Diego Junqueira Stevanato

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7395885633087666
  • Última atualização do currículo em 20/11/2018


Tem graduação em zootecnia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP 2012), mestrado em zootecnia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR 2016) e, é doutorando no Programa de Pós-graduação em Zootecnia na UFPR. Tem experiência com aquicultura continental com ênfase na piscicultura de espécies nativas comerciais. Trabalha no monitoramento e na adoção de medidas de mitigação de impactos ambientais, principalmente em linhas de pesquisa de ecotoxicologia aquática com derivados do craqueamento do petróleo em espécies nativas de peixes e também no monitoramento de impactos ambientais de espécies aquáticas invasoras como o hidrozoário Cordylophora caspia e do mexilhão-dourado Limnoperna fortunei. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Diego Junqueira Stevanato
Nome em citações bibliográficas
STEVANATO, D. J.

Endereço


Endereço Profissional
Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais.
Rua dos Funcionários
Juvevê
89245000 - Curitiba, PR - Brasil
Telefone: (41) 33533861
URL da Homepage: http://www.gia.org.br


Formação acadêmica/titulação


2016
Doutorado em andamento em Zootecnia.
Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil.
Orientador: Antonio Ostrensky Neto.
2014 - 2016
Mestrado em Zootecnia.
Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil.
Título: Ontogenia larval e pós-larval de Astyanax altiparanae (Garutti & Britski, 2000) em laboratório,Ano de Obtenção: 2016.
Orientador: Antonio Ostrensky Neto.
Setores de atividade: Pesquisa e desenvolvimento científico.
2007 - 2012
Graduação em Zootecnia.
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil.
Orientador: Leonardo Susumo Takahashi.




Formação Complementar


2018 - 2018
NB 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. (Carga horária: 35h).
PrimeCursos, PRIME, Brasil.
2016 - 2016
Gestão de Qualidade: Visão Estratégica. (Carga horária: 24h).
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, SEBRAE, Brasil.
2016 - 2016
Gestão de Qualidade: Visão Estratégica. (Carga horária: 20h).
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, SEBRAE, Brasil.
2016 - 2016
Gestão de Qualidade: Visão Estratégica. (Carga horária: 12h).
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, SEBRAE, Brasil.
2013 - 2013
. Formação de Auditores Internos do Programa Feed. (Carga horária: 32h).
Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal, SINDIRAÇÕES, Brasil.
2013 - 2013
Curso de Implementação e Gestão de Boas Práticas d. (Carga horária: 32h).
Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal, SINDIRAÇÕES, Brasil.
2012 - 2012
Estágio Supervisionado Obrigatório. (Carga horária: 720h).
Piscicultura JK Fish, JK FISH, Brasil.
2009 - 2012
Extensão universitária em Grupo de Estudo de Aquicultura da Unesp Dracena.
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Experimental, UNESP, Brasil.
2009 - 2012
Extensão universitária em Piscicult. Ornamental como at. prof. em Dracena/SP.
Grupo de Aquicultura Unesp Dracena, GAUD, Brasil.
2011 - 2011
estágio. (Carga horária: 160h).
Piscicultura JK Fish, JK FISH, Brasil.
2010 - 2010
Extensão universitária em Programa de Formação Geral em Piscicultura.
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Experimental, UNESP, Brasil.
2010 - 2010
BPM na criação e reprodução de alevinos.
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil.
2010 - 2010
estágio. (Carga horária: 300h).
Piscicultura JK Fish, JK FISH, Brasil.
2009 - 2009
Extensão universitária em Aquicultura. (Carga horária: 56h).
Grupo de Estudo de Aquicultura da Unesp de Dracena, GAUD, Brasil.
2009 - 2009
Extensão universitária em Piscicultura Ornamental como Ativid. Profissional.
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Experimental, UNESP, Brasil.
2009 - 2009
Extensão universitária em Estresse e Imunologia de Peixes (CAUNESP).
UNESP - Campus de Jaboticabal, UNESP, Brasil.
2009 - 2009
Inseminação Artificial em Bovinos. (Carga horária: 36h).
Lagoa da Serra, LS, Brasil.
2009 - 2009
Doma Racional. (Carga horária: 40h).
Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, SENAR, Brasil.
2008 - 2008
Biologia e manejo de Répteis e Aves Selvagens.
Parque Zoológico Municipal de Bauru, PZMB, Brasil.


Atuação Profissional



Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais, GIA, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - Atual
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Mestrando, Carga horária: 10

Atividades

03/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais, .

Linhas de pesquisa
Ecotoxicidade Ambiental

Fazenda São José, JK FISH, Brasil.
Vínculo institucional

2012 - 2012
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Responsável Técnico/Gerente, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.
Outras informações
Responsável Técnico da Piscicultura JK Fish, localizada no município de Santa Mercedes/SP.

Vínculo institucional

2009 - 2012
Vínculo: Celetista, Enquadramento Funcional: Gerente, Regime: Dedicação exclusiva.


Universidade Estadual Paulista, UNESP, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2010
Vínculo: Estudante, Enquadramento Funcional: Estudante


Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2010
Vínculo: , Enquadramento Funcional:


Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico, FAADCT/PR, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 8

Vínculo institucional

2014 - 2015
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 8

Atividades

9/2014 - Atual
Pesquisa e desenvolvimento , Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais, .


Petróleo Brasileiro - Rio de Janeiro - Matriz, PETROBRAS, Brasil.
Vínculo institucional

2015 - 2018
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Pesquisador, Carga horária: 8


Grupo de Aquicultura Unesp Dracena, GAUD, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2012
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Integrante, Carga horária: 2
Outras informações
Responsável: Prof. Dr. Leonardo Susumu Takahashi Objetivos: - Traçar um perfil sócio-econômico dos piscicultores da região, mapeando e determinando as características físicas e produtivas da região; - Aproximação dos envolvidos com a realidade do meio rural, promovendo maior interação entre universidade e campo; - Desenvolver o senso crítico técnico e social dos envolvidos.



Linhas de pesquisa


1.
Ecotoxicidade Ambiental
2.
Programa Redes Digitais da Cidadania do Estado do Paraná
3.
Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura


Projetos de pesquisa


2014 - Atual
Marcadores moleculares e ecotoxicológicos aplicados a incidentes em ambientes aquáticos continentais
Descrição: A poluição, resultante da liberação de óleo para o ambiente aquático, devido acidentes recentes, tornou-se uma preocupação mundial por consequência de seus efeitos sobre os ecossistemas aquáticos. Em julho de 2000 aproximadamente quatro milhões de litros, ou cerca 25 mil barris de óleo cru, vazaram do oleoduto OSPAR, proveniente da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR) localizada no município de Araucária, Paraná. Mesmo com o uso de contenção, para evitar a dispersão, o óleo alcançou 45 km, a jusante do arroio Saldanha, contaminando o Rio Barigui e o Rio Iguaçu. Alguns meses após o acidente no oleoduto OSPAR, em fevereiro de 2001, ocorreu o rompimento do poliduto OLAPA, liberando derivados leves de petróleo na Serra do Mar Paranaense. Diversos trabalhos têm sido desenvolvidos com o objetivo de avaliar a capacidade adaptativa de populações de peixes que habitam ambientes contaminados por petróleo na bacia do altíssimo Iguaçu e na Serra do Mar. Nesse sentido, pesquisas que associem o uso de biomarcadores, e que ainda forneçam dados consistentes para o diagnóstico de riscos ambientais, frente a novas exposições do ambiente ao petróleo, não foram praticadas. Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo principal estabelecer subsídios aos estudos de biomonitoramento ambiental, que permitirão identificar de forma mais precisa a interferência aguda e crônica de incidentes com petróleo, em especial em ambientes aquáticos continentais.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (3) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Integrante / Antonio Ostrensky Neto - Coordenador / Márcio Roberto Pie - Integrante / Giorgi Dal Pont - Integrante / Marco Tadeu Grassi - Integrante / Tamires Marcela Burda - Integrante / Alina Stadnik Komarcheuski - Integrante / Marcelo Pereira de Souza Júnior - Integrante / Patrícia Ramos de Vargas - Integrante.Financiador(es): Petróleo Brasileiro - Rio de Janeiro - Matriz - Outra.
2014 - Atual
Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura - INFOAQ
Descrição: Objetivo Geral Criar um portal virtual - Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura (INFOAQ) -, utilizando a tecnologia da gestão da informação como ferramenta, buscando promover a comunicação em rede entre os diferentes elos envolvidos na cadeia produtiva da aquicultura e principalmente, fornecendo informações qualificadas em linguagem simples e direta aos aquicultores familiares do estado do Paraná e do país. Objetivos específicos:  Construir e implantar um portal virtual Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura, para livre acesso aos interessados na produção de organismos aquáticos.  Pesquisar, estruturar e elaborar conteúdos para o abastecimento constante do INFOAQ.  Possibilitar aos usuários a colaboração direta e produção de conteúdos para o INFOAQ.  Divulgar notícias e informações técnicas, legais e ambientais que contribuam para o fortalecimento da cadeia produtiva da aquicultura familiar com foco no estado do Paraná.  Facilitar o acesso à informação a partir da concentração de materiais referentes à produção de organismos aquáticos, contribuindo para os processos de gestão do empreendimento aquícola e de comercialização da produção.  Servir como um banco de dados que facilite a busca e a troca de informações referente à aquicultura.  Divulgar oportunidades de estágios para acadêmicos, de emprego ofertados pelos setores comerciais e de serviços e de oportunidades junto ao setor produtivo.  Criar meios para promover a comunicação direta entre professores, alunos, empresas, ONG s, órgãos governamentais, associações, cooperativas, produtores independentes, fornecedores e clientes da área.  Estimular o exercício da cidadania para a execução de ações individuais e coletivas que contribuam com a atividade aquícola e com o desenvolvimento rural no estado do Paraná.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Integrante / Aline Horodesky - Integrante / Antonio Ostrensky Neto - Coordenador / Marcus Girotto - Integrante / Francismara Pinto - Integrante / Debora Pestana - Integrante.
2010 - 2011
Coeficientes de digestibilidade aparente de alimentos protéicos e energéticos para o pacu (Piaractus mesopotamicus)
Descrição: A digestibilidade é um dos aspectos mais importantes na avaliação dos alimentos quanto a sua eficiência biológica. O conhecimento dos coeficientes de digestibilidade dos alimentos permite a formulação de dietas que atendam as exigências nutricionais dos peixes com custo mínimo e reduzido impacto ambiental ao meio aquático. O objetivo do trabalho será determinar os coeficientes de digestibilidade aparente (CDa) da matéria seca (MS), energia bruta (EB), proteína bruta (PB) e amido de alimentos energéticos (milho, sorgo, quirera de arroz e farinha de acerola) e protéicos (farelo de soja, farinha de carne e ossos, farinha do resíduo da filetagem de tilápia, farinha de crisálida, farinha de vísceras de aves e farinha de penas) em juvenis de pacu (Piaractus mesopotamicus). Serão utilizados 400 peixes com peso médio inicial de 20 gramas, distribuídos em vinte aquários de polietileno de 100 L (aquários de alimentação), e 4 aquários de 150 L com fundo afunilado e sistema de drenagem comum a uma única coluna de decantação (Sistema Guelph modificado). Os peixes serão alimentados durante sete dias com dietas-teste compostas por 69% de uma dieta referência, 30% do ingrediente e 1% de óxido de cromo. O delineamento experimental será inteiramente casualizado, com dez tratamentos e cinco repetições. Os resultados obtidos serão submetidos à análises de variância (ANOVA), sendo as médias comparadas pelo Teste de Duncan (5%), através do programa estatístico SAS, versão 9...
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Integrante / Leonardo Susumu Takahashi - Coordenador / Bruno Henrique Silva Pereira - Integrante.
2009 - 2010
Potencial para exploração da piscicultura ornamental como atividade profissional na região de Dracena-SP
Descrição: Os maiores mercados internacionais de peixes ornamentais são o Japão, a Europa (principalmente a Alemanha e a Holanda) e os Estados Unidos. Em termos globais, o comercio mundial de peixes ornamentais excede US$ 1 bilhão. No Brasil, estima-se em mais de 4.000 produtores de peixes ornamentais. Ainda sem acesso à tecnologia e informação, o produtor vem lutando há anos para se tornar mais competitivo, buscando também uma maior participação no mercado internacional de peixes ornamentais. Por outro lado, conhecer o ambiente em que esta inserida a piscicultura ornamental torna-se necessário, através de uma analise de posicionamento setorial (Forças de Porter) agregando a estrategia da atividade diante de perspectivas futuras para a implantação profissional. Na região de Dracena/SP, com aptidão climática e infra-estrutura básica para a piscicultura, a produção de peixes ornamentais poderá tornar-se uma atividade interessante, do ponto de vista técnico de exploração (áreas reduzidas para o cultivo), bem como contribuir com a complementariedade de renda ao produtor. A partir da bibliografia disponível sobre algumas especies de peixes com potencial econômico, foram realizados projetos-piloto, nos quais os alunos desenvolveram técnicas de produção destas especies, buscando aprender e entender o manejo necessário para esta atividade. Com a experiencia pratica obtida, os alunos elaboraram manuais técnicos para produção das especies estudadas. Este projeto proporcionou novas opções aos produtores da região em estudo, de forma a fortalecer com as atividades de ensino, pesquisa e extensão da UNESP - campus de Dracena, agregando conhecimentos à comunidade envolvida e aos alunos participantes..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (6) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Integrante / Leonardo Susumu Takahashi - Integrante / Omar J. Sabbag - Coordenador / Mariana Midori Nagata - Integrante / Hilda da Silva Araujo - Integrante.


Projetos de extensão


2010 - 2012
GAUD - GRUPO DE AQUICULTURA UNESP DRACENA
Descrição: O Grupo de aquicultura é um dos pioneiros nas práticas de aprendizado e extensão da Unesp de Dracena. As reuniões são semanais, onde são discutidos e abordados assuntos referentes as bibliografias estudadas, envolvendo alunos da graduação, pós-graduação e o Prof. Coordenador. Os integrantes participam de atividades, como, auxílio ou execução de experimentos científicos com análises laboratoriais, visitas e auxílios a pequenos produtores rurais e atividades de educação ambiental nas escolas de ensino fundamental de Dracena.
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
2010 - 2010
Viabilidade Econômica na Produção de Peixes Ornamentais
Descrição: Avaliou-se a viabilidade econômica da produção de peixes ornamentais dentro de um sistema fechado, no caso uma estufa. Foi avaliado o custo dos materiais para a construção da estufa, do material usado para produção dos peixes, no caso duas caixas de 1.000 L cada, tambores para filtro biológico, dentre outros materiais..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Coordenador / Leonardo Susumu Takahashi - Integrante / Omar J. Sabbag - Integrante / Bruno Henrique Silva Pereira - Integrante.Financiador(es): Pró-Reitoria de Extensão Universitária - Bolsa.
2009 - 2010
Potencial para exploração da piscicultura ornamental como atividade profissional na região de Dracena-SP
Descrição: Os maiores mercados internacionais de peixes ornamentais são o Japão, a Europa (principalmente a Alemanha e a Holanda) e os Estados Unidos. Em termos globais, o comercio mundial de peixes ornamentais excede US$ 1 bilhão. No Brasil, estima-se em mais de 4.000 produtores de peixes ornamentais. Ainda sem acesso à tecnologia e informação, o produtor vem lutando há anos para se tornar mais competitivo, buscando também uma maior participação no mercado internacional de peixes ornamentais. Por outro lado, conhecer o ambiente em que esta inserida a piscicultura ornamental torna-se necessário, através de uma analise de posicionamento setorial (Forças de Porter) agregando a estrategia da atividade diante de perspectivas futuras para a implantação profissional. Na região de Dracena/SP, com aptidão climática e infra-estrutura básica para a piscicultura, a produção de peixes ornamentais poderá tornar-se uma atividade interessante, do ponto de vista técnico de exploração (áreas reduzidas para o cultivo), bem como contribuir com a complementariedade de renda ao produtor. A partir da bibliografia disponível sobre algumas especies de peixes com potencial econômico, foram realizados projetos-piloto, nos quais os alunos desenvolveram técnicas de produção destas especies, buscando aprender e entender o manejo necessário para esta atividade. Com a experiencia pratica obtida, os alunos elaboraram manuais técnicos para produção das especies estudadas. Este projeto proporcionou novas opções aos produtores da região em estudo, de forma a fortalecer com as atividades de ensino, pesquisa e extensão da UNESP - campus de Dracena, agregando conhecimentos à comunidade envolvida e aos alunos participantes...
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.
Alunos envolvidos: Graduação: (6) .
Integrantes: Diego Junqueira Stevanato - Integrante / Leonardo Susumu Takahashi - Integrante / Omar Jorge Sabbag - Coordenador / Mariana Midori Nagata - Integrante / Hilda da Silva Araujo - Integrante / Bruno Tadeu Marotta Lima - Integrante / Luiz Alexandre Fazia Coutinho - Integrante / Atã Iakowsky Barbosa - Integrante.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Zootecnia / Subárea: Meio Ambiente.
2.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Farmacologia / Subárea: Toxicologia.
3.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Zootecnia / Subárea: Espécies Aquáticas Invasoras.
4.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Zootecnia / Subárea: Aqüicultura.
5.
Grande área: Ciências Agrárias / Área: Zootecnia / Subárea: Monitoramento ambiental.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Bem.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Bem.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
STEVANATO, D. J.2018STEVANATO, D. J.; OSTRENSKY, A . Ontogenetic development of tetra Astyanax lacustris (Characiformes: Characidae). Neotropical Ichthyology, v. 16, p. 1, 2018.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
OSTRENSKY, A ; STEVANATO, D. J. ; DAL PONT, G. ; CASTILHO-WESTPHAL, G. ; Girotto, M. V. F. ; Cozer, N. ; Alaiza, R. F. ; SILVA, U. A. T. . A produção integrada na carcinicultura brasileira: princípios e práticas para se cultivar camarões marinhos de forma mais racional e eficiente: Volume I - Aspectos biológicos, sanitários, legais, ambientais, sociais e operacionais. 1. ed. Curitiba: Instituto GIA, 2017. v. II. 315p .

Capítulos de livros publicados
1.
STEVANATO, D. J.. O Meio Ambiente e a Carcinicultura. A produção integrada na carcinicultura brasileira: princípios e práticas para se cultivar camarões marinhos de forma mais racional e eficiente. 1ed.Curitiba: Instituto GIA, 2017, v. II, p. 140-154.

2.
STEVANATO, D. J.. Licenciamento ambiental de empreendimentos de carcinicultura. A produção integrada na carcinicultura brasileira: princípios e práticas para se cultivar camarões marinhos de forma mais racional e eficiente. 1ed.Curitiba: Instituto GIA, 2017, v. II, p. 156-186.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
STEVANATO, D. J.; LONGUINE, R. ; PEREIRA, M. M. . Projetos de extensão universitária dobram na UNESP. Jornal Regional, Dracena, 09 abr. 2011.

2.
STEVANATO, D. J.. Alisul Alimentos S.A. Alisul Alimentos S.A.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
STEVANATO, D. J.; BILLER-TAKAHASHI, J.D. ; Pereira, B. H. S. ; TAKAHASHI, L. S. . Alimentos alternativos na piscicultura. In: SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP DRACENA, 2010, Dracena. SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP DRACENA, 2010.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
STEVANATO, D. J.; OSTRENSKY, A . Effects of temperature on larval and post-larval ontogenic development of Astyanax altiparanae in laboratory conditions. In: World Aquaculture, 2017, Cape Town, South Africa. World Aquaculture 2017, 2017.

2.
STEVANATO, D. J.; TAKAHASHI, L. S. ; SABBAG, O. J. . Reprodução de Acará Bandeira em cativeiro e suas particularidades. In: V Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena, 2009, Dracena. Reprodução de Acará Bandeira em cativeiro e suas particularidades, 2009.

3.
NAGATA, M.M. ; STEVANATO, D. J. ; ZANUZZO, F. S. ; SAITA, M. V. ; URBINATI, E. C. ; TAKAHASHI, L. S. . Efeito da perseguição e exposição aérea nos parâmetros hematológicos de juvenis de tilápia-do-Nilo. In: SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS DA UNESP DRACENA, 2009, Dracena. Efeito da perseguição e exposição aérea nos parâmetros hematológicos de juvenis de tilápia-do-Nilo, 2009.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
STEVANATO, D. J.; POLESE, W. T. P. ; OSTRENSKY, A . Efeitos da temperatura sobre o desenvolvimento ontogenético larval e pós-larval de Astyanax altiparanae (Pisces, Characiformes). In: Congresso Brasileiro de Aquicultura, 2016, Belo Horizonte. O uso da água com ciência, 2016.

2.
SOUZA JUNIOR, M. P. ; STEVANATO, D. J. ; OSTRENSKY, A . Desenvolvimento larval-vitelino do Astyanax altiparanae (Garutti & Britski, 2000). In: Evento de Iniciação Científica e Evento de Iniciação Tecnológica e Inovação, 2015, Curitiba. 23º EVINCI e 8º EINTI, 2015. p. 1249-1249.

3.
STEVANATO, D. J.; Pereira, B. H. S. ; TAKAHASHI, L. S. ; SABBAG, O. J. . DIAGNÓSTICO DA PSICULTURA EM TANQUES-REDE NA REGIÃO DE PANORAMA/SP. In: SICUD, 2010, Dracena. DIAGNÓSTICO DA PSICULTURA EM TANQUES-REDE NA REGIÃO DE PANORAMA/SP, 2010.

Apresentações de Trabalho
1.
STEVANATO, D. J.. Alevinagem. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
STEVANATO, D. J.. Instalação de tanques-rede em reservatório. 2014. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

Outras produções bibliográficas
1.
Pereira, B. H. S. ; STEVANATO, D. J. ; NAGATA, M.M. ; TAKAHASHI, L. S. ; SAITA, M. V. . Digestibilidade de diferentes alimentos para espécies nativas 2010 (SIMPOSIO DE CIENCIES DA UNESP DRACENA).

2.
Pereira, B. H. S. ; STEVANATO, D. J. ; TAKAHASHI, L. S. ; BILLER-TAKAHASHI, J.D. . Análise do tempo de extração a quente para a determinação do extrato etéreo em alimentos 2010 (SIMPOSIO DE CIENCIES DA UNESP DRACENA).


Produção técnica
Assessoria e consultoria
1.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Dracena/SP. 2013.

2.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Três Lagoas/MS. 2013.

3.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Junqueirópolis/SP. 2013.

4.
STEVANATO, D. J.. Aquicultura Dracena/SP. 2013.

5.
STEVANATO, D. J.. Piscicultura Votuporanga/SP. 2013.

6.
STEVANATO, D. J.. Piscicultura Votuporanga/SP. 2013.

7.
STEVANATO, D. J.. Aquicultura Dracena/SP. 2012.

8.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Santa Mercedes/SP. 2012.

9.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Presidente Prudente/SP. 2012.

10.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Pacaembu/SP. 2012.

11.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Presidente Venceslau/SP. 2012.

12.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Três Lagoas/MS. 2012.

13.
STEVANATO, D. J.. Aquicultura Junqueirópolis/SP. 2012.

14.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. . Aquicultura Junqueirópolis/SP. 2012.

15.
STEVANATO, D. J.. Consultoria Votuporanga/SP. 2012.

Processos ou técnicas
1.
STEVANATO, D. J.; PAIVA, A. ; SOUZA, J. F. . Processo Judicial. 2013.

Trabalhos técnicos
1.
PESTANA, D ; OSTRENSKY, A ; Horodesky, A. ; STEVANATO, D. J. . Prestação de serviço de monitoramento quali-quantitativo de Limnoperna fortunei em reservatórios da Copel. 2017.

2.
PESTANA, D ; Horodesky, A. ; STEVANATO, D. J. . Prestação de serviço de monitoramento quali-quantitativo de Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) em reservatórios da UHE Serra do Facão. 2017.

3.
STEVANATO, D. J.. Sistemas de cultivo em meios heterotróficos (Bioflocos) ? PARTE 2. 2016.

4.
STEVANATO, D. J.. Desenvolvimento embrionário e larval do lambari. 2016.

5.
PESTANA, D ; Horodesky, A. ; STEVANATO, D. J. . Prestação de serviço de monitoramento quali-quantitativo de Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) em reservatórios da UHE Serra do Facão. 2016.

6.
PESTANA, D ; OSTRENSKY, A ; STEVANATO, D. J. ; BELZ, C. E. ; Maeder, O. . Prestação de serviço de monitoramento quali-quantitativo de Limnoperna fortunei em reservatórios da Copel. 2016.

7.
STEVANATO, D. J.; Horodesky, A. ; Cozer, N. . Renovação da licença ambiental. 2016.

8.
STEVANATO, D. J.. O futuro depende da aquicultura em águas abertas. 2015.

9.
STEVANATO, D. J.. Desenvolvimento da cavidade oral de peixes. 2015.

10.
STEVANATO, D. J.; Rossi, V. G. . Sistemas de cultivo em meios heterotróficos (Bioflocos). 2015.

11.
PESTANA, D ; STEVANATO, D. J. ; HUNGRIA, D. B. . Monitoramento de Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) e do hidrozoário Cordylophora capia em reservatórios no estado do Paraná. 2015.

12.
Horodesky, A. ; Girotto, M. V. F. ; Alaiza, R. F. ; STEVANATO, D. J. ; Nakano, V. ; Santos, J. M. . Renovação de Licença Ambiental de Operação. 2014.

13.
STEVANATO, D. J.. A ética na prática do bom senso. 2014.

14.
STEVANATO, D. J.. Uso de grandes reservatórios para aquicultura. 2014.

15.
STEVANATO, D. J.. Da genética ao sabor. 2014.

16.
STEVANATO, D. J.. Crustáceos Parasitos. 2014.

Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
STEVANATO, D. J.. LAGOA DA SERRA. 2009. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
STEVANATO, D. J.. Minicurso de reprodução induzida de peixes reofílicos. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Outra).

2.
STEVANATO, D. J.. Classificação de Peixes. 2013. (Técnicas em Piscicultura).

3.
STEVANATO, D. J.. Arraçoamento. 2012. (Técnicas em Piscicultura).

4.
STEVANATO, D. J.. Qualidade da Água. 2012. (Técnicas em Piscicultura).

5.
STEVANATO, D. J.. Rotina Laboratorial. 2011. (Aula Prática).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
STEVANATO, D. J.. Participação em banca de Leonardo Stefano Zamoner.Aplicação de sistemas de monitoramento em Zootecnia de Precisão para poedeiras. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Zootecnia) - Universidade Federal do Paraná.




Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
IV AquiShow. 2013. (Exposição).

2.
III AquiShow. 2012. (Exposição).

3.
SIMAQUA - Simpósio de Aquicultura. 2012. (Simpósio).

4.
II Encontro de Piscicultores de Mato Grosso do Sul. 2011. (Encontro).

5.
II Workshop de Piscicultura do Noroeste Paulista. 2011. (Congresso).

6.
SAMPA - Simpósio de Adubação e Manejo de Pastagens. 2011. (Simpósio).

7.
II AquiShow. 2010. (Exposição).

8.
II Reunião Técnica Sobre Confinamneto de Bovinos. 2010. (Encontro).

9.
VII Encontro de Zootecnia e VI Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena. 2010. (Simpósio).

10.
VII Encontro de Zootecnia e VI Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena.DIAGNÓSTICO DA PSICULTURA EM TANQUES-REDE NA REGIÃO DE PANORAMA/SP. 2010. (Simpósio).

11.
Visita Técnica Royal Canin do Brasil. 2010. (Outra).

12.
Doma de Equino. 2009. (Outra).

13.
IV Simpósio de Ovinocultura Unesp Dracena - SOUD. 2009. (Simpósio).

14.
VI Encontro de Zootecnia e V Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena.REPRODUÇÃO DE ACARÁ BANDEIRA EM CATIVEIRO E SUAS PARTICULARIDADES. 2009. (Simpósio).

15.
VI Encontro de Zootecnia e V Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena. 2009. (Encontro).

16.
XX Semana do Estudante. 2009. (Oficina).

17.
1 Seminário de Construções Rurais e Ambiência Aplicadas à Produção Animal. 2008. (Seminário).

18.
1º Seminário de Contruções Rurais e Ambiência Aplicadas à Produção Animal. 2008. (Seminário).

19.
FORUM SOBRE BIOENERGIA DO OESTE PAULISTA. 2008. (Encontro).

20.
III Simpósio de Ovinocultura da Unesp Dracena - SOUD. 2008. (Simpósio).

21.
V Encontro de Zootecnia e IV Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena. 2008. (Simpósio).

22.
IV Encontro de Zootecnia e III Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena. 2007. (Encontro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Iniciação científica
1.
Roger Felipe Gonçalves. Efeitos reprodutivos da exposição crônica de Astyanax altiparanae (Pisces, Characiformes) ao petróleo, gasolina e óleo mineral lubrificante. Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Medicina Veterinária) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. (Orientador).

Orientações de outra natureza
1.
Felipe Kachan de Carvalho. Efeitos da exposição aguda do petróleo, gasolina e óleo mineral em embriões e larvas de Astyanax altiparanae. Início: 2018. Orientação de outra natureza. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. (Orientador).

2.
Ítalo Santos. Avaliação histopatológica de peixes expostos aos hidrocarbonetos derivados de petróleo. Início: 2018. Orientação de outra natureza. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. (Orientador).

3.
César Jun Hironaka Nakao. Avaliação da exposição aguda CL50 dos produtos químicos utilizados no combate a incrustação de Limnoperna fortunei. Início: 2018. Orientação de outra natureza. Universidade Tuiuti do Paraná. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Iniciação científica
1.
Marcelo Pereira de Souza Junior. Desenvolvimento larval-vitelino do Astyanax altiparanae (Garitti & Britski, 2000). 2015. Iniciação Científica. (Graduando em Zootecnia) - Universidade Federal do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Diego Junqueira Stevanato.

Orientações de outra natureza
1.
Ghisa Carpanezzi Toresin. Análise da toxicidade de derivados de petróleo em embriões e larvas de Astyanax altiparanae. 2017. Orientação de outra natureza. (Zootecnia) - Universidade Federal do Paraná. Orientador: Diego Junqueira Stevanato.

2.
Leonardo Stefano Fernandes Zamoner. Avaliação da preferência por ambientes claros/escuros por pós-larvas e juvenis do lambari Astyanax altiparanae (PISCES, CHARACIDAE). 2015. Orientação de outra natureza. (Zootecnia) - Universidade Federal do Paraná. Orientador: Diego Junqueira Stevanato.

3.
Vitor Gomes Rossi. Ontogenia larval de Astyanax altiparanae e bioflocos na larvicultura. 2015. Orientação de outra natureza. (Zootecnia) - Universidade Federal do Paraná. Orientador: Diego Junqueira Stevanato.



Outras informações relevantes


Coordenador do Grupo de Aquicultura (GAUD), UNESP Dracena - 2010

 Vice-Coordenador do Grupo de Aquicultura (GAUD), UNESP Dracena - 2011

 Comissão Organizadora SAMPA - Simpósio de Adubação e Manejo de Pastagens. 2011



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 20/01/2019 às 8:46:13