Marcelo Augusto do Amaral Ferreira

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6975761226459955
  • Última atualização do currículo em 30/07/2018


Mestrando em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia (HCTE) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Graduado em Licenciatura Matemática pela Universidade Estácio de Sá (UNESA), Graduação inclompleta em Astronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), técnico em Mecatrônica pela Escola Rezende Rammel, fui bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e atualmente sou bolsista de mestrado pela CAPES. Tenho experiência em ensino de astronomia, física, matemática e robótica; Experiencia em pesquisa em museu e público e em ensino de astronomia; Experiência na área de divulgação científica, com ênfase em divulgação da astronomia; Experiência em Astronomia Cultural. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Marcelo Augusto do Amaral Ferreira
Nome em citações bibliográficas
FERREIRA, M. A. A.


Formação acadêmica/titulação


2018
Mestrado em andamento em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Orientador: Rundsthen Nader.
Coorientador: Luiz Carlos Borges.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
2015 - 2017
Graduação em Matemática.
Universidade Estácio de Sá, UNESA, Brasil.
Título: Ensino/ Aprendizagem de Matemática em Escolas Indígenas.
Orientador: Marcelo Bastos.
2011 interrompida
Graduação interrompida em 2016 em Astronomia.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
Ano de interrupção: 2016
2008 - 2010
Curso técnico/profissionalizante em Mecatrônica.
Escola Técnica Rezende Rammel, ETRR, Brasil.




Formação Complementar


2016 - 2016
Capacitação para Planetário. (Carga horária: 7h).
Museu de Astronomia e Ciências Afins, MAST, Brasil.
2016 - 2016
II Semana Pedagógica da CED. (Carga horária: 18h).
Museu de Astronomia e Ciências Afins, MAST, Brasil.
2015 - 2015
Semana Pedagógica da CED. (Carga horária: 32h).
Museu de Astronomia e Ciências Afins, MAST, Brasil.
2013 - 2013
First Winter School of the Valongo Observatory. (Carga horária: 24h).
Observatório do Valongo, OV, Brasil.
2013 - 2013
Escola de Inverno. (Carga horária: 16h).
Observatório Nacional, ON, Brasil.


Atuação Profissional



Museu de Astronomia e Ciências Afins, MAST, Brasil.
Vínculo institucional

2013 - 2017
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Um Olhar para o Ensino de Astronomia, Carga horária: 20
Outras informações
O objetivo do projeto é utilizar a modelagem estatística de Teoria de Resposta ao Item (TRI) para estimar as habilidades e conhecimentos dos alunos participantes da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) ao longo dos anos. Parte-se da premissa que a OBA é a única ferramenta disponível capaz de avaliar o conhecimento de astronomia no Brasil e esta é a primeira iniciativa com essa preocupação. A OBA foi criada para divulgar a astronomia entre os estudantes do ensino fundamental e médio, em 1998, e é organizada anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB). Ao longo de dezesseis edições, o número de participantes aumentou consideravelmente. Em 2013, quando foi realizada a 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, registrou-se a inscrição de cerca de um milhão de estudantes provenientes de dezessete mil escolas distribuídas por todo território nacional. A primeira etapa da pesquisa consiste na análise quantitativa para estimar o grau de dificuldade das questões das provas, considerando os diferentes níveis de escolaridade dos participantes da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, a fim de fornecer subsídios para uma metodologia padrão a ser usada em futuras edições da OBA. Posteriormente, após a adoção de provas-padrão, a avaliação incluirá a análise: (1) da evolução do conhecimento dos participantes ao longo dos anos; (2) da forma de como o conhecimento se modifica ao longo da formação escolar, ou seja, nos diferentes níveis das provas da OBA; e (3) se a participação de alunos em outras atividades de divulgação da ciência (por exemplo, visita a museu de ciência) reflete nos resultados da OBA. Os resultados da pesquisa permitirão a reflexão sobre o ensino formal da astronomia, bem como a formulação de estratégias de popularização desse campo em espaços não formais de educação.

Vínculo institucional

2011 - 2013
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Museu e Público, Carga horária: 20
Outras informações
O objetivo do projeto é a obtenção de informações sobre o público visitante em suas várias dimensões sociais, culturais, demográficas e individuais, a fim de produzir subsídios para a tomada de decisões na organização das atividades museais em seus aspectos teóricos e práticos. Posteriormente, a avaliação dessas atividades inclui a elaboração de instrumentos de medição estatística e o desenvolvimento de metodologia estatística de análise. O projeto foi iniciado em 2005 e teve como principal desdobramento o Observatório de Museus e Centros Culturais (OMCC), programa de pesquisas que contemplou o levantamento das características do público de visitação espontânea em museus de quatro estados do País. Com forte atuação interinstitucional, o projeto beneficiou-se do convênio plenamente formalizado, no ano de 2007, entre o Museu de Astronomia e Ciências Afins, o Museu da Vida, da Casa de Oswaldo Cruz/ FIOCRUZ, o Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM/ MINC e a Escola Nacional de Ciências Estatísticas/ IBGE. A análise dos dados obtidos pelo OMCC tem rendido publicações nas áreas de educação, psicologia e sociologia, bem como tem sido tema de trabalho de bolsistas e subsídio para as práticas educacionais do MAST. Em 2013, iniciou-se a pesquisa ?Observatório MAST? que tem como principal objetivo conhecer o perfil demográfico da audiência espontânea do museu e prosseguir com a coleta de informações periódicas para possibilitar análises comparadas. O questionário apresenta itens para caracterizar o perfil do visitante sob os seguintes recortes: sexo, classe, etnia, idade; social, cultural e econômico; hábitos, antecedentes e opiniões.


Instituto Estadual do Ambiente, INEA, Brasil.
Vínculo institucional

2010 - 2011
Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Controle de Poluição Veicular, Carga horária: 20
Outras informações
O INEA faz o controle da poluição veicular através dos estagiários que ficam nos postos de vistoria do DETRAN onde os operadores e aferidores fazem a medição de gases poluentes e a vistoria dos veículos, os estagiários do INEA ficam de olho nos veículos que estão emitindo gases poluentes mais que o normal e fazem as anotações do modelo do veículo, ano e qual foi o tipo de reprovação do poluente. Com isto é preparado um relatório e enviado para a central do INEA para realizarem um controle de todos os postos e a quantidade de veículos que estão emitindo muitos poluentes, assim aumentando as dificuldades de se retirar o novo documento do veículo.


Colégio Batista Shepard, CBS, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2017
Vínculo: Estágio, Enquadramento Funcional: Professor de Matemática, Carga horária: 30
Outras informações
Fui professor de matemática para as turmas de dependência do ensino fundamental 2 e ensino médio, também fui professor de monitoria em matemática.


Escolá Oga Mitá, EOM, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Professor de Robótica, Carga horária: 1
Outras informações
Fui professor de Robótica do hora extra da Escola Oga Mitá. Quando se fala em robótica, pensamos logo naqueles robôs de filme que tem autonomia e altas funções, capacidades incríveis, que executam funções específicas com precisão. Mas a robótica é um ramo educacional e tecnológico que engloba computadores, sistemas compostos por partes mecânicas automáticas e controlados por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos. Contudo, trabalhar com robótica é construir robôs ou outros mecanismos que tenham autonomia para realizar determinadas tarefas, como por exemplo, se locomover. Portanto, realizar experimentos robóticos está acessível a todas as pessoas, e podemos executá-los com sucatas, elaborando construções interessantes e funcionais, como carrinhos, foguetes, submarinos, dentre outros. Numa aula de robótica, podemos falar deste a utilização de materiais reciclados, peças, equipamentos, eletrônica, até de programação de computador. Possibilitando um crescimento de conhecimento, de criatividades e de raciocínio.



Projetos de pesquisa


2013 - 2017
Um olhar para o ensino de astronomia no Brasil
Descrição: O objetivo do projeto é utilizar a modelagem estatística de Teoria de Resposta ao Item (TRI) para estimar as habilidades e conhecimentos dos alunos participantes da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) ao longo dos anos. Parte-se da premissa que a OBA é a única ferramenta disponível capaz de avaliar o conhecimento de astronomia no Brasil e esta é a primeira iniciativa com essa preocupação. A OBA foi criada para divulgar a astronomia entre os estudantes do ensino fundamental e médio, em 1998, e é organizada anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB). Ao longo de dezesseis edições, o número de participantes aumentou consideravelmente. Em 2013, quando foi realizada a 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, registrou-se a inscrição de cerca de um milhão de estudantes provenientes de dezessete mil escolas distribuídas por todo território nacional. A primeira etapa da pesquisa consiste na análise quantitativa para estimar o grau de dificuldade das questões das provas, considerando os diferentes níveis de escolaridade dos participantes da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, a fim de fornecer subsídios para uma metodologia padrão a ser usada em futuras edições da OBA. Posteriormente, após a adoção de provas-padrão, a avaliação incluirá a análise: (1) da evolução do conhecimento dos participantes ao longo dos anos; (2) da forma de como o conhecimento se modifica ao longo da formação escolar, ou seja, nos diferentes níveis das provas da OBA; e (3) se a participação de alunos em outras atividades de divulgação da ciência (por exemplo, visita a museu de ciência) reflete nos resultados da OBA. Os resultados da pesquisa permitirão a reflexão sobre o ensino formal da astronomia, bem como a formulação de estratégias de popularização desse campo em espaços não formais de educação...
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Marcelo Augusto do Amaral Ferreira - Integrante / Carlos Alberto Quadros Coimbra - Integrante / Patrícia Figueiró Spinelli - Coordenador / Flávia Requeijo - Integrante / Douglas Falcão - Integrante / Cristiane de Oliveira Costa - Integrante / Augusto Torres Perillo - Integrante.


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Astronomia.
2.
Grande área: Outros / Área: Divulgação Científica.
3.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Astronomia / Subárea: Divulgação da Astronomia.
4.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Divulgação Científica / Subárea: Popularização da Ciência.
5.
Grande área: Ciências Exatas e da Terra / Área: Astronomia / Subárea: Popularização da Astronomia.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.
Português
Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Bem.


Prêmios e títulos


2016
2º lugar na XXI Jornada de Iniciação Científica PIBIC, Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST.


Produções



Produção bibliográfica
Resumos publicados em anais de congressos
1.
FERREIRA, I. B. ; FERREIRA, M. A. A. . O Céu e a Terra: Um Olhar Sobre os Astros Através de Diferentes Culturas. In: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), 2016, Porto Seguro - BA. Resumos de Comunicações Livres, 2016.

Outras produções bibliográficas
1.
FERREIRA, M. A. A.. Os Resultados da Olimpíada Brasileira de Astronomia e seus Contributos para a Elaboração de Atividades de Divulgação. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2017 (Resumo).

2.
FERREIRA, M. A. A.. Um Olhar Para o Ensino de Astronomia no Brasil: Avaliação da Prova de Nível 1 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins ? MAST, 2016 (Resumo).

3.
FERREIRA, M. A. A.. Avaliação das Provas de Nível 1 da XVI Olimpíada Brasileira de Astronomia. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins ? MAST, 2015 (Resumo).

4.
FERREIRA, M. A. A.. Avaliação das Provas de Nível 1 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, 2014 (Resumo).

5.
FERREIRA, M. A. A.. Museu e Público. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins ? MAST, 2013 (Resumo).

6.
FERREIRA, M. A. A.. A Percepção do Público Sobre a Qualidade dos Serviços de Museus do Rio de Janeiro: Uma Comparação Entre 2005 e 2009. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, 2012 (Resumo).


Produção técnica
Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . ASTROmania - setembro/2016. 2016.

2.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Viajando no tempo com ASTROmania. 2016.

3.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . ASTROmania de novembro. 2016.

4.
FERREIRA, M. A. A.; RODRIGUES, I. F. ; SOUZA, A. M. E. ; HENZE, I. A. M. . MASTCast #4 - Você moraria em Marte?. 2015.

5.
FERREIRA, M. A. A.; MESQUITA, A. A. ; ALMEIDA, R. ; REIS NETO, E. ; FALCAO, D. . CIÊNCIAS NO PISCINÃO DE RAMOS. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).


Demais tipos de produção técnica
1.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. . Ministrou oficina no Curso de Mediação em Museus e Centros de Ciências (CMMC) ? O Lúdico na Formação de Mediadores: Mapas do Céu Ticuna. 2016. .

2.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Calendário Solar. 2016. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

3.
FERREIRA, M. A. A.; SPINELLI, P. F. . Um Olhar para o Ensino de Astronomia no Brasil: Avaliação da Prova de Nível 1 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia. 2016. (Relatório de pesquisa).

4.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Astromania: Passeando nas Estrelas. 2016. (Ministrou atividade no evento Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão).

5.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Astromania: De que são feitas as estrelas?. 2016. (Ministrou atividade realizada para a XIII Semana Nacional de Ciência e Tecnologia).

6.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; SPINELLI, P. F. ; HENZE, I. A. M. . O Sol e as Outras Estrelas. 2016. (Ministrou atividade na II Bienal de Ciência da Creche Fiocruz).

7.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Astromania: Berçário Estelar. 2016. (Ministrou atividade no evento Lugar de Criança é no MAST).

8.
FERREIRA, M. A. A.. Astromania: Nebulosa de Garrafa e o Meio Interestelar. 2016. (Ministrou atividade no evento II Dia das Meninas no MAST).

9.
FERREIRA, M. A. A.. Ministrou a oficina de Mediação e Linguagem: Astromania ? No Curso para Mediadores de Museus e Centros de Ciência. 2015. .

10.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Planisfério Celeste. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

11.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Relógio de Lua. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

12.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Nocturlábio. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

13.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Relógio de Sol. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

14.
SPINELLI, P. F. ; COSTA, C. O. ; REIS NETO, E. ; NASCIMENTO, J. ; PERILLO, A. T. ; BENITEZ, S. ; RODRIGUES, I. F. ; SILVA, T. B. ; FERREIRA, M. A. A. ; REQUEIJO, F. ; CANALLE, J. G. . AstroKit. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Material de empréstimo para escolas).

15.
FERREIRA, M. A. A.; SPINELLI, P. F. . Avaliação da prova de Nível 1 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia. 2015. (Relatório de pesquisa).

16.
FERREIRA, M. A. A.. Qual é a Cor da Luz?. 2015. (Ministrou atividade no evento XXIII Semana de Astronomia (SEMEA) ? A Luz que vem do Cosmos).

17.
FERREIRA, M. A. A.; SPINELLI, P. F. ; REQUEIJO, F. ; COIMBRA, C. A. Q. . Avaliação da prova de níveis 1 e 2 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia. 2014. (Relatório de pesquisa).

18.
FERREIRA, M. A. A.; COIMBRA, C. A. Q. . O perfil do público de visitação espontânea do MAST 2013. 2013. (Relatório de pesquisa).

19.
FERREIRA, M. A. A.; COIMBRA, C. A. Q. . Museu e Público. 2012. (Relatório de pesquisa).

20.
FERREIRA, M. A. A.. A Exposição 'Olhar o Céu e Medir a Terra'. 2012. (Aula em mini curso).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
XXII Jornada de Iniciação Científica.Os Resultados da Olimpíada Brasileira de Astronomia e seus Contributos para a Elaboração de Atividades de Divulgação. 2017. (Outra).

2.
XXI Jornada de Iniciação Científica.Avaliação da Prova de Nível 1 da 16ª Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA). 2016. (Outra).

3.
Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão.Observação do Sol. 2015. (Outra).

4.
XX Jornada de Iniciação Científica.Um Olhar Para o Ensino de Astronomia no Brasil. 2015. (Outra).

5.
196 anos do Museu Nacional/UFRJ.Observação do Sol. 2014. (Outra).

6.
Museu Vai à Feira.Observação do Sol, Brincando de Matemático e Planetário. 2014. (Oficina).

7.
Museu Vai à Praia.Observação do Sol. 2014. (Oficina).

8.
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.Observação do Sol. 2014. (Oficina).

9.
Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão.Observação do Sol. 2014. (Outra).

10.
XIX Jornada de Iniciação Científica.Um Olhar para o Ensino de Astronomia no Brasil. 2014. (Outra).

11.
XXII Semana de Astronomia.Observação do Sol e Céu. 2014. (Outra).

12.
Lugar de criança é no MAST.Construção de Avião de Papel. 2013. (Oficina).

13.
Museu Vai à Feira.Observação do Sol, Brincando de Matemático e Planetário. 2013. (Oficina).

14.
Museu Vai à Praia.Observação do Sol. 2013. (Oficina).

15.
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.Observação do Sol e Brincando de Matemático. 2013. (Oficina).

16.
Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão.Observação do Sol. 2013. (Outra).

17.
XVIII Jornada de Iniciação Científica.Pesquisa e Análise Descritiva do Perfil do Público do MAST. 2013. (Outra).

18.
XX Expo Itaguaí.Planetário e Observação do Céu e Sol. 2013. (Oficina).

19.
XXI Semana de Astronomia do MAST.Observação do Sol e Céu. 2013. (Outra).

20.
Ação Global.Planetário. 2012. (Oficina).

21.
Cidadania Vascaína.Brincando com a Ciência. 2012. (Encontro).

22.
Feira de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia da Rio+20.A Formação do Sistema Solar (Planetário Digital). 2012. (Encontro).

23.
Lugar de criança é no MAST.Observação do Sol. 2012. (Oficina).

24.
Museu Vai à Feira.Observação do Sol e Planetário. 2012. (Oficina).

25.
Museu Vai à Praia.Observação do Sol. 2012. (Oficina).

26.
Praça da Ciência Itinerante da Fundação CECIERJ.Planetário. 2012. (Oficina).

27.
Praça da Ciência Itinerante da Fundação CECIERJ.Planetário. 2012. (Oficina).

28.
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.Observação do Sol e Brincando de Matemático. 2012. (Oficina).

29.
Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão.Planetário e Observação do Céu. 2012. (Outra).

30.
XIX Expo Itaguaí.Planetário. 2012. (Oficina).

31.
XVII Jornada de Iniciação Científica.Pesquisa e Análise descritiva do perfil do público dos museus participantes do Observatório de Museus e Centros Culturais dos anos 2005 e 2009. 2012. (Outra).

32.
XX Semana de Astronomia do MAST.Planetário e Observação do Sol e Céu. 2012. (Outra).



Educação e Popularização de C & T



Cursos de curta duração ministrados
1.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. . Ministrou oficina no Curso de Mediação em Museus e Centros de Ciências (CMMC) ? O Lúdico na Formação de Mediadores: Mapas do Céu Ticuna. 2016. .


Desenvolvimento de material didático ou instrucional
1.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Planisfério Celeste. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

2.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Relógio de Lua. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

3.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Nocturlábio. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

4.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Relógio de Sol. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).

5.
SPINELLI, P. F. ; COSTA, C. O. ; REIS NETO, E. ; NASCIMENTO, J. ; PERILLO, A. T. ; BENITEZ, S. ; RODRIGUES, I. F. ; SILVA, T. B. ; FERREIRA, M. A. A. ; REQUEIJO, F. ; CANALLE, J. G. . AstroKit. 2015. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Material de empréstimo para escolas).

6.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Calendário Solar. 2016. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Oficina).


Entrevistas, mesas redondas, programas e comentários na mídia
1.
FERREIRA, M. A. A.; RODRIGUES, I. F. ; SOUZA, A. M. E. ; HENZE, I. A. M. . MASTCast #4 - Você moraria em Marte?. 2015.

2.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . ASTROmania - setembro/2016. 2016.

3.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . Viajando no tempo com ASTROmania. 2016.

4.
FERREIRA, M. A. A.; MESQUITA, A. A. ; ALMEIDA, R. ; REIS NETO, E. ; FALCAO, D. . CIÊNCIAS NO PISCINÃO DE RAMOS. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista).

5.
FERREIRA, M. A. A.; FERREIRA, I. B. ; LEAL, V. R. B. . ASTROmania de novembro. 2016.




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 15/10/2018 às 16:04:50