André Vasques Vital

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/0204259202669872
  • Última atualização do currículo em 04/09/2018


É Doutor em História das Ciências e da Saúde, pelo Programa de História das Ciências e da Saúde (PPGHCS), Fiocruz (2016), Mestre em História das Ciências e da Saúde na mesma instituição (2011) e graduado em História pela Universidade Gama Filho (2008). Atualmente cumpre estágio pós-doutoral com bolsa PNPD/CAPES no Centro Universitário de Anápolis - GO, desenvolvendo trabalhos de pesquisa e docência no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente (PPSTMA). É também pesquisador membro dos Grupos de Pesquisa CNPq "Água, Saúde e Ambiente na História de Projetos de Desenvolvimento", da Fundação Oswaldo Cruz e "Ecologia, Conservação e Qualidade do Ambiente Aquático", da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Tem experiência nas áreas de História das Políticas de Saúde, especialmente na Primeira República, e História da Amazônia. Seus atuais interesses de pesquisa concentram-se na presença das águas e dos animais aquáticos como agentes ativos na História, por meio de abordagens de caráter inter e transdisciplinar. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
André Vasques Vital
Nome em citações bibliográficas
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES

Endereço


Endereço Profissional
Centro Universitário de Anápolis.
Avenida Universitária
Cidade Universitária
75083515 - Anápolis, GO - Brasil
Telefone: (62) 33106759


Formação acadêmica/titulação


2012 - 2016
Doutorado em História das Ciências.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: Política e Saúde Pública no Cativeiro dos Rios: A Integração Nacional do Território Federal do Acre (Alto Purus, 1904-1920), Ano de obtenção: 2016.
Orientador: Gilberto Hochman.
Coorientador: Dominichi Miranda de Sá.
Bolsista do(a): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ, FAPERJ, Brasil.
Palavras-chave: Acre; Saúde Pública; Integração Nacional; Rios.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História das Ciências.
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História Ambiental.
2009 - 2011
Mestrado em História das Ciências.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Título: Comissão Rondon, política e saúde na Amazônia: a trajetória de Joaquim Augusto Tanajura no Alto Madeira (1909-1919),Ano de Obtenção: 2011.
Orientador: Gilberto Hochman.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Palavras-chave: malária; Comissão Rondon; Medicina Tropical; Alto Madeira.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil / Especialidade: História do Brasil República.
2005 - 2008
Graduação em História.
Universidade Gama Filho, UGF, Brasil.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.


Pós-doutorado


2016
Pós-Doutorado.
Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGELICA, Brasil.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.
Grande área: Ciências Humanas
Grande Área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História do Brasil / Especialidade: História Regional do Brasil.


Formação Complementar


2015 - 2015
Procesos socio-ambientales en el Gran Caribe desde 1492. (Carga horária: 20h).
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil.
2014 - 2014
Medindo as Águas: Noções de plu e fluviometria. (Carga horária: 10h).
Agência Nacional de Águas, ANA, Brasil.
2012 - 2012
História da Epidemiologia: Conceitos e Métodos. (Carga horária: 15h).
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.


Atuação Profissional



Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGELICA, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - Atual
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Bolsista CAPES/PNPD, Regime: Dedicação exclusiva.

Atividades

03/2017 - Atual
Ensino, Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente, Nível: Pós-Graduação

Disciplinas ministradas
O Ambiente na História das Ciências Biomédicas
Sociedade e Meio Ambiente
Introdução às Ciências Ambientais

Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil.
Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Assistente de Pesquisa, Carga horária: 20
Outras informações
Bolsa da Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (FIOTEC)

Vínculo institucional

2011 - 2012
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Assistente de pesquisa, Carga horária: 20
Outras informações
Buscar documentação histórica sobre a atuação da Igreja Católica em parceria com o Estado brasileiro no que concerne a saúde e desenvolvimento na região Nordeste do Brasil no período de governo do presidente Juscelino Kubtschek. (1956-1961).

Vínculo institucional

2007 - 2009
Vínculo: BOLSISTA, Enquadramento Funcional: INICIAÇÃO CIENTÍFICA, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2018 - Atual
Política, Integração Nacional e Extinção na Construção Imagética do Arapaima gigas (pirarucu) do rio Araguaia no século XX
Descrição: Analisar os incentivos, debates e questionamentos aos projetos de integração nacional e desenvolvimento na bacia do rio Araguaia, por meio de imagens fotográficas de espécimes de Arapaima gigas (pirarucus) mortos ao longo do século XX é o objetivo desse projeto. O processo investigativo deve se iniciar pelas imagens, compreendendo que os pirarucus capturados e fotografados estão inseridos em complexos emaranhamentos materiais e discursivos que estão além das redes formadas por máquina fotográfica, humanos e os cenários locais. As fotografias, assim, não serão entendidas como representações humanas, mas constructos que ligam esses peixes mortos como partícipes de diversas questões emergentes no rio Araguaia, em Goiás e no Brasil do século XX. Dentre essas questões estão os planos de fomento à pesca comercial nas décadas de 1920 e 1930, o incentivo ao turismo nas décadas de 1940 e 1950, a balança comercial brasileira com a importação de bacalhau (especialmente a espécie Gadus morhua Linnaeus, 1758), os debates sobre a possibilidade de extinção do A. gigas, bem como os projetos de conservação da espécie que emergem nas décadas de 1950 e 1960. O período proposto para essa pesquisa vai de 1917 até 1967. O ano inicial marca o início da publicação de fotografias de pirarucus mortos em praias do rio Araguaia por intelectuais goianos na revista A Informação Goyana (1917-1935), como forma de fazer propaganda na Capital Federal das oportunidades de desenvolvimento da pesca comercial em Goiás. O ano de 1967, contudo, marca a entrada em vigor do decreto federal n. 221 de 28 de fevereiro de 1967, que regulamentou a atividade pesqueira em todo o território nacional, limitando o alcance das propagandas de pesca comercial no estado de Goiás..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: André Vasques Vital - Coordenador.Financiador(es): Centro Universitário de Anápolis - Outra.Número de orientações: 2
2015 - Atual
Água, saúde e ambiente na história de projetos de desenvolvimento no Brasil do século XX
Descrição: Descrição: Saúde, ambiente, desenvolvimento e recursos hídricos são temas candentes na atualidade. Estão presentes em conjunto no noticiário diário, agenda política, ação governamental, fóruns científicos, cláusulas de acordos internacionais, e no cotidiano de populações, rurais e urbanas, em todo o mundo. A história recente do Brasil tampouco pode ser compreendida sem a referência a essas temáticas, ainda que a historiografia não tenha se ocupado de modo integrado desses objetos. A equipe deste projeto de pesquisa pretende, exatamente, articulá-los de modo a analisar o seu papel nos projetos políticos e na produção científica brasileira das últimas décadas. A aliança entre Estado e ciência tem sido promovida como motor essencial da modernização do país, mas há tensões constantes entre esses setores em todo o período. Que relações se estabeleceram entre política, conhecimento científico, saúde e recursos naturais no âmbito de projetos desenvolvimentistas realizados no Brasil do século XX? Com vistas a responder a essa questão de pesquisa, o projeto possui quatro linhas de pesquisa: i) a análise dos médicos e cientistas, e de disciplinas emergentes, como protagonistas de grandes projetos desenvolvimentistas do Estado brasileiro, em contextos democráticos e ditatoriais, sobretudo aqueles relacionados à integração do território, ao manejo de recursos hídricos e à expansão de fronteiras agrícolas no Cerrado e na Amazônia; ii) o exame dos impactos ambientais e de saúde de projetos desenvolvimentistas; iii) análise das ações sanitárias como promotoras do desenvolvimento e mitigadoras de seus efeitos, e iv) a compreensão do nascimento de ideias, atores e redes internacionais de pesquisa de cunho conservacionista como contrapartidas a projetos desenvolvimentistas.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (1) / Doutorado: (4) .
Integrantes: André Vasques Vital - Integrante / Dominichi Miranda de Sá - Coordenador / Magali Romero de Sá - Integrante / Ingrid Fonseca Casazza - Integrante / Alda Heizer - Integrante / Vanessa Pereira - Integrante / Érika Carvalho - Integrante / Júlia Lima Gorges - Integrante / André Felipe Cândido da Silva - Integrante / Rômulo de Paula Andrade - Integrante / Steven Palmer - Integrante / Nelson Sanjad - Integrante / Jó Klanovicz - Integrante / Claiton Márcio da Silva - Integrante / Sandro Dutra - Integrante / Renato Gama Rosa - Integrante / Simone Cynamon - Integrante / Tamires Saint Martin Fonseca - Integrante.
2013 - 2016
Agricultura e Ecologia no Brasil: desenvolvimentismo e conservacionismo em trajetórias e instituições (1938-1972)
Descrição: Descrição: Projeto Jovem Cientista do Nosso Estado (2013-2016)/ Faperj. A pesquisa analisa a criação e a remodelação de instituições estatais ocupadas com a formação de quadros profissionais e a produção científica em ecologia agrícola para a racionalização e otimização da agricultura nacional, com ênfase na incorporação de engenheiros agrônomos em postos-chave do Estado brasileiro. Pessoas e instituições atravessaram décadas e diferentes governos, autoritários e democráticos, dos anos 1930 a 1970, sob a égide do desenvolvimentismo. Examinamos a circulação de profissionais e saberes biológicos mobilizados para a implementação de políticas de conhecimento do território e planejamento de ocupação e exploração de áreas de florestas, introdução de espécies, animais e vegetais, e gerência da economia rural em período que se estende da criação do Centro Nacional de Ensino e Pesquisas Agronômicas (1938) à fundação da Embrapa (1972). Nesse período, também é possível acompanhar forte recrudescimento de políticas conservacionistas no âmbito do Ministério da Agricultura. Quais relações e combinações se estabeleceram de modo a tornar possível o tratamento concomitante, por parte do Estado, do meio natural tanto como recurso econômico quanto patrimônio a ser protegido? A pesquisa pretende responder a essa questão e realizar a análise conjugada de ambas as políticas de modo a elucidar ênfases diferenciadas na abordagem dos recursos naturais e explicar as razões pelas quais as vertentes "desenvolvimentista" e "conservacionista" se opuseram e se combinaram em determinados períodos e contextos institucionais específicos.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (3) .
Integrantes: André Vasques Vital - Integrante / Dominichi Miranda de Sá - Coordenador / Magali Romero de Sá - Integrante / Ingrid Fonseca Casazza - Integrante / Julio Schweickard - Integrante / Alda Heizer - Integrante / Vanessa Pereira - Integrante / Érika Carvalho - Integrante / Júlia Lima Gorges - Integrante / Marcos Chor Maio - Integrante / Ricardo Waizbort - Integrante / André Felipe Cândido da Silva - Integrante.
2007 - 2009
Os Médicos e a Medicina na Comissão Rondon no Início do século XX.
Descrição: A 11 de Março de 1907 estaria constituída a Comissão Construtora de Linhas Telegráficas de Mato Grosso ao Amazonas, sob a chefia de Candido Mariano da Silva Rondon. Projeto audacioso que visava ligar através do fio telegráfico o Rio de Janeiro aos territórios do Acre e do Amazonas, através da capital de Mato Grosso para maior vigilância das fronteiras nacionais. No entanto os objetivos da Comissão estavam distantes de ser apenas o encerramento pelo fio telegráfico de regiões estratégicas do país, uma vez que os trabalhos envolveram também estudos científicos sobre a região, que incluiam levantamentos geográficos, antropológicos e estudos sobre as doenças endêmicas nos locais percorridos. O presente projeto visa recuperar a trajetória dos médicos da Comissão Rondon, os procedimentos adotados e as doenças que encontraram durante os serviços de exploração da região e construção da linha entre os anos de 1907 à 1915..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: André Vasques Vital - Integrante / Carlos Everaldo Alvares Coimbra Junior - Coordenador.Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.


Projetos de extensão


2018 - 2018
Introdução à pesquisa histórica em Ciências Ambientais
Descrição: O curso ?Introdução à Pesquisa Histórica em Ciências Ambientais? tem como objetivo aproximar o público-alvo de métodos e técnicas de pesquisa documental em arquivos históricos. Essa aproximação é fundamental para os profissionais que atuam na área de Ciências Ambientais e necessitam, no seu dia-a-dia, realizar pesquisas em arquivos digitais, em bibliotecas e em acervos históricos para recuperar ou reconstruir as relações humanas com o ambiente no passado..
Situação: Concluído; Natureza: Extensão.


Revisor de periódico


2016 - Atual
Periódico: Physis. Revista de Saúde Coletiva (UERJ. Impresso)
2017 - Atual
Periódico: Veredas do Direito
2017 - Atual
Periódico: Anima (PUCRJ)


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História.
2.
Grande área: Ciências Humanas / Área: História / Subárea: História das Ciências.


Idiomas


Inglês
Compreende RazoavelmenteLê Razoavelmente.
Espanhol
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
VITAL, A. V.2018 VITAL, A. V.. Carlos Chagas na 'guerra dos rios': a passagem da comissão do Instituto Oswaldo Cruz pelo rio Iaco (Alto Purus, território federal do Acre, 1913). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 25, p. 51-68, 2018.

2.
VITAL, A. V.2018VITAL, A. V.; TEJERINA-GARRO, F. L . O incentivo à pesca comercial de Arapaima gigas (pirarucu) do rio Araguaia (Brasil central) na revista -A Informação Goyana- (1917-1935). BOLETIM DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI. SÉRIE CIÊNCIAS HUMANAS, v. 13, p. 159-174, 2018.

3.
VITAL, A. V.2018VITAL, A. V.. Lapis Lazuli: politics and aqueous contingency in the animation Steven Universe. Series - International Journal of TV Serial Narratives, v. IV, p. 51-62, 2018.

4.
VITAL, ANDRÉ VASQUES2018VITAL, ANDRÉ VASQUES; PAIXÃO, THAYSSA FARIA PINHEIRO ; CAMPOS, FRANCISCO ITAMI ; CAMPOS, DULCINEA MARIA BARBOSA . Meio Ambiente, Desenvolvimento e Expansão de Doenças Transmitidas por Vetores. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 7, p. 49-63, 2018.

5.
VITAL, A. V.2017VITAL, A. V.. A Força dos Varadouros na Amazônia: o caso da comissão de obras federais do território do Acre e as estradas de rodagem (1907-1910) / The Force of the Varadouros in the Amazon: The case of commission of federal construction of the territory of Acre and the highways (1907-1910). Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 6, p. 22-44, 2017.

6.
VITAL, A. V.2017VITAL, A. V.; TAVARES, G.G. ; DUTRA e SILVA, S. ; CAMPOS, F.I. . As sedutoras águas do Oeste: as corredeiras e as quedas d`água na luta pela transferência da capital federal para o Brasil central (1892-1953). HIB: REVISTA DE HISTORIA IBEROAMERICANA, v. 10, p. 122-144, 2017.

7.
LOPES, M.H2017LOPES, M.H ; BARRETO, C.G. ; VITAL, A. V. . O Papel do Ambiente Natural no Pensamento Social Brasileiro: contribuições a partir de Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior. HISTÓRIA REVISTA (ONLINE), v. 22, p. 45-63, 2017.

8.
VITAL, A. V.2015VITAL, A. V.. Saúde Pública e Crise da Borracha no Alto Madeira: A Liga Pró-Saneamento do Rio Madeira e seus Afluentes (1919-1920). Revista Estudos Amazônicos, v. XI, p. 208-232, 2015.

9.
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES2013 VITAL, A. V.; HOCHMAN, G. . Da malária e da 'corrupção': medicina e saberes locais no noroeste do Brasil (Comissão Rondon, 1907-1915). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 8, p. 77-94, 2013.

10.
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES2012VITAL, A. V.. Visões do Alto Madeira: Comissão Rondon, malária e política em Santo Antônio do Madeira (1910-1915). Revista Brasileira de História da Ciência, v. 5, p. 77-90, 2012.

11.
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES2011 VITAL, A. V.. Comissão Rondon, doenças e política: "Região do Madeira: Santo Antônio", de Joaquim Augusto Tanajura - uma outra visão do Alto Madeira em 1911. História, Ciências, Saúde-Manguinhos (Impresso), v. 18, p. 545-557, 2011.

12.
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES2011VITAL, A. V.. O problema da enfermidade no novo mundo: uma análise crítica do ?imperialismo ecológico? de A. Crosby. Revista de História (Salvador), v. 3, p. 18-27, 2011.

13.
VITAL, A. V.;VITAL, ANDRÉ VASQUES2010VITAL, A. V.. Medicina tropical, tratamento e profilaxia contra a malária: controvérsias científicas no início do século XX. Cadernos de história (UFOP. Mariana), v. 10, p. 163-168, 2010.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
VITAL, A. V.. Os corpos de água e sua força. Global Sustentável, Brasil, 13 mar. 2017.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.
OLIVEIRA, A. G. de ; VITAL, A. V. . Rio Araguaia: Uma análise acerca das relações das comunidades humanas com o ambiente aquático, a partir de aspectos políticos, jurídicos e sociais. In: VIII Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente - PPSTMA/UniEVANGÉLICA, 2017, Anápolis. Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente. Anápolis-GO: PPSTMA/UniEVANGÉLICA, 2017.

2.
VITAL, A. V.. Águas, saúde pública e integração nacional: as grandes cheias dos rios Iaco, Juruá e Acre de 1915 e 1918. In: II Jornada de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde, 2013, Rio de Janeiro. Anais Eletrônicos da II Jornada de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2013. v. 1. p. 1-9.

3.
VITAL, A. V.. 'Onde é monarca e domina o anófele paludico,faz-se necessário retificar a natureza: saúde, ambiente e os limites da atuação médica no Alto Purus (1904-1910). In: 13° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 2012, São Paulo. Anais do 13° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia. São Paulo: SBHC, 2012. v. 1. p. 341-356.

4.
VITAL, A. V.. Comissão Rondon, política e saúde na amazônia: a trajetória de Joaquim Augusto Tanajura no alto rio Madeira (1909-1919). In: I Jornada de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde, 2011, Rio de Janeiro. Anais Eletrônicos da I Jornada de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011. v. I.

5.
VITAL, A. V.. Quando a Expansão Técnica Depende da Produção de Conhecimento Médico e da Informação dos Habitantes Locais: o Caso da Comissão Rondon (1907-1915). In: IV Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade, 2011, Curitiba - PR. IV Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade: Ciência e Tecnologia construindo a igualdade na diversidade. Curitiba: Chen, 2011. v. 1.

6.
VITAL, A. V.. ?La vida sin literatura y quinina es muerte?: Comissão Rondon, malária e política no Alto Madeira (1910-1915). In: 12° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e 7° Congresso Latino-Americano de História da Ciência e da Tecnologia, 2010, Salvador - BA. Anais do 12° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e 7° Congresso Latino-americano de História da Ciência e da Tecnologia, 2010. v. 1. p. 1-16.

7.
VITAL, A. V.. Lutando Contra a Malária no Noroeste do Brasil: Medicina Tropical e Militar na Trajetória de Joaquim Tanajura, Chefe do Serviço de Saúde da Comissão Rondon. In: IV Congresso Internacional de História, 2009, Maringá- PR. Anais do Congresso Internacional de História (CD-Rom). Maringá-PR: Ed. Clichetec, 2009. v. 1. p. 4559-4567.

8.
VITAL, A. V.. Serviço Sanitário e Profilaxia Contra a Malária na Comissão Rondon: Medicina Tropical e Militar na Era Tanajura.. In: XXV Simpósio Nacional de História: História e Ética., 2009, Fortaleza - CE. Anais do ... Simpósio Nacional de História. Fortaleza - CE: ANPUH, 2009. v. 1.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
VITAL, A. V.. Os antecedentes da Questão do Acre: os rios na ocupação boliviana, brasileira e peruana das Tierras non Descubiertas (1850-1900). In: XVI Encontro Regional de História/ Anpuh RJ: Saberes e Práticas Científicas, 2014, Rio de Janeiro. Caderno de Resumos do XVI Encontro Regional de História: Saberes e Práticas Científicas. Rio de Janeiro: Ed. Anpuh-Rio, 2014. v. 1. p. 162-163.

2.
VITAL, A. V.. 'Onde é monarca e domina o anófele palúdico, faz-se necessário retificar a natureza': saúde, ambiente e os limites da medicina no Alto Purus (1904-1910). In: 13° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 2012, São Paulo. 13° Seminário Navional de História da Ciência e da Tecnologia. São Paulo: EACH/USP, 2012. v. 1. p. 117-118.

3.
VITAL, A. V.. Uma ecologia da saúde pública na Amazônia sul-ocidental: urbanização e medicina tropical em Sena Madureira, Alto Purus-Acre (1905-1911). In: VI Simpósio Linguagens e Identidades da/na Anazônia Sul-Ocidental / V Colóquio Internacional As Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia, 2012, Rio Branco/ AC. Caderno de Resumos do VI Simpósio Linguagens e Identidades da/na Anazônia Sul-Ocidental / V Colóquio Internacional As Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia. Rio Branco/ AC: EDUFAC, 2012. v. 1. p. 106-106.

4.
VITAL, A. V.. "La vida sin literatura y quinina es muerte": Comissão Rondon, malária e política no Alto Madeira (1910-1915). In: 12° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e 7° Congresso Latino-Americano de História da Ciência e da Tecnologia, 2010, Salvador - BA. Caderno de Resumos do 12° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e 7° Congresso Latino-americano de História da Ciência e da Tecnologia. Rio de Janeiro: SBHC, 2010. v. 1. p. 239-239.

5.
VITAL, A. V.. Serviço Sanitário e Profilaxia Contra a Malária na Comissão Rondon: medicina tropical e militar na Era Tanajura.. In: XXV Simpósio Nacional de História: História e Ética - Anpuh CE, 2009, Fortaleza. História e Ética: Simpósios Temáticos do XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza: Editora, 2009. p. 52-52.

6.
VITAL, A. V.. Ciência, Medicina e Malária nos Relatos dos Médicos da Comissão Rondon.. In: 11° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia., 2008, Rio de Janeiro. Caderno de Resumos do 11° Seminário Nacional de História da Ciência.. Rio de Janeiro: MAST/SBHC, 2008. v. 11. p. 174-175.

7.
VITAL, A. V.. Os Médicos e a Medicina na Comissão Rondon no início do século XX.. In: XV Reunião Anual de Iniciação Científica:, 2007, Rio de Janeiro. XV Reunião anual de Iniciação Científica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Artigos aceitos para publicação
1.
VITAL, A. V.; BARRETO, C.G. . Navegando pelos mares da controvérsia política: a Inspetoria da Pesca e os primeiros estudos sobre o plâncton no Brasil (1913-1915). DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE (UFPR), 2019.

Apresentações de Trabalho
1.
VITAL, A. V.; Sonkajärvi, H . A questão do Acre e os altos rios Purus e Juruá como Terra Nullius (1894-1903). 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

2.
VITAL, A. V.. Rios, Malária e Miséria na Amazônia Brasileira: das redes telegráficas às rodovias e projetos hidroelétricos. 2016. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

3.
VITAL, A. V.. Rios e Integração Nacional no Acre Federal: os seringalistas e a luta por direitos políticos (1904-1920). 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

4.
VITAL, A. V.. As Redes Aquosas dos Médicos do Rio Iaco: política e saúde no Território Federal do Acre (1904-1915). 2015. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

5.
VITAL, A. V.. Medicina e saberes locais: produzindo conhecimento sobre as doenças e seus ciclos nos altos rios Madeira, Purus e Juruá no início do século XX. 2014. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

6.
VITAL, A. V.. "A Civilização Abriu-nos as Portas á Doença..." Considerações sobre Ciência, Natureza e Nação em Joaquim Tanajura.. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

7.
VITAL, A. V.. Os Médicos e a Medicina na Comissão Rondon (1907-1915).. 2008. (Apresentação de Trabalho/Outra).

8.
VITAL, A. V.. O Ensino do Conceito de Eugenia em Sala de Aula. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

9.
VITAL, A. V.. A Educação Feminina Para o Progresso da Nação: Uma Análise do Discurso no Períódico "A Família" à Luz da Sociogenia de Tito Lívio de Castro.. 2007. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

Outras produções bibliográficas
1.
VITAL, A. V.. Na Presença da Floresta: Mata Atlântica e História Colonial. Rio de Janeiro: Garamond/FAPERJ, 2014. 536p.. Belo Horizonte: UFMG, 2016 (Resenha).

2.
VITAL, A. V.. Associações de agentes humanos e não humanos em perspectiva global na construção da Amazônia brasileira. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2015 (Resenha).

3.
VITAL, A. V.. Para além do antropocentrismo nas humanidades: a virada hidrológica. Florianópolis: EdUFSC, 2013 (Resenha).

4.
VITAL, A. V.. Nos domínios do corpo: o saber médico Luso-Brasileiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública, 2011 (Resenha).

5.
VITAL, A. V.. Uma História Brasileira das Doenças Vol. 2. Ouro Preto-MG: Revista Eletronica Cadernos de História (UFOP) v. 3(2), 2008 (Resenha).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. 2018.

2.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. 2018.

3.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. 2018.

4.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. 2018.

5.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. 2017.

6.
VITAL, A. V.. Parecer ad-hoc para a Revista História, Ciência e Saúde - Manguinhos. 2013.

Redes sociais, websites e blogs
1.
VITAL, A. V.. #DifraçõesHistóricas. 2015; Tema: Ciência, tecnologia e o papel dos não-humanos na História.. (Blog).


Demais tipos de produção técnica
1.
LOPES, M.H ; BARRETO, C.G. ; VITAL, A. V. . Debates em Sustentabilidade. 2017. (Curso de curta duração ministrado/Extensão).

2.
VITAL, A. V.. Avaliador externo no III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Estadual de Goiás. 2016. (Parecer).

3.
VITAL, A. V.. Avaliação de posteres de Iniciação Científica durante o 14 Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia. 2014. (Parecer).



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
VITAL, A. V.; TAVARES, G.G.; CARVALHO, J.J.; BARBALHO, M.G.S.. Participação em banca de Maria Francisca Mota. Manuelzão e Miguilim: O percurso das águas do Mutum à Samarra na configuração do lugar e dos seres. 2018. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

2.
DUTRA, Sandro; SILVA JUNIOR, M.G.; CAMPOS, F.I.; VITAL, A. V.. Participação em banca de Fernando Cecílio Daher. Sustentabilidade: Gestão Empresarial em Tempos de Mudanças Climáticas. 2017. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

3.
BARBALHO, M.G.S.; PEIXOTO, J. S.; SILVA, A. A.; VITAL, A. V.. Participação em banca de Euzani Silva Duarte. Análise comparativa da educação ambiental e as propostas e práticas pedagógicas ambientais das instituições escolares na cidade de Campos Verdes - GO. 2017. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

Qualificações de Mestrado
1.
VITAL, ANDRÉ VASQUES; TAVARES, G.G.; BARBALHO, M.G.S.; BRAZ, V. S.. Participação em banca de Maria Francisca Mota. Manuelzão e Miguilim: o percurso das águas do Mutum à Samarra na configuração do lugar e dos seres. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

2.
TAVARES, G.G.; BRAZ, V. S.; VITAL, A. V.; BARBALHO, M.G.S.. Participação em banca de France de Aquino Ribeiro. Entre as curvas do rio Vermelho, uma história, uma vivência, uma memória... uma saudade, Crixás - GO. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

3.
CAMPOS, F.I.; DUTRA, Sandro; SILVA JUNIOR, M.G.; VITAL, A. V.. Participação em banca de Fernando Cecílio Daher. Sustentabilidade: gestão empresarial em tempos de mudanças climáticas. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.

4.
BARBALHO, M.G.S.; VITAL, A. V.; PEIXOTO, J. S.; TAVARES, G.G.. Participação em banca de Euzani Silva Duarte. Análise comparativa da Educação Ambiental e sua legislação com as propostas e práticas ambientais desenvolvidas nas escolas públicas de ensino fundamental e médio da cidade de Campos Verdes (GO). 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
VITAL, A. V.; PEIXOTO, J. S.; ROSSETO, L. P.; BRAZ, V. S.. Processo Seletivo de Bolsas de Pós-Graduação Edital FAPEG 03/2017. 2017. Centro Universitário de Anápolis.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
I Encontro Interestadual de História: Acre e Rondônia..Ciencias, Experiências e Saberes: Conhecimento Médico e Práticas de Curas na Amazônia (Mesa Redonda). 2014. (Encontro).

2.
I Encontro Interestadual de História: Acre-Rondônia.Simpósio Temático: Ciência, Tecnologia e Ambiente na Amazônia. 2014. (Encontro).

3.
IV Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade.Quando a Expansão Técnica Depende da Produção de Conhecimento Médico e da Informação dos Habitantes Locais: o Caso da Comissão Rondon (1907-1915). 2011. (Simpósio).

4.
12° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e 7° Congresso Latino-Americano de História da Ciência e da Tecnologia."La vida sin literatura y quinina es muerte":Comissão Rondon, malária e política no Alto Madeira (1910-1915). 2010. (Seminário).

5.
IV Congresso Internacional de História. Lutando Contra a Malária no Noroeste do Brasil: Medicina Tropical e Militar na Trajetória de Joaquim Tanajura, Chefe do Serviço de Saúde da Comissão Rondon. 2009. (Congresso).

6.
XXV Simpósio Nacional de História: História e Ética - Anpuh CE.Serviço Sanitário e Profilaxia contra a Malária na Comissão Rondon: medicina tropical e militar na Era Tanajura. 2009. (Simpósio).

7.
11° Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia.. Ciência, Medicina e Malária nos Relatos dos Médicos da Comissão Rondon.. 2008. (Congresso).

8.
História da Saúde no Brasil: Idéias, Políticas e Atores Sociais (XIII Anpuh-Rio). 2008. (Oficina).

9.
XVI Reunião de Pesquisa de Iniciação Científica.Os Médicos e a Medicina na Comissão Rondon (1907-1915).. 2008. (Seminário).

10.
XV Reunião Anual de Iniciação Científica: "Novas Fronteiras da Educação e Saúde". Os Médicos e a Medicina na Comissão Rondon no início do século XX.. 2007. (Congresso).

11.
Heidegger, A Biopolítica e O Nazismo. 2006. (Seminário).

12.
Questões Teórico-Metodológicas em História. 2006. (Seminário).


Organização de eventos, congressos, exposições e feiras
1.
VITAL, A. V.; CAMPOS, F.I. . Simpósio Temático - Cidade Sustentável e Qualidade de Vida (no VIII Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente). 2017. (Outro).

2.
Sonkajärvi, H ; VITAL, A. V. . Perspectivas interdisciplinares sobre conflitos relacionados à água no Brasil. 2017. (Outro).



Orientações



Orientações e supervisões em andamento
Dissertação de mestrado
1.
Luciana de Rezende. Uma análise dos filmes premiados no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), de Goiás (1999-2017). Início: 2018. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis. (Orientador).

2.
Alessandra Gomes de Oliveira. Rio Araguaia: uma análise acerca das relações das comunidades humanas com o ambiente aquático a partir de aspectos políticos, jurídicos e sociais. Início: 2017. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis. (Orientador).

Iniciação científica
1.
Maydson Vieira Silva. Fotografias de Arapaima gigas (pirarucu) entre o desenvolvimento e a extinção no Rio Araguaia (1917-1967). Início: 2018. Iniciação científica (Graduando em Ciências Biológicas) - Centro Universitário de Anápolis. (Orientador).


Orientações e supervisões concluídas
Dissertação de mestrado
1.
Maria Francisca Mota. Manuelzão e Miguilim: o percurso das águas do Mutum à Samarra na configuração do lugar e dos seres. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) - Centro Universitário de Anápolis, . Orientador: André Vasques Vital.



Educação e Popularização de C & T



Textos em jornais de notícias/revistas
1.
VITAL, A. V.. Os corpos de água e sua força. Global Sustentável, Brasil, 13 mar. 2017.



Outras informações relevantes


Primeiro lugar no processo seletivo para o curso de Mestrado em História das Ciências e da Saúde no PPGHCS - COC/Fiocruz
Primeiro lugar no processo seletivo para o curso de Doutorado em História das Ciências e da Saúde no PPGHCS - COC/Fiocruz



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 18/10/2018 às 13:14:35