Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8006129296323348
  • Última atualização do currículo em 02/10/2018


Professor adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Doutor em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia da História e Modernidade (NEPHEM) e do Grupo Hume. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro
Nome em citações bibliográficas
BALIEIRO, M.

Endereço


Endereço Profissional
Universidade Federal de Sergipe, Centro de Educação de Ciências Humanas.
Av. Marechal Rondon, s/ número
Jardim Rosa Elze
49100000 - São Cristóvão, SE - Brasil
Telefone: (79) 21056737


Formação acadêmica/titulação


2005 - 2010
Doutorado em Filosofia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: Essa mistura terrena grosseira: filosofia e vida comum em David Hume, Ano de obtenção: 2010.
Orientador: Maria das Graças de Souza.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: Hume; Paixões; Razão; Ética; Filosofia moderna; Século XVIII.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.
Setores de atividade: Educação.
2002 - 2005
Mestrado em Filosofia.
Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
Título: Razão e sentimento na teoria moral de Hume,Ano de Obtenção: 2005.
Orientador: Profa Dra. Maria das Graças de Souza.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: Hume; Século XVIII; Filosofia escocesa; Moral; Razão; Sentimento.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.
Setores de atividade: Educação Superior.
1998 - 2002
Graduação em Filosofia.
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Pau, FFLCH - USP, Brasil.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.




Atuação Profissional



Editora Abril S/A, ABRIL S/A, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2010
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Consultor/coorganizador

Vínculo institucional

2009 - 2009
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Consultor/coorganizador

Vínculo institucional

2008 - 2008
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Coorganizador do Curso Abril de Humanidades

Vínculo institucional

2006 - 2006
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Coorganizador do Curso Abril de Humanidades

Atividades

07/2005 - 12/2005
Treinamentos ministrados , NDP, .

Treinamentos ministrados
Monitoria no curso Humanidades na TV

Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Adjunto, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

02/2017 - Atual
Direção e administração, Centro de Educação de Ciências Humanas, .

Cargo ou função
Chefe do Departamento de Filosofia.
11/2013 - Atual
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Problemas Metafísicos I
Introdução à Filosofia
Leitura e Composição de Textos Filosóficos VI
12/2010 - Atual
Conselhos, Comissões e Consultoria, Fundação Universidade Federal de Sergipe, .

Cargo ou função
Membro do Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos.
10/2017 - 02/2018
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Filosofia Política
Introdução à Filosofia
Leitura e Composição de Textos Filosóficos II
06/2017 - 10/2017
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia
Filosofia Política
Introdução à Metodologia Científica
08/2013 - 06/2017
Conselhos, Comissões e Consultoria, Fundação Universidade Federal de Sergipe, .

Cargo ou função
Membro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Sergipe.
12/2016 - 05/2017
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Filosofia da Ciência
Introdução à Filosofia
Leitura e Composição de Textos Filosóficos II
Tópicos Especiais em Filosofia da Cultura
12/2015 - 02/2017
Direção e administração, Fundação Universidade Federal de Sergipe, .

Cargo ou função
Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Filosofia.
03/2016 - 10/2016
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Leitura e Composição de Textos Filosóficos I
Introdução à Filosofia
09/2015 - 01/2016
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia
Filosofia da Cultura
05/2012 - 12/2015
Direção e administração, Fundação Universidade Federal de Sergipe, .

Cargo ou função
Chefe do Departamento de Filosofia.
04/2015 - 08/2015
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Leitura e Composição de Textos Filosóficos I
10/2014 - 02/2015
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Problemas Metafísicos I, História da Filosofia Moderna I, Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia II, Estagio Supervisionado em Ensino de Filosofia IV
08/2014 - 12/2014
Ensino, Mestrado em Filosofia, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Tópicos em Conhecimento e Linguagem
04/2014 - 09/2014
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia I
Introdução à Filosofia
03/2014 - 03/2014
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estética
História da Filosofia Moderna II
08/2013 - 12/2013
Ensino, Mestrado em Filosofia, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Ética e Filosofia Política
06/2013 - 10/2013
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia II
Tópicos Especiais em História da Filosofia Moderna
Introdução à Metodologia Científica
02/2013 - 04/2013
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Filosofia da Ciência
11/2012 - 04/2013
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia II
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia IV
Pesquisa Filosófica II
Introdução à Filosofia
02/2012 - 10/2012
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia I
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia III
02/2012 - 07/2012
Ensino, Mestrado em Filosofia, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminários de Pesquisa I
08/2011 - 12/2011
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Prática de Ensino em Filosofia II
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia II
Filosofia da Religião
02/2011 - 06/2011
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Estágio Supervisionado em Ensino de Filosofia I
Introdução à Metodologia Científica
Prática de Ensino de Filosofia I
01/2011 - 02/2011
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História da Filosofia Moderna II
10/2010 - 12/2010
Ensino, Filosofia, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Metodologia Científica


Projetos de pesquisa


2017 - Atual
A crítica de Hume à tradição contratualista
Descrição: Em um ensaio intitulado ?Of the Original Contract?, David Hume discute os princípios empregados pelos dois grandes partidos da Grã-Bretanha de seu tempo para legitimar o Estado e a autoridade do soberano. Os Tories, como se sabe, defendiam, ainda no século XVIII, variações da doutrina do direito divino, enquanto os Whigs, preocupados em garantir maior poder para o parlamento, aceitavam justificativas contratualistas para o governo, influenciados, principalmente, pela obra política de John Locke. Hume recusa as duas propostas. Aquela que diz respeito ao direito divino é rebatida com relativa facilidade e não ocupa mais do que duas páginas. Isso porque, ainda que, segundo o autor, qualquer um que acredite em uma providência geral aceite prontamente que todo governo tem como autor a divindade, essa ?autoria? só poderia ocorrer de maneira indireta. Em outras palavras, o surgimento do governo seria resultado da vontade divina do mesmo modo que qualquer outro evento em um universo que seria regido segundo um plano uniforme, que visasse sabiamente o bem-estar dos seres humanos. Ainda assim, como qualquer evento que se observa no mundo, só se poderia defender que Deus é causa do governo no sentido de que ele teria colocado no mundo os princípios que fizeram com que os homens o criassem, ou, para empregar as palavras do próprio autor, ?por sua eficácia oculta e universal?. Nada, portanto, que faça qualquer concessão, por menor que seja, a autores que, a exemplo de Robert Filmer, houvessem defendido que os reis governassem em resultado de regras passadas diretamente aos homens por Deus. A crítica que Hume empreende contra as teorias contratualistas, por sua vez, é mais cuidadosa, e é a ela que o filósofo dedica a maior parte de seu ensaio. Entretanto, não devemos supor que isso trai, necessariamente, maior antipatia pela causa Whig, nem que isso implica maior antipatia do autor contra as teorias contratualistas do que a que ele nutria pelas teorias do direito divino. Não devemos nos esquecer que estas também são atingidas quando, em outros momentos de sua obra, Hume faz críticas epistemológicas ou morais bastante pesadas a qualquer forma de religião instituída. Não é prudente que esqueçamos, também, que autores como Hobbes e Locke, cujas obras constituem, em conjunto com Do Contrato Social, de Rousseau, as principais bases do chamado contratualismo clássico, foram referências importantes não apenas para Hume, mas para autores que se envolveram em vários dos debates importantes tanto para o iluminismo britânico quanto para o francês. Desse modo, podemos considerar que as críticas de Hume a autores da tradição contratualista dizem respeito não apenas a uma disputa entre partidos, mas à inserção do filósofo escocês nos debates intelectuais característicos de seu tempo. Uma análise cuidadosa do modo como ele acerta contas com o contratualismo, portanto, certamente colabora para ilustrar pontos importantes de sua própria filosofia moral e do que ele teria a dizer sobre política..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro - Coordenador.Financiador(es): Universidade Federal de Sergipe - Bolsa.
2016 - Atual
Sentimento e moral na filosofia de Hume
Descrição: Como se sabe, a filosofia moral de Hume se constitui em um posicionamento bastante incisivo no debate sobre os fundamentos da moralidade que ocupou parte considerável dos autores britânicos do período. Por um lado, Hume rejeita expressamente a possibilidade de uma fundamentação racional de uma moralidade que parte de seus adversários considerava estar inscrita na própria natureza. Por outro, ainda que se filie aos chamados moralistas do sentimento já de saída no Livro III de seu Tratado da Natureza Humana e ao longo de sua Investigação sobre os princípios da moral, ele o faz de maneira peculiar: ainda que fale em um sentido moral que seria responsável pelos sentimentos morais que nos acometem, Hume não parece estar preocupado em estabelecer esse conceito de maneira análoga àquela pela qual normalmente compreendemos os chamados sentidos externos. Isso basta para estabelecer uma diferença bastante pesada entre ele e teóricos como Francis Hutcheson, defensor de uma versão bastante esquemática do moral sense. Do modo como Hume conduz sua investigação, Hume parece se aproximar, em alguma medida, dos hobbesianos que eram atacados tanto por racionalistas morais quanto por moralistas do sentimento, e contra os quais ele próprio volta frequentemente suas baterias. Entretanto, é essa aproximação que permite que ele enfrente o hobbesianismo com sucesso considerável: ao partir, como esses adversários, de um terreno meramente fatual, em que não é possível recorrer a uma moral totalmente determinada pela natureza, ele trata de abrir espaço para uma moralidade que, apesar de resultar ao menos em parte das convenções humanas, é bastante real por decorrer de sentimentos de preocupação efetiva com o bem dos outros e com o bem público..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro - Coordenador.Financiador(es): Universidade Federal de Sergipe - Bolsa.Número de orientações: 1
2014 - 2016
Natureza Humana e Direitos Humanos
Descrição: As primeiras discussões acerca dos chamados direitos humanos ocorreram em um contexto em que era impossível que não fossem influenciadas por concepções filosóficas naturalistas do homem. Isso se reflete mesmo em documentos como a primeira versão da Declaração dos Direitos do Homem, em que se percebe claramente um vocabulário naturalista. Desse modo, torna-se extremamente importante, para o estudo rigoroso dos fundamentos dos direitos humanos, o retorno às obras de autores clássicos que pautaram suas teorias sobre o Estado e os direitos em modelos bem definidos da natureza humana. Na contemporaneidade, o declínio das teorias políticas baseadas no conceito de natureza humana resultará em algo como uma crise de fundamentação dos direitos do homem, resultando em tentativas de justificá-los bastante diferentes..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .
Integrantes: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro - Coordenador.
2013 - Atual
Filosofia e vida comum em David Hume
Descrição: Têm sido cada vez mais comum, entre os comentadores da obra de Hume, interpretações que procuram mostrar que o pensamento do autor evidenciaria esforços consideráveis no sentido de aproximar filosofia e vida comum. Nesse sentido, a filosofia de Hume, além de buscar demarcar como conhecimento possível aquilo que está no âmbito de uma experiência que é compartilhada pelo homem comum e pelo filósofo, teria procurado, especialmente em textos posteriores ao Tratado da Natureza Humana, cunhar obras que teriam por objetivo não apenas angariar o respeito dos eruditos, mas também contribuir com a formação daqueles que buscavam na filosofia algo como uma educação para a vida. Como se sabe, boa parte dos intérpretes que aproximam Hume dessas posições está inclinada a aceitar interpretações naturalistas (ou, mais recentemente, até mesmo realistas) da obra do autor. O que pretendemos, ao longo desta pesquisa, é mostrar que é possível conciliar uma interpretação cética da filosofia de Hume com as tentativas de mostrá-la como tributária da vida comum..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro - Coordenador.
2011 - 2013
Razão e Sentimento nas Filosofias Morais das Luzes Britânicas
Descrição: O iluminismo britânico, apesar de sua importância, tem sido constantemente subestimado pela maior parte dos historiadores da filosofia. Nosso plano de trabalho se constitui, em certa medida, como uma tentativa de reparar essa negligência. Pretendemos realizar um trabalho consistente acerca do debate sobre os fundamentos da moral a que se dedicou boa parte dos pensadores britânicos do século XVIII. Esse debate, além de ter ocupado lugar de destaque nas obras de muitos dos autores que nos propomos a estudar, é uma porta de entrada bastante privilegiada para os seus sistemas. Esperamos dar conta do debate mencionado acima explorando os trabalhos de pensadores que caracterizaram cada uma das correntes que tomaram parte nele. A primeira delas, de inspiração hobbesiana, defendeu que a moralidade nada mais é que um refinamento do amor próprio. Foi, de certo modo, em resposta a ela que se desenvolveram as outras duas: o racionalismo moral, cujos defensores advogavam que a moralidade está presente na própria ordem da natureza e pode ser discernida pela razão, e o sentimentalismo moral, esposado por autores que viam em um sentimento (ou em um sentido interno) o verdadeiro fundamento da moralidade..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.


Outros Projetos


2014 - Atual
Programa de bolsas de iniciação à docência (PIBID)
Descrição: O programa busca colaborar com a formação dos alunos no que diz respeito à atividade de docência, permitindo que eles desenvolvam atividades junto a escolas conveniadas..
Situação: Em andamento; Natureza: Outra.
Alunos envolvidos: Graduação: (20) .
Integrantes: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro - Coordenador / Evaldo Becker - Integrante / Rodrigo Pinto de Brito - Integrante.Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.


Membro de corpo editorial


2011 - Atual
Periódico: Philosophica (São Cristovão)
2004 - 2011
Periódico: Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP)


Revisor de periódico


2004 - 2011
Periódico: Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP)


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: Ética.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Filosofia / Subárea: História da Filosofia.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
BALIEIRO, M.2017 BALIEIRO, M.. Galanteria e polidez. Sobre o Ivanhoe de Scott e David Hume. DISCURSO, v. 47, n. 2, p. 167-181, 2017.

2.
BALIEIRO, M.2017BALIEIRO, M.. O gótico e os limites do iluminismo: o caso Wuthering Heights. A PALO SECO: ESCRITOS DE FILOSOFIA E LITERATURA, v. 10, p. 79-84, 2017.

3.
BALIEIRO, M.2017BALIEIRO, M.. Sociabilidade, sentimento e formação: sobre as mulheres em Hume e em Jane Austen. Revista Enunciação, v. V. 2. N. 2, p. 48-56, 2017.

4.
BALIEIRO, M.2015BALIEIRO, M.. As mulheres, a educação e a república: Mary Wollstonecraft leitora de Rousseau. Quadranti - Rivista internazionale di filosofia contemporanea, v. III, p. 49-59, 2015.

5.
BALIEIRO, M.2014 BALIEIRO, M.. Literatura e formação em Jane Austen e David Hume. Discurso, v. 1, p. 145-159, 2014.

6.
BALIEIRO, M.2012BALIEIRO, M.. Felicidade e formação moral em David Hume. Controvérsia (UNISINOS), v. 8, p. 34-45, 2012.

7.
BALIEIRO, M.2011 BALIEIRO, M.. Hume e os propósitos da filosofia. Kriterion (UFMG. Impresso), v. 52, p. 319-330, 2011.

8.
BALIEIRO, M.2008BALIEIRO, M.. Os Fundamentos da Justiça e do Direito em David Hume. Prisma Jurídico (UNINOVE. Impresso), v. 6, p. 181-194, 2008.

9.
BALIEIRO, M.2006BALIEIRO, M.. Razão e Sentimento na Teoria Moral de Hume. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), São Paulo, v. 07, p. 23-35, 2006.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
BALIEIRO, M.; PEREIRA FILHO, A. J. (Org.) . História e Política no Pensamento Moderno. 1. ed. Porto Alegre: Redes Editora, 2013. v. 1. 196p .

2.
BALIEIRO, M.; BECKER, E. (Org.) ; TOLLE, O. (Org.) . Filosofia no Ensino Médio: Filosofia da Ciência. 1. ed. São Cristóvão: Editora UFS, 2013. v. 1. 164p .

Capítulos de livros publicados
1.
BALIEIRO, M.. Bons Filmes, Más Adaptações: Orgulho e Preconceito. In: QUEIROZ, Carlos Eduardo Japiassú; COSTA, Wellington Junio. (Org.). Estudos Literários-Visuais. 1ed.Aracaju: Criação, 2018, v. , p. 67-80.

2.
BALIEIRO, M.. Notas sobre a retórica em David Hume. In: DINUCCI, Aldo Lopes. (Org.). Anais do V Seminário Viva Vox. 1ed.Aracaju: Editorial Prometeus, 2018, v. , p. 163-175.

3.
BALIEIRO, M.. Gosto e moral em David Hume. In: CORREIA, Adriano; DE FREITAS, Jacira; GUIMARÃES, Lívia; DOS SANTOS, Antônio Carlos. (Org.). Filosofia do século XVIII. 1ed.: , 2017, v. 1, p. 48-59.

4.
BALIEIRO, M.. A filiação de Hume à tradição do moral sense. In: Menna, Sergio Hugo; Piauí, William. (Org.). Ciência e Conhecimento. 1ed.Curitiba: CRV, 2016, v. 1, p. 53-66.

5.
BALIEIRO, M.. Filosofia e vida comum na epistemologia de Hume. In: CONTE, Jaimir; ZIMMERMANN, Flávio; FERRAZ, Marília Côrtes de. (Org.). Ensaios sobre a filosofia de Hume. 1ed.Florianópolis: Núcleo de Epistemologia e Lógica - NEL, 2016, v. 1, p. 159-182.

6.
BALIEIRO, M.. Hume e as Relações Internacionais. In: PASSOS,Rodrigo D. F.; VEIRA, Noemia R.; SIMONETTI, Mirian C. Lourenção. (Org.). Relações Internacionais Contemporâneas: novos protagonistas e conjunturas. 1ed.Marília: Oficina Universitária, 2014, v. , p. 47-54.

7.
BALIEIRO, M.. Literatura, Filosofia e Formação em Northanger Abbey. In: NATÁRIO, Maria Celeste; BEZERRA, Cícero Cunha; EPIFÂNIO, Renato. (Org.). (Im)Possíveis (Trans)Posições. 1ed.Sintra: Zéfiro, 2014, v. , p. 211-219.

8.
BALIEIRO, M.. Experiência e história da filosofia moral de Hume. In: PEREIRA FILHO, Antonio José; BALIEIRO, Marcos Ribeiro. (Org.). História e Política no Pensamento Moderno. 1ed.Porto Alegre: Redes Editora, 2013, v. 1, p. 161-172.

9.
BALIEIRO, M.. O ensino de filosofia da ciência e o despertar do espírito crítico. In: BALIEIRO, M. R.; BECKER, E.; TOLLE, O.. (Org.). Filosofia no Ensino Médio: Filosofia da Ciência. 1ed.São Cristóvão: Editora UFS, 2013, v. 1, p. 71-76.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
BALIEIRO, M.. Hume e a religião como patologia. In: XVI Semana de Filosofia, 2016, São Cristóvão. As paixões - Caderno de Resumos - XVI Semana de Filosofia. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2015. p. 15-16.

2.
BALIEIRO, M.. A confiabilidade da História em Hume. In: XV Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2012, Curitiba. Atas do XV Encontro de Filosofia da ANPOF, 2012.

3.
BALIEIRO, M.. Ceticismo e Filosofia em David Hume. In: Encontro de Filosofia da ANPOF, 2006. Atas do XII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2006.

4.
BALIEIRO, M.. Razão e sentimento na teoria moral de Hume. In: Encontro da ANPOF, 2004, Salvador. Atas do XI Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, 2004.

Apresentações de Trabalho
1.
BALIEIRO, M.. Deuses, direitos e jabuticabas: notas sobre um país doente. 2018. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
BALIEIRO, M.. Natureza humana e cultura em Empirismo e Subjetividade. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
BALIEIRO, M.. Formação e gosto na filosofia moral de Hume. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

4.
BALIEIRO, M.. O gótico e os limites do iluminismo: o caso Wuthering Heights. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
BALIEIRO, M.. Gosto e caráter na filosofia de Hume. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

6.
BALIEIRO, M.. Filosofia, educação e gênero. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

7.
BALIEIRO, M.. A linguagem de Deus: causalidade e providência em George Berkeley. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

8.
BALIEIRO, M.. Vidas artificiais e doenças do espírito: notas sobre religião e moral em David Hume. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
BALIEIRO, M.. Gosto e moral na filosofia de Hume. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

10.
BALIEIRO, M.. Gosto e moral em David Hume. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

11.
BALIEIRO, M.. Hume e os fundamentos do Estado: uma resposta ao contratualismo. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

12.
BALIEIRO, M.. As mulheres e a educação: Mary Wollstonecraft leitora de Rousseau. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

13.
BALIEIRO, M.. O papel da história na ciência da natureza humana de Hume. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

14.
BALIEIRO, M.. Estilo e filosofia: notas sobre a estrutura da segunda Investigação. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

15.
BALIEIRO, M.. Hume e a religião como patologia. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

16.
BALIEIRO, M.. Hume e o problema do mundo exterior. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

17.
BALIEIRO, M.. Natureza Humana e Direitos Humanos. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

18.
BALIEIRO, M.. A crítica de Hume ao argumento do desígnio. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

19.
BALIEIRO, M.. Hume e as relações internacionais. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
BALIEIRO, M.. Hume e as relações internacionais: além do conceito de equilíbrio. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

21.
BALIEIRO, M.. Filosofia e humor: Hume leitor de Shaftesbury. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

22.
BALIEIRO, M.. Técnica, Refinamento e Virtude em David Hume. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

23.
BALIEIRO, M.. Notas sobre a sociabilidade em Rousseau e Hume. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

24.
BALIEIRO, M.. A sociabilidade em Rousseau e Hume. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

25.
BALIEIRO, M.. O ensino de filosofia da ciência e o despertar do espírito crítico. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

26.
BALIEIRO, M.. A confiabilidade da história em Hume. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

27.
BALIEIRO, M.. Algumas considerações contra o 'novo Hume'. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

28.
BALIEIRO, M.. Natureza e Degradação Moral em Jean-Jacques Rousseau. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

29.
BALIEIRO, M.. Que Parâmetros? Que Ensino?. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

30.
BALIEIRO, M.. Formação Moral e Felicidade em David Hume. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

31.
BALIEIRO, M.. Experiência e História em David Hume. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

32.
BALIEIRO, M.. Filosofia e Formação em David Hume. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

33.
BALIEIRO, M.. Refinamento e caráter: notas sobre Norhtanger Abbey, de Jane Austen. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

34.
BALIEIRO, M.. A felicidade segundo David Hume: notas sobre quatro ensaios. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

35.
BALIEIRO, M.. O meu dinheiro e o dinheiro do povo: corrupção, o público e o privado. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

36.
BALIEIRO, M.. Pode o criacionismo ser considerado ciência?. 2010. (Apresentação de Trabalho/Outra).

37.
BALIEIRO, M.. Sociabilidade e Progresso em David Hume. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

38.
BALIEIRO, M.. FIlosofia e Moral em Hume. 2007. (Apresentação de Trabalho/Outra).

39.
BALIEIRO, M.. Método e Moral em David Hume. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

40.
BALIEIRO, M.. Senso Comum e Filosofia em David Hume. 2006. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

41.
BALIEIRO, M.. A filosofia como metáfora: Hume crítico da modernidade. 2005. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

42.
BALIEIRO, M.. Razão e sentimento na teoria moral de Hume. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

Outras produções bibliográficas
1.
BALIEIRO, M.; CHARLES, S. . Potência e impotência do ceticismo: a questão da história em Pierre-Daniel Huet. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2018. (Tradução/Outra).

2.
BALIEIRO, M.. Apresentação. São Cristóvão, 2017. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

3.
HUME, D. ; BALIEIRO, M. . Um ensaio histórico sobre a cavalaria e a honra dos modernos. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, 2017. (Tradução/Outra).

4.
BERNARDI, B. ; BALIEIRO, M. . A ideia de equilíbrio europeu no jus gentium dos modernos. São Cristóvão: UFS, 2014. (Tradução/Artigo).

5.
BALIEIRO, M.. O Estoico. Rio de Janeiro, 2013. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

6.
HUME, D. ; BALIEIRO, M. . O Estoico. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013. (Tradução/Outra).

7.
EMERSON, R. W. ; BALIEIRO, M. . Guerra. Marília: UNESP, 2012. (Tradução/Artigo).

8.
BALIEIRO, M.. Do Sentido Moral. São Paulo: Alameda Editorial, 2011. (Tradução/Outra).

9.
BALIEIRO, M.. Crença, 2011. (Tradução/Outra).

10.
BALIEIRO, M.. Consequências Políticas da Escravidão. São Paulo: Alameda Editorial, 2011. (Tradução/Outra).

11.
BALIEIRO, M.. Da exibição das paixões em olhares e gestos. São Paulo: Alameda Editorial, 2011. (Tradução/Outra).

12.
BALIEIRO, M.. Resenha: Death and Character, de Annette Baier. São Paulo: Humanitas, 2009 (Resenha).

13.
BALIEIRO, M.; ANDRADE, J. A. A. D. ; VALENTINI, L. ; TEIXEIRA, J. M. ; SILVA, C. A. A. ; LEITE, T. A. ; ROMÃO, Lígia Maria Venturini ; HARAYAMA, R. ; GUERRIERI, B. C. ; FIORE, A. L. . A Linguagem Gestual. São Paulo: NAU - USP, 2009. (Tradução/Artigo).

14.
BALIEIRO, M.; VALENTINI, L. ; SILVA, C. A. A. ; ROMÃO, Lígia Maria Venturini ; LEITE, T. A. ; HARAYAMA, R. ; GUERRIERI, B. C. . Pare, Olhe, Escute! Visão, Audição e Movimento Humanos. São Paulo: NAU - USP, 2008. (Tradução/Artigo).

15.
BALIEIRO, M.; ARANOVICH, Patrícia Fontoura . A Recepção de Stirner na França. São Paulo: Associação Editorial Humanitas - USP, 2007. (Tradução/Artigo).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
BALIEIRO, M.; TOLLE, O.; PRATA, T. A.. Participação em banca de Max Batista Vieira. Hegel: a abstração e seus desdobramentos. 2014. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

Teses de doutorado
1.
SALLES, J. C.; GUIMARAES, L. M.; SILVA, M. A. O.; BALIEIRO, M.; CAMPOS, M. A.. Participação em banca de Bruna Frascolla Bloise. O Método de Hume. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Federal da Bahia.

2.
SALLES, J. C.; BATISTA, C. B.; PERES, D. T.; BALIEIRO, M.; OLIVEIRA, W. T.. Participação em banca de Cainan Freitas de Jesus. EPISTEMOLOGIA E POLÍTICA: A ESTRUTURA DA SOCIEDADE CIVIL E OS FUNDAMENTOS DO CONHECIMENTO HUMANO EM DAVID HUME. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade Federal da Bahia.

Qualificações de Mestrado
1.
SANTOS, E. P.; SANTOS, A. C.; BECKER, E.; BALIEIRO, M.. Participação em banca de Emmanuely Poncell dos Santos. Bioética e Desenvolvimento Sustentável. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Sergipe.

Monografias de cursos de aperfeiçoamento/especialização
1.
BALIEIRO, M.; BECKER, E.; KAWAUCHE, T. M.. Participação em banca de Pedro Hilário das Neves. Ética, religião e política: um estudo do Tratado Teológico-Político de Espinosa. 2014. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em teoria do conhecimento e ética) - Universidade Federal de Sergipe.

2.
BALIEIRO, M.; BECKER, E.; KAWAUCHE, T. M.. Participação em banca de Alisson Santos Freire. A virtù e a fortuna n'O Príncipe. 2013. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em teoria do conhecimento e ética) - Universidade Federal de Sergipe.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
BECKER, E.; BALIEIRO, M.; PEREIRA FILHO, A. J.. Participação em banca de Pedro Hilário das Neves.Cristo no Tratado Teológico-Político de Espinosa. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.

2.
BECKER, E.; PEREIRA FILHO, A. J.; BALIEIRO, M.. Participação em banca de Cristiano de Almeida Correia.Natureza, Guerra e Civilização: A Degeneração do Homem em Rousseau. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Concurso público
1.
BALIEIRO, M.; KAWAUCHE, T. M.; CONCEICAO, J. T.. Banca examinadora de concurso, no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Sergipe, para o provimento de vaga de professor substituto da disciplina Filosofia.. 2014. Universidade Federal de Sergipe.

2.
SILVA, S. H. S.; BECKER, E.; BALIEIRO, M.. Banca examinadora de concurso, no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Sergipe, para o provimento de vaga de professor substituto da disciplina Filosofia.. 2011. Universidade Federal de Sergipe.

3.
BALIEIRO, M.; PEREIRA FILHO, A. J.; Koslowski, A.. Banca examinadora de concurso, no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Sergipe, para o provimento de vaga de professor substituto das disciplinas Introdução à Filosofia e Introdução à Metodologia Científica.. 2011. Universidade Federal de Sergipe.

4.
JUNGMANN, R.; TOLLE, O.; BALIEIRO, M.. Banca examinadora de concurso, no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Sergipe, para o provimento de vaga de professor substituto das disciplinas Introdução à Filosofia, Introdução à Metodologia Científica e Problemas Metafísicos. 2011. Universidade Federal de Sergipe.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
VIII Colóquio Conhecimento e Ciência.A linguagem de Deus: causalidade e providência em George Berkeley. 2016. (Encontro).

2.
VI Encontro Sergipano de Educação Básica.O que se espera do professor de filosofia?. 2014. (Encontro).

3.
Colóquio Internacional Rousseau 300 Anos. A sociabilidade em Rousseau e Hume. 2012. (Congresso).

4.
II Seminário Filosofia no Ensino Médio.O ensino de filosofia da ciência e o despertar do espírito crítico. 2012. (Seminário).

5.
Jornada Rousseau.Notas sobre a sociabilidade em Rousseau e Hume. 2012. (Outra).

6.
V Colóquio Conhecimento e Ciência.Considerações contra o "novo Hume". 2012. (Outra).

7.
XIII Semana de Filosofia. Técnica, Refinamento e Virtude em David Hume. 2012. (Congresso).

8.
XV Encontro de Filosofia da ANPOF. A confiabilidade da história em Hume. 2012. (Congresso).

9.
III Encontro Hume.Formação Moral e Felicidade em David Hume. 2011. (Encontro).

10.
I Seminário Filosofia no Ensino Médio.Que parâmetros? Que ensino?. 2011. (Seminário).

11.
V Colóquio Rousseau. Natureza e Degradação Moral em Jean-Jacques Rousseau. 2011. (Congresso).

12.
V Colóquio Rousseau. Rousseau e a Educação. 2011. (Congresso).

13.
VI Colóquio Nacional de Filosofia da História.Experiência e História em David Hume. 2011. (Outra).

14.
XII Semana de Filosofia.Filosofia e Formação em David Hume. 2011. (Outra).

15.
Debate Acadêmico CGU/SE: República, Corrupção e Cidadania.O meu dinheiro e o dinheiro do povo: corrupção, o público e o privado. 2010. (Seminário).

16.
IV Colóquio Hume.A felicidade segundo David Hume: notas sobre quatro ensaios. 2010. (Outra).

17.
I Encontro Hume.Sociabilidade e Progresso em David Hume. 2009. (Encontro).

18.
XV Semana do Biólogo. Pode o criacionismo ser considerado ciência?. 2009. (Congresso).

19.
XI Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia.Hume. 2008. (Encontro).

20.
XI Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia.Ética e Filosofia Política. 2008. (Encontro).

21.
Colóquio de Filosofia das Luzes Britânicas.Método e Moral em David Hume. 2007. (Outra).

22.
Colóquio Hume. Filosofia e Moral em Hume. 2007. (Congresso).

23.
X Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia. Ética e Filosofia Política I. 2007. (Congresso).

24.
X Encontro Nacional de Pesquisa na Graduação em Filosofia. Teoria do Conhecimento I. 2007. (Congresso).

25.
Encontro de Filosofia da ANPOF.Ceticismo, Senso Comum e Filosofia em David Hume. 2006. (Encontro).

26.
Encontro de Pesquisa na Graduação em Filosofia.Ética e Filosofia Política. 2006. (Encontro).

27.
Encontro de Pesquisa na Graduação em Filosofia.Teoria do Conhecimento e Filosofia da Mente. 2006. (Encontro).

28.
Encontro de Pesquisa na Graduação em Filosofia.Ceticismo. 2005. (Encontro).

29.
Jornada Pascal.A filosofia como metáfora: Hume crítico da modernidade. 2005. (Encontro).

30.
Colóquio Internacional de Filosofia das Luzes Britânicas.Razão e sentimento na teoria moral de Hume. 2004. (Encontro).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
BECKER, E. ; BALIEIRO, M. ; KAWAUCHE, T. M. ; SANTOS, A. C. ; PEREIRA FILHO, A. J. . III Colóquio Nacional de Ética e Filosofia Política. 2013. (Congresso).

2.
BALIEIRO, M.; CESAR, C. M. . XII Semana de Filosofia. 2011. (Outro).

3.
BALIEIRO, M.; BECKER, E. ; TOLLE, O. ; PEREIRA FILHO, A. J. . I Seminário Filosofia no Ensino Médio. 2011. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Alana Boa Morte Café. Experiência e história em David Hume. Início: 2017. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Percy Daniel Arce Santos. A relação entre propriedade e estado em John Locke. 2017. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Everaldo Silva Cerqueira. Hume e Berkeley: algumas considerações sobre a metafísica e a causalidade. 2013. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Especialização em teoria do conhecimento e ética) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

Iniciação científica
1.
Juliane da Mota Santos. A crítica ao contratualismo no Ensaios de Hume. 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

2.
Kamilee Lima de Oliveira. A teoria humiana da justiça como resposta ao contratualismo. 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

3.
Juliane da Mota Santos. Gosto e sentimento na teoria moral de Hume. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

4.
Juliane da Mota Santos. Ceticismo e filosofia moral na filosofia de Hume. 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

5.
Karina Nunes dos Santos. A vinculação de Hume à tradição do moral sense. 2014. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

6.
Stephanie Almeida Moreira. Direitos humanos: alternativas contemporâneas. 2014. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

7.
José Carlos da Silva Junior. As fundamentações modernas dos direitos humanos. 2014. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

8.
Estanislau Fausto Dantas de Santana. Razão e sentimento na teoria moral de Hume. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.

9.
Leonardo Cadete Araújo. Hume moralista do sentimento. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Filosofia) - Universidade Federal de Sergipe. Orientador: Marcos Fonseca Ribeiro Balieiro.



Educação e Popularização de C & T



Apresentações de Trabalho
1.
BALIEIRO, M.. Que Parâmetros? Que Ensino?. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

2.
BALIEIRO, M.. Hume e os fundamentos do Estado: uma resposta ao contratualismo. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 17/01/2019 às 22:10:57