Veronica Franciele Seidel

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8677459793296695
  • Última atualização do currículo em 04/12/2018


Mestre em Letras, com ênfase em Teorias do Texto e do Discurso, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Letras (Português/Literaturas) e em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e licenciada em Letras (Português/Inglês) pelo Centro Universitário Claretiano. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Veronica Franciele Seidel
Nome em citações bibliográficas
SEIDEL, V. F.


Formação acadêmica/titulação


2014 - 2016
Mestrado em Letras.
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
Título: Funcionamento do gênero de divulgação científica: o tema do uso de animais não humanos em experimentos,Ano de Obtenção: 2016.
Orientador: Ana Zandwais.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: gênero de divulgação científica; experimentação científica em animais; posição ideológica; paráfrase; estudos bakhtinianos.
2017
Especialização em andamento em Metodologia do ensino de língua portuguesa e estrangeira. (Carga Horária: 420h).
Faculdade Educacional da Lapa, FAEL, Brasil.
2016 - 2017
Graduação em Letras - Português e Inglês.
Claretiano Centro Universitário, Claretiano/BAT, Brasil.
2009 - 2013
Graduação em Bacharelado em Letras - Português/Literaturas.
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
Título: Enunciado: um contraponto entre os conceitos de Benveniste e Bakhtin.
Orientador: Gil Roberto Costa Negreiros.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
2007 - 2013
Graduação em Ciências Biológicas.
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
Título: O papel da Unidades de Conservação na conservação de mamíferos no leste da América do Sul.
Orientador: Nilton Carlos Cáceres.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.




Formação Complementar


2017 - 2017
Língua, cultura e imaginário de língua. (Carga horária: 15h).
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
2016 - 2016
Didática no Ensino Superior. (Carga horária: 68h).
Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, UFRB, Brasil.
2015 - 2015
Neurolinguística aplicada ao Ensino e Aprendizagem. (Carga horária: 50h).
Cursos Online SP do Brasil, CURSOS ONLINE SP, Brasil.
2014 - 2014
O pensamento de Antonio Gramsci: linguagem, cultur. (Carga horária: 8h).
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
2014 - 2014
Workshop sobre Simplificação Textual. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
2012 - 2012
Noções de narratologia. (Carga horária: 6h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2012 - 2012
O ensino da gramática sob um olhar enunciativo. (Carga horária: 3h).
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, Brasil.
2012 - 2012
Variação linguística e ensino da língua portuguesa. (Carga horária: 3h).
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, Brasil.
2011 - 2011
New genres, now and then. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2011 - 2011
The rise of the Socio-linguistic Paradigm in Early. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2010 - 2010
Introdução ao Grego Clássico. (Carga horária: 3h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2010 - 2010
O Riso na literatura. (Carga horária: 4h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2010 - 2010
Literatura e Cultura de Massas. (Carga horária: 3h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2010 - 2010
Texto Argumentativo. (Carga horária: 3h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
2010 - 2010
O leitor como instância literária. (Carga horária: 15h).
Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.
Vínculo institucional

2014 - 2016
Vínculo: Estudante, Enquadramento Funcional: bolsista


Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.
Vínculo institucional

2009 - 2011
Vínculo: Estudante, Enquadramento Funcional: Bolsista, Carga horária: 20

Atividades

05/2010 - 12/2010
Extensão universitária , Ministério da Educação, .

Atividade de extensão realizada
Participação como voluntária no Conexões de Saberes. Este projeto busca estimular maior articulação entre a instituição universitária e as comunidades populares, com a devida troca de saberes, experiências e demandas.
03/2010 - 12/2010
Outras atividades técnico-científicas , Centro de Artes e Letras, Centro de Artes e Letras.

Atividade realizada
Monitoria junto ao Laboratório Corpus.


Projetos de pesquisa


2014 - 2016
História das Ideias: relações entre língua(gem), história e sociedade
Descrição: Este Projeto busca trabalhar nos domínios da 'História das Ideias, elegendo a linguagem como um marco referencial para estabelecer relações entre diferentes campos do conhecimento nos limiares da disciplinaridade. Tomando por base pressupostos epistemológicos de diferentes correntes epistemológicas tais como os pressupostos filológicos de Michel Bréal, durante o século XIX, os pressupostos da Semiótica de vertente russa, do início do sec. XX, notadamente através do estudo da produção científica de Mikhail Bakhtin e de Valentin Volochinov,no contexto do Leste europeu, e os pressupostos da Análise do Discurso de linha francesa, representados pelos estudos desenvolvidos por Michel Pêcheux e Jean Jacques Courtine, buscamos investigar relações entre linguagem, sociedade e história. Na medida em que os valores e as formas de expressão de cada corpo social estão sujeitos a transformações, é preciso investiga-los à luz da História, a fim de que possamos compreender como as determinações causais permitem explicar as condições objetivas de produção e transformação das práticas sociais, e como estas, expressas através de práticas linguageiras, tornam-se dominantes, e refletem, simultaneamente as relações de contradição entre a ordem superestrutural e as forças sociais ou infra estruturais. Desde esta ótica, o Projeto 'História das Ideias: relações entre língua(gem), história e sociedade' vem ao encontro de investigações tanto em torno das influências de diferentes correntes teóricas sobre o modo de explicação dos fatos linguísticos, como sobre as condições de produção de acontecimentos discursivos e seus efeitos de sentidos sobre as ordens superestrutural e infra estrutural, em termos de transformação de valores e de práticas dos grupos e instituições. A partir das correntes filológicas e filosóficas selecionadas buscaremos caracterizar diferentes concepções de história, bem como relações de aproximação e especificidades próprias a cada teoria e suas formas de orientação para operacionalizar análises de materialidades linguísticas e discursivas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) Doutorado: (3) .
Integrantes: Veronica Franciele Seidel - Integrante / Ana Zandwais - Coordenador / Gesualda dos Santos Rasia - Integrante / Tânia Jurema Flores da Rosa Aiub - Integrante / Vejane Gaelzer - Integrante / Daiane Siveris - Integrante / Angela Plath da Costa - Integrante / Maria Inês Batista Campos - Integrante.
2013 - 2013
Análises Textuais do Discurso - ATeDi
Descrição: Estudos textual-discursivos aplicados em corpora diversos, em especial vinculados à proposta teórica da Análise Textual dos Discursos..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) .
Integrantes: Veronica Franciele Seidel - Integrante / Gil Roberto Costa Negreiros - Coordenador / Suelen Fernandes Ferreira - Integrante / Isabel Scremin da Silva - Integrante.
2011 - 2012
Imprensa, linguagem e cultura: construções identitárias no Brasil
Descrição: Neste projeto, os objetivos são identificar e demonstrar como a imprensa se constituiu como esfera discursiva no Brasil, de que modo sua configuração deflagrou possibilidades identitárias e de que maneira a língua portuguesa atualizou os processos interacionais aí imbricados. Do ponto de vista dialógico de linguagem postulado por Bakhtin e o Círculo, a imprensa é compreendida como uma arena de negociação de sentidos em que valores são construídos, referendados ou revogados por meio da postura ética editorial legitimadora, de resistência ou polimorfe (MAGALHÃES, 2010). O acabamento autoral na imprensa, dessa perspectiva, constrói-se na articulação necessária entre: a) as formas mobilizadas na construção das páginas do jornal (a estética da matéria jornalística); b) aquilo que inscreve na história o cotidiano noticiado/reportado (o conhecimento fundador dos fatos tomados como objeto da matéria) e c) o posicionamento singular atualizado na maneira de tratar o reportado (a ética editorial). Assim, entende-se que a imprensa constitui e é simultaneamente constituída no funcionamento cultural e que sua investigação implica o tratamento da autoria e envolve descrever, analisar e interpretar os processos de construção de sentidos nela validados. As categorias linguístico-enunciativas de pessoa, tempo e espaço recuperadas nos estudos dos linguistas Benveniste e Fiorin embasam os procedimentos de análise, e os conceitos de autoria, personagem e esfera discursiva conforme articulados por Bakhtin e o Círculo são tomados como categorias de interpretação. Para dar conta do estudo da relação imprensa/linguagem/cultura e as construções identitárias daí deflagradas, são propostas as seguintes etapas de pesquisa: 1) descrição da consolidação da imprensa no Brasil como esfera discursiva a partir do embate ético.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) .
Integrantes: Veronica Franciele Seidel - Integrante / Anderson Salvaterra Magalhães - Coordenador / Andressa Stochero - Integrante / Roxane Angela Machado Erro - Integrante / Felipe Moreira Aguiar - Integrante.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.
2010 - 2011
Língua, sujeito e história: o gaúcho no processo de dicionarização da Língua Portuguesa no/do Brasil
Descrição: O presente projeto vem sendo desenvolvido no sentido de contribuir com a reflexão acerca da constituição/instituição de sentidos capazes de revelar o imaginário sobre o sujeito, a língua e a história, via dicionários de Língua Portuguesa e de Regionalismos Gaúchos. Os dicionários, nessa pesquisa, são tomados como importantes instrumentos lingüísticos, a partir dos quais pode se resgatar traços da História das Idéias Lingüísticas no/do Brasil, revelando características próprias do sujeito que é gaúcho e que é brasileiro; que representa e é representado na e pela língua; um sujeito que conta sua história e vive sua cultura, estabelecendo relações com a produção/circulação dos sentidos, através dos tempos. Num primeiro momento nosso recorte estabeleceu como lugar fundacional as publicações de dicionários/vocabulários/glossários produzidos no Brasil do século XIX, fornecendo-nos as bases necessárias para investigarmos a constituição do sujeito nos dicionários nacionais e regionalistas publicados no Brasil do século XX. Propomos, então, a continuidade da pesquisa investigando neste momento o que se produziu no século XX e início do século XXI. Tais publicações manifestam seu objetivo de reunir designações e descrições próprias da Língua Portuguesa Brasileira; o mesmo será observado em detrimento aos dicionários/vocabulários/glossários regionalistas, que revelam as peculiaridades de uma língua que é o português do Brasil, nacional; mas que é gaúcha, portanto regional. Assim visamos identificar também como se dá esse movimento entre a manutenção e a atualização de saberes, via dicionarização..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Bem.
Espanhol
Lê Razoavelmente.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
SEIDEL, V. F.2017SEIDEL, V. F.; SILVA, C. U. de C. . O gênero de discurso de divulgação científica: uma análise das práticas discursivas sobre a experimentação em animais não humanos. RIBANCEIRA, v. 11, p. 104-131, 2017.

2.
SEIDEL, V. F.2017SEIDEL, V. F.; SILVA, C. U. de C. . O signo e seus conceitos: de Saussure a Bakhtin/Volochínov. TABULEIRO DE LETRAS, v. 11, p. 179-192, 2017.

3.
SEIDEL, V. F.2017SEIDEL, V. F.; SILVA, C. U. de C. . O gênero de discurso científico e as práticas discursivas sobre animais não humanos. ENTRETEXTOS (UEL), v. 17, p. 301-331, 2017.

4.
SILVA, C. U. de C.2016SILVA, C. U. de C. ; SEIDEL, V. F. . 'A Revolução dos Bichos' não humanos: uma análise animalesca e abolicionista. ESTAÇÃO LITERÁRIA, v. 17, p. 40-61, 2016.

5.
SILVA, C. U. de C.2016SILVA, C. U. de C. ; SEIDEL, V. F. . Políticas linguísticas de/em um livro didático: uma análise sociolinguística dos pronomes pessoais. Revista de Letras Norte@mentos, v. 9, p. 183-202, 2016.

6.
SILVA, C. U. de C.2016SILVA, C. U. de C. ; SEIDEL, V. F. . Noção de valor e/na tradução: um problema de linguística geral?. Prolíngua (João Pessoa), v. 11, p. 80-91, 2016.

7.
SEIDEL, V. F.2016SEIDEL, V. F.; SILVA, C. U. de C. . Verdades absolutas: o poder da linguagem. REVISTA E-SCRITA: REVISTA DO CURSO DE LETRAS DA UNIABEU, v. 7, p. 309-318, 2016.

8.
SEIDEL, V. F.2015SEIDEL, V. F.. A atuação do narrador/protagonista em 'Dom Casmurro'. Linguasagem (São Paulo), v. 23, p. 33-37, 2015.

9.
SEIDEL, V. F.2015SEIDEL, V. F.. Enunciado: um contraponto entre os conceitos de Benveniste e Bakhtin. Percursos Linguísticos, v. 5, p. 34-53, 2015.

10.
SEIDEL, V. F.2015SEIDEL, V. F.. Foco narrativo em 'Amor de perdição', de Camilo Castelo Branco. Revista Alpha, v. 16, p. 145-151, 2015.

11.
SEIDEL, V. F.2014SEIDEL, V. F.. Vida e morte em 'O ano da morte de Ricardo Reis': a busca da identidade. Palimpsesto (Rio de Janeiro. Online), v. 18, p. 277-284, 2014.

12.
SEIDEL, V. F.2014SEIDEL, V. F.. Política(s) linguística(s): caminhos para a formação da identidade brasileira. Ao Pé da Letra (UFPE. Online), v. 16.1, p. 103-119, 2014.

13.
SEIDEL, V. F.2014SEIDEL, V. F.. Uma análise comparativa entre 'Teoria do medalhão' e 'O homem que sabia javanês'. Travessias Interativas, v. VIII, p. 1-9, 2014.

14.
SEIDEL, V. F.2013SEIDEL, V. F.. Construção da identidade moçambicana em 'Terra Sonâmbula', de Mia Couto. Revista Philologus, v. 19, p. 339-351, 2013.

15.
SEIDEL, V. F.2013SEIDEL, V. F.. As diferentes faces do regional na literatura brasileira. Ponta de Lança, v. 7, p. 36-45, 2013.

16.
SEIDEL, V. F.2012SEIDEL, V. F.. Estagnação x revolução nas personagens de 'A paixão', de Almeida Faria. Revista de Letras (Taguatinga), v. 5, p. 68-77, 2012.

17.
SEIDEL, V. F.2011SEIDEL, V. F.. O gaúcho e os animais sob o processo de dicionarização. Revista Querubim, v. 2, p. 175-183, 2011.

18.
SEIDEL, V. F.2011SEIDEL, V. F.. Língua, identidade, brasilidade: um olhar socio-linguístico discursivo sobre a questão vernacular. Crátilo (Patos de Minas), v. 4, p. 69-75, 2011.

19.
SEIDEL, V. F.2011SEIDEL, V. F.. A definição de 'verbo' nas gramáticas e suas implicações. Revista Philologus, v. 17, p. 419-427, 2011.

Livros publicados/organizados ou edições
1.
SEIDEL, V. F.. A experimentação animal sob o enfoque da divulgação científica. 1. ed. Novas Edições Acadêmicas, 2017. 198p .

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
SILVA, C. U. de C. ; SEIDEL, V. F. . A Revolução dos Bichos não humanos: uma análise animalesca e abolicionista. In: V CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares, 2017, Maringá. Anais do V CONALI. Maringá: UEM, 2017. p. 2695-2710.

2.
SEIDEL, V. F.. Cotejando Benveniste e Bakhtin. In: XIII Fórum Fapa, 2015, Porto Alegre. An@ais Fórum FAPA, 2014. p. 378-386.

3.
SEIDEL, V. F.. A capacidade de linguagem no homem e suas implicações: um breve ensaio a partir das concepções de Nietzsche e Bakhtin. In: III EEBa - Encontro de Estudos Bakhtinianos, 2015, Niterói. III EEBa - Encontros Bakhtinianos Amorização: Porque falar de amor é um ato revolucionário.. Pedro e João Editores: São Carlos, 2015. p. 1090-1099.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
SEIDEL, V. F.. Variável, variante e registro: língua e contexto social. In: XI Seminário Internacional em Letras, 2011, Santa Maria. XI Seminário Internacional em Letras, 2011. v. 1.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
SEIDEL, V. F.. A Revolução dos Bichos não humanos: uma análise animalesca e abolicionista. In: V Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares, 2017, Maringá. Caderno de resumos V CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares. Maringá: 752, 2017. p. 751.

2.
SEIDEL, V. F.. O discurso científico e o tema da experimentação em animais não humanos. In: V Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares, 2017, Maringá. Caderno de resumos V CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares. Maringá, 2017. p. 752-753.

3.
SEIDEL, V. F.. 'A paixão' de Almeida Faria: um diálogo entre história e literatura. In: XIII Fórum FAPA, 2014, Porto Alegre. Caderno de Resumos, 2014.

4.
SEIDEL, V. F.. Enunciado e enunciação: uma distinção possível?. In: XIII Fórum FAPA, 2014, Porto Alegre. Caderno de Resumos, 2014.

5.
SEIDEL, V. F.. Legislação e imprensa: políticas linguísticas na construção identitária do Brasil. In: II CICPG - Congresso de Iniciação Científica e Pós-Graduação e XIX Mostra Unisinos de Iniciação Científica, 2012, São Leopoldo. Congresso de Iniciação Científica e Pós-Graduação CICPG. São Leopoldo: Casa Leiria, 2012. p. 2955-2956.

6.
SEIDEL, V. F.. O uso do português na legislação: implicações para a formação identitária brasileira. In: Semana Acadêmica de Letras 2012, 2012, Santa Maria. Caderno de resumos das apresentações centrais e dos trabalhos discentes, apresentados em comunicação oral, 2012. p. 96-97.

7.
SCHAEDLER, M. S. ; SEIDEL, V. F. . A memória e a história que significam diferentes sujeitos gaúchos. In: Círculo Linguístico, 2009, Palhoça. Caderno de Programação e Resumos do 9º ENCONTRO DO CELSUL. Palhoça: Unisul, 2009. p. 218-218.

Artigos aceitos para publicação
1.
SEIDEL, V. F.; SILVA, C. U. de C. . A visão da ciência sobre os animais não humanos:o caso dos experimentos científicos. Entremeios, 2018.

Apresentações de Trabalho
1.
SEIDEL, V. F.. O funcionamento do gênero de divulgação científica: o tema do uso de animais não humanos em experimentos científicos. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

2.
SEIDEL, V. F.. Enunciado e enunciação: uma distinção possível?. 2014. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
SEIDEL, V. F.. Imprensa: um equipamento linguístico em prol da implementação da língua.. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

4.
SEIDEL, V. F.. Legislação e imprensa: políticas linguísticas na construção identitária do Brasil. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

5.
SEIDEL, V. F.. Um olhar filológico sobre 'A fragilidade da vida humana', de Francisco de Vasconcelos. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

6.
SEIDEL, V. F.. Políticas linguísticas para a implantação da língua portuguesa no Brasil. 2012. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

7.
SEIDEL, V. F.. Legislação e imprensa: o lugar da língua portuguesa na construção identitária do Brasil. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

8.
SEIDEL, V. F.. O uso do português na legislação: implicações para a formação identitária brasileira. 2012. (Apresentação de Trabalho/Outra).

9.
SEIDEL, V. F.. Relações entre língua e sujeito: o gaúcho no processo de dicionarização. 2011. (Apresentação de Trabalho/Outra).

10.
SEIDEL, V. F.. Constituição do gaúcho no processo de dicionarização: relação com os animais. 2011. (Apresentação de Trabalho/Outra).

11.
SEIDEL, V. F.. O gaúcho na dicionarização sob um outro olhar. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

12.
SCHAEDLER, M. S. ; SEIDEL, V. F. . A memória e a história que significam diferentes sujeitos gaúchos. 2010. (Apresentação de Trabalho/Outra).

13.
SEIDEL, V. F.. O gaúcho na dicionarização da língua. 2010. (Apresentação de Trabalho/Outra).


Produção técnica
Assessoria e consultoria
1.
SEIDEL, V. F.. Comunicação e Ciência: iniciação à ciência, redação científica e oratória científica. 2014.

2.
SEIDEL, V. F.. Formação docente em ações de Extensão Universitária: relatos de experiências. 2012.

Trabalhos técnicos

Demais tipos de produção técnica
1.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2018. (Editoração/Periódico).

2.
SEIDEL, V. F.. Revista do Centro de Ciências Sociais e Humanas. 2017. (Editoração/Periódico).

3.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2017. (Editoração/Periódico).

4.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2016. (Editoração/Periódico).

5.
SEIDEL, V. F.. Revista do Centro de Ciências Sociais e Humanas. 2016. (Editoração/Periódico).

6.
SEIDEL, V. F.. Revista do Centro de Ciências Sociais e Humanas. 2015. (Editoração/Periódico).

7.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2015. (Editoração/Periódico).

8.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2014. (Editoração/Periódico).

9.
SEIDEL, V. F.. Revista do Centro de Ciências Sociais e Humanas. 2014. (Editoração/Periódico).

10.
SEIDEL, V. F.. Revista de Administração da UFSM. 2013. (Editoração/Periódico).

11.
SEIDEL, V. F.. Revista do Centro de Ciências Sociais e Humanas. 2013. (Editoração/Periódico).



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
I Jornada e II Encontro Nacional 'História das Ideias: a pesquisa no curso de pós-graduação'.O funcionamento do gênero de divulgação científica: o tema do uso de animais não humanos em experimentos. 2017. (Encontro).

2.
III EEBa - Encontro de Estudos Bakhtinianos.A capacidade de linguagem no homem e suas implicações: um breve ensaio a partir das concepções de Nietzsche e Bakhtin. 2015. (Encontro).

3.
VII Ciclo de Estudos Discursivos - CED. 2015. (Outra).

4.
XIII Fórum FAPA - Conhecimento: estabelecendo relações.Enunciado e enunciação: uma distinção possível?. 2014. (Outra).

5.
27ª Jornada Acadêmica Integrada, da Universidade Federal de Santa Maria.Legislação e imprensa: o lugar da língua portuguesa na construção identitária do Brasil. 2012. (Outra).

6.
I Encontro do GEL 2012. 2012. (Encontro).

7.
II CICPG - Congresso de Iniciação Científica e Pós-Graduação e XIX Mostra Unisinos de Iniciação Científica. Legislação e imprensa: políticas linguísticas na construção identitária do Brasil. 2012. (Congresso).

8.
I Jornada Nacional História das Idéias: diálogos entre linguagem, cultura e história. 2012. (Outra).

9.
Semana Acadêmica de Letras da UFSM/2012.O uso do português na legislação: implicações para a formação identitária brasileira. 2012. (Outra).

10.
VII Jornada do Grupo de Pesquisa/CNPq/PUC-SP Linguagem, Identidade e Memória.Imprensa: um equipamento linguístico em prol da implementação da língua.. 2012. (Outra).

11.
VII Jornada Nacional de Linguística e Filologia da Língua Portuguesa.Construção de uma identidade: política(s) linguística(s) para quê?. 2012. (Outra).

12.
XIII Salão de Iniciação Científica.Políticas linguísticas para a implantação da língua portuguesa no Brasil. 2012. (Outra).

13.
26ª Jornada Acadêmica Integrada.Relações entre língua e sujeito: o gaúcho no processo de dicionarização. 2011. (Outra).

14.
Jornada de Formação, Ensino e Produção do Centro de Artes e Letras. 2011. (Outra).

15.
VI Jornada Nacional de Linguística e Filologia da Língua Portuguesa.Um olhar filológico sobre "A fragilidade da vida humana", de Francisco de Vasconcelos. 2011. (Outra).

16.
XI Seminário Internacional em Letras.Variável, variante e registro: língua e contexto social. 2011. (Seminário).

17.
XXIII Salão de Iniciação Científica da UFRGS.Constituição do gaúcho no processo de dicionarização: relação com os animais. 2011. (Outra).

18.
I Seminário de Inverno.O gaúcho na dicionarização sob um outro olhar. 2010. (Seminário).

19.
IV Colóquio do Grupo de Estudos Michel Pêcheux e I Encontro do Grupo de Estudos Linguísticos (GEL 2010). 2010. (Encontro).

20.
IX Encontro do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul - CELSUL.A memória e a história que significam diferentes sujeitos gaúchos. 2010. (Encontro).

21.
V Seminário Internacional "Linguagem, cultura e sociedade". 2010. (Seminário).

22.
XIV Seminário Corpus - Língua, Escola, Comunidade - Conexões. 2010. (Seminário).

23.
XXII Salão de Iniciação Científica.O gaúcho na dicionarização da língua. 2010. (Outra).




Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 21/01/2019 às 23:05:04