Christian Edward Cyril Lynch

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3015216414074763
  • Última atualização do currículo em 05/11/2018


Possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1996), mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1999) e doutorado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia) pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (2007). Atualmente é bolsista de produtividade (nível 2) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, parecerista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, parecerista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, membro do Fórum de História do Direito da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro, coordenador de área temática da Associação Brasileira de Ciência Política, diretor do Instituto Brasileiro de História do Direito, sócio honorário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, professor da Fundação Getúlio Vargas, professor de pós-graduação da Universidade Veiga de Almeida, pesquisador da Fundação Casa de Rui Barbosa e professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Teoria Política Moderna, atuando principalmente nos seguintes temas: direito constitucional, liberalismo, pensamento político brasileiro, história do brasil e poder moderador. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Christian Edward Cyril Lynch
Nome em citações bibliográficas
LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril

Endereço


Endereço Profissional
Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Programa de Pós-Graduação em Ciência Política.
Rua da Matriz 82
Botafogo
22260100 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil


Formação acadêmica/titulação


2001 - 2007
Doutorado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia).
Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, IUPERJ, Brasil.
com período sanduíche em Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales (Orientador: Pierre Rosanvallon).
Título: O Momento Monarquiano: o Poder Moderador e o Pensamento Político Imperial., Ano de obtenção: 2007.
Orientador: Marcelo Gantus Jasmin.
Coorientador: Pierre Rosanvallon.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: história das idéias; história dos conceitos; história do Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História dos Conceitos.
Setores de atividade: Educação; Educação Superior.
1997 - 1999
Mestrado em Direito.
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Título: Moderação e divisão de poderes no liberalismo classico - as origens teoricas do poder moderador,Ano de Obtenção: 1999.
Orientador: José Ribas Vieira.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: poder moderador; divisão de poderes; liberalismo classico: Locke, Montesquieu, Constant.
Grande área: Ciências Humanas
Setores de atividade: Educação Superior.
1992 - 1996
Graduação em Direito.
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO, Brasil.
Título: O Poder Moderador: Origens Filosóficas, Teoria Constitucional e Prática Institucional durante o Primeiro Reinado.
Orientador: Fernando Quintana.




Formação Complementar


2007 - 2007
Métodos Qualitativos de Pesquisa Social. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.
2007 - 2007
Educação Jurídica - Brasil e França. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.
2003 - 2004
Extensão universitária em História Moderna e Contemporânea do Político. (Carga horária: 50h).
College de France, COLLEGE FRANCE, França.
2003 - 2004
Extensão universitária em As Religiões Seculares o Bolchevismo. (Carga horária: 50h).
Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.
2003 - 2004
Extensão universitária em História e Filosofia Política da Democracia .. (Carga horária: 50h).
Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.
2003 - 2004
Extensão universitária em História da Revolução Francesa. (Carga horária: 50h).
Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França.


Atuação Profissional



Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista de produtividade (nível 2)

Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Parecerista


Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - Atual
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor adjunto
Outras informações
Professor do IESP-UERJ - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (antigo IUPERJ)

Atividades

04/2018 - Atual
Direção e administração, Centro de Ciências Sociais, Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

Cargo ou função
vice-coordenador do programa de ciência política.
03/2018 - Atual
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de obras exemplares
03/2012 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Reitoria, Instituto de Estudos Sociais e Políticos.

04/2013 - 04/2018
Direção e administração, Reitoria, Instituto de Estudos Sociais e Políticos.

Cargo ou função
Coordenador do programa de pós-graduação em ciência política.
07/2017 - 12/2017
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de projeto de tese
03/2017 - 07/2017
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento político brasileiro III - Segunda República
08/2016 - 12/2016
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria Política II
08/2015 - 12/2016
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de tese
03/2016 - 07/2016
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria pós-colonial, pensamento social brasileiro e crítica da modernidade: a ciência social de Guerreiro Ramos
03/2015 - 07/2015
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Idealismo e realismo na teoria política e no pensamento brasileiro
08/2014 - 12/2014
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de projeto de tese
03/2014 - 07/2014
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Joaquim Nabuco, teórico do republicanismo periférico
08/2013 - 12/2013
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Panorama do Pensamento Político-Social Brasileiro
03/2013 - 07/2013
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Estudos de obras exemplares em ciências sociais
08/2012 - 12/2012
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento Político Brasileiro II: Primeira República
03/2012 - 07/2012
Ensino, CIÊNCIA POLÍTICA, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento Político Brasileiro I: Império.

Fundação Casa de Rui Barbosa, FCRB, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Pesquisador

Vínculo institucional

2008 - 2010
Vínculo: Bolsista recém-doutor, Enquadramento Funcional: Pesquisador visitante

Vínculo institucional

2006 - 2008
Vínculo: Bolsista de mestrado, Enquadramento Funcional: Pesquisador visitante

Atividades

03/2017 - Atual
Ensino, Mestrado em Memória e Acervo, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de pesquisa
4/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Setor Ruiano, .

08/2016 - 12/2016
Ensino, Mestrado em Memória e Acervo, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Interpretações do Brasil
03/2016 - 06/2016
Ensino, Mestrado em Memória e Acervo, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Seminário de Pesquisa
10/2015 - 11/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Programa de pós-graduação em Memória e Acervo, .

Cargo ou função
Banca de seleção para 2016.
07/2015 - 08/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Programa de pós-graduação em Memória e Acervo, .

Cargo ou função
Comissão de edital do mestrado profissional.
03/2015 - 05/2015
Conselhos, Comissões e Consultoria, Setor Ruiano, .

Cargo ou função
Membro de comissão de seleção de livros para a biblioteca.

Universidade Veiga de Almeida, UVA/RJ, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: professor de pós-graduação

Atividades

03/2018 - Atual
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro
03/2015 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Universidade Veiga de Almeida - Tijuca, .

08/2017 - 12/2017
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado
03/2017 - 07/2017
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro
08/2016 - 12/2016
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado
03/2016 - 06/2016
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro
08/2015 - 12/2015
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado
03/2015 - 07/2015
Ensino, Pós-Graduação em Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro

Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, IHGB, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: Sócio honorário, Enquadramento Funcional: Sócio honorário
Outras informações
Sócio honorário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), eleito em julho de 2017.


Instituto Brasileiro de História do Direito, IBHD, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - Atual
Vínculo: Sócio, Enquadramento Funcional: Tesoureiro


Associação Brasileira de Ciência Política, ABCP, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Coordenador
Outras informações
Coordenador da Área Temática de Pensamento Político Brasileiro

Vínculo institucional

2011 - 2013
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Coordenador
Outras informações
Coordenador da Área Temática de Pensamento Político Brasileiro


Fundação Getúlio Vargas, FGV, Brasil.
Vínculo institucional

2017 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor

Atividades

08/2017 - 12/2017
Ensino, Ciências Econômicas, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Interpretações do Brasil

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, ANPOCS, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - 2016
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Coordenador de GT
Outras informações
Coordenador do GT de Teoria Política e Pensamento Político Brasileiro (juntamente com Ricardo Silva)


Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro, EMERJ, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - Atual
Vínculo: Forum de História do Direito, Enquadramento Funcional: Membro
Outras informações
Membro do Forum Permanente de História do Direito - inaugurado a 21 de novembro de 2012


Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2014
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor adjunto, Carga horária: 40

Vínculo institucional

2010 - 2010
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor convidado

Atividades

03/2011 - 04/2014
Ensino, Ciência Política, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria Social e Política Brasileira I
Teoria Social e Política Brasileira II
02/2011 - 04/2014
Conselhos, Comissões e Consultoria, Câmara de Pesquisa e de Bolsas, .

Cargo ou função
Membro (suplente).
03/2011 - 12/2011
Treinamentos ministrados , Escola de Ciência Política, .

Treinamentos ministrados
João Oliveira (monitoria)
07/2011 - 07/2011
Conselhos, Comissões e Consultoria, Escola de Ciência Política, .

Cargo ou função
Presidente de Comissão de Seleção de Professores Temporários.
07/2010 - 12/2010
Ensino, Ciência Política, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Formação do Estado Brasileiro
Teoria Política e Social Brasileira
03/2010 - 07/2010
Ensino, Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Formação do Estado Brasileiro

Universidade Gama Filho, UGF, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2014
Vínculo: Celetista formal, Enquadramento Funcional: Professor assistente, Carga horária: 40

Atividades

04/2008 - 01/2014
Pesquisa e desenvolvimento , Programa de Pós Graduação em Direito, .

08/2012 - 12/2012
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro da Primeira República
07/2010 - 12/2012
Outras atividades técnico-científicas , Programa de Pós Graduação em Direito, Programa de Pós Graduação em Direito.

Atividade realizada
Editor da Revista de Ciências Sociais - UGF.
03/2012 - 07/2012
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado
03/2012 - 07/2012
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Direito
08/2011 - 12/2011
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento constitucional brasileiro
02/2011 - 07/2011
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Direito e do Estado
02/2011 - 06/2011
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Direitos Fundamentais
07/2010 - 12/2010
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento político e constitucional brasileiro
07/2010 - 12/2010
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução ao Estudo do DIreito II
02/2010 - 07/2010
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado
07/2009 - 07/2010
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução ao Estudo do Direito I
07/2009 - 12/2009
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Pensamento político e constitucional brasileiro
08/2008 - 12/2009
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Tópicos de direito constitucional
03/2009 - 07/2009
Ensino, direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Direito
08/2008 - 06/2009
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado e do Direito
03/2008 - 07/2008
Ensino, Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Cultura, Política e Direito

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Vínculo institucional

2011 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Parecerista


Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.
Vínculo institucional

2008 - 2012
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor adjunto

Vínculo institucional

2007 - 2008
Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor adjunto, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2006 - 2007
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor assistente, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Professor do Departamento de Direito Público da Faculdade de Direito

Atividades

03/2011 - 06/2011
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Estado II
03/2011 - 06/2011
Treinamentos ministrados , Departamento de Direito Público, .

Treinamentos ministrados
Bruno Verzani (monitoria)
01/2010 - 01/2011
Treinamentos ministrados , Departamento de Direito Público, .

Treinamentos ministrados
Rachel Scalon (monitoria)
07/2010 - 12/2010
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Direito Constitucional
Teoria do Estado II
07/2010 - 12/2010
Ensino, Sociologia e Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria do Direito
03/2010 - 07/2010
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Métodos e Técnicas de Pesquisa
Teoria do Estado II
08/2009 - 12/2009
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Direito Constitucional Positivo
Introdução à Filosofia do Direito
Lógica e Hermenêutica Jurídica
Teoria do Estado
03/2009 - 07/2009
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia do Direito
Lógica e Hemenêutica Jurídicas
Teoria da Constituição
Teoria Geral do Estado
03/2009 - 07/2009
Ensino, Sociologia e Direito, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
Teoria Socio-Jurídica I - Pensamento político e constitucional brasileiro
02/2008 - 02/2009
Treinamentos ministrados , Departamento de Direito Público, .

Treinamentos ministrados
Monitoria do aluno Luiz Carlos Ramiro Jr.
03/2008 - 12/2008
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Introdução à Filosofia do Direito
Introdução ao Direito I
Introdução ao Direito II
Lógica e Hermenêutica
Teoria Geral do Estado
03/2007 - 12/2007
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Pensamento Jurídico
Introdução à Filosofia do Direito
Introdução ao Direito
Legislação Social
Lógica e Hemenêutica
Teoria Geral do Estado
10/2007 - 11/2007
Conselhos, Comissões e Consultoria, Departamento de Direito Público, .

Cargo ou função
Comissão Organizadora Local da X Semana De Monitoria da UFF.
10/2007 - 11/2007
Conselhos, Comissões e Consultoria, Departamento de Direito Público, .

Cargo ou função
Membro da Comissão Eleitoral da Diretoria da Faculdade no Quadriênio 2008-2012.
09/2006 - 09/2007
Treinamentos ministrados , Centro de Estudos Sociais Aplicados, .

Treinamentos ministrados
Monitoria dos alunos Katarina Pitassi e Luiz Carlos Ramiro Jr.
03/2006 - 12/2006
Ensino, Bacharelado em Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Processo Constitucional
Introdução à Filosofia do Direito
Introdução à Pesquisa Jurídica
Lógica e Hemenêutica Jurídica

Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais, IBMEC, Brasil.
Vínculo institucional

2004 - 2005
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: professor assistente, Carga horária: 4
Outras informações
Direito Civil II - Obrigações Direito Civil III - Contratos Direito Constitucional III Direito Processual Constitucional

Vínculo institucional

2004 - 2005
Vínculo: Celetista formal, Enquadramento Funcional: Professor assistente, Carga horária: 4

Atividades

08/2005 - 07/2006
Ensino, Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
Direito Constitucional III
Direito Civil II - Direito das Obrigações
Direito Constitucional II
Direito Processual Constitucional

Universidade Candido Mendes, UCAM, Brasil.
Vínculo institucional

1999 - 2003
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Professor assistente, Carga horária: 12

Atividades

3/1999 - 7/2003
Ensino, Direito, Nível: Graduação

Disciplinas ministradas
História do Direito Brasileiro
Ciência Politica
Direito Civil: Obrigações
Direito Civil: Responsabilidade Civil
Direito Civil: Teoria Geral
Introdução à Teoria do Direito I
Introdução à Teoria do Direito II
Teoria Geral do Estado

ICS e ISCTE, Lisboa, ICS e ISCTE, Lis, Portugal.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Universidad del Pais Vasco, EHU, Espanha.
Vínculo institucional

2018 - Atual
Vínculo: , Enquadramento Funcional:



Linhas de pesquisa


1.
Rui Barbosa e o pensamento político e jurídico de seu tempo (1860-1920)

Objetivo: O objetivo desta linha de pesquisa é estudar o pensamento político e constitucional produzido durante a vida de Rui Barbosa. Isto significa debruçar-se sobre a obra de Rui, evidentemente, mas também de outros autores e atores políticos do seu tempo, que buscaram explicar a natureza da sociedade e da política, aí incluído o seu direito público. Entre os personagens relevantes, mencione-se, no exterior, autores como Stuart Mill, Tocqueville, Lavelaye, e no Brasil, José de Alencar, Joaquim Nabuco, o Barão do Rio Branco, Eduardo Prado, José Veríssimo, Campos Sales, Machado de Assis, Alcindo Guanabara, assim como constitucionalistas como João Barbalho, Carlos Maximiliano, Aurelino Leal e Felisbelo Freire..
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Direito Público / Especialidade: Direito Constitucional.
Grande Área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Teoria do Direito / Especialidade: História do Direito.
Palavras-chave: pensamento político brasileiro; história do direito; história constitucional do Brasil.
2.
Pensamento político e constitucional

Objetivo: Pensamento político e constitucional. Nesta linha de pesquisa são examinadas as concepções acerca da soberania, da representação e da cidadania presentes nas teorias política, constitucional e do Estado, bem como a forma por que elas se cristalizaram na experiência de países como os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha. Especial atenção é dedicada aqui ao Brasil, por meio do exame do pensamento político, social e constitucional nele produzido, compreendendo-o à luz de nossa formação sociopolítica diferenciada..
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História dos Conceitos.
Grande Área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Direito Público / Especialidade: Direito Constitucional.
Palavras-chave: cultura jurídica; história das idéias; história constitucional do Brasil; instituições.
3.
Teoria política e pensamento político brasileiro

Objetivo: Teoria política grega e romana; Teoria política medieval. O Renascimento e as origens da teoria política moderna; os contratualismos do século XVII; os Iluminismos; a Revolução Francesa e o século XIX: consolidação das teorias conservadoras; liberais e socialistas; o elitismo de final de século e seu impacto sobre teorias da democracia; as radicalizações teórico-políticas da primeira metade do Século XX; as formulações pluralistas da democracia e seus críticos. Teorias da justiça contemporâneas, reconhecimento, multiculturalismo, teorias da democracia, poder, direito, participação, e representação. Teorias e metodologias históricas: história dos conceitos, hermenêutica, história do pensamento político, história intelectual, Koselleck, Skinner, Pocock, etc). Teorias e metodologias não-históricas: análises do discurso, CDA, corpus linguistics, análise de conteúdo etc. O que é pensamento político brasileiro. Pensamento cêntrico e pensamento periférico. O pensamento iberoamericano. História da história do pensamento brasileiro. Autoritarismo instrumental. Liberalismo doutrinário.
4.
Direito, constituição e cidadanias

Objetivo: Dentro da linha de pesquisa "Direito, constituição e cidadanias", o autor dedica-se ao estudo do pensamento constitucional em geral e brasileiro em particular..


Projetos de pesquisa


2018 - Atual
Núcleo de Pesquisas em Direito e Ciências Sociais - DECISO
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2018 - Atual
Dicionário Crítico da Revolução Liberal Portuguesa, 1820-1834
Descrição: É uma iniciativa coordenada por Rui Ramos, José Luís Cardoso, Nuno Gonçalo Monteiro e Isabel Corrêa da Silva. A publicação deste Dicionário Crítico está agendada para 2020, por ocasião do bicentenário da revolução de 1820. A obra tem como enfoque privilegiado a emergência da Monarquia Constitucional e do Estado Liberal nas primeiras três décadas de século XIX, combinando vários tipos de história: política, social, económica, institucional, intelectual e dos conceitos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (2) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador / Isabel Correia da Silva - Integrante / Nuno Gonçalo Monteiro - Integrante / José Luís Cardoso - Integrante.
2018 - Atual
Iberconceptos IV - Gobierno Mixto
Descrição: Hay varias maneras de abordar el universo semántico y discursivo del gobierno mixto o constitución mixta. ?Una elemental consiste en rastrear en el discurso menciones expresas a ese ?ideal? de equilibrio entre Monarquía, Aristocracia y Democracia, los tres elementos o partes o dimensiones que, extraídos de las formas ?puras? de gobierno de la tradición, permitían en principio retrasar o frenar la natural tendencia a Aunque se trata de un ideal de larga tradición en la cultura occidental, apenas ha sido objeto de un seguimiento monográfico por los historiadores del pensamiento que trabajan sobre épocas de gobierno representativo y constitucional, ya en el siglo XIX. De manera que esta es una actividad legítima dentro de este grupo, aunque la más elemental. ?Igualmente lo es el estudio de menciones y usos en el discurso de los tres términos o conceptos por separado, a ser posible cuando aparece más de uno o los tres términos en una misma pieza de reflexión o en un autor. Asimismo, está por estudiar el empleo de los tres contra-conceptos ?Tiranía o Despotimso, Oligarquía y Demagogia o Anarquía? que reflejaban la degradación de las formas puras. Ya solo esta manera de estudiar la constitución o gobierno mixto permite aportar puntos de vista y reflexiones inhabituales acerca de conceptos fundamentales de la política moderna como democracia, despotismo u oligarquía. ?Otra manera más profunda de abordar el estudio de esta gramática es rastrear, en lugar de los usos formales de la terminología del gobierno mixto, las referencias explícitas o implícitas a las tres dimensiones a las que remiten esos conceptos: unidadcoordinación (Monarquía), calidad-excelencia-virtud (Aristocracia) y cantidad-fuerza (Democracia). Este enfoque permite por ejemplo analizar el trasvase de esos valores o atributos a determinados poderes o sujetos tradicionales o emergentes, y por consiguiente el vaciamiento o llenado relativo de los tres conceptos con nuevos significados o atributos unos a costa o a favor de otros..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (1) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador / Pablo Sanchez Léon - Integrante / Víctor Samuel Rivera - Integrante / Angel Rafael Almarza - Integrante / Clément Thibaud - Integrante / Rui Ramos - Integrante / Luis Perrone - Integrante / Francisco Miguel Martín Blázquez - Integrante / Erika Madrigal Hernández - Integrante / Darío Roldán - Integrante / Josefina M. Suárez Serrano - Integrante.
2016 - Atual
Teoria e história do pensamento político e constitucional brasileiro
Descrição: Este projeto de pesquisa de longo fôlego busca compreender a história do pensamento político brasileiro, aí inclusa sua dimensão constitucional, a fim de buscar subsídios para sua teorização na qualidade de teoria política e constitucional periférica. Trata-se assim de buscar, a partir da pesquisa histórica, entendida como empiria, os elementos indispensável à compreensão da natureza teórica e prática da reflexão política no Brasil..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2014 - Atual
Os anti-Rui Barbosa: a obra e a atuação política de Alcindo Guanabara.
Descrição: Com o intuito de resgatar o conjunto de argumentos por que se consolidou o regime conservador e oligárquico da Primeira República, o presente projeto de Iniciação Científica tem por finalidade o estudo da obra e da atuação política de Alcindo Guanabara, jornalista e parlamentar do período, autor de A Presidência Campos Sales (1902). O presente projeto se insere num outro, mais amplo, que visa a compreender o contexto intelectual do debate dentro do qual Rui Barbosa está imerso nas primeiras décadas da República..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.Financiador(es): Fundação Casa de Rui Barbosa - Bolsa.
2014 - Atual
Jurisdição constitucional, estado de sítio e intervenção federal na Primeira República
Descrição: De um modo geral, o pensamento político da Primeira República é estudando focando-se dos adversários do regime: Rui Barbosa e Alberto Torres. O resultado é uma visão muito parcial do debate político do período, que não leva em consideração os autores que defendiam o establishment, como Alcindo Guanabara, Campos Sales, Felisbelo Freire e Gilberto Amado. Este projeto pretende reconstruir contextualmente o debate político da Primeira República, adotando por eixo os debates travados entre situacionistas e oposicionistas em torno das diferentes interpretações por ele conferidas às instituições republicanas, com ênfase para os conceitos de jurisdição constitucional, de um lado, e do estado de sítio e da intervenção federal, de outro. Estes eram os temas que mais mobilizavam o debate político-constitucional, porque afetavam diretamente a rotina do regime liberal oligárquico estabelecida pela Política dos Governadores..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
2014 - Atual
Ideologias do Pensamento Político Brasileiro
Descrição: Dada a natureza instável de seus objetos, as ciências sociais precisam submeter-se periodicamente a balanços acerca de seu próprio estatuto, na forma de revisões de natureza histórica e epistemológica. Escrever a história delas ou de suas partes constitutivas é tarefa indispensável nessa tentativa de reavaliar seus respectivos estatutos na medida em que colabora para a elaboração de uma reflexão de cunho metateórico. A consolidação e recente expansão da área do pensamento político brasileiro estão a exigir uma contribuição desta natureza, de molde a problematizar determinados a priori do campo. Entre estes, podemos mencionar os conceitos de ?pensamento?, que dialoga ou colide com outros como ?ideologia?, ?teoria? ou ?ciência?; aquele de ?brasileiro?, que alude às relações delicadas do pensamento entre o nacional e o universal; e o de ?político?, que também se imbrica com o de ?social?. Essas questões, todavia, não podem ser tratadas de modo adequado sem que as precedam tentativas de descrever e compreender historicamente o surgimento da área do pensamento social e político brasileiro no âmbito das ciências sociais, a fim de compreender os dilemas que o constituíram e o seu desenvolvimento posterior. Para dar cabo de todas essas necessidades, impõe-se a constituição de uma agenda de pesquisa visando a compreender cinco pontos que estão a merecer estudos: 1) como a filosofia, a história e as ciências sociais européias pensaram a natureza e a finalidade de uma história das idéias ou de uma história intelectual; 2) como a intelectualidade iberoamericana recepcionou, pensou e praticou esse gênero, tendo por objeto o próprio pensamento sociopolítico, desde o final do século dezenove; 3) como os intelectuais brasileiros lidaram com a história do pensamento brasileiro antes da institucionalização das ciências sociais, especialmente no âmbito do direito, da filosofia e da história; 4) de que modo o processo de institucionalização das ciências sociais impactou no tratamento da disciplina..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (8) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador / Luiz Carlos Ramiro Jr - Integrante / Paulo Henrique Paschoetto Cassimiro - Integrante / Leonardo Seichi Sanada Sato - Integrante.
2013 - 2017
Um saquarema no Itamarati: por uma nova abordagem do pensamento político do Barão do Rio Branco
Descrição: Embora o Barão do Rio Branco seja a figura mais incontroversa do panteão brasileiro, as abordagens de seu pensamento político, no âmbito as ciências sociais, continuam marcadas pela escassez ou incompletude. Esta pesquisa visa a uma abordagem renovada do seu pensamento, capaz de integrar suas dimensões de historiador, de político e diplomata. Depois de enumerar as principais dificuldades existentes para tanto, postulam-se aqui as hipóteses que devem nortear tal abordagem. A principal delas é a de que a atuação diplomática do barão sob a República só pode ser adequadamente compreendida à luz de sua formação intelectual durante o Império, e que fez dele um verdadeiro guardião da herança intelectual saquarema, como filho e amigo dos próceres conservadores. Neste sentido, a política de Rio Branco à frente do Itamarati deixa de parecer a inauguração da moderna diplomacia brasileira, para afigurar-se, ao contrário, uma restauração, devidamente adaptada, da política externa saquarema da monarquia; da mesma forma, o barão aparece aos nossos olhos, não como o fundador da moderna diplomacia brasileira, mas como o último dos grandes chanceleres do Império de Pedro II..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (2) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador / josé almino de alencar e silva - Integrante.
2013 - Atual
Um pensador da República: Joaquim Nabuco, teórico do republicanismo
Descrição: A obra produzida por Joaquim Nabuco no campo do pensamento político brasileiro durante a década de 1888-1898 segue muito mal julgada, pois que refletiam sua crítica da república e o elogio da monarquia. Tais críticas são, entretanto, superficiais, haja vista que se apegam à definições formalistas de república que não eram aquelas empregadas por Nabuco, para quem, do ponto de vista empírico, o Império era uma forma mais republicana para a sociedade brasileira do que a República, que lhe parecia antirrepublicana, porque oligárquica, tirânica e corrupta. A obra produzida no período por Nabuco demonstra ser ele, assim, um dos principais teóricos republicanos brasileiros, entendendo-se por tal aquilo que a teoria política contemporânea entende: governo voltado para o bem comum, honesto, liberal, democratizante. São objetivos desta pesquisa 1) entender por que a obra nabuqueana do período foi subvalorizada, a partir da crítica que lhe fez José Veríssimo; 2) recuperar o conjunto de artigos de jornal de que foi composta sua campanha monarquista, em O País, Jornal do Brasil e O Comércio de São Paulo, a fim de reconstruir a teoria política "republicana" por ele produzida; 4) reler sua obra "Balmaceda" como uma espécie de "A Democracia na América Latina"; 5) compreender o modo por que ele descreve o modelo político do Segundo Reinado e sua decadência, em "Um Estadista do Império", à maneira de um historiador republicano clássico, como decadência e queda da república romana..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.
2011 - 2013
O liberalismo moderado de Evaristo da Veiga
Descrição: Introdução. O presente subprojeto se insere no projeto História das Idéias Políticas e Pensamento Brasileiro, de minha autoria. No âmbito da história do pensamento político brasileiro, a figura de Evaristo Ferreira da Veiga (1799-1837) emerge como a do principal doutrinário liberal da primeira metade do século dezenove. A literatura especializada em história do Brasil é unânime em considerá-lo o principal bastião ideológico do chamado Partido Moderado, que assumiu o poder a partir da abdicação de Dom Pedro I (1831) e governou o país durante o período regencial até 1837, quando se desintegrou. A atuação de Evaristo como principal publicista liberal do período começou em dezembro de 1827, quando começou a publicar o seu famoso periódico ?A Aurora Fluminense?, e terminou em dezembro de 1835, com a eleição do chefe do Partido Moderado, Diogo Antônio Feijó, ao posto de Regente do Império. Neste ínterim, Evaristo escreveu 1.136 artigos, recepcionando o liberalismo francês de Benjamin Constant e de François Guizot, adaptando-o à realidade brasileira do período posterior à nossa independência. Objetivos. Recuperar o pensamento político de Evaristo da Veiga, por meio de uma pesquisa que traga novamente a lume parte dos artigos por ele publicados no periódico A Aurora Fluminense. Justificativa. Embora tenha sido objeto de algumas monografias e biografias ? a mais célebre, escrita por Otávio Tarquínio de Sousa na década de 1950 -, o pensamento político de Evaristo da Veiga jamais foi objeto de uma pesquisa específica. A razão é simples: veiculada quase exclusivamente pela imprensa, a Aurora Fluminense nunca foi republicada, nem de forma completa, nem de forma selecionada (ao contrário de diversos outros jornais, como O Revérbero Constitucional Fluminense, O Patriota, O Correio Brasiliense, O Tamoio, etc). Os jornais que têm sido republicados são apenas aqueles que datam do período da independência, de modo que, embora A Aurora Fluminense tenha sido o principal periódico do per.
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.
2011 - Atual
Experiências de tempo nos séculos XVIII e XIX (Iberconceptos III)
Descrição: O propósito deste projeto é documentar e analizar historicamente o fenomeno das temporalidades sociais durante os s. XVIII y XIX. Mais precisamente, aborda o problema por dois eixos principais: 1) as relações entre experiência, temporalidade e produção de sentidos, com ênfase nas rupturas e continuidades produzidas durante esses dois séculos; 2) a determinação e a análise dos conceitos, metáforas e imágens mais significativos relativos a experiências de tiempo em diversos domínios sociais (como religião, tecnologia, economia, política e estética)..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
2010 - 2014
A Construção Jurídica do Estado Brasileiro- Poder, Sociedade e Direito na Linguagem Jurídica do Antigo Regime à República
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
2010 - 2014
Em Torno do Pensamento Político Brasileiro
Descrição: Dada a natureza instável de seus objetos, as ciências sociais precisam submeter-se periodicamente a balanços acerca de seu próprio estatuto, na forma de revisões de natureza histórica e epistemológica. Escrever a história delas ou de suas partes constitutivas é tarefa indispensável nessa tentativa de reavaliar seus respectivos estatutos na medida em que colabora para a elaboração de uma reflexão de cunho metateórico. A consolidação e recente expansão da área do pensamento político brasileiro estão a exigir uma contribuição desta natureza, de molde a problematizar determinados a priori do campo. Entre estes, podemos mencionar os conceitos de ?pensamento?, que dialoga ou colide com outros como ?ideologia?, ?teoria? ou ?ciência?; aquele de ?brasileiro?, que alude às relações delicadas do pensamento entre o nacional e o universal; e o de ?político?, que também se imbrica com o de ?social?. Essas questões, todavia, não podem ser tratadas de modo adequado sem que as precedam tentativas de descrever e compreender historicamente o surgimento da área do pensamento social e político brasileiro no âmbito das ciências sociais, a fim de compreender os dilemas que o constituíram e o seu desenvolvimento posterior. Para dar cabo de todas essas necessidades, impõe-se a constituição de uma agenda de pesquisa visando a compreender cinco pontos que estão a merecer estudos: 1) como a filosofia, a história e as ciências sociais européias pensaram a natureza e a finalidade de uma história das idéias ou de uma história intelectual; 2) como a intelectualidade iberoamericana recepcionou, pensou e praticou esse gênero, tendo por objeto o próprio pensamento sociopolítico, desde o final do século dezenove; 3) como os intelectuais brasileiros lidaram com a história do pensamento brasileiro antes da institucionalização das ciências sociais, especialmente no âmbito do direito, da filosofia e da história; 4) de que modo o processo de institucionalização das ciências sociais impactou no tratamento da disciplina..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
2008 - 2014
Entre a impotência do Supremo Tribunal Federal e a onipotência do estado de sítio: a ordem republicana de 1891 (2a. parte)
Descrição: A Primeira República é um período que, marcado pela continuidade do tema da ilegitimidade do sistema representativo instituído seja por conta das fraudes eleitorais e da política dos governadores, seja por conta da maré montante do autoritarismo que lhe corria paralela -, compreende a crise do modelo monárquico parlamentar centralizador, criado pelos conservadores no final da década de 1830, o estabelecimento da república presidencial federal na década de 1890, os golpes de legitimidade por ela sofridos na década de 1910, e a sua crise terminal, na década de 1920, marcada pela revisão constitucional de 1925 e pela Revolução de 1930. O estudo da história constitucional do período envolve o exame do conjunto de dispositivos da Carta da 1891, sua elaboração, os debates parlamentares e judiciais referentes à sua interpretação, com fulcro em três institutos ou conceitos: o controle de constitucionalidade, o estado de sítio e a intervenção federal. Entendo ainda desejável que a pesquisa se prolongue pela década de 1930, já que as causas que deram ensejo à crise da Constituição de 1891 atravessaram a Constituição de 1934 e só encontraram paradeiro no estabelecimento do Estado Novo..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 8 / Número de orientações: 2
2008 - 2010
Albores da democracia brasileira: Rui Barbosa e a Campanha Civilista
Descrição: Os estudos recentes no campo da historiografia política brasileira têm se debruçado sobre questões referentes, não apenas à formação do Estado nacional, mas principalmente ao pensamento político brasileiro do século dezenove a fim de reconstituir os debates e as formas por que o liberalismo político se manifestou e interagiu com nosso meio social e cultural. A maioria dessas análises deixa na penumbra, em particular, o período da República Velha entre 1898-1922, que continua o menos estudado de todos os que compõem a história política do Brasil independente. Essa aversão generalizada ao estudo da república oligárquica não é produtiva para compreender a formação da democracia brasileira, porque menospreza os episódios das campanhas presidenciais de 1910, de 1919 e de 1922, que serviram de precedentes para a de 1930 e mobilizaram uma classe média urbana ansiosa por uma abertura do sistema político que lhe conferisse maior participação no processo decisório. O projeto pretende rever o significado político da Campanha Civilista, estabelecendo ainda um paralelo com episódios similares ocorridos na mesma época noutros países da América Ibérica..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.Financiador(es): Fundação Casa de Rui Barbosa - Bolsa.Número de orientações: 1
2007 - 2011
Teoria Política e Constitucional dos Fundadores do Brasil
Descrição: O chamado pensamento político brasileiro tem freqüentemente se debruçado sobre a independência brasileira; entretanto, como a ordem constitucional inaugurada em 1823 não veio acompanhada da publicação de nenhuma obra específica, freqüentemente se pensa que o conjunto de seus autores não possuía uma concepção política e constitucional sistemática. O objetivo deste projeto é comprovar o contrário, estudando os anais da Constituinte de 1823 e, eventualmente, os anais parlamentares de 1826, a fim de extrair passagens doutrinárias e políticas significativas dos autores da época, como José Bonifácio, Caravelas, Inhambupe, Cachoeira, Cairu e outros, de forma a dar, pela primeira vez, um panorama abrangente do pensamento político dos pais daquela Constituição..
Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador / Katarina Pitassi - Integrante / Luiz Carlos Ramiro Jr. - Integrante.
Número de produções C, T & A: 4
2006 - 2008
Entre a impotência do Supremo Tribunal Federal e a onipotência do estado de sítio: a ordem republicana de 1891 (1a. parte)
Descrição: A República Velha é um período que, marcado pela continuidade do tema da ilegitimidade do sistema representativo instituído ? seja por conta das fraudes eleitorais e da política dos governadores, seja por conta da maré montante do autoritarismo que lhe corria paralela -, compreende a crise do modelo monárquico parlamentar centralizador, criado pelos conservadores no final da década de 1830, o estabelecimento da república presidencial federal na década de 1890, os golpes de legitimidade por ela sofridos na década de 1910, e a sua crise terminal, na década de 1920, marcada pela revisão constitucional de 1925 e pela Revolução de 1930. Entendo ainda desejável que a pesquisa se prolongue pela década de 1930, já que as causas que deram ensejo à crise da Constituição de 1891 atravessaram a Constituição de 1934 e só encontraram paradeiro no estabelecimento do Estado Novo..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Christian Edward Cyril Lynch - Coordenador.Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa.
Número de produções C, T & A: 10 / Número de orientações: 1


Membro de corpo editorial


2017 - Atual
Periódico: Em Tese (Florianópolis)
2016 - Atual
Periódico: Cadernos de História
2016 - Atual
Periódico: REVISTA DA FACULDADE DE DIREITO DA UFRGS
2015 - Atual
Periódico: Revista Estudos Políticos
2012 - Atual
Periódico: Cadernos de História (UFOP. Mariana)
2010 - Atual
Periódico: Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa)
2010 - Atual
Periódico: The Western Australian Jurist
2010 - Atual
Periódico: The Western Australian Jurist
2009 - 2013
Periódico: Revista de Ciênciais Sociais (UGF)
2008 - 2013
Periódico: Voxjuris


Membro de comitê de assessoramento


2013 - Atual
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
2012 - Atual
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior


Revisor de periódico


2007 - Atual
Periódico: Confluências (Niterói)
2009 - Atual
Periódico: Dados (Rio de Janeiro)
2009 - Atual
Periódico: Jurispoiesis (Rio de Janeiro)
2010 - Atual
Periódico: Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa)
2010 - Atual
Periódico: Revista Brasileira de Ciências Sociais (Impresso)
2010 - Atual
Periódico: Politica & Sociedade
2010 - Atual
Periódico: Sequência (UFSC)
2011 - Atual
Periódico: Revista CEJ (Brasília)
2011 - Atual
Periódico: Revista de Sociologia e Política (UFPR. Impresso)
2011 - Atual
Periódico: Revista Mediações (UEL)
2012 - Atual
Periódico: Almanack Braziliense
2012 - Atual
Periódico: Revista Eletrônica da ANPHLAC
2012 - Atual
Periódico: Revista Habitus
2012 - Atual
Periódico: Cadernos de História (UFOP. Mariana)
2013 - Atual
Periódico: Revista Estudos Políticos
2014 - Atual
Periódico: Revista Sul Americana de Ciência Política
2014 - Atual
Periódico: Pensata Revista dos Alunos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Socia
2015 - Atual
Periódico: Revista Brasileira de Ciência Política (Impresso)
2008 - 2013
Periódico: Revista de Ciênciais Sociais (UGF)
2015 - Atual
Periódico: História da Historiografia
2015 - Atual
Periódico: Contributions to the History of Concepts
2015 - Atual
Periódico: Estudios sociojuridicos
2015 - Atual
Periódico: Teoria & Pesquisa
2016 - Atual
Periódico: Revista da Faculdade de Direito (UFPR)
2016 - Atual
Periódico: Contexto Internacional (PUCRJ. Impresso)
2016 - Atual
Periódico: Revista Brasileira de História (Online)
2016 - Atual
Periódico: Estudos Historicos (Rio de Janeiro)
2016 - Atual
Periódico: Topoi (Online): revista de historia
2018 - Atual
Periódico: LATIN AMERICAN RESEARCH REVIEW
2018 - Atual
Periódico: GEOPOLITICA(S): REVISTA DE ESTUDIOS SOBRE ESPACIO Y PODER
2018 - Atual
Periódico: American Journal of Legal History


Revisor de projeto de fomento


2014 - Atual
Agência de fomento: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
2013 - Atual
Agência de fomento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
2014 - Atual
Agência de fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: Ciência Política / Subárea: Teoria Política/Especialidade: Teoria Política Moderna.
2.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Direito Público/Especialidade: Direito Constitucional.
3.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil/Especialidade: História dos Conceitos.
4.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil.
5.
Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Direito / Subárea: Teoria do Direito/Especialidade: História do Direito.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Francês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.
Alemão
Compreende Razoavelmente, Fala Pouco, Lê Pouco.
Italiano
Compreende BemLê Bem.


Prêmios e títulos


2017
Sócio honorário, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB).
2017
Homenagem pela eleição como sócio do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), Instituto Brasileiro de História do Direito (IBHD).
2013
Bolsista de produtividade 2, CNPQ.
2013
Bolsista Jovem Cientista do Nosso Estado, FAPERJ.
2013
Concurso para pesquisador adjunto (primeira colocação), Fundação Casa de Rui Barbosa.
2011
Concurso para professor adjunto do Programa de Pós Graduação em Ciência Política (IESP - ex-IUPERJ) - Pensamento político brasileiro (1a. colocação), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
2010
Concurso para professor adjunto da Escola de Política - Teoria Política e Social Brasileira (1a. colocação), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio)..
2010
Prêmio Casa de Rui Barbosa de Melhor Monografia (2a. colocação), Fundação Casa de Rui Barbosa.
2008
Bolsa de Pesquisador Visitante - Campanha Civilista, Fundação Casa de Rui Barbosa.
2008
Sócio efetivo, Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).
2006
Bolsa de pesquisador visitante - História das Constituições Brasileiras, Fundação Casa de Rui Barbosa.
2005
Concurso para professor assistente do Departamento de Direito Público - Teoria do Direito (1a. colocação), Universidade Federal Fluminense.
2003
Bolsa PDEE-CAPES de estágio doutoral na EHESS - orientador: Pierre Rosanvallon, CAPES.


Produções



Produção bibliográfica
Citações

Web of Science
Total de trabalhos:2
Total de citações:4
LYNCH  Data: 14/09/2017

SciELO
Total de trabalhos:5
Total de citações:27
LYNCH  Data: 29/11/2016

SCOPUS
Total de trabalhos:5
Total de citações:14
LYNCH  Data: 14/09/2017

Outras
Total de trabalhos:45
Total de citações:521
LYNCH  Data: 10/04/2018

Artigos completos publicados em periódicos

1.
LYNCH2018LYNCH; CASSIMIRO, P. H. P. . Freedom through form: Bolívar Lamounier and the Liberal Interpretation of Brazilian Political Thought*. BRAZILIAN POLITICAL SCIENCE REVIEW, v. 12, p. 1-28, 2018.

2.
LYNCH2018LYNCH. Necessidade, contingência e contrafactualidade. A queda do Império reconsiderada. TOPOI (ONLINE): REVISTA DE HISTORIA, v. 19, p. 190-216, 2018.

3.
LYNCH2018LYNCH. Um conservadorismo nacional-estatista: nacionalismo, democracia cristã e crítica do neoliberalismo na obra de Oliveira Vianna. Politica Hoje (UFPE. Impresso), v. 27, p. 9-25, 2018.

4.
LYNCH2018LYNCH; CUNHA, D. . Autoritarismo, autoritarismos: o pensamento político da Era Vargas em revista (1930-1945). POLITICA HOJE (UFPE. IMPRESSO), v. 27, p. 4-8, 2018.

5.
LYNCH2018LYNCH; FARO, L. C. . Soberania em pedaços: instrumentos de intervenção do Estado caem por terra. INSIGHT INTELIGÊNCIA (RIO DE JANEIRO), v. 82, p. 17-43, 2018.

6.
LYNCH2017LYNCH; MENDONÇA, J. V. S. . Por uma história constitucional brasileira: uma crítica pontual à doutrina da efetividade / Defense of studies on the constitutional history of Brazil: a critique of the doctrine of the effectiveness of the Constitution. REVISTA DIREITO E PRÁXIS, v. 8, p. 957-1007, 2017.

7.
LYNCH2017LYNCH. CONSERVADORISMO CALEIDOSCÓPICO: EDMUND BURKE E O PENSAMENTO POLÍTICO DO BRASIL OITOCENTISTA. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, p. 313-362, 2017.

8.
LYNCH2017LYNCH. República, evolucionismo e código civil: a presidência Campos Sales e o projeto Beviláqua. REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRAPHICO BRAZILEIRO, v. 473, p. 157-180, 2017.

9.
LYNCH2017LYNCH. Entre a -Velha- e a -Nova- Ciência Política: Continuidade e Renovação Acadêmica na Primeira Década da Revista DADOS (1966-1976). DADOS - REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, v. 60, p. 663-702, 2017.

10.
LYNCH2017LYNCH; PAGANELLI, P. . Gilberto Freyre's culturalist conservatism: society, decline and change in Sobrados e Mocambos (1936). SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA, v. 7, p. 879-903, 2017.

11.
LYNCH2017LYNCH. Visconde do Uruguai: realismo periférico, construção do Estado e geopolítica na América Ibérica oitocentista.. REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRAPHICO BRAZILEIRO, v. 475, p. 281-296, 2017.

12.
LYNCH2017LYNCH. Questão de urgência nacional: o Rio como segundo distrito federal. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 76, p. 1-42, 2017.

13.
LYNCH2017LYNCH. Cultura política brasileira. REVISTA DA FACULDADE DE DIREITO DA UFRGS, v. 36, p. 5-19, 2017.

14.
LYNCH2017LYNCH. Uma democracia, duas capitais: o que o Rio de Janeiro pode fazer pelo Brasil. INSIGHT INTELIGÊNCIA (RIO DE JANEIRO), v. 78, p. 14-41, 2017.

15.
LYNCH2017LYNCH. Ascensão, fastígio e declínio da 'Revolução Judiciária'. INSIGHT INTELIGÊNCIA (RIO DE JANEIRO), v. 79, p. 158-180, 2017.

16.
LYNCH2016LYNCH. Ciência política 1966-1970: o desenvolvimento em pauta. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 75, p. 106-121, 2016.

17.
LYNCH, Christian Edward Cyril2016LYNCH, Christian Edward Cyril. Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, história, abordagens. REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, v. 1, p. 75-119, 2016.

18.
39LYNCH2015LYNCH. Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e conceito de 'regresso' no debate parlamentar brasileiro (1838-1840). Almanack, p. 314-334, 2015.

19.
40LYNCH2015LYNCH. Alforria de raças - conceito de liberdade no Brasil (1770-1870). Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 68, p. 45, 2015.

20.
43LYNCH2015LYNCH. Uma leitura realista da política de Rio Branco à frente do Itamarati: resenha do livro 'Rio-Branco: grande estratégia e o poder naval', de João Paulo Soares Alsina Junior. Política Externa (USP), v. 24, p. 67, 2015.

21.
44LYNCH2015LYNCH. Wanderley Guilherme dos Santos: o intérprete do pensamento nacional. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 71, p. 1, 2015.

22.
41LYNCH2015LYNCH; BRINGEL, B. ; MAIO, M. C. . Sociologia periférica e questao racial: revisitando Guerreiro Ramos. Caderno CRH (Online), v. 28, p. 9-12, 2015.

23.
LYNCH, Christian Edward Cyril2015LYNCH, Christian Edward Cyril. Teoria pós-colonial e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955)Post-colonial theory and brazilian thought in the works of Guerreiro Ramos: the sociological thinking (1953-1955). Cadernos do CRH (UFBA), v. 28, p. 27-45, 2015.

24.
10LYNCH2014LYNCH. Um saquarema no Itamaraty: por uma abordagem renovada do pensamento político do Barão do Rio Branco. Revista Brasileira de Ciência Política (Impresso), p. 279-314, 2014.

25.
23LYNCH2014LYNCH. Um democrata cristão contra o neoliberalismo: a crítica de Oliveira Viana a O Socialismo de Mises.. Mises - Revista interdisciplinar de filosofia, direito e economia, v. 2, p. 525-538, 2014.

26.
36LYNCH2014LYNCH. Política oligárquica e demofobia na República brasileira. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 64, p. 23-44, 2014.

27.
38LYNCH2014LYNCH. Detonando Ludwig von Mises: Oliveira Vianna inaugura a crítica brasileira ao neoliberalismo. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 66, p. 92-112, 2014.

28.
45LYNCH2014LYNCH. A Circular de Teófilo Ottoni: a democracia luzia da gravata lavada. Revista Estudos Políticos, v. 5, p. 709-715, 2014.

29.
2LYNCH2013 LYNCH. Por que pensamento e não teoria?: a imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados (Rio de Janeiro. Impresso), v. 56, p. 727-767, 2013.

30.
6LYNCH2013LYNCH. The institutionalization of Brazilian political thought in the social sciences: wanderley guilherme dos santos' research revisited (1963-1978). Brazilian Political Science Review, v. 7, p. 36-60, 2013.

31.
7LYNCH2013LYNCH. 'A multidão é louca, a multidão é mulher' : a demofobia oligárquico-federativa da Primeira República e o tema da mudança da capital. História, Ciências, Saúde-Manguinhos (Impresso), v. 20, p. 1491-1514, 2013.

32.
47LYNCH2013LYNCH. História dos conceitos e mundo ibero-americano: convite à leitura.. Cadernos de História (UFOP. Mariana), v. 8, p. 8-11, 2013.

33.
46LYNCH2013LYNCH. Alforriar o branco, alforriar o negro: algumas notas sobre o conceito de liberdade no Brasil (1770-1870).. Cadernos de História (UFOP. Mariana), v. 8, p. 149-163, 2013.

34.
5LYNCH2012LYNCH. O caminho para Washington passa por Buenos Aires: a recepção do conceito argentino do estado de sítio e seu papel na construção da República brasileira (1890-1898). Revista Brasileira de Ciências Sociais (Impresso), v. 27, p. 149-169, 2012.

35.
18LYNCH2012LYNCH. Esforços de Judicialização da Política na Primeira República: o voto vencido do Ministro Pedro Lessa no julgamento do Habeas Corpus nº 3.528/1914.. Revista dos Tribunais (São Paulo. Impresso), v. 916, p. 22-33, 2012.

36.
8LYNCH2012LYNCH. Entre a Jurisdição Constitucional e o Estado de Sítio: o fantasma do poder moderador no debate político da Primeira República.. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, v. 23, p. 601-653, 2012.

37.
22LYNCH2012LYNCH. Togados da breca: de Rui a Joaquim, barbosismo no STF. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 59, p. 24-40, 2012.

38.
37LYNCH2012LYNCH; SOUZA NETO, C. P. . O constitucionalismo da inefetividade: a constituição de 1891 no cativeiro do estado de sitio. Quaestio Juris, v. 5, p. 32, 2012.

39.
LYNCH, Christian Edward Cyril2012LYNCH, Christian Edward Cyril. O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. Lua Nova. Revista de Cultura e Política, v. 1, p. 277-311, 2012.

40.
25LYNCH2011LYNCH. O Momento Oligárquico: a construção institucional da República brasileira (1870-1891). Historia Constitucional (Oviedo), v. 12, p. 297-325, 2011.

41.
4LYNCH2011LYNCH. Do Despotismo da Gentalha à Democracia da Gravata Lavada: a história do conceito de democracia no Brasil (1770-1870).. Dados (Rio de Janeiro. Impresso), v. 54, p. 355-390, 2011.

42.
26LYNCH2011LYNCH. Os Órfãos de Montesquieu: o constitucionalismo esquecido dos monarquianos franceses (1789). Revista Estudos Políticos, v. 2, p. 1-20, 2011.

43.
9LYNCH2011LYNCH. O Império da Moderação: agentes da recepção do pensamento político europeu e construção da hegemonia ideológica do liberalismo moderado no Brasil imperial.. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, v. a 172, p. 311-339, 2011.

44.
27LYNCH2011LYNCH. Saquaremas e Luzias: a sociologia do desgosto com o Brasil. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 55, p. 21-37, 2011.

45.
14LYNCH2010LYNCH. Entre o Leviatã e o Beemote: soberania, constituição e excepcionalidade no debate político dos séculos XVII e XVIII. Dados (Rio de Janeiro. Impresso), v. 53, p. 55-90, 2010.

46.
30LYNCH2010LYNCH. O Poder Moderador na Constituição de 1824 e no anteprojeto Borges de Medeiros de 1933: um estudo de direito comparado.. Revista de Informação Legislativa, v. 188, p. 93-111, 2010.

47.
28LYNCH2010LYNCH. Del Despotismo de la Gentuza a la Democracia de Corbata Lavada: historia del concepto de democracia en Brasil (1770-1870). Alcores: revista de historia contemporanea, v. 9, p. 143-169, 2010.

48.
15LYNCH2010LYNCH. Entre o Liberalismo Monárquico e o Conservadorismo Republicano: a democracia impossível de Rui Barbosa. Revista da Escola de Magistratura Regional Federal, v. Esp., p. 39-65, 2010.

49.
21LYNCH2010LYNCH. Do Direito à Política: a Gênese da Jurisdição Constitucional Norte-Americana.. Revista de Ciênciais Sociais (UGF), v. 20, p. 15-40, 2010.

50.
33LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2009LYNCH; FRAGALE, R. . Shylock vs. Antonio (1594): dois olhares.. Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa), v. 2, p. 45-55, 2009.

51.
29LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2009LYNCH. Tratado, Governo e Congresso: a referenda de tratados e a possibilidade de sua alteração no direito público brasileiro. Revista de Informação Legislativa, v. 181, p. 195-205, 2009.

52.
32LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2009LYNCH. O Estado de Sítio é Coisa Nossa.. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 46, p. 60-71, 2009.

53.
31LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2009LYNCH. A Alteração Legislativa dos Tratados à Ótica do Direito Constitucional Brasileiro. Uniwersytet Gdanski. Zeszyty Naukowe. Filologia Rosyjska, v. ano 3, p. 1-15, 2009.

54.
24LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2009LYNCH. Sic Transit Gloria Mundi ou Aqui Jaz a Nobreza Brasileira. Insight Inteligência (Rio de Janeiro), v. 47, p. 15-45, 2009.

55.
17LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2008LYNCH. A primeira encruzilhada da democracia brasileira: os casos de Rui Barbosa e de Joaquim Nabuco. Revista de Sociologia e Política (UFPR. Impresso), v. 16, p. 113-125, 2008.

56.
19LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2008LYNCH. As Liberdades dos Modernos: Benjamin Constant e a teoria liberal dos direitos fundamentais. Revista de Ciênciais Sociais (UGF), v. 14, p. 45-72, 2008.

57.
11LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2008LYNCH. O pensamento conservador ibero-americano na era das independências (1808-1850). Lua Nova (Impresso), p. 59-92, 2008.

58.
12LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2007LYNCH. O Conceito de Liberalismo no Brasil (1750-1850). Araucaria (Madrid), v. 9, p. 212-234, 2007.

59.
16LYNCH2007LYNCH. A Velha e a Nova Hermenêutica Jurídicas: uma breve digressão. Ab Initio (Niterói), v. I, p. 272-281, 2007.

60.
13LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2005LYNCH. O discurso político monarquiano e a recepção do conceito de poder moderador no Brasil (1822-1824). Dados (Rio de Janeiro. Impresso), Rio de Janeiro, v. 48, n.3, p. 611-653, 2005.

61.
20LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2005LYNCH. A Idéia de um Conselho de Estado Brasileiro: uma abordagem histórico-constitucional. Revista de Informação Legislativa, Brasília, v. 42, n.168, p. 45-64, 2005.

62.
34LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2003LYNCH. Acesso à Justiça e Inchaço das Cortes: conseqüências do aumento do número de juízes como solução para a demanda jurisidicional. Cadernos ADENAUER (São Paulo), Rio de Janeiro, v. III, n.6, p. 34-55, 2003.

63.
35LYNCH;C. E. C.;LYNCH, C. E. C.;LYNCH, Christian Edward Cyril2002LYNCH. Estado e Mal-Estar Social no Pensamento de Sigmund Freud. Achegas.net, v. 1, p. 00-10, 2002.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
LYNCH; CUNHA, D. (Org.) . Autoritarismo, autoritarismos: o pensamento político da Era Vargas em revista (1930-1945) (Dossiê na Revista Política Hoje). 27. ed. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2018. v. 1. 220p .

2.
LYNCH. Wanderley Guilherme dos Santos: a imaginação política brasileira - cinco ensaios de história intelectual. 1. ed. Rio de Janeiro: REVAN, 2017. v. 1. 216p .

3.
BRINGEL, BRENO (Org.) ; LYNCH (Org.) ; MAIO, MARCOS CHOR (Org.) . Sociologia periférica e questao racial: revisitando Guerreiro Ramos. 1. ed. Salvador: Caderno CRH, 2015. v. 1. 300p .

4.
LYNCH. Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o pensamento político do Marquês de Caravelas. Prefácio de António Manuel Hespanha.. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2014. v. 1. 208p .

5.
LYNCH. Da Monarquia à Oligarquia: história institucional e pensamento político brasileiro (1822-1930). Prefácio de Pierre Rosanvallon.. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2014. 284p .

6.
LYNCH. História dos conceitos e o mundo ibero-americano. 8. ed. Mariana: Revista Eletrônica Cadernos de História, 2013. v. 1. 248p .

7.
LYNCH. Brésil de La Monarchie à l?Oligarchie : la construction de l'État, les institutions et la représentation politique (1822-1930). Préface de Pierre Rosanvallon.. 1a.. ed. Paris: L' Harmattan, 2011. 184p .

8.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P. ; PONTES FILHO, V. ; BARROSO, L. R. ; COMPARATO, F. K. ; BONAVIDES, P. ; SILVA, J. A. . As Constituições Brasileiras: notícia, história e análise crítica. 1. ed. Brasília: OAB Editora, 2008. v. 1. 168p .

Capítulos de livros publicados
1.
LYNCH; CHALOUB, J. G. . O pensamento político-constitucional da República de 1988: um balanço preliminar. In: Cristina Buarque de Holanda; Luciana Fernandes Veiga; Oswaldo E. do Amaral. (Org.). A constituição de 88 trinta anos depois. 1ed.Curitiba: Editora da UFPR, 2018, v. 1, p. 251-280.

2.
LYNCH. Necessidade ou contingência? A queda do Império reconsiderada. In: Rui Ramos; José Murilo de Carvalho; Isabel Corrêa da Silva. (Org.). A monarquia constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). 1ed.Lisboa: Leya, 2018, v. , p. 330-350.

3.
LYNCH. Os direitos fundamentais na trajetória política de Rui Barbosa: uma breve reflexão. In: Vanessa Alexsandra de Melo Pedroso; Andrezza Menezes Costa; Maria Luiza Ramos Vieira Santos. (Org.). Estudos latino-americanos de direitos humanos; em círculo de diálogo. 1ed.Recife: FASA, 2017, v. 2, p. 229-249.

4.
LYNCH. Plebe arruinada, nobreza agrária e burocracia monárquica: às vésperas da. In: Cláudia Ribeiro Pereira Nunes; Cleyson de Moraes Mello; leonardo Rabelo de Matos Silva. (Org.). Estudos em homenagem a Arno Wehling: história, direito e filosofia. 1ed.Juiz de Fora: Editar, 2017, v. 1, p. 43-55.

5.
LYNCH. Wanderley Guilherme dos Santos, intérprete do pensamento nacional brasileiro. In: Christian Edward Cyril Lynch. (Org.). Wanderley Guilherme dos Santos: a imaginação política brasileira - cinco ensaios de história intelectual. 1ed.Rio de Janeiro: REVAN, 2017, v. 1, p. 9-46.

6.
LYNCH. O momento oligárquico: a construção institucional da República (1889-1891). In: Cláudia Maria Ribeiro Viscardi; José Almino Alencar Neto. (Org.). A república revisitada: construção e consolidação do projeto republicano brasileiro. 1ed.Porto Alegre: Editora da PUC-RS, 2016, v. 1, p. 23-55.

7.
LYNCH. Pensamento político brasileiro: conceito, história e estado da arte. In: Leonardo Avritzer; Carlos R. S. Milani; Maria do Socorro Braga. (Org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. 1ed.Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV), 2016, v. 1, p. 275-319.

8.
LYNCH. O caleidoscópio conservador: a presença de Edmund Burke no Brasil. In: Russell Kirk. (Org.). Edmund Burke: redescobrindo um gênio. 1ed.São Paulo: É Realizações, 2016, v. , p. 479-527.

9.
LYNCH. Cultura política brasileira. In: Gustavo Santos; Éder Brito.. (Org.). Política no Brasil (Série Cidadania e Política, volume 2).. 1ed.São Paulo: Oficina Municipal, 2015, v. , p. 57-83.

10.
LYNCH. "A multidão é louca, a multidão é mulher": a demofobia oligárquico-federativa da Primeira República e o tema da mudança da capital. In: Alfredo de J. Flores. (Org.). Temas de história do direito: o Brasil e o Rio Grande do Sul na construção dos conceitos jurídicos republicanos (1889-1945). 2ed.Porto Alegre: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, 2015, v. 1, p. 95-140.

11.
LYNCH; FERES JUNIOR, J. . Leis, legislação. In: Lívio Sansone; Cláuduio Alves Furtado. (Org.). Dicionário critico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. 1ed.Salvador da Bahia: EDUFBA, 2014, v. , p. 253-269.

12.
LYNCH. Um saquarema no Itamarati: reflexões e hipóteses para uma pesquisa sobre o pensamento político do Barão do Rio Branco. In: Christiane Vieria Laidler. (Org.). O Barão do Rio Branco; política externa e nação. 1ed.Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2014, v. , p. 17-53.

13.
LYNCH. A multidão é louca, a multidão é mulher: a demofobia oligárquico-federativa da Primeira República e o tema da mudança da capital. In: Alfredo J. Flores. (Org.). Temas de História do Direito: o Brasil e o Rio Grande do Sul na construção dos conceitos jurídicos republicanos. 1ed.Porto Alegre: IHGRS, 2014, v. , p. 15-45.

14.
LYNCH. Liberdade (Brasil). In: Javier Fernandez Sebastian. (Org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano: conceptos políticos fundamentales, 1770-1870.. 1ed.Madrid: Universidade do País Basco? Centro de Estudos Políticos e Constituicionais, 2014, v. 2, p. 26-45.

15.
LYNCH. Democracia (Brasil). In: Javier Fernandez Sebastian. (Org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano: conceptos políticos fundamentales, 1770-1870.. 1ed.Madrid: Universidade do País Basco/ Centro de Estudos Políticos e Constituicionais, 2014, v. 2, p. 45-60.

16.
LYNCH. Liberal/liberalismo. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da História dos Conceitos Políticos do Brasil. 2a.ed.Belo Horizonte: UFMG, 2014, v. , p. 121-135.

17.
LYNCH; STARLING, H. . República/ republicanos. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da História dos Conceitos Políticos do Brasil. 2a.ed.Belo Horizonte: UFMG, 2014, v. , p. 191-207.

18.
LYNCH. Democracia. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da História dos Conceitos Políticos do Brasil. 2a.ed.Belo Horizonte: UFMG, 2014, v. , p. 253-273.

19.
LYNCH. Liberdade. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da história dos conceitos no Brasil. 2a.ed.Belo Horizonte: UFMG, 2014, v. , p. 323-338.

20.
LYNCH. O pensamento constitucional de Alberto Torres - uma introdução.. In: Felipe Dutra Asensi; Daniel Giotti de Paula. (Org.). Direito Constitucional. 1ed.Rio de Janeiro: Elsevier, 2013, v. , p. 483-509.

21.
LYNCH. Entre a jurisdição constitucional e o estado de sítio: o fantasma do poder moderador na Primeira República. In: Gustavo Silveira Siqueira; Carolina Alves Vestena. (Org.). Direito e experiências jurídicas: temas de história do direito.. 1ed.Belo Horizonte: Arraes Editores, 2013, v. 3, p. 31-68.

22.
LYNCH. O caminho para Washington passa por Buenos Aires: a recepção do conceito argentino do estado de sítio e a construção do modelo republicano-oligárquico brasileiro (1890-1898). In: Ricardo Marcelo Fonseca. (Org.). As Formas do Direito - Ordem, Razão e Decisão - (Experiências Jurídicas Antes e Depois da Modernidade). 1ed.Curitiba: Juruá, 2013, v. , p. 345-370.

23.
LYNCH. A institucionalização da área de pensamento político brasileiro no âmbito das ciências sociais: revisitando a pesquisa de Wanderley Guilherme dos Santos. In: Otávio Soares Dulci. (Org.). Leituras críticas sobre Wanderley Guilherme dos Santos. 1ed.Belo Horizonte: UFMG/Perseu Abramo, 2013, v. , p. 11-63.

24.
LYNCH. Alforriar o branco, alforriar o negro: notas sobre o conceito de liberdade no Brasil (1770-1870). In: Siddharta Legale; Eduardo Manuel val; Edson Alvisi. (Org.). Temas de história constitucional brasileira: anais do II Seminário Internacional de História do Direito. 1ed.Rio de Janeiro: Light, 2013, v. , p. 26-39.

25.
LYNCH. Mounier e Malouet nos trópicos: a recepção do discurso revolucionário monarquiano durante o primeiro processo constituinte brasileiro (1822-1824).. In: Marcelo Alves. (Org.). Direito e Política na Revolução Francesa.. Itajaí: Univali, 2012, v. , p. 227-257.

26.
LYNCH. Nada menos parecido com um luzia do que um saquarema: filosofia da história e consolidação ideológica do bipartidarismo no começo do Segundo Reinado (1840-1853).. In: Edson Alvisi Neves; Adriana Pereira Campos; Gilvan Hansen. (Org.). Historia e Direito: instituições políticas, poder e justiça. 1ed.Vitória: , 2012, v. 1, p. 269-300.

27.
LYNCH. ?Una Monarquía sin Despotismo y Libertad sin Anarquía?: historia del concepto de liberalismo en Brasil (1750-1850). In: Javier Fernández Sebastián. (Org.). La aurora de la libertad: los primeros liberalismos en el mundo iberoamericano. 1ed.Madrid: Marcial Pons, 2012, v. , p. 40-70.

28.
LYNCH. Os direitos fundamentais na trajetória política de Rui Barbosa: uma breve reflexão.. In: Matheus Vidal Gomes Monteiro; Renan Aguiar; Ivan Simões Garcia. (Org.). Estado, Direito e Democracia: perspectivas contemporâneas.. 1ed.Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012, v. , p. 39-55.

29.
LYNCH. Brás Florentino Henriques de Sousa, 1825-1870: Do Poder Moderador, 1864. In: Maria Emília Prado. (Org.). Obras políticas do Brasil Imperial: Dicionário do Pensamento Brasileiro. 1ed.Rio de Janeiro: Revan, 2012, v. , p. 65-71.

30.
LYNCH. Joaquim Saldanha Marinho, 1816-1895: O Rei e o Partido Liberal, 1869. In: Maria Emília Prado. (Org.). Obras políticas do Brasil Imperial: Dicionário do Pensamento Brasileiro. 1ed.Rio de Janeiro: Revan, 2012, v. 1, p. 133-139.

31.
LYNCH. Zacarias de Góis e Vasconcelos, 1815-1877: Da Natureza e dos Limites do Poder Moderador, 1860. In: Maria Emília Prado. (Org.). Obras políticas do Brasil Imperial: Dicionário do Pensamento Brasileiro. 1ed.Rio de Janeiro: Revan, 2012, v. 1, p. 263-269.

32.
LYNCH. Teófilo Benedito Otoni, 1807-1869: Circular aos Eleitores de Minas Gerais,1860. In: Maria Emília Prado. (Org.). Obras políticas do Brasil Imperial: Dicionário do Pensamento Brasileiro. 1ed.Rio de Janeiro: Revan, 2012, v. , p. 247-253.

33.
LYNCH. O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. In: Helenilda Cavalcanti e Sylvia Couceiro. (Org.). Joaquim Nabuco e a Nossa Formação. 1ed.Recife: Massangana, 2012, v. 1, p. 195-225.

34.
LYNCH. Da Monarquia à Oligarquia: a construção do Estado, as instituições e a representação política no Brasil (1822-1930).. In: Rejane M. Moreira de A. Magalhães; Soraia Farias Reolon Pereira. (Org.). Campanha Civilista: correspondência e estudos. 1ed.Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2012, v. , p. 117-247.

35.
LYNCH. O Establishment Republicano: notas sobre suas ideologias políticas (1889-1930).. In: CORTE, Andréa Telo da. (Org.). Nilo Peçanha e o Rio de Janeiro no Cenário da Federação. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 2010, v. , p. 99-146.

36.
LYNCH. A Águia e suas Sombras: Rui Barbosa, arquiteto da república e pedagogo da democracia. In: Lustosa da Costa, Frederico ; Zamot, Fuad. (Org.). Brasil 200 anos de Estado, 200 anos de Administração Pública.. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, v. , p. 341-366.

37.
LYNCH. A Democracia como Problema: Pierre Rosanvallon e a Escola Francesa do Político. In: Pierre Rosanvallon. (Org.). Por uma História do Político. São Paulo: Alameda, 2010, v. , p. 9-35.

38.
LYNCH. Quando o Regresso é Progresso: a formação do pensamento conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851).. In: BOTELHO, André; FERREIRA, Gabriela Nunes.. (Org.). Revisão do Pensamento Conservador: ideias e Política no Brasil -. São Paulo: Hucitec, 2010, v. , p. 25-53.

39.
LYNCH; STARLING, H. . República/ Republicanos. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da História dos Conceitos Políticos no Brasil. Belo Horizonte: Universidade Federal de MInas Gerais (UFMG), 2009, v. , p. 225-245.

40.
LYNCH. Liberal/ Liberalismo. In: João Feres Jr.. (Org.). Léxico da História dos Conceitos no Brasil. Belo Horizonte: Universidade Federal de MInas Gerais (UFMG), 2009, v. , p. 141-160.

41.
LYNCH. Liberalismo (Brasil). In: Javier Fernandéz Sebástian. (Org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano. La era de las revoluciones. Madrid: CEPC-SECC-Fundac. Carolina, 2009, v. I, p. 745-755.

42.
LYNCH; STARLING, H. . República (Brasil). In: Javier Fernandéz Sebástian. (Org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano: la era de las revoluciones.. Madrid: CEPC-SECC-Fundac. Carolina, 2009, v. I, p. 1282-1292.

43.
LYNCH. Da Liberdade de Locomoção: comentários ao art. 5º XV.. In: BONAVIDES, Paulo; MIRANDA, Jorge; e MOURA AGRA, Walber de.. (Org.). Comentários à Constituição Federal de 1988. 1ed.Rio de Janeiro: Forense/ GEN, 2009, v. , p. 115-120.

44.
LYNCH. Da LIberdade de Trabalho: comentários ao art. 5º XIII.. In: BONAVIDES, Paulo; MIRANDA, Jorge; MOURA AGRA, Walber de.. (Org.). Comentários à Constituição Federal de 1988. 1ed.Rio de Janeiro: Forense/ GEN, 2009, v. , p. 123-127.

45.
LYNCH. Para Além da Historiografia Luzia: o Debate Político-Constitucional do Primeiro Reinado e o Conceito de Governo Representativo (1826-1831). In: MOURA, Fátima; NEVES, Edson Alvisi; e RIBEIRO, Gladys Sabina;. (Org.). Diálogos entre Direito e História: cidadania e justiça. 1a.ed.Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense (EDUFF), 2009, v. , p. 81-105.

46.
LYNCH. A Vocação Sociológica do Legislador: o pensamento político do Marquês de Caravelas. In: Gladys Sabina Ribeiro. (Org.). Brasileiros e Cidadãos: modernidade política (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2008, v. , p. 149-174.

47.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P. . O Constitucionalismo da Inefetividade: a Constituição de 1891 no cativeiro do estado de sítio. In: Christian Edward Cyril Lynch; Cláudio Pereira de Souza Neto; Paulo Bonavides; José Afonso da Silva; Luís Roberto Barroso; José Afonso da Silva; Fábio Konder Comparato; Valmir Pontes Filho. (Org.). As Constituições Brasileiras: Notícia, História e Análise Crítica. 1a.ed.Brasília: OAB, 2008, v. , p. 23-60.

48.
LYNCH. A Utopia Democrática: Rui Barbosa entre o Império e a República.. In: Marta de Senna. (Org.). Rui Barbosa em Perspectiva: seleção de textos fundamentais.. 67ed.Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2007, v. , p. 23-.

49.
LYNCH. John Stuart Mill. In: Vicente Barreto.. (Org.). Dicionário de Filosofia do Direito. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Unisinos/Renovar, 2006, v. , p. 576-580.

50.
LYNCH. A Formação do Estado Moderno e o Lugar da Excepcionalidade na Filosofia Política Clássica: a ditadura em Maquiavel e a prerrogativa de Locke.. In: Lima; Martonio Monte?Alverne Barreto e Albuquerque; Paulo Antonio de Menezes. (Org.). Direito, Democracia e Política - Estudos internacionais em homenagem a Friedrich Müller. 1a.ed.Florianópolis: Conceito Editorial/ Fundação Boiteux, 2006, v. , p. 131-150.

51.
LYNCH. A voz do Leviatã pela boca de Behemoth: o estado de exceção, o poder moderador e o controle normativo de constitucionalidade como meios de expressão da unidade da soberania popular. In: MACEDO; Paulo Emílio Vauthier Borges de.. (Org.). Direito e Política - Anais do II Congresso Brasileiro. Curitiba: Juruá, 2005, v. , p. 31-40.

52.
LYNCH. O Liberalismo Ético de Ronald Dworkin. In: Rogério Dultra dos Santos. (Org.). Direito e Política. Porto Alegre: Síntese, 2004, v. , p. 129-140.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
LYNCH; RAMIRO JR, L. C. . Rio de Janeiro: uma intervenção e três cenários. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 19 jun. 2018.

2.
LYNCH. A Revolução Judiciarista e as linhagens do pensamento brasileiro. Folha de São Paulo, São Paulo, p. A3 - A3, 11 maio 2018.

3.
LYNCH. Lá vamos nós de novo. Jornal GGN, 29 mar. 2018.

4.
LYNCH. A melhor solução para a crise fluminense é acabar logo com o Estado do Rio. Gazeta do Povo, 22 mar. 2018.

5.
LYNCH. O Rio precisa tornar definitiva a intervenção federal. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 9 - 9, 20 mar. 2018.

6.
LYNCH. A intervenção federal no Rio e a especificidade da crise fluminense. Gazeta do Povo, Curitiba, 16 fev. 2018.

7.
LYNCH. Juscelino Kubitschek, Brasília e o caos no Rio de Janeiro. Gazeta do Povo, Curitiba, 01 out. 2017.

8.
LYNCH. Reparação histórica: por que não reconhecer o Rio de Janeiro como segunda capital do Brasil?. Carta Capital, São Paulo, p. 24 - 25, 04 ago. 2017.

9.
LYNCH. Por que o Rio deveria virar um segundo Distrito Federal, segundo este pesquisador. Nexo, São Paulo, 04 maio 2017.

10.
LYNCH. 'Há um descompasso entre o país legal e o país real' (entrevista). Gazeta do Povo, Curitiba, 08 out. 2015.

11.
LYNCH. Saquaremas petistas e luzias tucanos. O GLOBO, Rio de Janeiro, p. 6 - 6, 14 out. 2014.

12.
LYNCH. Uma ditadura original. O Dia, Rio de Janeiro, 20 mar. 2014.

13.
LYNCH. A origem da sociologia do desgosto com o Brasil (entrevista). Monitor Mercantil, Rio de Janeiro, 21 jul. 2012.

14.
LYNCH. Os ideais politicos de Joaquim Nabuco. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 22 ago. 2003.

15.
LYNCH. O Segredo de Monteiro Souto. Uni-Juris - Cadernos de Direito, Rio de Janeiro, p. 8 - 8, 01 nov. 1994.

16.
LYNCH. A melhor solução para a crise fluminense é acabar logo com o Estado do Rio. Gazeta do Povo, Curitiba.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
LYNCH. Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, história, abordagens.. In: X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, 2015, Belo Horizonte. Anais eletrônicos do X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, 2016.

2.
LYNCH. A República Aristocrática ? o discurso político conservador da Primeira República.. In: 6º Encontro da ABCP Unicamp - Campinas - SP - 29 a 01 de Agosto de 2008, 2008, Campinas. Anais do VII Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP) - trabalhos completos, 2010., 2008.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
LYNCH. A modernidade como critério de uma história contextual na periferia. In: VII Conferência Internacional de História do Conceito, 2004, Rio de Janeiro. Diálogos Transatlânticos, 2004. p. 47-49.

Artigos aceitos para publicação
1.
LYNCH; CHALOUB, J. G. . O pensamento político-constitucional da República de 1988: um balanço preliminar. REVISTA QUAESTIO IURIS, 2018.

2.
LYNCH. Nacionalismo em crisálida: o discurso de posse de Alberto Torres no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRAPHICO BRAZILEIRO, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
LYNCH; CASSIMIRO, P. H. P. . A liberdade pela forma: Bolívar Lamounier e a interpretação liberal do pensamento político brasileiro. 2018. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
LYNCH. Um conservadorismo caleidoscópio: Edmund Burke a cultura política do Brasil oitocentista. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

3.
LYNCH. Revisitando o conceito de Sattelzeit na América Latina. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

4.
LYNCH. Alberto Torres e o pensamento nacionalista brasileiro. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

5.
LYNCH. Tradições da história intelectual no Brasil. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

6.
LYNCH. Crise do Estado do Rio de Janeiro. 2017. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

7.
LYNCH. Entre a velha e a nova ciência política: continuidade e renovação acadêmica nas primeira década da Revista Dados (1966-1976). 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

8.
LYNCH. Clóvis no contexto político republicano. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

9.
LYNCH. Rui Barbosa: República e direitos fundamentais. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

10.
LYNCH. Visconde do Uruguai: realismo periférico, construção do Estado e geopolítica na América Ibérica oitocentista. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

11.
LYNCH. Teoria social e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

12.
LYNCH. Utopia ou teoria da justiça? O idealismo de Rui Barbosa revisitado. 2016. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

13.
LYNCH. Por uma história constitucional brasileira: uma crítica pontual à doutrina da efetividade. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

14.
LYNCH. Federalismo na Primeira República. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

15.
LYNCH. Jurisdição constitucional, estado de sítio e intervenção federal na Primeira República. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

16.
LYNCH. O caleidoscópio conservador: presença de Burke no Brasil. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

17.
LYNCH. Pensamento político brasileiro: abordagens, métodos e tradições institucionais. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

18.
LYNCH. Uma leitura política de Sobrados e Mocambos, de Gilberto Freye, em seu 80 aniversário. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

19.
LYNCH. Cartografias do pensamento político brasileiro. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

20.
LYNCH. Aspectos metodológicos de estudos sobre teoria e pensamento político brasleiro. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

21.
LYNCH. O caleidoscópio conservador: presença de Burke no Brasil. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

22.
LYNCH. A nova velha direita: o retorno do conservadorismo no Brasil. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

23.
LYNCH. Da velha à nova ciência política: continuidade e renovação acadêmica nos primórdios da revista Dados (1966-1976). 2016. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

24.
LYNCH. Elementos para uma história do pensamento ibero-americano enquanto pensamento periférico: reflexões a partir do caso brasileiro. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

25.
LYNCH. Interpretações do pensamento político brasileiro: uma reavaliação. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

26.
LYNCH. Engenharia institucional e modernização: a lógica periférica da história constitucional brasileira. 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

27.
LYNCH. Teoria pós-colonial e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955). 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

28.
LYNCH. O moderno pelo formalismo - por uma crítica do conceito de inefetividade na história constitucional. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

29.
LYNCH. A construção das imagens públicas de Dom Pedro II e Getúlio Vargas. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

30.
LYNCH. Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o pensamento político do Marquês de Caravelas. 2015. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

31.
LYNCH. Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de 'regresso' na virada conservadora brasileira (1838-1843). 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

32.
LYNCH. Por que pensamento e não teoria? A imaginação política brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

33.
LYNCH. From riffraff despotism to starched collar democracy: a history of the concept of democracy in Brazil (1770-1870). 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

34.
LYNCH. Positivismo versus liberalismo: José Veríssimo, crítico de Joaquim Nabuco. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

35.
LYNCH. Por uma história constitucional brasileira. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

36.
LYNCH. Por que pensamento e não teoria? O pensamento político brasileiro e o fantasma da condição periférica. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

37.
LYNCH. A República que não era velha. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

38.
LYNCH. O Império da Moderação: agentes da recepção do pensamento político europeu e construção da hegemonia ideológica do liberalismo moderado no Brasil imperial.. 2013. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

39.
LYNCH. O lugar e o papel político da Justiça no Brasil Imperial: dois momentos. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

40.
LYNCH. Reinventando a filosofia da história - Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de regresso. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

41.
LYNCH. A posteridade da era brasileira das revoluções -­ a formação político-­partidária de uma rivalidade historiográfica. 2013. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

42.
LYNCH. Desenvolvimento político comparado e circulação internacional de conceitos: esboço de uma teoria da recepção do ideário polítco-jurídico nos países periféricos. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

43.
LYNCH. O pensamento brasileiro da década de 1960 e o fantasma da condição periférica. 2012. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

44.
LYNCH. Existe uma história constitucional brasileira?. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

45.
LYNCH. História do conceito de democracia no Brasil (1770-1870). 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

46.
LYNCH. Para uma crítica da história constitucional brasileira. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

47.
LYNCH. História do conceito de democracia no Império. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

48.
LYNCH. Judiciarismo e antijudiciarismo no pensamento constitucional da Primeira República. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

49.
LYNCH. A questão da judicialização da política na Primeira República. 2012. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

50.
LYNCH. O Caminho para Washington Passa por Buenos Aires: o conceito de estado de sítio na primeira década republicana (1892-1898).. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

51.
LYNCH, C.E.C. ; LYNCH . La foule est foule, la foule est femme: o povo da revolta da Vacina visto pelo debate parlamentar do estado de sítio (1904-1905). 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

52.
SANTOS, W. G. ; LYNCH . Rui e os direitos sociais. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

53.
LYNCH. O conceito de estado de sítio no século XIX. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

54.
LYNCH. O Caminho para Washington passa por Buenos Aires: o conceito de estado de sítio na primeira república. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

55.
COSER, I. ; LYNCH . A era brasileira das revoluções - a formação político-partidária de uma rivalidade historiográfica.. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

56.
LYNCH. Recepción del concepto de pouvoir neutre en la construcción imperial de Brasil: un caso de cambio conceptual de centro a periferia. 2011. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

57.
LYNCH. Desenvolvimento político comparado; circulação de idéias e sua adaptação no contexto centro-periferia. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

58.
LYNCH. Separação de poderes e linguagem jurídico-política no Brasil Imperial. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

59.
LYNCH. Odres novos, vinhos velhos: o ativismo judiciário e o risco de despotismo ilustrado. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

60.
LYNCH. O conceito de estado de sítio na primeira década republicana. 2011. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

61.
LYNCH. O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

62.
LYNCH. Linguagens políticas e direito constitucional: o caso imperial brasileiro.. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

63.
LYNCH. O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

64.
LYNCH. O ativismo judicial brasileiro e o risco do despotismo ilustrado. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

65.
LYNCH. Los conceptos de democracia y liberdade en Brasil. 2009. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

66.
LYNCH. A ordem constitucional de 1891: justiça constitucional, estado de sítio e intervenção federal. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

67.
LYNCH. Nilo Peçanha e o panorama ideológico da Primeira República. 2009. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

68.
LYNCH. o STF julga e não governa, ou julga, governa e administra? Os velhos dilemas do novo poder moderador. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

69.
LYNCH. Representação e Instituições Políticas da Primeira República. 2009. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

70.
LYNCH. Em Torno do Pensamento Político Brasileiro: cinco questões.. 2009. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

71.
LYNCH. A democracia aristocrática - a teoria política conservadora da Primeira República. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

72.
LYNCH. Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o Marquês de Caravelas e a formação da teoria política e constitucional brasileira. 2008. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

73.
LYNCH. A democracia aristocrática de Gilberto Amado. 2008. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

74.
LYNCH. Temas da história constitucional brasileira. 2008. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

75.
LYNCH. A águia e suas sombras: Rui Barbosa, arquiteto da República e pedagogo da democracia. 2008. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

76.
LYNCH. Encruzilhadas da modernização democrática no Brasil: os casos de Rui Barbosa e Joaquim Nabuco. 2007. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

77.
LYNCH. Encruzilhadas da modernização democrática brasileira: os casos de Rui Barbosa e Joaquim Nabuco. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

78.
LYNCH. Los conceptos de liberalismo y república en Brasil. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

79.
LYNCH. O pensamento político dos doutrinários franceses e as revoluções de 1830 e 1848. 2007. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

80.
LYNCH. O debate político-constitucional da independência: o caso do Marquês de Caravelas. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

81.
LYNCH. A razão de Estado no discurso conservador brasileiro do século XIX. 2006. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

82.
LYNCH. Do direito à política: Rui Barbosa e o controle de constitucionalidade. 2006. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

83.
LYNCH. A voz do Leviatã pela boca de Behemoth: o estado de exceção, o poder moderador e o controle normativo de constitucionalidade como meios de expressão da unidade do poder soberano. 2005. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

84.
LYNCH. A modernidade como critério de uma história do conceito na periferia.. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

85.
LYNCH. Poder moderador e modernização no debate político republicano (1889-1930).. 2004. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

86.
LYNCH. Raynal, Sieyès, Condorcet, Burke, Paine e a Revolução Francesa. 2002. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

87.
LYNCH. Os neo-republicanos ingleses e a Revolução Puritana de 1640. 2002. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

88.
LYNCH. O liberalismo doutrinário francês : Stäel, Constant, Guizot e Royer-Collard. 2002. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

89.
LYNCH. François Guizot. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

90.
LYNCH. Benjamin Constant. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

91.
LYNCH. Edmund Burke. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

92.
LYNCH. Sieyès. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

93.
LYNCH. Montesquieu. 2001. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

94.
LYNCH. Edmund Burke. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

95.
LYNCH. Benjamin Constant. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

96.
LYNCH. François Guizot. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

97.
LYNCH. Benjamin Constant. 1999. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
LYNCH. Apresentação de 'Clamar e agitar sempre', de José Murilo de Carvalho. Rio de Janeiro, 2018. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

2.
LYNCH; ARAUJO, C. R. . Prefácio ao livro Democracia Inacabada, de Pierre Rosanvallon. São Paulo, 2018. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

3.
LYNCH. A democracia inacabada, de Piere Rosanvallon. São Paulo: Alameda, 2018. (Tradução/Livro).

4.
LYNCH. Apresentação de 'Rio Branco: grande estratégia e o poder naval', de João Paulo Soares Alsina Junior. Rio de Janeiro, 2015. (Prefácio, Pósfacio/Apresentação)>.

5.
LYNCH. Prefácio a 'Uma Sociologia Abortada: Tobias Barreto e a crítica da sociologia', de Edison Bariani. São Paulo, 2014. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio)>.

6.
LYNCH. Por uma História do Político. São Paulo: Alameda, 2010. (Tradução/Livro).


Produção técnica
Assessoria e consultoria
1.
LYNCH; LOPES, A. H. ; ROUCHOU, J. ; ARAUJO, G. . Entrevistando Luiz Werneck Vianna para a Revista Escritos n. 4 da FCRB. 2010.

2.
LYNCH. Membro do Comitê Científico do II Encontro Nacional de História do Direito. 2006.

3.
LYNCH. Assistente da comissão organizadora do IV Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 2001.

4.
LYNCH. Assistente da comissão organizadora do III Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 2000.

5.
LYNCH. Assistente da Comissão Organizadora do II Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 1999.

Trabalhos técnicos
1.
LYNCH. Primeiro parecer para a Latin America Research Review (LARR). 2018.

2.
LYNCH. Primeiro parecer elaborado para a Revista Geopolítica(s): revista de estudios sobre espacio y poder (Madrid). 2018.

3.
LYNCH. Quarto artigo para a Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). 2018.

4.
LYNCH. Sexto parecer para a CAPES (pedido de bolsa para professor visitante júnior no exterior). 2018.

5.
LYNCH. Primeiro parecer para projeto de pesquisa submetido à Fundação Nacional para o Desenvolvimento do Ensino Superior Particular (FUNADESP). 2018.

6.
LYNCH. Segundo parecer para a Revista da Faculdade de Direito da UFPR. 2018.

7.
LYNCH. Décimo parecer para a revista DADOS. 2018.

8.
LYNCH. Primeiro parecer para a American Journal of Legal History. 2018.

9.
LYNCH. Quinto parecer para a Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). 2018.

10.
LYNCH. Trigésimo terceiro para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2018.

11.
LYNCH. Trigésimo-quarto parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2018.

12.
LYNCH. Trigésimo quinto parecer para o CNPq (pedido de bolsa de doutorado no exterior). 2018.

13.
LYNCH. Primeiro parecer para a revista Opinião Pública (UNICAMP). 2018.

14.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Em Tese (UFSC). 2017.

15.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Estudos de Sociologia (UNESP). 2017.

16.
LYNCH. Trigésimo-primeiro parecer para o CNPq (Apoio à Participação em Eventos Científicos no Exterior). 2017.

17.
LYNCH. Segundo parecer para a Brazilian Political Science Review. 2017.

18.
LYNCH. Primeiro parecer para o Prêmio ABCP de melhor tese (2017). 2017.

19.
LYNCH. Terceiro parecer para a Brazilian Political Science Review. 2017.

20.
LYNCH. Trigésimo segundo parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2017.

21.
LYNCH. Trigésimo-quarto parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2017.

22.
LYNCH. Trigésimo-terceiro parecer para o CNPq (pedido de bolsa de mestrado (programa pec-pg). 2017.

23.
LYNCH. Trigésimo-quinto parecer para o CNPq (bolsa de produtividade). 2017.

24.
LYNCH. 36º parecer para o CNpq (pós-doutorado no exterior). 2017.

25.
LYNCH. 37 parecer para o Cnpq (pedido de doutorado pleno no exterior). 2017.

26.
LYNCH. Vigésimo-sexto parecer para o CNPq (pedido de pós-doutoramento no exterior). 2016.

27.
LYNCH. Vigésimo-sétimo parecer para o CNPq (pedido de pós-doutorado júnior). 2016.

28.
LYNCH. Segundo parecer para a FAPESP (bolsa de doutoramento no exterior). 2016.

29.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista da Faculdade de Direito UFPR. 2016.

30.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Brasileira de Estudos Políticos (UFMG). 2016.

31.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Contexto Internacional. 2016.

32.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Brasileira de História (RBH). 2016.

33.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Estudos Históricos (CPDOC-FGV). 2016.

34.
LYNCH. Terceiro parecer para a Revista Estudos Políticos. 2016.

35.
LYNCH. Primeiro parecer para a Editora da UNICAMP. 2016.

36.
LYNCH. Primeiro parecer para Topói - Revista de História. 2016.

37.
LYNCH. Vigésimo-oitavo parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2016.

38.
LYNCH. Vigésimo-nono parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2016.

39.
LYNCH. Trigésimo parecer para o CNPq (pedido de bolsa de pós-doutorado sênior). 2016.

40.
LYNCH. Terceiro parecer para artigo submetido à Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). 2016.

41.
LYNCH. Quinto pedido para a CAPES (financiamento para eventos). 2016.

42.
LYNCH. Segundo parecer para a Revista Teoria & Prática (UFSCAR). 2016.

43.
LYNCH. Primeiro parecer pra a Revista Política & Sociedade. 2016.

44.
LYNCH. Vigésimo-quinto parecer para o CNPq (pedido de doutoramento no exterior). 2016.

45.
LYNCH. Décimo-quarto parecer para o CNPq (pedido de bolsa para doutoramento no exterior). 2015.

46.
LYNCH. Décimo-quinto parecer para o CNPq (pedido de bolsa de pós-doutoramento no Brasil). 2015.

47.
LYNCH. Sétimo parecer para a revista DADOS. 2015.

48.
LYNCH. Quarto parecer para a CAPES (pedido de fomento para estágio sênior no exterior). 2015.

49.
LYNCH. Décimo-sexto parecer para o CNPq (pedido de bolsa para pós-doutorado junior). 2015.

50.
LYNCH. Décimo-sétimo parecer para o CNPq (apoio a evento no exterior). 2015.

51.
LYNCH. Terceiro parecer sobre artigo submetido à revista Almanack. 2015.

52.
LYNCH. Primeiro parecer para a Brazilian Political Science Review (BPSR). 2015.

53.
LYNCH. Décimo-oitavo parecer ao CNPq (pedido de bolsa para doutorado no exterior). 2015.

54.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Brasileira de Ciência Política (RBCP). 2015.

55.
LYNCH. Primeiro parecer para a revista História da Historiografia. 2015.

56.
LYNCH. Primeiro parecer para a Contributions to the History of Concepts. 2015.

57.
LYNCH. Segundo parecer para a Contributions to the History of Concepts. 2015.

58.
LYNCH. Terceiro parecer para a Contributions to the History of Concepts. 2015.

59.
LYNCH. Segundo parecer para a revista Estudos Políticos. 2015.

60.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista de Estudios Sociojuridicos (Colombia). 2015.

61.
LYNCH. Vigésimo parecer para o CNPq ( pedido de renovação de bolsa de produtividade). 2015.

62.
LYNCH. Décimo-nono parecer para o CNPq (pedido de renovação de bolsa de produtividade). 2015.

63.
LYNCH. Vigésimo-primeiro parecer para o CNPq (Apoio à Participação em Eventos Científicos no Exterior). 2015.

64.
LYNCH. Segundo parecer para a Revista Brasileira de Ciência Política (RBCP). 2015.

65.
LYNCH. Primeiro parecer para a Revista Teoria & Pesquisa (UFSCAR). 2015.

66.
LYNCH. Nono parecer para a Revista DADOS. 2015.

67.
LYNCH. Oitavo parecer para a Revista DADOS. 2015.

68.
LYNCH. Vigésimo-segundo parecer para o CNPq (apoio a projetos de pesquisa). 2015.

69.
LYNCH. Vigésimo-terceiro parecer para o CNPq (apoio a projetos de pesquisa). 2015.

70.
LYNCH. Vigésimo-quarto parecer para o CNPq (apoio a projetos de pesquisa). 2015.

71.
LYNCH. Sexto parecer sobre artigo submetido para a Revista DADOS. 2014.

72.
LYNCH. Primeiro parecer para a FAPESP (bolsa de pós-doutoramento). 2014.

73.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido à Revista Sul Americana de Ciência Política (UFPEL). 2014.

74.
LYNCH. Primeiro parecer para artigo submetido à Revista Pensata (UNIFESP). 2014.

75.
LYNCH. Segundo parecer para a CAPES (pedido de auxílio para evento estrangeiro). 2014.

76.
LYNCH. Primeiro parecer para a CAPES (pedido de bolsa de pós-doutoramento). 2014.

77.
LYNCH. Quinto parecer para o CNPq (pedido de bolsa para doutoramento no exterior). 2014.

78.
LYNCH. Sexto parecer para o CNPq (pedido de fomento para evento no exterior). 2014.

79.
LYNCH. Sétimo parecer para o CNPq (pedido de fomento para realização de pesquisa). 2014.

80.
LYNCH. Oitavo parecer para o CNPq (apoio a projetos de pesquisa). 2014.

81.
LYNCH. Nono parecer ao CNPq (apoio a projetos de pesquisa). 2014.

82.
LYNCH. Décimo parecer ao CNPq (apoio a evento no exterior). 2014.

83.
LYNCH. Terceiro parecer para a CAPES (fomento para evento no exterior). 2014.

84.
LYNCH. Parecer acerca de artigo submetido à revista Escritos (FCRB). 2014.

85.
LYNCH. Décimo-primeiro parecer ao CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2014.

86.
LYNCH. Décimo-segundo parecer para o CNPq (pedido de bolsa de produtividade). 2014.

87.
LYNCH. Décimo-terceiro parecer para o CNPq (apoio a evento no exterior). 2014.

88.
LYNCH. Quinto parecer produzido para artigo submetido à Revista DADOS. 2013.

89.
LYNCH. Avaliação interna de bolsistas de iniciação científica - UNIRIO.. 2013.

90.
LYNCH. Parecer sobre artigo submetido à Revista Estudos Políticos. 2013.

91.
LYNCH. Segundo Primeiro parecer para artigo submetido à avaliação para a Revista Almanack (UNIFESP). 2013.

92.
LYNCH. Primeiro parecer sobre pedidos de bolsa de produtividade para o CNPQ. 2013.

93.
LYNCH. Segundo parecer sobre pedidos de bolsa de produtividade para o CNPQ. 2013.

94.
LYNCH. Terceiro parecer sobre pedidos de bolsa de produtividade para o CNPQ. 2013.

95.
LYNCH. Quarto parecer sobre pedidos de bolsa de produtividade para o CNPQ. 2013.

96.
LYNCH. Sexto parecer para o CNPq (edital universal). 2013.

97.
LYNCH. Primeiro parecer para artigo submetido à avaliaçã para a Revista Almanack Braziliense (UNIFESP). 2012.

98.
LYNCH. Terceiro parecer sobre artigo submetido à avaliação para publicação na Revista DADOS (IESP_UERJ). 2012.

99.
LYNCH. Quarto parecer a artigo submetido à publicação na Revista DADOS (IESP_UERJ). 2012.

100.
LYNCH. Avaliação interna de bolsistas de iniciação científica - UNIRIO. 2012.

101.
LYNCH. Primeiro parecer para artigo submetido à avaliação para a revista da ANPHLAC (UFRJ). 2012.

102.
LYNCH. Segundo parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista de Sociologia e Política (UFPR). 2012.

103.
LYNCH. Primeiro parecer para artigo submetido à avaliação para a Revista HABITUS (UFRJ). 2012.

104.
LYNCH. Primeira parecer sobre artigo submetido à avaliação para Revista Temporalidades (UFMG). 2012.

105.
LYNCH. Terceiro parecer sobre artigo submetido à Revista de Sociologia e Política (UFPR). 2012.

106.
LYNCH. Segundo parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista Sequência (UFSC). 2011.

107.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista CEJ - Centro de Estudos Jurídicos da Justiça Federal. 2011.

108.
LYNCH. Avaliador externo de atividades de bolsistas PIBIC da UERJ. 2011.

109.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista Mediações (UEL). 2011.

110.
LYNCH. Avaliação interna de atividades de bolsistas PIBIC da UGF. 2011.

111.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista de Sociologia e Política (UFPR). 2011.

112.
LYNCH. Avaliação interna de atividades de bolsistas PIBIC da UNIRIO. 2011.

113.
LYNCH. Segundo parecer para Revista DADOS (IESP-UERJ). 2011.

114.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). 2010.

115.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação para a Revista de Sociologia e Política (UFSC). 2010.

116.
LYNCH. Segundo parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). 2010.

117.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na Revista Sequência (UFSC). 2010.

118.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido para publicação na DADOS (IESP-UERJ). 2009.

119.
LYNCH. Membro do Comitê Científico do Seminário Teoria Política, Teoria do Direito e Teoria Social Brasileira. 2009.

120.
LYNCH. Segundo parecer sobre artigo submetido para publicação à revista CONFLUÊNCIAS (UFF). 2009.

121.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo encaminhado para a revista JURISPOIESIS (UNESA). 2009.

122.
LYNCH. Parecer sobre a constitucionalidade do projeto de decreto legislativo 413 de 2007. 2008.

123.
LYNCH. Primeiro parecer sobre artigo submetido à publicação para a revista CONFLUÊNCIAS (UFF). 2008.

124.
LYNCH. Parecer sobre a possibilidade de emenda legislativa em acordos internacionais celebrados pelo Poder Executivo. 2008.

125.
LYNCH. Comentário ao artigo de Carole Leal "De los muchos uno: el concepto de federalismo en el espacio ibero-americano". 2008.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
LYNCH. Barroso e Gilmar são vitrines de um Judiciário ativista. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

2.
LYNCH. 'O Supremo tornou-se hoje o órgão mais poderoso da República', diz cientista político. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

3.
LYNCH. Ruy Barbosa desafiou elite da República Velha e fez 1ª campanha eleitoral moderna do Brasil. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

4.
LYNCH. Lula et les eléctions au Brésil. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

5.
LYNCH. Nova Constituição: por que isso é um perigo agora. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

6.
LYNCH. 30 anos da Constituição cidadã. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

7.
LYNCH. 'Bolsnaro peut être une sorte de Poutine tropical'. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

8.
LYNCH. Au Brésil la tentation de l'extrême droite. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

9.
LYNCH. Election au Brésil: sur le chemin du fascisme?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

10.
LYNCH. A quoi rassemblerait le Brésil de Jair Bolsonaro. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

11.
LYNCH. Um novo regime?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

12.
LYNCH. Eleição na chapa - Especialista analisa elo entre Bolsonaro e renascimento conservador; ouça: Christian Lynch afirma que ideologia pode voltar ao poder no Brasil depois de mais de 30 anos. 2018.

13.
LYNCH. Para especialistas, intervenção federal no RJ é inconstitucional e não dá resultados. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

14.
LYNCH. Intervenção federal: forças armadas enxugam gelo há sete meses no Rio. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

15.
LYNCH. Intervenção federal no Rio é o ápice do fracasso administrativo. 2018. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

16.
LYNCH. A preparar o futuro, Temer avança para as eleições e quer levar Meirelles consigo. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

17.
LYNCH. O discurso que o Lula fez antes de ser preso é antidemocrático?. 2018. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

18.
LYNCH. Entrevista sobre Rui Barbosa ao Podcast 'Salvo Melhor Juízo', de Thiago Hansen. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

19.
LYNCH. Morreu Antonio Candido, vulto maior da cultura brasileira. 2017. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

20.
LYNCH. Reformas são mais importantes para elite econômica do que a preservação de Temer, diz analista. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

21.
LYNCH; RAMIRO JR, L. C. . A crise do Rio e a criação do segundo Distrito Federal. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

22.
LYNCH. Por que o Rio deveria virar um segundo Distrito Federal, segundo este pesquisador. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

23.
LYNCH. Crise no Rio seria resolvida se cidade virasse segunda capital, diz pesquisador. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

24.
LYNCH. Le président Michel Temer formellement accusé de corruption passive. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

25.
LYNCH. Por que não transformar o Rio em segunda capital do Brasil?. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

26.
LYNCH. A história pode ser remédio para acabar com crise institucional, diz Christian Lynch Cientista político critica a ?poluição intelectual? nas discussões jurídicas e explica como a história do direito pode ajudar a tirar o Brasil da crise institucional. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

27.
LYNCH. Opinião: somente as eleições de 2018 podem nos livrar da atual 'ratoeira' política. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

28.
LYNCH. Oito vezes em que a 'dignidade institucional' do STF foi ofendida. 2017. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

29.
LYNCH. Rui Barbosa. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

30.
LYNCH. Uma democracia, duas capitais. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

31.
LYNCH. Guia politicamente incorreto da História do Brasil. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

32.
LYNCH. Para especialistas, crise ética do Rio junta história é tempestade perfeito. 2017. (Programa de rádio ou TV/Comentário).

33.
LYNCH. Retrospectiva política de 2017. 2017. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

34.
LYNCH. Tras el escándalo Petrobras, quién queda limpio en Brasil?. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

35.
LYNCH. Há 190 anos, Senado ajuda a debelar as grandes crises do Brasil. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

36.
LYNCH. O impeachment e a crise política e econômica atual. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

37.
LYNCH. El Brasil de Michel Temer cumple seis meses: los desafios de un presidente con poder prestado. 2016. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

38.
LYNCH. TV Justiça - Tempo e história: Nélson Hungria. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

39.
LYNCH. Entrevista ao Podcast do Instituto Mises Brasil - Bruno Garschagen. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

40.
LYNCH. Aniversário da abolição da escravatura na Casa de Rui Barbosa. 2015. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

41.
LYNCH. Os vândalos de outrora. 2014. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

42.
LYNCH; JABER, J. . Rádio Nacional - Programa Tema Livre (Vai a Copa e vem a urna). 2014.

43.
LYNCH. TV Brasil - De lá pra cá: Rui Barbosa. 2013.

44.
LYNCH. TV Justiça - Tempo e história - Rui Barbosa. 2013.

45.
LYNCH. Rádio Estadão: Grandes brasileiros traz a história de Rui Barbosa. 2013.

46.
LYNCH; ALENCAR, C. ; GIL, Renata . Rádio Nacional - Tema Livre (A PEC 33 de 2011 e o conflito entre os poderes legislativo e judiciário). 2013.

47.
ROCCO, R. ; LYNCH . Rádio Nacional - Programa Tema Livre (Plebiscito, reforma política e as ruas). 2013.

48.
LYNCH; ROCHA, V. B. ; COSER, I. ; LEFEVRE, F. ; SALDANHA, M. ; LINCE, L. . Rádio Nacional - Programa Tema Livre (Marco civil e as ruas). 2013.

49.
LYNCH. Mais brasileiros: Rui Barbosa (+ Globosat). 2013.

50.
LYNCH. Mais brasileiros: Marechal Deodoro da Fonseca (+ Globosat). 2013.

51.
LYNCH. Revista Carioquice - A chácara dos sonhos. 2013. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

52.
LYNCH. TV Brasil - Eleições Municipais. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

53.
LYNCH. Tv Senado - NABUCO.doc. 2010.

54.
LYNCH; FIGUEIREDO, A. M. C. . GTN - A CPI dos Sanguessugas. 2006. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

Redes sociais, websites e blogs
1.
LYNCH. Radicalização religiosa. 2015; Tema: Sobre o atentado ao jornal Charlie Hebdo em Paris. (Blog).

2.
LYNCH. Palpite. 2015; Tema: Sobre os precedentes de presidentes que não terminaram seus mandatos. (Blog).

3.
LYNCH. Presidencialismo de caolizão em crise. 2015; Tema: Aperfeiçoamento institucional. (Blog).

4.
LYNCH. Amigo-inimigo. 2015; Tema: Sobre a lógica polarizada de argumentação dos extremos políticos. (Blog).

5.
LYNCH. A crise e o potencial suicídio institucional. 2015; Tema: Sobre o rompimento do presidente da Câmara dos Deputados com o governo e suas consequências institucionais. (Blog).

6.
LYNCH. Eduardo Cunha, a voz dos ?batalhadores?. 2015; Tema: Sobre a construção do discurso de Eduardo Cunha, voltado para a baixa classe média emergente. (Blog).

7.
LYNCH. O impeachment e a novíssima República. 2015; Tema: Sobre os possíveis desdobramentos do conflito entre a presidente Dilma e a presidência da Câmara. (Blog).

8.
LYNCH. A farsa do eterno retorno de 1964 a a falência da imaginação política. 2015; Tema: Sobre as equivocadas analogias entre 2015 e 1964. (Blog).

9.
LYNCH. O abraço do afogado. 2015; Tema: Sobre a deterioração da governabilidade da presidência Dilma e suas consequências sobre uma eventual candidatura Lula. (Blog).

10.
LYNCH. FOGO NO CIRCO!. 2015; Tema: Sobre a deflagração do processo de impeachment da presidente Dilma. (Blog).

11.
LYNCH. O poder moderador. 2015; Tema: Sobre o papel arbitral exercido pelo Supremo Tribunal na condução do processo de impeachment. (Blog).

12.
LYNCH. Saquaremas petistas e luzias tucanos. 2014; Tema: Análise da luta partidária na eleição presidencial de 2014. (Blog).

13.
LYNCH. Do alto da torre. 2014; Tema: Considerações sobre o cenário pós-eleitoral. (Blog).

14.
LYNCH. Sobre as analogias entre o PSDB atual e a velha UDN. 2014; Tema: Analogias entre antigos e novos partidos. (Blog).


Demais tipos de produção técnica
1.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 80. 2018. (Editoração/Periódico).

2.
LYNCH. Revista Insight Inteligência nº 76. 2017. (Editoração/Periódico).

3.
LYNCH. Revista Insight Inteligência nº 78. 2017. (Editoração/Periódico).

4.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 79. 2017. (Editoração/Periódico).

5.
LYNCH. Revista Insight Inteligência nº 77. 2017. (Editoração/Periódico).

6.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 72. 2016. (Editoração/Periódico).

7.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 73. 2016. (Editoração/Periódico).

8.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 74. 2016. (Editoração/Periódico).

9.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 75. 2016. (Editoração/Periódico).

10.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 68. 2015. (Editoração/Periódico).

11.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 69. 2015. (Editoração/Periódico).

12.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 70. 2015. (Editoração/Periódico).

13.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 71. 2015. (Editoração/Periódico).

14.
LYNCH. Teoria política y construcción del Estado en Latino-América (Mendonza/Argentina). 2014. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

15.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 64. 2014. (Editoração/Periódico).

16.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 65. 2014. (Editoração/Periódico).

17.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 66. 2014. (Editoração/Periódico).

18.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 67. 2014. (Editoração/Periódico).

19.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 60. 2013. (Editoração/Periódico).

20.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 61. 2013. (Editoração/Periódico).

21.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 62. 2013. (Editoração/Periódico).

22.
LYNCH. Revista Insight Inteligência n. 63. 2013. (Editoração/Periódico).

23.
LYNCH. O Sistema Político Brasileiro. 2012. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

24.
LYNCH. O Poder Judiciário no Brasil e a questão de seu controle. 2012. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

25.
LYNCH. Revista Ciências Sociais, volume 17, 2011. 2011. (Editoração/Periódico).

26.
LYNCH. Teoria Geral do Estado e Pensamento Constitucional Brasileiro. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

27.
LYNCH. Revista Ciências Sociais, volume 16, 2010. 2010. (Editoração/Periódico).

28.
LYNCH. Governo e Legislativo: as relações entre os poderes do Estado no Brasil contemporâneo. 2009. (Curso de curta duração ministrado/Especialização).

29.
LYNCH. Etapas da construção do Estado e suas instituições (Luanda/Angola). 2009. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

30.
LYNCH. O processo de construção do Estado na Argentina e no Chile e a emergência dos movimentos antioligárquicos. 2009. (Relatório de pesquisa).

31.
LYNCH; VERONESE, A. ; FERREIRA, G. S. T. ; SOUZA NETO, C. P. . Curso de capacitação em licitações e contratos administrativos. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

32.
LYNCH. Curso de Extensão sobre Métodos Qualitativos em Ciências Sociais, oferecido por Eric Soriano (Montpellier I) na UFF. 2007. (Tradução).

33.
LYNCH. Curso de Extensão sobre Educação Jurídica - Brasil e França, ministrado pelo prof. Michel Miaille (Montpellier I). 2007. (Traduação).

34.
LYNCH. A Ordem Constitucional de 1891. 2006. (Relatório de pesquisa).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
LYNCH; MACEDO, P. E. V. B.; BARRETTO, R. Z.. Participação em banca de Brenda Maria Ramos Araújo. O direito internacional segundo Rui Barbosa. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

2.
LYNCH; PEREIRA, L. R.; MOLLO, H. M.. Participação em banca de Larissa Breder Teixeira. A linguagem da prudência como guia do debate político brasileiro no Senado Imperial em 1832. 2018. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto.

3.
LYNCH; FLORES, A. J. D. M.; CABRAL, G. C. M.; OLIVEIRA, R. V.; GRIJO, L. A.. Participação em banca de Pedro Prazeres Fraga Pereira. "A maior construção política do século": a Constituição rio-grandense de 1891 e as linguagens políticas republicanas. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

4.
LYNCH; CHALOUB, J. G.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Christian Edward Cyril Lynch. Os comunistas e o desenvolvimento do capitalismo tardio no Brasil. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

5.
LYNCH; PEREIRA, L. R.; ARAUJO, V. L.. Participação em banca de Gabriel Conselheiro Antunes Campos. A diplomacia da independência: conceitos e linguagem nas negociações pelo reconhecimento da independência do Brasil (1821-1826). 2017. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto.

6.
LYNCH; FONSECA, R. M.; SIQUEIRA, G. S.. Participação em banca de Taísa Rodrigues. Às vésperas da Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1934: história da eugenia e de sua positivação constitucional. 2017. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

7.
LYNCH; FERREIRA, G. S. T.; PARAGUASSU, M.. Participação em banca de Bruno Miguel Drude. Federalismo na Constituição de 1891: a Revolta de Princesa - guerra tributária, reforma administrativa e reação oligárquica. 2017. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) - Universidade Federal Fluminense.

8.
LYNCH; COMPARATO, F. K.; FERNANDES, M. F. L.. Participação em banca de Caio Fernando Alves Duarte Santos. A laicidade em perspectiva comparada: a formação da matriz institucional da separação entre Estado e Igreja (1891-1988). 2017. Dissertação (Mestrado em CIÊNCIAS SOCIAIS) - Universidade Federal de São Paulo.

9.
LYNCH; ARAUJO, V. L.; RANGEL, M. M.. Participação em banca de Vinicius de Souza. Experiência da história em um Império em construção: narrativas, linguagens, conceitos e metáforas em Francisco Sales Torres Homem. 2017. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Ouro Preto.

10.
LYNCH; GUIMARÃES, C.; LOVATTO, A.. Participação em banca de Helio Maurício Pirajá Cannone. Passado, desenvolvimento e futuro: a relação entre história e política na obra de três intelectuais do ISEB. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

11.
LYNCH; CAMPOS, L. A. C.; JESUS, M. G.. Participação em banca de Weslley Luiz de Azevedo Dias. Açúcar amargo: as tendências desagregadoras da agricultura açucareira em Contrapunteo cubano del tabaco y del azúcar e Casa Grande & Senzala. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

12.
MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH; MARTINS, G. A.. Participação em banca de Mastroiane Bento Dias. Judiciário, constituição e saúde pública: revisitando teorias e decisões sobre o direito constitucional à saúde pública preventiva e curativa. 2016. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

13.
LYNCH; BASILE, M. O. N. C.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Lidiane Rezende Vieira. Evaristo da Veiga e a recepção do liberalismo francês nas páginas do jornal Aurora Fluminense (1827-1835). 2016. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

14.
LYNCH; CASTRO, F. L. V; SEDREZ, L. F.. Participação em banca de Elion de Souza Campos. Republucanização e pan-americanismo: a aproximação entre o Brasil e os EUA nos discursos de Salvador de Mendonça (1889-1913). 2016. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

15.
LYNCH; COMPARATO, F. K.; MARIANO, R.. Participação em banca de Caio Fernando Duarte Santos. A laicidade em perspectiva comparada: a formaão da matriz institucional da separação entre Estado e Igreja. 2016. Dissertação (Mestrado em CIÊNCIAS SOCIAIS) - Universidade Federal de São Paulo.

16.
LYNCH; MÄDER, M. N. S.; HOLANDA, C. B.; CHALOUB, J. G.. Participação em banca de Fhaiza Andrade Raick. O valor da história em Oliveira Vianna (1920-1930). 2016. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

17.
LYNCH; GUIMARÃES, C.; MONTENEGRO, D.. Participação em banca de Tamyres Ravache Alves de Marco. Um leninista não marxista: a recepção da teoria revolucionária leninista na obra de Azevedo Amaral. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

18.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; GOES, G. S.. Participação em banca de Christiane Schneiski. Modulação dos efeitos temporais da decisão de inconstitucionalidade: uma abertura legislativa para a judicialização da política e o ativismo juidicial. 2015. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

19.
LYNCH; NEVES, E. A.; GONCALVES, M. F.. Participação em banca de João Victor Rosa Cezario Bruno. A hermenêutica do Tribunal da Relação da Corte sobre a escravidão: a alforria forçada, revogação da alforria e statuliber nos anos 1850-1880. 2015. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) - Universidade Federal Fluminense.

20.
LYNCH; JASMIN, M. G.; OSTRENSKY, E.. Participação em banca de Felipe Freller. Guizot, Tocqueville e os princípios de 1789. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

21.
GUIMARÃES, C.; NEVES, G. P.; LYNCH. Participação em banca de Luiz Carlos Ramiro Junior. Entre o Syllabus e a Constituição moderna: debates políticos em torno da Questão Religiosa no Brasil (1872-1875). 2014. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

22.
CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; QUINTANA, F. D.; LYNCH. Participação em banca de Mariuscha François Wright. Pressupostos jusfilosóficos do direito subjetivo em Kant e Hegel. 2013. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

23.
LYNCH; GAMA, G. C. N.; IBRAHIM, F. Z.. Participação em banca de Cristina Bertinotti. O regime jurídico das entidades fechadas de previdência complementar. 2013. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

24.
PINHEIRO, L. A.; LESSA, A. C.; LYNCH. Participação em banca de Elizeu Santiago Tavares de Sousa. Agência, estrutura e cognição: o pensamento internacional de Joaquim Nabuco e Oliveira Lima. 2013. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

25.
COSER, I.; CARVALHO, B. S.; LYNCH. Participação em banca de Rosângela Maria de Souza. Brasil e Chile: uma análise comparada dos processos de centralização (1830-1840). 2013. Dissertação (Mestrado em História Comparada) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

26.
LYNCH; SIQUEIRA, G. S.; AMORIM, M. S.. Participação em banca de Milena dalla Bernardina. O Judiciarismo de Rui Barbosa. 2013. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

27.
CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; QUINTANA, F. D.; LYNCH. Participação em banca de Gabriel Dolabella de Lima Raemy Rangel. A legitimidade do poder judiciário no regime democrático: uma reflexão no pós-positiviismo. 2013. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

28.
NOGUEIRA, Alberto; CORVINO, M. P. F.; LYNCH. Participação em banca de Kátia Cilene da Hora Machado Bugarim. A reabertura democrática, o alargamento da cidadania e a repercussão da judicialização do direito à saúde. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

29.
NOGUEIRA, Alberto; PIRES, A. R.; LYNCH. Participação em banca de Rafael Garcia Veraldo. A aplicação do princípio da isonomia tributária ao imposto sobre a renda - pessoa física. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

30.
LYNCH; AMORIM, M. S.; COSER, I.. Participação em banca de Vinicius Hetmanek dos Passos Maciel. Pensamento jurídico-social brasileiro e o tema da cidadania (1891-1949). 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

31.
MACHADO, L. A.; LYNCH; LYRA, D. A.. Participação em banca de Athos Luiz dos Santos Vieira. Modernidade e cocaína na Belle Époque carioca: o discurso médico na construção de degenerados e delinquentes. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

32.
BARCELLOS, D. S. F.; GOMES, J. M. M.; LYNCH. Participação em banca de Leonardo Soares Bello. A unicidade e o desmembramento sindical no Brasil: obstáculo e oportunidade. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

33.
LYNCH; FLORES, A. J. D. M.; SILVA, L. R. F.; TABORDA, M. G.. Participação em banca de Jeronimo Basil Almeida. Nos primórdios da manualística civil brasileira: a obra de Ribas ante a civilística da época. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

34.
CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; SIQUEIRA, G. S.; LYNCH. Participação em banca de Maurício Pires Guedes. A Escola da Exegese, o constitucionalismo clássico e a jurisprudência sociológica norte-americana: três momentos da teoria do direito no pensamento jurídico brasileiro. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

35.
MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH; VERONESE, A.. Participação em banca de Ronaldo Coelho Lamarão. Os princípios constitucionais da eficiência e da economicidade e o dever de licitar: um estudo empírico sobre a economia gerada pelo pregão eletrônico. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

36.
COSER, I.; LYNCH; MEDEIROS, S. E.. Participação em banca de Viviam Graça Barcellos Barreira. Histórias Nacionais e os Caminhos da Revolução: um estudo comparativo entre as visões de história e revolução de intelectuais gramscianos do Brasil e da Argentina (1971-1984). 2011. Dissertação (Mestrado em História Comparada) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

37.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; FONTES, A. R. C.. Participação em banca de Rodrigo Reis Cyrino. Ativismo judicial e judicialismo no direito brasileiro: o interesse público analisado pelo Judiciário na suspensão da segurança. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

38.
NOGUEIRA, Alberto; VAL, E. M.; LYNCH. Participação em banca de Telson Pires. O Poder de Tributar e a Nova Dimensão da Cidadania Fiscal na Constituição de 1988. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

39.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; MENDES, R. L. T.; WEISS, F. J. L.. Participação em banca de Cristiane de Medeiros Brito Chaves Frota. A liberdade religiosa como direito fundamental: aspectos de sua atualidade jurídica. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

40.
BELMONTE, A. S. A.; ROMITA, A. S.; LYNCH. Participação em banca de Luís Guilherme Tetsuo Sakate. Da demissão tácita ao despedimento: análise dos efeitos da aposentadoria espontânea no contrato de trabalho. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

41.
NOGUEIRA, Alberto; LYNCH; VAL, E. M.. Participação em banca de Rafael Fiúza Casses. O Ombundsman Tributário como Ferramenta de Realização da Cidadania Tributária. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

42.
SOUZA NETO, C. P.; LYNCH; QUINTANA, F. D.. Participação em banca de Alexandre Fernandes Dantas. A justificação liberal dos direitos humanos. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

43.
ALVES, C. F.; LYNCH; DALLA, H.. Participação em banca de Gerardo Gallo Cândido. Seguro Jurídico e Acesso à Justiça. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

44.
LYNCH; MENEZES, J. B.; LIMA, M. N. B.. Participação em banca de Evanna Soares. Proteção constitucional dos direitos fundamentais dos trabalhadores. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) - Universidade de Fortaleza.

45.
LYNCH; SEELAENDER, A. L. C. L.; SILVA, R.. Participação em banca de Ig Henrique Queiroz Gonçalves. Autocrítica aristocrática: o conceito de souveraineté du peuple em Alexis de Tocqueville. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina.

46.
HOLANDA, C. B.; SOUZA NETO, C. P.; LYNCH. Participação em banca de Carlos Roberto Lima. Representação e perspectivas de reforma política no Brasil. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho.

47.
LYNCH; SILVA, R.; LOSSO, T. B.. Participação em banca de Nathalia Henrich. As relações Brasil-Estados Unidos no pensamento político do Barão do Rio BRanco. 2010. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina.

48.
LYNCH; NEVES, E. A.; SANTOS, R. D.. Participação em banca de Daniele Ramos Venezia dos Santos. A Judicialização na Obra de Oliveira Viana. 2009. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense.

49.
LAIDLER, C. V.; LYNCH; MARTINS, M. F. V.. Participação em banca de Alexandra do Nascimento Aguiar. As Eleições do Mérito: campanha eleitoral de 1881.. 2009. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Teses de doutorado
1.
LYNCH; ALONSO, A. M.; DANTAS, M. D.; DOHLNIKOFF, M.; BARBOSA, S. M.. Participação em banca de Bruno Fabris Estefanes. A muralha de bronze: a formação da Liga Progressista no Império do Brasil (1857-1862). 2018. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade de São Paulo.

2.
LYNCH; NEVES, L. B. P.; CARVALHO, J. M.; GUIMARAES, C. G.; GONCAVES, M. A.; MELLO, M. F. S. E.. Participação em banca de Rafael Cupello Peixoto. O marquês de Barbacena: política e sociedade no Brasil imperial (1796-1841). 2018. Tese (Doutorado em História) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

3.
LYNCH; WEHLING, A.; KOERNER, A.; SIQUEIRA, G. S.; FONTAINHA, F.. Participação em banca de Leonardo Seiichi Sasada Sato. Um poder da moderação: política e história no Supremo Tribunal Federal da Primeira República. 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

4.
LYNCH; CARDOSO, A. M.; GUIMARÃES, C.; PESSANHA, E. G. F.; RAMALHO, J. R.. Participação em banca de Alexander David Anton Couto Englander. Democratização, demofobia e conflitos sociais: um estudo teórico e histórico-sociológico sobre a Quarta República 1946-1964. 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

5.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; ZALUAR, A. M.; SILVA, R. R.; ROCHA, J. C. C.. Participação em banca de Kaio Felipe Mendes de Oliveira Santos. A crise da cultura moderna segundo José Guilherme Merquior. 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

6.
FONSECA, R. M.; STAUT JR, S. S.; HESPANHA, A. M.; SILVA, A. C. N.; LYNCH. Participação em banca de Thiago Freitas Hansen. Codificar e conservar: ciência e pensamento jurídico na formação do Código Florestal de 1934. 2018. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Federal do Paraná.

7.
LYNCH; MEDEIROS, S. E.; HOLANDA, C. B.; COSER, I.; MEIHY, M. S. B.. Participação em banca de Gabriel Romero Lyra Trigueiro. Neoconservadorismo versus paleoconservadorismo: o papel dos EUA no sistema internacional e a identidade conservadora norte-americana. 2017. Tese (Doutorado em História Comparada) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

8.
LYNCH; JASMIN, M. G.; CHALOUB, J. G.; HOLANDA, C. B.; CINTRA, W. A.. Participação em banca de Chiara Araújo Gomes. A Cultura Política e a construção do conceito de igualdade no Estado Novo. 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

9.
PINHEIRO, L. A.; NEVES, L. B. P.; LESSA, A. C.; LYNCH; SILVA, J. A. A. E.. Participação em banca de Elizeu Santiago Tavares de Sousa. Pensamento político e política externa no Brasil imperial: tendências do pensamento internacional brasileiro. 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

10.
LYNCH; SIQUEIRA, G. S.; MARRAFON, M. A.; PEREIRA, J. R. G.; NEVES, M. C. P.; GONZAGA, A. L. T. A.. Participação em banca de Leonam Baesso da Silva Lizieiro. Estado federal no Brasil: o federalismo na Constituinte de 1987/1988 e a descentralização pela assimetria. 2017. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

11.
OSTRENSKY, E.; BIGNOTTO, N.; BRAHAMI, F.; LILTI, A.; LYNCH. Participação em banca de Roberta K. Soromenho Nicolete. De Reims a Varennes; as linguagens da autoridade política na França revolucionária. 2017. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

12.
LYNCH; CEPEDA, V.; FERREIRA, G. N.; LAHUERTA, M.; NORONHA, E. G.. Participação em banca de Felipe Fontana. Teoria e praxis: Oliveira Vianna como consultor jurídico do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (1932-1940). 2017. Tese (Doutorado em Ciencia Politica) - Universidade Federal de São Carlos.

13.
FERES JUNIOR, J.; LYNCH; TRIGEIRO, G. R. L.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; JARDIM, F. P. B.. Participação em banca de José Victor Regadas Luiz. Crise da ciência política behavioralista e as origens dos think tanks nos Estados Unidos. 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

14.
JASMIN, M. G.; LYNCH; ARAUJO, C. R.; SILVA, J. A. A. E.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Paulo Henrique Paschoeto Cassimiro. O abismo do tempo: história, liberalismo e democracia no pensamento político francês (1789-1848). 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

15.
COSTA, M. S. T.; LYNCH; JASMIN, M. G.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; SILVA, J. A. A. E.. Participação em banca de Fernando Antonio de Queiroz Randau. O sabre: história e ditadura na obra de Donoso Cortès. 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

16.
CARDOSO, A. M.; VANDENBERGHE, F.; LYNCH; SANTOS, L. A. C.; NEIBURG, F. G.; LOVEMAN, M.. Participação em banca de Alexandre de Paiva Rio Camargo. A construção da medida comum: estatística e política de população no Império e na Primeira República. 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

17.
PINHEIRO, L. A.; LYNCH; SILVA, J. A. A. E.; LIMA, M. R. S.; DUARTE, L. C. B.. Participação em banca de Bruno Gonçalves Rosi. Saquaremas, Luzias, o Brasil e os Estados Unidos. 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

18.
SEELAENDER, A. L. C. L.; LYNCH; FLORES, A. J. D. M.; KOERNER, A.; CABRAL, G. C. M.; OLIVEIRA, R. V.. Participação em banca de GUSTAVO CASTAGNA MACHADO. Os ministros do Supremo Tribunal estão divididos em dois grupos que se digladiam'': cultura jurídica e política no Supremo Tribunal Federal (1906-1915). 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

19.
LYNCH; RICUPERO, B.; FERNANDES, M. F. L.; OLIVEIRA, M. C. S.; REGO, W. G. D. L.. Participação em banca de Flávia Maria Ré. Ideias em ação: liberalismo e reforma no pensamento político de Rui Barbosa. 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de São Paulo.

20.
LYNCH; SEELAENDER, A. L. C. L.; WEHLING, A.; SIQUEIRA, G. S.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Carlos Frederico Francovich Lugones. Intervenção federal na Primeira República: do idealismo federativo à prática oligárquica. 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

21.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; BAPTISTA, P. F.; GOMES, J. M. M.. Participação em banca de Rafael Carvalho Rezende Oliveira. Governança regulatória e a virada pragmático-institucional. 2015. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

22.
LYNCH; GUIMARAES, J. R.; RICUPERO, B.; OLIVEIRA, M. A. C.; STARLING, H.. Participação em banca de André Drumond Mello Silva. Sem rei e sem escravos - o republicanismo e as linguagens políticas do abolicionismo no Brasil. 2015. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade Federal de Minas Gerais.

23.
LYNCH; SELL, C. E.; SILVA, R.; GODOY, J. A.; COSTA, J. G. C.. Participação em banca de Marcos Antônio Beal. Fernando Henrique Cardoso e o pensamento político brasileiro. 2015. Tese (Doutorado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina.

24.
LYNCH; VANDENBERGHE, F.; VIANNA, L. J. W.; BERTEN, A. J. L. A.; ANDRADE, R. J.. Participação em banca de André Ricardo do Passo Magnelli. Dom constituinte, metamorfoses do político e paradoxos da reconstrução democrática. 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

25.
JASMIN, M. G.; VIANNA, L. J. W.; GUIMARÃES, C.; LYNCH; SENTO-SE, J. T.. Participação em banca de Jorge Gomes de Souza Chaloub. O liberalismo entre o espírito e a espada: a UDN e a República de 1946.. 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

26.
LYNCH; VIANNA, L. J. W.; RICUPERO, B.; SENTO-SE, J. T.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Pedro Luiz da Silva do Rego Lima. As desventuras do marxismo:Fernando Henrique Cardoso, antagonismo e reconciliação (1955-1968). 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

27.
ARAUJO, R. B.; LYNCH; LOPES, A. H.; BRASIL JUNIOR, A. S.; CASTRO, R. O.. Participação em banca de Kelly Pedroza Santos. Crítica doutrinária: teatro e política nas crônicas de Décio de Almeida Prado. 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

28.
LESSA, A. C.; CARDIM, C. H.; DORATIOTO, F.; LYNCH; COSTA, A. J. R.. Participação em banca de João Paulo Soares Alsina Júnior. A esfinge e o tridente: Rio Branco, grande estratégia e o programa de reaparelhamento naval (1904-1910) na Primeira República.. 2014. Tese (Doutorado em Relações Internacionais) - Universidade de Brasília.

29.
CASTRO, F. L. V; GONCALVES, M. A.; MATTOS, I. R.; SCHUELER, A. F.; SOUZA, A. B.; LYNCH. Participação em banca de Lívia Beatriz da Conceição. Diálogos apropriativos em "tempos de funestas paixões": uma leitura das relações entre os projetos de instrução pública primária de José Joaquim Rodrigues Torres e François Guizot. 2014. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

30.
NEVES, E. A.; HANSEN, G. L.; SILVA, J. A. A. E.; ALVARES, A. L. F.; LYNCH. Participação em banca de Priscila Petereit de Paola Gonçalves. Os primeiros passos do Leão: os debates para a criação do Imposto de Renda no Brasil (1889-1930). 2014. Tese (Doutorado em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense.

31.
PEREIRA, A. C. A.; LYNCH; ARAUJO, N.; MORAES, G. P.. Participação em banca de Maria Fátima Berardinelli Arraes de Oliveira. Acordo internacional para a proteção de investimentos brasileiros no exterior. 2014. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

32.
GUIMARAES, J. R.; PANCERA, C. G. K.; FILGUEIRAS, F.; LYNCH; RICUPERO, B.. Participação em banca de Marcelo Sevaybricker Moreira. Raízes intelectuais da democracia brasileira: linguagens políticas e a formação da república. 2013. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade Federal de Minas Gerais.

33.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MOTA, M. J. P.; TORRES, M. A. A.. Participação em banca de Carlos Gustavo Vianna Direito. Breve história do conceito de imperium na Roma antiga. 2013. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

34.
JASMIN, M. G.; FERES JUNIOR, J.; FERNANDES, M. F. L.; SILVA, J. A. A. E.; LYNCH. Participação em banca de Wendel Antunes Cintra. Qual democracia? O governo do povo no pensamento político brasileiro (1914-1945). 2013. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

35.
SARMENTO, D.; LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; CAMARGO, M. M. L.; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Carlos Henrique Ramos. Mutação constitucional, democracia e a ampliação dos poderes do Supremo Tribunal Federal. 2012. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

36.
ALVES, C. F.; SOUZA NETO, C. P.; NEVES, E. A.; TAVARES, J. E. X.; LYNCH. Participação em banca de Ricardo Melchior de Barros Rangel. Presunção de inocência e direito de liberdade na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. 2012. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

37.
LYNCH; MARTINS, C. E. R.; GUIMARÃES, C.; CARDOSO, A. M.; AVRITZER, L.. Participação em banca de Aurea Mota. Sobre metamorfoses e transformações: uma perspectiva sociológico-histórica a respeito do liberalismo constitucional atenuado latino-americano. 2012. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

38.
JASMIN, M. G.; GUIMARÃES, C.; FERES JUNIOR, J.; NEVES, L. B. P.; LYNCH. Participação em banca de Luísa Rauter Pereira. Substituir a revolução dos homens pela revolução do tempo: uma história do conceito de povo no Brasil. 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia)) - Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

39.
GAMA, G. C. N.; ROMITA, A. S.; LYNCH; BELMONTE, A. S. A.; NORRIS, R.. Participação em banca de Leonardo Rabelo de Matos Silva. A afirmação do princípio da liberdade sindical como direito fundamental no Estado Democrático de Direito. 2011. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

40.
LYNCH; JASMIN, M. G.; FERES JUNIOR, J.; SANTOS, F. G. M.; REIS, B. P. W.. Participação em banca de Paulo Emílio Douglas de Souza. Ensaísmo, ação coletiva e Estado nacional: uma metainterpretação de obras selecionadas da literatura Brasiliana. 2011. Tese (Doutorado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia)) - Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

41.
DUARTE, F.; AMORIM, M. S.; LIMA, R. K.; CORREIA, A.; REIS, J.; LYNCH. Participação em banca de Rafael Mário Iório Filho. Uma Questão de Cidadania: o papel do Supremo Tribunal Federal na Intervenção Federal. 2009. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

42.
CAMARGO, M. M. L.; LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; VIEIRA, J. R.; CASAMASSO, M. A. L.. Participação em banca de Marcus Firmino Santiago da Silva. Limites e possibilidades do controle difuso de constitucionalidade - a jurisdição constitucional e a tutela dos direitos fundamentais. 2008. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho.

43.
CARVALHO, M. A. R.; EISENBERG, J.; BARBOZA FILHO, R.; GAHYVA, H. C.; LYNCH. Participação em banca de Gisele Silva Araújo. Os Sentidos da Ordem: abstração, legitimidade e interesse nos liberais e positivistas da Primeira República. 2007. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

Qualificações de Doutorado
1.
LYNCH; STAUT JR, S. S.; FONSECA, R. M.; HESPANHA, A. M.. Participação em banca de Thiago Freitas Hansen. Formação da armadura jurídica do território brasileiro (1931-1950). 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Federal do Paraná.

2.
LYNCH; DANTAS, M. D.; DOHLNIKOFF, M.. Participação em banca de Filipe Nicoletti Ribeiro. Ruptura institucional e realinhamento político no Brasil: projetos, conflitos e compromissos entre a monarquia e a república (1887-1892). 2018. Exame de qualificação (Doutorando em História Social) - Universidade de São Paulo.

3.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; COSER, I.. Participação em banca de Lidiane Rezende Vieira. Construção de estados nacionais na periferia: lnguagens, agendas e arcabouços institucionais. 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

4.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Diego Grossi Pacheco. Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil: esquerdas e direitas ante a centralidade da questão nacional (1945-1964). 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

5.
LYNCH; RIBEIRO, C. A. C.; CAMPOS, L. A. C.; ALONSO, A. M.. Participação em banca de Juliana Marques da Silva. Estado e sociedade na produção de desigualdades no Brasil: cidadania segundo as elites do fim da escravidão á Era Vargas. 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

6.
LYNCH; ARAUJO, C. R.; OSTRENSKY, E.. Participação em banca de Felipe Freller. O problema da soberania do povo no liberalismo francês. 2017. Exame de qualificação (Doutorando em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

7.
LYNCH; PINHEIRO, L. A.; LOPES, D. B.. Participação em banca de João Henrique Catraio Monteiro Aguiar. Harmonia na transição: sustentação de mudança paradigmática no período da política externa independente (1961-1964). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

8.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; SILVA, J. A. A. E.. Participação em banca de Oseias Carmo Neves. O Brasil profundo no pensamento político de Euclides da Cunha: positivismo e idealismo na interpretação da nacionalidade brasileira da Primeira República. 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

9.
SIQUEIRA, G. S.; MARRAFON, M. A.; LYNCH. Participação em banca de Leonam Baesso da Silva Lizieiro. Fundamentos para o federalismo assimétrico no Estado federal brasileiro. 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

10.
LYNCH; CARDOSO, A. M.; FERES JUNIOR, J.. Participação em banca de Sandra Pereira de Carvalho. Política social de inclusão via Estado no contexto do desenvolvimento capitalista brasileiro segundo o pensamento de Darcy Ribeiro. 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

11.
LYNCH; KIRALY, C.; LEOPOLDI, M. A.. Participação em banca de Carlos Eduardo Oliva. A ciência política na Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro e a trajetória de seus professores. 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Ciência Política) - Universidade Federal Fluminense.

12.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; GUIMARÃES, C.. Participação em banca de Pedro Paiva Marreca. História e política na tradição do nacionalismo periférico: Hélio Jaguaribe, Guerreiro Ramos e Celso Furtado (1945-1964). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

13.
LYNCH; GUIMARÃES, C.; HOLANDA, C. B.. Participação em banca de Tamyres Ravache Alves de Marco. Origens do nacional-desenvolvimentismo (1930-1945). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

14.
LYNCH; GUIMARÃES, C.; NEVES, G. P.. Participação em banca de Luiz Carlos Ramiro Junior. Igreja e Estado no Brasil - antagonismos e permanências. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

15.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; MEDEIROS, S. E.. Participação em banca de Gabriel Romero Lyra Trigueiro. Neoconservadorismo versus paleoconservadorismo: o papel dos EUA no sistema internacional e a identidade conservadora norte-americana. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em História Comparada) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

16.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; CARVALHO, M. A. R.. Participação em banca de Antônio Marcos Dutra da Silva. Literatura e política: os contornos do pensamento do Visconde de Taunay. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

17.
LYNCH; WEHLING, A.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Carlos Frederico Francovich Lugones. Intervenção federal na Primeira República (1889-1930).. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

18.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Gustavo Martins de Almeida. Formas de aquisição de livros eletrônicos e seus efeitos jurídicos na sociedade. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

19.
LYNCH; HOLANDA, C. B.; BASILE, M. O. N. C.. Participação em banca de Marcelo Tavares da Silva. O Visconde de Cairu (1756-1835): itinerários e adaptações do pensamento ilustrado português em meio à formação do Estado brasileiro. 2015. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

20.
GUIMARAES, J. R.; MOREIRA, M. S.; LYNCH. Participação em banca de André Drumond Mello Silva. Sem rei nem escravos: republicanismo, liberalismo e escravidão no pensamento político brasileiro do século XIX. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Ciência Política) - Universidade Federal de Minas Gerais.

21.
GUIMARÃES, C.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; LYNCH. Participação em banca de Leonardo Seiichi Sanada Sato. Um poder da moderação - O Supremo Tribunal Federal durante a Primeira República. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

22.
MILANI, C. S.; LIMA, M. R. S.; LYNCH. Participação em banca de Elizeu Santiago Tavares de Sousa. A esfinge desvelada: o pensamento político do barão do Rio Branco. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

23.
MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.. Participação em banca de Rafael Carvalho Rezende Oliveira. Governança regulatória e virada pragmático-institucional. 2014. Exame de qualificação (Doutorando em Pós-Graduação em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

24.
CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MOTA, M. J. P.. Participação em banca de Carlos Gustavo Vianna Direito. Teoria do Imperium. 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Gama Filho.

25.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de CAIO MÁRCIO GUTTERREZ TARANTO. O papel da jurisprudência para a interpretação constitucional no STF. 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Gama Filho.

26.
JASMIN, M. G.; FERES JUNIOR, J.; LYNCH. Participação em banca de Chiara Araujo Gomes. A Cultura Política e a (re)construção do conceito de igualdade no Estado Novo. 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

27.
LIMA, M. R. S.; FERES JUNIOR, J.; LYNCH. Participação em banca de Bruno Gonçalves Rosi. A americanização do imaginário político brasileiro na transição do Império para a República. 2013. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

28.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Carlos Henrique Ramos. Mutação constitucional, democracia e a ampliação dos poderes do Supremo Tribunal Federal. 2012. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Gama Filho.

29.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; TAVARES, J. E. X.. Participação em banca de Ricardo Melchior de Barros Rangel. Principios processuais penais e o Supremo Tribunal Federal. 2012. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Gama Filho.

30.
LYNCH; NEVES, E. A.; PIÑEIRO, T. L.. Participação em banca de Priscila Petereit de Paola Gonçalves. Os primeiros passos do Leão: os embates para a criação do imposto de renda no Brasil (1889-1923). 2012. Exame de qualificação (Doutorando em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense.

31.
CAMARGO, M. M. L.; SOUZA NETO, C. P.; LYNCH. Participação em banca de Marcus Firmino Santiago da Silva. Limites e possibilidades do controle difuso de constitucionalidade - a jurisdição constitucional ea tutela dos direitos fundamentais. 2008. Exame de qualificação (Doutorando em Direito) - Universidade Gama Filho.

Qualificações de Mestrado
1.
LYNCH; MENDONÇA, P. R. S.; BORBA, F.. Participação em banca de Ary Jorge Aguiar Nogueira. A judicialização da política municipal no Brasil: um panorama das eleições suplementares de 2008 a 2018. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em DIREITO) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

2.
LYNCH; MACEDO, P. E. V. B.. Participação em banca de Brenda Maria Ramos Araújo. Rui Barbosa e o direito internacional. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

3.
LYNCH; WEHLING, A.; PEREIRA, A. C. A.. Participação em banca de Guilherme Miraldi dos Santos. Constitucionalismo brasileiro, 1891-1934: da liberdade positiva à negativa. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

4.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Sérgio Luís Pereira Santos. Da ordenação para a regulação da aviação civil brasileira. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

5.
LYNCH; FERREIRA, G. S. T.; PARAGUASSU, M.. Participação em banca de Bruno Miguel Drude. Federalismo na Primeira República: o caso da Paraíba. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Direito Constitucional) - Universidade Federal Fluminense.

6.
LYNCH; SIQUEIRA, G. S.; LEITE, G.. Participação em banca de Taísa Regina Rodrigues. Ás vésperas da Constituição brasileira de 1934: caminhos de uma experiência jurídica eugênica. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

7.
MENDONÇA, J. V. S.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; LYNCH. Participação em banca de Christiane Schneiski. MODULAÇÃO DOS EFEITOS TEMPORAIS DA DECISÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA NORMA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL: UMA ANÁLISE DE CONSEQUÊNCIAS OU DE SEGURANÇA JURÍDICA?. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós-Graduação em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

8.
LYNCH; MÄDER, M. N. S.; ARAUJO, R. B.. Participação em banca de Fhaiza Andrade Raick. Por entre o pensamento de Oliveira Vianna. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em História Social da Cultura) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

9.
LYNCH; CASTRO, F. L. V. Participação em banca de João Marcos Oliveira de Carvalho da Silva. Um Brasil (im)possível: a crítica de Oliveira Vianna ao idealismo utópico de Rui Barbosa. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

10.
LYNCH; CASTRO, F. L. V; SEDREZ, L. F.. Participação em banca de Elion de Souza Campos. Salvador de Mendonça e as relações entre Brasil e Estados Unidos na Primeira República. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em História Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

11.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.. Participação em banca de Mastroiane Bento Dias. A atuação do poder judiciário na efetivação dos direitos fundamentais inerentes à saúde preventiva e curativa. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Veiga de Almeida.

12.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Maurício Sardinha Meneses dos Reis. As organizações sociais - da sistematização a uma análise crítica do modelo. 2014. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

13.
OSTRENSKY, E.; ARAUJO, C. R.; LYNCH. Participação em banca de Felupe Freller. Guizot, Tocqueville e os princípios de 1789. 2014. Exame de qualificação (Mestrando em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

14.
GOMES, J. M. M.; FERREIRA, G. S. T.; LYNCH. Participação em banca de Rosângela Steinberg Gomma. A eficiência da política pública em defesa do meio ambiente. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

15.
LYNCH; FERNANDES, M. F. L.; FERREIRA, G. N.; BASTOS, E. R.. Participação em banca de Thiago Martins Barbosa Bueno. O Brasil na América: Alberto Torres, Manuel Bonfim e a questão nacional brasileira. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em CIÊNCIAS SOCIAIS) - Universidade Federal de São Paulo.

16.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; AMORIM, M. S.. Participação em banca de Millena dalla Bernardina. O judiciarismo de Rui Barbosa. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

17.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Alice Ribas Bonizzatto. O Guardião da Constituição. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

18.
LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Gabriel Dolabella. Positivismo e pós positivismo. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

19.
LYNCH; ARAUJO, C. R.; PIMENTA, J. P.. Participação em banca de Erygeanny Machado de Lira. Representação e soberania na Constituinte de 1823. 2013. Exame de qualificação (Mestrando em Ciência Política) - Universidade de São Paulo.

20.
GAMA, G. C. N.; MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH. Participação em banca de Cristina Bertinotti. A judicialização da previdência complementar fechada. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

21.
MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.. Participação em banca de Flâmer Távora. Os direitos fundamentais do Brasil Imperial segundo o Marquês de São Vicente. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

22.
AMORIM, M. S.; KLEVENHUSEN, R. B.; LYNCH. Participação em banca de Vinícius Hetmanek de Passos Maciel. A evolução da cidadania no Brasil: os pensamentos de Alberto Torres e Oliveira Vianna. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

23.
NOGUEIRA, Alberto; FERREIRA, G. S. T.; LYNCH. Participação em banca de Marcelo Gomes da Silva. Tutelas de urgência: um olhar para a (in)efetividade do processo na perspectiva de sua duração razoável. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

24.
NEVES, E. A.; LYNCH; PIÑEIRO, T. L.. Participação em banca de Sandra de Mello Carneiro Miranda. Origem e fundamentos do quinto constitucional. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

25.
NOGUEIRA, Alberto; LYNCH; PEREIRA, A. C. A.. Participação em banca de Katia Cilene da Hora Machado Bugarim. A reabertura democrática, o alargamento da cidadania e a repercussão da judicialização do direito à saúde. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

26.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.. Participação em banca de Maurício P. Guedes. Trés momentos jusfilosóficos do direito público brasileiro. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

27.
LYNCH; GOMES, J. M. M.; BARCELLOS, D. S. F.. Participação em banca de Leonardo Soares Bello. A unicidade e o desmembramento sindical no Brasil: obstáculo e oportunidade. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

28.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; CASTELO BRANCO, P. H, V. B.. Participação em banca de Mariuscha François Wright. Banca de qualificação de mestrado. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

29.
LYNCH; ROMITA, A. S.; GAMA, G. C. N.. Participação em banca de Geovanni Duas Mancio. Banca de qualificação de mestrado. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

30.
LYNCH; SEELAENDER, A. L. C. L.; PINHEIRO MACHADO, P.. Participação em banca de Laila Maia Galvão. Intervenção federal na Primeira República. 2012. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina.

31.
NOGUEIRA, Alberto; VAL, E. M.; LYNCH. Participação em banca de Rafael Fiúza Casses. O ombundsman tributário como ferramento de realização da cidadania tributária. 2011. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

32.
NOGUEIRA, Alberto; Lynch, Christian Edward Cyril; GAMA, G. C. N.. Participação em banca de Telson Pires. O poder de tributar e a nova dimensão da cidadania fiscal na Constituição de 1988. 2011. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

33.
LYNCH; NOGUEIRA, Alberto; GAMA, G. C. N.. Participação em banca de Rafael Garcia Veraldo. Banca de qualificação de mestrado. 2011. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

34.
SOUZA NETO, C. P.; MENDONÇA, J. V. S.; LYNCH. Participação em banca de Cristiane Medeiros Brito Chaves Frota. Estado democrático de direito e direitos humanos - a experiência do Supremo Tribunal Federal. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

35.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MENDONÇA, J. V. S.. Participação em banca de Rodrigo Reis Cyrino. A diferença de tratamento nas decisões judiciais de suspensão da segurança em mandado de segurança e o princípiio da igualdade. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

36.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; FERREIRA, L. P.. Participação em banca de Carlos Roberto Lima. Representação e perspectivas de reforma política no Brasil. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

37.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MENDES, R. L. T.. Participação em banca de Alexandre Fernandes Dantas. A justificação liberal dos direitos humanos. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

38.
NOGUEIRA, Alberto; LYNCH; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Tiago Vasconcelos Severini. Competitividade no Federalismo Fiscal Brasileiro e Reforma Fiscal. 2010. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

39.
LAIDLER, C. V.; LYNCH; MARTINS, M. F. V.. Participação em banca de Alexandra do Nascimento Aguiar. As eleições do mérito. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em História Social) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

40.
FERREIRA, L. P.; PEREIRA, A. C. A.; LYNCH. Participação em banca de Matheus Marapodi. Banca de qualificação de mestrado. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

41.
FERREIRA, L. P.; ALVES, C. F.; LYNCH. Participação em banca de Aluísio Rodrigues Filho. Banca de qualificação de mestrado. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em Direito) - Universidade Gama Filho.

42.
SANTOS, R. D.; NEVES, E. A.; LYNCH. Participação em banca de Daniele Ramos Venezia. A judicialização da política na obra de Oliveira Viana. 2009. Exame de qualificação (Mestrando em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense.

43.
FARIA, J. F. C.; SOUZA NETO, C. P.; LYNCH. Participação em banca de Lyse Kitzinger e Silva. Banca de qualificação de mestrado. 2008. Exame de qualificação (Mestrando em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
LYNCH; QUINTANA, F. D.; LEITE, L. O. B.. Participação em banca de Lidiane Rezende Vieira.A Aurora Fluminense (1827-1828): um estudo da recepção do liberalismo de Benjamin Constant por Evaristo da Veiga. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência Política) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

2.
LYNCH; MENDONÇA, J. V. S.; GRANDINETTI, L. G.. Participação em banca de Luiz Eduardo São Thiago.A lei 10.257/2001 (Estatuto da Cidade) à luz do direito ambiental.. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em direito) - Universidade Gama Filho.

3.
C. E. C.; CALDEIRA, A. C. P.; MENDONÇA, P. R. S.. Participação em banca de Ivan Faulhaber Martins Martinelli.Os efeitos temporais das decisões no controle concentrado de constitucionalidade. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

4.
FERREIRA, G. S. T.; SOUZA NETO, C. P.; LYNCH. Participação em banca de Ana Carolina Pinheiro da Costa Silva.A reclamação constitucional no Supremo Tribunal Federal. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

5.
FERREIRA, G. S. T.; SOUZA NETO, C. P.; LYNCH. Participação em banca de Nathalia Pires Carneiro.O desenvolvimento do sistema de defesa da concorrência no Brasil. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

6.
LYNCH; FERREIRA, G. S. T.; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Matheus Magalhães Máximo.Constitucionalização do direito empresarial. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

7.
FERREIRA, G. S. T.; LYNCH; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Daiana Andrade Bastos.A dignidade da pessoa humana e a efetividade dos direitos sociais. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

8.
FERREIRA, G. S. T.; LYNCH; SOUZA NETO, C. P.. Participação em banca de Moacyr Alexandre Garcia Jacuru.Repercussão geral no recurso extraordinário. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

9.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; FERREIRA, G. S. T.. Participação em banca de Júlia Medina da Costa Gomes.O controle abstrato da constitucionalidade e a chamada transcendência dos motivos determinantes. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

10.
LYNCH; FERREIRA, G. S. T.; BARBOSA, S. R.. Participação em banca de João Paulo Baptista Nespoli.Hermenêutica Jurídica no Brasil; um estudo histórico-conceitual de três topoi.. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

11.
VAL, E. M.; LYNCH; ABREU, A. L. A.. Participação em banca de Laura Reis Azeredo.A Influência da Religião no Direito - Panorama histórico e o reflexo desta relação na ordem jurídica brasileira e internacional. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

12.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MEIRELLES, D. R. S.. Participação em banca de Júlia Elmôr.As origens da vinculação jurisprudencial e a introdução da súmula vinculante no ordenamento jurídico brasileiro. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

13.
LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; MEIRELLES, D. R. S.. Participação em banca de Thiago Barbosa Gil.A repercussão geral das questões constitucionais no recurso extraordinário. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.

14.
SOUZA NETO, C. P.; MADEIRA, W.; LYNCH. Participação em banca de Rodrigo Arantes.O Nomos da Terra. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Concurso público
1.
LYNCH. Concurso para professor ajunto de teoria política no DCP/UFBA (suplente). 2016. Universidade Federal da Bahia.

2.
LYNCH; FERES JUNIOR, J.; SILVA, F. S. E.; FARIA, C. F.; FUKS, M.. Banca de concurso público para professor de Teoria Política da UFMG. 2014. Universidade Federal de Minas Gerais.

3.
LYNCH. Banca dee professor de teoria politica do DCP-USP (suplente). 2013. Universidade de São Paulo.

4.
LYNCH. Banca de seleção de professores temporários para o departamento de estudos políticos da UNIRIO. 2011. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

5.
QUINTANA, F. D.; BASTOS, A. W.; LYNCH. Banca para professor adjunto I da Escola de Ciência Política - Teoria/Ciência Política (UNI-RIO). 2009. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

6.
HERMANN, J.; CATAO, B.; LYNCH; OLIVEIRA, A.; OLIVEIRA, R.. Banca de concurso público para professor adjunto I do Departamento de História - História Moderna (UFFRJ). 2009. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

7.
QUINTANA, F. D.; MADEIRA, W.; LAIDLER, C. V.; LYNCH; SOUZA, M. T.. Banca de concurso público para professor adjunto I do Departamento de Direito Público - Teoria do Estado (UFF). 2009. Universidade Federal Fluminense.

Outras participações
1.
LYNCH; FIGUEIREDO, A. M. C.; SZWAKO, J. L.; CAVALCANTI, M.; RIBEIRO, C. A. C.. Banca de seleção dos candidatos ao mestrado. 2017. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

2.
OLIVEIRA, L. L.; LYNCH; SILVA, J. A. A. E.; KOIFMAN, F.. Banca de seleção de bolsista para o projeto Rui por ele mesmo. 2015. Fundaação Casa de Rui Barbosa.

3.
SANTOS, F. G. M.; DOMINGUES, J. M.; RIBEIRO, C. A. C.; FERES JUNIOR, J.; LYNCH. Banca de seleção de candidatos ao doutorado (IESP-UERJ). 2013. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

4.
SANTOS, F. G. M.; DOMINGUES, J. M.; RIBEIRO, C. A. C.; FERES JUNIOR, J.; LYNCH. Banca de seleção de candidatos ao mestrado (IESP-UERJ). 2013. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

5.
LYNCH; DOMINGUES, J. M.; VANDENBERGHE, F.; SOUZA, C.. Banca de seleção de candidatos ao mestrado (IESP-UERJ). 2012. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

6.
JASMIN, M. G.; LYNCH. Banca de seleção de bolsistas da Fundação Casa de Rui Barbosa (membro externo). 2010. Fundação Casa de Rui Barbosa.

7.
LIMA, R. K.; DUARTE, F.; LYNCH; AMORIM, M. S.; FERREIRA, L. P.. Banca de seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Direito (UGF). 2009. Universidade Gama Filho.

8.
LYNCH; NEVES, E. A.; SILVA, R. P. M.. Banca de seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Direito e Sociologia (suplente) (UFF). 2009. Universidade Federal Fluminense.

9.
ABREU, A. L. A.; LYNCH; SILVA, R.. Comissão avaliadora da X Semana de Monitoria - banca de direito processual. 2007. Universidade Federal Fluminense.

10.
LYNCH; MUNIZ, L.; ALVIM, J.L.R.. III Seminário de Pesquisas do Programa de Iniciação Científica. 2005. Centro Universitário da Cidade.

11.
LYNCH; VERONESE, A.. II Seminário de Pesquisas do Programa de Iniciação Cientítifica. 2004. Centro Universitário da Cidade.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
20 anos da revista Insight Inteligência.Brasil: imperativo renascer. 2018. (Seminário).

2.
Aula inaugural do mestrado em estudos brasileiros da Universidade de Lisboa.A imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica. 2018. (Outra).

3.
Ciclo de palestras do ICS - LIsboa (Portugal).Uma democracia, duas capitais: Rio de Janeiro, Brasília e os dilemas da capitalidade. 2018. (Outra).

4.
I Encontro de Teoria política e pensamento político brasileiro.Três interpretações do pensamento político brasileiro: uma análise crítica. 2018. (Encontro).

5.
I Seminário História e Constituição: protagonismo judicial, cultura constitucional no Brasil contemporâneo.Ascensão, fastígio e declínio da Revolução Judiciarista. 2018. (Seminário).

6.
I Seminário nacional de direito constitucional: os 30 anos da Constituição e o STF.História do direito constitucional. 2018. (Seminário).

7.
I Workshop - Direitos fundamentais, jurisdição & cultura constitucional no Brasil.O pensamento político-constitucional da República de 1988 - um balanço preliminar. 2018. (Seminário).

8.
Lançamento do livro "Clamar e agitar sempre" de José Murilo de Carvalho.Apresentação do livro "Clamar e agitar sempre - os radicais da década de 1860). 2018. (Simpósio).

9.
O Atlântico ibero-americano (séc. XVI-XX): perspectivas historiográficas recentes (Universidade de Évora).A ideia de império no Brasil independente: caminhos e descaminhos. 2018. (Seminário).

10.
POLÍTICA ONTEM E HOJE (Casa do Saber).A MODERAÇÃO DO PODER SEGUNDO MONTESQUIEU. 2018. (Oficina).

11.
Segundo Encontro da Rede de História do Direito: culturas e práticas constitucionais (1820-1930).Garantias e suspensão de direitos. 2018. (Seminário).

12.
Visões políticas da Constituição nos seus 30 anos (FND-UFRJ).Visões políticas da Constituição nos seus 30 anos. 2018. (Oficina).

13.
X Congresso Brasileiro de História do Direito. Coordenação do GT de História Constitucional. 2018. (Congresso).

14.
X Congresso Brasileiro de História do Direito. 30 anos da Constituiição de 1988. 2018. (Congresso).

15.
X Congresso Brasileiro de História do Direito. O pensamento político-constitucional brasileiro da República de 1988: um balanço preliminar. 2018. (Congresso).

16.
XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Pensamento político brasileiro e crise constitucional: como nascem, vivem e morrem nossas constituições. 2018. (Encontro).

17.
XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Interpretações sobre a esquerda e as classes populares (AT de Pensamento Político Brasileiro). 2018. (Encontro).

18.
XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Pensamento e política (AT de Pensamento político brasileiro). 2018. (Encontro).

19.
XI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Pensamento e política (AT de Pensamento político brasileiro). 2018. (Encontro).

20.
XLII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais. A liberdade pela forma: Bolívar Lamounier e a interpretação liberal do pensamento político brasileiro. 2018. (Congresso).

21.
XLII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais. A Nação como problema e projeto. 2018. (Congresso).

22.
XLII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS). 30 anos da Constituição de 1988. 2018. (Congresso).

23.
20a. Reunião do Forum de Direito da Cidade (EMERJ).Um país, duas capitais: o Rio de Janeiro como segunda capital. 2017. (Outra).

24.
Ciclo de palestras do PPGH-UFOP.Um conservadorismo caleidoscópio: Edmund Burke a cultura política do Brasil oitocentista. 2017. (Outra).

25.
Comissão de Estudos e Pesquisas Históricas do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGb).Alberto Torres e o pensamento nacionalista brasileiro. 2017. (Seminário).

26.
Comparação e circulação de ideias: seminário intermediário do GT de Pensamento Social no Brasil e do AT de Pensamento Político Brasileiro da ABCP)CP.Tradições da história intelectual no Brasil. 2017. (Seminário).

27.
Conceptos transatlánticos: nuevos retos y enfoques históricos para Iberconceptos. Revisitando o conceito de Sattelzeit na América Latina. 2017. (Congresso).

28.
Crise no estado do Rio de Janeiro (Faculdade de Economia da UFF).O problema nacional fluminense: causas, impasses, saídas. 2017. (Seminário).

29.
Fórum Permanente de Estudos Interdisciplinares (EMERJ).Por uma história constitucional brasileira: uma crítica pontual à doutrina da efetividade. 2017. (Outra).

30.
II Jornada do Pensamento Político Brasileiro (IESP-UERJ).100 anos de falecimento de Alberto Torres. 2017. (Encontro).

31.
I Simpósio Direitas Brasileiras.Tensões e afinidades entre conservadorismo e liberalismo. 2017. (Simpósio).

32.
IX Congresso Brasileiro de História do Direito. História constitucional IV. 2017. (Congresso).

33.
IX Congresso Brasileiro de História do Direito. O papel e o lugar político do poder judicial no Império. 2017. (Congresso).

34.
IX Congresso Brasileiro de História do Direito. GT História Constitucional III. 2017. (Congresso).

35.
IX Congresso Brasileiro de História do Direito. GT História Constitucional I. 2017. (Congresso).

36.
IX Congresso da Associação Latino Americana de Ciência Política. Entre a velha e a nova ciência política: continuidade e renovação acadêmica nas primeira década da Revista Dados (1966-1976). 2017. (Congresso).

37.
Jornadas de estudos sobre direito e desenvolvimentismo.A formação da ciência política brasileira e o debate sobre o desenvolvimento nacional (1965-1970). 2017. (Simpósio).

38.
Seminário Direito e capitalismo corporativo: comparando Europa e América Latina entre 1930 e 1945.A crítica de Oliveira Vianna a Mises. 2017. (Seminário).

39.
Seminário Internacional Cultura, Ciência e Democracia (FCRB).Entre os dois lados do Atlântico. 2017. (Seminário).

40.
Terceiro Poder ou Poder Moderador da República? O papel do poder judiciário no pensamento d Rui Barbosa e na atualidade brasileira.Primeira República, fazendo a ponte com o presente. 2017. (Seminário).

41.
V Semana da Liberdade (Instituto Liberal do Nordeste). Ecos intelectuais da Revolução Russa no Brasil. 2017. (Congresso).

42.
XLI Encontro da Associação de Pós Graduação em Ciências Soiais. GT de Teoria e Pensamento Político Brasileiro. 2017. (Congresso).

43.
XLI Encontro da Associação de Pós Graduação em Ciências Soiais. GT de Teoria e Pensamento Político Brasileiro. 2017. (Congresso).

44.
XLI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Conjuntura jurídico-política. 2017. (Congresso).

45.
Aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Católica de Petrópolis (UCP).Rui Barbosa: República e direitos fundamentais. 2016. (Outra).

46.
Ciclo de palestras do DCP/USP.Interpretações do pensamento político brasileiro: uma reavaliação. 2016. (Outra).

47.
Ciclo de palestras do PPGSP-UENF.Teoria social e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos. 2016. (Outra).

48.
Comissão de Estudos e Pesquisas Históricas do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB).Visconde do Uruguai: realismo periférico, construção do Estado e geopolítica na América Ibérica oitocentista. 2016. (Simpósio).

49.
Congresso Internacional Cem Anos do Código Civil (1916-2016). A presidência Campos Sales e o código civil: evolucionismo, república e o projeto Clóvis Beviláqua. 2016. (Congresso).

50.
Congresso Internacional Cem Anos do Código Civil (1916-2016). A sociedade e o Código Civil. 2016. (Congresso).

51.
Crise política e impeachment: para onde vamos?.Crise política e impeachment: para onde vamos?. 2016. (Outra).

52.
Governando o Brasil: Repensando Centros e Periferias da Política Global Contemporânea.Centro e periferia no pensamento político brasileiro. 2016. (Seminário).

53.
II Encontro Arquivos Pessoais e Cultura (FCRB).O direito à intimidade: acesso, limites parêmetros. 2016. (Encontro).

54.
III Congreso de História Intelectual de América Latina. "Formas de História Intelectual. Teoria & Praxis. Elementos para uma histporia do pensamento ibero-americano enquanto pensamento periférico: reflexões a partir do caso brasileiro. 2016. (Congresso).

55.
I Jornada do Pensamento Político Brasileiro.Cartografias do pensamento político brasileiro. 2016. (Encontro).

56.
Lançamento do livro Edmund Burke: redescobrindo um gênio, de Russel Kirk.O caleidoscópio conservador: presença de Burke no Brasil. 2016. (Outra).

57.
Lançamento do livro Roberto Simonsen: prelúdio à indústria, de Luiz Cesar Faro e Monica Sinelli.Roberto Simonsen: prelúdio à indústria. 2016. (Outra).

58.
Pensamento social às quartas (PPGSA-UFRJ).O caleidoscópio conservador: presença de Burke no Brasil. 2016. (Seminário).

59.
Quem quer jornais de ontem? 2a reunião presencial do grupo de pesquisa "imprensa e circulação de ideias" - o papel de jornais e revistas nos séculos XIX e XX (FCRB).Imprensa e debate político no século XIX. 2016. (Encontro).

60.
Seminário Centenário da Conferência de Buenos Aires (FCRB).Utopia ou teoria crítica? O idealismo político de Rui Barbosa revisitado. 2016. (Seminário).

61.
Seminário DADOS - Revista de Ciências Sociais 50 anos.Da velha à nova ciência política: continuidade e renovação acadêmica nos primórdios da revista Dados (1966-1976). 2016. (Seminário).

62.
Seminário Direito, História e Constituição (PUC-RS).Por uma história constitucional brasileira: uma crítica pontual à doutrina da efetividade. 2016. (Seminário).

63.
Simpósio: pensamiento social de Brasil de los anos 1930 (UBA).Uma leitura política de Sobrados e Mocambos, de Gilberto Freyre. 2016. (Simpósio).

64.
VII Fórum de debates sobre direito, política e sociedade (PPGD-UFRGS).Jurisdição constitucional, estado de sítio e intervenção federal na Primeira República. 2016. (Seminário).

65.
VIII Ciclo de debates em história do direito (FESMP-RS).Federalismo na Primeira República. 2016. (Seminário).

66.
VIII Ciclo de debates em história do direito (FESMP-RS).Direito e história. 2016. (Encontro).

67.
VIII Congresso Fluminense de Iniciação Científica e Tecnológica (CONFICT). Avaliação de 18 trabalhos de iniciação científica. 2016. (Congresso).

68.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política. Pensamento político brasileiro: abordagens, métodos e tradições institucionais. 2016. (Congresso).

69.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Instituições e arranjos políticos. 2016. (Encontro).

70.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Pensamento político do Império: liberais e conservadores. 2016. (Encontro).

71.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Autoritarismo, corporativismo e desenvolvimento. 2016. (Encontro).

72.
X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Cartografia do pensamento político brasileiro: conceito, história, abordagens.. 2016. (Encontro).

73.
XL Encontro da Associação Nacional da Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS).A nova direita mostra a sua cara: origens, sujeitos e características.. 2016. (Encontro).

74.
XL Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências as Sociais.Teoria política e pensamento político brasileiro: aspectos metodológicos. 2016. (Encontro).

75.
XL Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS).GT de Pensamento Social no Brasil. 2016. (Encontro).

76.
X Seminário de Ciência Política (PPGCP-UFPI).Pensamento político brasileiro: abordagens, métodos e tradições institucionais. 2016. (Seminário).

77.
XV Semana de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UNESP/Fclar.Pensamento político e social brasileiro: Teorias, métodos e perspectivas. 2016. (Encontro).

78.
Comissão de Estudos e Pesquisas Históricas do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB).Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o pensamento político do Marquês de Caravelas. 2015. (Seminário).

79.
Congresso Internacional Brasil como Reino Unido: 200 anos depois. Sociedade e instituições. 2015. (Congresso).

80.
III Semana Acadêmica de Ciências Sociais (UFFRJ).A construção das imagens públicas de Pedro Segundo e Getúlio Vargas. 2015. (Seminário).

81.
III Seminário de História do Direito e das Instituições Políticas(FCRB).Engenharia institucional e modernização: a lógica periférica da história constitucional brasileira. 2015. (Seminário).

82.
IV Forum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política (UFF). GT3 - Teoria política: pensamento político e social brasileiro. 2015. (Congresso).

83.
Manhãs na Fundação Casa de Rui Barbosa.Como valorizar o seu currículo lattes. 2015. (Oficina).

84.
Pensamento social, cultura e política (FCRB).Teoria pós-colonial e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955). 2015. (Seminário).

85.
Seminário de acompanhamento de área de ciência política/relações internacionais. 2015. (Seminário).

86.
Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (UFF).O pensamento político brasileiro e o fantasma da condição periférica. 2015. (Seminário).

87.
Seminário Homenagem a Wanderley Guilherme dos Santos.Pensamento político brasileiro na obra de Wanderley Guilherme dos Santos. 2015. (Seminário).

88.
VIII Congresso Brasileiro de História do Direito (UFPR). O moderno pelo formalismo - por uma crítica do conceito de inefetividade na história constitucional. 2015. (Congresso).

89.
XXXIX Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciência Social (ANPOCS).(Coordenador). 2015. (Encontro).

90.
Ciclo de debates do Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (UFOP).Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de. 2014. (Oficina).

91.
Experiências de tempo nos séculos XVIII e XIX (USP).Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de. 2014. (Seminário).

92.
I Seminário de Ciência Política e Relações Internacionais: avaliação e perspectivas. 2014. (Seminário).

93.
I Simpósio da Rede Libertária: o pensamento liberal do Brasil (UERJ).O pensamento liberal brasileiro no Império e na Primeira República. 2014. (Simpósio).

94.
I Workshop de Teoria Política (UERJ).Por que pensamento e não teoria? A imaginação política brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). 2014. (Seminário).

95.
IX Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Debatedor da mesa "Em torno do idealismo orgânico", do AT de Pensamento Político Brasileiro. 2014. (Encontro).

96.
IX Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Coordenação do AT de Pensamento Político Brasileiro. 2014. (Encontro).

97.
IX Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).Debatedor de mesa redonda "1964; atores e interpretações". 2014. (Encontro).

98.
IX Semana de História Política: política, conflitos e identidades na modernidade (PPGH-UERJ).Construção nacional, constitucionalismo e razão de Estado: o pensamento político do Regresso saquarema.. 2014. (Seminário).

99.
Lançamento do livro A Política da Prudência, de Russell Kirk.Pode Russell Kirk contribuir para a organização intelectual do conservadorismo brasileiro?. 2014. (Outra).

100.
Quartas Sociais (UNIFESP).Les vois nouvelles de la réprésentation politique de Pierre Rosanvallon. 2014. (Simpósio).

101.
Seminário Positivismo ontem e hoje (FCRB).Positivismo versus liberalismo: José Veríssimo, crítico de Joaquim Nabuco. 2014. (Seminário).

102.
XVII International Conference on the History of Concepts: communicating concepts, conceptualizing communication.From riffraff despotism to starched collar democracy: a history of the concept of democracy in Brazil (1770-1870). 2014. (Encontro).

103.
XXXVIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais.(Coordenador). 2014. (Encontro).

104.
2º Seminário de Pensamento Social em Instituições do Rio de Janeiro.Panorama da área de pensamento político brasileiro. 2013. (Seminário).

105.
Ciclo de Palestras no PPGCS-UNIFESP.Por que pensamento e não teoria? A imaginação política brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). 2013. (Oficina).

106.
Colóquio Nacional Percurso Constitucional do Brasil - Mackenzie/CEDEC.O liberalismo na Constituição imperial e Constituição da Primeira República. 2013. (Seminário).

107.
Estado e Linguagem Jurídica na História do Direito Brasileiro.Reinventando a filosofia da história - Bernardo Pereira de Vasconcelos e o conceito de regresso. 2013. (Seminário).

108.
III Forum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política.Coordenador-geral do GT de Teoria Política. 2013. (Encontro).

109.
III Forum Brasileiro de Pós-Graduação em Ciência Política.GT de Teoria Política - sessões de História do Pensamento Político e Pensamento Político Brasileiro entre o Império e a República. 2013. (Encontro).

110.
III Seminário Internacional de História e Direito: Instituições públicas, poder e justiça (UFF).A República que não era velha. 2013. (Seminário).

111.
II Seminário de História do Direito e das Instituições - IESP-UERJ/UGF.O lugar e o papel político da Justiça no Brasil Imperial: dois momentos. 2013. (Seminário).

112.
Semeando Saberes do Além-Mar: colóquios sobre Direito e História em homenagem a António Manuel Hespanha.O Império da Moderação: agentes da recepção do pensamento político europeu e construção da hegemonia ideológica do liberalismo moderado no Brasil imperial.. 2013. (Outra).

113.
Seminário Debates História Sociedade e Direito.Por que pensamento e não teoria? A imaginação cultural brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). 2013. (Seminário).

114.
Seminário Pensamentos Políticos e Econômicos: desafios para o século XXI..Análise do pensamento político ocidental: capitalismo, socialismo, social democracia e liberalismo. 2013. (Seminário).

115.
Sociologia e Política no Brasil (Mov. Res. Leonel Brizola).Rio-Iseb vs. São Paulo-USP. 2013. (Seminário).

116.
Tiempos Históricos: Tenporalidad e Historicidad desde la Historia Conceptual.A posteridade da era brasileira das revoluções -­ a formação político-­partidária de uma rivalidade historiográfica. 2013. (Seminário).

117.
VI Congresso Brasileiro de História do Direito - IBHD-UnB. Por uma história constitucional brasileira. 2013. (Congresso).

118.
XVI Congresso Brasileiro de Sociologia. Pensamento social no Brasil - mesa Sociedade e Estado no Brasil: construção do Estado e atores políticos. 2013. (Congresso).

119.
XXXVII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais.GT de Teoria Política e Pensamento Político Brasileiro. 2013. (Encontro).

120.
1a. Reunião do Forum Permanente de História do Direito (EMERJ).Judiciarismo e antijudiciarismo no pensamento constitucional da Primeira República. 2012. (Seminário).

121.
Direito e linguagem na construção do Estado brasileiro (UFSC).Desenvolvimento político comparado e circulação internacional de conceitos: esboço de uma teoria da recepção do ideário polítco-jurídico nos países periféricos. 2012. (Seminário).

122.
II Colóquio Internacional de Teoria, Discurso e Ação Política.Justiça e Representação Política. 2012. (Seminário).

123.
II Encontro da Escola Internacional de Pesquisa em História do Direito.Por uma crítica da história constitucional brasileira. 2012. (Encontro).

124.
II Seminário Internacional de História e Direito: instituições políticas, poder e justiça. (UFF).História do conceito de democracia no Brasil oitocentista. 2012. (Seminário).

125.
I Seminário de História do Direito e das Instituições Políticas (IESP-UERJ e FCRB).Existe uma história constitucional brasileira?. 2012. (Seminário).

126.
I Seminário Internacional Direito e Experiências Jurídicas: diálogos e vivências interdisciplinares (PPGD-UERJ).A questão da judicialização da política na Primeira República. 2012. (Seminário).

127.
IV Seminário "Direito, Memória e Tradição": investigação histórica e historiografia do direito colonial e imperial brasileiro.História do conceito de democracia no Brasil (1770-1870). 2012. (Seminário).

128.
Seminário A História dos Conceitos na História do Direito.O conceito de democracia no Brasil-Império. 2012. (Seminário).

129.
Seminário Trinta Anos Sem Guerreiro Ramos (IESP-UERJ).Guerreiro Ramos e a política. 2012. (Seminário).

130.
Série Justiça e Pensamento - CCJF.A Constituição de 1891 e o debate sobre o estado de sítio. 2012. (Outra).

131.
VIII Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Mesa Redonda: Existe um Pensamento Político Brasileiro?. 2012. (Encontro).

132.
VI Seminário PROCAD/CAPES - "As retoricas na história das idéias juridicas no Brasil".Judiciarismo e antijudiciarismo no pensamento constitucional da Primeira República. 2012. (Seminário).

133.
XXXVI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais. (ANPOCS))).Coordenador de GT de Teoria Política e Pensamento Político Brasileiro.. 2012. (Encontro).

134.
A Construção Jurídica do Estado Brasileiro: poder, sociedade e direito na linguagem jurídica do Antigo Regime à República.O conceito de estado de sítio na primeira década republicana. 2011. (Seminário).

135.
As Formas do Direito - Ordem, Razão, Decisão.. O Caminho para Washington passa por Buenos Aires; o conceito de estado de sítio na primeira década republicana (1892-1898).. 2011. (Congresso).

136.
Aula Magna - Especialização em Direito Constitucional - UNIVERCIDADE.Rui Barbosa e os Direitos Fundamentais. 2011. (Outra).

137.
Construção da Estatalidade e Linguagem Jurídico-Política.Separação de poderes e linguagem jurídico-política no Brasil Imperial. 2011. (Seminário).

138.
Conversas às sextas - Programa de Pós-Graduação em História da PUC-RJ.Da Monarquia à Oligarquia: a construção do Estado, as instituições e a representação política no Brasil (1822-1930).. 2011. (Outra).

139.
El Lenguaje de la libertad en Iberoamérica III: Conceptos políticos y historiograficos en la era de las revoluciones. A era brasileira das revoluções e sua posteridade: a formação político-partidária de uma rivalidade historiográfica.. 2011. (Congresso).

140.
Encontro às Quintas.La foule est foule, la foule est femme: o povo da revolta da Vacina visto pelo debate parlamentar do estado de sítio (1904-1905). 2011. (Seminário).

141.
O lugar das idéias: centro e periferia no pensamento político-social.Desenvolvimento político comparado; circulação de idéias e sua adaptação no contexto centro-periferia. 2011. (Seminário).

142.
Palestra no IESP-UERJ.Da Monarquia à Oligarquia: Contrução do Estado, Instituições e Representação Política no Brasil (1822-1930). 2011. (Outra).

143.
Rui e o Brasil Contemporâneo.Rui e os direitos sociais. 2011. (Seminário).

144.
Seminário Internacional de História e Direito: Instituições Políticas, Poder e Justiça.O conceito de estado de sítio no século XIX. 2011. (Seminário).

145.
XIV Annual World Conferece in Conceptual History : instability and change of concepts - semantic displacements, translations, ambiguities,contradictions. Recepción del concepto de pouvoir neutre en la construcción imperial de Brasil: un caso de cambio conceptual de centro a periferia. 2011. (Congresso).

146.
XXXV Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais.Coordenador de GT de Teoria Política e Pensamento Político Brasileiro. 2011. (Encontro).

147.
Conferência: O Pensamento Político Imperial (UNIFOR).O Pensamento Político Imperial. 2010. (Outra).

148.
História conceitual e linguagens do ideário político- Novos horizontes para a história do direito.Linguagens políticas e direito constitucional: o caso imperial brasileiro.. 2010. (Oficina).

149.
História e Direito: uma agenda de pesquisa (FCRB).História, teoria e agir político. 2010. (Seminário).

150.
III Simpósio de Teoria Política do Núcleo de Teoria Políica (NUTEP) da UFRJ.Pensamento ou teoria? A prática da história das idéias políticas no Brasil e o fantasma de sua condição periférica (1940-1980).. 2010. (Simpósio).

151.
Joaquim Nabuco e a Nossa Formação (FUNDAJ).O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. 2010. (Seminário).

152.
Reflexos de Nabuco (FCRB).Relações Internacionais. 2010. (Seminário).

153.
VII Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.Teoria Política na História: do Pós-Segunda Guerra à atualidade. 2010. (Encontro).

154.
VII Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP).O Império é que era a República: a monarquia republicana de Joaquim Nabuco. 2010. (Encontro).

155.
V Jornada de Estudos Históricos do Programa de Pós-Graduação em História Social (UFRJ) - GT Pensamento Político e Trajetória no Brasil e na Argentina do século XIX.Comentarista. 2010. (Simpósio).

156.
XXXIV Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS).ST34 - Teoria Política - 1a. sessão: Ação política, centralização e conservadorismo no pensamento político brasileiro. 2010. (Encontro).

157.
XXXIV Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS).MR03 - Fronteiras do Pensamento Político e Social Brasileiro. 2010. (Encontro).

158.
El Lenguaje de la libertad en Iberoamérica: Conceptos políticos en la era de las independencias II. Los conceptos de democracia y liberdad en Brasil (1770-1870). 2009. (Congresso).

159.
GAMAJUR 2009.Garantias Fundamentais na Tradição Constitucional Brasileira: o Habeas Corpus.. 2009. (Oficina).

160.
II Seminário Nacional de Pós-Graduandos em História das Instituições.História Social do Direito e Teoria Institucional. 2009. (Seminário).

161.
Interação entre Direito e Política - EMERJ.Direito e política: caminhos e descaminhos de uma interação necessária. 2009. (Outra).

162.
Nilo Peçanha e o estado do Rio de Janeiro no cenário da federação.Nilo Peçanha e o panorama ideológico da Primeira República. 2009. (Outra).

163.
Repercussões da Campanha Civilista.Representação e Instituições Políticas da Primeira República. 2009. (Seminário).

164.
Repercussões da Campanha Civilista.Sistemas Oligárquicos e a Representação Política na América Latina (1870-1930). 2009. (Seminário).

165.
Seminário Linhagens do Pensamento Político Brasileiro.Em torno do pensamento político brasileiro: cinco questões. 2009. (Seminário).

166.
Seminário Nacional sobre Justiça Constitucional.A Ordem Constitucional de 1891: justiça constitucional, estado de sítio e intervenção federal. 2009. (Seminário).

167.
Seminário Teoria Política, Teoria do Direito e Teoria Social Brasileira.O STF julga e não governa ou julga, governa e administra? Os velhos dilemas do novo Poder Moderador.. 2009. (Seminário).

168.
Série Pensamento Jurídico na Casa de Rui Barbosa.Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o Marquês de Caravelas e a gênese do pensamento político e constitucional do Brasil. 2009. (Seminário).

169.
Série Pensamento Jurídico na Casa de Rui Barbosa.Oliveira Lima e a reflexão política da Independência do Brasil. 2009. (Oficina).

170.
VIII Encontro do Grupo Cainã.O risco do despotismo ilustrado no ativismo judiciário brasileiro. 2009. (Encontro).

171.
20 anos da Constituição democrática de 1988 - Fundação Casa de Rui Barbosa.A Constituição e as bases instituicionais do Estado democrático de direito. 2008. (Seminário).

172.
Brasil: 200 anos de Estado, 200 anos de Administração Pública.Rui Barbosa, arquiteto da república e pedagogo da democracia. 2008. (Seminário).

173.
Colóquio Wilhelm von Humboldt e os limites da ação do Estado - Liberty Fund. 2008. (Outra).

174.
Diálogos entre Direito e História: cidadania e justiça.Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o constitucionalismo do Marquês de Caravelas. 2008. (Seminário).

175.
III Seminário Regional do Centro de Estudos dos Oitocentos - CEO/PRONEX.Monarquia sem despotismo e liberdade sem anarquia: o Marquês de Caravelas e a formação da teoria política e constitucional brasileira. 2008. (Seminário).

176.
Oficina Conselho de Estado e Cultura Jurídica Brasileira - UFF.Conselho de Estado e Cultura Jurídica Brasileira. 2008. (Oficina).

177.
Os vinte anos da Constituição - UFF.História constitucional brasileira: reflexões para uma agenda de pesquisa. 2008. (Seminário).

178.
Seminário Direito e Justiça - Universidade Gama Filho.Temas da História Constitucional Brasileira. 2008. (Seminário).

179.
VI Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política.A democracia aristocrática - A teoria política da Primeira República. 2008. (Encontro).

180.
XI Semana de Monitoria da Universidade Federal Fluminense.A Teoria Política e Constitucional dos Fundadores do Brasil. 2008. (Outra).

181.
XXXII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais.A democracia aristocrática de Gilberto Amado. 2008. (Encontro).

182.
2º Seminário Casa de Rui Barbosa/ FAPERJ.A Constituição de 1891. 2007. (Seminário).

183.
Cem Anos da Segunda Conferência da Paz em Haia. 2007. (Seminário).

184.
Colóquio Rui Barbosa em Perspectiva.A utopia democrática - Rui Barbosa entre o Império e a República. 2007. (Outra).

185.
El linguaje de la modernidad en Iberoamérica - conceptos políticos en la era de las independencias. O conceito de liberalismo no Brasil/ O conceito de república no Brasil (1750-1850). 2007. (Congresso).

186.
Mesa Redonda: Pensamento Social Brasileiro - História e Arquivos.Encruzilhadas da Democracia Brasileira - os Casos de Rui Barbosa e Joaquim Nabuco. 2007. (Outra).

187.
XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. Encruzilhadas da democracia brasileira - os casos de Rui Barbosa e Joaquim Nabuco. 2007. (Congresso).

188.
X Semana de Monitoria da Universidade Federal Fluminense. 2007. (Outra).

189.
XXXI Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais - ANPOCS.O debate político-constitucional da independência - o caso do Marquês de Caravelas. 2007. (Encontro).

190.
1º Seminário Casa de Rui Barbosa / Faperj - Quatro pesquisas em curso.Origens ideológicas da ordem constitucional de 1891: a abolição da escravatura, a crise do discurso político-partidário monárquico e a emergência do republicanismo. 2006. (Seminário).

191.
III Congresso Latino-Americano de Ciência Política. A razão de Estado no discurso conservador brasileiro do século XIX. 2006. (Congresso).

192.
Seminário da Casa de Rui Barbosa.Do direito à política: Rui Barbosa e o controle de constitucionalidade. 2006. (Seminário).

193.
II Congresso Brasileiro de Direito e Política. A voz do Leviatã pela boca do Behemoth - estado de exceção, poder moderador e controle de constitucionalidade. 2005. (Congresso).

194.
IV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Ciência Política.Poder moderador e modernização no debate político brasileiro. 2004. (Encontro).

195.
VII Conferência Internacional da História dos Conceitos. A modernidade como critério de uma história do conceito na periferia. 2004. (Congresso).

196.
IV Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico.Giambattista Vico. 2001. (Outra).

197.
II Ciclo de Debates sobre LIberalismo Clássico.O Legado do Liberalismo Clássico. 2000. (Outra).

198.
III Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 2000. (Outra).

199.
III Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 2000. (Outra).

200.
I Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico. 1999. (Outra).

201.
II Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico.Immanuel Kant. 1999. (Outra).

202.
II Ciclo de Debates sobre Liberalismo Clássico.John Locke. 1999. (Outra).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
LYNCH; CASSIMIRO, P. H. P. ; SILVA, J. A. A. E. ; ASSUMPCAO, S. R. . I Encontro de teoria política e pensamento político brasileiro. 2018. (Outro).

2.
LYNCH; RICUPERO, B. ; MAIA, J. M. E. . Seminário Comparação e Circulação de Ideias. 2017. (Outro).

3.
LYNCH. II Jornada do Pensamento Político Brasileiro. 2017. (Congresso).

4.
SILVA, J. A. A. E. ; LYNCH . Terceiro poder ou poder moderador da República: o papel do Poder Judiciário no pensamento de Rui Barbosa e na atualidade brasileira. 2017. (Congresso).

5.
LYNCH; WEHLING, A. ; SIQUEIRA, G. S. ; FONSECA, R. M. ; BARBOSA, S. R. . IX Congresso Brasileiro de História do Direito. 2017. (Congresso).

6.
LYNCH. Seminário Centenário da Conferência de Buenos Aires, "O Dever dos Neutros", de Rui Barbosa. 2016. (Outro).

7.
LYNCH. Congresso Internacional Cem Anos do Código Civil (1916-2006). 2016. (Congresso).

8.
LYNCH. III Seminário de História do Direito e das Instituições Políticas. 2015. (Outro).

9.
LOPES, A. H. ; LYNCH ; FERREIRA, G. N. . Seminário Pensamento social, cultura e política. 2015. (Outro).

10.
LYNCH. II Seminário de História do Direito e das Instituições. 2013. (Outro).

11.
LYNCH. I Seminário de História do Direito e das Instituições Políticas. 2012. (Congresso).

12.
LYNCH. Seminário Trinta Anos sem Guerreiro Ramos. 2012. (Congresso).

13.
LYNCH; SANTOS, R. D. ; SILVA, W. S. . Seminário Teoria Política, Jurídica e Social Brasileira. 2009. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Marcelo Calero. O pensamento político de Lima Barreto. Início: 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ). (Orientador).

Tese de doutorado
1.
Rodrigo Mezzomo. Representação e voto avulso. Início: 2018. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida. (Orientador).

2.
Helio Maurício Pirajá Cannone. O pensamento político de Nelson Werneck Sodré. Início: 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

3.
Maurício Guedes. O constitucionalismo de Tobias Barreto. Início: 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida. (Orientador).

4.
Lidiane Rezende Vieira. A tradição moderada no pensamento político brasileiro. Início: 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (Orientador).

5.
Pedro Paiva Marreca. Nacionalismo periférico e ciência política na Terceira República brasileira. Início: 2015. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

6.
Luiz Carlos Ramiro Jr.. O pensamento político de João Camilo de Oliveira Torres. Início: 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

7.
Marcelo Tavares Silva. O pensamento político do Visconde de Cairu. Início: 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

8.
Antônio Marcos Dutra da Silva. O pensamento político do Visconde de Taunay. Início: 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (Orientador).

9.
Oseias Carmo Neves. O pensamento político de Euclides da Cunha. Início: 2014. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ). (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Lidiane Rezende Vieira. Evaristo da Veiga e a recepção do liberalismo francês nas páginas do jornal Aurora Fluminense (1827-1835). 2016. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

2.
Fhaiza Andrade Raick. O valor da História em Oliveira Vianna. 2016. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, . Coorientador: Christian Edward Cyril Lynch.

3.
Tamyres Ravache Alves de Marco. Um leninista não marxista: a recepção da teoria revolucionária leninista na obra de Azevedo Amaral. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

4.
Helio Maurício Pirajá Cannone. Passado, desenvolvimento e futuro: a relação entre história e política na obra de três intelectuais do ISEB.. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

5.
Milena dalla Bernardina. O Judiciarismo de Rui Barbosa. 2013. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

6.
Maurício Pires Guedes. A Escola da Exegese, o constitucionalismo clássico e a jurisprudência sociológica norte-americana: três momentos da teoria do direito no pensamento jurídico brasileiro. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

7.
Vinícius Hetmanek de Passos Maciel. Pensamento jurídico-social brasileiro e o tema da cidadania (1891-1949). 2012. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

8.
Luiz Carlos Ramiro Junior. Entre o Syllabus e a Constituição moderna: debates políticos em torno da Questão Religiosa no Brasil (1872-1875). 2012. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

9.
Cristiane de Medeiros Brito Chaves Frota. A Liberdade Religiosa como Direito Fundamental: aspectos de sua atualidade jurídica. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

10.
Rodrigo Reis Cyrino. Ativismo Judicial e Judicialismo no Direito Brasileiro: o interesse público analisado pelo Judiciário na suspensão da segurança. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

11.
Alexandre Fernandes Dantas. A justificação liberal dos direitos humanos. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

12.
Carlos Roberto Lima. Representação e perspectivas de reforma política no Brasil. 2010. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

13.
Daniele Ramos Venezia dos Santos. A judicialização na obra de Oliveira Viana. 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

Tese de doutorado
1.
Leonardo Seichii Sasada Sato. Um poder da moderação: política e história no Supremo Tribunal Federal da Primeira República. 2018. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

2.
Elizeu Santiago Tavares de Sousa. Pensamento político e política externa no Brasil imperial: tendências do pensamento internacional brasileiro. 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Coorientador: Christian Edward Cyril Lynch.

3.
Bruno Gonçalves Rosi. Saquaremas, Luzias, o Brasil e os Estados Unidos. 2016. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência Política) - Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Coorientador: Christian Edward Cyril Lynch.

4.
Carlos Guilherme Francovich Lugones. Intervenção federal na Primeira República: do idealismo federativo à prática oligárquica. 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Veiga de Almeida, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

5.
Priscila Petereit de Paola Gonçalves. Os Primeiros Passos do Leão: Os Embates para a Criação do Imposto de Renda no Brasil (1889-1930). 2014. Tese (Doutorado em Doutorado em Sociologia e Direito) - Universidade Federal Fluminense, . Coorientador: Christian Edward Cyril Lynch.

6.
Carlos Gustavo Vianna Direito. Breve história do conceito de imperium na Roma antiga. 2013. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade Gama Filho, . Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

Supervisão de pós-doutorado
1.
Paulo Henrique Paschoetto Cassimiro. 2017. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Christian Edward Cyril Lynch.

2.
Vera Alves Cepeda. 2016. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), . Christian Edward Cyril Lynch.

3.
Angélica Lovatto. 2015. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), . Christian Edward Cyril Lynch.

4.
Cláudio Silveira Amaral. 2014. Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Christian Edward Cyril Lynch.

5.
Márcio Augusto de Vasconcelos Diniz. 2013. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), . Christian Edward Cyril Lynch.

6.
Maria Fernanda Lombardi Fernandes. 2013. Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ), . Christian Edward Cyril Lynch.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Lidiane Rezende Vieira. A Aurora Fluminense (1827-1828): um estudo da recepção do liberalismo de Benjamin Constant por Evaristo da Veiga. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciência Política) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

2.
Lidiane Rezende Vieira. O liberalismo de Evaristo da Veiga. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciência Política) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

3.
Luiz Eduardo São Thiago. A Lei 10.257/2001 (Estatuto da Cidade) à luz do Direito Ambiental. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em direito) - Universidade Gama Filho. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

4.
Gilberto Vitor Ramos Martins. Rui Barbosa e a batalha pela legalidade: habeas corpus em estado de sítio. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Bacharelado em Direito) - Universidade Federal Fluminense. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

Iniciação científica
1.
Yan da Mota Campos. Os anti-Rui Barbosa: a obra e a atuação política de Alcindo Guanabara.. 2014. Iniciação Científica - Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundaação Casa de Rui Barbosa. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

2.
Diego Príncipe. O liberalismo moderado de Evaristo da Veiga (1827-1829). 2011. Iniciação Científica. (Graduando em Ciência Política) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

3.
Lidiane Rezende Vieira. O liberalismo moderado de Evaristo da Veiga (1827-1829). 2011. Iniciação Científica. (Graduando em Ciência Política) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

4.
Sérgio Tavares. Os anti-Rui: a obra e a atuação política de Alcindo Guanabara. 2008. Iniciação Científica - Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundaação Casa de Rui Barbosa. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

5.
Márcio Verani. Os anti-Rui Barbosa: a obra e a atuação política de Felisbelo Freire.. 2007. Iniciação Científica - Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

6.
Márcio Verani. Inventando a República: A Constituinte de 1890 e os projetos institucionais dos constituintes.. 2007. Iniciação Científica - Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundaação Casa de Rui Barbosa. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.

Orientações de outra natureza
1.
Talita Teixeira dos Santos. Rui por ele mesmo. 2015. Orientação de outra natureza - Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundaação Casa de Rui Barbosa. Orientador: Christian Edward Cyril Lynch.



Outras informações relevantes


É Editor da Revista Insight Inteligência desde janeiro de 2013.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/11/2018 às 8:13:44