Débora Marques de Oliveira

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9724870082497106
  • Última atualização do currículo em 09/01/2019


Acadêmica de Farmácia pela Universidade Federal de Santa Maria. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Débora Marques de Oliveira
Nome em citações bibliográficas
OLIVEIRA, D. M.;OLIVEIRA, DÉBORA M.


Formação acadêmica/titulação


2016
Graduação em andamento em Farmácia.
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2012 - 2014
Ensino Médio (2º grau).
Escola Estadual Professora Alice Chuery, ALICECHUERYPROF, Brasil.




Formação Complementar


2018 - 2018
VI Escola de Verão em Ciências Farmacêuticas. (Carga horária: 30h).
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
2017 - 2017
Nematódeo C. elegans como modelo para estudos toxicológicos e farmacológico. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2017 - 2017
Escrita Científica: Produção de Artigos de Alto Impacto. (Carga horária: 4h).
ZucoEscrita, ZUCOESCRITA, Brasil.
2016 - 2016
Formação em Extensão Universitária. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2009 - 2015
Inglês. (Carga horária: 350h).
Wizard, WIZARD, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Estudante, Enquadramento Funcional: Iniciação científica, Carga horária: 20
Outras informações
Laboratório de Neuroproteção e Neurotoxicologia Experimental.

Vínculo institucional

2017 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisa bolsista FIPE, Carga horária: 20
Outras informações
Bolsista do projeto: VALIDAÇÃO DE CARTILHAS EDUCATIVAS EM SAÚDE.

Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista FIEX, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Bolsista do projeto: ATIVIDADES EDUCATIVAS SOBRE ARMAZENAMENTO CORRETO DE MEDICAMENTOS.

Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Voluntária, Enquadramento Funcional: Voluntária, Carga horária: 4
Outras informações
Aplicação de questionários na casa do estudante da Universidade Federal de Santa Maria, para o projeto de pesquisa: Conhecimento das estudantes universitárias em relação ao câncer de colo de útero.


Pepsico do Brasil, PEPSICO, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2014
Vínculo: Aprendiz, Enquadramento Funcional: Aprendiz, Carga horária: 20, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2018 - Atual
Rede Gaúcha de métodos alternativos para pesquisa em ciências biológicas
Descrição: A grande maioria das doenças neurodegenerativas que afetam a humanidade tem sua origem e/ou progressão em reações deletérias de base oxidativa; as quais são em parte responsáveis pelos principais danos moleculares que ocorrem em nível celular. Estas doenças incluem câncer, doenças inflamatórias, diabetes mellitus e patologias relacionadas (aterosclerose, obesidade, hipertensão, catarata, etc) e desordens neurológicas como discinesia tardia, parkinson, alzheimer, huntington, isquemia, convulsões e outras. A maioria dos danos oxidativos que afetam as células nestas condições são causados pelos radicais livres. A participação implícita dos radicais livres na fisiologia celular foi proposta pela primeira vez acerca de meio século atrás por Harman (Alexeyev, 2009), o qual formulou a hipótese de que o envelhecimento estava baseado na produção de radicais livres nos sistemas biológicos. Harman também foi um dos primeiros pesquisadores a demonstrar que os radicais livres, mais especificamente, as espécies reativas de oxigênio (EROs), eram formados principalmente nas mitocôndrias e que estas organelas eram o principal alvo para toxicidade dos mesmos. As células dos organismos aeróbicos são continuamente expostas ao oxigênio molecular, e consequentemente, EROs como o ânion superóxido (O2?-), o peróxido de hidrogênio (H2O2) e o radical hidroxil (OH?) são produzidas sob condições fisiológicas e/ou em resposta a insultos externos. Quando a produção de EROs excede as defesas antioxidantes naturais do organismo, as quais são representadas principalmente por substâncias não enzimáticas como ácido ascórbico, vitamina E, vitamina A, B-caroteno, GSH e enzimas como a catalase, a glutationa peroxidase, a superóxido dismutase e ainda elementos traços como selênio e zinco, instala-se um quadro denominado estresse oxidativo. O estresse oxidativo, como evento fisiológico e/ou patológico, representa um desequilíbrio entre a produção das espécies reativas de oxigênio (EROs) e /ou nitrogênio (ERNs) e as defesas antioxidantes naturais das células em favor das espécies reativas (Finkel & Holbrook 2000). Eventos oxidativos característicos desta condição incluem danos no material genético, peroxidação lipídica, oxidação de proteínas, inativação enzimática e morte celular por apoptose e necrose. As mitocôndrias tem um papel importante na sinalização e regulação da apoptose (Valkp ET AL., 2007). O espaço intermembranas dessas organelas contém várias proteínas pró-apoptóticas tais como o citocromo c, pró-caspases 2, 3 e 9, e também o fator de indução da apoptose, os quais são liberados para o citosol quando ocorre um rompimento da membrana mitocondrial externa, ou quando se dá a abertura de poros específicos nessa membrana (Kowaltowski e cols., 2001). De fato, a abertura desses poros (chamado poro de transição da permeabilidade mitocondrial-PTPM) leva ao inchaço da matriz mitocondrial com consequente ruptura da membrana mitocondrial externa e liberação das proteínas pró-apoptóticas. A abertura desses PTPM pode ser regulada por diferentes agentes, em particular por aqueles que exibem propriedades antioxidantes. Com base na relação existente entre o balanço de antioxidantes/oxidantes e a etiologia e progressão de doenças neurodegenerativas, cresceu muito nas últimas décadas o interesse por compostos que exibam ação antioxidante (naturais e/ou sintéticos) e que possam potencialmente retardar/reverter o desenvolvimento de tais doenças. De fato, inúmeros estudos com humanos e animais experimentais mostram que a suplementação com antioxidantes, principalmente aqueles oriundos de frutas e vegetais, tem sido uma medida bastante promissora para melhoria da saúde principalmente por retardar a progressão e/ou atenuar a sintomatologia de determinadas patologias como câncer, diabetes, Alzheimer, Parkinson, etc e do envelhecimento (Hensley ET AL., 2000; Valko ET AL., 2007). A.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2018 - Atual
Avaliação do efeito neuroprotetor de diferentes drogas e exercício físico em ratos submetidos a concussões recorrentes.
Descrição: O exercício físico é um método acessível e promissor de neuroproteção, dentre as possíveis explicações sobre o efeito neuroprotetor desencadeado pelo exercício físico destaca-se a via da Irisina, que desencadeia os efeitos benéficos do exercício físico. O traumatismo crânio encefálico (TCE) é um evento comum na prática esportiva e para que ocorra a reabilitação, é necessário que o metabolismo cerebral seja normalizado o mais rápido possível pós-evento traumático para evitar posteriores déficits funcionais. No caso do esporte, o TCE normalmente é caracterizado como uma concussão. Devido a complexa fisiopatologia da concussão e o não esclarecimento de suas consequências a longo prazo, é necessário o uso de terapias com alvos múltiplos com o objetivo de acelerar a recuperação e também impedir que haja complicações em decorrência das concussões recorrentes, as quais os atletas ou praticantes de esportes estão expostos. Dentre as drogas com efeito neuroprotetor, destacamos a Guanosina e o JM-20, que tem seus efeitos benéficos assossiados ao sistema glutamatérgico. Devido à grande incidência de concussões, seja na prática esportiva de alto nível ou recreativa, é de suma importância avaliar o seu efeito ao longo do tempo e também os possíveis tratamentos que visem trazer o atleta/praticante o mais rápido e seguro possível para a prática. Questiona-se, portanto, qual o efeito destas três formas de tratamento (exercício físico, guanosina e JM-20) separadas e conjuntamente e se há relação entre os efeitos da via da Irisina desencadeada por exercício com os efeitos da guanosina e do JM-20. O principal objetivo deste trabalho é avaliar os efeitos neuroproterores do exercício físico, da guanosina e do JM-20 em concussões recorrentes em ratos. Em um primeiro momento, o objetivo será analisar o efeito das concussões recorrentes isoladas, sem o possível efeito neuroprotetor do exercício. Dessa forma, o objetivo será analisar o efeito das concussões recorrentes em animais treinados. Alêm disso analisaremos o possível efeito protetor das drogas, separadamente, em animais sedentários ou treinados..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2016 - 2018
Validação de cartilhas educativas em saúde
Descrição: A construção de novos materiais escritos com vistas à educação em saúde por profissionais de saúde é um processo que exige cautela, sendo que estes materiais precisam ser examinados para maximizar sua efetividade. Conhecendo-se a importância da utilização de materiais impressos em conjunto com as orientações verbais nas práticas de educação em saúde, este trabalho objetiva a validação de três materiais educativos construídos para ações orientadas de extensão, relacionadas a projetos registrados pelo Departamento de Saúde da Comunidade da Universidade Federal de Santa Maria, envolvendo o armazenamento correto de medicamentos, descarte correto de medicamentos e automedicação responsável..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2016 - Atual
Armazenamento e descarte de medicamentos: caracterização das práticas adotadas pela comunidade universitária em município do Rio Grande do Sul
Descrição: Os fármacos apresentam importância fundamental no combate das enfermidades, no entanto, representam um risco para a sociedade quando manipulados ou descartados de forma errônea. O uso racional de um medicamento começa pela qualidade do produto que se está administrando, a qual está diretamente relacionada à manutenção de sua estabilidade em relação às suas condições de armazenamento e manuseio. A guarda de medicamentos é recomendada em locais seguros e fora do alcance das crianças, sendo de preferência em um armário próprio ou uma caixa. A administração inadequada de estoques de medicamentos merece atenção, pois muitas vezes induz a automedicação, também pode resultar em perda do fármaco por vencimento e descarte inadequado de medicamentos em desuso (vencidos ou não). O descarte de medicamentos em desuso ou vencidos de residências não possui ainda legislação específica, o que dificulta o entendimento sobre os impactos decorrentes do descarte doméstico, no qual a população elimina os medicamentos no lixo comum gerando resíduos. É fundamental a conscientização da população em relação à correta destinação final de medicamentos e dos problemas que podem ser ocasionados caso esta seja efetuada de forma incorreta bem como o gerenciamento adequado de estoques de medicamentos. A conscientização pode ser feita através de programas educativos e campanhas de arrecadação de medicamentos em desuso, no entanto, para realização de tais mobilizações considera-se fundamental o conhecimento da população a respeito das problemáticas abordadas. Neste contexto, este projeto visa levantamento de dados sobre as práticas adotadas pela comunidade universitária da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria/RS a respeito do armazenamento e descarte de medicamentos em desuso..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.


Projetos de extensão


2017 - 2017
Semana Nacional e Dia Mundial de Combate ao Acidente Vascular Cerebral
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2016 - 2018
ATIVIDADES EDUCATIVAS SOBRE ARMAZENAMENTO CORRETO DE MEDICAMENTOS
Descrição: O uso racional de um medicamento começa pela qualidade do produto que se está administrando, a qual está diretamente relacionada à manutenção de sua estabilidade em relação às suas condições de armazenamento. A conscientização da população sobre os riscos e importância do armazenamento do correto de medicamentos pode ser feita através de programas educativos. Este projeto de extensão visa orientar a comunidade de Santa Maria sobre o armazenamento correto de medicamentos. Pretende-se realizar eventos de educação continuada para os acadêmicos da UFSM que serão os re-transmissores da informação e junto a comunidade atendida por Unidade de Saúde do município, orientando a população sobre o armazenamento adequado de medicamentos e riscos da manutenção de farmácias caseiras em ambientes com crianças e utilização de fármacos com propriedades químicas alteradas. Este processo estreitará a relação da universidade com a comunidade, disseminando de forma estruturada os conhecimentos sobre o tema e envolverá o grupo de alunos em atividades de educação em saúde, estimulando o seu comprometimento social. Acredita-se que a conscientização da comunidade sobre o armazenamento adequado de medicamentos é de extrema importância para eficácia de tratamentos, uso racional de medicamentos, bem como segurança dos moradores de residências com farmácias caseiras..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2016 - 2018
CONSCIENTIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE SANTA MARIA/RS SOBRE AUTOMEDICAÇÃO RESPONSÁVEL
Descrição: A automedicação é definida como o uso de medicamentos sem prescrição médica, sendo o próprio paciente quem decide qual fármaco a ser utilizado com o objetivo de tratar ou aliviar sintomas ou mesmo de promover a saúde, independente da prescrição profissional. No Brasil, a intoxicação por medicamentos é responsável por 29% das mortes, sendo que, na maioria das vezes, é decorrente da prática de automedicação. A automedicação feita de forma correta pode trazer benefícios para a saúde e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo a mesma entendida como parte das ações de autocuidado. A Organização Mundial da Saúde aponta o farmacêutico como um profissional que pode estar auxiliando a população no uso racional dos medicamentos. Um certo nível de automedicação é aceitável, desde que ocorra de forma responsável. De acordo com a OMS, este nível de automedicação pode ser benéfico para o sistema público de saúde. Essa prática evita, muitas vezes, o colapso do sistema público de saúde, pelo atendimento a casos transitórios ou de menor urgência. Entretanto, a autoprescrição, ou seja, o uso por conta própria de remédios contendo tarja vermelha ou preta na embalagem, e que só devem ser utilizados sob prescrição médica, é extremamente perigosa e inaceitável segundo a OMS. Diante do exposto, percebe-se a necessidade de profissionais qualificados, preferencialmente o farmacêutico, encorajar o uso racional de medicamentos, informar sobre os fármacos e as complicações que podem advir de seu uso indiscriminado e, se necessário, encaminhar as pessoas para atendimento médico, promovendo a automedicação responsável. Portanto, o projeto tem como objetivo promover ações de educação em saúde relacionadas à automedicação responsável..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2016 - 2018
CONSCIENTIZAÇÃO DA POPULAÇÃO E RECOLHIMENTO DE MEDICAMENTOS EM DESUSO NAS UNIDADES DE SAÚDE NA REGIÃO LESTE DE SANTA
Descrição: O descarte inadequado de medicamentos em desuso (vencidos ou não) é realizado por grande parte da população por falta de informação e divulgação sobre os danos causados pelos medicamentos ao meio ambiente, à saúde pública e a existência de postos de coleta para medicamentos domiciliares. Este projeto de extensão visa orientar usuários de Unidades de Saúde da região Leste de Santa Maria sobre o descarte correto de fármacos e viabilizar o recolhimento de medicamentos em desuso nestes locais. Pretende-se realizar eventos de educação em saúde periódicos nas Unidades de Saúde alvos da ação com intuito de orientar o maior número de usuários e assim promover tanto a conscientização sobre o descarte adequado de medicamentos e impacto ambiental do descarte inadequado quanto a prática continuada de entrega de medicamentos em desuso nos postos de coleta. Este processo estreitará a relação da universidade com a comunidade, disseminando de forma estruturada os conhecimentos sobre o tema e envolverá o grupo de alunos em atividades de educação em saúde, estimulando o seu comprometimento social. Acredita-se que a conscientização da comunidade sobre o descarte adequado de medicamentos é o passo inicial para redução dos impactos ambientais e preservação da saúde pública..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2016 - 2017
CONSCIENTIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE SANTA MARIA/RS SOBRE DESCARTE CORRETO DE MEDICAMENTOS
Descrição: O descarte inadequado de medicamentos em desuso (vencidos ou não) é realizado por grande parte da população por falta de informação e divulgação sobre os danos causados pelos medicamentos ao meio ambiente e da existência de postos de coleta para medicamentos domiciliares. Este projeto de extensão visa orientar a comunidade de Santa Maria sobre o descarte correto de medicamentos. Pretende-se realizar eventos de educação continuada para os acadêmicos da UFSM que serão os re-transmissores da informação e junto a comunidade atendida por Unidade de Saúde do município, orientando a população sobre o descarte adequado de medicamentos e impacto ambiental do descarte inadequado. Este processo estreitará a relação da universidade com a comunidade, disseminando de forma estruturada os conhecimentos sobre o tema e envolverá o grupo de alunos em atividades de educação em saúde, estimulando o seu comprometimento social. Acredita-se que a conscientização da comunidade sobre o descarte adequado de medicamentos é o passo inicial para redução dos impactos ambientais e preservação da saúde pública..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.


Idiomas


Inglês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Pouco, Escreve Pouco.


Prêmios e títulos


2018
Melhor trabalho de Extensão do Centro de Ciências da Saúde- CCS do ano de 2017, Universidade Federal de Santa Maria.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
GONÇALVES, DÉBORA F.2019GONÇALVES, DÉBORA F. ; COURTES, ALINE A. ; HARTMANN, DIANE D. ; DA ROSA, PAMELA C. ; OLIVEIRA, DÉBORA M. ; SOARES, FÉLIX A.A. ; DALLA CORTE, CRISTIANE L. . 6-Hydroxydopamine induces different mitochondrial bioenergetics response in brain regions of rat. NEUROTOXICOLOGY, v. 70, p. 1-11, 2019.

Capítulos de livros publicados
1.
PANOSSO, E. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; BAYER, V. M. L. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, V. M. P. ; RIES, E. F. . VALIDAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO SOBRE DESCARTE DE MEDICAMENTOS. VALIDAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO SOBRE DESCARTE DE MEDICAMENTOS. 2ed.Belo Horizonte: Atena, 2018, v. 1, p. 52-58.

2.
JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; BAYER, V. M. L. ; ROCHA, . M. P. ; RIES, E. F. . DESCARTE DE MEDICAMENTOS: CONTEXTUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL EDUCATIVO. DESCARTE DE MEDICAMENTOS: CONTEXTUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL EDUCATIVO. 2ed.Belo Horizonte: Atena, 2018, v. 2, p. 61-76.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
ZUCCO, B. S. ; JESUS, P. R. ; OLIVEIRA, D. M. ; RIES, E. F. ; BAYER, V. M. L. . Perfil epidemiológico da AIDS no estado do Rio Grande do Sul. Revista Higiene Alimentar, p. 4634 - 4638, 01 mar. 2017.

2.
JESUS, P. R. ; OLIVEIRA, D. M. ; ZUCCO, B. S. ; BAYER, V. M. L. ; RIES, E. F. . Internações hospitalares por doenças do aparelho circulatório em idosos no estado do Rio Grande do Sul. Revista Higiene Alimentar, p. 4624 - 4628, 01 mar. 2017.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; BAYER, V. M. L. ; RIES, E. F. . Desenvolvimento de materiais educativos sobre descarte correto de medicamentos. In: 4° Congresso Internacional em Saúde: Inovação em Saúde- Perspectivas, Tendências e Desafios, 2017, IJUÍ. Desenvolvimento de materiais educativos sobre descarte correto de medicamentos, 2017.

Apresentações de Trabalho
1.
OLIVEIRA, D. M.; JESUS, P. R. ; PANOSSO, E. S. ; ZUCCO, B. S. ; BAYER, V. M. L. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, . M. P. ; RIES, E. F. . Desenvolvimento e Validação para um Material Educativo sobre Armazenamento Correto de Medicamentos. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

2.
FURTADO, A. B. V. ; PUNTEL, G. O. ; ARBIZA, B. C. C. ; HARTMANN, D. D. ; ROSA, P. C. ; OLIVEIRA, D. M. ; SOARES, F. A. A. . EFEITOS DA IMERSÃO EM ÁGUA GELADA SOBRE A PRODUÇÃO DE ESPÉCIES REATIVAS E A VIABILIDADE CELULAR INDUZIDAS POR EXERCÍCIO FÍSICO EXAUSTIVO EM CAMUNDONGOS. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

3.
SCHUMACHER, E. ; BARCELOS, R. P. ; ROSA, P. C. ; HARTMANN, D. D. ; OLIVEIRA, D. M. . A ASSOCIAÇÃO ENTRE DIFENIL DISSELENETO E O EXERCÍCIO FÍSICO MELHORA O ESTADO REDOX DE RATOS IDOSOS?. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

4.
MICHELON, N. ; RIES, E. F. ; BAYER, V. M. L. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; JESUS, P. R. ; FLORES, L. M. . ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS POR PRECAUÇÃO: UM HÁBITO DA COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

5.
ROSA, P. C. ; BARCELOS, R. P. ; COURTES, A. A. ; GONCALVES, D. F. ; HARTMANN, D. D. ; OLIVEIRA, D. M. ; SOARES, F. A. A. . ADAPTAÇÕES MITOCONDRIAIS INDUZIDAS PELO EXERCÍCIO FÍSICO EM CÉLULAS MONONUCLEARES. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

6.
CIPOLAT, R. P. ; PUNTEL, G. O. ; FURTADO, A. B. V. ; HARTMANN, D. D. ; ROSA, P. C. ; OLIVEIRA, D. M. ; SOARES, F. A. A. . EFEITOS DA CRIOTERAPIA SOBRE BIOMARCADORES DE DANO E INFLAMAÇÃO INDUZIDO POR EXERCÍCIO FÍSICO EXAUSTIVO EM CAMUNDONGOS. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

7.
HARTMANN, D. D. ; SOARES, F. A. A. ; COURTES, A. A. ; GONCALVES, D. F. ; ROSA, P. C. ; OLIVEIRA, D. M. ; FURTADO, A. B. V. . GUANOSINA MELHORA FUNÇÃO COMPORTAMENTAL APÓS TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO LEVE EM RATOS. 2018. (Apresentação de Trabalho/Outra).

8.
JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; BAYER, V. M. L. ; RIES, E. F. . Desenvolvimento de materiais educativos sobre descarte correto de medicamentos. 2017. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

9.
JESUS, P. R. ; RIES, E. F. ; BAYER, V. M. L. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, . M. P. . ELABORAÇÃO DE PGRSS PARA UNIDADES DE SAÚDE DA REGIÃO LESTE DE SANTA MARIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

10.
ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; JESUS, P. R. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, . M. P. ; RIES, E. F. ; BAYER, V. M. L. . RELATO DA ELABORAÇÃO DE CARTILHA SOBRE AUTOMEDICAÇÃO. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

11.
PANOSSO, E. S. ; RIES, E. F. ; BAYER, V. M. L. ; OLIVEIRA, D. M. . AVALIAÇÃO DE USUÁRIOS DO SUS QUANTO À ESCRITA, MOTIVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO SOBRE DESCARTE DE MEDICAMENTO. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

12.
OLIVEIRA, D. M.; JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; FLORES, L. M. ; BAYER, V. M. L. ; RIES, E. F. . IDOSOS X FARMÁCIA CASEIRA - COMO ARMAZENAR OS MEDICAMENTOS: RELATO DE AÇÃO COM IDOSOS NO SESC. 2017. (Apresentação de Trabalho/Outra).

13.
OLIVEIRA, D. M.; KASTEN, J. ; SILVA, C. G. L. ; FLORES, L. M. . Conhecimentos das estudantes universitárias de uma moradia estudantil em relação ao câncer de colo de Útero. 2016. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

14.
OLIVEIRA, D. M.; FLORES, L. M. ; BAYER, V. M. L. ; JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. . Como fazer o armazenamento correto de medicamentos. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).


Produção técnica
Redes sociais, websites e blogs
1.
OLIVEIRA, D. M.; REIS, E. F. ; FLORES, L. M. ; JESUS, P. R. ; BAYER, V. M. L. ; ZUCCO, B. S. . Medicamentos a favor da vida. 2016. (Rede social).


Demais tipos de produção técnica
1.
JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; BAYER, V. M. L. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, . M. P. ; REIS, E. F. . Descarte correto de medicamentos. 2017. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Pesquisa e extensão).

2.
ZUCCO, B. S. ; OLIVEIRA, D. M. ; JESUS, P. R. ; FLORES, L. M. ; BAYER, V. M. L. ; ROCHA, . M. P. ; RIES, E. F. . Automedicação Responsável. 2017. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Pesquisa e extensão).

3.
OLIVEIRA, D. M.; JESUS, P. R. ; ZUCCO, B. S. ; FLORES, L. M. ; ROCHA, . M. P. ; RIES, E. F. . Armazenamento Correto de Medicamentos. 2017. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Pesquisa e extensão).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
I Simpósio de Biogerontologia e Saúde. 2018. (Simpósio).

2.
Neurociência e afetividade no processo de aprendizagem. 2018. (Outra).

3.
Saúde Mental e Florais de Bach. 2018. (Outra).

4.
32ª Jornada Acadêmica Integrada.IDOSOS X FARMÁCIA CASEIRA - COMO ARMAZENAR OS MEDICAMENTOS: RELATO DE AÇÃO COM IDOSOS NO SESC.. 2017. (Outra).

5.
II Jordana de Infectologia- UFSM. 2017. (Simpósio).

6.
VI Simpósio Internacional de Estresse Oxidativo e Doenças Cardiovasculares. 2017. (Simpósio).

7.
31º Jornada Acadêmica Integrada.Conhecimento de estudantes universitárias em relação ao câncer de colo uterino e medidas preventivas. 2016. (Outra).

8.
Cinedebate Memória, Verdade e Justiça ? Documentário ?Verdade - 12528?. 2016. (Outra).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 19/01/2019 às 17:15:44