. No entanto, ao analisar, por meio da documentação sobre as baixas de patentes, algumas das tropas e Terços envolvidos neste processo, encontra-se uma quantidade considerável de índios e tapuias (utilizando da nomenclatura da documentação) ocupando postos nessas tropas e combatendo em favor dos portugueses. Além disso, é possível perceber, mesmo que em pouca quantidade, alguns indígenas em posições hierárquicas mais elevadas. Com isso, percebem-se formas de reação e atuação diversas entre os grupos indígenas durante o processo de conquista. Além disso, tal constatação reforça uma ideia que já vem sendo discutida na historiografia mais recente referente aos militares do Brasil Colonial: A organização militar durante o processo de conquista, como afirma Nauk Maria de Jesus (2012), varia de acordo com o contexto e com os espaços. Enquanto a historiografia tradicional considera que as tropas e terços eram constituídas por profissionais portugueses ou moradores (Puntoni: 2000), encontra-se na documentação tropas pagas compostas também por índios da região. Assim, esse trabalho pretende analisar como tais grupos indígenas atuavam dentro dessas tropas portuguesas, e como essa atuação se associava com possíveis ascensões sociais. Busca-se também, compreender quais suas origens, suas motivações, e porque estariam auxiliando os portugueses neste processo de conquista. Este trabalho, portanto, se justifica, por desenvolver uma discussão, até então, pouco trabalhada para as Capitanias do Norte, o que por sua vez, pode auxiliar na compreensão de todo este processo de conquista e povoamento, além de poder auxiliar nas compreensões da atuação indígena durante este período, o que permite o questionamento e aprofundamento das discussões sobre processos mais amplos já estudados, como os de sobrevivência e resistência indígena no Brasil.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Diego Barreto Azevedo - Coordenador / Carmen Margarida Oliveira Alveal - Integrante.
2015 - 2016
Gados, indígenas e guerras: expansão e povoamento na capitania do Ceará (1654-1750)
Descrição: O processo de expansão territorial nas Capitanias do Norte esteve ligado ao ato de concessão das cartas de sesmarias, bem como do adentramento do interior ocasionado pela expansão da economia pecuária. Este estudo foi discutido por pesquisas clássicas sobre o período colonial, entretanto, ele não foi esgotado, principalmente pela grande limitação documental existente na época da produção, restando ainda muitas lacunas para serem exploradas. Com relação à capitania do Ceará a expansão territorial ocorreu pela concessão de sesmarias após o período de dominação holandesa, culminando na efetivação da conquista portuguesa no combate contra os indígenas. Este processo levou também ao aumento de posses e riquezas destas pessoas ligadas a expansão territorial da capitania, notadamente as elites locais. Esta expansão, contudo, sofreu ferrenha oposição dos grupos indígenas do interior que se opuseram as concessões de sesmarias feitas pela Coroa portuguesa, pois os seus territórios estavam sendo cada vez mais limitados pelos portugueses. Este conflito ficou conhecido como Guerra dos Bárbaros e durou cerca de 4 décadas, entre 1680 e 1720, que teve forte implicância na região das Capitanias do Norte, atingindo especificamente com mais força a região da ribeira do Jaguaribe, no Ceará. Desta forma, a expansão territorial do Ceará esteve ligada a própria estruturação da economia pecuária, bem como no acesso a terra por meio do instituto de sesmarias. Assim, esse trabalho pretende analisar o processo de distribuição de sesmarias na capitania do Ceará permitindo traçar um quadro dos senhores de terras da capitania, bem como das fases de expansão territorial. Analisando as justificativas utilizadas pelos sesmeiros para ocuparem aquelas terras, será possível perceber as intenções que esses senhores de terras tinham para com aquele espaço. Tendo em vista que estudos sobre o processo de expansão e povoamento nesse mesmo período estão sendo realizados em outras capitanias do norte, esse trabalho tem sua importância destacada como um elemento constitutivo para integrar e complementar um conhecimento mais completo a respeito do processo de interiorização dessas capitanias..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Diego Barreto Azevedo - Coordenador / Carmen Margarida Oliveira Alveal - Integrante.


Projetos de extensão


2016 - Atual
A produção de jogos e o ensino de História: o uso de fontes primárias em sala de aula como estímulo à maior reflexão do papel e ação do historiador no ensino, na pesquisa e na sua atuação junto à sociedade.
Descrição: O projeto pretende dar continuidade ao conjunto de ações já desenvolvidas anualmente, desde 2009, integrando a ação dos monitores, bolsistas de iniciação científica, bolsistas de extensão, e dos participantes desse projeto de extensão, sendo alunos da graduação e pós-graduação em História da UFRN que fazem parte do Laboratório de Experimentação em História Social (LEHS-UFRN). O tema em comum é a História do Brasil, tendo como foco principal a colonização do Rio Grande do Norte e o seu processo de formação, tomando como base documentos da época, ou seja, manuscritos dos séculos XVI ao XIX, na produção de jogos educativos. Ainda há pouca produção acadêmica sobre a história do Rio Grande colonial e imperial, o que motiva a busca dessas fontes primárias em diversos arquivos..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Diego Barreto Azevedo - Coordenador / Alyne Érika Américo dos Santos - Integrante / Carmen Margarida Oliveira Alveal - Integrante / Aledson Manoel Silva Dantas - Integrante / Angélica Lopes Bulhões - Integrante / Gustavo Melo Couto - Integrante / Jefferson Silva de Lima - Integrante / Elenize Trindade Pereira - Integrante / Leonardo Paiva de Oliveira - Integrante / Daisy de Assis Silva - Integrante.
2016 - Atual
Aprofundando a construção da história potiguar: conjunto de catálogos, fontes e publicações para a história colonial do Rio Grande do Norte
Descrição: Esse projeto pretende realizar, em um primeiro momento, a seleção, organização e catalogação de um conjunto de documentos variados sobre a história do Rio Grande do Norte colonial, para em um segundo momento transcrever com vistas a publicar esses documentos, objetivando contribuir na divulgação desse material à sociedade norte-rio-grandense. Tais documentos consistem em cartas de sesmarias, questões agrárias e cartas de doação de chãos de terra da cidade do Natal. Há ainda cartas de alforrias, registros paroquiais e outros documentos, mas que em decorrência do curto prazo do projeto, nos obriga a apenas fazer uma parte, dando continuidade ao que foi feito no edital anterior, em que o projeto teve duração de apenas 4 meses. Essa coleção é um conjunto variado que vem sendo coletado ao longo dos anos em diversos arquivos, como o do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, do Projeto Resgate Barão do Rio Branco, do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro e também do Arquivo Nacional Torre do Tombo, em Lisboa. Com esse tipo de documentação, é possível desenvolver uma análise sobre todo o processo de ocupação territorial, tanto do estado, como da própria cidade do Natal, percebendo as estratégias utilizadas pelos agentes sociais envolvidos nesse processo, bem como o funcionamento institucionalizado desse fenômeno. A organização e catalogação desses documentos permitirão que um material valioso para a história do Rio Grande do Norte, até então pouco consultado pela população, tenha o seu acesso facilitado de maneira significativa para que futuras pesquisas possam vir a ser realizadas, não apenas para aqueles envolvidos no ambiente acadêmico, como também para professores da rede básica de ensino que estejam à procura de material didático para levar às salas de aula, bem como leigos interessados na história do Rio Grande do Norte. Mais do que isso, a catalogação desses documentos contribuirá ainda mais para a memória potiguar, uma vez somada aos demais projetos que constroem a memória do estado enquanto patrimônio histórico e cultural..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
2015 - 2015
Conjunto de catálogos, fontes e publicações para a história do Rio Grande do Norte
Descrição: Esse projeto pretende realizar a seleção, organização e catalogação de um conjunto de documentos variados sobre a história do Rio Grande do Norte colonial com o objetivo de contribuir na divulgação desse material à sociedade potiguar que tiver interesse sobre o assunto. Tais documentos consistem em cartas de sesmarias, questões agrárias e cartas de doação de chãos da cidade do Natal, bem como documentação relativa aos governantes da capitania. Essa coleção é um conjunto variado que foi coletado ao longo dos anos em diversos arquivos, como o do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, do Projeto Resgate Barão do Rio Branco, do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro e também do Arquivo Nacional Torre do Tombo, em Lisboa. Com esse tipo de documentação é possível desenvolver uma análise sobre todo o processo de ocupação territorial, tanto do Estado, como da própria cidade do Natal, percebendo as estratégias utilizadas pelos agentes sociais envolvidos nesse processo, bem como o funcionamento institucionalizado desse fenômeno. A organização e catalogação desses documentos permitirão que um material valioso para a história do Rio Grande do Norte, que até então é pouco consultado, tenha o seu acesso facilitado de maneira significativa para que futuras pesquisas possam vir a ser realizadas, não apenas para aqueles envolvidos no ambiente acadêmico, como também para professores da rede básica de ensino que estejam à procura de material didático para levar às salas de aula, bem como leigos interessados na história do Rio Grande do Norte..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (6) / Mestrado acadêmico: (4) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Diego Barreto Azevedo - Coordenador / Alyne Érika Américo dos Santos - Integrante / Carmen Margarida Oliveira Alveal - Integrante / Aledson Manoel Silva Dantas - Integrante / Angélica Lopes Bulhões - Integrante / Gustavo Melo Couto - Integrante / Jefferson Silva de Lima - Integrante / Elenize Trindade Pereira - Integrante / Leonardo Paiva de Oliveira - Integrante / Daisy de Assis Silva - Integrante / Lívia Brenda da Silva Barbosa - Integrante / Marcos Arthur Viana da Fonseca - Integrante.
2015 - Atual
Plataforma SILB
Descrição: O projeto visa disponibilizar por meio de um banco de dados PLATAFORMA SILB, de fácil acesso, informações relativas às sesmarias do Brasil (títulos de terra do período colonial e início do Império), bem como o documento transcrito na íntegra. A Plataforma SILB tem como função social permitir o acesso a aproximadamente 16 mil documentos de extrema importância histórica para a população brasileira. Além disso, as cartas de sesmarias até hoje são utilizadas como documento que atesta o domínio pelo possuidor em conflitos pela terra e como referência em alguns casos jurídicos, demonstrando a importância jurídica atual das sesmarias no ordenamento jurídico brasileiro. Ademais, esta função social de divulgar as cartas de sesmarias objetiva contribuir para discutir melhor dois temas de fundamental importância que são: o direito fundiário brasileiro e o direito à terra no Brasil. Assim, o projeto consiste na alimentação de um banco de dados e na disponibilização dos dados das cartas de sesmarias em uma página na internet, acessível a qualquer cidadão. Esta ação permitiria os desdobramentos de pesquisas acadêmicas sobre ocupação dos espaços, migrações, estudos linguísticos, ordenamento fundiário, entre outros, e também para uso destes documentos em sala de aula, aproximando os alunos de graduação a documentos históricos e à pesquisa..
Situação: Em andamento; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Diego Barreto Azevedo - Coordenador / Alyne Érika Américo dos Santos - Integrante / Carmen Margarida Oliveira Alveal - Integrante / Aledson Manoel Silva Dantas - Integrante / Angélica Lopes Bulhões - Integrante / Gustavo Melo Couto - Integrante / Jefferson Silva de Lima - Integrante / Elenize Trindade Pereira - Integrante / Leonardo Paiva de Oliveira - Integrante / Daisy de Assis Silva - Integrante / Lívia Brenda da Silva Barbosa - Integrante / Marcos Arthur Viana da Fonseca - Integrante.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História.
2.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Planejamento Urbano e Regional / Subárea: Fundamentos do Planejamento Urbano e Regional/Especialidade: História Urbana.


Idiomas


Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.
Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.


Produções



Produção bibliográfica
Apresentações de Trabalho
1.
AZEVEDO, D. B.. Tropas de Índios e Tapuias: inserção e atuação de grupos indígenas nas Tropas militares da conquista do Assú em fins do século XVII. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

2.
AZEVEDO, D. B.; SANTOS, A. E. A. . Leis fundiárias e reforma agrária no Brasil: da teoria à prática.. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
AZEVEDO, D. B.. O mapeamento de espaços militares de controle na Capitania do Rio Grande (1670-1720). 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

4.
AZEVEDO, D. B.. Hierarquia das Tropas do Assú: Organização Militar nas Tropas inseridas nos Conflitos do Assú em fins do século XVII. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

5.
AZEVEDO, D. B.. Letramento histórico: Perspectivas de um aprendizado histórico mais autonômo nos anos finais do ensino fundamental. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
50 anos do golpe. 2014. (Seminário).

2.
A verdade é uma arma. 2014. (Exposição).

3.
Ciclo Mundo Moderno. 2014. (Exposição).

4.
Simposio Nacional de História. 2013. (Simpósio).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/10/2018 às 11:08:21