Artur Maia Wanderley

  • Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6127627704180630
  • Última atualização do currículo em 09/01/2019


É bacharel em Ciências Biológicas/Ciências Ambientais com mestrado e doutorado em Ecologia Vegetal pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Participou do Programa de Doutorado Sanduíche, fomentado pela CAPES, na Universidade da Califórnia em Los Angeles. Atualmente é bolsista de pós-doutorado (BFP-FACEPE) associado ao Laboratório de Ecologia Vegetal Aplicada do Departamento de Botânica da UFPE. Possui experiência em biologia da polinização, ecologia molecular, evolução e conservação de populações vegetais. Seu principal interesse de pesquisa consiste em entender a influência de interações bióticas e abióticas sobre a evolução e distribuição de plantas, investigando as causas para a variação geográfica de aspectos reprodutivos, morfológicos e genéticos em populações vegetais. (Texto informado pelo autor)


Identificação


Nome
Artur Maia Wanderley
Nome em citações bibliográficas
WANDERLEY, A. M.;WANDERLEY, ARTUR MAIA;WANDERLEY, ARTUR M.


Formação acadêmica/titulação


2011 - 2015
Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
com período sanduíche em University of California, Los Angeles (Orientador: Victoria Sork).
Título: Conexão e evolução entre pequenas populações insulares de plantas rupícolas do nordeste brasileiro, Ano de obtenção: 2015.
Orientador: Isabel Cristina S. Machado.
Coorientador: Ana Maria Benko Iseppon.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco, FACEPE, Brasil.
2009 - 2011
Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
Título: Ecologia reprodutiva e inferências evolutivas sobre a evolução e vulnerabilidade de Amerolgossum pernambucense Eb. Fischer, S. Vogel & A. Lopes (Scrophulariaceae), espécie endêmica dos inselbergs do Nordeste do Brasil e vulnerável à extinção,Ano de Obtenção: 2011.
Orientador: Isabel Cristina Sobreira Machado.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco, FACEPE, Brasil.
2005 - 2008
Graduação em Bacharelado em Ciências Biológcas/C. Ambientais.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
Título: Morfologial floral de Torenia thouarsii (Cham. & Schtdl.) Kuntze (Scrophulariaceae) e a relação das flores notoríbicas com a morfologia e comportamento de abelhas.
Orientador: Isabel Cristina Sobreira Machado.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco, FACEPE, Brasil.


Pós-doutorado


2018
Pós-Doutorado.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco, FACEPE, Brasil.
2015 - 2018
Pós-Doutorado.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.


Formação Complementar


2015 - 2015
Filogenia de Angiospermas - Dr. Mark Chase, Kew. (Carga horária: 30h).
Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Brasil.
2013 - 2013
Análise Morfométrica Aplicada à Biologia Vegetal. (Carga horária: 45h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2012 - 2012
Phylogeny, Biogeography and Spatial Modelling. (Carga horária: 65h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2011 - 2011
Genética de Populações e Ecologia Molecular. (Carga horária: 45h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2011 - 2011
Desenho Experimental em Ecologia Animal.
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2010 - 2010
Ecologia do Néctar. (Carga horária: 45h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2010 - 2010
Princípios Básicos de Genética de Populações. (Carga horária: 30h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2010 - 2010
Curso de Campo - Ecologia da Caatinga. (Carga horária: 90h).
Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
2009 - 2009
Extensão universitária em Sistemática eIdentificação de Abelhas Neotropicais. (Carga horária: 50h).
Universidade Federal do Paraná, UFPR, Brasil.
2007 - 2007
Abelhas indígenas sem ferrão (Apidae, Meliponini). (Carga horária: 5h).
Sociedade de Ecologia do Brasil, SEB, Brasil.
2007 - 2007
Introdução à Permacultura. (Carga horária: 54h).
Epicentro Marizá, EPICENTRO MARIZÁ, Brasil.


Atuação Profissional



Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.
Vínculo institucional

2018 - 2018
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor colaborador, Carga horária: 60
Outras informações
Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal-Universidade Federal de Pernambuco. Disciplina ministrada: Modelando a Distribuição Espacial de Genes, Populações e Comunidades ao Longo de Gradientes de Clima e Perturbação

Vínculo institucional

2016 - 2017
Vínculo: , Enquadramento Funcional: Professor Substituto, Carga horária: 20
Outras informações
Disciplinas ministradas: Evolução; Genética de Populações, Genética Mendeliana; Genética Humana; Genética e Evolução Humana

Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Professor colaborador, Carga horária: 30
Outras informações
Programa de Pós-Graduação em Saúde Humana-Universidade Federal de Pernambuco Disciplina ministrada:Ferramentas para estudos dos efeitos do clima e outros fatores ambientais sobre a biodiversidade

Vínculo institucional

2016 - 2016
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Professor colaborador, Carga horária: 3
Outras informações
Programa de Pós-Graduação em Saúde Humana e Meio Ambiente. Professor colaborador na disciplina BV-914 - Ecologia da Polinização (nível: mestrado e doutorado).

Vínculo institucional

2011 - 2015
Vínculo: Doutorado, Enquadramento Funcional: Doutorando, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2009 - 2011
Vínculo: Mestrado, Enquadramento Funcional: Mestrando, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.

Vínculo institucional

2007 - 2008
Vínculo: Monitoria, Enquadramento Funcional: Monitor
Outras informações
Disciplina: Botânica Fanerogâmica. Curso: Ciências Biológicas/Licenciatura

Vínculo institucional

2007 - 2008
Vínculo: Iniciação Científica, Enquadramento Funcional: Estagiário, Carga horária: 20
Outras informações
Projeto desenvolvido: Biologia floral e reprodutiva de Torenia thouarsii (Cham. & Schtdl.) Kuntze (Scrophulariaceae) no Parque Estadual de Dois Irmãos, Recife-PE


University of California, Los Angeles, UCLA, Estados Unidos.
Vínculo institucional

2014 - 2014
Vínculo: Bolsista, Enquadramento Funcional: Visiting Graduate Researcher, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva.



Projetos de pesquisa


2015 - 2017
Os cervídeos brasileiros e a doença priônica CWD (Chronic Wasting Disease): verificação de polimorfismos genéticos associados à susceptibilidade
Descrição: Descrição: A Doença da Debilidade Crônica dos Cervídeos, Chronic Wasting Disease (CWD), é uma doença do grupo das encefalopatias espongiformes transmissíveis (EETs) que acomete cervídeos norte-americanos. Assim como as outras EETs, a CWD é uma doença fatal, e vêm sendo considerada epidêmica nos Estados Unidos. O agente causal é uma proteína modificada denominada príon, codificada naturalmente em todas as espécies animais pelo gene Prnp. Sabe-se que, em quatro espécies de cervídeos norte-americanos, mutações de ponto no gene Prnp estão associadas à maior susceptibilidade de seus portadores à CWD. Até o presente não existe nenhum estudo sobre as mutações gênicas que potencialmente conferem susceptibilidade ou resistência de cervídeos neotropicais ao CWD. O presente projeto visa o estudo da seqüência do gene Prnp nas sete espécies de cervídeos neotropicais de ocorrência no Brasil, objetivando a identificação de mutações que, assim como nas espécies norte-americanas, possam estar envolvidas na susceptibilidade dos indivíduos em adquirir a doença. Espera-se, ao final do projeto, definir se as espécies brasileiras de cervídeos devem ser enquadradas no rol de espécies potencialmente susceptíveis ao CWD..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Artur Maia Wanderley - Integrante / José Maurício Barbanti Duarte - Integrante / João Ricardo Mendes de Oliveira - Integrante / José Eriton Gomes da Cunha - Integrante / José Eduardo Garcia - Coordenador.
Financiador(es): Pró-Reitoria para Assuntos de Pesquisa e Pós-Graduação - Auxílio financeiro.
2015 - 2017
Caracterização molecular do gene MBL (Mannose-Binding Lectin) em cervídeos neotropicais: uma contribuição para o estudo das doenças infecciosas em animais selvagens
Descrição: A Lectina Ligadora de Manose (MBL) é uma proteína sérica incluída entre as famílias das colectinas, que apresenta papel fundamental no sistema imune inato humano ligando-o ao sistema imune adaptativo, sendo um dos mais versáteis componentes do sistema imune inato, com características funcionais análogas à IgM, IgG e C1q. Há evidências de que a proteína possua pelo menos quatro funções distintas, dentre as quais a ativação do complemento tem sido a melhor estudada. Tais papéis são desempenhados quando suas múltiplas cabeças reconhecedoras de carboidratos se ligam na superfície de uma grande variedade de microrganismos, incluindo bactérias, fungos, vírus e protozoários gerando uma cascata de reações que ativam o sistema complemento. Apesar da importância do papel da proteína MBL na ativação da via das lectinas do sistema complemento em humanos, trabalhos abordando o papel desse gene na resposta imune inata em animais ainda são raros. Num dos pouco trabalhos publicados no tema, Zhao et al. (2011) descreveram a associação entre polimorfismos no promotor e no exon 1 do gene MBL com a diminuição dos níveis séricos da proteína. Até o momento não existem trabalhos publicados a respeito do gene MBL em animais silvestres. O principal objetivo dessa proposta é caracterizar a sequência de nucleotídeos dos quatro exons e do promotor do gene MBL em três espécies de cervídeos neotropicais: Cervo do Pantanal (Blastocerus dichotomus), Veado Campeiro (Ozotocerus bezoarticus) e Veado Catingueiro (Mazama gouazoubira), bem como correlacionar prováveis polimorfismos nucleotídicos com a concentração sérica da proteína MBL..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Artur Maia Wanderley - Integrante / José Eduardo Garcia - Coordenador / Sergio Crovella - Integrante / paula sandrin garcia - Integrante.
Financiador(es): Pró-Reitoria para Assuntos de Pesquisa e Pós-Graduação - Auxílio financeiro.
2015 - Atual
A contribuição dos Cerrados marginais para a diversidade do Cerrado: filogeografia de Agonandra brasiliensis Miers ex Benth. & Hook e filogenia de Agonandra Miers ex Benth. & Hook (Opiliaceae)
Descrição: O Cerrado, segundo maior domínio do Brasil, abrange cerca de 23% do território nacional e é considerado um dos 34 hotspots mundiais para conservação. Pode ser divido em Cerrado central, essencialmente localizado no centro-oeste, e Cerrados marginais, localizados no Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil. A diversidade encontrada nesses Cerrados marginais é comumente considerada parte da diversidade encontrada no Cerrado central, mas estudos recentes vêm demonstrando que os Cerrados marginais são mais diversos do que o previamente definido. Em um estudo recentemente realizado pelo nosso grupo com duas espécies arbóreas típicas de Cerrado, não apenas não foi observada uma divisão entre Cerrados central e marginais, como foi demonstrada a ocorrência de haplótipos exclusivos e, por vezes ancestrais, em áreas previamente definidas como "marginais". Dessa forma, o estudo enfatizou a necessidade de criação de Unidades de Conservação em áreas de Cerrado ditas "marginais" para propiciar a conservação de toda a diversidade do domínio. Entretanto, alguns padrões encontrados para as espécies analisadas nesse estudo foram distintos. Para Alibertia edulis, uma espécie relacionada às matas de galeria, as populações do Pará e Piauí mostraram haplótipos ancestrais,enquanto para Qualea grandiflora, a população de São Paulo apresentou haplótipos ancestrais. Dessa forma, com o objetivo de entender a origem dos Cerrados marginais, pretende-se, no presente trabalho, analisar a filogeografia de Agonandra brasiliensis (Opiliaceae), uma espécie encontrada em Cerrados e em matas deciduais de transição, desde o Panamá até o estado de São Paulo (Brasil) e Paraguai. Adicionalmente, pretende-se analisar também a filogenia do gênero Agonandra, a fim de identificar a área de origem de A. brasiliensis. De acordo com a distribuição do gênero na América Latina, é provável que a origem de A. brasiliensis tenha se dado na região amazônica, como A. edulis, mas por não ter distribuição relacionada às matas de galeria, espera-se que a estruturação de suas populações possa refletir o padrão encontrado para outras espécies de Cerrado, como Q. grandiflora. Assim, espera-se compreender melhor os mecanismos que deram origem a formação do domínio Cerrado, bem como os padrões de diversidade previamente encontrados na região central e marginais, e desse modo auxiliar na definição de uma ou mais áreas para criação de novas Unidades de Conservação. Para isso, serão analisados indivíduos de ao menos oito populações de A. brasiliensis e indivíduos da maioria das outras espécies do gênero ao longo da sua distribuição através de sequenciamento de DNA..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Artur Maia Wanderley - Integrante / José Eduardo Garcia - Coordenador / Andrea Pedrosa-Harand - Integrante / Liliane Galindo Dantas de Oliveira - Integrante.
Financiador(es): Pró-Reitoria para Assuntos de Pesquisa e Pós-Graduação - Auxílio financeiro.
2012 - 2014
Efeito do isolamento espacial e de fatores ambientais sobre a fenologia reprodutiva, a morfologia floral, o fluxo polínico e os cariótipos de populações insulares de Ameroglossum pernambucense (Scrophulariaceae)
Descrição: Os inselbergs podem estar imersos em ecossistemas com diferentes condições ambientais e as populações de plantas exclusivas desse ambiente apresentarem baixos níveis de fluxo gênico. Dessa forma, avaliar o nível de sincronia de floração interpopulacional, assim como a variação dos polinizadores disponíveis e as alterações no cariótipo de populações cujos inselbergs localizam-se em matrizes ambientalmente distintas permite: (1) analisar o efeito potencial da variação dos padrões de fenologia reprodutiva sobre o fluxo gênico entre inselbergs; (2) verificar como as comunidades de polinizadores variam entre as populações rupícolas e quais suas consequências na seleção de traços florais e padrões de dispersão polínica; e (3) definir o grau de influência desses fatores no processo de especiação das populações estudadas a partir de análises cromossômicas..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) .

Integrantes: Artur Maia Wanderley - Integrante / Isabel Cristina Machado - Coordenador / Ana Maria Benko Iseppon - Integrante / Eloyza Karoline Rozendo dos Santos - Integrante / Erton Mendonça de Almeida - Integrante / Leonardo Pessoa Félix - Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.
2011 - 2013
Estrutura genética, sucesso reprodutivo e o papel dos beija-flores na conservação do arbusto Ameroglossum pernambucense (Scrophulariaceae), espécie endêmica aos inselbergs nordestinos e vulnerável à extinção
Descrição: Ameroglossum pernambucense (Scrophulariaceae) é um arbusto vulnerável à extinção, exclusivamente polinizado por beija-flores e restrito aos inselbergs de Pernambuco e Paraíba. Determinar a estrutura genética das populações existentes, o fluxo gênico e a possibilidade de limitação reprodutiva entre elas é importante tanto para a definição do seu status de ameaça, quanto para sua conservação em longo prazo. Por ser ornitófila e exclusiva de inselbergs, ambientes naturalmente fragmentados, esta espécie é um modelo para a compreensão das consequências genéticas e evolutivas da fragmentação de paisagens em espécies polinizadas por beija-flores. Este projeto tem dois objetivos: 1) determinar o real status de conservação de A. pernambucense, avaliando a variabilidade e relações genéticas de suas populações e o sucesso reprodutivo e dependência de beija flores polinizadores para formação de frutos e sementes das populações desta planta; e 2) compreender o efeito do isolamento espacial e do comportamento de forrageio e partilha de polinizadores sobre a estruturação genética e o fluxo gênico entre populações isoladas. Serão estudadas cinco populações conhecidas de A. pernambucense em Pernambuco e na Paraíba, utilizando-se marcadores nucleares microssatélites. Este estudo contribuirá efetivamente para a conservação de A. pernambucense, com o mapeamento da distribuição da riqueza genética da espécie, e indicando quais populações são prioritárias para a conservação de uma porção mais substancial de sua diversidade genética. Contribuirá também avaliando se o sucesso reprodutivo das populações conhecidas está sendo afetado e indicando se há a necessidade de intervenções conservacionistas nas populações existentes. Por fim, a análise integrada dos dados obtidos nesse projeto permitirá ainda uma melhor compreensão dos processos evolutivos que a atuam sobre populações de plantas exclusivas de inselbergs..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (1) .

Integrantes: Artur Maia Wanderley - Coordenador / Isabel Cristina Machado - Integrante / Ana Maria Benko Iseppon - Integrante / Eloyza Karoline Rozendo dos Santos - Integrante.
Financiador(es): Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza - Auxílio financeiro.


Revisor de projeto de fomento


2016 - 2016
Agência de fomento: Czech Science Foundation


Áreas de atuação


1.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Ecologia / Subárea: Biologia da polinização.
2.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Ecologia / Subárea: Ecologia molecular.
3.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Ecologia / Subárea: Ecologia evolutiva de plantas.
4.
Grande área: Ciências Biológicas / Área: Ecologia / Subárea: Genética Vegetal.


Idiomas


Inglês
Compreende Bem, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Razoavelmente.
Francês
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Razoavelmente, Escreve Pouco.
Espanhol
Compreende Razoavelmente, Fala Razoavelmente, Lê Bem, Escreve Pouco.


Prêmios e títulos


2016
Menção honrosa - High Susceptibility to Genetic Drift Despite High Potential for Outbreeding Increases Vulnerability of Two Narrow Endemic and Self-Compatible Species from an Island-Like Habitat, 1º Workshop sobre evolução do genoma em plantas.


Produções



Produção bibliográfica
Artigos completos publicados em periódicos

1.
WANDERLEY, A. M.2018 WANDERLEY, A. M.; MACHADO, I. C. ; ALMEIDA, E. M. ; FÉLIX, L. P. ; GALETTO, L. ; BENKO-ISEPPON, A. M. ; SORK, V. L. . The roles of geography and environment in divergence within and between two closely related plant species inhabiting an island-like habitat. JOURNAL OF BIOGEOGRAPHY, v. 45, p. 381-393, 2018.

2.
CARDOSO, M. L. V.2018CARDOSO, M. L. V. ; FERREIRA, P. B. ; WANDERLEY, A. M. ; TORRES, R. A. ; TALEBI, M. ; TEIXEIRA, R. H. F. ; DUARTE, J. M. B. ; GARCIA, J. E. . A cost-effective method for rapid identification of the southern muriqui: a contribution for the control of illegal bushmeat trade. MASTOZOOLOGÍA NEOTROPICAL (IMPRESA), v. 00, p. 1-7, 2018.

3.
FALCAO, C. B. R.2017FALCAO, C. B. R. ; LIMA, I. L. M. N. F. ; DUARTE, J. M. B. ; OLIVEIRA, J. R. M. ; TORRES, R. A. ; WANDERLEY, A. M. ; CUNHA, J. E. G. ; GARCIA, J. E. . Are Brazilian cervids at risk of prion diseases?. Prion, p. 1-6, 2017.

4.
WANDERLEY, ARTUR MAIA2017WANDERLEY, ARTUR MAIA; VASCONCELOS, SANTELMO ; HUETTEL, BRUNO ; MACHADO, ISABEL CRISTINA ; BENKO-ISEPPON, ANA MARIA . Development of 15 SSR polymorphic markers for the endangered Ameroglossum pernambucense Eb. Fischer, S. Vogel & A. V. Lopes (Scrophulariaceae), and cross-transferability in congeneric taxa. REVISTA BRASILEIRA DE BOTÂNICA (IMPRESSO), v. 40, p. 1007-1011, 2017.

5.
ALMEIDA, E. M.2016ALMEIDA, E. M. ; WANDERLEY, A. M. ; NOLLET, F. ; COSTA, F. R. ; SOUZA, L. G. R. ; FÉLIX, L. P. . A New Species of Ameroglossum (Scrophulariaceae) Growing on Inselbergs in Northeastern Brazil. SYSTEMATIC BOTANY, v. 41, p. 423-429, 2016.

6.
WANDERLEY, ARTUR M.2015WANDERLEY, ARTUR M.; GALETTO, LEONARDO ; MACHADO, ISABEL C.S. . Functional decoupling between flowers and leaves in the Ameroglossum pernambucense complex can facilitate local adaptation across a pollinator and climatic heterogeneous landscape. JOURNAL OF EVOLUTIONARY BIOLOGY, v. 29, p. n/a-n/a, 2015.

7.
WANDERLEY, ARTUR MAIA2013 WANDERLEY, ARTUR MAIA; LOPES, ARIADNA VALENTINA ; MACHADO, ISABEL CRISTINA . Reproductive ecology of Ameroglossum pernambucense (Scrophulariaceae): is this ornithophilous and threatened shrub highly adapted to a naturally fragmented habitat?. PLANT SYSTEMATICS AND EVOLUTION, v. 300, p. 1099-1110, 2013.

Capítulos de livros publicados
1.
WANDERLEY, A. M.; PORTUGAL, M. P. ; RITO, K. F. ; SPECHT, M. J. S. ; PINTO, S. R. R. ; FERNANDES, G. W. . Caracterização da ocupação por animais de intumescências em Hypenia salzmannii (Benth.) Harley (Lamiaceae).. In: Leal, I.R.; Almeida, W.R.; Aguiar Neto, A.V.; Meiado, M.V. & Siqueira Filho, J.A.. (Org.). Ecologia da Caatinga: Curso de Campo 2010. 1ed.Petrolina: PrintPex, 2012, v. 1, p. 36-44.

2.
PORTUGAL, M. P. ; RITO, K. F. ; WANDERLEY, A. M. ; SPECHT, M. J. S. ; MENDES, M. G. F. ; LEAL, I. R. . Tamanho do ninho influencia a dieta de Pheidole fallax Mayr, 1870 (Formicidae: Myrmicinae)?. In: Leal, I.R.; Almeida, W.R.; Aguiar Neto, A.V.; Meiado, M.V. & Siqueira Filho, J.A.. (Org.). Ecologia da Caatinga: Curso de Campo 2010. 1ed.Petrolina: PrintPex, 2012, v. 1, p. 63-72.

3.
RITO, K. F. ; WANDERLEY, A. M. ; SPECHT, M. J. S. ; PORTUGAL, M. P. ; SILVA, E. A. E. S. ; MELO, F. P. L. . A teoria da biogeografia de ilhas se aplica às ilhas de umidade na Caatinga?. In: Leal, I.R.; Almeida, W.R.; Aguiar Neto, A.V.; Meiado, M.V. & Siqueira Filho, J.A.. (Org.). Ecologia da Caatinga: Curso de Campo 2010. 1ed.: , 2012, v. 1, p. 93-102.

4.
LIMA, P. B. ; WANDERLEY, A. M. ; ARCOVERDE, G. B. ; LANA, T. C. ; MENDES, M. G. F. ; BERNARD, E. . Commiphora leptophloeos (Mart.) J.B. Gillett (Burseraceae) são poleiros favorecedores de nucleação na Caatinga?. Ecologia da Caatinga: Curso de Campo 2010. 1ed.Petrolina: PrintPex, 2012, v. 1, p. 124-133.

5.
LANA, T. C. ; ARCOVERDE, G. B. ; LIMA, P. B. ; WANDERLEY, A. M. ; PINTO, S. R. R. ; CARDOSO, M. Z. . Investimento reprodutivo e taxa de ataque por herbívoros. In: Leal, I.R.; Almeida, W.R.; Aguiar Neto, A.V.; Meiado, M.V. & Siqueira Filho, J.A.. (Org.). Ecologia da Caatinga: Curso de Campo 2010. 1ed.Petrolina: PrintPex, 2012, v. 1, p. 151-159.

6.
WANDERLEY, A. M.. Análise da influência de fatores físicos e espaciais sobre a riqueza e composição florística das ilhas de vegetação de um inselberg da Caatinga.. In: Leal, I.R.; Almeida, W.R.; Aguiar Neto, A.V.; Meiado, M.V. & Siqueira Filho, J.A.. (Org.). Ecologia da Caatinga ? Curso de Campo 2010.. 1ed.Petrolina: PrintPex, 2012, v. 1, p. 163-181.

Textos em jornais de notícias/revistas
1.
SOBRAL-LEITE, M. ; WANDERLEY, A. M. . Bromélia ameaçada de extinção é localizada. Jornal do Commercio, Jornal, p. 6 - 6, 11 jun. 2008.

Resumos expandidos publicados em anais de congressos
1.
WANDERLEY, A. M.; Lopes, A. V. F. ; MACHADO, I. C. . Ecologia Reprodutiva de Ameroglossum pernambucense EB. Fischer, S. Vogel & A. Lopes (Scrophulariaceae), Gênero Restrito aos Inselbergues Nordestinos. In: XII Congresso Nordestino de Ecologia, 2009, Gravatá, PE. Anais do XII Congresso Nordesitno de Ecologia, 2009.

2.
Ribeiro, E. M. S. ; WANDERLEY, A. M. ; Souza, B. D. S. . Frequência de inimigos especializados e taxa de perda foliar: bons parâmetros para testar o potencial invasor de uma espécie exótica?. In: XII Congresso Nordestino de Ecologia, 2009, Gravatá, PE. Anais do XII Congresso Nordesitno de Ecologia, 2009.

Resumos publicados em anais de congressos
1.
AMORIM, M. C. F. ; MEDEIROS, M. C. M. P. ; WANDERLEY, A. M. ; LOUZADA, R. B. . Distribuição geográfica potencial de Orthophytum disjunctum (Bromeliaceae). In: 35ª Reunião Nordestina de Botânica realizada, 2017, Recife. 35ª Reunião Nordestina de Botânica realizada, 2017.

2.
WANDERLEY, A. M.; SANTOS, E. K. R. ; BENKO-ISEPPON, A. M. ; MACHADO, I. C. . High Susceptibility to Genetic Drift Despite High Potential for Outbreeding Increases Vulnerability of Two Narrow Endemic and Self-Compatible Species from an Island-Like Habitat. In: 1º Workshop sobre evolução do genoma em plantas, 2016, Areia. 1º Workshop sobre evolução do genoma em plantas, 2016.

3.
BRITO, G. F. ; WANDERLEY, A. M. ; DUARTE, J. M. B. ; CROVELLA, S. ; LIMA, I. L. M. N. F. ; GARCIA, J. E. . Abundância de substituições não-sinônimas em relação a substituições sinônimas indica evolução por deriva genética em região codificante do gene MBL em três espécies de veados neotropicais. In: Brazilian-International Congress of Genetics, 2016, Caxambú. Brazilian-International Congress of Genetics, 2016.

4.
WANDERLEY, A. M.; SORK, V. L. ; ALMEIDA, E. M. ; FÉLIX, L. P. ; GALETTO, L. ; BENKO-ISEPPON, A. M. ; MACHADO, I. C. . Impact of the environment on divergence among highly isolated plant populations. In: Evolution 2015, 2015, Guarujá - São Paulo. Evolution, 2015.

5.
WANDERLEY, A. M.; FÉLIX, L. P. ; MACHADO, I. C. . Functional decoupling between flowers and leaves in the Ameroglossum pernambucense complex can facilitate local adaptation. In: Evolution 2015, 2015, Guarujá - São Paulo. Evolution 2015, 2015.

6.
WANDERLEY, A. M.; MACHADO, I. C. . Morfologia floral de Torenia thouarsii (Cham & Schtdl.) Kuntze (Plantaginaceae): influências do local de deposição de pólen e comportamento de abelhas.. In: 59° Congresso Nacional de Botânica, 2008, Natal, RN. Anais 59° Congresso Nacional de Botânica, 2008.

7.
WANDERLEY, A. M.; LEITE, M. S. . Nova População de Aechmea muricata (Arruda) L. B. Sm. (Bromeliaceae), Espécie em Perigo de extinção do Centro de Endemismo Pernambuco. In: 59° Congresso Nacional de Botânica, 2008, Natal, RN. Anais 59° Congresso Nacional de Botânica, 2008.

8.
WANDERLEY, A. M.; MACHADO, I. C. . Biologia floral e sistema reprodutivo de Torenia thouarsii (Cham & Schtdl.) Kuntze (Plantaginaceae) em um fragmento de mata atlântica do Parque Estadual de Dois Irmãos em Recife, PE, Brasil.. In: 58° Congresso Nacional de Botânica, 2007, São Paulo, SP. Anais 58° Congresso Nacional de Botânica, 2007.

9.
LEITE, M. S. ; WANDERLEY, A. M. . Hidrófitas vasculares do Parque Estadual de Dois Irmãos, Recife, Pernambuco: levantamento preliminar. In: 58° Congresso Nacional de Botânica, 2007, São Paulo, SP. Anais 58° Congresso Nacional de Botânica, 2007.

Apresentações de Trabalho
1.
WANDERLEY, A. M.. Ecologia e conservação das interações planta-animal na Caatinga. 2018. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

2.
WANDERLEY, A. M.. Isolamento e oportunidade para especiação em populações de plantas exclusivas dos inselbergs do Nordeste brasileiro ? ilhas rochosas cercadas por Caatinga e floresta Atlântica. 2017. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).


Produção técnica
Trabalhos técnicos
1.
WANDERLEY, A. M.; ALMEIDA, E. M. ; FÉLIX, L. P. . Acessor da IUCN Red List of Threatened Species. 2014.. 2014.



Bancas



Participação em bancas de trabalhos de conclusão
Mestrado
1.
WANDERLEY, ARTUR M.; ALMEIDA, N. M.; NADIA, T. C. L.. Participação em banca de Bruna Yvila Melo Santos. Biologia Reprodutiva de espécies herbáceas e subarbustivas em uma área de floresta Atlântica no nordeste brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal Rural de Pernambuco.

2.
WANDERLEY, A. M.; ALMEIDA, N. M.; NADIA, T. C. L.. Participação em banca de Geiza de Oliveira Lima. Rede de interações entre herbáceas e visitantes florais em um fragmento de floresta Atlântica no Nordeste brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal Rural de Pernambuco.

3.
WANDERLEY, A. M.; Millet-Pinheiro, P.; NADIA, T. C. L.. Participação em banca de Cristina Adriane de Souza Pontes. Interferência de pólen exógeno em um sistema de polinização especializado: o caso de Jacaranda rugosa A.H. Gentry (Bignoniaceae). 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

4.
ROHDE, C.; ALÉSSIO, F. M.; WANDERLEY, A. M.; WALLAU, G. L.. Participação em banca de Rita Dayane Coutinho da Silva. Efeitos da sazonalidade em parâmetros ecológicos e genéticos de drosofilídeos (Insecta, Diptera) no norte da floresta Atlântica. 2016. Dissertação (Mestrado em Biologia Celular e Molecular Aplicada) - Universidade de Pernambuco.

5.
GARCIA, J. E.; GARCIA, A. C. L.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Isabel Luiza de Melo Nunes Freire Lima. Variabilidade genética e evolução do gene PRNP em veados cinzas (Mammalia; Cervidae; Mazama). 2016. Dissertação (Mestrado em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

Teses de doutorado
1.
MACHADO, I. C.; RECH, A. R.; WANDERLEY, A. M.; LOPES, A. V.; PEDROSA-HARAND, A.. Participação em banca de Ana Carolina Galindo da Costa. Atributos florais e transição entre polinização abiótica e biótica em espécies de Rhyncospora Vahl (Cyperaceae). 2017. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

2.
Moura, R. C.; Almeida, A. C. S.; Silva, V. L.; GARCIA, J. E.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Zilpa das Graças Silva de Melo. Estudo da variabilidade genética de Drosophila willistoni (Insecta: Diptera) e infecção pelo endossimbionte Wolbachia pipientis. 2017. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Genética) - Universidade Federal de Pernambuco.

Qualificações de Doutorado
1.
LOPES, ARIADNA VALENTINA; WANDERLEY, A. M.; MENDES, M. G. F.. Participação em banca de Bruno Ximenes Pinho. Respostas funcionais de assembleias de árvores a distúrbios e gradientes ambientais em múltiplas escalas espaciais. 2018. Exame de qualificação (Doutorando em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

2.
LOPES, ARIADNA VALENTINA; SOUZA, L. G. R.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Ana Carolina Galindo da Costa. Atributos florais e transição entre polinização abiótica e biótica em espécies de Rhynchospora Vahl (Cyperaceae). 2016. Exame de qualificação (Doutorando em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

Qualificações de Mestrado
1.
WANDERLEY, A. M.; FILGUEIRAS, B. K. C.; SILVA, A. C. B. L. E.. Participação em banca de Alice Batista Dos Santos. Mudanças na dinâmica de nutrientes sob perturbação antrópica crônica e redução da precipitação na Caatinga. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

2.
MACHADO, I. C.; COSTA, A. C. G.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Edito Romão da Silva Neto. Consequências da partilha de polinizadores, uma contribuição para o entendimento na dinâmica das comunidades. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

3.
WANDERLEY, A. M.; MELO, F. P. L.; SILVA, A. C. B. L. E.. Participação em banca de Ana Cristiana Santos da Silva. Dinâmica de nutrientes em diferentes estágios de regeneração e floresta madura na Caatinga. 2018. Exame de qualificação (Mestrando em Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Pernambuco.

4.
WANDERLEY, A. M.; SANTOS, N. P. S.; GARCIA, A. C. L.. Participação em banca de Anadeje Celerino dos Santos Silva. Avaliação da estrutura e variabilidade genética de populações brasileiras de Drosophila willistoni através do marcador genético inter simple sequence repeat (ISSR). 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

5.
WANDERLEY, A. M.; Millet-Pinheiro, P.; NADIA, T. C. L.. Participação em banca de Cristina Adriane de Souza Pontes. Análise polínica de abelhas polinizadoras da chapada de São José no Parque Nacional do Catimbau-PE. 2016. Exame de qualificação (Mestrando em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

6.
WANDERLEY, A. M.; OLIVEIRA, I. S.. Participação em banca de Laureana de Vasconcelos Sobral. Avaliação microbiológica do ar do CAV e aplicação biotecnológica dos metabólitos dos fungos do ar. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em PPG em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

7.
NADIA, T. C. L.; SANTOS, A. M. M.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Cristina Adriane de Souza Pontes. Análise polínica de abelhas polinizadoras da Chapada de São José no Parque Nacional do Catimbau - Pernambuco. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em PPG em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Pernambuco.

Trabalhos de conclusão de curso de graduação
1.
PEDROSA-HARAND, A.; CRUZ NETO, O.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Ana Lúcia Gonçalves da Silva.Transferibilidade de Microssatélites Cloroplastidiais (cpSSR) e Nucleares (nuSSR) para Trischidium molle (Leguminosae). 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco.

2.
MACHADO, I. C.; COSTA, A. C. G.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Ugo Mendes Diniz.Altura floral acima do solo: consolidando o papel de um atributo na interação entre plantas e morcegos nectarívoros. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco.

3.
BARROS, M. F. G. S.; MENEZES, T. G. C.; SILVA, E. A. E. S.; WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Ana Beatriz Silva.Uso da terra e os mecanismos de regeneração da Caatinga. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco.

4.
WANDERLEY, A. M.; OLIVEIRA, T. E.; CRUZ NETO, O.. Participação em banca de André Sampaio Ático Leite.As consequências socioambientais da produção de alimentos pela agroindústria: o papel da educação ambiental para reversão desse processo através de um de olhar ecológico. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológcas/C. Ambientais) - Universidade Federal de Pernambuco.

5.
MAIA, A.C.D.; Carvalho, A.T.; WANDERLEY, A. M.; IANNUZZI, L.. Participação em banca de Davi Jamelli Santos.Biologia da Polinização da Aninga (Montrichardia linifera, Araceae) no litoral norte do Estado de Pernambuco. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco.

6.
WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Diana Nobre de Morais.Caracterização dos fogões à lenha utilizados nas zonas rurais do corredor de biodiversidade do Nordeste da mata Atlântica e impactos na saúde dos usuários. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológcas/C. Ambientais) - Universidade Federal de Pernambuco.

7.
COSTA, C. P. A.; MELO FILHO, A. V.; WANDERLEY, A. M.; CORREA, G. V. V.. Participação em banca de Tauã Valle Pinheiro.DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA ECOVILA ALDEIA, REGIAO METROPOLITANA DE RECIFE, PE.. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológcas/C. Ambientais) - Universidade Federal de Pernambuco.

8.
WANDERLEY, A. M.. Participação em banca de Isabelle Fernandes de Albuquerque.Perfil populacional e fenologia de Calymperes palisotii Schwägr. (Calymperaceae, Bryophyta) em remanescente de floresta atlântica. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas/Ambientais) - Universidade Federal de Pernambuco.



Participação em bancas de comissões julgadoras
Outras participações
1.
WANDERLEY, A. M.. Avaliador da disciplina Seminário A, Programa de Pós-Graduação em Botânica. 2017. Universidade Federal Rural de Pernambuco.



Eventos



Participação em eventos, congressos, exposições e feiras
1.
1º Workshop Sobre Evolução do Genoma em Plantas.High Susceptibility to Genetic Drift Despite High Potential for Outbreeding Increases Vulnerability of Two Narrow Endemic and Self-Compatible Species from an Island-Like Habitat. 2016. (Simpósio).

2.
Evolution 2015.Impact of the environment on divergence among highly isolated plant populations. 2015. (Encontro).

3.
Evolution 2015.Functional decoupling between flowers and leaves in the Ameroglossum pernambucense complex can facilitate local adaptation. 2015. (Encontro).

4.
I International Symposium on Evolutionary Biology. 2012. (Simpósio).

5.
XII Congresso Nordestino de Ecologia. Frequência de inimigos especializados e taxa de perda foliar: bons parâmetros para testar o potencial invasor de uma espécie exótica?. 2009. (Congresso).

6.
XII Congresso Nordestino de Ecologia. Ecologia Reproutiva de Ameroglossum pernambucense EB. Fischer, S. Vogel & A. Lopes (Scrophulariaceae), Gênero Restrito aos Inselbergues Nordestinos. 2009. (Congresso).

7.
59° Congresso Nacional de Botânica. Morfologia floral de Torenia thouarsii (Cham & Shtdl.) Kuntze (Plantaginaceae): Influências no Local de Deposição de Pólen e Comportamento de Abelhas. 2008. (Congresso).

8.
58° Congresso Nacional de Botânica. Biologia floral e sistema reprodutivo de Torenia thouarsii (Cham & Schtdl.) Kuntze (Plantaginaceae) em um fragmento de mata atlântica do Parque Estadual de Dois Irmãos em Recife, PE, Brasil; Hidrófitas Vasculares do Parque Eestadual de Doid Irmãos, Recife. 2007. (Congresso).

9.
Congresso de Ecologia do Brasil. 2007. (Congresso).



Orientações



Orientações e supervisões concluídas
Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
André Sampaio Ático Leite. As consequências socioambientais da produção de alimentos pela agroindústria: o papel da educação ambiental para reversão desse processo através de um olhar ecológico. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Bacharelado em Ciências Biológcas/C. Ambientais) - Universidade Federal de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.

Iniciação científica
1.
Glória Félix de Brito. Teste de evolução por seleção natural no gene MBL em Mazama (Cervidae) a partir da comparação da frequência de mutações em regiões gênicas codificantes e não codificantes. 2017. Iniciação Científica. (Graduando em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.

2.
Glória Félix de Brito. Análise da evolução de uma região codificante do gene MBL em três espécies de veados neotropicais a partir da comparação da abundância de substituições não-sinônimas em relação à abundância de substituições sinônimas. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.

3.
Eloyza Karoline Rozendo dos Santos. Avaliação do fluxo polínico de duas espécies rupícolas, Ameroglossum pernambucense (Scrophulariaceae) e Encholirium spectabile (Bromeliaceae), sob uma perspectiva evolutiva e conservacionista. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em Bacharelado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco, Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.

Orientações de outra natureza
1.
Maria José Adelino da Silva. Disciplina: Genética de Populações. 2016. Orientação de outra natureza. (Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.

2.
Renan Paulino Guimarães. Disciplina: Genética de Populações. 2016. Orientação de outra natureza. (Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco. Orientador: Artur Maia Wanderley.



Outras informações relevantes


Aprovado em 2º lugar no Concurso Público de Provas e Títulos para professor adjunto da Universidade Federal Rural de Pernambuco, regido pelo Edital Específico nº 8/2014, publicado no DOU de 08/12/2014, Seção 3, com Retificação no Edital No - 35/2014, publicado no DOU de 17/12/2014, Seção 3.



Página gerada pelo Sistema Currículo Lattes em 16/02/2019 às 10:14:16